Revista Jornal Empresários Setembro 2014

 

Embed or link this publication

Description

Revista Jornal Empresários Setembro 2014

Popular Pages


p. 1

® do Espírito Santo ANO XV - Nº 177 www.jornalempresarios.com.br SETEMBRO DE 2014 FOTO: ANTÔNIO MOREIRA Sesc Glória é inaugurado O antigo cine e teatro Glória foi adquirido pelo Sesc e após reforma se transformou no maior centro cultural do ES . Páginas 12 e 13 Ação popular contra pedágio na BR 101 A ação foi proposta pelo deputado estadual Euclério Sampaio que quer impedir a cobrança de tarifa dos moradores da região. Página 8

[close]

p. 2

2 SETEMBRO DE 2014 VITÓRIA/ES 14 ANOS EDITORIAL❫❫ Eleições limpas DELFIM NETTO O regime democrático tem se mostrado o melhor para a maioria dos cidadãos, quando sua prática atinge todas as áreas. Ao longo dos séculos, no entanto, distorções se verificam, todas elas movidas por interesses pessoais e espúrios, tendo como fator central a busca do poder. As deformações começam quando se observa a prática democrática, unicamente, do ponto de vista político, deixando a democracia econômica e social apenas para discursos que são proferidos sem períodos eleitorais. Esse cenário pode ser observado no momento atual, quando milhares de brasileiros buscam chegar ao poder. Alguns, de maneira correta, outros, nem tanto. Infelizmente, a questão perde a sua simplicidade, no momento em que a nação brasileira sente que se amplia cada vez mais o volume dos que não se importam; daqueles que escolhem qualquer caminho para alcançar seus objetivos. Para estes, a ética de responsabilidade, os bons princípios e o respeito ao próximo não existem. O Brasil mudou para melhor nos últimos anos e hoje as eleições ganharam um novo vigor com a lei da Ficha Limpa. Por meio dela, milhares de maus políticos foram barrados e viram seus objetivos, sempre voltados para seus próprios interesses, jogados por terra. Mas isso ainda não é o bastante. Está na hora de o país começar a se movimentar no sentido de que ter eleições limpas de um modo geral. Fala-se em reforma política, mas o Congresso Nacional não consegue se livrar de amarras históricas que o prendem a grupos econômicos, numa prática extremamente nociva a toda a sociedade. Temos atualmente, no Congresso Nacional, toda espécie de bancada, menos a bancada do cidadão, que deveria ser a mais importante. Uma reforma política de peso mudaria o cenário atual, dando a toda a sociedade real representatividade nas casas legislativas, em todos os níveis, e, igualmente, nos cargos executivos. Com a palavra, o cidadão, na hora de dar o seu voto. ■ Competição sem truques U ma rede moderna de transmissão de dados e informações é tão importante quanto a quantidade e qualidade da infraestrutura (transporte, energia, portos, etc.) para a ampliação da produtividade total dos fatores, o que significa que ela influi decisivamente na determinação da taxa de crescimento do PIB. A estrutura do nosso sistema de comunicações, com quatro grandes operadoras que representam 99% e o outro segmento 1% com 5 operadoras, parece adequada, ainda que a qualidade dos seus serviços seja mal avaliada pelos usuários, talvez porque o volume de investimentos, mesmo significativo, não tem acompanhado o aumento da demanda. As quatro “grandes” apresentam estruturas de capital, endividamento e capacidade de explorar seu “poder de monopólio” em níveis muito diferentes. O sucesso da competição e o avanço tecnológico são fenômenos interdependentes que se retroalimentam. A concorrência obriga atenção prioritária à pesquisa e inovação que são a essência do avanço tecnológico. Pesquisa e inovação procuram soluções que atendam melhor, em quantidade e qualidade, à dinâmica da demanda dos consumidores, o que determina o sucesso competitivo. Na transferência de monopólio público ao setor privado, é fundamental controlar o poder econômico, particularmente no setor de comunicações - onde a tecnologia matura à cada seis meses - com agências reguladoras tecnicamente bem preparadas para garantir um razoável equilíbrio entre os competidores, assegurar a liberdade de escolha dos consumidores e exigir investimentos eficientes em inovação. Justifica-se plenamente, portanto, o enorme esforço do ministro Paulo Bernardo para a rápida implantação da tecnologia 4G. Recentemente surgiu – quase do nada – uma sugestão de “fatiamento” de um dos pouco competidores, a TIM, que claramente tem problemas, mas não tem dívidas. Se for o caso e se a TIM desejar, que se encontre outro concessionário com capital próprio – sem empréstimo do BNDES – suficiente e com competência tecnológica adequada. Reduzir ainda mais o número de concorrentes como se propõe, será um erro trágico e aumentará o poder econômico dos restantes, que já prestam serviços de qualidade duvidosa. Não devemos nos enganar com a reapresentação da rejeitada ideia de “fatiamento” com o elegante nome de “integração” , pois ela dá rigorosamente no mesmo: concentração de poder econômico e redução de pressão para o avanço tecnológico. As operadoras concessionárias, herdeiras do sistema do monopólio que foi a Telebrás, já têm muito poder de mercado sobre as pouquíssimas “operadoras autorizadas” que sobreviveram à tendência do “peixe grande comer o pequeno” . É por isso que “integrar” numa concessionária uma “autorizada” sobrevivente representa um retrocesso ao desejado aumento do processo competitivo. O que o sistema precisa é de forças novas que gerem uma maior sinergia entre mais atores. O caso mexicano é um exemplo vivo de como a alta concentração foi danosa para o consumidor que agora aquele país tenta corrigir. ■ Antonio Delfim Netto é professor emérito da FEA-USP, exministro da Fazenda, Agricultura e Planejamento. contatodelfimnetto@terra.com.br EUSTÁQUIO PALHARES chegado o momento do capixaba escolher, além de deputados e senadores, o novo governador. Replay das velhas campanhas que volta a rolar. Todos empenhados em saúde, segurança, educação, transportes, justiça social, minorias, blá, blá, blá. Repetem-se os ritos, as promessas e o comportamento resignadamente bovino do eleitor que, por força da obrigatoriedade do voto – cuja sanção prática, no caso de descumprimento da obrigação, é privar-lhe de algum serviço do ente público – guia-se pelo senso do menos pior entre as opções que se lhe oferecem. Já é pacífico que os maus eleitores produzem os maus políticos, pela negligência com o voto ou por votarem como se desincumbissem de um encargo burocrático. Isso nos priva, portanto, de produzirmos estadistas, a única categoria de políticos capaz de evitar a progressiva deterioração da sociedade que tende a se espelhar nos modelos que a representam – embora esses sejam apenas uma legítima amostra do conjunto. Precisamos de políticos que, para além da mera vocação – que é um requisito mesmo indispensável – levem a sério, imbuam-se do senso de missão de promover o bem estar coletivo. Não Quem sabe pode fazer a hora.... É de políticos que cortejam o poder pelo poder ou pelos benefícios e sinecuras que daí advém. Veja-se o caso da experiência nacional. Um projeto político de poder em que o poder é de fato um fim em si mesmo e não a instância da promoção das medidas efetivamente requeridas pela sociedade. Temos um ente público falido, em todos os níveis, e o Estado representando um cenotáfio, uma paisagem estilizada, do ente que se espera venha mediar os conflitos da sociedade e realocar os valores gerados por esta sociedade de acordo com as necessidades legitimamente identificadas. O Estado tem servido essencialmente a seus servidores, tornou-se um fim em si mesmo e não um instrumento de serviço aos cidadão. Reduzi-lo às funções mais elementares pode ser pedagógico para a própria sociedade. Que ele consiga prover saúde, educação e segurança com qualidade para, depois de atendidos esses requisitos básicos e desde que o orçamento, financiado pelos impostos tomados à sociedade, o permitir estender sua ação para outras áreas e demandas. A questão da relação funcional do servidor do ente público precisa ser encarada de frente. É um odioso privilégio que uma jornada de trabalho do funcionário público tenha que ser menor do que a de um trabalhador do mercado; que sua aposentadoria seja muito mais polpuda e que lhe seja assegurado ganhos reais de remuneração que não refletem a evolução de sua produtividade. Estadistas se disporiam enfrentar isso, jamais políticos de olho nos estragos políticos á sua imagem que medidas necessários e justas, mas impopulares, lhe custariam. Mandatários tendem a postergar medidas de impacto, se possível, para depois do seu mandato, poupando-se da controvérsia e do inevitável desgaste que resulta de um debate. Assim vemos a questão da privatização do Banestes arrastarse por falta de uma decisão de nível. Todos sabem que os bancos estatais estaduais se inviabilizaram no modelo oligopolista do mercado bancário brasileiro. Mas quem é doido de passar como o privatizador do Banestes? Do mesmo modo, todos os candidatos a governador esquivaram-se de responder com honestidade e firmeza à questão do pedágio da Terceira Ponte. É óbvio que ele é devido e deve ser pago se for entendido como uma taxa a ser cobrada em contraprestação a um serviço específico, diferentemente do imposto. Resta claro também que a Justiça não estará se vergan- do ao poderio de um grupo econômico – nesse caso específico – quando fizer valer o princípio da sacralidade do contrato, restaurando a cobrança e ressarcindo os titulares das receitas evadidas desde quando, politiqueiramente, interrompeu-se a cobrança, generalizando o custo que era restrito aos usuários para toda a sociedade capixaba. Sobre isso, aliás, claro que ainda está por ser comprovado se a receita dos pedágio ao longo dos 24 anos de vigência já não teria remunerado o investimento com a margem de rentabilidade legítima. Mas aí a questão da tibieza política. Nas propostas que surgem, muita blefe, muito jogo de cena com promessas que nenhum eleitor ou veículo de comunicação se dá ao trabalho de conferir. Que tal rebobinarmos as eleições de 2010 para aferirmos o que se cumpriu do que se prometeu? E que tal começarmos a sonhar com uma reforma política que permita a formalização das promessas em compromissos que não cumpridos ensejem o distrato do mandato, a perda do direito de representar quem o elegeu? ■ Eustáquio Palhares é jornalista eustaquio@iacomunicacao.com.br É publicado por Nova Editora - Empresa Jornalística do Espírito Santo Ltda ME - Insc. Municipal: 1159747 - CNPJ: 09.164.960/0001-61 Endereço: Praça San Martin, 84, salas 111 e 112, Edifício Alphaville Trade Center - Praia do Canto, Vitória - Espírito Santo - CEP: 29055-170 Diretor e jornalista responsável Marcelo Luiz Rossoni Faria rossoni@jornalempresarios.com.br Repórter fotográfico Antônio Moreira Colaboradores Antonio Delfim Netto, Eustáquio Palhares e Jane Mary de Abreu Site: www.jornalempresarios.com.br E-mail: jornal@jornalempresarios.com.br Impressão: Gráfica JEP - 3198-1900 Diagramação Liliane Bragatto redacao@jornalempresarios.com.b Contato comercial comercial@jornalempresarios.com.br Telefone (27) 3224-5198 As opiniões em artigos assinados não refletem necessariamente o posicionamento do jornal.

