Revista CRN9 Ed. 1

 
no ad

Embed or link this publication

Description

Revista do CRN9 de janeiro a março de 2010

Popular Pages


p. 1

REVISTA DO CRN9 Publicação do Conselho Regional de Nutricionistas da 9ª Região – Minas Gerais –Ano I – Janeiro, Fevereiro e Março- N.o 1 – 2010 VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL A presença do profissional de nutrição nas diversas frentes do mercado de trabalho aponta que a sociedade reconhece a importância do seu trabalho

[close]

p. 2

EDITORIAL Estreitando os laços com os profissionais Conselho Regional de Nutricionistas da 9ª Região – CRN9 inicia o ano de 2010 focado na perspectiva do bom atendimento aos profissionais e empresas de sua jurisdição. O ano de 2009 foi marcado por fortes investimentos na área física, tecnológica e no quadro de pessoal necessário para responder ao fluxo de trabalho atualmente existente. Desta forma, o CRN9 está mais bem preparado para dar suporte e ampliar suas ações nas diversas frentes de trabalho, que vinha desenvolvendo no ano passado e as previstas para o ano de 2010. É com muito otimismo e entusiasmo, que vemos boas perspectivas para a nutrição em Minas Gerais nesse ano. Contudo, não deixamos de compreender e enfrentar os grandes desafios que temos pela frente, para valorização do exercício profissional e ampliação dos espaços de trabalho – toda ação visando sempre à dignidade e o respeito pela profissão. Pretendemos que a relação do Conselho com os profissionais seja a mais fraterna, mais próxima e interativa possível - com vista ao fortalecimento contínuo da nutrição em nosso estado. Desejamos que os veículos de comunicação do CRN9 possam ser instrumentos que favoreçam esses objetivos. Aqui chamamos a atenção para o site do Conselho, que por problemas com as empresas de informáticas contratadas para a construção e manutenção do mesmo, entra no ar a partir de agora. Ele é uma ferramenta de interlocução efetiva com os profissionais e a sociedade, tendo uma variedade de serviços e grande conectividade que agilizará, em muito, a vida de todos. Nessa primeira edição da Revista do CRN9, procuramos trazer matérias que mostram as principais ações do Conselho no ano de 2009. Reflete o foco da fiscalização orientadora do exercício profissional, levando-a, inclusive para o interior do estado. O leitor verá também matérias que mostram bem a evolução da nutrição nas diversas áreas de atuação, o que demonstra um forte reconhecimento pela sociedade da importância do nutricionista e do técnico em nutrição e dietética nessas áreas. As matérias dialogam com profissionais que atuam em alimentação institucional, restaurante comercial, educação alimentar e nutricional, políticas públicas de alimentação e nutrição. Também, a entrevista com Renato Maluf, presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA, que é uma grande referência nacional e internacional no Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA) e, parceiro das lutas da nutrição. Contudo, os avanços que tivemos não nos autorizam calar ou fechar os olhos para o mundo. Nossa credibilidade faz aumentar nossa responsabilidade social. Nesta observação, lançamos nossa voz de solidariedade ao povo haitiano neste momento de caos e sofrimento. Para nós, a nutrição no seu sentido maior, não tem fronteiras, também se faz na defesa da vida plena e saudável para todos os seres humanos onde quer que eles estejam. Espero que tenhamos um ano com mais conquistas! Para isso é preciso bastante empenho de cada um, com esforço individual, bem como o coletivo, fortalecendo ainda mais o CRN9, que é uma vitória de todos nós. Tenham uma boa leitura! Abraço fraterno Expediente: Conselheiros Efetivos: Élido Bonomo – Presidente Beatriz de Carvalho – Vice- Presidente Heloísa Magalhães – Secretária Fernando Mandacaru – Tesoureiro José Divino Lopes Filho Shirley Maria Fonseca Silvia Eloísa Priore Romero Alves Regina Oliveira Conselheiros Suplentes: Adriana Keller Coelho Anisia Barbosa Soares Caiafa Carlos Eduardo Guedes Vidal Cintia Pires Figueiredo Ermelinda Maria Leite Prado Letícia Siqueira Falce Neto Simone Brasil Santos Revista CRN9 Uma publicação do Conselho Regional de Nutricionistas da 9ª Região – CRN9 Sede: Rua Tupis, 457, 12º andar, centro, Belo Horizonte – MG CEP.: 30190.060 Fone.: (31) 3226.8403 Site: www.crn9.org.br E-mail: crn9@crn9.org.br Delegacia de Uberlândia: Rua Coronel Antônio Alves Pereira, 400, Sl. 808, centro, Uberlândia-MG Fone: (34) 3255.8868 E-mail: urberlandia@crn9.org.br Conselho Editorial: Letícia Siqueira Falce Neto, Bruno Mello, Beatriz de Carvalho, Heloísa Magalhães, Regina Oliveira e Antônio Coquito Jornalista Responsável: Antônio Coquito Reg. Prof. MtbMG06239JP Redação, textos e entrevistas: Antônio Coquito com colaboração da equipe do CRN9 Diagramação: Eric Samuel Fotos: Alexandre Adão, Antônio Coquito e Guilherme Bergamini. Arquivo: Consea Nacional. Arquivo Pessoal: Adriana Picosse Tiragem: 7.000 exemplares Impressão: Didática Editora do Brasil Ltda – ME O Élido Bonomo Presidente do CRN9 Conselho Regional de Nutricionista - 9ª Região 2

