Revista Avicultura do Paraná Edição 42

 

Embed or link this publication

Description

Revista Avicultura do Paraná Edição 42

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3



[close]

p. 4

Editorial Diretoria Presidente: Domingos Martins Vice-presidente: Claudio de Oliveira Secretário: Olavio Lepper Tesoureiro: João Roberto Welter Suplentes: Luiz Adalberto Stabile Benicio, Ciliomar Tortola, Vallter Pitol e Roberto Kaefer Conselheiros fiscais Efetivos: Paulo Cesar Massaro Thibes Cordeiro, Dilvo Grolli e Edno Guimarães Suplentes: Rogerio Wagner Martini Gonçalves, Celio Batista Martins Filho e Marcos Aparecido Batista Delegados representantes efetivos: Domingos Martins e Luiz Adalberto Stabile Benicio Suplentes: Ciliomar Tortola e Paulo Cesar Massaro Thibes Cordeiro Favorabilidade O s vent o s so pram em sent i do favo rável à avi cultura p aran a e nse. Depo i s de bat er um novo reco rde pro dut i vo em julho, com 1 4 0 m i lhõ es de aves abat i das, a deci são da R ússi a de imp or ta r m ai s carne de f rango do Brasi l, ali ada à q ueda do s custos dos in s um o s, pro duzi u um a co njunt ura bast ant e favo rável p ara a nossa in d úst ri a aví co la. Essas são as caract erí st i cas q ue no s t razem o otim is m o dest e seg undo sem est re q ue, co m o vo cê po de acomp anhar com m ai s det alhes a part i r da pág i na 2 4 , t em t udo para fechar com n ú mero s ai nda m ai s si g ni f i cat i vo s. E é co m g rande aleg ri a q ue co m uni co t am bé m o resultado d a s elei çõ es para a presi dê nci a do S i ndi vi par, em q ue fui reeleito p a ra a gest ão 2 0 1 5 -2 0 1 7 . U m do s pri m ei ro s o bjet i vo s será a instal a ç ã o de câm aras t é cni cas, q ue abrangerão di ferent es setores como ju ríd i co, co m erci al, sani t ári o, e q ue co nversarão ent re si em b usca d e so luçõ es para um t o do. Co nf i ra a m at é ri a co m plet a na p ágina con ti nuar a fo rt alecer o di álogo e, p rinci palm ent e, o desenvo lvi m ent o Foto: Sindiavipar 4 2 . É dessa fo rm a q ue pret endem o s Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná Av. Cândido de Abreu, 140 - Salas 303/304 Curitiba/PR - CEP: 80.530-901 Tel.: 41 3224-8737 | sindiavipar.com.br sindiavipar@sindiavipar.com.br d e s t e pujant e seg m ent o q ue é a avi c u l t ura paranaense. U m abraço e um a bo a lei t ura. Fale conosco Se você tem alguma sugestão, crítica, dúvida ou deseja anunciar na revista Avicultura do Paraná, escreva para nós: revista@sindiavipar.com.br. Ed. nº 41 - Jul/Ago 2014 Domingos Martins Presidente do Sindiavipar Expediente Produção: Centro de Comunicação centrodecomunicacao.com.br selo SFC Jornalista responsável: Guilherme Vieira (MTB-PR: 1794) Colaboração: As matérias desta publicação podem ser reproduzidas, desde que citadas as fontes. Gabriela Titon e Giórgia Gschwendtner Design e diagramação: Cleber Brito Comunicação e Marketing: Mônica Fukuoka Impressão: Maxi Gráfica Allan Oliveira, Bruna Robassa,

