Jornal Eco da Tradição de Outubro de 2014

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Eco da Tradição de Outubro 2014

Popular Pages


p. 1

ECO DA TRADIÇÃO - ANO XIII - Nº 158 - OUTUBRO 2014 Festival Gaúcho de Dança FEGADAN Juno 18 e 19 de Outubro Pavilhões da Festa da Uva Caxias do Sul te espera nos dias 18 e 19 de outubro Página 17 Re ali zaçã o: Caxias do Sul/RS Sugestão de leitura para uí h C o a uiraí Do Cab outubro ajara Ubir Marsi co EDITORIAL Chuí aí ao abuir Do C U Juno biraja ra M arsico ada alg cavalo v a a s C gua 1300 ão blicaç lé Movimento tradicionalista aniversaria Pág. 02 Tradic imen to ionali sta Ga úcho Mov 07/09/20 3:55 14 09:0 Pu Página 18 Edite Callegaro fala dos 30 anos do CTG Chimangos Capa_4. indd 1 Fotos da capa: Rogério Bastos Contracapa EVENTOS A cada inter-regional, ENART conhece seus finalistas Classificatórias do ENART e FEGADAN Pág. 03 DPTO JOVEM Apesar das dificuldades financeiras encontradas em vários municípios, a criatividade e o orgulho de ser do sul, levaram milhares de pessoas aos desfiles Mais uma vez setembro externou o orgulho gaúcho Dona Edite é fundadora do CTG Chimangos Página 03 Tchêncontro Estadual da Juventude Pág. 04 NOTICIAS Governo do RS homenageia tradicionalistas Pág. 06 TURISMO NO SUL Nova Petrópolis, o jardim da Serra Pág. 09 TRADICÃO Carta aberta de um gaúcho Pág. 13 CEVANDO O MATE 30 anos de história Pág. 17 Páginas centrais

[close]

p. 2

2 Ano XIII - Edição 158 Outubro de 2014 EDITORIAL Manoelito Carlos Savaris - Presidente OPINIÃO Por Iara Vanice Rott Diretora Dpto de coord. cultural interna Estamos de Aniversário Rua Guilherme Schell, 60 Porto Alegre / RS CEP: 90640-040 Email: ecodatradicao@mtg.org.br www.mtg.org.br mtg-rs.blogspot.com wp.clicrbs.com.br/mtg Contato: 51. 3223-5194 O MTG está completando 48 anos de existência neste mês de outubro. O tradicionalismo gaúcho organizado tem quase 20 anos mais. Entre o ano de 1948 – quando foi fundado o 35 CTG – e o mês de outubro de 1966, quando foi criado o MTG, inúmeros foram os debates a respeito da conveniência ou não da criação de uma federação de CTGs. Encontramos propostas para criação de uma associação desde o 2º Congresso Tradicionalista realizado em 1955 na cidade de Rio Grande, no entanto, foi no ano de 1959, no 6º Congresso realizado em Cachoeira do Sul, que foi aprovada a criação do Conselho Coordenador, embrião do Conselho Diretor e do próprio MTG. Aquela primeira organização já nasceu com o sistema de descentralização administrativa em 12 zonas tradicionalistas. Transcorreram 7 anos até que fosse criada a federação das entidades tradicionalistas para a qual deram o nome de Movimento Tradicionalista Gaúcho, ou simplesmente MTG. Na época havia em torno de 200 CTGs no Brasil. A adesão à federação foi espontânea e natural. São raríssimos os casos de centros de tradições que não se filiaram. Neste momento de aniversário, é importante que relembremos a história e nos perguntemos a respeito das razões que levaram à criação do MTG, além de tentarmos entender a importância dessa agremiação durante estes anos todos. Todos os registros dos congressos tradicionalistas e os depoimentos colhidos com os tradicionalistas mais antigos indicam para a mesma direção: havia a necessidade de um órgão superior para cuidar da questão ideológica e para coordenar o sistema, ou seja, o MTG surge de uma necessidade. Sem essa instância superior, os CTGs ficavam sem orientação e, na tentativa de culto às tradições, realizavam inúmeras atividades de valor discutível e seguiam caminhos sem sustentação da pesquisa histórica. É por isso que o estatuto do MTG define: “o MTG tem por objetivo congregar os centros de tradições gaúchas e entidades afins Obrigações fiscais Através da abordagem deste tema, buscamos orientar as entidades, sobre a importância de manter em dia e em conformidade com a legislação, seus atos constitutivos e as obrigações fiscais a que estão subordinadas, para que as mesmas tenham uma correta gestão junto aos órgãos de fiscalização. Verifica-se atualmente que em muitas entidades, não existem registros contábeis formais, além de problemas de gestão e controle, o que decorre da desinformação ou da dificuldade de compreensão por parte de seus dirigentes do que sejam tais obrigações e quais as formas de atende-las. Para se constituir uma entidade sem finalidade lucrativa necessita-se reunir pessoas interessadas em sua organização, as quais definirão os princípios e objetivos da organização através da elaboração de seu Estatuto Social. Faz-se necessário a convocação de uma Assembleia Geral de fundação, a qual aprovará o Estatuto, elegerá a diretoria, definirá uma sede para a entidade e formalizará uma ata de fundação. Após, faz-se o registro do Estatuto e da ata da assembleia de constituição, em cartório de Registro de Pessoas Jurídicas, encaminhando-se os documentos pertinentes. Após tais providências, os dirigentes da entidade devem registrá-la junto ao Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ e junto a Prefeitura e outros registros e pedidos de qualificação. EXPEDIENTE: SUPERVISÃO: Manoelito Carlos Savaris DIREÇÃO GERAL: Nairioli Callegaro DIREÇÃO DE REDAÇÃO: Rogério Bastos DIAGRAMAÇÃO E DESIGN: Liliane Pappen CONSELHO EDITORIAL: Nairioli Callegaro, Odila Paese Savaris e Gustavo Bierhaus JORNALISTAS RESPONSÁVEIS: Rogério Bastos (16.834) Liliane Pappen (16.835) Fúlvio Lopes (16.200) ESTÁGIO E REVISÃO: Ticiana Leal COMERCIAL E EXPEDIÇÃO: Kelly Rocha IMPRESSÃO: Zero Hora TIRAGEM: 3 mil exemplares Atendimento 09 às 12 horas e das 13 às 18 horas De segunda a sexta-feira “Me arrisco a dizer que, o MTG é o grande responsável pela grandiosidade do tradicionalismo gaúcho e pelas principais atividades de fortalecimento da identidade regional” e preservar o núcleo da formação gaúcha e a filosofia do movimento tradicionalista...”. Verificando o que ocorreu neste meio século, vemos que a entidade federativa é forte, respeitada e que congrega mais de 95% das entidades tradicionalistas do estado – são 1.654 entidades filiadas. O Movimento adota parâmetros e regras depois de serem estudados, debatidos e definidos. Daí decorrem as diretrizes para o uso da indumentária, o reconhecimento da música tradicional, a forma de práticas campeiras e de das manifestações artísticas. Me arrisco a dizer que o MTG é o grande responsável pela grandiosidade do tradicionalismo gaúcho e pelas principais atividades de fortalecimento da identidade regional. Veja-se o que ocorre nos festejos farroupilhas, nos mais de 500 rodeios realizados, na quantidade de jovens envolvidos nas atividades campeiras e artísticas. Ao expressarmos a nossa alegria com tudo o que foi conquistado e com a representatividade do Movimento na sociedade gaúcha, não queremos dizer que somos perfeitos. Por certo cometemos erros e precisamos aprimorar uma série de procedimentos. O mais importante é que estamos permanentemente realizando atividades que visam a qualificação dos tradicionalistas e proporcionando convivência pacífica e harmoniosa entre as gerações. Esta talvez seja a maior vitória do MTG: garantir ambientes saudáveis para que as crianças e os jovens possam se realizar sem a necessidade de transgredir ou de se envolver em atividades ilícitas ou moralmente duvidosas. “Buscamos orientar as entidades, sobre a importância de manter em dia seus atos constitutivos e as obrigações fiscais a que estão subordinadas” As principais obrigações fiscais a que as entidades devem observar são: Registro Contábil de receitas e despesas, (no mínimo um livro caixa); DIPJ-Declaração de Informações Econômico-fiscais de PJ; RAIS – Relação Anual de Informações Sociais; DCTF – Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais, entre outras obrigações acessórias, como alvará de localização, alvará sanitário, Plano de prevenção contra incêndios, Ecad, e outros. Salienta-se que Todas as empresas (inclusive imunes e isentas) devem obrigatoriamente entregar a Escrituração Contábil e Fiscal através do SPED (escrituração digital), até o último dia útil do mês de julho de 2015. O grande alerta até o momento é que apesar deste prazo, as informações a serem entregues são referentes à competência 2014. O Sistema Público de Escrituração Fiscal, tem por objetivo a substituição da escrituração em papel pela escrituração transmitida via arquivo digital. Para que as entidades possam conveniar com órgãos públicos tanto municipais, estaduais ou federais, para a realização de projetos culturais ou artísticos, um dos pré-requisitos é que a mesma esteja em dia com suas obrigações fiscais, o que deve ser comprovado através de certidões emitidas pelos órgãos oficiais. Sugere-se a busca de auxílio de um profissional da área contábil habilitado, que desempenhe e oriente os gestores para a saúde fiscal das entidades. Valores da Anuidade R$ 914,40 Plena R$ 784,74 Parcial R$ 482,20 Especial Estudantis R$ 136,44 40% do valor é repassado às RTs. Outubro Valor MTG: PRESIDENTE: Manoelito Carlos Savaris VICE PRESIDENTE DE ADMINISTRAÇÃO: Nairioli Callegaro VICE PRESIDENTE DE CULTURA: Elenir Winck VICE PRESIDENTE DE EVENTOS: José Roberto Fischborn VICE PRESIDENTE DE FINANÇAS: Gerson Ludwig Não nos responsabilizamos pelas opiniões publicadas no jornal Parabéns a todos nós tradicionalistas. Nós somos o MTG!