[close]

p. 3

Em destaque BALANÇO CRN9 em 2009 Trabalho para melhorar a vida e atuação do profissional de nutrição O ano de 2009 foi de muito trabalho – melhoramos as estruturas de atendimento, ampliamos nossa ação em Minas Gerais, estabelecemos parcerias, nos articulamos com o Sistema CFN/CRNs, participamos da agenda política do direito à segurança alimentar e nutricional, estivemos em diversos espaços na busca pelo conhecimento e reconhecimento da área de nutrição (nutricionistas e técnicos em nutrição e dietética). Veja as atividades realizadas pelo nosso Conselho! MELHORAR O ATENDIMENTO AOS PROFISSIONAIS E À SOCIEDADE • Reforma da sede do CRN9 em Belo Horizonte. • Aquisição de mobiliário para a sede do CRN9 em Belo Horizonte. • Aquisição de equipamentos de informática para a sede do CRN9 em Belo Horizonte. • Realização do Concurso para seleção de funcionários para as áreas administrativa, fiscalização e informática. • Admissão e treinamento dos funcionários concursados: 02 fiscais (Belo Horizonte e Uberlândia), 05 administrativos (Belo Horizonte) e 01 técnico em informática (Belo Horizonte). • Contratação de estagiário nas áreas de administração e contabilidade para a sede do CRN9 em Belo Horizonte. CRIAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DA DELEGACIA DE URBERLÂNDIA • Visita à cidade de Uberlândia para o projeto de estruturação da delegacia e outras atividades administrativas. INVESTIDAS NO PROCESSO DE FISCALIZAÇÃO • Interiorização da fiscalização nas cidades de Ouro Preto, Mariana, Itabirito, Araxá, Muriaé, Juiz de Fora, Uberaba, Ibiá, São Gotardo, Perdizes, Pedrinópolis, Santa Juliana e Nova Ponte. • Informatização das atividades de fiscalização, através do Projeto Piloto II (Teste do processo de informatização dos roteiros de visitas fiscais) • Participação da equipe de fiscais no Congresso Brasileiro de Alimentação Coletiva, em Porto Alegre, para aprimoramento técnico da equipe CAPACITAÇÃO PARA A FORMALIZAÇÃO DAS COMPRAS NO CRN9 • Participação no Congresso de Licitação e Contratos em Salvador – BA. APROXIMAÇÃO COM AS ESCOLAS SUPERIORES E CURSOS TÉCNICOS ( Levar informações sobre a atuação do CRN9) • Palestra na Escola Santa Rita, na cidade de Contagem, para estudantes do curso Técnico em Nutrição e Dietética. • Palestra no VIII Congresso de Nutrição da Universidade José do Rosário Vellano – Unifenas (Campus Alfenas). • I Encontro do CRN9 com os Coordenadores dos Cursos de Nutrição. • Palestra na Universidade Presidente Antônio Carlos – UNIPAC Araguari. • Palestra na Universidade Presidente Antônio Carlos – UNIPAC Bom Despacho. • Palestra na Universidade do Vale do Sapucaí- UNIVAS Pouso Alegre. • Palestra na Faculdade de São Lourenço. • Palestras no Centro Universitário de Patos de Minas – UNIPAM. • Palestra no Curso de Nutrição em Ipatinga. • Palestra na Faculdades Integradas Asmec – Ouro Fino. • Palestras na Universidade do Vale do Rio Doce UNIVALE em Governador Valadares. • Palestra no 9º Encontro Científico de Nutrição do Centro Universitário do Triângulo - UNITRI - Uberlândia. • Palestra na Universidade Federal de Ouro Preto-UFOP. • Palestra na Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e Mucuri – UFVJM - Diamantina • Palestra no SENAC – Belo Horizonte- para Técnicos em Nutrição e Dietética. ARTICULAÇÃO E MOBILIZAÇÃO • Participação no debate sobre a atuação multiprofissional em saúde e atuação dos Conselhos, em mesa redonda, na Faculdade de Educação Física do Centro Universitário de Belo Horizonte - UNI-BH. • Participação no Fórum de Profissionais da Área de Saúde. • Participação no Fórum dos Conselhos de Profissões Regulamentadas. • Reunião no Sindicato das Escolas Particulares do Estado de Minas Gerais para discutir ação conjunta de divulgação e incentivo à implementação da Lei da Comercialização de Alimentos nas Cantinas Escolares (Lei Estadual 18.372-09). • Plenária da Comissão Regional Metropolitana de Segurança Alimentar e Nutricional (CRSAN Metropolitana). • Reunião de rearticulação do Fórum Mineiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional – FMSSAN-MG. • Palestra em seminário dos CONSEAs da região sudeste sobre a construção do Sistema Nacional de SAN – SISAN. • Debate em evento do CONSEA sobre a crise de alimentos e a garantia do DHAA. 3 Revista CRN9 Janeiro/Fevereiro/Março 2010