[close]

p. 5

12 Foto: Carlos Silva Entrevista Dipoa Leandro Diamantino Feijó é o novo diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) do Ministério da Agricultura. Nesta entrevista à revista Avicultura do Paraná, Feijó comenta as principais ações que deverão ser tomadas sob sua gestão. Seções Espaço Sindiavipar.............................06 Canal aberto.........................................07 Radar...................................................08 Ciência...................................................09 Agenda..................................................10 Observatório........................................10 20 Faça a Workshop inscrição para o Entrevista............................12 Fiep......................................................14 Eventos.................................................16 ABPA...................................................18 Últimas vagas sua Workshop da Avicultura Paranaense 2014 pelo endereço sindiavipar. com.br. E confira também a programação completa desse evento que já é um dos mais esperados do ano pelo setor avícola. Workshop............................20 Sustentabilidade................................22 24 Capa Foto: Freeimages.com Capa.....................................24 Oportunidades O segundo semestre apresenta perspectivas favoráveis para a avicultura paranaense, com a recente decisão da Rússia de ampliar a importação da carne de frango brasileira e a queda dos custos dos insumos. Apavi......................................................30 Artigo técnico......................................32 Economia..............................................34 Bem-estar........................................38 Associados............................................40 42 Eleições Foto: Sindiavipar Sindiavipar..........................42 Mito ou verdade?...............................44 Notas e registros.................................46 Culinária................................................48 Estatísticas...........................................50 Gestão 2015-17 Domingos Martins foi reeleito presidente do Sindiavipar para a gestão 2015-2017. Uma dos primeiros objetivos será a implantação de câmaras setoriais, que conversarão entre si afim de buscar soluções e fortalecer a avicultura do Paraná.

[close]

p. 6

Espaço Sindiavipar AGOSTO International FoodTec Brasil 2014 05/08: O diretor executivo do Sindiavipar, Icaro Fiechter, foi uma das autoridades que discursaram durante a abertura da primeira edição da International Food Tec Brasil, realizada em Curitiba (PR) no início de agosto. A feira é uma versão derivada da consagrada Anuga FoodTec, tradicional da cidade alemã de Colônia, e que também já teve edições na China e na Índia. Para a realização da versão brasileira, a organizadora Koelnmesse contou com a parceria da Hannover Fairs Sulamérica, que, dentre outras análises, escolheu Curitiba para ser a sede do evento devido ao grande potencial do Paraná como produtor de proteína animal, principalmente avícola. Eleições Sindicato 08/08: Domingos Martins foi reeleito presidente do Sindiavipar durante o pleito para a gestão 2015-2017 do sindicato, realizado em sua sede no último mês de agosto, em Curitiba (PR). O presidente reeleito afirmou que uma das primeiras ações dentro da sua nova gestão será a instalação de câmaras técnicas, que abrangerão diferentes setores como jurídico, comercial, sanitário, e conversarão entre si a fim de fortalecer o diálogo e o desenvolvimento da avicultura paranaense. Todo o processo foi acompanhado por representantes da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), que estiveram presentes para verificar a idoneidade da urna lacrada onde foram depositados os votos e ratificar a promulgação do resultado. 6 | sindiavipar.com.br

[close]