[close]

p. 3

Ano XIII - Edição 158 Outubro de 2014 3 EVENTOS - ENART Inter-regional do Enart - Porto Alegre PROGRAMAÇÃO 11/10/2014 - SÁBADO Início: 8h30min PALCO 1 - Danças tradicionais força B (17) - Chula (27) PALCO 2 - Declamação feminino (36) PALCO 3 - Declamação masculino (33) PALCO 4 - Solista vocal feminino (27) PALCO 5 - Solista vocal masculino (31) PALCO 6 - Danças gaúchas de salão (47) 12h - Almoço Início: 13h30min PALCO 1 - Abertura oficial - Continuação dos concursos em seus respectivos palcos OBS.: - Intervalo a critério das comissões avaliadoras. - Sujeita a alteração conforme o andamento MTG comemora seus 48 anos em Lagoa Vermelha O evento na capital do churrasco será dia 25 de outubro, com diversas atividades, incluindo entrega dos títulos de cavaleiros da OrCav (Ordem dos Cavaleiros do Rio Grande do Sul), títulos de conselheiros honorários e beneméritos, comenda João de Barro e a Medalha Barbosa Lessa. 12/10/2014 – DOMINGO Início: 9h PALCO 2 - Declamação feminino-final (18) - Trova (27) PALCO 3 - Declamação masculino (17) - Causo (17) PALCO 4 - Solista vocal feminino-final (14) - Gaita piano (12) PALCO 5 - Solista vocal masculino-final (16) PALCO 6 - Danças Gaúchas de Salão - final (24) Início: 9h PALCO 1 - Danças tradicionais força A (14) PALCOS: - Danças tradicionais - Centro de Eventos - Danças de salão - Lenço Colorado - Declamação - PAMPA e Record - Intérprete - Brigada e Galpão da Hospitalidade Edital de Convocação Assembleia Geral (168º Encontro Regional) A coordenadoria regional da 18º região tradicionalista do MTG, convoca todas entidades associadas da RT, para a assembléia geral, a ser realizada no dia 30 de novembro de 2014, na cidade de Bagé-RS, nas dependências do CTG Grupo Pampa e Minuano, localizado a Rua Artur Maruri nº 330, Bairro Malafaia, às 09 horas em 1º e 2º chamadas, para deliberar sobre a seguinte pauta: -Encontro regional ; -Eleição do coordenador gestão 2015 (14 hs); -Outros assuntos não deliberativos. Gilberto Bittencourt Silveira Coordenador Regional 18º RT Agora só falta uma inter-regional Depois da inter-regional de Uruguaiana, dias 27 e 28 de setembro, Porto Alegre encerrará as classificatórias dias 11 e 12 de outubro, no Parque da Harmonia. Confira os grupos classificados aqui e a geral no site do MTG. Danças Tradicionais - Força A DTG Clube Juventude - Alegrete - 4ª CPF Piá do Sul - Santa Maria - 13ª DT Querência das Dores - Santa Maria - 13ª CTG Sentinela da Querência - Santa Maria - 13ª CTG 20 DE Setembro - Santo Angelo - 3ª GTF Coronel Aparício Borges - Santo Angelo - 3ª CTG Sinuelo do Pago - Uruguaiana - 4ª CTG Tropilha Crioula - São Borja - 3ª Danças Tradicionais - Força B Grupo Nativista Ibirapuitã - Alegrete - 4ª GDF Os Farroupilhas - Santo Angelo - 3ª PQT Irmãos Sagrilo - Santiago - 10ª CTG Galpão da Boa Vontade - Palmeira das Missões - 17ª DTCE Marcas do Pampa - Santa Maria - 13ª Grupo Caami Folclore e Arte - São Sepé - 13ª CTG Tropeiros do Buricá - Três de Maio - 20ª CTG Os Vaqueanos - Restinga Seca - 13ª Sorteio da ordem de apresentação do Enart com transmissão ao vivo Dia 28/10 as 17h NOTA DE FALECIMENTO Foi com enorme pesar que, o Movimento Tradicionalista Gaúcho, do Rio Grande do Sul, comunicou o falecimento do tradicionalista e ex-coordenador da 19ªRT, e presidente da comissão executiva do 6º acampamento farroupilha de Erechim, no Alto Uruguai, Zulmir Sotoriva, no dia 17 de setembro. Sotoriva, de 53 anos, foi vítima de um enfarte fulminante naquela madrugada. Atualmente ele era membro da junta fiscal do MTG. Artistas carimbaram passaporte para a final em Santa Cruz Fotos: Estampa da Tradição/ Deivis Bueno

[close]

p. 4

4 PROSEANDO COM TENÊNCIA Ano XIII - Edição 158 Outubro de 2014 MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO Casos e Acasos O Grande debate Por Rogério Bastos Cursos do MTG em 2014 Depósito Banrisul - Ag.: 0100 - C/c 06.066982.0-3 em nome de Movimento Tradicionalista Gaúcho Enviar comprovante com nome e telefone para 51 3223-5194 ou e-mail para cursos@ mtg.org.br. Os contatos podem ser feitos com a Luciana Borges. Dia Curso Hora Valor Local Todos os anos somos desafiados, durante os festejos farroupilhas, a debater com professores universitários, radialistas, apresentadores de televisão, pessoas bem articuladas e com certo grau de reconhecimento, se comemoramos a guerra que perdemos, ou a guerra que ganhamos. O texto de Leo Ribeiro de Souza, nesta edição (ver pagina 13) diz tudo. Mas, indo um pouco mais além, com elementos que engrandecem o debate, costumo dizer que, ideologicamente, os farroupilhas saíram vencedores. Pois a ideia de república acabou consolidando-se no Brasil, 54 anos depois. Foi sendo construída e, inegavelmente, a semente foi plantada aqui. Acredito que a maior festa devamos fazer na semana da paz de 2015, afinal, vamos comemorar 170 da Paz de Ponche Verde. Pense nisso e organize os festejos em sua entidade e região. Outubro 04 18 e 19 08 22 e 23 22 e 23 23 Sábado Sábado e Domingo CFOR Patronagem CFOR Avançado - Modulo I 9 às 18 9 às 18 R$ 40,00 Canoas - 12ª RT Sede MTG - POA Novembro Sábado Sábado e Domingo Sábado e Domingo Domingo Curso para Juízes de Provas Campeiras CFOR Avançado - Modulo II Curso para Instrutores de Dança de Salão (Iniciantes) Renovação do Cartão de Instrutor de Danças de Salão (prova teórica, prática e vídeo) 9 às 18 9 às 18 R$ 150,00 R$ 70,00 Santa Maria - 13ª RT Sede MTG - POA Teatro no CTG O pioneiro, 35 CTG, pegou o espírito de que é necessário levar o teatro para dentro dos CTGs. Tanto que levou um grupo para apresentar mágicas e agora, dia 17 de outubro leva a peça, o Mágico de Oz. Será que não era hora de nós repensarmos e revivermos grandes clássicos de nosso folclore e transformá-los em peças teatrais que podem até ser musicadas? Excelentes dançarinos temos. Interpretação nota dez. Musicais excelentes. O que falta? – Atitude – 9 às 18 9 hs Sede da 1ª RT - POA Comissão Gaúcha de Folclore Dezembro 06 Sábado CFOR de Patronagem 9 às 18 R$ 40,00 Taquara - 22ª RT Participamos dia 25 de setembro da reunião da CGF, em sua sede própria, onde foram traçados fortes elogios à atuação da sucursal de Santana do Livramento, pelo trabalho desenvolvido durante a semana do folclore. Em novembro teremos eleições da Comissão, que começa a se preparar para as comemorações dos seus 70 anos. MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO - MTG Palestrantes EDITAL DE CONVOCAÇÃO No uso das atribuições que me são conferidas pelo Estatuto e Regulamento Geral do Movimento Tradicionalista Gaúcho – MTG, convoco os Senhores Conselheiros, Coordenadores Regionais, membros da Junta Fiscal, Primeira Prenda e Peão Farroupilha do Rio Grande do Sul, para participarem da 80º Convenção Tradicionalista Extraordinária, a realizar-se no dia 01 de novembro de 2014, com início às 09h30min , na sede da 1ª Região Tradicionalista, sito a Rua Landel de Moura nº 430, nesta Capital, tendo como pauta, julgamentos de recursos disciplinares. Porto Alegre, 01 de outubro de 2014. Manoelito Carlos Savaris Presidente do MTG Quando foi criado o CFor Avançado, a ideia era de encontrar novos multiplicadores da cultura gaúcha. Pessoas que, após fazerem um treinamento, mostrariam suas aptidões para seguirem um trabalho que, hoje, precisa de um quadro qualificado para levar conhecimento a cada canto do Rio Grande. As pessoas fazem os cursos, mas guardam o conhecimento para si. Conhecimento não é aquilo que você sabe, mas o que você faz com aquilo que sabe. O poder da vontade ou a vontade do poder? O caso do casamento coletivo de Livramento: De um lado uma jovem Juíza, à quem Deus deu a capacidade de passar em um concurso, de outro um político, que viu no tradicionalismo uma forma de promoção, tornando-se “patrão”. Soma-se a isso uma mídia que precisa de conteúdo diário, não importando quem e como irão atingir. Supervalorizaram algo que, com o passar do tempo (como tudo na sociedade) terá um dia aceitação. Mas a avidez da juventude a impediu de esperar o tempo fazer a sua parte. A decisão da jovem juíza só trouxe desgastes para a cidade de Livramento, colocou-a em mídia nacional, desmoralizou pessoas, pelo simples capricho de mostrar “poder”. Nada justifica agressão, a violência, mas, a birra adolescente da jovem juíza provocou a ira de uma grande maioria da população. As pessoas não eram contra o casamento homo afetivo, mas acreditavam que não deveria ser em um galpão, que, de alguma forma lembrava um CTG. Ao passar o casamento para o fórum, mostrou que poderia ter sido evitado todo desgaste, se esta decisão, fosse a inicial. “Homenagear a semana farroupilha”, - me poupe. Foi um desgaste desnecessário. Uma lição para todos - “Façamos as coisas pelo poder da vontade (visto que a maioria do povo queria) e não pela vontade do poder.” FTG-PC convida para o 3º ENATCHÊ A Federação Tradicionalista Gaúcha grande fandango. do Planalto Central, a 1ª Região TradicionalisCom o 3º ENATCHÊ procuraremos ta e o CTG Estância Gaúcha do Planalto con- aproximar a tradição gaúcha do Planalto vidam para o 3º Encontro Nacional da Tradi- Central com os tradicionalistas de todos os ção Gaúcha no Planalto Central – ENATCHÊ MTGs, então, te aprochega Tchê!!! Venha en– a realizar-se nos dias 29 e 30 de Novembro grandecer o nosso Encontro!!! de 2014. Loiva Lopes Calderan Jordivar Fioravanti da Silva Júnior Venha Presidente da FTG-PC Patrão da Estância Gaúcha do Planalto participar das Danças Tradicionais, Chula, Intérprete Vocal e dos Jogos Tradicionalistas. Para animar a festa e comemorar o aniversário da Federação, teremos um REFLEXÃO “Quem diz que nós festejamos uma guerra que perdemos. Não vê que nela ganhamos a Identidade que temos.” ( Por ir Elom a Malt ) Rodrigo Bauer

