Visões do Desenvolvimento Brasileiro e nova Revolução Industrial - a maior desde 1790

 

Embed or link this publication

Description

Livro do Fórum Nacional - Visões do Desenvolvimento Brasileiro e nova Revolução Industrial - a maior desde 1790

Popular Pages


p. 1

João Paulo dos Reis Velloso (coordenador) Luciano Coutinho l João Paulo dos Reis Velloso Humberto Barbato l Marco Aurélio Garcia José Roberto Mendonça de Barros l Maurício Rands Claudio R. Frischtak e Katharina Davies Raul Velloso e Paulo Springer de Freitas l Claudio de Moura Castro Kalinka Iaquinto l Sonia Rocha

[close]

p. 2



[close]

p. 3

Visões do Desenvolvimento Brasileiro e nova Revolução Industrial – a maior desde 1790

[close]

p. 4



[close]

p. 5

Visões do Desenvolvimento Brasileiro e nova Revolução Industrial – a maior desde 1790 João Paulo dos Reis Velloso Coordenador Luciano Coutinho João Paulo dos Reis Velloso Humberto Barbato Marco Aurélio Garcia José Roberto Mendonça de Barros Maurício Rands Claudio R. Frischtak e Katharina Davies Raul Velloso e Paulo Springer de Freitas Claudio de Moura Castro Kalinka Iaquinto Sonia Rocha 1ª edição Instituto Nacional de Altos Estudos – INAE Rio de Janeiro, 2014.

[close]

p. 6

© Instituto Nacional de Altos Estudos – INAE Reservam-se os direitos desta edição ao Instituto Nacional de Altos Estudos. Rua Sete de Setembro, 71, 8º andar, Centro 200050-005, Rio de Janeiro, RJ, Brasil Tel.: (21) 2212-5200 Impresso no Brasil/Printed in Brazil www.forumnacional.org.br inae@inae.org.br ISBN: 978-85-67859-06-4 Capa: Fernando Vasconcelos Diagramação: Color Set Gráfica Ltda. Visões do Desenvolvimento Brasileiro - E nova Revolução Industrial – a maior, desde 1790/Coordenação João Paulo dos Reis Velloso...(et al.). Rio de Janeiro: Fórum Nacional, 2014. 196 p. Inclui bibliografia. Textos apresentados no Fórum Nacional (Sessão Especial) em 10 e 11.09.2014. 1. Brasil-Política econômica. 2. Desenvolvimento econômico-Brasil. 3. Desenvolvimento social-Brasil. 4. Inovação. CDD: 338.981 CDU: 338

[close]

p. 7

O VALOR DA CIVILIZAÇÃO “Até recentemente, a melhor coisa que eu era capaz de pensar, em favor da Civilização, além da cega aceitação da ordem do universo, era que ela tornou possível o artista, o poeta, o filósofo e o homem de ciência. “Mas eu penso que isso não é a maior coisa. “Agora eu creio que a maior coisa é algo que nos diz respeito diretamente, a nós todos. “Quando se diz que estamos por demais ocupados com os meios de vida para viver, eu respondo que o que há de mais valor na Civilização é essencialmente que ela torna os meios de vida mais complexos; que ela demanda grandes e conjugados esforços intelectuais, em lugar de esforços simples e descoordenados, a fim de que a coletividade possa ser alimentada, vestida e ter habitação, e mover-se de um para outro lugar. “Porque esforços intelectuais mais complexos e intensos significam uma vida mais vivida e mais rica. “Significam mais vida. “A vida é um fim em si mesmo, e a única questão de saber se vale a pena viver é se você teve o suficiente dela.” Oliver Wendell Holmes, Jr.

[close]

p. 8



[close]

p. 9

“A TALE OF TWO CITIES” (“UMA HISTÓRIA EM DUAS CIDADES”)* “Era o melhor dos tempos, era o pior dos tempos, era a idade da sabedoria, era a idade da insensatez, era a época da crença, era a época da incredulidade, era a estação da luz, era estação da escuridão, era a primavera da esperança, era o inverno do desespero, nós tínhamos tudo diante de nós, nós tínhamos nada diante de nós, nós estávamos todos indo direto para o céu, nós estávamos todos indo direto para o outro caminho – em síntese, o período era tão semelhante ao período atual que algumas de suas autoridades mais expressivas insistiam em que fosse encarado, para o bem ou para o mal, apenas no mais alto nível de comparação”. Charles Dickens * Penguin Popular Classics, Londres (1994) (Primeira Edição: 1859).