[close]

p. 3

14 ANOS VITÓRIA/ES SETEMBRO DE 2014 3

[close]

p. 4

4 SETEMBRO DE 2014 VITÓRIA/ES 14 ANOS JANE MARY DE ABREU Conversa ao pé do ouvido uando se é jovem a vida nos parece cheia de certezas... precárias certezas na verdade, o tempo vai nos mostrando isso. O que antes merecia pontos finais ou exclamações, no entardecer da vida se transforma em cautelosas reticências... Nada nos parece tão definitivo e nem há motivo para tantos espantos... A vida começa a ter então a cara que sempre teve, doce e mansa, mas que a pressa da juventude não nos permitia ver e nem desfrutar. Podem nem acreditar, mas eu estou adorando envelhecer... é uma sensação que eu não sei bem explicar, mas é algo extremamente confortável dentro de mim. Tudo que antes me parecia aflitivo e urgente, agora é puro divertimento e pode esperar o tempo que for necessário. Prioridade agora só para o amor, para a Divindade que habita o meu ser mais profundo. Para Deus eu tenho todo o tempo do mundo. E o melhor da história é que eu não preciso parar com nada que estou fazendo para estar em Ele, nenhum esforço é necessário, basta fechar os olhos e mergulhar para dentro de mim mesma e lá está Deus me Q esperando pacientemente, com o amor de sempre! Durante algum tempo da minha vida eu vivi da ilusão de que encontraria o Divino em algum templo religioso... frequentei vários e não o encontrei em nenhum. Também achei que o encontraria em algum mosteiro budista ou quem sabe em um ashram indiano (lugar onde buscadores espirituais se reúnem para alcançar a iluminação)... ou ainda nos ensinamentos milenares do Tibete. Por mais que eu buscasse, nada me preenchia... Quanto mais eu andava, mais sentia dentro de mim que estava indo na direção errada. Meu coração permanecia inquieto, buscando por algo que eu não sabia o que era. Quanto mais informação eu lhe dava, quanto mais paisagens eu colecionava, mais ele manifestava desassossego. A gente não costuma dar ouvidos ao coração, por isso anda mais do que o necessário. Andei muito, busquei o Divino em diferentes lugares, até que visitando o ashram de Sai Baba, na Índia, dei de cara com uma frase escrita num muro qualquer da pequenina cidade de Puttaparty e que mudaria toda a minha vida de buscadora espiritual. Jamais esqueci estas palavras: “Deixe de querer e tudo lhe será concedido.” Será mesmo? Na hora a minha mente de jornalista duvidou – é característica da mente duvidar, desacreditar, julgar e condenar tudo que é novo, desconhecido. Mas eu decidi duvidar da mente e desde aquela viagem a frase não saiu mais da minha cabeça... “Deixe de querer e tudo lhe será concedido!” Assim eu fiz. Cancelei todas as viagens místicas que tinha programado. Os amigos insistiam em me levar para longe de mim mesma, mas eu resistia bravamente. Sou muito fiel aos meus propósitos. Quando decido fazer algo, faço! Resisto a qualquer pressão externa, deixo-me guiar unicamente pelo comando interno. E esse comando interno sinalizava o tempo todo que eu deveria permanecer onde estava, me aconselhava a fechar os olhos e prolongar os períodos de silêncio, nada além disso. Comecei desta forma a fazer a viagem mais importante da minha vida, para dentro de mim mesma, sem sair do lugar. As paisagens, forma- das por cores que se entrelaçavam, foram se alternando e se multiplicando na medida em que eu me entregava. Nenhuma palavra, por mais elaborada que fosse, podia descrever com fidelidade tamanha beleza e luminosidade. Seria aquilo o céu? Algum paraíso particular que a gente carrega sem saber? Por que algo tão deslumbrante permanecia desconhecido? As perguntas se multiplicavam na minha mente toda vez que eu regressava daquela viagem, até que tive a intuição de que era preciso abandonar a perguntas e mergulhar mais e mais profundamente para dentro de mim mesma... era preciso calar a mente para ouvir a alma. Assim eu fiz. E um dia, por obra e graça de Deus, as cores deram lugar a um vazio intenso, algo que eu jamais tinha experimentado em toda a minha vida. Uma felicidade máxima! Um contentamento intraduzível, acompanhado de uma vontade louca de sair abraçando o mundo inteiro, irradiando o amor que jorrava dentro de mim... Eu não queria mais sair daquele lugar, me sentia completamente preenchida, sem necessidade de querer coisa alguma além de permanecer ali, em silêncio, desfrutando daquela paz, completamente acolhida e aconchegada no colo de Deus. Veio então a compreensão do conselho recebido no ashram de Sai Baba... “Deixe de querer e tudo lhe será concedido.” Assim é! Este artigo nasceu de um desejo incontrolável que brotou no meu coração de encorajar as pessoas que estão fartas de viver pela metade: cancelem as viagens que programaram para o mundo exterior... deixem de colecionar paisagens, cessem toda busca e ansiedade... voltem-se para dentro, façam o caminho de volta ao coração! Essa é a viagem necessária e inesquecível de nossas vidas. O Divino não pode ser encontrado em nenhum outro lugar se não tiver sido experimentado antes no silêncio do nosso coração. ■ Jane Mary de Abreu é jornalista, autora do livro Tudo é perfeito do jeito que é. www.janemary.combr janemaryconsultoria@gmail.com

