Outubro 2014

 

Embed or link this publication

Description

Outubro 2014

Popular Pages


p. 1

Informativo Oficial do Sindicato dos Policiais Civis - Ano XX - Outubro de 2.014 - nº 215 Primeira vitória do sindicato obtida em ação contra o governo do Estado garante a associado que se aposentou pela lei 1062/08 a receber o salário com direito à paridade e integralidade, nos moldes do que previa a LCF (Lei Complementar Federal) 51/85. Vitória do departamento jurídico que obteve outras grandes conquistas no mês - foi bastante comemorada pelo Sinpol. Veja na página 15. SINPOL DISE DE OBTÉM REVERSÃO DA 1062/08 PARA A 51/85 RIBEIRÃO PRETO FAZ APREENSÕES Equipe da especializada, atuando em várias frentes, manteve a alta produtividade e realizou diversos flagrantes, prisões e apreensões de drogas e armas. Num dos casos, os policiais civis localizaram cerca de 200 quilos de maconha. Leia na página 02. O Sinpol prestará assistência jurídica às pensionistas, referente aos últimos aumentos previstos em lei que não foram repassados. Diante dessa situação, as pensionistas poderão ajuizar Ação Judicial e Mandado de Segurança. Informações diretamente na sede do Sinpol, à Rua Goiás, 1697 ou através da Central de Atendimento Sinpol, fones (16) 3612-9008 / 3977-3850 ou 3625-3890. ATENÇÃO PENSIONISTAS  Sinpol cobra promessa feita pela SSP há um ano;  Em Memória, equipe da DIG de Casa Branca que marcou época na área daquela seccional;  Mais dois pontos de atendimento do IAMSPE estão disponíveis;  Em Radar e Parabólica, o que foi notícia entre os policiais civis da região;  Investigador aposentado é morto em estrada vicinal na zona rural de Descalvado;  Em artigo, dr. Luiz Carlos Pires faz sua leitura do que ocorre durante os velórios;  Médico especialista em cirurgia cardíaca fala sobre riscos e cuidados a tomar para evitar procedimento de alto risco;  DIG de Ribeirão prende rapaz que usava trajes sociais para roubar carros. E MAIS: Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS Graças a trabalho de investigação dos policiais civis do 5º DP de Franca, responsável pelo atropelamento e morte de idoso de 93 anos será indiciado por homicídio doloso. Equipe conseguiu provas de que motorista atropelou homem de forma proposital. O indiciado tem 76 Outubro/2014 anos. Saiba mais na página 07. ATROPELAMENTO SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br DOLOSO

[close]

p. 2

DROGAS DISE Entre os vários tipos de entorpecentes encontrados nos pontos de tráfico da cidade, destaca-se a descoberta de 200 kg de maconha apreendidos 8,6 quilos de maconha, 913 cápsulas de cocaína, 149 unidades de LSD e 61 comprimidos de ecstasy, em posse de um jovem de 20 anos, na Cidade Universitária, próximo ao campus da USP (Universidade de São Paulo). O indiciado, conhecido como “Alemão”, locava um quarto em um pensionato da região, onde mantinha a droga. Nenhum outro morador do local tinha relação com o material ilícito apreendido. No bairro do Ipiranga, outras duas ocorrências foram registradas, também envolvendo jovens com cerca de 20 anos. Em ambas as investigações, foram encontradas cápsulas de cocaína, totalizando 416 unidades do envoltório. Para o dr. Torrieri, o alto índice de produtividade da DISE de Ribeirão Preto “só tem sido possível graças ao apoio e a confiança externados pelo Diretor do DEINTER-3 [Departamento de Polícia Judiciária do Interior], dr. João Osinski Junior, e pelo titular da Delegacia Seccional de Polícia Civil de Ribeirão Preto, dr. Marcus Camargo de Lacerda”. Por: Nayara Kobori DE RIBEIRÃO REALIZA DIVERSAS APREENSÕES EM SETEMBRO A DISE (Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes) de Ribeirão Preto, apreendeu mais de 200 quilos de maconha em uma residência na Vila Brasil, zona norte da cidade, na manhã do dia 04 de setembro. Já há algumas semanas, os policiais vinham apurando a informação da existência de grande quantidade de droga no bairro, encontrando o material ilícito em uma casa localizada na Rua Pedregulho. Durante a investigação, foi levantado o nome do indiciado de 59 anos, também conhecido como “Véio Jão”. A Polícia acredita que ele fazia a guarda da droga no local. J. foi preso em flagrante e não ofereceu nenhum tipo de resistência. O acusado já tinha passagem por tráfico de entorpecentes e foi encaminhado para a cadeia pública do município de Santa Rosa de Viterbo seguindo depois para o CDP (Centro de Detenção Provisória) de Ribeirão Preto. Os tijolos de maconha estavam embalados em plástico PVC e fita crepe, para não exalar o odor e acondicionados em sacos de estopa, sendo que algumas dessas peças eram mantidas na geladeira da casa. Além da droga, também foram apreendidas duas balanças de precisão e rolos de filme plástico. Segundo a equipe da especializada, acredita-se que a maconha seria destina à comercialização em vários pontos da cidade. O delegado titular da DISE, dr. Ariovaldo Torrieri Junior, afirma que a investigação continua, com o objetivo de apurar a origem da droga, bem como o seu real dono. Além da expressiva apreensão de maconha, a ação da especializada todavia é bem mais ampla. A DISE continua trabalhando com outros flagrantes diários no município. Ainda no mês de setembro, foram Acima, o titular da especializada, dr. Torrieri; abaixo, fachada da Delegacia, que realizou diversas apreensões durante o mês de setembro, mantendo a alta produtividade no combate ao narcotráfico Fotos: Júlio Castro Foto: Polícia Civil Pequena parte da droga apreendida pela DISE Ribeirão no mês passado 02 Outubro/2014

[close]