[close]

p. 5

Ano XIII - Edição 158 DEPARTAMENTO JOVEM Outubro de 2014 5 Por Maria Angélica Saraiva - Diretora e Murilo Andrade - Vice-diretor XXIV TCHÊNCONTRO ESTADUAL DA JUVENTUDE GAÚCHA Quando? - 29 de Novembro de 2013 Onde? - Flores da Cunha/RS TEMA: O GAÚCHO E SUAS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS 1. OBJETIVO: Demonstrar e conhecer as manifestações artísticas do povo gaúcho, valorizando os aspectos e características de cada região, indo ao encontro da temática dos festejos farroupilhas “Eu sou do Sul”. Divulgar e valorizar o encontro de diferentes formas de expressão relacionadas à arte regional, tanto as de elemento imigrante como as nativas. 2. PÚBLICO ALVO: Tradicionalistas em geral; Simpatizantes do Movimento Tradicionalista Gaúcho e comunidade; Prendas Adultas, Juvenis, Mirins, Peões, Guris e Piás Regionais e de Entidades; Jovens Tradicionalistas. 3. DESENVOLVIMENTO: Realizar uma apresentação que represente as diferentes formas de manifestação artística do povo gaúcho; Informar com um mês de antecedência (29/10) qual a manifestação artística que será apresentada pela Região Tradicionalista; A ordem de apresentação será mediante sorteio, no dia do evento. 4. NÚMERO DE PARTICIPANTES POR APRESENTAÇÃO: Fica estipulado o número de no máximo 20 (vinte) jovens tradicionalistas no palco, oriundos da Região Tradicionalista participante. 5. INSCRIÇÕES: Cada Região Tradicionalista deverá entregar diretamente no MTG ou via e-mail (departamentojovemmtg@gmail.com) a relação dos participantes da apresentação, até o dia 29/10/2014; Nesta relação deverá constar o nome completo do participante, nome da entidade e RT. 6. CONTROLE DE PARTICIPAÇÃO: No transcorrer do evento serão realizadas chamadas das Regiões Tradicionalistas participantes, portanto será necessária a presença de todos, assistindo as demais apresentações. 7. LOCAL E HORÁRIO: Parque da Vindima – Flores da Cunha/ RS – 25ª RT Confirmação de inscrição: 8h às 9h. Sorteio das apresentações: 9h. Início das apresentações: 9h 30min 8. TEMPO DE APRESENTAÇÃO: O tempo destinado para cada apresentação será de no máximo 15 minutos. 9. CONSIDERAÇÕES GERAIS: Não será necessária a elaboração de pesquisa para ser entregue; As RTs deverão utilizar de sua criatividade para realizar apresentações em forma de encenação, vídeos, músicas, trova, etc; Todos participantes envolvidos deverão estar pilchados corretamente, permitidos trajes folclóricos no momento da representação; É responsabilidade do MTG e da Comissão Organizadora do evento, a disponibilização do espaço físico (palco) para as apresentações das Regiões Tradicionalistas; É responsabilidade das Regiões Tradicionalistas a montagem e desmontagem de acessórios de palco que serão utilizados em suas apresentações; Cada Região Tradicionalista deverá informar até o dia 29/10/2014 se irá utilizar algum recurso, como por exemplo, telões, para que o MTG e a Comissão Organizadora tenham tempo hábil para disponibilizar estes materiais; A entrega de certificados será para todos os inscritos e que permanecerem até o final. 10- INFORMAÇÕES: Departamento Jovem departamentojovemmtg@gmail.com Vice-Presidência de Cultura elenirw@yahoo.com.br Secretaria MTG secretaria@mtg.com.br Elenir Winck Vice-Presidente de Cultura do MTG TEMA ANUAL: PRESERVANDO O PASSADO, CONSTRUINDO O FUTURO

[close]