[close]

p. 5

14 ANOS VITÓRIA/ES SETEMBRO DE 2014 VENCEDORES 5 Samarco dá prêmio aos melhores fornecedores A premiação está na 13ª edição e destaca boas práticas de gestão e segurança do trabalho m sua 13ª edição, o Prêmio Samarco de Excelência contemplou, na noite de 4 de setembro, em Belo Horizonte, fornecedores de insumos, materiais e serviços que mais se destacaram em 2013 e 2014. O Prêmio foi criado em 2001 para reconhecer a atuação de empresas que buscam um desempenho superior, alinhado aos pilares de gestão praticados pela Samarco. “Para a Samarco, crescer é gerar e compartilhar valores. Dentro dessa percepção, a empresa promove, a cada dois anos, o Prêmio Excelência, para reconhecer e incentivar seus fornecedores, motivando e multiplicando os bons exemplos gerados por eles. É esta competência, de buscar ser melhor a cada dia, que valorizamos como fundamental para o sucesso dos nossos negócios” , comentou Eduardo Ferreira, gerente ge- Operações ■ Cemig - Geração e Transmissão S.A. E ral de Suprimentos da Samarco. Nessa edição, também foram reconhecidos os fornecedores que apresentaram o melhor desempenho no atendimento ao Projeto Quarta Pelotização, expansão inaugurada no último mês de abril, que elevou a capacidade produtiva da empresa em 37%. “Já atuamos há 22 anos com a Samarco e esta é a primeira vez que vencemos o Prêmio Excelência. A empresa já possui certificações diversas de qualidade, meio ambiente, entre outras, e esse era o ponto que faltava, especialmente na questão da segurança do trabalho que é nossa prioridade máxima. O trabalho com a Samarco é grande aprendizado; ao mesmo tempo em que cobra, ela também ensina a empresa a crescer. O Prêmio é, então, um grande incentivo para que a gente possa continuar o trabalho, cada vez melhor” , afirmou José Carlos Lima, sóciofundador da JC Lima & Cia., empresa de Anchieta, vencedora do prêmio e destaque em segurança entre os fornecedores. Empresas que fornecem insumos, materiais e serviços diversos, são avaliadas por critérios de qualidade, pontualidade, responsabilidade social e ambiental, confiabilidade e segurança do trabalho. As que apresentam os melhores resultados e se destacam em suas boas práticas de gestão recebem o troféu. Este ano, foram 12 vencedores entre as empresas fornecedoras das operações e, 10 que atuaram no Projeto Quarta Pelotização. Desses, duas empresas receberam um destaque especial pelos resultados em segurança do trabalho. Dentro da proposta de melhoria conjunta e de estímulo ao diálogo, a Samarco realiza uma série de ações que valorizam e ampliam o relacionamento e o desenvolvimento compartilhado com seus fornecedores. Uma delas é o incentivo à instalação de empresas nas regiões onde a companhia atua e a política de contribuição ao desenvolvimento dos fornecedores locais. QUARTA PELOTIZAÇÃO Inaugurado no último mês de abril, o Projeto Quarta Pelotização englobou a construção de um terceiro concentrador na Unidade de Germano (MG), de uma quarta usina de pelotização, na Unidade de Ubu (ES), de um terceiro mineroduto, com 400 km de extensão, ligando as duas unidades, além de adequações no terminal portuário da empresa, no Espírito Santo. Ao todo, a Samarco investiu R$ 6,4 bilhões e gerou cerca de 13 mil empregos, ao longo dos 35 meses de obras da expansão. ■ Companhia Brasileira de Bentonita Ltda. ■ Fornecedora Comercial Mar Ltda. ■ ERG Engenharia Ltda. ■ J. C. Lima & Cia. Ltda. ■ Orica Brasil Ltda., ■ Petrobras Distribuidora S.A. ■ Reval Bombas e Válvulas Manutenção Comércio e Indústria Ltda. ■ Sotreq S.A. ■ Tanac S.A. ■ Valmet Fabrics Tecidos Técnicos Ltda. ■ Vix Logística S.A. ■ DESTAQUE EM SEGURANÇA ■ J.C. Lima & Cia Ltda. Projeto Quarta Pelotização ■ Emerson Process Management Ltda., Enesa Engenharia Ltda. ■ IHM Engenharia e Sistemas de Automação Ltda. ■ Integral Engenharia Ltda. ■ Matricial Engenharia e Construções Ltda. ■ Brafer Construções Metálicas S.A. ■ Emalto Indústria Mecânica Ltda., ■ HKM Empreendimentos e Participações Ltda., ■ Flsmidth Ltda. ■ otec Tecnologia Brasil Ltda. ■ DESTAQUE EM SEGURANÇA ■ Integral Engenharia Ltda.

[close]

p. 6

6 SETEMBRO DE 2014 VITÓRIA/ES 14 ANOS FOTOS: ANTÔNIO MOREIRA Novo shopping vai gerar 3.500 empregos diretos As maiores e mais importantes marcas estão no shopping Vila Velha A previsão é de geração de 3.500 empregos diretos no shopping Shopping Vila Velha, considerado o maior centro de compras do Espírito Santo, abriu suas portas no final de agosto. A expectativa é que circulem mais de 50 mil pessoas por dia. Também vai gerar 3.500 empregos diretamente e 6 mil indiretamente. Ao todo, serão 233 lojas e mais de 75 mil m2 de ABL (área bruta locável), com 26 âncoras e megalojas, praça de alimentação com 30 operações, alameda gourmet com seis restaurantes, Cinema Multiplex com oito salas, Game Center, um hipermercado de 9 mil m² e um estacionamento com 4 mil vagas. Após sua expansão, o Shopping Vila Velha se torna o 3º maior do Brasil, ultrapassando o Barra Shopping, no Rio de Janeiro. O empreendimento foi feito a partir de uma parceria com as O empresas Incospal e a Littig, a BRMALLS – maior empresa da América Latina em administração de shopping - chega ao estado com o Shopping Vila Velha. O Shopping Vila Velha conta com marcas de abrangência regional, nacional e internacional, como Zara - a maior do Brasil , C&A, Renner, Riachuelo, Marisa, Lojas Americanas, Casas Bahia, Cinemark, Dadalto, Outback, Saraiva Megastore, Avenida, Sipolatti, Harry´s, Camicado, Polishop, Vivara entre outras. O empreendimento contará ainda com diversos serviços ao público, como casas de câmbio, academia, espaço de pequenos serviços, como chaveiro e costureira, casa lotérica, hipermercado, além de serviços bancários, como o Banestes. O centro de compras também atraiu diversas marcas que chegam pela primeira vez ao esta- Os empresários Natalino Littig, Fernando Camargo e Fábio Littig do, como Decathlon, Sunglass Hut, Si Señor, Wetzels Pretzels, Kalunga, Shoeshop, entre outras. Também marca o retorno de grandes empresas, como é o caso do Carrefour com uma loja de 9 mil m². Outra loja que chega ao Espírito Santo é a Kalunga, maior rede de varejo de suprimentos de escritório, informática e papelaria, e líder no segmento, com 126 lojas espalhadas pelo país. O Shopping Vila Velha traz a proposta dos grandes centros urbanos: ser um centro de entretenimento e um polo gastronômico no mercado capixaba. O empreendimento já inicia suas atividades com uma agenda cheia de programações para toda a família: a partir da primeira quinzena de setembro o shopping recebe a maior roda gigante indoor do país, da Galinha Pintadinha. Também neste mesmo mês, o Circo Maximus monta sua estrutura no centro de compras. Os moradores da cidade e arredores poderão desfrutar de um empreendimento com diversas opções de alimentação. Com uma alameda gourmet que oferece seis opções de restaurantes, dentre eles o Outback, e mais 30 opções na praça de alimentação. Até outubro 180 lojas estarão abertas Até outubro, o Shopping Vila Velha contará com 180 estabelecimentos abertos, segundo o gerente de marketing Bruno Saliba. De acordo com ele, um dos diferenciais do centro de compras é oferecer lojas mais amplas em comparação com outros shoppings da Grande Vitória, o que oferece mais opções para o lojista expor seus produtos. Todas as 26 lojas âncoras ou megalojas do shopping são as maiores do Estado e algumas são as maiores do Brasil, segundo o gerente de marketing Bruno Saliba. É o caso da loja de departamentos Zara. “Trouxemos para Vila Velha um mix de lojas com operações exclusivas como a Decathlon, de produtos esportivos e o Carrefour, hipermercado com 9 mil m². Nossa praça de alimentação também possui 30 opções de operações. Outro diferencial é o polo gastronômico, com Outback, Argento Parrilla, Rock Burguer e Si Señor, entre outros. Queremos oferecer diversão e várias opções de serviços para toda a família e opções para que possam passar várias horas no shopping, que é a tendência no setor nos grandes centros do País” , frisou Saliba. Entre as lojas inéditas no Estado também estão Sunglass Hut, Wetzels Pretzels, Kalunga e Shoeshop. A Decathlon, uma das mais aguardadas, deve abrir as portas até o final de outubro. Na primeira semana, 400 mil pessoas circularam pelos novos corredores. A expectativa é receber 1 milhão de pessoas por mês. “Nosso objetivo é gerar uma experiência positiva para o consumidor e para as famílias. Outro diferencial do nosso shopping é ser amplo, bastante iluminado e moderno” , finalizou. ■ SERVIÇO Shopping Vila Velha ■ ENDEREÇO: Av. Luciano das Neves, 2418, Vila Velha. ■ HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: Lojas abertas de segunda a sábado, das 10h às 22h. Domingo e feriados das 14h às 20h. Praça de alimentação. Segunda a sábado das 10h às 22h e domingos e feriados das 11h às 22h. ■ LOJAS: São 26 âncoras e megalojas, praça de alimentação com 30 operações, alameda gourmet com seis restaurantes, Cinema Multiplex com oito salas, Game Center, um hipermercado de 9 mil m² e um estacionamento com 4 mil vagas. ■ TELEFONE: (27) 3375-7630 ■ SITE: http://www.shoppingvilavelha.com.br/