p. 7

Espaço Sindiavipar Destaques na imprensa 08/08: Quando a Rússia 23/07: Em análise da conjuntura para o segundo semestre, o Sindiavipar também foi procurado por veículos – nacionais e estaduais – para se posicionar sobre a direção da avicultura no Brasil. Ao jornal O Estado de São Paulo, o presidente do Sindicato, Domingos Martins, comentou o otimismo que o setor vive para os últimos meses de 2014. anunciou a necessidade de importar maior quantidade de carne de frango do Brasil, os principais veículos estaduais procuraram o Sindiavipar para obter mais detalhes sobre os benefícios que a medida traria para o Brasil e também para o Paraná. No dia 8 de agosto, a Gazeta do Povo, o principal jornal do estado, dedicou uma página inteira sobre o assunto, e entrevistou o presidente do Sindiavipar, Domingos Martins, que afirmou que a expectativa é de que 60 a 70% dos resultados financeiros fiquem com a avicultura paranaense. Canal aberto A integração avícola te porque é unida. Hoje, a atividade avícola gera 660 mil empregos diretos e indiretos e envolve mais de 19 mil produtores em regiões rurais do interior do Estado. Como vimos na última edição da revista Avicultura do Paraná, os abates de frango cresceram em torno de 15% nos últimos cinco anos, fechando 2013 com 1,46 bilhão de aves produzidas em todo o Paraná - estado que concentra maior produção e exportação de carne de frango do país. Mais do que gerar emprego e riquezas, a avicultura é hoje responsável por levar qualidade de vida ao interior do Paraná. As 44 indústrias papaíses e estão localizadas em 29 municípios, sendo que, dos 32 municípios paranaenses que apresentam Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) – indicador da Organização das Nações Unidas (ONU), superior à média estadual, 15 deles têm avicultura forte e figuram entre os maiores plantéis de aves do Paraná. Entre os dez municípios mais bem colocados no IDH, oito têm avicultura forte. Números que impressionam e mostram a solidez da avicultura paranaense. E sabe o que é o mais importante de tudo isso? O fato de que a riqueza gerada pela avicultura paranaense está melhorando a vida de muita gente. Foto: Sindiavipar A avicultura paranaense é for- ranaenses exportam para mais de 150 Icaro Fiechter Diretor executivo do Sindiavipar sindiavipar@sindiavipar.com.br sindiavipar.com.br | 7

[close]

p. 8

Radar O que foi notícia A edição n° 36, de setembro/outubro de 2013, da revista Avicultura do Paraná, trazia em sua capa matéria que reportava a abertura de novos mercados para a avicultura, o que consolidava a recuperação do mercado paranaense. Coincidentemente, o assunto tem relação direta com o tema de capa desta edição, em que abordamos as perspectivas favoráveis projetadas para a indústria avícola do Paraná com a queda dos custos dos insumos e a necessidade russa de maior importação de carne de frango do Brasil. O paralelo também mostra como a avicultura do estado mantém-se em contínua expansão, uma característica que, à mesma época do ano anterior, ainda tratava-se de uma recuperação da crise vivenciada no segundo semestre de 2012. Hoje, o setor não apenas se recuperou como continua batendo recordes seguidamente. É o desenvolvimento da avicultura do Paraná colaborando com a economia do país e a melhora de vida das pessoas. E você pode ter acesso a todo esse conteúdo também: Basta acessar sindiavipar.com.br/revistas para conhecer todas as edições da publicação. Não perca tempo, acesse já! 19.08.10 14:42:15 19.08.10 14:42:15 fotos.indd 2 19.08.10 14:42:15 fotos.indd 2 19.08.10 14:42:15 Fotos: César Machado UMa Foto perfeita CaUsa UMa ótima impressão o melhor e mais completo banco de imagens do agronegócio. suínos, aves, bovinos, culturas, alimentos, carnes, maquinário, etc. fotos.indd 2 www.agrostoCk.CoM.br fotos.indd 2

[close]