p. 6

6 NOTÍCIAS Ano XIII - Edição 158 ESPAÇO DO IGTF Outubro de 2014 Por: Rodi Borghetti - Presidente IGTF Governo do estado presta homenagem a tradicionalistas O Governo do Estado concedeu nesta quinta-feira, 18, o título de embaixador e de cônsul honorário do Rio Grande do Sul aos tradicionalistas que divulgam e preservam a cultura gaúcha pelo Brasil. A cerimônia, que ocorreu no palco principal do Acampamento Farroupilha, no Parque Harmonia, em Porto Alegre, foi aberta pelo Dudu da Gaita, que executou o Hino Nacional e o Hino Riograndense. As comendas foram entregues pelo presidente da Fundação Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore (FIGTF), Rodi Pedro Borghetti, que destacou a iniciativa de gaúchos que moram em outros Estados, mas não esquecem de preservar as nossas tradições. “Mesmo longe dos pagos, continuam cultuando os costumes e nossas datas”. Grosso do Sul - Roberto Basso – MTG Mato grosso - Loiva Lopes Calderan – federação Tradicionalista Gaúcha – Planalto Central Cavalgada na África do Sul 09 a 20 de fevereiro 2013 Até hoje esta foi a Cavalgada mais audaciosa dos incríveis Cavaleiros da Paz. Depois de já termos percorrido todos os países limítrofes do Rio Grande do Sul, Argentina (2 vezes), Uruguai (2 vezes), Chile, Paraguai, Bolívia, além do Canadá e Portugal, sem contar as inúmeras cavalgadas que fizemos no solo gaúcho. Só nas inesquecíveis “Cavalgadas da Lua Cheia” que fizemos partindo da Fazenda Pontal na Barra do Ribeiro/RS, de minha propriedade, nos anos de 2009 e 2010, foram 38, cada uma com 20 quilometros de percurso. Uma delas fizemos 84 quilometros, ida e volta, desde o ponto de partida até a Fazenda do Senhor Tailor, no caminho para Tapes, onde chegamos as duas horas da madrugada, pernoitamos e voltamos no dia seguinte. O Grupo ostenta o título de EMBAIXADORES DA TRADIÇÃO E FOLCLORE DO RIO GRANDE DO SUL – BRASIL, outorgado pelo Secretário da Cultura, Dr. Assis Brasil. Esta distinção valeu-nos quando da 2ª parte desta nossa cavalgada na cidade do Cabo, onde fomos recebidos solenemente pela Embaixadora do Brasil na África do Sul, na sede da Embaixada, Sra Débora Baremboin as 11 horas do dia 18 de fevereiros de 2013. Foi emocionante este nosso encontro. Levávamos diversos livros sobre nossa cultura e alguns brindes. Deixamos com ela também a placa que pretendíamos entregar pessoalmente ao grande líder mundial NELSON MANDELA, a quem dedicamos a Cavalgada, mas na época ele já estava doente e não tinha mais condições de receber visitas. Ainda em Porto Alegre, nos preparativos, o nosso eficiente e zeloso Presidente da Confraria Mauricio Junqueira, teve o cuidado de sugerir e lembrar para não esquecermos de levar roupas adequadas, além da nossa pilcha, remédios, repelente, protetor solar, lanterna, boné, camisa de manga por causa dos espinheiros, capa de chuva, mala de garupa. Informou que a bagagem de mão só pode ter até 5 kg, as malas pode-se levar até duas com peso máximo de 32 kg cada e finalmente disse para não esquecermos que o embarque será no dia 09 de fevereiro, num sábado às 12 horas, com encontro marcado às 11 horas no Aeroporto Salgado Filho para as ultimas recomendações. Tudo detalhadosinho. No dia do embarque todos pilchados e animados deu-se início a nossa tão esperada cavalgada. Sob o comando de RODI PEDRO BORGHETTI (o Borghettão) foram os seguintes cavaleiros que participaram: Antônio Brocker Junqueira, Aquiles José Pes, Elizabete Cirne Lima (única mulher do grupo – grande companheira), Elton Saldanha, Felix Antônio Corti (veterinário), Helder Rocha Menezes, José Acyr Giordani (Zé Acir), José Antônio Bastos de Castro (Toco), Maurício Junqueira (Presidente da Confraria), Pedro Floriano Magalhães, Rodi Pedro Borghetti, Thiago Darcy Crestani, Wlademir Kuse (Mano). Viajaram conosco também Paulo Junqueira (guia) e o fotógrafo Eduardo Rocha. Embarcamos dia 09, conforme o previsto, no vôo 3294 até São Paulo e no vôo SA223 de São Paulo a Johanesburgo na África do Sul. Desembarcamos e já no aeroporto nos aguardavam com um microônibus especial. No dia 10 de fevereiro rodamos por 4 horas até a Província de Limpopo, região de Waterberg, na Reserva Ants Hill, mais para o Norte, onde era nosso destino para acamparmos e dar início a cavalgada, na Reserva em Waterberg, onde havia uma savana com animais selvagens soltos na natureza, das mais diversas espécies, tais como: rinoceronte, búfalos, leopardos, javalis, antílopes, palancas negras, zebras, gnus, hiemas e outros, além de centenas de espécies de aves, em uma área que totalizava mais de 150.000 hectares preservados somando propriedades particulares e área pública de proteção ambiental. Neste mesmo local havia uma Pousada com prédio central e mais quatro moradias independentes, todas elas luxuosamente instaladas e equipadas. Eram de alvenaria e pedras com cobertura de capim, semelhante ao nosso santa fé, colocado de forma artesanal e muito bonita. Nesta Pousada Lodge Rural onde fizemos o nosso QG. Fazíamos dois turnos a cavalo. De manhã, das 7 as 11:45 e de tarde, das 14 as 18 horas. Vale a pena dizer que a Pousada era administrada e dirigida por africanos jovens, muito bem educados e preparados para todos os afazeres, desde as camareiras até o mestre de culinária. O proprietário era um inglês de nome Anthony que só apareceu no último dia da nossa estada, acabou ficando nosso amigo, encantado com nossa história. Com o pessoal de trabalho na Pousada aprendemos muito sobre a cultura daquele povo hospitaleiro. Numa das últimas noites da nossa permanência fomos surpreendidos com um show promovido por eles, que cantaram, em coro, lindas musicas daquele país. Na próxima edição a continuação. Consules honorários Embaixadores honorários - Ermeto Lazzaretti – MTG de Mato - Espíndula Ferreira da Costa – MTG Mato Grosso do Sul - Raul Martin Palomares – MTG Mato grosso do Sul - Carlos Levi de Oliveira – MTG Paraná - Jaqueline Oliveira Salles Gonçalves – MTG Paraná - Neiva Maria Tessele – MTG Mato Grosso - Arlindo Almeida – MTG Mato Grosso - Ricardo Ribeiro Silveira – MTG Amazônia - Letícia Maria Lucas Pinheiro – Federação Tradicionalista Planalto Central - Maria das Graças Amaro da Silveira – Federação Tradicionalista Planalto Central Foto: Marco Turky Fora do estado, tradicionalistas continuam a difundir a cultura gaúcha Acidente tira a vida de jovem cavaleiro O jovem Marcos Miranda Machado, de 24 anos, seguia a cavalo em direção à Lavras do Sul, pela RST-357 quando, na altura do Km 5, foi atingido por um Celta, com placas de Caçapava do Sul, que seguia no sentido oposto. O acidente foi por volta das 19h do dia 20 de setembro. Com o impacto, o tradicionalista e seu cavalo morreram no local. O motorista do Celta, Bruno Santos da Rosa, também de 24 anos, foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel (Samu) e foi encaminhado do Hospital de Caridade Victor Lang e logo depois foi transferido para o Hospital de Caridade e Beneficência, em Cachoeira do Sul, onde seguia em observação. Marcos era envolvido com o tradicionalismo desde os cinco anos de idade. Ele integrante do CTG Sentinela dos Cerros, de Caçapava do Sul. Após participar do desfile do dia 20, o jovem, acompanhado por um amigo, seguiam a cavalo pelo acostamento levando outros dois cavalos para a localidade de Coxilha de São José, a 7 km do centro de Caçapava do Sul. Segundo familiares, um dos cavalos que ele levava se soltou do buçal e invadiu a pista. O jovem foi tentar buscar o animal, quando foi atingido pelo carro. O jovem se formaria em Tecnologia em Agronegócio pela UFSM no final deste ano. TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 7

Ano XIII - Edição 158 Outubro de 2014 7 Por: Dorvílio Calderan - Presidente ESPAÇO DA CBTG João Ermelino de Mello - Presidente ESPAÇO DA CITG Semana Farroupilha 2014 “Eu Sou do Sul” Tive a oportunidade de participar dos Festejos Farroupilhas em dois Estados: Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. No Estado onde resido, Mato Grosso do Sul, participei da abertura, de algumas atividades durante a semana e do encerramento. No Estado onde nasci e cresci, Rio Grande do Sul, participei de algumas festividades no Parque Harmonia, em Porto Alegre, juntamente com minha esposa Carmen Beatriz Kraemer. A única diferença que percebo no culto ao tradicionalismo, exemplificando a partir de minha própria experiência, é o sentimento de saudade do pago muito acentuado para aqueles que estão distantes do Rio Grande do Sul. Pois bem, é uma emoção muito grande lembrar-me de quando jovem, era guardião da Pira Crioula no CTG 20 de Setembro, de Santo Ângelo/RS. E volto ainda mais no tempo, quando meus pais foram padrinhos da Pira Crioula durante Semana Farroupilha realizada em 1969 nas Ruínas de São Miguel/RS. De repente estamos no ano de 2014 e vejo tantas crianças nos CTG`s participando deste momento, sendo que temos diversos concorrentes em outros ambientes, mas cito um como exemplo: a tecnologia. É um desafio muito grande proporcionar às nossas crianças e adolescentes participarem das atividades no CTG, onde não passamos ensinamentos de tecnologia, mas tentamos ensinar respeito e amor nessa transmissão de valores, seja nas habilidades do campo, seja na culinária, seja nas danças, seja em todos os costumes do gaúcho. Seja no respeito pela nossa Pátria, para que eles entendam o verdadeiro significado desta grandiosa palavra, no ato de civismo de arriamento das Bandeiras ou execução dos Hinos. Durante a Semana Farroupilha tive a alegria de arriar as Bandeiras no CTG Tropeiros da Querência com minha neta no colo, Ana Beatriz, de dois anos, que pede para colocar o vestido de prenda e para tomar o seu chimarrão. Eu e ela pilchados neste importante momento foi extraordinário. Então fico imensamente feliz em ver as famílias unidas pela Chama Crioula cultivando a tradição gaúcha em qualquer pago, na integração com a cultura do Estado onde residem. E na Semana Farroupilha sentimos essa aproximação dos povos, esse sentimento de amor em preservar uma tradição. Para finalizar esta reflexão, coloco um trecho do livro “História e Memória Gaúcha”, dos amigos Edinéia Pereira da Silva Betta e Celívio Holz): “Quando falamos em Gaúcho, logo associamos ao habitante do rio Grande do Sul, porém ser Gaúcho está muito além de pertencer a um território, muitos lá nascem e não são gaúchos, simplesmente porque o que caracteriza o gaúcho é o seu modo de vida, seus usos e costumes, suas convicções, sua cultura, enfim, e não o lugar onde nasceu. O gauchismo está na alma, no coração, no respeito, nos valores e no bem viver as boas coisas do passado.” Porque quem é tradicionalista gaúcho pode dizer com certeza: “Eu Sou do Sul”. Semana Farroupilha além fronteiras Com muito orgulho os tradicionalistas do Rio Grande do Sul, realizaram os Festejos Farroupilha 2014, com o tema “Eu sou do Sul”. Mas, estes festejos não se limitaram as fronteiras do Rio Grande. Pois, no Brasil, em querências distantes como na Amazônia Ocidental, ou no Nordeste, ou no mundo, como: EUA, Canadá, ou China, onde houver um gauderio, quando a saudade bate, ouvem-se histórias, dos sonhos de fundação de um CTG, onde as famílias vão se agregando, e, a cultura e as tradições, acontecem. Para ser Gaúcho não é necessário nascer no Rio Grande do Sul, pois muitas vezes é mais “gaúcho” aquele que nasce fora do Rio Grande do Sul mas, conhece sua história e cultiva suas tradições, do que aquele que nasce nos pampas e não conhece sua história, cultura e tradições. Acender a Chama da Tradição é bastante fácil, o difícil é mantê-la acesa. Mas, neste ano 2014, a Chama da Tradição, se acendeu, em várias partes do mundo: Nos EUA – o CTG Rancho da Saudade realizou a 8ª. Semana Farroupilha; o CTG Saudade da Minha Terra realizou o 2º. Acampamento Farroupilha, em N.J; o CTG 100 Fronteiras, Boston, realizou atividades entre elas um domingueira; assim também o Piquete Alma Gaúcha, New Jersey. No Canadá, o CTG Querência do Norte, liderado por um grupo ainda sem estrutura formal nem patrimônio, mas com um profundo amor pelo Rio Grande, fez um evento singelo, mas lindíssimo, demonstrando que, mesmo do outro lado do mundo, o gaúcho não se esquece das suas raízes, da sua cultura e das suas tradições. Na China, em Dongguam, o Piquete China Veia, realizou diversas atividades entre elas o Baile do “ 20 de setembro”. A Tradição Gaúcha no Paraguai... Recebemos no Acampamento Farroupilha, Parque da Harmonia em Porto Alegre, no dia 19 de setembro, a visita do Tradicionalista Edvaldo Lacerda, nascido no Rio Grande do Sul, mas que reside no Paraguai, onde é professor de danças gaúchas e, que trabalha para fortalecer e unir as entidades da Tradição Gaúcha naquele País. Na oportunidade ele nos falou sobre as entidades que cultuam a tradição gaúcha brasileira as quais destacamos: - CTG Índio José de Santa Rita; - Rancho Gaúcho de Santa Rosa, - Rancho Gaúcho de Iruña; e ao norte do País o CTG Missioneiro. O “Rancho” no Paraguai é uma entidade tradicionalista com semelhanças a nossos Piquetes no Brasil, e que desenvolvem atividades de culto a tradição gaúcha. As ”comunidades”, onde residem muitos brasileiros oriundos do Rio Grande do Sul, tem um papel fundamental no culto as tradições, com realização de atividades como: cavalgadas, cursos de danças tradicionais, bailes com grupos gaúchos, etc... Conforme já tratado na última reunião, as entidades do Paraguai foram convidadas a participar da próxima reunião do Conselho Coordenador da CITG, congregando assim, mais um país a nossa Confederação Internacional. Acampamento nos EUA. CTG Saudades de minha Terra Cursos de dança no Paraguai (Edvaldo Lacerda) Tesouros Farroupilhas Uma espada de ferro usada nos campos de combate da Revolução Farroupilha (1835-1845) e que hoje é peça rara do acervo histórico do Museu Divino Alziro Beckel, em Camaquã, foi finalmente identificada com o auxílio da PUCRS. A solicitação veio da Secretaria de Cultura e Turismo daquela cidade visando definir de quem fora o armamento. A espada foi enviada à Universidade, onde o professor Édison Hüttner, da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, começou uma pesquisa, com apoio do docente Éder Hüttner, do IGG. No Arquivo Público do RS, localizou uma foto do major Bento Gonçalves da Silva Filho (1820-1897) com a espada. “Este é um documento importante para comprovar a autenticidade da arma do filho de Bento Gonçalves. Até agora, havia apenas relatos orais de que a espada pertenceria a ele”, afirma Hüttner. Há pouco, Hüttner e equipe também haviam contribuído com o Museu na identificação de outra espada usada nos embates farroupilhas. O professor Klaus Hilbert, coordenador do Laboratório de Pesquisas Arqueológicas, orientou buscar fontes militares. Com a ajuda do tenente coronel Ricardo Rios, do Colégio Militar de Porto Alegre, foi possível atestar e descrever o armamento: sabre longo de Cavalaria, do modelo Holler, desenhada em 1835, lâmina de corte de um só lado, 79cm, empunhadura com 15cm e defeso de 10cm vasado composto por três linhas metálicas, guarda mão em meia lua e empunhadura Professor Huttner mostra espada em madeira. TEMA ANUAL: PRESERVANDO O PASSADO, CONSTRUINDO O FUTURO