p. 3

PREVENÇÃO Especialista alerta sobre a importância da prevenção para evitar que o coração continue matando mais que o câncer a a AIDS juntos O dia 13 de agosto foi um divisor de águas na vida do presidente do Sinpol, o investigador aposentado Eumauri Lúcio da Mata. Ele foi submetido a uma delicada cirurgia cardíaca, com alto risco de letalidade e que marcou para sempre a sua vida. “Eu sempre imaginei que o tabagismo era algo muito ruim. Durante muitos anos fumei, mesmo sabendo dos riscos que eu corria. Há alguns anos, resolvi ouvir o conselho de minha netinha. Ela me pediu e resolvi parar. Mas o estrago já estava feito. Não fosse a competente intervenção do dr. Ricardo Sgarbieri e sua equipe, certamente eu não estaria aqui à frente do Sinpol, novamente. Tenho muito o que agradecer a este brilhante médico e sua equipe”, lembra Eumauri, emocionado com o resultado positivo. Formado pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) de Ribeirão Preto em 1985, onde fez residência em Cirurgia Geral, especializou-se com a residência em Cirurgia Cardíaca, realizada no Hospital São Francisco, também em Ribeirão Preto. Depois atuou por dois anos na França e um na Inglaterra, em cirurgia cardíaca pediátrica e em transplantes. De volta ao Brasil, foi trabalhar na Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro. Em 1992, regressou para os quadros do Hospital São Francisco, atuando na Clínica Cirúrgica do Tórax, departamento que ele próprio ajudou a constituir. Ele também atua, desde então, como médico contratado na Universidade do Triângulo Mineiro. Ele comandou a equipe que realizou a intervenção cirúrgica no presidente do Sinpol. “O Eumauri se submeteu ao procedimento popularmente conhecido por implante de ponte de safena. Na verdade, não se usa mais a safena hoje em dia. Foi um processo de revascularização do miocárdio, ou seja, recolocar sangue nas veias do coração. A doença coronariana, ou seja, a obstrução das artérias do coração por depósitos de gordura, colesterol, é uma doença multifatorial. Indiscutivelmente é, entre as doenças cardíacas, a mais comum atualmente, típica dos países desenvolvidos ou em desenvolvimento. Pode ser ocasionada por antecedente familiar, como um fator genético ou hereditário. Mas também há fatores como diabetes, hipertensão, colesterol alto, obesidade, sedentarismo, tabagismo e alcoolismo, entre outros, que contribuem para a obstrução da artéria”, revela o dr. Ricardo Sgarbieri. O médico avalia que um desses fatores ou vários combinados ocasionam o problema, mas os que mais influem no próprio ato cirúrgico são a diabetes e o tabagismo. “Esses dois fatores têm influência direta sobre o resultado da cirurgia”, adverte dr. Sgarbieri. O cirurgião revela que a doença cardiovascular, excetuando-se as mortes pelo trânsito e violência urbana, é a maior causa de morte na população acima dos 30 anos no Brasil. “A doença cardiovascular é, indiscutivelmente, a maior causa de morte entre a população adulta do Brasil e países desenvolvidos da Europa, América e Ásia”, acrescenta. Uma vez submetidos às cirurgias, os pacientes podem voltar a ter qualidade de vida, desde que sigam as recomendações médicas. Exercícios físicos, controle dos fatores de risco - uso de medicamento contínuo para colesterol, hipertensão e diabetes quando forem o caso e, sobretudo, parar de fumar são fundamentais para quem quer continuar a viver com qualidade, de acordo com o médico. A alimentação saudável também é muito importante. “Infelizmente seguir as recomendações não é o mais comum. Tem gente que volta a fumar, não controla bem os fatores por se sentir bem. Continua obeso, não faz atividade física. Obviamente essa pessoa tem chance maior de ter uma reincidência. Quem se submete a uma cirurgia deve se tratar pelo resto da vida para evitar que novas obstruções em outros locais possam lhe causar problemas no futuro”, ensina o dr. Sgarbieri. Mesmo quem não tenha apresentado qualquer problema coronariano deve se cuidar. O ideal, de acordo com o médico, é abandonar definitivamente o tabagismo. Além disso, é importante manter atividade física regular, mesmo que uma simples caminhada diária. Alimentação adequada, com menos carne vermelha, também é importante. E controlar doenças como hipertensão, colesterol e diabetes é sempre fundamental para evitar problemas que levem à cirurgia como a que se submeteu Eumauri, considerada de grande porte, bastante complexa. “Seguindo as recomendações, os pacientes voltam a ter uma vida produtiva, voltam a trabalhar, enfim, levam uma vida normal”, observa o dr. Sgarbieri. Eumauri, felizmente recuperado do traumático processo cirúrgico pelo qual se submeteu, garante que quer agarrar a nova chance. “Muitos não têm a chance que tive, morrem de infarto, AVC [Acidente Vascular Cerebral], derrame. Eu tive uma segunda chance e quero aproveitá-la. Tenho muito que agradecer ao dr. Sgarbieri e sua equipe”, conclui o presidente do Sinpol. CUIDANDO DA SAÚDE Dr. Sgarbieri adverte para o risco causado pelo tabagismo, sedentarismo e descontrole de doenças como hipertensão e diabetes Eumauri: agradecimento à equipe e vida nova Outubro/2014 03

[close]

p. 4

EDITORIAL Não posso dizer que estou satisfeito com sua vitória ou que torci por ela, senhor governador. Afinal, tivemos quatro anos onde praticamente nada do que reivindicamos foi atendido. E foram reivindicações pertinentes, não apenas para os policiais civis, mas sobretudo pelo bem da Instituição Polícia Civil. Espero, de coração, que o senhor faça uma leitura desta vitória da mesma forma que nós estamos fazendo. O senhor venceu nas urnas por absoluta falta de opção dos eleitores. Não porque tem a melhor proposta. Nos últimos meses, todos puderam perceber que a questão da água foi varrida para debaixo do tapete. Agora, com o fim do processo eleitoral, o senhor vai ter que se deparar com uma crise sem precedentes. Conseguiu, pelo menos, evitar que isso tirasse sua vitória absoluta nas urnas já no primeiro turno das eleições. Mas esse não será o único problema a ser enfrentado. As crises nos setores considerados os pilares de qualquer governo continuam. O Estado continua enfrentando problemas gravíssimos na Segurança Pública, na Educação e na Saúde. Mas vamos nos ater somente à questão da Segurança Pública, que podemos falar com propriedade. Não há mais como negar que a Polícia Civil está sucateada. Principalmente PARABÉNS, EXPEDIENTE SENHOR GOVERNADOR região. E ainda no período, tivemos mais companheiros que se aposentaram. Outros que se afastaram por problemas de saúde e outros que simplesmente deixaram de ser policiais civis, diante da penúria atravessada pela categoria. Para piorar, temos ouvido de fontes seguras que a famigerada reengenharia vai, definitivamente, ser implantada na sede do Deinter3 e nas demais cidades. Ou seja, juntar o nada com a coisa nenhuma para enganar a população, que por sinal também será afetada e terá que andar mais para chegar até uma unidade policial para atendimento. Conselho de amigo: se o senhor e seu partido quiserem continuar governando o Estado mais importante do País, pensem nos servidores públicos, pois o serviço que nós prestamos é reflexo do governo que nos administra. Pense nas reivindicações que enviamos para sua equipe analisar e não recebemos respostas. Não são pedidos impossíveis, muito menos tão difíceis de serem implementados. E isso, certamente, fará a diferença na Segurança Pública. Pense nisso, com carinho. E que neste novo mandato, possamos de fato dialogar com o senhor e sua equipe. EUMAURI LÚCIO DAMATA Presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) agora pois, ao que tudo indica, como ouvimos nos bastidores, o senhor vai mesmo acatar a íntegra da Lei 144/2014, que prevê paridade e integralidade para os policiais civis que se aposentarem por esta Lei, devidamente soberana em todo o território nacional. Assim sendo, acreditamos que vai haver um grande número de policiais civis a se aposentarem já nos próximos meses. E isso só vem contribuir para o caos na Instituição. Nosso efetivo é o mais baixo de todos os tempos. A relação policial civil por número de habitantes nunca foi tão deficitária. O senhor bem sabe que os policiais civis estão sobrecarregados. Há falta de recursos humanos em todas as carreiras, indistintamente. Mas as da chamada linha de frente, composta por delegados, investigadores e escrivães são, sem sombra de dúvidas, as que mais sofrem. Principalmente no interior do Estado. Os concursos são feitos de forma muito morosa e, dificilmente contemplam a realidade do interior. Na região do Deinter-3, por exemplo, há um ano, o senhor secretário da Segurança Pública prometeu, em evento, 640 policiais civis para nossa área. Na ocasião, vociferamos dizendo que só para Ribeirão Preto seriam necessários mais de 1.000 policiais civis. Mas ainda assim ficamos no aguardo. Não vieram os 640 para a O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: sinpolrp@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Dorlei Morales, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luiz Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório, Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello. Diretores Financeiros: Júlio Cesar Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento. Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos. Conselho Fiscal: Prisclia Yoshi S. Hashimoto, Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Josiane K. P. de Souza; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 CHEFE DE REPORTAGEM: Júlio Castro EDITORA: Nayara Kobori O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Sub Ten Res PM Oswaldo Bonfim Martha J. Araújo Luque DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça Antonio Pereira Alvin Aparecido Donizete Tremura Vanderlei Garcia da Costa Marco Aurélio Scridelli Marcos Antonio Fernandes Marcos Lara Israel Leal de Souza EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. Novos Associados Associaram-se ao Sinpol em agosto os seguintes policiais civis: - Magali Martins da Rocha, agente de telecomunicações; - Jesus Carlos Rodrigues da Silva, auxiliar de necropsia; - Gilberto Haruo Yamaoka, escrivão. A diretoria do Sinpol dá boas vindas aos novos associados e está à disposição de todos os policiais civis que quiserem integrar o quadro associativo do sindicato. Notas Cantina para o Associado A Cantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados. Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos. A cerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal. Sempre com novidades para os associados. Maiores informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912, com Paulo ou (016) 99398-8820 com Cristina. Atualização de dados Sinpol Para atualização de dados e de situação profissional, principalmente dos recém-aposentados, o Sinpol está promovendo um recadastramento de todos os associados. Participe da atualização e garanta o recebimento de toda correspondência que enviamos, procurando a Secretaria do Sinpol, ou enviando email para secretaria@sinpolrp.com.br. Atenção policial civil A diretoria do Sinpol alerta a todos os policiais civis associados que, se receberem intimação para comparecer à Corregedoria ou a qualquer outro órgão, para depoimento, busquem antes orientação no Departamento Jurídico do sindicato. É direito constitucional que em todo e qualquer depoimento, o depoente esteja assistido por um advogado. Pensionistas O Sinpol solicita às pensionistas que verifiquem seus holerites, pois há informações de que a SPPrev não tem efetuado corretamente os pagamentos no que diz respeito aos 7% de reajuste. Algumas pensionistas não têm direito ao aumento, porém a SPPrev tem cometido erros. Qualquer dúvida, entrar em contato com a Central de Atendimento do Sinpol, pelo telefone (16) 3612-9008, falar com Fátima, para esclarecer a situação. Falecimentos A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, os seguintes falecimentos: + Iole Augusto, investigadora aposentada de Barretos, ocorrido no dia 21 de julho; + Sebastião Roberto Pereira Gonçalves, investigador aposentado de Descalvado, ocorrido no dia 31 de agosto; + José Paulo Franco, investigador de Sertãozinho, ocorrido no dia 04 de setembro; + Bráulio Geraldo de Oliveira, escrivão aposentado, ocorrido no dia 26 de setembro. O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. Aposentados Associados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em setembro: - Marco Antonio Maciel, escrivão de Polícia de Classe Especial; - Joaquim Orlik Montanheri, investigador de Polícia de Classe Especial; - Sérgio Lemos da Silva, escrivão de Polícia de Classe Especial; - Sebastião Signei de Moraes, investigador de Polícia de Classe Especial. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por sua brilhante carreira, desejando-lhes poder usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. Iamspe Além da lista publicada na edição 213 do Jornal do Sinpol, mais dois endereços estão disponíveis para usuários do Iamspe. - Pronto atendimento infantil: Instituto Santa Lydia - Fone: (16) 3605-4848 Rua Tamandaré, 434, Campos Elíseos, Ribeirão Preto-SP; - Pronto atendimento adulto: Beneficência Portuguesa - Fone: (16) 3977-5500 - Rua Tibiriçá, 1172, Higienópolis, Ribeirão Preto-SP. 04 Outubro/2014