[close]

p. 7

14 ANOS INFORME PUBLICITÁRIO VITÓRIA/ES SETEMBRO DE 2014 7 Pedra Azul se organiza para virar patrimônio natural da humanidade O distrito de Pedra Azul, no município de Domingos Martins, está se preparando para virar Patrimônio Natural e Cultural da Humanidade. A caminhada para alcançar o título, concedido pela Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), teve início há dois anos, desde outubro de 2012. Questões como a preservação da natureza, o reconhecimento do potencial estético e turístico do local, serão mais destacados, gerando visibilidade nacional e internacional. Por sua vez, o título é dado a monumentos naturais que possuam um valor excepcional relativo à estética, que sejam habitat de espécies animais e vegetais ameaçados ou alto valor do ponto de vista da ciência, conservação ou beleza natural. Para o presidente do Grupo Izoton, Lucas Izoton, o objetivo de transformar Pedra Azul em patrimônio natural da humanidade segundo a UNESCO é de fundamental importância para o turismo, não somente das montanhas capixabas, mas de todo o Espírito Santo e do Brasil. “Pedra Azul é considerada por muitos a capital das montanhas capixabas, por concentrar potencial de alta gastronomia, enologia e prática de esportes de aventura; que várias gerações de uma família procuram” , destaca. Izoton ressalta ainda que Pedra Azul e todo o Estado tendem a ser beneficiados com esse título, que pode alavancar o turismo e a economia. “Os poucos lugares do mundo que são detentores deste título passaram a atrair turistas do mundo inteiro” , disse. O distrito precisará tomar medidas ambientais, para preservar o cenário no qual está inserido e o seu entorno. Diante disso, em dezembro, a secretária de Meio Ambiente do Estado, Diane Rangel, participará de uma conferência internacional da UNESCO para apresentar o projeto de candidatura de Pedra Azul, como Patrimônio Natural da Humanidade. Após a aprovação, o título será oficializado no início de 2015. Pedra Azul será o primeiro monumento natural capixaba a ter reconhecimento mundial pelo órgão da ONU, unindo-se a outros destinos turísticos brasileiros, como o Pantanal, no Mato Grosso do Sul e as Cataratas do Iguaçu, no Paraná.

[close]

p. 8

8 SETEMBRO DE 2014 VITÓRIA/ES 14 ANOS Ação popular contra o pedágio na BR 101 O deputado Euclério Sampaio quer a suspensão imediata da cobrança, beneficiando as pessoas que residem nos municípios onde estão localizadas as praças de pedágio Deputado Euclério Sampaio juiz federal titular da 5ª Vara Cível, José Geraldo do Amaral Fonseca Junior, aceitou a Ação Popular protocolada em 27 de agosto pelo deputado estadual Euclério Sampaio (PDT) solicitando suspensão da cobrança do pedágio na BR 101, e determinou que as rés fossem intimadas a apresentar defesa em 20 dias. São rés a Eco 101 Concessionária de Rodovias S/A e a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT). O juiz abriu prazo de 10 dias para vistas do processo pelo Ministério Público Federal (MPF). A Ação Popular foi protocolada 14 dias após Euclério Sampaio ter solicitado ao MPF uma Ação Civil Pública, com o mesmo pedido. Na inicial da Ação Popular, Euclério Sampaio argumentou: "Ocorre que a requerida (Eco 101) vem realizando cobrança indevida de pedágio de usuários que residem em municípios que se situam próxima às praças de pedágio de modo que estes munícipes ao atravessarem o pedágio diariamente em pequenos trechos onde se situam seus locais de trabalho ou mesmo para simplesmente fazer compras vêm sendo taxados com tarifa igual aos usuários que utilizam a rodovia para longos trechos". E seguiu: “É de se notar que a O empresa concessionária não vem respeitando o direito de ir e vir destes munícipes que para atravessarem para o município vizinho em trechos de cerca de 500 (quinhentos) metros a um quilometro vêm pagando taxas de utilização flagrantemente desproporcionais” . Entre as solicitações à Justiça, o deputado requereu que a concessionária ECO 101 seja condenada à devolução dos valores ilegalmente auferidos aplicando- se a repetição do indébito. “Valores estes a serem apurados em competente perícia contábil". No texto, Euclério Sampaio lembra ainda: "cobra-se a taxa daqueles que efetivamente usufruem do serviço e não daqueles que, vendo-se obrigados a ter que transitar pelo pequeno trecho, acabam pagando taxa desproporcional ao efetivo uso". Esse é um dos argumentos da ilegalidade da cobrança de pedágio para os moradores do município onde está a praça de cobrança e dos municípios vizinhos. "Tais munícipes, esclareça-se, não são os destinatários da cobrança. Sendo tal imposição uma afronta à lei regente da matéria, aos princípios do direito administrativo bem como à Constituição da República", complementou. Já existe concordância do Judiciário para esse entendimento, como uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que desobrigou os moradores da FOTOS: ANTÔNIO MOREIRA O deputado Euclério Sampaio atende reivindicação das pessoas que residem nas imediações das praças de pedágio cidade fluminense de Resende e do seu entorno a pagar pedágio na mesma rodovia. O parlamentar conclui o seu pronunciamento citando um conhecido pensamento do escritor Maiakóvski: "Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim. E não dizemos nada. Na Segunda noite, já não se escondem: pisam as flores, matam nosso cão, e não dizemos nada. Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nada". No pronunciamento feito no plenário da Assembleia Legislativa, Euclério Sampaio ainda mostrou um exemplo do abuso que a concessionária Eco 101 vem praticando, inclusive invadindo as propriedades privadas, que estão cercadas, para arrancar placas autorizadas pelos proprietário. No inicio do seu pronunciamento, Euclério Sampaio criticou alguns parlamentares, que não saem em defesa do povo capixaba e, como nada tem de trabalho a apresentar, ficam fiscalizando os parlamentares que se ausentam do plenário para atender prefeitos, vereadores e lideranças comunitárias. "São alguns que nada tem para mostrar á sociedade", concluiu. ■ LUIZ MARINS Cumprir a palavra enho recebido dezenas de mensagens de pessoas que reclamam do desaparecimento da virtude de cumprir a palavra. O que mais me chama a atenção nessas mensagens é que a maioria delas é de pessoas jovens, abaixo dos 35 anos. Digo isso porque há uma ideia de que cumprir a palavra é coisa do passado ou de pessoas velhas. É realmente incrível como as pessoas não cumprem a palavra. Dizer ou não dizer; prometer ou não prometer parece ser a mesma coisa. E a T consequência do desaparecimento dessa pequena virtude é que todos perdem. Perde o que deu a palavra e não cumpriu pois sua credibilidade foi para o ralo. E ninguém mais em sã consciência acreditará em qualquer coisa que ela disser ou prometer. Perde, obviamente, a vítima do não cumprimento que foi enganada, acreditando na palavra de alguém. Conversei com vários profissionais do comportamento humano sobre as possíveis causas dessa praga que está assolando o mundo atual e poucos conseguiram me responder. Não se cumpre mais horário, nem prazo, nem mesmo pequenas coisas de pouco valor. Dar retorno é quase um milagre. As pessoas prometem retornar uma ligação ou uma informação e simplesmente desaparecem. Isso sem falar nos negócios. As mensagens que recebo contam histórias incríveis de vendedores que prometeram e não cumpriram, enganaram e até de clientes que prometeram um determinado paga- mento e depois disseram não ter prometido. Pequenos golpes parecem ser absolutamente a regra. Deposito amanhã o seu dinheiro e não depositar; mudar cláusulas de uma negociação; fazer medições fraudulentas, etc. etc. E um respeitado advogado me disse que nem mesmo contratos assinados são hoje cumpridos totalmente o que sobrecarrega a justiça. Parece que ninguém mais cumpre a palavra, me disse um juiz de direito com inúmeras causas desse teor. Será que realmente cumprir a palavra caiu de moda? Como viver num mundo onde a desconfiança é a regra? Como conviver numa realidade em que o que as pessoas falam e prometem nem sempre será a verdade? Será que não estamos dando, todos nós, um tiro nos próprios pés e todos perdendo? Pense nisso. Sucesso! ■ Luiz Marins é antropólogo contato@marins.com.br