[close]

p. 8

8 NOTÍCIAS Ano XIII - Edição 158 Outubro de 2014 Por: Alyne Motta Noite para lembrar os feitos farroupilhas Loja Maçônica Filhos de Hiram realizou sessão branca alusiva aos Festejos Fotos: Ricardo Wendland Acordo dá fim a processo antigo 1ª Vara Cível Data/hora: 03/07/14, às 17 horas Processo nº: 001/1.11.0168058-0 Requerente: Luiz Glênio Cabreira dos Santos Requeridos: Movimento Tradicionalista Gaúcho - MTG e outro Juíza de Direito: Doutora Anaísa Accorsi Peruffo Presente: O autor e seu procurador, Doutor Carlos Francisco Homrich dos Santos; bem como o presidente do MTG e, do FCG, senhor Manoelito Carlos Savaris, e seus procurados, Doutor Edison Flores Dorneles e Doutor Helder Ricardo Rocha de Menezes. e a Fundação Cultural Gaúcha reconhecem o mérito dos serviços prestados pelo requerente na condição de vice-presidente da Fundação. As partes reconhecem mutuamente que os impasses havidos no passado estão superados e resultaram de mal entendidos, definindo-se que o conteúdo da presente ata será divulgado em jornal editado pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho. Fica homologado o acordo das partes, com a extinção da ação indenizatória e da reconvenção, na forma do artigo 269, III, do CPC. Custas remanescentes, se houver, serão suportadas pelo autor da ação indenizatória. Suspensa a execução pela gratuidade usufruída. Cada parte suportará os honorários de seu advogado. Presentes intimados. Registre-se. Com o trânsito em julgado, arquive-se com baixa. Nada mais. (Registro e transcrição realizado pela Oficial Escrevente Estenotipista Alessandra Melo Hertzog). DISPONIBILIZADO NA REDE EM 08/07/14, ÀS 10H06MIN Os maçons que participaram da sessão alusiva aos Festejos Farroupilhas À luz da chama crioula e na presença da bandeira do Rio Grande do Sul, a Loja Maçônica Filhos de Hiram 2172 realizou, na noite de terça-feira, 16 de setembro, a sessão branca alusiva aos Festejos Farroupilhas. A solenidade reuniu os irmãos (como os maçons se chamam), cunhadas, sobrinhos e convidados. A sessão branca lembrou os maçons – como Bento Gonçalves, José Gomes de Vasconcellos Jardim, Pedro Boticário, Antônio de Souza Neto, entre outros – que lutaram por liberdade, igualdade e humanidade, dando assim, início a Revolução Farroupilha, que iniciou oficialmente em 20 de setembro de 1835 e durou 10 anos. “Buscamos ressaltar os feitos de nossos irmãos, que há 169 anos defenderam nosso chão”, comenta o Venerável Mestre, Cid Alberto Motta. Segundo ele, o Balaústre 67, lido durante a noite, comprova os ideais dos maçons, que se reuniram em 18 de setembro de 1835, para dar início a Revolução. O Venerável Mestre ainda complementou dizendo que os feitos na época foram fundamentais para a construção do estado do Rio Grande do Sul. “Eles confiaram na lei do Grande Arquiteto do Universo, e hoje temos muito orgulho da coragem que tiveram para defender nosso chão”, acrescentou Cid. DESPACHO: SOLENIDADE Além do rito com termos gaúchos e a pilcha como traje, a sessão farroupilha contou com uma declamação feita pelo Lissandro Moraes, o Pai Nosso Gaúcho rezado por Armando Amicone Filho e cantos nativistas interpretados por Dorli Silva, José Quadros e pelas cunhadas Alayde Motta, Mararubia Angeli e Maria Leni Amicone. Esteve presente a representante da 6ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), do Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Estância Alegre, a vice-coordenadora da 5ª Região Tradicionalista (RT), Elenir Werner e do presidente do Encontro de Arte e Tradição Gaúcha (Enart), Jorge Rohr. A Chama Crioula, que esteve presente durante toda sessão farroupilha, foi trazida por cavaleiros do Piquete Tradicionalista Gaúcho (PTG) Centauro Farroupilha, da Brigada Militar. Eles foram até a cidade de Cruz Alta, no início do mês de setembro, buscar uma centelha oficial da chama. Fotos: Ricardo Wendland A seguir, pela Doutora Juíza foi dito que, proposta a conciliação, houve acordo nos seguintes termos: as partes abrem mão das pretensões indenizatórias recíprocas. O Movimento Tradicionalista Gaúcho Gincana em Santa Cruz do Sul A II Gincana de Integração dos Lanceiros aconteceu entre os dias 1º a 18 de setembro, na sede social do CTG Lanceiros de Santa Cruz, sob a coordenação de Leila Figueiredo, Roni Ferreira Nunes e o peão Dassayew Pôrto, e culminou, no dia 19, no jantar-baile gaúcho com a entrega dos troféus aos primeiros colocados e com a entrega dos alimentos arrecadados à Associação de Apoio a Pessoas com Câncer (AAPECAN) de Santa Cruz do Sul. Os participantes formaram seis equipes de idades variadas: Os Veteranos (Grupo Alegria de Viver), Os Picurruthê (Invernada Pré-mirim), Os Guardiões da Lança (Invernada Mirim), Jovens Nativos (Invernada Juvenil), Lanceiro Desgarrado (Invernada Adulta) e Loucos por Fandango (PTG Recanto da Lagoa) e cumpriram com êxodo, todas as 18 tarefas propostas pela Comissão Organizadora, com direito a grito de guerra. As tarefas foram desenvolvidas pelos integrantes de dança, pais, filhos, netos, capatazes e amigos, que se propuseram em mobilizar a comunidade e escolas, para bem auxiliar as equipes, no desenvolver das tarefas. A cultura gaúcha se expandiu em meio à solidariedade, aos conhecimentos gaúchos, a união e a superação dos integrantes. Dentre as tarefas, destacou-se a confecção de uma colcha em crochê, a confecção de pipa (pandorga, papagaio) à moda antiga, chimarrão artesanal, tiro de laço (vaca parada), contação e encenação de lendas gaúchas, utilização de meios virtuais, arrecadação de alimentos, brincadeiras lúdicas gaúchas entre outras, incentivando sempre o uso de pilcha e ativando a capacidade do “aprender”. Esta foi à forma que a coordenação, juntamente com o Patrão, Eroneu Alcino Linch, e sua patronagem, encontraram para envolver e integrar em seu galpão uma grande família chamada Lanceiros. Convidados juntamente com os organizadores da sessão branca Lanceiros de Santa Cruz mobilizado em uma gincana solidária TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 9