[close]

p. 5

R ADAR Integralidade e Paridade De acordo com o site Flit Paralisante, atendendo a representação do Delegado Geral e do Conselho da Polícia Civil, ratificada pelo Secretário da Segurança Pública, o governo informou reservadamente ao DGP que o parecer sobre a LC 144;04, será objeto de desconsideração; sendo que a Procuradoria Geral, com base nos estudos mais aprofundados apresentados com o manifesto dos delegados de Polícia e levandose em conta a firme jurisprudência dos Juízes e Desembargadores deste Estado, elaborará novo parecer reconhecendo a paridade e integralidade das aposentadorias e dispondo sobre normas autorizadas à Delegacia Geral em relação à expedição de certidões e apostilamento das concessões; tudo com o objetivo de garantir com celeridade os direitos dos policiais civis. Em razão do período eleitoral, oficialmente, a Delegacia Geral de Polícia não pode, sob pena de configurar eventual infração eleitoral, divulgar - por meio do site ou mensagem intranet - a decisão do governador. São Carlos Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de São Carlos continuam realizando diversas ações para conter o avanço do tráfico de drogas na cidade. Em um dos trabalhos realizados pela equipe, um imóvel localizado na rua José Lemes Marques, no bairro Jacobucci, vinha sendo investigado pelos policiais civis da especializada. Eles haviam recebido denúncias anônimas de que no local haveria tráfico de drogas. Ao constatar que o local era, de fato, um ponto de tráfico em São Carlos, a equipe da DISE decidiu entrar em ação. Dentro do imóvel estavam dois homens. G.O.L.J., de 31 anos, se rendeu sem problemas. Já M.F.L., de 34 anos, reagiu à prisão e precisou ser contido pelos policiais civis. No imóvel, a DISE encontrou mais de 600 gramas de maconha. A droga foi apreendida e a dupla foi levada até a sede da DISE, onde foi autuada pelo dr. Edmundo Ferreira Gomes. Após o flagrante, eles foram levados ao Centro de Triagem da cidade, onde ficarão à disposição da Justiça. Disque Drogas Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Franca acabaram com um serviço de delivery não apenas curioso quanto criminoso. Um sapateiro desempregado do bairro Elimar, periferia da cidade, criou um sistema eficiente onde usuários encomendavam entorpecentes por telefone e o “empresário” da droga efetuava pessoalmente a entrega. Ao tomar conhecimento do “delivery”, policiais civis da especializada foram a campo e conseguiram acabar com o “comércio” criado por C.A.S., de 33 anos. O homem foi seguido no dia 06 de setembro, ao atender a mais uma encomenda. Ao chegar à casa do cliente, no bairro Francano, os policiais civis fizeram a abordagem. S. foi preso em flagrante com 50 pinos de cocaína. O homem foi encaminhado ao CDP (Centro de Detenção Provisória) e vai aguardar à disposição da Justiça, já que o crime de tráfico de drogas é inafiançável. Celulares Policiais civis de São Carlos realizaram entre 15 e 19 de setembro a “Operação CelulaFoto: São Carlos Agora O delegado Seccional de São Carlos, dr. Rogério Fakhany Vita, determinou a “Operação Celulares” res”. A ação foi realizada por determinação do delegado Seccional da cidade, dr. Rogério Fakhany Vita. Ele informou à imprensa que várias lojas de venda e revenda de celulares foram visitadas por equipes dos cinco DPs (Distritos Policiais) da cidade, com o objetivo de apreender telefones que não apresentassem documentação de procedência e nota fiscal. Os aparelhos produtos de furto estavam voltando para lojas irregulares e vendidos como usados, sem a nota fiscal. Durante os primeiros dias da ação, os policiais civis de São Carlos apreenderam 29 aparelhos celulares que estariam supostamente irregulares. Um dos aparelhos encontrados pelas equipes teria sido comprado nos Estados Unidos, estando travado e codificado. De acordo com o Seccional, os policiais civis instauraram inquéritos para apurar possíveis crimes de receptação e contrabando. Segundo o dr. Fakhany, de acordo com estatísticas da Polícia Civil, cerca de 60% dos roubos registrados em todo o Estado no primeiro seis meses do ano envolveram furto ou roubo de aparelhos celulares. “Dedo-duro” Graças à tecnologia, policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Franca conseguiram recuperar, no dia 20 de setembro, um automóvel que havia sido furtado alguns dias antes. Os policiais civis receberam informações da localização do veículo através do rastreador instalado em seu interior. O carro estava sendo adulterado no Jardim Dermínio. No local, os policiais civis encontraram ainda uma motocicleta que havia sido furtada e já tinha sido adulterada. Também encontraram documentos de vários veículos e peças que, possivelmente, foram retiradas de outros carros desmanchados. Foto: Milton Rogério/São Carlos Agora Droga apreendida pela DISE de São Carlos Outubro/2014 05