[close]

p. 9

14 ANOS VITÓRIA/ES SETEMBRO DE 2014 9 DPVAT continua desconhecido O proprietário paga o seguro na renovação do licenciamento do veículo, mas desconhece os benefícios em caso de acidente direito a recebimento do seguro obrigatório DPVAT ainda é desconhecido por grande parte da sociedade. Segundo o Coordenador e atendimento ao DPVAT do Sincor-ES, Ivo Tadeu Basílio, a falta de informação sobre o benefício e até mesmo o desconhecimento da existência faz com que as vítimas acabem perdendo o benefício. Ele citou como exemplo o seguro DAMS (Despesas de assistência médica e suplementares), desconhecido por uma grande parcela da população, e que pode compensar os gastos com remédios e consultas durante o tratamento de saúde em decorrência do acidente. “Muitos beneficiários buscam a indenização por invalidez permanente. Porém, desconhecem o de despesas médico-hospitalares. O conhecimento sobre este direito não chega a atingir 1% da sociedade, que deixa de receber um benefício garantido por lei” , informou. DPVAT - O DPVAT indeniza vítimas de acidentes causados por veículos que têm motor próprio, circulam por terra ou por asfalto não incluindo trens, barcos, bicicletas e aeronaves. E não cobre danos materiais, como roubo, colisão ou incêndio do veículo. O Qualquer vítima de acidente ou seu beneficiário pode requerer a indenização do Seguro DPVAT, como determina a Lei Previdenciária, seguindo uma ordem específica quanto ao direito de receber a indenização. Em primeiro lugar, vem o cônjuge ou companheiro (a); na falta deste, os filhos; depois os pais ou avós; e, por fim, tios ou sobrinhos da vítima, a própria vítima ou um terceiro, a quem a vítima tenha cedido o direito de reembolso. Para dar entrada no pedido, basta que seja apresentada a seguinte documentação: em caso de morte, o FOTO: ANTÔNIO MOREIRA atestado de óbito, documentos pessoais da vítima e do cônjuge, comprovante de residência do beneficiário. Em caso de invalidez, o atestado de óbito deve ser substituído por laudo pericial. Quando o pedido for para a DAMS, os documentos são: receituário médico e notas fiscais que comprovem os gastos. Mesmo que o motorista do veículo fuja do local do acidente e que ninguém anote a placa do veículo, a vítima tem direito à indenização do Seguro DPVAT. A cobertura do seguro não está vinculada às re- gras de trânsito. As indenizações são pagas independentemente de apuração de culpa, desde que haja vítimas, transportadas ou não pelo veículo automotor. Não importa quantas vítimas o acidente provoque. O Seguro DPVAT indeniza todas, uma a uma, individualmente. Não há limite de vítimas nem de valores de indenização para um mesmo acidente. A partir de 11 de janeiro de 2003, data em que o Novo Código Civil entrou em vigor, o prazo para dar entrada no pedido de indenização do Seguro Obrigatório DPVAT passou a ser de três anos, a contar da data em que ocorreu o acidente. Há casos, porém, em que o prazo pode ser maior que três anos, o que dependerá do tempo decorrido entre a data do acidente e a data do Novo Código Civil. Para acidentes envolvendo invalidez, nos quais o acidentado esteve ou ainda está em tratamento, o prazo para prescrição levará em conta a data do laudo conclusivo do Instituto Médico e Odontológico Legal (Imol). Seguro é garantido por lei federal O seguro obrigatório foi criado pela Lei 6.194/74, que determina o pagamento do seguro DPVAT para todos os veículos automotores de via terrestre, sem exceção. A legislação garante a obrigatoriedade do pagamento às vítimas de acidentes e o recebimento de indenizações, ainda que os responsáveis pelos acidentes não arquem com essa responsabilidade. O seguro oferece três coberturas. Uma delas é por morte, envolvendo veículos automotores de via terrestre ou cargas transportadas por esses veículos. A outra é por invalidez permanente total ou parcial. Neste caso, o valor da indenização é calculado com base no percentual de invalidez enquadrado na tabela de Normas de Acidentes Pessoais. Levando em consideração o laudo médico emitido ao fim do tratamento e, conforme a necessidade, o laudo pericial. Há ainda a DAMS, para despesas de assistência médica e suplementares, decorrentes de tratamento realizado, sob orientação médica, por motivo de acidente envolvendo veículos automotores de via terrestre ou por cargas transportadas por esses veículos. A cobertura de DAMS prevê o reembolso de despesas devidamente comprovadas. VALORES - Os valores de indenização do Seguro DPVAT, definidos pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda foram fixados em: Morte - R$ 13.500,00; Invalidez Permanente - até R$ 13.500; e Reembolso de Despesas Médicas e Suplementares (DAMS) - até R$ 2.700,00. O Dpvat devera ser atendido de forma gratuita, sem qualquer ônus para as vitimas ou seus beneficiários, O SincorES, mantem em seu escritório e em seus postos de atendimento equipe especializada fornecendo orientações gratuitas às vitimas de acidente de transito, e presta todo atendimento com protocolo dos processos e acompanhamento até a sua efetiva liquidação. ■ Ivo Tadeu Basílio faz o alerta