[close]

p. 10



[close]

p. 11

SUMÁRIO Prefácio João Paulo dos Reis Velloso PRIMEIRA PARTE RUMO AO BRASIL DESENVOLVIDO: NOVA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – A MAIOR DESDE 1790 Desafios para a retomada do crescimento sustentado Luciano Coutinho Nova Revolução Industrial – a maior desde 1790 (para impulsionar Estratégia de Transformação do Brasil em País Desenvolvido) João Paulo dos Reis Velloso É hora de repensar o Brasil, principalmente quanto ao Desenvolvimento Industrial Humberto Barbato SEGUNDA PARTE VISÕES DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO Visão do desenvolvimento brasileiro Marco Aurélio Garcia Visão do Desenvolvimento Brasileiro José Roberto Mendonça de Barros Visão do Desenvolvimento Brasileiro Maurício Rands 43 53 67 17 11 25 33 9

[close]

p. 12

TERCEIRA PARTE REVOLUÇÃO NA INFRAESTRUTURA Desatando o nó da Infraestrutura no Brasil: uma agenda de reformas Claudio R. Frischtak e Katharina Davies 83 Escassez de oferta de energia elétrica: muito além de São Pedro Raul Velloso e Paulo Springer de Freitas QUARTA PARTE EDUCAÇÃO E MERCADO DE TRABALHO Ensino Técnico, formação profissional e outros animais exóticos Claudio de Moura Castro Transformar a Educação, para a Educação transformar o Brasil Kalinka Iaquinto Demografia e mercado de trabalho. O eu explica o declínio da desocupação no Brasil? Sonia Rocha 139 153 125 165 10

[close]

p. 13

João Paulo dos Reis Velloso1 Prefácio Presidente do Fórum Nacional (INAE), Presidente do IBMEC – Mercado de Capitais e Professor da FGV-EPGE. Ex-Ministro-chefe da Secretaria de Planejamento da Presidência da República. 1

[close]

p. 14



[close]

p. 15

O presente volume reúne os textos concernentes à SESSÃO DE ABERTURA e ao PAINEL I do FÓRUM NACIONAL (SESSÃO ESPECIAL) realizado no BNDES (Edifício Ventura), nos dias 10 e 11 de setembro corrente. Na primeira parte, os artigos do Presidente Luciano Coutinho, do BNDES, o meu próprio e o do Presidente Humberto Barbato, da ABINEE, cobrem, essencialmente, A NOVA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – A MAIOR, DESDE 1790. Se o País realmente ingressar nessa Nova Revolução Industrial, poderemos utilizá-la para impulsionar Estratégia de Transformação do Brasil em País Desenvolvido. Essencial é que não percamos mais essa Grande Oportunidade, em momentos nos quais fizemos opções erradas – por exemplo, na época da Independência, para os Estados Unidos, e nos anos 80 do Século XX para a Coreia, nosso principal concorrente. A segunda parte, intitulada VISÕES DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO, concentrou-se nas apresentações feitas peles representantes, qualificados, dos três principais candidatos à Presidência da República – o Prof. Marco Aurélio Garcia (Dilma), o Economista José Roberto Mendonça de Barros (Aécio) e o Prof. Maurício Rands (Marina). Na terceira parte, tivemos a cobertura do tema REVOLUÇÃO NA INFRAESTRUTURA, por especialistas como Claudio R. Frischtak (“Desatando o nó da Infraestrutura no Brasil: uma Agenda de Reformas”) e Raul Velloso (“Escassez da Oferta de Energia Elétrica: muito além de São Pedro” – ou seja, superando o simplismo de falta de chuva). Finalmente, a quarta parte é sobre o tema EDUCAÇÃO E MERCADO DE TRABALHO, que se tornaram ainda mais importantes depois do advento da Nova Revolução Industrial. Temos, aí, as contribuições de Claudio de Moura Castro, Kalinka Iaquinto (FGV-Rio) e Sonia Rocha, todas de excelente nível. As duas outras Sessões do FÓRUM NACIONAL (SESSÃO ESPECIAL), FAVELA É CIDADE: FAZER ACONTECER e O FUTURO DAS NOSSAS CIDADES (INCLUSIVE CULTURA) serão cobertas em outro livro. Você não perde por esperar. 13

[close]

Comments

no comments yet