[close]

p. 6

ARTIGO O Te n h o c o m o i r r e c u s á v e l d e v e r o comparecimento a velório (muito embora, confesso-lhes, não tenha muito apreço a cemitérios), quando do passamento de pessoas – quer aparentados, ou não – com as quais tenha, de alguma forma, privado do convívio, aí incluídos colegas de profissão ou que conosco tenham convivido em um mesmo espaço por determinado tempo a ensejar que laços de amizade se tornassem uma realidade. Assim, de uns tempos para cá, ainda não atinei com a razão, tenha me tornado um tanto quanto introspectivo e avesso a badalações, não tenho podido me furtar ao derradeiro adeus àqueles com os quais de alguma maneira interagi com maior ou menor frequência, neste nosso mundo de Deus. Dia desses, no cumprimento desse dever que me impus, eis-me em um velório onde pranteado companheiro de atividades em determinada associação de classe, achava-se sendo velado por seus familiares, além de relativamente grande número de pessoas, o que evidenciava ter o extinto granjeado, quando em vida, muitas amizades. Como soe acontecer quando de exéquias, muitos do que ali se acham, aproveitam do espaço e do evento que lhes permitem o congraçamento com amigos que há muito tempo certamente não viam, para calorosos abraços, profusão de beijinhos nas faces do sexo oposto (nem sempre, é bem verdade) e VELÓRIO solicita à viúva ceda-lhe a palavra à guisa de despedida do falecido. E começa a mulher a falar. E a falar, e a falar... e o tempo a passar, inexoravelmente a passar... A viúva, agora, com os olhos fixos na figura da tal mulher e as mãos crispadas nas bordas do caixão, a respirar com dificuldade certamente dado ao cansaço de que se sentia presa. E a mulher a falar... E foram tantos os elogios ao de cujus, à trajetória de sua vida, ao seu comprometimento com os desvalidos da sociedade, que, dali a pouco, pensava eu, o inanimado corpo iria readquirir vida e levitar, transformandose assim em mais um santo à vista do milagre da ressurreição. Passados cerca de trinta minutos, e como a oradora ainda estivesse a falar, agora acompanhada vaidosamente de grandiloquentes gestos, que eu, em grande e irresistível enfado, deixei o local, em busca de sol, ar, para melhor respirar, e a companhia dos mortos que, no cemitério às proximidades existente, pudessem me propiciar um pouco de paz e nenhum falatório. Setembro de 2014. (*) Dr. Luiz Carlos Pires é membro da Academia de Letras, Ciências e Artes da AFPESP, e da dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo; ex Delegado Regional de Polícia de Ribeirão Preto; ex Professor da Academia de Polícia “Doutor Coriolano Nogueira Cobra” Por: Dr. Luiz Carlos Pires (*) para contar piadas, inclusive a última do papagaio ou do português ... E a algaravia é tanta e tamanha que p o d e r- s e - i a s u p o r, s e m e x a g e r o s , estivéssemos em um verdadeiro mercado de peixes, com os balconistas a alardear seus espécimes em alto e bom som, procurando sobrepujar o alarido provocado por seus concorrentes. Gritaria, gargalhadas e, naquele ambiente em tudo contrastante com o que seria de esperar ali imperasse: um certo recolhimento, palavras de conforto aos familiares do extinto, gestos e palavreados contidos, eis que assoma o clérigo para a encomendação do corpo, uma vez que a hora do sepultamento se avizinhava. O padre, por mais que tentasse, por mais que alteasse o tom de voz, apercebi-me, não se fazia entender pelos familiares do morto, postados ao lado do caixão, tamanha a balbúrdia que, inclusive, o deixava – sejamos delicados – em muito desconfortável para não dizer, p....! A ora viúva e seus consanguíneos mais próximos, olhos fixos no ataúde, vítreo olhar, o cansaço pela noite não dormida a velar o inanimado corpo do amado ser, pareceu-me, estava prestes a desmilinguir-se quando o funcionário da funerária contratada se apressava no intuito de colocar a tampa do caixão, eis que surge dentre a turba (é este mesmo o termo, à falta de melhor) uma senhora de idade já um tanto quanto provecta e que 06 Outubro/2014

[close]

p. 7

FRANCA Equipe do 5º DP que atua no caso mudou a linha de investigação, alterando o inquérito para homicídio doloso; vitima fatal tinha 93 anos A morte por atropelamento do aposentado Dorcino Manoel Florentino, que tinha 93 anos e residia na rua Paulo Carlos da Silva, no Jardim Portinari, pode não ter sido um mero acidente de trânsito. Imagens gravadas pela câmera de segurança de um estabelecimento apontam que o motorista aposentado E.R. 76, teria atropelado o vizinho propositalmente. Na cena, R. aparece subindo a calçada e atingindo a vítima que estava de costas. O delegado Hélder Rodrigues, titular do 5º DP (Distrito Policial) de Franca, onde a ocorrência foi registrada, após ver as imagens do atropelamento, alterou o inquérito para homicídio doloso (quando há intenção e matar). O suposto acidente que tirou a vida do idoso de 93 anos ocorreu no dia 02 de setembro, pouco antes das 7h00. E.R. disse na ocasião a policiais militares que tirou sua Kombi, 1989, branca, da garagem de sua residência e, ao manobrá-la, não notou a presença do vizinho e acabou por atingi-lo. Como não foram arroladas testemunhas, acreditava-se que, de fato, o atropelamento teria sido uma fatalidade. A família de Florentino, no dia do desastre, não chegou a questionar o motorista, mas pairava dúvidas porque o idoso teria mencionado a parentes e vizinhos, enquanto aguardava o Samu, que o motorista passou sobre ele de forma proposital. Socorrido, Florentino morreu cerca de três horas depois no Pronto Socorro Municipal Doutor Álvaro Azzuz. O caso foi registrado, no dia 02 de setembro, como homicídio culposo (sem intenção de matar). A vítima foi sepultada, no final da tarde de ontem, no Cemitério Santo Agostinho. Imagens reveladoras Policiais do 5º DP conseguiram ontem as imagens do acidente. Elas sugerem uma história diferente. Ao contrário do que o motorista aposentado disse na terça-feira, ele viu a vítima e jogou o veículo sobre ela. “Ninguém faz uma manobra desta”, disse o delegado Hélder Rodrigues, referindo-se ao que foi gravado pela câmera de segurança de um estabelecimento do bairro. Nas imagens, E.R. aparece, de fato, saindo de ré da garagem. “É possível ver que ele [motorista] para por cerca de dois segundos e fala alguma coisa com a vítima que estava caminhando pela calçada”, destacou o delegado Helder Rodrigues. Na sequência, o motorista continua em ré, engata a primeira marcha, sobe a calçada devagar, bate e derruba a vítima, passando com a roda dianteira direita sobre o corpo dela. O motorista toca um pouco mais para frente, engata ré e volta para cima da calçada. Neste momento, o motorista de um veículo não identificado para e presta os primeiros socorros ao atropelado. O condutor da Kombi sai da calçada e estaciona. No dia 03 de setembro, E.R. foi intimado e compareceu no 5º DP com o veículo. O delegado mandou apreender a Kombi para perícia e buscou informações com o motorista sobre o caso. “Foi necessário exibir a imagens várias vezes para ele assumir que, de fato, atropelou a vítima na calçada. Ele se fez de desentendido e se recusou a falar. É um direito dele. Mas com base no vídeo, o inquérito de homicídio culposo passa para doloso, porque tudo indica que ele teve a intenção de cometer o crime”, afirmou o delegado Rodrigues. Revolta A família do idoso de 93 anos tomou conhecimento das imagens durante o velório realizado no Parque Vicente Leporace. A revolta tomou conta de parentes, amigos e conhecidos. “Foi proposital. Meu avô estava falando a verdade. Ele atropelou por querer”, disse Talita Garcia de Souza, neta de Florentino, que falou em nome da família e foi uma das pessoas que conversou com o idoso na manhã de terça-feira, enquanto aguardava a chegada do resgate. Os familiares esperam que a polícia consiga esclarecer o que levou o motorista aposentado a tomar tal atitude. Segundo parentes Florentino não tinha nenhum problema de relacionamento com os vizinhos. Por: Barros Filho/Diário da Franca Foto: Cassiano Lazarini/Comercio da Franca ATROPELAMENTO PODE TER SIDO PROPOSITAL Foto: Divulgação 5º DP de Franca Acima, o titular do 5º DP de Franca, dr. Helder; no detalhe ao lado, policiais civis da delegacia atuaram no caso que passou a ser tratado como atropelamento doloso Outubro/2014 07