[close]

p. 4

Em destaque • Participação no encontro Cultivando a Agrobiodiversidade Urbana em Belo Horizonte. • Seminário Democracia Participativa realizado pela Prefeitura de Belo Horizonte com o objetivo de divulgar e debater experiências francesas e brasileiras de participação da sociedade civil nas políticas públicas, tendo como meta o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs). • Encontro da CRSAN Metropolitana em Contagem com objetivo de articular os munícipos da região metropolitana para promoção de política de SAN. • Participação em mesa redonda no Seminário Metropolitano de Segurança Alimentar e Nutricional, em Betim, promovido pelo Ministério de Desenvolvimento Social e combate à Fome - MDS e Prefeitura de Betim. • Palestra em Conferência Municipal de SAN – Contagem • Participação no Grupo de Trabalho - GT sobre a operacionalização do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE em Minas Gerais, a partir da lei 11.947/09. • Organização e participação do Evento em Comemoração do Dia Mundial da Alimentação - Ouro Preto FORTALECIMENTO DA CATEGORIA • O CRN9 foi proponente e debatedor da Audiência Pública “A situação Alimentar e Nutricional da População Brasileira” - Comemoração ao Dia do Nutricionista na Assembléia Legislativa de Minas Gerais – ALMG (*) O evento teve cobertura ao vivo da TV Assembléia para 360 municípios • Oficina da Câmara Técnica de Nutrição Clínica para profissionais da nutrição hospitalar • Evento em comemoração ao “Dia do Técnico em Nutrição e Dietética” • Seminário em Comemoração ao Dia do Nutricionista com realização de oficinas: Alimentação Coletiva -Saúde Coletiva-Nutrição Clínica-Alimentação Escolar-Entidades (organização do sindicato, associação, diretórios acadêmicos etc) • Mesa de abertura e participação do III Congresso Mineiro de Alimentação e Nutrição – Escola de Nutrição da UFOP - Ouro Preto/MG FORTALECIMENTO DO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO-INFORMATIZAÇÃO DO SISTEMA CFN/CRNs • Reunião da comissão especial de fiscalização do Sistema CFN/CRN em Brasília DEFINIÇÃO DE DIRETRIZES PARA VISIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA • III Congresso Nacional do Sistema CFN/CRNs “Agendando compromissos com a sociedade”. • Reunião conjunta do Sistema CFN/CRN (Reunião coordenada pelo CRN9). AÇÕES POLÍTICAS • Audiência Púbica na Assembléia Legislativa de Minas Gerais –ALMG- sobre compra da Agricultura Familiar para o PNAE. • Reunião com a Vigilância Sanitária da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte - discutir situação de nutrição nas Instituições de Longa Permanência de IdososILPIs de Belo Horizonte e necessidade da presença de nutricionistas nesses estabelecimentos. • Reunião com presidente do CONSEA/MG sobre Política Estadual de Alimentação e Nutrição. • Reunião com Secretário de Estado de Saúde, CONSEA/ MG e Coordenadoria Geral de Política de SAN sobre a Política Estadual de Alimentação e Nutrição. • Reunião na ALMG sobre a Lei da Comercialização de Alimentos em Cantinas Escolares • Audiência contra o Ato Médico na Câmara de Vereadores de Belo Horizonte • Audiências Públicas na ALMG para revisão do Plano Plurianual de Ação do Governo de Minas Gerais/ PPAGMG • Palestra em seminário e participação em solenidade de Homenagem aos 10 anos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional de Minas Gerais (CONSEA-MG), promovido pela ALMG ATENDIMENTO A EMPRESAS • Palestras na empresa Stillus em Belo Horizonte. • Palestras na empresa Puras do Brasil Sociedade Anônima em Belo Horizonte. • Reunião diretoria do Sindicato das Empresas de Refeições Coletivas - SINDERC CONFRATERNIZAÇÃO FIM DE ANO • Confraternização da equipe do CRN9, em Belo Horizonte, pelas conquistas e realizações no ano de 2009. NOVAS INSCRIÇÕES EM 2009 PESSOA FÍSICA (PF) Nutricionista Técnico em Nutrição e Dietética PESSOA JURÍDICA (PJ) 1.398 125 Registro e Registro Filial Cadastro 45 42 NOVO SITE CRN9 NO AR Criar canal de interlocução e aproximação com os profissionais e com a sociedade. Esta é a proposta do Conselho Regional de Nutricionistas de Minas Gerais- CRN9, ao colocar no ar mais uma ferramenta de comunicação - o site institucional. A página do Conselho entrou no ar no mês de janeiro. O site está mais dinâmico interativo e cheio de novidades. Acesse, interaja e conheça as novidades! Para acessá-lo digite: www.crn9.org.br Conselho Regional de Nutricionista - 9ª Região 4