[close]

p. 10

10 SETEMBRO DE 2014 VITÓRIA/ES 14 ANOS Governo amplia o Minha Casa, Minha Vida Até o fim do ano será contratada a construção de 200 mil imóveis e no primeiro semestre de 2015, o Governo Federal quer construir 350 mil unidades O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou a ampliação do programa Minha Casa, Minha Vida Programa Minha Casa, Minha Vida deve contratar 350 mil unidades habitacionais a mais no primeiro semestre de 2015. A ampliação foi anunciada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, pela ministra do Planejamento, Miriam Belchior e pelo presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins. De acordo com Mantega, a medida mais importante é a manutenção das regras da segunda fase do Minha Casa, Minha Vida, que acaba no fim do ano, para a terceira fase do programa, que começa em 2015 e vai até 2018. Segundo o ministro, a manutenção das regras permitirá que a contratação de financiamentos não seja interrompida de um ano para outro. “As empresas têm de se preparar, comprar terrenos e elaborar projetos. Vamos manter a maior parte das regras em vigor, de modo que não haja dificuldades e possamos ganhar tempo, contratando 350 mil unidades no primeiro semestre de 2015” , declarou Mantega. Segundo o presidente da CBIC, a continuidade do programa habitacional evitará a demissão de pelo menos 500 mil trabalhadores envolvidos diretamente nas obras. “As empresas podem entrar na Caixa [Econômica Federal] e pedir a análise dos projetos ainda neste ano para que os financiamentos possam ser concedidos a partir de janeiro” , explicou. Martins lem- O brou ainda que da primeira para a segunda fase do programa a concessão de financiamentos ficou paralisada por dez meses. Além da manutenção das regras, o governo anunciou a prorrogação por mais quatro anos do regime especial de tributação dos empreendimentos do programa. Os imóveis de até R$ 100 mil pagam 1% do faturamento para quitar quatro tributos: Programa de Integração Social (PIS), Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS), Imposto de Renda e contribuições sociais. Sem o regime especial, a alíquota corresponderia a 6%. A segunda fase do Minha Casa, Minha Vida financiou 2.550.000 de unidades até agora. Mais 200 mil imóveis devem ser contratados até o fim do ano, alcançando a meta prevista, de 2.750.000. A terceira fase do programa, que começará em 2015, irá financiar a construção de três milhões de unidades, já incluídas as 350 mil anunciadas. O presidente da CBIC disse que o governo concordou em criar grupos de trabalho para discutir a criação de uma faixa intermediária de beneficiários do programa, atualmente dividido em duas categorias: famílias com renda até R$ 1,6 mil pagam prestação de R$ 80 mensais, e famílias que ganham mais de R$ 1.600,00 pagam R$ 300,00. “Sem dúvida, há a necessidade de uma faixa de transição para que o valor da prestação não suba tanto de uma categoria para outra” , defendeu. O Inocoopes-ES tem oferta de apartamentos com com área privativa entre 61,93m² e 73,67m² Portal dos Mares: dois e três quartos em Itaparica Considerada pelo 25º Censo Imobiliário como uma das regiões que mais ofertam opções de moradias, o município de Vila Velha se destaca pela infraestrutura, o leque de serviços variados, como shoppings, hotéis, restaurantes, faculdades, escolas, hospitais, e, também, por abrigar belas praias. No local, as construtoras encontram o endereço ideal para investir em novas opções de moradias. Como é o caso do Inocoopes, que é responsável pela incorporação e venda do condomínio Portal dos Mares, situado na praia de Itaparica. O complexo abriga dois condomínios, cada um com um quatro torres, totalizando 720 apartamentos de dois e três quartos com suíte, com área privativa entre 61,93m² e 73,67m². Outro diferencial do residencial é a oferta da área de lazer exclusiva e segura, com itens voltados para a diversão de toda a família. Na área os moradores têm à disposição churrasqueiras, piscina adulto e infantil, playground, sauna, quadra esportiva, espaço gourmet, salões de festas adulto e infantil, fitness, cinema, lanhouse e sala de jogos. ■ SERVIÇO Portal dos Mares ■ REALIZAÇÃO: Inocoopes e Metron Engenharia ■ LOCALIZAÇÃO: Itaparica, Vila Velha/ES ■ APARTAMENTOS: 2 e 3 quartos com suíte ■ ÁREA PRIVATIVA: entre 61,93m² e 73,67m² ■ CONDOMÍNIO: 720 apartamentos, divididos em dois condomínios independentes (Mar Ageu e Mar Mediterrâneo). Cada condomínio conta com 4 prédios de 15 pavimentos, com 6 apartamentos por andar ■ VAGAS DE GARAGEM: 01 vaga (2 quartos) e 02 vagas (3 quartos) ■ ÁREA DE LAZER: Churrasqueiras, piscina adulto e infantil, playground, sauna, quadra esportiva, espaço gourmet, salões de festas adulto e infantil, fitness, cinema, lan-house e sala de jogos. ■ CONTATO: (27) 3232-2525 O programa Minha Casa, Minha Vida vem reduzindo o déficit habitacional

[close]

p. 11

14 ANOS VITÓRIA/ES SETEMBRO DE 2014 11 Foco na mobilidade urbana Os candidatos Renato Casagrande e Paulo Hartung têm propostas para equacionar os problemas do trânsito na Grande Vitória pontados como a solução para o trânsito da Grande Vitória, os corredores exclusivos de ônibus, conhecidos como BRT (Bus Rapid Transit), estão na plataforma de governo dos principais candidatos ao Palácio Anchieta. Além do BRT, em fase inicial das obras de implantação, o candidato da oposição, Paulo Hartung (PMDB), defende que sejam debatidos também novos modais de transporte para a Grande Vitória, como VLT, monotrilho, aquaviário, entre outros. Renato Casagrande (PDB), candidato à reeleição, garante que o BRT é a melhor opção para a Grande Vitória, em detrimento do VLT. De acordo com o governador, em uma avaliação preliminar, chegou-se à conclusão de que o modelo VLT não era o mais adequado à realidade da Região Metropolitana, devido à quantidade de passageiros, custo de implantação e operação e flexibilidade operacional. Em seu pré-programa de governo, o candidato Paulo Hartung (PMDB), afirma que precisa ser adotada uma nova modelagem de financiamento de implantação, de operação do sistema de transporte coletivo, onde os investidores poderão ser estimulados a financiar novas tecnologias, como BRT, VLT, monotrilho, aquaviário ou outras combinadamente. Para repensar tudo isso, sugere a elaboração de um novo Pla- A FOTO: ANTÕNIO MOREIRA FOTO: ANTÕNIO MOREIRA Renato Casagrande busca a reeleição no Diretor de Mobilidade Urbana Metropolitana para a região da Grande Vitória. Ao comentar essa parte de seu préprograma, o candidato afirmou que a cidade deve ser projetada para o cidadão e proporcionar diferentes alternativas de locomoção, que possibilitem mais tempo com a família, para o lazer e os estudos. “Nesse aspecto, além de investimento em transporte público de qualidade, é necessário implantar novas alternativas de trajeto que contemplem calçadas e ciclovias, a exemplo do que iniciamos em nosso governo. Além disso, promover um debate sobre a implantação de novos modais de transporte” , afirma. Para Hartung, também é preciso ajudar os municípios a promover o desenvolvimento das cidades, apoiando a elaboração e implantação de bons projetos voltados para o bem estar das pessoas. “Vamos garantir apoio financeiro à Região Metropolitana da Grande Vitória e financiamento de projetos municipais que estimulem o uso de bicicletas e calçadas cidadãs.” BRT - Na avaliação do governo, após a implantação dos corredores exclusivos para ônibus, o tempo de viagem cairá pela metade, já que o sistema prioriza o transporte coletivo, retirando-o do engarrafamento. “Viagens mais rápidas, com segurança e conforto certamente tor- A falta de sincronismo dos semáforos na Avenida Américo Buaiz provoca engarrafamentos nos horários de pico FOTO: ANTÕNIO MOREIRA A falta de fiscalização permite que motoristas de ônibus fechem o cruzamento das avenidas César Hilal e Ferreira Coelho nam o ônibus mais atrativo e estimulam seu uso em detrimento do transporte individual. Mas além da implantação do BRT, outras medidas são importantes, como a oferta de diversos modais de transporte e de maneira integrada. O BRT, por exemplo, será integrado ao sistema Transcol, assim não haverá nova cobrança de tarifa quando o usuário migrar de um sistema para outro, durante seu trajeto. A mesma coisa vai acontecer com o novo aquaviário e com o sistema de bicicletas públicas de aluguel, que estamos licitando. A ideia é que um modal complete o outro, trazendo mais agilidade ao transporte público, fazendo com que ele tenha a preferência em relação ao individual” , explica Casagrande. De acordo com Casagrande, as obras de implantação dos corredores exclusivos de ônibus estão sendo licitadas, numa concorrência pública dividida em duas etapas. A primeira delas já foi concluída e a segunda tem previsão de conclusão ainda este ano. Assim que uma empresa for declarada vencedora, as obras poderão ser iniciadas imediatamente, pois todos os projetos executivos já foram concluídos. Após o início dos trabalhos, o prazo de execução das obras é de dois anos. Paulo Hartung quer voltar ao Anchieta Obras para melhorar a mobilidade Entre as obras para melhorar a mobilidade como um todo na Grande Vitória, as propostas são semelhantes entre os candidatos, como a construção de novas vias e novos modais de transporte. O candidato à reeleição Renato Casagrande (PSB) ponderou que o Programa de Mobilidade Metropolitana, elaborado em sua gestão, possui cerca de 60 ações, boa parte já em execução, em fase de conclusão de projeto ou licitação, segundo ele. Além do BRT, a região metropolitana vai ganhar, entre outros, o aquaviário, o sistema Transcol renovado, passarelas e túneis para acesso aos terminais e a rede ciclo viária. “Intervenções importantes também vão garantir mais mobilidade aos capixabas, como a quarta ponte, o viaduto da Fernando Ferrari com a Adalberto Simão Nader e a nova Serafim Derenzi. É importante destacar que pela primeira vez o Estado tem um plano de mobilidade integrando os municípios da Região Metropolitana. Mas a ação do nosso Governo nessa área não se restringe apenas à Grande Vitória. Já estamos elaborando planos de mobilidade para seis municípios do interior” , acrescenta. Já o candidato Paulo Hartung tem entre suas metas recuperar o grande atraso das obras viárias estruturantes e implantar novas vias importantes para a mobilidade urbana, ampliando assim as alternativas de trajeto e encurtando distâncias. Entre as prioridades no projeto do peemedebista: Contorno do Mestre Álvaro, na Serra, uma via que vai retirar o tráfego pesado da região de Carapina, melhorando a fluidez do trânsito e diminuindo o índice de acidentes; nova ligação entre ilha (Vitória) e continente (Vila Velha/Cariacica); conclusão da rodovia Leste-Oeste entre Cariacica e Vila Velha, um corredor que se constituirá num elemento reestruturador do espaço urbano da porção sul de Cariacica e leste de Vila Velha, encurtando trajetos e tempo de viagem para quem deseja acessar as BRs 262 e 101 e o Porto de Capuaba, além de possibilitar geração de novas linhas de transporte público de passageiros. Pretende ainda implantar o Portal do Príncipe de Vitória; Canal Bigossi até a Avenida Carlos Lindenbergh, em Vila Velha, e Contorno de Jacaraípe até Nova Almeida; estadualização de trechos urbanos federais (BR 101-Serra e BR 262Cariacica, incluindo a 2ª Ponte). ■