[close]

p. 8

NOVA SEDE As obras da construção da futura sede social do Sinpol prosseguem dentro do planejado. Já é possível ter uma ideia de como o projeto vem sendo tratado e o que o imóvel vai oferecer para todos os policiais civis e para a sociedade ribeirão-pretana em geral. O local vai contar com um grande e estruturado salão de festas, tornando-se uma opção a mais para o policial civil que pretenda organizar seus eventos com qualidade e economia. Além disso, terá salas para abrigar todos os departamentos, além de um auditório para eventos e cursos de aprimoramento profissional que poderão ser realizados nas dependências do Sinpol. O imóvel, segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, vai beneficiar não somente a categoria como também os moradores daquela região e a sociedade ribeirão-pretana em geral. Atualmente está sendo aplicado gesso no acabamento e forro. A próxima fase será o assentamento do piso. O prédio está sendo edificado na Avenida Francisco Massaro Farinha, esquina com a rua Pedro Pegoraro, que é uma travessa da Av. Leão XIII, na Ribeirânia, atrás do Campus da Unaerp (Universidade de Ribeirão Preto) e terá área total construída de 1.600 m², está sendo erguido em um terreno com área total de 2.247,95 m². O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, convida todos os associados que tenham interesse em visitar as obras e conhecer como será a nova sede social do sindicato. Os custos da obra também estão à disposição de todos os interessados, com total transparência. Uma comissão de associados foi formada para acompanhar passo a passo o que é investido no local. As obras foram iniciadas no dia 06 de março de 2012. Acompanhe nas fotos a evolução da obra. OBRAS PROSSEGUEM 08 Outubro/2014

[close]

p. 9

A ÇÃO Jovem de apenas 18 anos que usava roupas sociais para roubar carros acabou preso pela DIG de Ribeirão Preto depois de cometer 40 assaltos e agir com violência As roupas sociais e os óculos não faziam parte da vestimenta usual de J.G.C.. Com apenas 18 anos, o jovem magro, de cabelos loiros e aparelho dentário vestia-se bem para um propósito: roubar. “Ele mesmo disse que usava os óculos só para disfarce. No dia a dia ele não usava, mas para roubar ele colocava camisa social, calça social e óculos, quer dizer, passava como uma pessoa comum”, comenta o delegado Titular da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto, dr. Ricardo Turra. Considerado o maior ladrão de veículos da cidade, J. foi preso pela DIG, na manhã do dia 12 de setembro. Andando com dificuldade devido a uma fratura na perna, o rapaz foi abordado na casa em que vivia, na Rua Santos, próxima à favela do Brejo, na Vila Carvalho, zona norte da cidade. Sem reagir, acompanhou os policiais, com o olhar torto e cabisbaixo. O jovem agia nos bairros Campos Elíseos, Jardim Paulista e Jardim Paulistano - zonas norte e leste -, assaltando principalmente mulheres. Durante interrogatório, confessou ter roubado 40 veículos e que ganhava mil reais com cada automóvel “puxado”. Segundo o dr. Turra, acredita-se que o acusado já cometia crimes por muito tempo, antes mesmo dos 18 anos e o número total de veículos roubados ou furtados pode chegar a 80. “Nas redes sociais ele ostentava os ganhos, com fotos de dinheiro e correntes de ouro. Mas todos os carros eram passados para terceiros. Nós vamos prosseguir nas investigações, para achar quem eram esses receptadores”, adianta o dr. Turra. O acusado abordava as vítimas sozinho, enquanto seus comparsas esperavam próximo ao local do crime dentro de um carro. A DIG também apreendeu um dos automóveis usados por Jonathan durante os assaltos - um gol preto, com rodas prateadas, também produto de roubo. Em família Em entrevista ao site de notícias da Globo, o G1, o rapaz afirmou: “roubava porque tenho sobrinho pequeno, mas nunca fiz mal a ninguém. Eu não queria ter feito isso não, mas a necessidade me fez fazer. Eu passava fome, não tinha onde morar”. A irmã do indiciado também já tinha passagem pela polícia por tráfico de drogas. Pelo menos vinte vítimas já fizeram o reconhecimento. Agora, J. aguarda julgamento em prisão temporária, concedida pela 2ª Vara Criminal de Ribeirão Preto. Ele foi encaminhado à cadeia pública de Santa Rosa do Viterbo e, em seguida, transferido para o CDP (Centro de Detenção Provisória) de Ribeirão Preto. Noite violenta A noite de 08 de setembro tinha tudo para ser um encontro agradável entre famílias amigas, no bairro dos Campos Elíseos, zona norte da cidade. Um casal, com seus dois filhos, chegava à casa da família de amigos na rua João Clapp para um jantar. Mas infelizmente o programa não sairia conforme o planejado. Logo que encostaram o carro, bem na frente da casa dos amigos, o casal foi abordado por um jovem de boa aparência, muito bem vestido, trajando camisa e calça social. Ao contrário do que podia parecer, aquele rapaz bem vestido que estava diante da família apontando uma arma e anunciando o assalto era um dos maiores ladrões de carro da cidade. Ele exigiu que a família entregasse o carro, mas o casal reagiu e entrou em luta corporal contra o agressor. Durante a luta, a mulher teve o braço mordido pelo assaltante, que acabou desarmado. Porém, ele recuperou a arma e disparou três vezes contra o casal. Os tiros, felizmente, não atingiram ninguém. Desesperado, o assaltante fugiu do local sem levar nada, entrando no carro de um comparsa que estava aguardando o desfecho do assalto. Esse caso, segundo o dr. Turra, mostra o quanto o jovem era violento, chegando a colocar a arma na mira de crianças. Por isso, o objetivo maior da Polícia “era tirar esse rapaz de circulação e prendê-lo. Não ia demorar muito e ele podia cometer algo mais grave, como matar uma vítima durante o assalto. Agora, vamos continuar as investigações para chegar até os outros [integrantes da quadrilha e receptadores]”. Toda a DIG atuou na prisão de J. e, chegar até o maior ladrão de carros de Ribeirão, só foi possível graças ao empenho dos policiais civis que conduziram as investigações, como Mateus, Ricco Filho, Rogério e Cordeiro. “Tiramos das ruas uma pessoa de alta periculosidade, que não tinha nada a perder. É o trabalho da Polícia Civil contribuindo com a sociedade”, salientou o dr. Turra. Desde fevereiro deste ano, dr. Turra atua como delegado titular da DIG, priorizando a solução de casos de assassinatos e roubos. Por Nayara Kobori VESTIDO PARA ROUBAR Parte dos policiais civis que integram a DIG de Ribeirão Preto ao lado do titular da especializada, dr. Turra ( de terno e gravata) Outubro/2014 09

[close]