[close]

p. 5



[close]

p. 6

CRN9 Em Ação CRN 9 NAS AUDÊNCIAS PÚBLICAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS MINAS CRIA MOVIMENTO CONTRA O ATO MÉDICO Em Audiência Pública realizada no mês de novembro, na Câmara Municipal de Belo Horizonte (MG), profissionais de diversas categorias da área da saúde sinalizaram claramente a posição contrária ao Projeto de Lei 7703/2006. O evento reuniu representantes do Conselho Regional de Nutricionistas (CRN9), de Enfermagem, de Fisioterapia, de Terapia Ocupacional, Farmácia, Psicologia e Biologia. Também estavam presentes a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical e entidades estudantis de diversas universidades da capital mineira. Para o vereador Ronaldo Gontijo (PPS), requerente da audiência, o momento é de mobizarmos a sociedade. O ato médico significa um custo adicional para a sociedade ao criar situação privilegiada. Heloísa Magalhães, diretora do CRN 9 (Minas Gerais), presente na audiência pública propôs a união dos profissionais para uma ação permanente de sensibilização e conscientização da sociedade. “Precisamos resgatar os fóruns dos Conselhos, para levar à população o nosso papel e atuação”, esclarece. A diretora reconhece a importância do profissional da medicina, mas defende o trabalho conjunto de todas as profissões. N o fim de 2009, a conselheira e vicepresidente do Conselho Regional de Nutricionistas (CRN9), Beatriz de Carvalho, que integra a equipe da Coordenadoria Geral da Política Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional – CGPSANS/MG, participou ativamente da audiência pública que definiu a destinação orçamentária do Plano Plurianual de Governo – PPAG do Estado de Minas Gerais para 2010. As audiências públicas para incidência no PPAG começaram no ano de 2003. De lá prá cá, a sociedade tem participado do debate em torno do planejamento e no orçamento do estado. Beatriz avalia como fundamental a participação de entidades e profissionais em agendas como esta. “As audiências públicas são produto do envolvimento da sociedade, através de ação da Comissão de Participação Popular, na Assembléia Legislativa de Minas Gerais – ALMG, e é um espaço onde qualquer cidadão pode apresentar propostas”, enfatiza Beatriz sobre a importância da atividade. Muitas propostas aprovadas têm relação direta com a atuação do nutricionista. Nutrição e segurança alimentar em destaque no PPAG SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ÁREA Estruturação do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN Capacitação de Jovens Rurais Instalação e Manutenção de Centros de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável – CRESANS Manutenção das Comissões Regionais de Segurança Alimentar – CRSANS Capacitação Continuada de Recursos Humanos da Alimentação Escolar Capacitação para produção e venda direta de alimentos à Alimentação Escolar Operacionalização das Ações do Consfundeb e Cae VALOR R$ 1.000.000,00 R$ 14.000,00 R$ 100.00,00 R$125.000,00 R$ 250.000,00 R$ 100.00,00 R$ 50.000,00 Agenda em Brasília No final de novembro, uma comissão mineira esteve, em Brasília, numa agenda com o senador Eduardo Azeredo (PSDB/ MG). Também estiveram com os senadores mineiros Wellington Salgado (PMDB) e Eliseu Resende (DEM). Na ocasião, os integrantes entregaram o documento com a posição dos profissionais contra o P.L. 7703/2006. A comissão se reuniu com a bancada mineira no senado. Fonte: Documento final da ALMG intitulado “Emendas Populares aprovadas ao Orçamento 2010- recursos novos POVOS INDÍGENAS E QUILOMBOLAS ÁREA Apoio à produção de alimentos e venda direta à Alimentação Escolar VALOR R$ 100.000,00 Fonte: Documento final da ALMG intitulado “Emendas Populares aprovadas ao Orçamento 2010- recursos novos ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA ÁREA Apoio à comercialização de produtos da Economia Popular Solidária e realização da Conferência do Setor VALOR R$ 450.000,00 CONFRATERNIZAÇÃO DE FIM DE ANO DO CRN9 Num clima de descontração e alegria - diretoria, funcionários e amigos do Conselho Regional de NutricionistasCRN9 se reuniram em Lagoa Santa, na casa de Adriana Leite, nutricionista e coordenadora técnica do Conselho. Foi um momento de confraternização e celebração da equipe por mais um ano de trabalho e conquistas. Fonte: Documento final da ALMG intitulado “Emendas Populares aprovadas ao Orçamento 2010- recursos novos Emendas do PPAG que alteram ações ● Garante a incorporação de todas as mudanças conceituais definidas pelo Sistema de Segurança Alimentar e Nutricional, como a adequação do termo “merenda escolar” para “alimentação escolar”, entre outras, que contribuem para o fortalecimento da política. ● Assegura a qualificação dos agricultores familiares para a venda de produtos ao Programa de Alimentação Escolar, de acordo com a Lei 11.947/2009. Conselho Regional de Nutricionista - 9ª Região 6