[close]

p. 12

12 SETEMBRO DE 2014 VITÓRIA/ES 14 ANOS Sesc Glória é inaugurado Após longa espera o prédio tombado pelo Instituto Estadual de Cultura ressurge com nova estrutura interna capaz de atender diversos públicos naugurado em 1932 no centro da capital, quando o mar ainda beirava até a fachada dos fundos e até então o prédio mais alto da cidade naquele ano, o Teatro Glória reabriu suas portas no sábado, 27, com charme e estrutura comparados aos melhores centros culturais do País, numa noite com apresentações da Orquestra Experimental de Cordas da Faculdade de Música do Espírito Santo (Fames), do Coro Curumins e a da banda de Música da Polícia Militar. O teatro repleto vibrou com as apresentações e com o mestre de cerimônias da noite, o maestro e pianista João Carlos Martins, conhecido mundialmente pelo seu talento mesmo após ter perdido por diversas vezes em sua carreira os movimentos das mãos. Administrado pelo Serviço Social do Comércio, o Centro Cultural SESC Glória, como se chama agora, vai receber espetáculos, mostras e oficinas de cinema, literatura, artes visuais, música e artes cênicas. “O Glória traz novas oportunidades para a cultura do Estado” , comentou o presidente da Fecomércio, José Lino Sepulcri. O prédio de arquitetura neoclássica está dividido em cinco pavimentos. No térreo fica o teatro principal, com capacidade para 690 pessoas e um bistrô. No primeiro andar, um espaço para receber exposições diversas; no segundo, uma sala de dança com 100 metros quadrados, além do Cinema 1, com capacidade para 80 pessoas; no terceiro andar, salas para aulas de música, audioteca, ateliês de gravuras e artes visuais, Arena com acústica, Cinema 2 para 80 pessoas, um es- I túdio de música e área administrativa do Centro Cultural. A biblioteca com sete mil títulos funcionará no quarto andar, que também conta com espaço expositivo, duas salas de produção audiovisual, sala da palavra para cafés literários, lançamentos de livros e outros eventos relacionados à literatura, e o Banco de Textos de Artes Cênicas. No quinto andar, o terraço panorâmico oferece visão para a Avenida Jerônimo Monteiro, Praça Costa Pereira e o Teatro Carlos Gomes. Do lado oposto, a baía de Vitória encanta os frequentadores. Aí ficará o teatro multiconfiguracional, com plateia para 100 pessoas, configurada de acordo com a cena, possibilitando a interação do público. A primeira grande atração do Centro Cultural fica a cargo da exposição “O Mundo Mágico de Escher” , do artista gráfico holandês Maurits Cornelis Escher. A mostra conta com 90 obras em xilogravuras e litografias, além de estruturas interativas. A exposição ficará aberta ao público até 30 de dezembro, com ingressos a R$ 5 reais, e R$ 2 reais para associados do SESC, pessoas acima de 60 anos e estudantes. O cantor Lenine também passou pelo local, no domingo, 28, encerrando sua turnê “Chão 2014” , se apresentando para 600 pessoas, gratuitamente. Com uma programação quase diária, até o dia 11 de outubro, o Centro Cultural recebe o circuito Aldeia Sesc Ilha do Mel, com apresentações nos Teatros Glória e Multiconfiguracional, salas de dança e Banco de Textos. São espetáculos nacionais e locais de teatro, dança, leituras e oficinas. FOTOS: ANTÔNIO MOREIRA O teatro Sesc Glória é uma importante opção para desenvolver a cultura no Espírito Santo O MAIOR CENTRO CULTURAL DO ESPÍRITO SANTO COMO FICA O TEATRO GLÓRIA ■ CRIADO EM 1932, ERA O ÚNICO PRÉDIO DE CINCO ANDARES DAQUELA ÉPOCA. ■ 2 ESPAÇOS PARA EXPOSIÇÕES ■ TEATRO GLÓRIA (PRINCIPAL), COM CAPACIDADE PARA 690 PESSOAS. ■ TEATRO MULTICONFIGURACIONAL PARA 100 PESSOAS. ■ BISTRÔ. ■ SALA DE DANÇA DE 100M. ■ 2 SALAS DE CINEMA COM CAPACIDADE PARA 80 PESSOAS CADA. ■ ESTÚDIO DE MÚSICA. ■ BIBLIOTECA. ■ SALAS DE AUDIOVISUAL. ■ ESTÚDIO E ATELIER DE GRAVURA. ■ MIRANTE E JARDIM NO TERRAÇO. Luciano Resende e Renato Casagrande cumprimentam José Lino Sepulcri