p. 10

T RAGÉDIA INVESTIGADOR APOSENTADO É ASSASSINADO EM ra de seu sítio, notou que havia um fusca aparentemente abandonado na estrada. Ao chegar mais perto, percebeu que Sebastiãozinho ainda agonizava no veículo. Imediatamente ele correu para sua propriedade e acionou a Polícia Militar e uma unidade do SAMU (Serviço de Atendimento Médico de Urgência) para socorrer a vítima. Mas o socorro foi em vão. Logo que os paramédicos chegaram ao local, o investigador aposentado já estava sem vida. Ele não resistiu aos três tiros que o atingiram quase a queima roupa: um na cabeça, outro no tórax e um terceiro no braço. O crime causou enorme comoção, tanto em Descalvado, onde Sebastiãozinho atuou por vários anos, quanto em Porto Ferreira, onde morava e era atuante na sociedade local. Em seu velório e sepultamento, no Cemitério Cristo Rei, em Porto Ferreira, dezenas de pessoas foram prestar as últimas homenagens ao investigador, que dedicou sua vida à Polícia Civil. Investigação O caso passou a ser investigado imediatamente por policiais civis de Descalvado, local onde o crime aconteceu. O investigador Nil revelou que a linha de investigação não aponta para um crime ocorrido por conta de sua atividade pessoal. “Tive o prazer em trabalhar com ele. Ingressei na Polícia Civil em 1992 e, até 1998, quando ele se aposentou, trabalhamos juntos na Delegacia de Descalvado. Mas ele estava aposentado há 16 anos. Não acreditamos que seja nada ligado à sua atividade”, explica. O investigador Nil informou, todavia, que os detalhes da investigação não podem ser divulgados para não prejudicar o trabalho, mas garante que os policiais civis não só de Descalvado, mas também de Porto Ferreira e da região estão empenhados em encontrar os responsáveis pela execução de Sebastiãozinho. O proprietário rural, que foi o primeiro a avistar o veículo e a acionar a PM, disse que estava em sua propriedade quando ouviu os estampidos de arma de fogo. Enquanto seguia para a porteira de sua propriedade, ouviu o barulho de uma motocicleta partindo em alta velocidade. Também ouviu o barulho de uma caminhonete transitando pela estrada, mas não chegou a avistar nenhum dos dois veículos. Peritos da Superintendência da Polícia Técnico Científica estiveram no local onde Sebastiãozinho foi morto e realizaram um trabalho para tentar apurar se o investigador aposentado foi vítima de uma tentativa de assalto Foto: São Carlos Agora Associado do Sinpol voltava de uma propriedade rural quando foi morto com três tiros disparados em curta distância numa vicinal DESCALVADO O domingo, 31 de agosto, começou como de costume para o investigador aposentado Sebastião Roberto Pereira Gonçalves, de 72 anos. Ele saiu de casa em Porto Ferreira, como de costume, pouco antes do dia clarear. Deu a partida em seu inseparável fusca e rumou para uma propriedade rural localizada em Descalvado, divisa com Porto Ferreira. Segundo o investigador Ednir Donizetti Valentin, o Nil, Gonçalves criava algumas cabeças de gado no local, algo que ele sempre gostou de fazer. Pouco antes das 8h00, ele fechou a porteira que dá acesso ao local e rumava para sua casa, em Porto Ferreira. Sebastiãozinho, como era conhecido entre os amigos, não conseguiu, porém, andar mais que um quilômetro. Próximo ao Pesque-Pague do Borginho, foi alvejado por três tiros. Por volta de 8h05, um produtor rural teria ouvido barulho de vários tiros e resolveu ir até a estrada para ver o que havia acontecido. Quando chegou até o local, em frente à porteiFoto: Reprodução ou se tratava de execução. De acordo com Nil, Sebastiãozinho sempre foi uma pessoa bastante tranquila. “Durante o período em que trabalhamos juntos em Descalvado, ele foi chefe dos investigadores e acumulava o cargo na Ciretran [Circunscrição Regional de Trânsito]. Sempre foi uma pessoa bastante querida” Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, o crime chocou e ele tem a convicção de que os policiais civis irão descobrir o que motivou esse bárbaro assassinato. “É lamentável esse tipo de coisa ocorrer. Sebastiãozinho foi um grande colega, policial civil exemplar, era nosso associado e amigo. A nós só resta manifestar nossos sentimentos à família. Queremos que os responsáveis sejam devidamente punidos”, concluiu Eumauri. Sebastião tinha 72 anos e era investigador aposentado O fusca do policial civil foi alvejado em uma estrada vicinal, na zona rural de Descalvado: latrocínio ou execução? 10 Outubro/2014

[close]

p. 11

HOMENAGEM A MORTE DO JORNALISTA E ESCRIVÃO DE BRÁULIO GERALDO Por: Welson Gasparini (*) POLÍCIA A morte do jornalista Bráulio Geraldo de Oliveira, cujo sepultamento ocorreu na última sexta-feira, 26 de setembro, em Ribeirão Preto, realmente me abalou. Bráulio era daqueles amigos da vida toda; conheci-o, mocinho ainda, quando ele era editor do extinto “Diário de Notícias” e eu, já iniciado no rádio como locutor da ZYR-79, procurei-o para pedir-lhe credencial do jornal para “cobrir” um jogo, em Batatais (minha cidade natal) entre o Batatais e o São Paulo FC. Na verdade, eu queria mesmo era entrar no campo sem pagar... Vai daí, conforme já relatei em inúmeras oportunidades, nesse dia o estádio do Batatais FC receberia a visita do então governador Jânio Quadros e aquele fato inusitado despertou em mim o espírito, até então adormecido, do jornalista. Levei, então, ao lado de informações básicas sobre o jogo, uma longa entrevista com Jânio. Bráulio gostou tanto da minha iniciativa que me propôs: “Você não quer trabalhar no ‘Diário de Notícias’?” Iniciamos, então, uma amizade sincera e duradoura: BG trabalhou comigo na Prefeitura em minha primeira gestão como prefeito de Ribeirão Preto e foi daqueles amigos, cada vez mais raros, “para todas as horas”. Quando penso no Bráulio, não posso deixar de lembrar dos amigos que fiz naquele período, podemos dizer, “romântico” da imprensa ribeirão-pretana. Os profissionais, mal remunerados, desdobravam-se porque os salários eram insuficientes: BG, quando não estava no jornal, era escrivão da Polícia Civil; Ant o n i o d e B a r r o s , o To t i n h a , e r a securitário; Sebastião Porto, secretário da Faculdade de Farmácia e Odontologia; Vicente Seixas, alfaiate; Antonio Claret Gouveia (o Galhofa) e Jader Simonelli, bancários; Marcial Fernandes, Ney Mattar e Wilson Roveri, advogados; João Gilberto, despachante policial; Jovino Campos, Jayme Stulano e Onésio da Motta Cortês, funcionários dos Correios; Renato Freira, telegrafista; Afonso Dias, funcionário da Secretaria da Agricultura; Gilberto Bellini, estudante de Medicina; Carlos Alberto Nonino, estudante; eu, além do jornal, também trabalhava na “79” e dava aulas como professor. Eram, indiscutivelmente, outros tempos, mas as amizades perduraram. O jornalismo, claro, com o fortalecimento e a modernização das empresas, profissionalizou-se; já não dá mais, num clima de concorrência entre os próprios veículos, para vestir mais de uma camisa. BG, mesmo deixando de lado a profissão, continuava ativo, trocando mensagens via e-mail, com os amigos; também tinha página no Facebook . Participava, igualmente, de eventos culturais, sempre prestigiando amigos como quando, por exemplo, o José Pinho de Oliveira lançou o livro crônicas no Espaço Cultural Palace. Era, além de tudo, um bom pai e um bom avô, plenamente dedicado à família; dava, diuturnamente, exemplos de cidadania. Vou sentir muito sua falta; era um “ombro amigo” ao qual podia recorrer em momentos de angústias ou aflições. Welson Gasparini é deputado estadual reeleito em 2014, foi prefeito em Ribeirão Preto por quatro mandatos e deputado federal., é advogado, jornalista, radialista e comunicador Foto: Divulgação Outubro/2014 11