[close]

p. 7

CRN9 Em Ação CRN9 EM AÇÃO - DELEGACIA DE UBERLÂNDIA CRN 9 participa de Encontro Científico no Triângulo Mineiro A nutricionista fiscal Adriana Rabelo de Sousa Picosse representou o Conselho Regional de Nutricionistas – CRN 9 (Minas Gerais) - no IX Encontro Científico de Nutrição de Uberlândia (MG). O evento, que tem o objetivo de promover o contato dos acadêmicos com estudiosos profissionais; bem como, aprofundar temas da área, aconteceu no dia 10 de novembro, no auditório da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) da cidade. Realizado pela Universidade do Triângulo (UNITRI), a atividade reuniu cerca de 200 pessoas (profissionais e estudantes de nutrição). Na ocasião, Picosse abordou a temática da atuação do nutricionista fiscal. Universidade e CRN A professora Regina Helena C. Morsoletto, gestora da área de biomédicas do Unitri, destaca a parceria entre o CRN 9 e o Centro Universitário. “É importante para que o aluno tenha em mente que o Conselho Regional será um parceiro durante sua vida profissional”. Morsoletto ainda ressalta a participação de profissionais do CRN 9 no encontro científico como enriquecimento na formação acadêmica dos estudantes da Universidade. Escritório do CRN em Uberlândia A Delegacia do CRN 9 está funcionando à todo vapor na cidade de Urbelândia. As atividades. da nova delegacia compreendem a região do Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba e Noroeste de Minas. A equipe de trabalho é formada pelas Delegadas Ana Cláudia Montes Cardoso (Titular) e Dalilia Cristina de Almeida (Suplente), Adriana Rabelo de Sousa Picosse (Nutricionista Fiscal) e Débora de Alcântara Oliveira (Auxiliar Administrativo). O escritório fica à Rua Coronel Antônio Pereira, 400, sala 508, centro. O horário de atendimento é de segunda às sextas-feiras, de 09:00 às 12:00 e de 13:00 às 17:00 horas. O fone é (34) 3255-8868. O plantão de atendimento da nutricionista fiscal Adriana Picose é toda quarta-feira. O atendimento no escritório é destinado às empresas e profissionais. Picose destaca que, no dia do plantão, são esclarecidas dúvidas sobre o exercício da profissão, cadastro, registro, baixa temporária, inscrição secundária, transferência. Essas orientações, também, podem ser obtidas via telefone ou pelo e-mail: fiscalizacao@crn9.org.br Obs.: O denunciante não precisa se identificar, exceto em caso de denúncia ética, pois nesse caso é feita acareação. ANUIDADE 2010 Já estão disponíveis os carnês com a anuidade deste ano. Confira os valores! PESSOA FÍSICA Nutricionistas: R$ 278,24 Técnicos em Nutrição: R$ 139,11 FORMAS DE PAGAMENTO a) Em Cota Única, com vencimento até o dia 07/05/2010; b) em três parcelas mensais, com vencimentos em 05/02, 08/04 e 07/05/2010; c) com desconto de 10%, no caso do pagamento vir a ser efetuado, em cota única, até o dia 05/02/2010. PESSOA JURÍDICA Microempresas (conforme detalhamento na Resolução CFN 456/2009) e demais empresas enquadradas no regime tributário do SIMPLES: R$ 446,22. Demais Pessoas Jurídicas não incluídas acima, os valores abaixo, conforme a faixa de capital social: FAIXAS DO CAPITAL SOCIAL (EM REAIS). VALOR DA ANUIDADE (EM REAIS): Até R$10.000,00........................................... De R$10.000,01 até 50.000,00..................... De R$50.000,01 até R$200.000,00............... De R$200.000,01 até R$500.000,00............. De R$500.000,01 até R$900.000,00............. Acima de R$900.000,00................................ R$601,87 R$975,02 R$1.660,32 R$2.697,99 R$4.773,42 R$10.376,99 FORMA DE PAGAMENTO: a) EM COTA ÚNICA, com vencimento até o dia 08 de Abril de 2010; b) EM TRÊS PARCELAS MENSAIS, com vencimentos em 05 de Fevereiro, 05 de Março e 08 de Abril de 2010; c) COM DESCONTO DE 10% (dez por cento), no caso de o pagamento vir a ser efetuado, em Cota Única, até o dia 05 de Fevereiro de 2010. Informações: (31) 3226-8403 ou pelo e-mail crn9@crn9.org.br 7 Revista CRN9 Janeiro/Fevereiro/Março 2010