p. 9

Ciência Colibacilose aviária A Colibacilose aviária (C A) acomete diversas espécies de aves e geralmente é vista em galinhas, perus e patos. A doença é de ocorrência mundial e é mais frequente em aves jovens, principalmente em criações com ambiente e manejo deficientes ou como manifestação secundária a outras doenças ou estresses intensos. Os principais sintomas apresentados são: septicemia, peritonite, onfalite, celulite, granuloma, panof talmia, ar trite, sinovite, osteomielite, ooforite, salpingite e aerossaculite. O agente etimológico da doença é a Escherichia coli, uma bactéria Gram negativa que cresce em temperaturas de 18 a 4 4ºC. A E. coli coloniza o trato intestinal de aves e mamíferos. No caso das aves, cerca de 10 a 15% dos coliformes fecais são representados por sorotipos de E. coli potencialmente patogênicos. O comprometimento da integr idade da mucosa do trato digestivo, respiratór io e reprodutivo facilitam a invasão e o estabelecimento da infecção pela bac tér ia. A pr incipal fonte de infecção das aves é o contato com a cama, pó, água e ambiente contaminados com o mater ial fecal , o que torna a Colibacilose av iár ia uma doença ambiental . O diagnóstico presuntivo da C A é feito com base no histórico do lote, nos sintomas e nas lesões. O isolamento e a identificação da E. coli confirmam o diagnóstico, e quando possível ele deve ser sorotipificado. Outras infecções virais, bacterianas e fúngicas podem ser A doença infecciosa bacteriana afeta principalmente aves jovens causas primárias e a E. coli age apenas como opor tunista. O tratamento das infecções causadas pela E. coli pode ser feito com diversos antibióticos, que são escolhidos com base no antibiograma e nas obser vações dos resultados de campo. Já foram usados com sucesso os antibióticos tetraciclina, cloranfenicol, ampicilina, neomicina, nitrofuranos, gentamicina sulfa/trimetoprim, ácido nalidíxilo, espectinomicina, estreptomicina, sulfas e fluoroquinolonas. O tratamento feito no começo da infecção é mais efetivo. Já a prevenção da doença pode ser feita com um programa sanitário rigoroso e com a manutenção do ambiente criatório livre de pó, gás de amônia e com boas práticas de manejo. Cerca de dos coliformes fecais são representados por sorotipos de E. Coli potencialmente patogênicos 10a15% Fonte: Alberto Back sindiavipar.com.br | 9

[close]

p. 10

Agenda Workshop da Avicultura Paranaense 2014 Data: 24 de outubro Local: Foz do Iguaçu (PR) Realização: Sindiavipar e Apavi E-mail: revista@sindiavipar.com.br Informações: (41) 3224-8737 Site: sindiavipar.com.br Nasce a FIPPPA A Gessulli Agribusiness, organizadora da AveSui América Latina, e a G5 Promotrade, organizadora da Tecno Food Brazil, uniram esforços para criar um novo ponto de encontro para a cadeia de proteína animal. AveSui e Tecno Food Brazil se unem e agora é a Feira Internacional de Produção e Processamento de Proteína Animal (Fipppa), que terá sua primeira edição em Curitiba (PR) nos dias IV Avisulat 2014 Data: 4 a 6 de novembro de 2014 Local: Centro de Eventos da FIERGS, Porto Alegre (RS) Realização: ASGAV/ SIPS/ SINDILAT/ FIERGS E-mail: avisulat@asgav.com.br Informações: (51) 3228-8844 Site: avisulat.com.br 28, 29 e 30 de abril de 2015 no ExpoTrade Convention Center. A feira será realizada de forma bienal, atendendo assim uma antiga reivindicação de representantes dos mercados de aves, suínos e leite que pediam um evento coeso, completo e bienal. Com apoio da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) e da Câmara Setorial de Máquinas para a Indústria Alimentícia, Farmacêutica e Feira Internacional de Produção e Processamento de Proteína Animal ( FIPPPA) Data: 28 a 30 de abril de 2015 Local: Expo Trade Convention Center - Curitiba (PR) Realização: Gessulli Agribusiness e G5 Promotrade E-mail: avesui@gessulli.com.br Informações: (11) 2118-3133 Site: fipppa.com de Refrigeração Industrial, e outras das principais entidades deste setor, a Fipppa marca a união de esforços de duas empresas conceituadas na organização de feiras de grande por te para que visitantes e expositores possam multiplicar seus negócios. “Inovamos para criar um evento diferente de tudo o que foi visto até agora no mercado brasileiro. Com a nova estrutura da Fipppa, teremos toda a cadeia reunida em um único evento, completo tanto para o expositor quanto para o visitante”, Salão Internacional da Avicultura e Suinocultura - Siavs Data: 28 a 30 de julho de 2015 Local: Anhembi Parque / São Paulo (SP) Realização: Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) E-mail: congresso@abpa.com.br Informações: (11) 3031-4115 Site: abpa-br.com.br/siavs destaca a diretora da Gessulli Agribusiness, Andrea Gessulli. Na Fipppa, expositores e visitantes irão minimizar seus custos com infraestrutura, transporte, hospedagem e alimentação, pois toda a cadeia estará reunida em um só local. Será também uma opor tunidade para todos os fornecedores da cadeia de produção de proteína animal estarem juntos promovendo o intercâmbio de ideias e a sinergia existente entre produtos e equipamentos, visando Quer divulgar seu evento aqui? Entre em contato conosco pelo e-mail revista@sindiavipar.com.br ou ligue (41) 3224-8737. melhorias para todos os produtores. Saiba mais em www.fipppa.com. 10 | sindiavipar.com.br