[close]

p. 12

ANIVERSARIANTES A vida é um milhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar. Feliz Aniversário aos nascidos em novembro! 1 Adriano Roberto Marqui Luciana Carmargo Renesto Rosivaldo Fernandes Cunha Matilde Nori Tosta de Oliveira 2 Priscilla Yoshi Serapião Hashimoto Luiz Celso Hypólito João Fernando Baptista Francisco Lopes Neto 3 Célio Antonio Santiago Sílvia Helena da Silva Milani Guidalberto Marques de Mello José Carlos de Oliveira José Carlos da Silva Paulo Luiz Morato de Aquino João Batista Sérgio Neto Kennedy Santos Bittencourt Sílvia Helena A. de Souza Carlos César Bueno Antonio Carlos Sampaio Cloves Alves 4 Roberto Lazinho Danilo Ávila Luiz Henrique Rossi Jorge Ferreira Seridonio 5 Valmério Francisco da Silva 6 Sebastião Vicente Picinato Geraldo Augusto Mazaron Amir Pessoa Vicente Paulo Gonçalves Nilson Lopes da Silva 7 Benedito Grillo Chiyoko Matsui Minamisava Wander César Galante Orlando Posca João Santino Silvério Ana Paula Rodrigues Nucci Carmo Puliezi José Luiz de Lima Daniela Cristina das Taboas 8 José Carlos Marcucci Lucimara Rocha Gomes Daura Rita Aparecida Macedo Candido Armando Nelcidio Gonçalves Ricardo Ruzzene Neto Isaura Lemos Cora Walter Moraes Braga Júnior Cândida Ribeiro da Silva 9 Moysés José Cocito Tania Maria Leite Ribeiro Lima Marcos Aparecido Ferreira do Carmo Maria Aparecida Donizete D. Oliveira Aparecido Donizeti Alexandre 10 Baltazar Padilha Iracema Aparecida da Silva Antonio Flávio Martins Mariangela Paiva de Araújo Orrico José Eduardo Marcico Andrea Alessandra Moretti Claudemir Aparecido Pereira da Silva 11 Evandro Estadeu Rezende João Paulino Veima Chelli Raimundo de Oliveira Sílvio Carlos de Menezes 12 Celso Garcia Oliveira Altair Lopes dos Santos Saladino Daer El Khatib 13 Roberto de Souza P. Filho Alexandro Gomes Angulo Neusa Dalle Piagge Raquel Maria Ferreira Motta 14 Sandro Luís Ruivo Eliana Aparecida de Faria Diniz 15 Antonio Fernando Garcia Nilva Sueli Lucindo Pistori Osvair José da Silva João Francisco Alves Filho Abílio Valdir Fioravante 16 Tereza Garcia Franco Ricardo Contin Cláudio José Ottoboni Fernando Luiz Rohrig Zaqueos Rodrigues da Silva 17 Joel Dias da Mota Luís Augusto da Silva Júlio César Falconi Ferreira Eduardo de Oliveira Crestani 18 Telma Cristina do Carmo Débora Caldo Pinheiro Adilson Roberto de Souza 19 Geraldo Souza Filho Luís Henrique Zanoello Alexandre do Carmo Lopes Ferraz 20 José Mário Zanoello Afonso Bibanco Wagner Queiroz de Brito 21 Francisco Renato Tortorelli Costa Jorge Carlos Tacão Marcelo Rodrigues Alves Caleiro 22 Assis José Aparecido Tasca Marcos Cesar Borges Regina Neves Guerra Glaucon Bonette José Luiz de Almeida 23 Maria de Fátima de Luca Reginaldo Guicardi Maria Aparecida Benta Luiz Antonio Giora 24 Carlos Osvaldo Russo Érico F. de O. Seixas Santos 25 Valdir Delfino Paulo Fernando do Nascimento A DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Casa Branca sempre se notabilizou por Bittar reunir policiais civis com carreiras de destaque, que contribuíram para que a Ana Cláudia Augusto Ferreira Orneida Vicente Lopes Spolaor especializada se notabilizasse durante os anos pelo trabalho realizado. Uma dessas 26 equipes atuou em diversas frentes no ano de 2005. Em uma das ações, desmantelaram Sueli Aparecida Francisco uma quadrilha especializada no roubo de tratores de propriedades rurais que agia em Marco Antonio Maciel várias regiões do Estado. Os integrantes da quadrilha foram presos na cidade de Ana Beatriz de Almeida Matos Dourado, fronteira com o Paraguai. Vários tratores foram recuperados e devolvidos Dias aos seus verdadeiros donos, naquela ocasião. A equipe foi comandada pelos 27 delegados José de Carvalho da Silva e Mauro Bacci e contou com os investigadores Sílvia Helena Polaqui Adalberto de Oliveira Gonçalves Dezzotti, Ricardo Contim, Henrique, César; pelos escrivães Boscolo e Cleberos e pelos Paulo Rogério Marcussi agentes Inácio Rodrigues e Rodisley Peres. 28 Marco Antonio G. da Silva 29 Antonio Carlos Sampaio I O Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto está mantendo um acervo Joel Brondi de imagens relacionadas à Polícia Civil. Para tanto, a Diretoria está incentivando a Sirtes da Silva participação de associados que tenham em seus arquivos fotografias que possam José Roberto Albarelo Maldonado ilustrar diferentes aspectos da história da Instituição. “Temos certeza que muitos Casemiro de Castro Júnior José Luis de Meirelles Júnior colegas guardam várias fotos com lembranças de reuniões, eventos e de situações Renata Cassiano cotidianas dentro da Instituição, com um valor inestimável pelas lembranças que 30 representam”, ressalta o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Os Adilson Massei interessados em colaborar com esse resgate da memória da Polícia Civil da região Ademir Gomes UMA MEMÓRIA EQUIPE AFINADA DO FUNDO DO BAÚ O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. podem entrar em contato com a Secretaria do Sinpol, através dos telefones (16) 36129008, 3625-3890 e 3979-2627, ou do e-mail sinpolrp@sinpolrp.com.br. “As fotografias serão digitalizadas e prontamente devolvidas aos seus proprietários”, garante Eumauri. O material reunido pelo Sinpol será publicado no Jornal do Sinpol e no site da entidade (www.sinpolrp.com.br). 12 Outubro/2014

[close]

p. 13

SINDICALISMO Há pouco mais de um ano o secretário da Segurança Pública anunciou mais 640 policiais civis para a região do Deinter-3, mas eles não chegaram Em agosto de 2013, a Câmara Municipal de Ribeirão Preto realizou uma sessão solene para a instalação da Comissão de Segurança Pública na Câmara Municipal de Ribeirão Preto. Na ocasião, os policiais civis estavam em plena campanha salarial e o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, cobrou pessoalmente o titular da SSP (Secretaria da Segurança Pública), dr. Fernando Grella Vieira, na frente de políticos, autoridades, convidados e da imprensa. A Comissão instalada é presidida pelo vereador Maurício Gasparini (PSDB) e tem como membros integrantes os vereadores Ricardo Silva (PDT) e o delegado de Polícia e associado do Sinpol, dr. Samuel Zanferdini. A visita de Grella à Câmara Municipal de Ribeirão Preto, todavia, esteve longe de ser tranquila e se tratar de mais um ato político de um representante do governo Geraldo Alckmin. A Plenária da Câmara estava lotada de policiais civis portando faixas e cartazes, que demonstravam sua indignação contra o que consideravam descaso do governo para com a categoria. Além de reajuste salarial - que veio bem abaixo do que esperavam os policiais civis e de forma truncada - os manifestantes reivindicavam reestruturação, contratação de mais policiais civis e melhores condições de trabalho. Durante o encontro, dr. Grella anunciou a contratação de mais 640 policiais civis para as 93 cidades atendidas pelo Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto. As contratações integravam as diretrizes da resolução 105, de 12 de julho de 2012, da SSP, que previa para a área do Deinter-3 um efetivo de 2.532 policiais civis. Na época da reunião eram apenas 1.892 - número que já encolheu de agosto de 2013 até os dias atuais. “Isso é ridículo. Há anos venho pedindo aumento de 500 policiais civis apenas para Ribeirão Preto. Ele anuncia 640 para toda a região. Isso é gozação. Dá em média 80 policiais civis para cada Seccional do nosso Deinter. O governo de São Paulo virou as costas para nossa população”, vociferou Eumauri à época. Paciência Procurado pelo jornal Folha de São Paulo, no caderno Cotidiano Ribeirão, o vereador Maurício Gasparini, que preside a comissão, justificou o fato de quase nada ter mudado desde o encontro de agosto de 2013. “Pediram um pouco de paciência. Para criar o grupo tem de ser uma região metropolitana, o que Ribeirão não é. Por isso, estão mudando algumas normas”, disse o vereador à Folha. O grupo ao qual ele se refere é o GAMESP (Gabinete Metropolitano de Gestão Estratégica da Segurança Pública), que seria composto por membros das Polícias Civil, Militar, Federal e Guarda Municipal. De acordo com Eumauri, a Sessão Solene realizada em agosto de 2013 não passou de um ato político. “O governador Alckmin aproveitou para mandar o seu secretário anunciar medidas que ele sabia que não seriam concretizadas em curto prazo. Quando o secretário esteve em Ribeirão Preto, houve muita conversa e nenhum resultado prático. Ele disse que o número de policiais anunciados [640] seria suficiente para toda a região do Deinter3, quando sabemos que não seria. Mas não mandou quase nenhum policial desde então. E neste período, muitos outros se aposentaram, estão afastados, de licença ou se desligaram da Polícia Civil. O quadro encolheu e nem o que foi anunciado, que seria insuficiente, chegou para amenizar a situação dos policiais civis que estão na ativa e sobrecarregados em todos os departamentos”, advertiu Eumauri. Na reportagem publicada pela Folha, o diretor do Deinter-3, dr. João Osinski Júnior, teria admitido que faltam policiais civis nas 93 cidades da região, mas disse que o Estado está empenhado em ampliar o total. “Se existe concurso em andamento, existe vaga”, teria dito o dr. Osinski à Folha. “Infelizmente tudo estacionou. Conseguimos um aumento muito abaixo do que esperávamos e cercado de polêmicas. O governo anunciou valorizações, mas não cumpriu como esperávamos e contemplou somente algumas carreiras. Data Base, nem pensar. Parece que isso não existe para o governador Geraldo Alckmin. Contratações estão ocorrendo muito a conta gotas. Hoje nem os 640 seriam suficientes para amenizar a situação em Ribeirão Preto, quanto mais em toda a região do Deinter-3. Já denunciamos delegacias que sequer têm condições mínimas de funcionar com dignidade. Não tem contratação, não tem investimento e não tem justificativa. Agora é o período da campanha eleitoral que serve como justificativa. Felizmente essa etapa está chegando ao seu final e agora vamos ver qual será a desculpa. Sabemos que logo que a poeira das eleições assentar, a famigerada reengenharia vai voltar à ação. Correm conversas de que vários Distritos Policiais serão unificados num único lugar. Juntando o nada com o coisa nenhuma. Vale aqui um recado: havendo ou não mudanças na SSP e na DGP [Delegacia Geral de Polícia], o Sinpol segue na luta. Sabemos quais foram os compromissos assumidos e vamos continuar cobrando. Seja quem for que estiver nas cadeiras do Palácio dos Bandeirantes, da SSP e da DGP, terão que prestar contas à categoria”, atacou Eumauri. SEGURANÇA ESQUECIDA Eumauri denuncia que, depois de um ano, promessas ainda não foram cumpridas pela equipe do governo Outubro/2014 13