[close]

p. 8

Bate-papo Fiscalização no CRN9 tem foco na parceria Nutricionistas fiscais falam do aspecto orientador e para você o conceito de fiscalização está ligado à punição, está na hora de rever os conceitos. No CRN9, seguindo as orientações da Política Nacional de Fiscalização – PNF - do Conselho Federal de Nutricionistas - CFN), os procedimentos da fiscalização têm muito mais o significado de ser presença, apoio e incentivo aos profissionais de nutrição. Ancorada nas diretrizes previstas na PNF (Resolução n.360/05), as atividades acontecem através de visitas de orientação técnicas do exercício da profissão, visitas fiscais, análises de processos e apuração de denúncias. As fiscais ratificam que o Conselho faz da ação fiscalizadora, nas visitas e atendimentos, um momento de interação, crescimento profissional e interlocução com os setores da alimentação e nutrição. Nesta matéria, conversamos com as fiscais Ana Carolina Barbosa Ferreira, Eliane Azevedo Barros e Elisa Alves Dias, que atuam em Belo Horizonte. E, Adriana Picosse, que S assumiu recentemente os trabalhos na delegacia de Uberlândia. Elas falam do trabalho, dos desafios e, muito mais, das conquistas alcançadas em Minas Gerais com a instalação do Conselho no estado. Aspecto orientador-educativo Orientação ao profissional no ambiente de trabalho, contribuindo com a melhoria dos serviços prestados. É dentro deste espírito que Elisa Dias analisa a presença da equipe de fiscalização nas empresas e entidades visitadas. “Nosso trabalho é pautado no cumprimento da legislação profissional e da nutrição; bem como, informações e idéias necessárias para o bom desempenho da profissão”, aponta. A fiscalização objetiva a proteção da sociedade e do público atendido pelos profissionais e empresas de nutrição. Para isto, Elisa destaca que “ao ser encontrada alguma irregularidade são tomadas providências”. Ana analisa no mesmo sentido, “nosso trabalho é orientador, mas atuaremos de forma punitiva nos casos que assim necessitarem”. Eliane sintetiza “o Conselho não pensa só nos números e dados, na avaliação quantitativa e na obrigação da contratação do profissional”. E enfatiza “nossa preocupação maior é a qualidade do atendimento oferecido”. Reunião da Comissão de Fiscalização com a equipe de fiscais para avanços das ações em Minas Gerais Intensificar parcerias Um dos grandes alvos da fiscalização é aproximar profissionais, empresas e entidades dos parâmetros exigidos na política nacional para o bom atendimento no campo da nutrição. Observadas as prerrogativas legais, que elas sejam cumpridas. Ana afirma que seguindo este objetivo, “a fiscalização do CRN9 tem como prática orientar, no agendamento das visitas, sobre a PNF”. Porém, é preciso avançar o processo de conscientização mais amplo e efetivo dos profissionais e da sociedade. Neste sentido, Elisa sinaliza que uma das metas em 2010 é uma intensa ação de informação e formação, no que se refere às normativas de nutrição. “Em relação às empresas focadas na alimentação ou que tenham serviços na área, buscaremos aprofundar este processo através de material informativo”, afirma. O protagonismo pode vir também das empresas e entidades de procurar uma maior interlocução com o CRN9. O Trabalho da Comissão de Fiscalização A Comissão de Fiscalização - CF faz parte da estrutura dos CRNs e do CFN, e é composta por três conselheiros efetivos. O papel principal da CF é elaborar a política de fiscalização, incluindo a programação e supervisão das atividades do setor. No CRN9, CF é composta pelos conselheiros Beatriz Carvalho, que coordena a comissão, Fernando José Mandacaru e Heloisa Oliveira Magalhães. Para o ano de 2010, estabelecemos como prioridade ampliar a fiscalização do interior do estado. Pretendemos também intensificar a atuação na área de alimentação escolar, em função dos recentes avanços no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e da importância da nutrição na infância e adolescência, fases em que o programa incide. Dentro das metas para 2010, também está a elaboração de materiais de orientativos para profissionais e empresas e a realização de eventos em parceria com as Câmaras Técnicas de Nutrição Clínica, Saúde Pública e Alimentação Coletiva do CRN9. A fiscalização do exercício profissional é o objetivo principal dos Conselhos de profissões regulamentadas, sempre com o objetivo maior de garantir à sociedade serviços de qualidade e atuação ética. No CRN, através da fiscalização podemos acompanhar como os profissionais estão atuando, quais espaços estão conquistando, quais suas dificuldades. Essas informações orientam as ações do Conselho, ajudam a definir que áreas vamos priorizar, que retorno daremos às escolas de nutrição em relação à formação, quais políticas públicas precisamos fortalecer. Além disso, a visão orientadora e educativa é um avanço, em relação à atuação mais punitiva de outros órgãos de fiscalização. Buscamos sensibilizar e orientar os profissionais para uma atuação ética, tecnicamente qualificada e comprometida com a qualidade de vida dos cidadãos. A ação da fiscalização se dirige também aos gestores e empregadores, sensibilizando-os para a importância e o retorno positivo que terão com a presença dos profissionais de nutrição. Tudo resulta em qualidade de vida para a população e valorização profissional. Parabéns à equipe de fiscalização do CRN9 pela dedicação e compromisso! Beatriz Carvalho Coordenadora da CF e vice-presidente do CRN9 Conselho Regional de Nutricionista - 9ª Região 8