[close]

p. 11

Observatório PIB do agronegócio brasileiro cresce 1,9% no 1º semestre O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro cresceu 1,9 por cento no primeiro semestre devido a um aumento da produção combinado a preços mais altos na comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com o último estudo divulgado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São Paulo, apontando um desempenho bem superior ao da economia brasileira em geral. Os cálculos do PIB do agronegócio – incluindo produção primária, insumos, logística e agroindústrias – são mais abrangentes que os feitos pelo IBGE para a agricultura, que inclui apenas a produção "dentro da porteira". Segundo o Cepea, o agronegócio responde por 22,5 por cento das riquezas produzidas no país. Perspectiva para 2014 O PIB do agronegócio crescerá no máximo 3,8 por cento em 2014, estimou o Cepea, ante um crescimento de 3,92 por cento em 2013, quando o atingiu cerca de 1,1 trilhão de reais. Já as perspectivas para o crescimento da economia em geral não são tão positivas. A pesquisa Focus do Banco Central mostrou que a projeção para o crescimento do PIB brasileiro em 2014 caiu pela 16ª semana seguida, a apenas 0,33 por cento. Frango transgênico não transmite gripe aviária Uma espécie de frango transgênico, incapaz de transmitir o vírus da gripe aviária, foi desenvolvido por pesquisadores das universidades de Cambridge e Edimburgo, na Grã-Bretanha. Mesmo que esteja em contato com outros frangos, o animal infectado não transmite o vírus para outros. Segundo os cientistas envolvidos, essa alteração genética tem o potencial de impedir que a doença se alastre. Isso proteger ia a saúde não apenas de aves , mas poder ia t ambém ev it ar que um novo v írus da gr ipe provocasse epidemias na popul ação humana . A alteração genét ica - uma pequena molécul a desenhada espec if icamente para impedir que o v í rus se reproduza após infec t ar um animal - não pro tege o frango contra o v írus , apenas impede que ele o transmit a . Os cientistas ressaltam que esse frango foi desenvolvido para fins de pesquisa apenas e não para o consumo humano. sindiavipar.com.br | 11

[close]