Ano XIII - Edição 158 NOTÍCIAS Por Aline Kraemer Outubro de 2014 TURISMO NO SUL 9 Por Jeandro Garcia CTG Tropeiros da Querência, de Campo Grande/MS, completa 24 anos Nova Petrópolis, o Jardim da Serra Em virtude do início da primavera, nada mais coerente do que uma matéria sobre a cidade com os mais belos jardins da nossa serra gaúcha. Conheço Nova Petrópolis deste a minha fase juvenil, e lembro da grande colonização alemã, na padaria todos falavam a língua germânica e eu tinha dúvidas se alguém conseguiria entender o que eu estava prestes a dizer. Passado alguns bons anos ainda retorno a cidade e vejo uma cidade com outras influências e mais bonita ainda do que naquela época. Claro que focando muito em turismo e eventos. Aliás ocorre agora em outubro, de 10 a 19, a Festa da Primavera. E logo quem chega à cidade já percebe porque é chamada de “O Jardim da Serra”. No centro de Nova Petrópolis na Praça das Flores existem lindos canteiros floridos, monumentos e o Labirinto Verde, um local moldado por pinheiros onde é possível percorrer grandes corredores com o objetivo de chegar ao centro, uma experiência diferenciada com certeza. Não deixe de conhecer o Parque Aldeia do Imigrante, local onde é preciso reservar pelo menos 2 horas, ou um pouco menos, mas não deixe de ir! É o melhor passeio da cidade! Lindas paisagens, lagos e boas surpresas. Criado para resgatar e preservar o passado histórico-cultural dos imigrantes alemães que colonizaram esta região. A Aldeia histórica reproduz um conjunto arquitetônico em técnica enxaimel do final do século XIX (1860-1910). Esta vila foi removida do local original e remontada dentro do parque, possuindo igreja, casa da professora, ferraria, escola, museus e outras atrações. A cidade possui diversos atrativos, mas quero enfatizar também o Roteiro Rural Alemães do Sul. Caminhos onde o percurso nos leva ao interior da cidade, passando por antigas propriedades que estão de braços abertos esperando a sua visita e disponíveis para mostrar mais sobre estes colonizadores. Visite algumas delas como: Casa de Pedra, Moinho Hillebrand, Propriedade Rural Verde Vale, Armazém Rosa Mosqueta - Ervas e Essências e Museu da Família Alberto Hillebrand. Para maiores informações de turismo, visite o meu blog: www.turismonosul.com.br. Foto: Divulgação Foto: Aline Kraemer Dona Lidia Zanatta ao centro, na pedra fundamental do CTG No dia 23 de setembro o CTG Tropeiros da Querência, de Campo Grande/MS, completou 24 anos de fundação. As comemorações foram realizadas durante os festejos farroupilhas. A jornalista e prenda Aline Kraemer, que faz parte da entidade desde o ano da fundação, conta como surgiu o CTG. “A gaúcha Lídia Zanatta convidou as primeiras pessoas a integrarem o grupo de dança artística mirim - a Pequena Querência, que marcou o início do nosso CTG. Os pequenos dançarinos eram acompanhados pelos seus pais durante os ensaios que aconteciam, primeiramente, na residência de Lídia Zanatta. A Tia Lídia plantou uma semente e merecidamente é considerada a patrona do CTG Tropeiros da Querência”, enfatizou Aline. Aline ainda comenta que depois de uma período as crianças passaram a ensaiar no salão paroquial da Igreja Santíssima Trindade. Durante três anos de trabalho, os ensaios foram feitos em três paróquias, todas pertencentes a Nossa Senhora de Fátima. No ano de 1987 a Pequena Querência fez a abertura do 3º Fegams (Festival Sul-Mato-Grossense de Folclore e Tradição Gaúcha), na cidade de Sidrolândia-MS. O Patrão do CTG Tropeiros da Querência, Miro Golin, explica que após três anos de Pequena Querência foi fundado no dia 23 de setembro de 1990, na Igreja Santa Cecília, em Campo Grande-MS, o CTG Tropeiros da Querência. Vários casais gaúchos reuniram-se com o intuito de fundar a instituição. “No rodeio geral do dia 23 setembro 1990, além da fundação, foi escolhido o nome do CTG com o lema Tauras Cultuando a Tradição”, colocou o Patrão. O Presidente da CBTG, João Ermelino de Mello, que integra o CTG Tropeiros da Querência desde o ano de sua fundação, relembra o lançamento do Tronco Fundamental: “Em 1993 o CTG ganhou da Prefeitura Municipal o terreno para sua sede e resolvemos então fazer a solenidade de inauguração com o tronco fundamental no dia 09/11/1993. A convite, Padre Oralino participou realizando uma bênção ao terreno e a todos os presentes. Rezamos todos de mãos dadas agradecendo a Deus pela conquista do terreno. Seu José Carlos Cardoso cavou um buraco de meio metro de profundidade e ali foi fincado um palanque de cerne com um metro de altura entre um pé de pequi e um de angico, bem onde é a entrada do CTG, simbolizando o início de nossa gigantesca obra, que sempre nos orgulha e nos traz momentos incríveis de alegrias e convivência familiar”, explica João Ermelino de Mello, que foi Patrão da entidade algumas vezes. Foto: Divulgação O Labirinto Verde é uma das atrações de Nova Petrópolis GTC 20 de Setembro participou do Desfile Farroupilha em Xangri-Lá O Grupo de Tradição e Cultura 20 de Setembro, do município de Xangri-Lá, pertencente a 23ª Região Tradicionalista, participou do desfile farroupilha da cidade no dia 20 de setembro. Participaram do desfile a invernada mirim, juvenil, pais destas invernadas, departamento cultural e departamento campeiro do GTC 20 de Setembro. Os pais da invernada mirim decoraram um carro temático com o tema anual de 2014 dos festejos farroupilhas “EU SOU DO SUL”. “Tentamos mostrar que o tradicionalismo está presente inclusive na comunidade escolar.” – disse Claudia Sanna. Foto: Divulgação Pais participam decorando os veículos para o desfile

[close]

p. 10

10 Ano XIII - Edição 158 Outubro de 2014 Acampamento Farroupilha recebeu quase um milh Fotos: Rogério Bastos Foto: Turky Cirandas escolares envolveram mais de 15 mil crianças Foto: Turky Xirú (E) patrono da Capital, ao lado de Feltrin(D), do estado Vista aérea do Parque da Harmonia em 2014 Foto: Rogério Bastos Homenageados pelo governo do estado do RS Atenção as novas gerações evitam a desintegração da sociedade O Acampamento Farroupilha, em sua 27ª edição, no ano de 2014, recebeu mais de 900 mil pessoas. O cálculo é da equipe de organização do evento, a partir do público presente nas atividades culturais, campeiras e também nas oficinas realizadas entre os dias 7 e 20 de setembro. O dia de maior movimento foi a data magna, 20 de setembro, quando aproximadamente 180 mil pessoas circularam pelo parque. Estima-se que parcela expressiva deste público tenha se constituído de participantes e espectadores dos desfiles cívico, temático e tradicional, que aconteceram pela manhã. Um dos destaques das atividades do acampamento foi a Ciranda Escolar, que atendeu, no total, 17 mil crianças. As atividades artísticas, como dança, declamação, chula, musica, oficinas de dança e brincadeiras, bem como, contação de histórias, e teatro - todas com temas que enalteceram a cultura gaúcha - atraíram o público de mais de 100 escolas de diversas cidades. O cheirinho característico e permanente de churrasco do Parque Harmonia confirma nas estatísticas o sucesso da gastronomia gaúcha. Somente de costela foram assadas 35 toneladas, nos mais de 350 piquetes e restaurantes espalhados pelo parque. Fotos: Rogério Bastos Airto Timm, presidente da OrCav, levando a Chama A Knorr promoveu degustação e aulas de culinária para visitantes Galpão do grupo RBS teve grande movimentação de crianças Peão e prendas farroupilhas trabalhando no Parque da Harmonia Albeni Carmo de Oliveira, payador, e sua filha Thaís Nascimento Desfile levou as cores do Rio Grande do Sul para a avenida Eu sou do sul e o orgulho gaúcho pela gastronomia Frase do hino rio-grandense demonstra a valorização da virtude

[close]

p. 11

Ano XIII - Edição 158 Outubro de 2014 11 hão de pessoas e festeja a organização do evento Fotos: Rogério Bastos Fotos: Rogério Bastos Entidades, mesmo sem os carros temáticos, foram para a avenida Publico lotou as arquibancadas para assistir os desfiles do dia 20 Paulo Matukait, DTG 12 de outubro, dedicação total ao evento A inclusão foi o ponto alto do desfile. Crianças em cadeiras de rodas participaram, pilchadas, na avenida Beira-rio Farroupilhas preparados para o combate com os imperiais Segundo o presidente do MTG, Manoelito Savaris, a avaliação quanto ao Acampamento Farroupilha 2014 é positiva, com destaque para a qualidade da segurança, realizada pela Brigada Militar, Polícia Civil e empresa particular contratada. ‘Não tivemos nenhuma ocorrência grave no período de atividades, garantindo assim tanto aos acampados como ao público um ambiente tranquilo e propício para a integração e convivência, cultivando nossas tradições”, afirma. As oficinas e atividades abertas do projeto Turismo de Galpão, que permitiram aos visitantes do Acampamento Farroupilha vivência direta com as manifestações, hábitos e costumes dos gaúchos em 53 piquetes, tiveram a participação de 1,1 mil pessoas até as 15 horas do domingo, 21, último dia do evento. As oficinas de gastronomia, de chimarrão e de danças gaúchas foram as mais procuradas. O número dessa edição supera os 400 participantes da grande festa da cultura gaúcha de 2013 e os cerca de 800 turistas brasileiros e estrangeiros que integraram as atividades oferecidas pelo projeto durante o Acampamento Extraordinário da Copa 2014. O Galpão da Hospitalidade, a Secretaria Municipal de Turismo recepcionou 21.260 pessoas, das quais 76% gaúchos de 40 cidades do Rio Grande do Sul, 21% turistas de 20 estados brasileiros e 3% visitantes estrangeiros, de 20 diferentes nacionalidades. Estiveram no parque pessoas da Colômbia, México, Japão, Estados Unidos, Peru, Palestina, Chile, Bolívia, França, Portugal, Argentina, Uruguai, República Tcheca e outros países. Fotos: Rogério Bastos Frase que define o gaúcho e o cavalo. Retrato do centauro Imperiais preparados para o combate com os Farroupilhas Indias e italianas, direto do Campo dos Bugres (Caxias do Sul) Juno Ubirajara (C), com cavaleiros da Costa Doce As mulheres que ficavam nas estancias, protegiam a propriedade Dorvilio Calderan (D) recebe medalha de Gilmar Sossela FTG-PC presente na semana farroupilha no RS