[close]

p. 9

Bate-papo Sendo prestadores de serviços em alimentação, Ana defende que “a prática da aproximação com o Conselho pode partir do empresário ou gestor da unidade”. E vai além, “as ações de parceria não devem se concentrar na regularidade de funcionamento”, explica. A fiscal cita o exemplo da Stillus Alimentação e Puras do Brasil. “Ambas solicitaram a realização de palestras para entenderem o papel e atuação do conselho”, comenta. Avanços e desafios Todas as fiscais avaliam que a criação do CRN9 e o fortalecimento da delegacia do Conselho na cidade de Uberlândia possibilitam a valorização do profissional de nutrição. Neste aspecto, Elisa fala com orgulho do trabalho da fiscalização. “Ter um Conselho de Minas Gerais é um grande avanço para a categoria”, afirma. E comenta, “nosso estado é grande. Somando-se a isto, o aumento dos cursos de graduação em nutrição e técnicos de nutrição e dietética nos últimos 10(dez) anos”. Sendo mais de 6.000 (seis mil) profissionais, Eliane fala que o Conselho representa em Minas “um espaço de acolhida, reconhecimento e fortalecimento da ação do nutricionista“. Olhando a dimensão do estado, Ana descreve que os desafios são muitos em relação à fiscalização. “Tivemos um grande avanço no ano de 2009, ampliamos as visitas de interiorização e de orientação técnica em diversas cidades”, comemora. Ela fala das metas em 2010, “a intenção é ampliar o atendimento no estado”. O dia-a-dia Seguindo as normativas nacionais, a fiscalização do CRN9 tem se concentrado nas áreas de nutrição clínica, produção de refeições, saúde coletiva, alimentação escolar e Instituições de Longa Permanência de Idosos – ILPIs. As fiscais Ana, Elisa e Eliane falam do seu dia-a-dia. Elisa explica que tudo começa com a verificação da existência ou não de profissional nutricionista nas empresas e instituições. “Identificado o profissional, o CRN9 entra em contato para marcar uma visita de orientação técnica”, detalha. Na visita são feitas todas as orientações com o objetivo de que a entidade visitada atenda bem às necessidades do público destinatário. Não tendo o profissional, é cobrado da empresa a contratação do nutricionista. Todo o trabalho é orientado por um roteiro preenchido pelas fiscais. Este documento, que está disponível no site do CRN9 para consulta às questões específicas e características do local a ser fiscalizado. Ana esclarece que “os roteiros de fiscalização estão embasados na legislação vigente, principalmente nas resoluções 380 e 358 do CFN, que detalha as atribuições do profissional nas diversas áreas. Nutrição Clínica Em relação à nutrição clínica, um dos grandes desafios é o atendimento nos hospitais. “Nestes estabelecimentos temos, em geral, um quadro técnico deficiente” pondera Ana. Para a fiscal, “esta realidade acaba prejudicando o trabalho do nutricionista”, E argumenta “a presença do nutricionista no ambiente clínico é importante para a recuperação da saúde do paciente”. O CRN defende o atendimento completo, integral e de boa qualidade, com participação ativa do nutricionista na equipe multiprofissional. Seguindo este caminho, a fiscal Elisa detalha que a fiscalização do CRN9 busca saber “como está organizada a assistência, como o nutricionista identifica os pacientes ou clientes que ele acompanha, e