[close]

p. 14

PROCURADOS As fotos constantes nesta página são de pessoas foragidas da Justiça e procuradas pela Polícia Civil do Estado de São Paulo. Quem tiver qualquer informação sobre o paradeiro destas pessoas, denuncie. São criminosos perigosos que representam risco real à sociedade. Disque 181 e faça a denúncia ou colabore com informações. Se preferir, a denúncia pode ser feita pelo e-mail “procurados@policiacivil.sp.gov.br”. DENUNCIE SE TIVER ALGUMA INFORMAÇÃO 14 Outubro/2014

[close]

p. 15

Vitória inédita abre perspectivas para aposentados terem direito à paridade e integralidade; várias vitórias pela 51/85 e absolvição de associado também foram destaque O departamento jurídico do Sinpol vem trabalhando incansavelmente em favor dos associados e os resultados se multiplicam a cada mês. E diante das muitas vitórias registradas no mês de setembro, uma em especial é digna de comemoração, pois abre caminho para reparar injustiças cometidas contra os servidores que se aposentaram pela LCE (Lei Complementar Estadual) 1062/ 2008, sem direito à paridade e integralidade no salário. Segundo Eumauri Lúcio da Mata, presidente do Sinpol, os servidores que aceitaram se aposentar pela 1062/2008 tiveram perdas significativas nos seus rendimentos. “Nós sempre aconselhamos os companheiros a entrarem com mandado de segurança, garantindo a aposentadoria pela 51/85. Aqueles que já haviam se aposentado ou que aceitaram se aposentar pela 1062, perderam em sua aposentadoria. A paridade garante aos aposentados os mesmos índices praticados para os servidores da ativa. Já a integralidade garante ao servidor que ele vai receber o salário integral, isto é, com todos os adicionais recebidos na ativa. Pela 1062 isso não ocorria. Sempre trabalhamos para reverter essa injustiça e agora o Sinpol obteve a primeira e significativa vitória”, comemora Eumauri. De acordo com o dr. Ricardo Ibelli, que integra o departamento jurídico do Sinpol, o investigador aposentado de São Carlos, Ailton Martins de Oliveira, obteve a importante vitória. “Trata-se de uma vitória em primeira instância que garante a ele o direito de receber as diferenças, com proventos integrais e com as regras de paridade desde 03 de abril de 2012, data em que se aposentou pela 1062. Os atrasados, segundo a sentença, serão devidamente atualizados na forma da Lei e com incidência de juros de mora, estes a partir da citação devidamente atualizada de acordo com índices legais. O Tribunal de Justiça determinou a incidência de juros de mora de 6% ao ano. Foi uma importante conquista que vai abrir a porta para muitas outras ações que o Sinpol promoveu com o objetivo de reverter as aposentadorias da 1062/2008 para a LCF 51/85”, explica o dr. Ibelli. Na LCF (Lei Complementar Federal) 51/85 a paridade e integralidade são garantidas ao servidor. Mais vitórias Além da grande vitória obtida na reversão da aposentadoria, o jurídico do Sinpol conquistou muitas outras em favor de seus associados. Uma delas contemplou o investigador de Ribeirão Preto, Marcos Leandro Vendrúsculo. Ele já atingiu o tempo necessário para requerer a aposentadoria especial com paridade e integralidade e o fez através de Mandado de Segurança proposto pelo Departamento Jurídico do Sinpol. Contudo, teve o direito negado em primeira instância. O Sinpol recorreu e obteve provimento, conquistando a vitória em segunda instância no TJESP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo). Outro associado que havia tido o direito negado em primeira instância e, após o recurso do Jurídico do Sinpol, conseguiu o Mandado de Segurança que lhe garante o direito de se aposentar pela LCF 51/85, com paridade e integralidade no salário foi o agente policial de Jaboticabal, Vadercy Teixeira Rodrigues. Caso semelhando ao do investigador de Serrana, Clério Aparecido Teixeira, que perdeu a ação em primeira instância e conquistou a vitória em segunda instância. O mesmo aconteceu com o agente policial Abílio Valdir Fioravanti, que trabalha em Mococa e reside em Tambaú. . O investigador de Miguelópolis, Rui Barbosa Gonçalves, no entanto, obteve o direito de se aposentar pela LCF 51/85, com direito à paridade e integralidade, já na primeira instância. O mesmo ocorreu com investigador de Franca, Luís Henrique da Silva. Ele obteve a vitória já em primeira instância. “Além das ações de aposentadoria, o Sinpol continua defendendo seus associados, evitando que injustiças sejam praticadas. E conseguimos uma grande vitória”, festejou Eumauri Lúcio da Mata. A ação diz respeito a uma Sindicância Administrativa Disciplinar instaurada pela 3ª Corregedoria Auxiliar Ribeirão Preto contra um investigador da cidade de Tabatinga. Graças à ação do departamento jurídico do sindicato, o investigador Edson Pereira da Costa foi absolvido da Sindicância. “Estamos sempre atentos e lutando pelos nossos associados. Em setembro obtivemos grandes conquistas e tem sido assim todos os meses. Continuamos trabalhando pelos nossos associados, em todas as frentes”, garante Eumauri. SINPOL OBTÉM PRIMEIRA REVERSÃO DA 1062/2008 PARA A 51/85 JURÍDICO O advogado Ricardo Ibelli, que integra o departamento jurídico do Sinpol, comemora a primeira vitória em reversão de aposentadoria da 1062 para a 51/85 Outubro/2014 15

[close]

Comments

no comments yet