p. 12

Entrevista Sanidade em primeiro lugar Leandro Diamantino Feijó assumiu a direção do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em abril deste ano. O médico veterinário é servidor da casa desde 2002 e começou a sua carreira na iniciativa privada. Possui mestrado em Tecnologia em Inspeção de Produtos de Origem Animal pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e especialização em Controle de Resíduos em Alimentos pela Escola Veterinária De Nantes, França. Nesta entrevista à revista Avicultura do Paraná, Feijó comenta sobre as ações que estão em curso sob sua gestão, e o desenvolvimento das medidas que pretendem uniformizar os procedimentos de inspeção sanitária em todo o País. estruturada. Entretanto, os tempos mudaram e a responsabilidade compartilhada quanto à inocuidade dos produtos de origem animal deve ser doravante levada em consideração. Essa abordagem já é prevista desde o ano de 2006 pelo advento do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa). A presidência da República vem requerendo de toda a esplanada dos ministérios que as ações prevista no Decreto n° 5741/006 sejam operacionalizadas pelas diferentes instâncias do governo federal. Dessa forma, o Dipoa tem trabalhado nesses últimos 10 meses na modernização de suas ações, enxugando a "máquina administrativa" e incorporando os conceitos da ferramenta da "análise de risco”, da modernização de seu marco regulatório e da informatização de seus processos. Novo diretor do Dipoa assume com o compromisso de melhorar a relação entre governo e indústrias Em que sentido a transparência pode ser maior? O aprimoramento da relação de transparência entre o Dipoa e as indústrias fiscalizadas deve ser buscado diuturnamente. A instituição dos programas de autocontrole por parte das empresas facilita sobremaneira a fiscalização e o compartilhamento das informações possibilita realizar um melhor gerenciamento dos riscos que envolvem os produtos de origem animal. Assim, a soma de esforços do controle de qualidade das indústrias e das ações de fiscalização por parte do Dipoa serão determinantes para o conhecimento mais aprofundado dos cenários e no delineamento mais efetivo de ações que visam à mitigação de riscos. Dessa forma, a "sujeira" , quando existente, não mais é "varrida para debaixo do tapete" e simplesmente é tratada com a revisão dos processos e a instituição de ações para a correção das não conformidades. Por outro lado a previsibilidade de algumas ações por parte do Dipoa também podem ser aprimoradas, a fim de que o setor produtivo também possa alinhar as suas ações. Exemplo dessa questão diz respeito ao processo de regulamentação, ao qual passou haver maior presença e participação das indústrias nas discussões para fins de priorização quanto a instituição e revisão das legislações. Outra vertente importante nesse contexto diz respeito ao início desse segundo semestre com a realização de reuniões periódicas com o setor para dis- Avicultura do Paraná: Ao assumir a diretoria do Dipoa, o senhor comentou que trabalharia para uma “maior profissionalização e transparência na relação do serviço público com a iniciativa privada”. Em termos práticos, quais pontos podem ser melhorados na relação entre governo e indústria? Leandro Diamantino Feijó: A relação entre o Mapa e o setor privado vem amadurecendo e, em 2015, o Serviço de Inspeção Federal (SIF) fará 100 anos de existência. Nos primórdios desse relacionamento, o Dipoa era responsável na maior parte das vezes por realizar toda a orientação de como a indústria deveria ser A uniformidade de procedimentos de fiscalização pode passar a ser uma realidade à medida que o Sisbi seja ampliado em todo o território nacional 12 | sindiavipar.com.br

[close]