[close]

p. 13

14 ANOS VITÓRIA/ES SETEMBRO DE 2014 13 FOTOS: ANTÔNIO MOREIRA A diretoria na comemoração dos 60 anos da Fecomércio Gutman Uchôa de Mendonça, Antônio de Oliveira Santos e Jair Coser José Lino falou das ações da Fecomércio para fortalecimento do setor Fecomércio comemora 60 anos Há exatos 60 anos nascia a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Espírito Santo (Fecomércio-ES), data comemorada 26 de setembro com um jantar para empresários, autoridades e parceiros, no Itamaraty Hall, tendo como destaque o lançamento do livro “Fecomércio Espírito Santo – Passado, Presente e Futuro” , que retrata a história do comércio no Estado e narra o desenvolvimento da Federação’ . Para o presidente da federação, José Lino Sepulcri, o momento é ideal para agradecer a todos que passaram pela Fecomércio e a toda população que depositou sua confiança na entidade nessas seis décadas de fundação. “É uma sensação única, de orgulho de nossas origens, que são muito humildes, e não é fácil dirigir uma entidade com mais de 20 mil empresários e 22 sindicatos” , disse. O presidente afirmou ainda que 2014 está sendo um ano penoso para a classe, atípico devido às eleições. “A economia passa por um período de turbulência, mas em 2015 mesmo com dificuldades vamos retomar a economia local” , declarou. 60 anos com programas que resultaram no fortalecimento do setor, ações sociais e capacitação de mão de obra. Com demandas que atendem dissídios coletivos que negociam e contemplam a realidade do setor empresarial, as jornadas de funcionamento que conciliam o interesse entre a classe, os direitos dos colaboradores e o interesse do consumidor. A Fecomércio estabelece sua força ao lutar pela segurança que afeta o comércio diretamente e indiretamente, por exemplo, os clientes. À frente da diretoria desde 2006, Sepulcri segue uma agenda de realizações, como a expansão do complexo SESC de Praia Formosa, a conclusão do Centro de Atividades de São Mateus, Aracruz e Colatina; ampliação do núcleo de ensino de Linhares, implantação do complexo educacional em Cachoeiro de Itapemirim, a inauguração da Unidade de Educação Profissional em Venda Nova do Imigrante e o mais inusitado projeto, a recente entrega do Teatro Glória, patrimônio histórico do Estado, que ressurge como o Centro Cultural SESC Glória. ■ Empresários, políticos e demais convidados lotaram as dependências do Itamaraty Hall Durante a festa aconteceu também a entrega da Comenda Mérito Empresarial ao empresário do ramo de materiais e construção civil Ilson Bozi. “A gente recebe com muita emoção essa homenagem. Há 44 anos comecei minha história com a atividade do comércio de material de construção e hoje, além das lojas, temos também a construtora onde trabalham um filho engenheiro e uma filha arquiteta” , disse Bozi. A Federação se destaca nesses

[close]

p. 14

14 SETEMBRO DE 2014 VITÓRIA/ES 14 ANOS FOTO: ANTÔNIO MOREIRA Tela gigante leva o cinema para dentro de casa A oferta de equipamentos com novas tecnologias permite maior conforto em casa a preços mais reduzidos As TVs de tela grande e poltronas confortáveis deixam as salas de projeção para trás enumbra, uma confortável poltrona ou um lugarzinho no sofá, com pipoca, refri e o aconchego de quem se gosta. O cenário é perfeito para se assistir a um bom filme, sem atropelos, filas e outros incômodos. As novas tecnologias permitem que você leve o cinema para sua casa, com TVs de tela grande, de formato retangular, como as telonas das salas de exibição. Há alguns anos para poucos privilegiados, as TVs de tela grande se transformaram em P equipamentos que podem ser adquiridos por um número cada vez maior de consumidores. A expansão do crédito e a redução de preços dos produtos em decorrência da maior oferta permitem isso. Para quem pretende montar um cineminha em casa, o ideal é escolher uma televisão LED para ter mais qualidade de recepção de imagem. Existem duas opções: uma TV HD, com 720 pontos, já traz qualidade suficiente mas, para o máximo em definição, prefira a Full HD, que apresenta 1080 linhas e dá à transmis- sões HD e á execução de Blu-rays ainda mais qualidade. Em Vitória, as lojas especializadas oferecem a preços que variam de R$ 3.200,00 a R$ 6.300,00 equipamentos ideais para um cinema em casa. As telas vão de 1,40 m x 80 cm a 3,40 m, x 1,60 m. Para melhorar ainda mais o ambiente, um projetor de imagem é uma boa pedida. Ligado a um computador e a um sistema de som mais potente, você pode ter o filme projetado na parede ou em uma tela especial que leva até a sua casa ainda mais a sensação do cinema. Televisão a cabo é uma das opções para assistir filmes, mas se você não pode ficar preso à grade de programação, a sua sala de cinema precisa de alternativas. Atualmente, existem serviços como o Netflix e o Netmovies, de aluguel de filmes via streaming e para os quais muitas SmartTVs já estão prontas, mas a qualidade da transmissão não é a mais adequada para quem quer um cinema em casa. Se você já possui uma videoteca de DVDs, já deve ter um aparelho de DVD também, mas a qualidade superior você consegue com um Blu-ray. Os discos Blu-ray comportam mais dados e, portanto, filmes com muito mais definição que os DVDs. Com os aparelhos de televisão modernos, conectados via cabo HDMI, esses tocadores permitem muito mais qualidade, com uma vantagem clara: existem aparelhos de Blu-ray 3D que, em conjunto com as TVs 3D e com os discos com capacidade tridimensional, trarão os filmes mais modernos para dentro de sua casa. ■

[close]

p. 15

14 ANOS VITÓRIA/ES SETEMBRO DE 2014 15 Imóvel compacto é difícil de decorar Decorar imóvel de tamanho reduzido requer maiores cuidados já que a maioria dos móveis são produzidos para grandes espaços mercado imobiliário registra uma tendência para ampliar cada vez mais a oferta de imóveis compactos, a partir de 45 metros quadrados. A demanda reprimida no setor de habitação e o perfil de novos consumidores formado nos últimos 12 anos ditam a regra, embora ainda esteja aquecido o mercado de imóveis maiores e mais luxuosos. O imóvel compacto foi desenvolvido para pessoas que precisem de conforto e praticidade, mas que não necessitem de um espaço muito grande. Com menos espaço, é preciso usar móveis e uma decoração adequada para deixar o ambiente mais aconchegante e agradável. “O ideal é a modificação de alvenaria, quando isso não tenha sido possível com o imóvel ainda em construção, para abrir espaços e interligar os ambientes” , assinala a arquiteta e decoradora Sabrina Balbi. Ela aconselha o uso de FOTOS: ANTÔNIO MOREIRA Nem todas as lojas possuem móveis que se adequam a pequenos espaços O cores mais leves, o aproveitamento da varanda, interligando-a com a sala e esta com a cozinha. As cores são os principais elementos na luminosidade e sensação de conforto dentro de ambientes compactos. Enquanto as mais claras iluminam e dão sensação de amplitude, as mais es- Sabrina Balbi é arquiteta e decoradora curas ou fortes dificultam a dissipação da luminosidade, dando a impressão de redução de espaço. “O uso de cores claras, de espelhos, bem como a escolha do mobiliário, são fundamentais para ampliar e dar mais equilíbrio ao ambiente” , diz Sabrina. Para ela, deve-se ter muito cuidado na escolha dos móveis, sendo mais aconselháveis as peças planejadas ou de marcenaria. “Hoje temos muitas opções de móveis planejados e as lojas de decoração oferecem esse tipo de serviço” , afirma. Na escolha dos móveis, um dos aspectos que deve ser priorizado é o da circulação. Segundo Sabrina, para que esse direcionamento seja adequado às necessidades do dono do imóvel é necessária a elaboração de um projeto específico para cada caso, “a fim de que as soluções adotadas não resultem em prejuízos e falta de comodidade” . Formato de móveis também muda A redução dos espaços nos apartamentos não afeta somente arquitetos e decoradores, mas toda a cadeia produtiva ligada à moradia. Os fabricantes e comerciantes de móveis, obrigados a seguir as novas tendências do mercado, introduzem alterações em suas linhas de produção. “Temos que nos adequar para manter o ritmo de trabalho”, diz Joanir Smarçaro, proprietário da Móveis Conquista, uma das mais tradicionais marcas do setor no Espírito Santo, com representações na Bahia. Ele, que também é fabricante, está no mercado há 33 anos, 21 dos quais em Vitória. “O tradicional ambiente de sala com um sofá de três lugares e outro com dois, praticamente desapareceu, sendo substituído por uma única peça, de 2,50m a 2,70m, como conseqüência do formato dos novos apartamentos”, explica o empresário. Joanir destaca que o formato menor das novas peças agregaram mais conforto: “Agora são sofás reclináveis e extensíveis, que garantem grande comodidade”. Da mesma forma, os bufês, aparadores, mesinhas de centro, entre outras peças, ganharam novo formato em função dos espaços reduzidos. Em suas duas lojas, em Vitória e Vila Velha, ele registra maior volume de vendas em móveis desse tipo, embora a linha tradicional ainda tenha seu lugar garantido, sem, no entanto, ser a primeira do ranking. ■

[close]

Comments

no comments yet