[close]

p. 12

12 NOTÍCIAS Ano XIII - Edição 158 Outubro de 2014 Secretaria de Cultura lança 1º Esteio da Poesia Gaúcha A secretária municipal de Arte e Cultura, Ângela Ruas, aproveitou o grande público que foi prestigiar a Semana Farroupilha na noite de sábado (20) para fazer o lançamento do 1º Esteio da Poesia Gaúcha, festival que nasce com o objetivo de colocar o Município no circuito dor promotores de uma das principais artes do Estado. Acompanhada do declamador Paulo Roberto Domingues Vargas, que está organizando o evento, Ângela entregou o cartaz do festival aos coordenadores dos departamentos culturais das entidades tradicionalistas de Esteio e convidou a todos para participar. Depois, Paulo Vargas declamou a poesia Enigma dos Cerros, de José Carlos Andrade Pereira (Curitiba/PR), que venceu como melhor poema e melhor declamador na 5ª Tertúlia Maçônica da Poesia Crioula de Porto Alegre, ocorrida no final de agosto. Até o dia 30 de novembro, poetas de todo o país podem inscrever trabalhos inéditos que versem sobre a cultura gaúcha, história, usos, costumes e outros temas que tratem do homem do Rio Grande do Sul. As inscrições e entrega dos poemas podem ser feitas pelo e-mail esteiodapoesia@gmail.com, diretamente ou com o envio dos trabalhos pelos Correios para a Casa de Cultura Lufredina Araújo Gaya (Rua Padre Felipe, 900 – Centro – CEP: 93.265-011 – Esteio/RS). Na noite de 27 de fevereiro de 2015, dentro da programação em comemoração anos 60 anos de Esteio, em um evento na Casa de Cultura, serão apresentadas as 10 poesias selecionadas pela comissão avaliadora para o festival, uma promoção das secretarias municipais de Arte e Cultura (SMAC) e de Comunicação Social (SMCS). Serão premiados, com troféus e premiação em dinheiro, os três melhores poemas, os três melhores declamadores e os três melhores amadrinhadores (músico que acompanha o declamador na apresentação). A melhor poesia do festival recebe R$ 500. Já o melhor declamador e amadrinhador ganham R$ 300 cada. Além disso, todas as 10 poesias selecionadas para a final recebem uma ajuda de custo de R$ 300. Na final, também vão ocorrer shows com artistas locais na abertura e um show de encerramento com cantor ou grupo nativista/regionalista de projeção estadual (os nomes estão sendo definidos). Troféu mulher gaúcha homenageia destaques Durante os festejos farroupilhas mulheres que se destacam no cenário são homenageadas anualmente. O galpão do Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore (IGTF) foi o palco para a quarta edição do Troféu Mulher Gaúcha dia 17 de setembro, no Acampamento Farroupilha, em Porto Alegre. A distinção é concedida às mulheres que se destacam no desenvolvimento de projetos sociais e atividades culturais direcionadas à valorização da mulher tradicionalista gaúcha, conforme disposto no Decreto 48.336 de 2011. Para a secretária de Políticas para as Mulheres, Ariane Leitão, estar durante a Semana Farroupilha, dentro de um espaço tradicional para o povo gaúcho, como é o Parque Harmonia, reconhecendo a participação das mulheres na história do nosso Estado tem grande significado. “Muitas mulheres participaram da Revolução, mas a figura do homem, aquele guerreiro, que foi para a frente da batalha, fez com que sua atuação fosse invisibilizada. A tradição gaúcha é um espaço que dialoga também com a diversidade e fazer, pelo quarto ano consecutivo, a homenagem a essas mulheres que nos ajudam a fazer uma caminhada mais forte no Rio Grande do Sul, mostra a força da mulher gaúcha e toda sua contribuição”. A 1ª Prenda Adulta do Rio Grande do Sul, Caroline Lemos, falou sobre seu orgulho e satisfação por ser representada por tantas mulheres de fibra, coragem e beleza. “Vocês são o esteio do nosso Rio Grande”, completou. A entrega do troféu é uma realização da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM/RS), em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura, por meio do IGTF, com o Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), com a Comissão Gaúcha de Folclore e com a Associação Amigos do IGTF. - Marlene Pastro - cantora, compositora e instrumentista, primeira cantora nativista a apresentar-se com a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre e em 2009 venceu o festival Mulher em Canto com o tema Lei Maria da Penha. - Laurí Terezinha Bueno de Almeida - coordenadora da 8ª Região Tradicionalista do MTG. - Leda Salvi Rodrigues - professora e membro da patronagem do 35 CTG, destacou-se por desenvolver um método próprio para o ensino de dança folclórica a pessoas surdas. - Denise Gress - chefe de gabinete do IGTF, foi prenda mirim, juvenil e adulta e ainda vice-coordenadora da 20ª Região Tradicionalista do MTG. - Martha Huffel - professora de tradição gaúcha e presidente da Associação de Amigos do IGTF. - Caroline Castanha de Ávila de Lemos - 1ª prenda adulta do RS - Laura Callegaro de Oliveira - 2ª prenda adulta do RS - Bárbara Janaina Gomes Schneider - 3ª prenda adulta do RS - Amanda Faleiro - 1ª prenda juvenil do RS - Andressa Canova Motter - 2ª prenda juvenil do RS - Caroline Borges de Lemos - 3ª prenda juvenil do RS - Laura Laís Durli - 1ª prenda mirim do RS - Tayline Alves Manganeli - 2ª prenda mirim do RS - Maysa Rebelo Crestani - 3ª prenda mirim do RS Foto: Divulgação Homenageadas 1° Esteio da Poesia Gaúcha Período de inscrições: Até o dia 30 de novembro de 2014 Local: Pelo e-mail esteiodapoesia@gmail.com e Casa de Cultura Lufredina Araújo Gaya (Rua Padre Felipe, 900 – Centro – Esteio – CEP: 93.265-011) Premiações Poesia 1º lugar – R$ 500 e troféu 2º lugar – R$ 300 e troféu 3º lugar – R$ 200 e troféu Intérprete (declamador) 1º lugar – R$ 300 e troféu 2º lugar – R$ 200 e troféu 3º lugar – R$ 100 e troféu Amadrinhador (músico) 1º lugar – R$ 300 e troféu 2º lugar – R$ 200 e troféu 3º lugar – R$ 100 e troféu Mulheres foram homenageadas por se destacarem na sociedade TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 13