p. 13

Entrevista cutir uma agenda positiva de assuntos de interesse mútuo, o que trará maior transparência na discussão dos temas e na priorização de ações frente a cenários que são dinâmicos e que necessitam ajustes periódicos para o atendimento aos anseios do setor e do Dipoa. tendências Federais de Agricultura - SFAs nos estados (ação em curso); b) instituição de sistema informatizado para os procedimentos de coleta de amostras e do tratamento dos dados laboratoriais para relatórios gerenciais; c) treinamento dos gestores do SIF no âmbito central e das SFAs nas ferramentas de análise de risco, com enfoque nas componentes da gestão e comunicação de riscos d) treinamento dos gestores do SIF no âmbito central e das SFAs nas ferramentas de gestão de projetos, de pessoas e gestão de crises; e) ampliação do "Programa de Análise de Conformidade em Produtos de Origem Animal", incluindo as ações de combate a fraude; f) aprimoramento nas ações de fiscalização pelo SIF Como o Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi) pode atender ao pedido das indústrias por uma uniformidade nos procedimentos de inspeção e fiscalização sanitária para os produtos de origem animal? A partir do final do ano de 2013, o Dipoa intensificou as ações e estratégias do Sisbi. No ano de 2014, a equipe do Dipoa está realizando auditorias em todos os estados da federação já aderidos, assim como os municípios e consórcios. Cabe ressaltar que a adesão ao Sisbi é voluntária, cabendo às autoridades sanitárias dos estados e municípios ter um sistema de inspeção previamente implantado e que possa demonstrar equivalência de seus procedimentos para o atendimento aos requisitos sanitários estabelecidos pelo SIF. As indústrias que desejam participar desse sistema devem estar cientes que não existe flexibilização para se deixar de realizar procedimentos e controles que são necessários para garantir a qualidade e inocuidade dos produtos de origem animal. Assim, trabalhamos nesse processo com a abordagem da "equivalência", ou seja, não se determina que se faça igual, mas esperam-se resultados pelo menos iguais ou até superiores. A partir da adesão ao Sisbi a indústria poderá comercializar os seus produtos de origem animal aprovados em todo o país, não possuindo autorização para exportar. A uniformidade de procedimentos de fiscalização pode passar a ser uma realidade mais palpável à medida que o Sisbi seja ampliado em todo o território nacional, tendo os quesitos básicos para a obtenção de equivalência sendo realizados por todos os serviços veterinários dos estados e municípios. Quais outras metas para a sua gestão frente ao Departamento? Desde o mês de novembro de 2013 fiz em conjunto com a equipe do Dipoa um amplo diagnóstico para verificação dos pontos fortes e das possibilidade de melhorias que deveríamos seguir. Desde então, várias ações já foram realizadas e agora já estamos delineando outros ajustes que são necessários para melhorar a eficácia do SIF em 2015: a) continuidade das descentralizações de ações ora realizadas no Dipoa para as Superin- com delineamento de novas estratégias para tornar as ações mais eficazes e alinhadas com os preceitos da ferramenta da análise de risco. sindiavipar.com.br | 13

[close]

p. 14

Fiep Presidente da Fiep é homenageado te da Fiep e sua atuação em prol do associativismo como principais motivos para a escolha. “Temos que reconhecer as pessoas que dedicam seu tempo para a sociedade de um modo geral, em todas as áreas. Essas pessoas que se tornam públicas voluntariamente, merecem todo o nosso respeito”, declarou. Para Campagnolo, o título de Personalidade AECIC 2014 deve ser dividido com todo o setor produtivo paranaense, especialmente com o segmento industrial. “O Paraná tem uma forte tradição no agronegócio, mas nas últimas décadas a indústria tem crescido, respondendo hoje por quase O presidente do Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, foi homenageado com o título de Personalidade AECIC 2014. Concedida desde 1978 pela Associação das Empresas da Cidade Industrial de Curitiba, a homenagem reconhece lideranças empresariais ou políticas com atuação destacada em prol do desenvolvimento do Paraná. O empresário Celso Gusso, presidente da AECIC, afirmou que o nome de Campagnolo foi escolhido por unanimidade pelo conselho da entidade responsável por definir quem seria o homenageado do ano. Além da trajetória empresarial, Gusso apontou o trabalho de Campagnolo à frenum terço do PIB do Estado”, disse. “Portanto, essa homenagem prestada ao industrial Edson Campagnolo tem que ser dividida com todos os industriais do Paraná. São mais de 52 mil estabelecimentos industriais, que trabalham pelo desenvolvimento sustentável do Estado”, acrescentou. Fiep completa 70 anos A Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) completou 70 anos. Para comemorar a data, a instituição realizou uma solenidade com as principais lideranças e representantes do setor produtivo do Estado. A Fiep hoje é composta por 109 sindicatos industriais, que representam as 47 mil empresas, responsáveis por mais de 52 mil estabelecimentos industriais, de 27 segmentos, que integram o parque industrial paranaense na atualidade. Setor que gera mais de 851 mil empregos diretos e responde por 27,3% do PIB do Paraná. A Fiep atua juntamente com Sesi, Senai e IEL formando o Sistema Fiep, apoiando com produtos e serviços o parque industrial do Paraná e contribuindo para o seu desenvolvimento. 14 | sindiavipar.com.br

[close]

p. 15

CAPACITAÇÃO EaD

[close]

Comments

no comments yet