Meus Poemas Favoritos

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

rh produções coletânea de poemas extraidos do blog meus poemas favoritos regina helena

[close]

p. 2

spleenbored chorar por todo o bem que se perdeu choro por mim que se perdeu de mim por quem eu fui que nunca aconteceu o mesmo que sou eu chorando assim chorar por quem até já me esqueceu chorar por nada ah nem é tão ruim chorar só por chorar também sou eu desde o início dos meios de meu fim página 2 de 61

[close]

p. 3

então me deixem bêbado de espanto desse mar na ressaca de meu pranto que essa paixão é amor em desatino Ô me deixem chorar por minha rosa e pensar que o orvalho é a lacrimosa semente de esplendor de seu destino a estebanez dedicado a maria madalena página 3 de 61

[close]

p. 4

vai chover vai chover e eu vou estar mais triste chuva é distância esfuma apaga esconde doerei por não saber por não saber se ainda existe o verde luar e sonha um quando e um onde É talvez mais mortal haver sorrido que ter chorado talvez guarde a boca sombras que os os olhos já terão perdido sinto distância em mim a vida é oca página 4 de 61

[close]

p. 5

e dentro dela chovo transbordando minha cinza meu longe estes em que ando restos de sons e faces de arrebol e vejo entre submissa névoa e vento reabrir-se em curva de ouro o pensamento das horas que moraram no teu sol abgar renault in obra poética ­ l.990 ­ página 5 de 61

[close]

p. 6

o cÉu É sempre o mesmo o céu é sempre o mesmo as nossas almas É que se mudam contemplando-o É certo umas vezes está cheio de palmas outras vezes é só como um deserto quem sabe quando vem as horas calmas quem sabe se a ventura vem bem perto homem de carne infiel em vão espalmas as tuas asas pelo céu aberto página 6 de 61

[close]

p. 7

o que nos cerca é a fugitiva imagem do que sentimos do que longe vemos sempre sofrendo sempre em vassalagem a vida é um barco a voar soltem-se os remos cada um de nós da morte é servo e pagem somos felizes só porque morremos alphonsus de guimaraens in obra completa página 7 de 61

[close]

p. 8

saudade saudade é uma dor suave e forte cicatriz a sangrar dentro da gente e a vida em flor com sensação de morte amanhecer com sombras de poente saudade insônia de quem não se importe de sonhar envolvido em sono quente nuvem de sol calor que desconforte a alma gelada tiritante e ardente página 8 de 61

[close]

p. 9

saudade é a expressão indefinida verso incompleto de canção dorida minuto que se fez eternidade recado extraviado no caminho a paz da ave que perdeu seu ninho melodia de pranto é o que é saudade bernardina vilar in `bom dia saudade 1995 página 9 de 61

[close]

p. 10

soneto da perdida esperanÇa perdi o bonde e a esperança volto pálido para casa a rua é inútil e nenhum auto passaria sobre meu corpo vou subir a ladeira lenta em que os caminhos se fundem todos eles conduzem ao princípio do drama e da flora página 10 de 61

[close]

p. 11

não sei se estou sofrendo ou se é alguém que se diverte por que não na noite escassa com um insolúvel flautim entretanto há muito tempo nós gritamos sim ao eterno carlos drummond de andrade página 11 de 61

[close]

p. 12

o amor antigo o amor antigo vive de si mesmo não de cultivo alheio ou de presença nada exige nem pede nada espera mas do destino vão nega a sentença o amor antigo tem raízes fundas feitas de sofrimento e de beleza por aquelas mergulha no infinito e por estas suplanta a natureza página 12 de 61

[close]

p. 13

se em toda parte o tempo desmorona aquilo que foi grande e deslumbrante o antigo amor porém nunca fenece e a cada dia surge mais amante mais ardente mas pobre de esperança mais triste não ele venceu a dor e resplandece no seu canto obscuro tanto mais velho quanto mais amor carlos drummond de andrade página 13 de 61

[close]

p. 14

louca fantasia sonha em torrentes d água o que abrasado na sede ardente está sonha em riqueza aquele que no horror de uma pobreza anda sempre infeliz sempre vexado assim na agitação de meu cuidado de um contínuo delírio esta alma presa quando é tudo rigor tudo aspereza me finjo no prazer de um doce estado página 14 de 61

[close]

p. 15

ao despertar a louca fantasia do enfermo do mendigo se descobre do torpe engano seu a imagem fria que importa pois que a idéia alívios cobre se apesar desta ingrata aleivosia quanto mais rico estou estou mais pobre cláudio manoel da costa página 15 de 61

[close]

Comments

no comments yet