Ano XIII - Edição 158 Outubro de 2014 Carta aberta de um gaúcho Agora que passaram os festejos farroupilhas, algo que instiga, que agita, que revolta algumas pessoas intolerantes e que vem arrebanhando muitos adeptos sem personalidade, inclusive dentro do próprio gauchismo, quero dar uma dicas a ilustres como Moacyr Flores, Juremir Machado, Tau Golin, Moisés Mendes, Claudia Laitano, além de outros que nesta época do ano reaparecem com seus textos bem articulados para atacarem àqueles que têm por culto, ou mesmo por gosto, usar umas bombachas. Creio que todos os citados são do tempo dos antigos LPs, também chamados de “bolachões” e por isso não estranharão se eu lhes propuser para o próximo ano “virarem o disco” (ou, para que os mais novos entendam), trocarem o tema, não baterem na mesma tecla. Digo isto por que todos eles, anualmente, são intencionalmente tendenciosos a vincularem os nossos costumes com a Revolução Farroupilha fixando a identidade do gaúcho com um determinado período histórico. Para estes, o Rio Grande do Sul nasceu no dia 20 de setembro de 1835. Com todos os seus tempos de escola estes colunistas, escritores, mestres acadêmicos, e seus puxas, acabam se nivelando ao gaúcho que vai ao “acampamento” para comer, beber, ouvir uma gaita, dar “cantadas” numa “chinoca”, e se achar o maior “cara” do mundo. Ao determinar que o tradicionalista de hoje vive de histórias fantasiosas de uma guerra que para eles, de repente, nem aconteceu, estes “gaúchos por acidente geográfico” (pois gostariam de ter nascido em Paris, Rio, Nova York...) se equiparam ao bombachudo de rompantes, de falar alto, de faca na cintura, mas que nem imagina quem foi um João Simões Lopes Neto, por exemplo. - Caros amigos (para não dizer caras-pálidas): O chimarrão, nosso mate-amargo, nossa comunhão fraternal, símbolo da hospitalidade que não pode faltar em qualquer rancho sulino por mais humilde que seja, vem lá das missões guaraníticas, portanto, bem antes da revolução farroupilha. - O Cavalo, extensão das pernas do gaúcho, e que foi arma letal da briosa cavalaria farrapa, enfrentando por quase dez anos todo o império, com menos homens, menos armas, mas muito mais valentia, se faz presente em nossa terra bem antes deste decênio heroico e ajudou a gauchada a sustentar as fronteiras brasileiras nas Guerras Cisplatinas, enquanto a côrte comia, bebia e promovia saraus no Rio de Janeiro. Além disto foi parceiro de trabalho nos tempos das sesmarias sem alambrados, no reponte do gado alçado, na formação cultural do gaúcho. Nos dias de hoje, continua amigo fiel nas lides de campo, nas centenas de cavalgadas de integração familiar, nas festas e rodeios. - A bombacha, que vocês orgulham-se de nunca ter vestido, mas que a milhares de rio-grandenses serve de segunda pele, nem existia na época da revolução. Surgiu a partir da Guerra do Paraguai. Se vivêssemos a cultuar exclusivamente o tempo que vocês maldosamente apregoam, teríamos que andar por aí, pelas praças, pelos shoppings, pelas “casas”, de CHIRIPÁ. - As nossas danças, as nossas músicas, as nossas poesias, nossa literatura regional é toda posterior a Revolução Farroupilha e poucas destas manifestações artísticas fazem referência exclusiva e esta epopeia que tanto nos orgulha mas que não é motivo único de nossa existência. - Talvez a grande mágoa de vocês seja a escolha do 20 de setembro como o Dia do Gaúcho, mas queriam o que? A data em que Elis Regina nasceu? Também gosto da “formiguinha” mas não é para tanto... Poderíamos, talvez, escolher o 01 de março de 1845, data do Tratado de Paz de Ponche Verde, ou o 11 de setembro de 1836, data da Proclamação da República Rio-grandense, mas aí seria tudo dentro do mesmo tema (Revolução Farroupilha - Guerra dos Farrapos). Ficaríamos aqui indo além, enumerando dezenas de fatos que desvinculam os costumes do gaúcho da Revolução Farroupilha e ligando-os, muito mais, a sua labuta de peão, a sua vivência nas estâncias, a busca de trabalho na cidade grande e a consequente saudade do campo, a sua veia artística, a sua adaptação com a rudeza do clima, a sua alma desbravadora e colonizadora, mas nem desejamos tudo isto em face de que também temos orgulho pelos feitos heroicos de nossos antepassados farrapos, mas não só disto. Vivenciamos intensamente os dias de hoje pois estes são os nossos momentos mas, no mesmo compasso, cultuamos uma tradição bonita, pura, legada por nossos antepassados. A Revolução Farroupilha teve narrativas épicas que deixaram marcas indeléveis na nossa história e permanecerá como um marco na alma de todos os rio-grandenses mas nossa devoção ao Rio Grande vai bem além de uma Guerra e talvez por tudo isso sejamos um povo diferente de nossos irmãos brasileiros (nem melhores, nem piores – apenas diferentes) o que magoa, inibe, enrubece estes escritores e cria rompantes indesculpáveis em alguns gaúchos que se julgam superiores. Ninguém precisa andar de bombachas, de lenço no pescoço, de chapéu tapeado na testa... Só precisamos que respeitem o nosso espaço assim como respeitamos o espaço que não nos pertence. Se não gostam de nosso proceder, por nos considerarem retrógrados, por preservarmos costumes antigos, por apreciarmos músicas que vocês não apreciam, por termos um atavismo que vocês não têm, por termos identidade própria, desvinculem-se de nós. 13 Por: Leo Ribeiro de Souza * Blogueiro, advogado, compositor e poeta Que busquem outros temas para seus pitorescos escritos. O universo é vasto. O Brasil é rico em diversidades culturais. Preocupem-se com os carnavais, as festas juninas, os festivais de Parentins, as religiosidades nordestinas, os pantaneiros, os sertanejos... Se nossa história é fictícia, que comentem sobre Harry Potter, O Senhor dos Anéis, Guerra nas Estrelas, O Rei Leão, mas nos larguem de mão.... E parem com esta ladainha de que comemoramos e vivemos em função de uma guerra que perdemos pois aí vou ser obrigado a pergunta-lhes (um questionamento que não é meu) e guardando as devidas proporções: - Jesus Cristo não cumpriu sua missão porque morreu crucificado? A sua história é “fictícia”? A Escócia, recentemente, não obteve nenhuma vantagem embora seu SIM tenha sido rejeitado, como país independente da Inglaterra? Quem lê sabe e não precisa vir um “historiador” clarear nossas ideias de que nem todos os revolucionários eram separatistas, ou mesmo abolicionistas, ou que os alemães não se integraram na luta... Mas qual é a guerra que teve integração total de seus habitantes? Estas pessoas de quem falo se pegam apenas no que lhes importa para defender seus pensares. Não bombeiam o todo. O resultado político do embate. Aproveitamos a olada e solicitamos aos detentores do poder público e que não sabem utilizá-lo, a não ser em benefício próprio, que não queiram empurrar goela abaixo da tradição, costumes que não fazem parte da mesma. Objetivem seu trabalho naquilo para que são pagos por nós, contribuintes. Respeitamos todos os segmentos da sociedade mas queremos preservar, fidedignamente, aquilo que nos foi repassado, caso contrário, na primeira curva da estrada, não enxergaremos mais o quão bonita e prestimosa foi a nossa história. TEMA ANUAL: PRESERVANDO O PASSADO, CONSTRUINDO O FUTURO

[close]

p. 14

14 IMIGRAÇÃO ALEMÃ Ano XIII - Edição 158 NOTÍCIAS Por Paulo Gonçalves Outubro de 2014 Amor à terra Setembro é um mês em que todo gaúcho se sente mais gaúcho é um período em que todo o sentimento terrunho, o amor a terra em que vivemos, aflora e se externa na massificação de hábitos. Muitos destes hábitos, ou costumes até podem fazer parte do nosso dia-a-dia mas em setembro parasse que temos que mostrar e compartilhar destes hábitos com todos, andamos pilchados até no trabalho. Tal sentimento não era visto na década de quarenta, e mesmo depois deste período ver o que vemos hoje nas ruas era quase impossível. O que vemos hoje é consequência da coragem e iniciativa de um grupo de jovens estudantes que no fim da década de quarenta deu inicia ao que chamamos hoje de Tradicionalista Gaúcho. O tradicionalismo surge em um momento em que as tradições e história do povo gaúcho estavam em processo de esquecimento, podemos dizer sem medo de erras que se não fosse esta iniciativa os aspectos tradicionais do Rio Grande do Sul seriam substituídos por uma cultura massificado e estrangeira, teríamos uma seria perda de identidade. O tradicionalismo surge e á disseminando, ponta pé inicial é dado em 1947 e tem seu marco inicial com a fundação do primeiro centro de tradições gaúchas o 35 CTG em 1948. Este sentimento de amor a o chão sulino se espalhou por todo o Estado, na região de Taquara os descendentes de imigrantes alemães se mobilizaram e criaram também uma entidade tradicionalista, o CTG O Fogão Gaúcho, alguns meses após a fundação CTG em Porto Alegre. A criação deste CTG na cidade de Taquara tem uma finalidade muito maior do que prestigiar e preservar as tradições gaúchas. Existia entre os imigrantes o temos de uma vinculação deles com as atrocidades ocorridas durante a Segunda Grande Guerra, a criação deste CTG foi uma forma de mostrar a comunidade gaúcha e brasileira que estes alemães, descendentes de colonos imigrantes não tenham ligação com toda aquela situação de horror. O Rio Grande do Sul sempre foi um Estado acolhedor e desde o inicio do século XIX os alemães assinam um atestado de amor a terra gaúcha, a criação do CTG O Fogão Gaúcho e de outras entidades nas regiões de colonização alemã é uma forma de ligação a história sulina. Muito dos aspectos da cultura alemã acabou sendo incorporada a o que hoje todo tradicionalista chama de cultura gaúcha, uma relação de troca que com o passar do tempo se homogeneizou e se tornou uma coisa única, a cultura gaúcha. Missa Crioula em Rio Grande homenageia a cultura gaúcha A 4ª edição da Missa Crioula Fé Gaúcha, realizada pela Equipe Amor Maior, do Movimento Familiar Cristão, em parceria com os tradicionalistas de Rio Grande, aconteceu no dia 13 de setembro, dando início as atividades da Semana Farroupilha da cidade. Tendo como sede a catedral mais antiga do estado, Catedral de São Pedro, a missa também serviu como uma forma de homenagear a atual 1ª Prenda do Rio Grande do Sul, a jovem rio-grandina, Caroline Lemos. Durante a celebração, Caroline cantou e ofertou sua faixa, como símbolo de sua conquista na 44ª Ciranda Cultural de Prendas. Seguindo os ritos normais da celebração católica e com um toque bem campeiro, a Missa Crioula reuniu cerca de 200 pessoas que foram a catedral para prestigiar esse momento tão especial para gaúchos e cristãos. Foto: Divulgação Prenda do RS canta e encanta Em Panambi, escolas vivenciam as raízes A secretaria de educação cevar o mate, emalar o poncho, encie cultura de Panambi, Elenir Winck, lhar o cavalo, andar a cavalo e laçar juntamente com o ex-peão do RS, a vaca parada. “Há uma boa aceitae atual vice- presidente do departa- ção, entre alunos e professores, para mento jovem do MTG, Murilo Oliveira o desenvolvimento do referido projede Andrade, desenvolve há quatro to e a secretaria municipal de eduanos o projeto “vivenciando nossas cação e cultura acredita e tem imenraízes”, durante o mês de setembro, sa satisfação em estar contribuindo em turmas de 5º anos do ensino fun- para o desenvolvimento e preservadamental, em todas as escolas muni- ção da cultura gaúcha em nosso Escipais e em algumas estaduais. tado” – disse Elenir Winck. O objetivo do proFoto: Divulgação jeto é proporcionar aos alunos a oportunidade de conhecer um pouco mais da história do povoamento e da formação do Rio Grande do Sul e o desenvolvimento de sua cultura, através da influência de diferentes povos. Ao longo destes quatro anos já foram desenvolvidas, além da parte histórica e de apresentação musical, Tradição e escola de mãos dadas: Sonho de Barbosa Lessa diferentes oficinas como: TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 15

Ano XIII - Edição 158 Outubro de 2014 15

[close]

Comments

no comments yet