como é feito o acompanhamento”. Seguindo as atribuições previstas pelo CFN, o trabalho do profissional é intenso e amplo. Elisa cita que “o nutricionista deve avaliar o paciente, definir o diagnóstico nutricional, fazer a prescrição dietética, registrar no prontuário e acompanhar periodicamente o caso, até o momento da alta hospitalar, quando irá orientar o paciente e familiares”. O nutricionista clínico precisa também interagir os colegas do Serviço de Nutrição e Dietética. Saúde Coletiva A “saúde coletiva”, outra área de atuação do nutricionista, acontece em diversos órgãos públicos. Nesta área, as fiscais avaliam ser necessária maior investida do processo de fiscalização. Também, falta maior atenção dos pode- res públicos com o atendimento profissionalizado para as áreas de alimentação de nutrição. Elisa fala da importância desta ação para toda a sociedade. “Em muitos municípios, por exemplo, existem os grupos de acompanhamento a diabéticos com foco na promoção e assistência à saúde, cita. Lembra, também, da criação dos Núcleos de Atenção à Saúde da Família (NASFs). E defende “a presença do nutricionista, nestes espaços é imprescindível, como um elemento promotor da saúde”. “A realidade tem melhorado, mas não é suficiente”, destaca Elisa, falando da realidade dos municípios mineiros. Considerando o cenário de atuação, o profissional é capaz de ser propositivo. Neste sentido, Elisa aponta que “o nutricionista é capaz de participar de programas e políticas públicas.” Para 9 Revista CRN9 Janeiro/Fevereiro/Março 2010

[close]

p. 10

Bate-papo isto, ela é enfática “ele precisa interagir com outras secretarias e outros setores para promover a saúde e melhorar a qualidade de vida da população. E cita o exemplo desta atuação “o profissional pode interagir com a secretaria de esportes e propor uma ação de combate ao sedentarismo, obesidade e doenças degenerativas etc.” A fiscal Eliane avalia que é bem precário no quadro dos municípios a presença do nutricionista. “O poder público deve pensar na contratação do nutricionista como elemento fundamental na prevenção de doenças e promoção da saúde com redução dos gastos públicos”, defende. Toda cidade deve cuidar da sua população, priorizando vida saudável e atendimento qualificado. Assim, Ana esclarece que boa parte dos avanços a saúde coletiva deve “passar por uma questão de consciência do gestor público”. E por outro lado, o CRN tem incentivado que a sociedade exija a atenção integral à saúde, incluindo assistência nutricional, como um direito. A pressão da população pela presença dos diversos profissionais de saúde no município é fundamental para sensibilizar os gestores. a fiscalização, “nós orientamos sobre o planejamento do cardápio, a avaliação nutricional dos alunos, o trabalho educativo nas escolas e de como o nutricionista participa do processo de licitação para aquisição de gêneros e especificação de fornecedores”, expõe. Além destes, os profissionais são orientados a ter o Centro Colaborador de Alimentação Escolar – CECANE) e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE como referências para a alimentação escolar. Alimentação Escolar As fiscais falam da obrigatoriedade do nutricionista no Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE). Ana fala da legislação. “Temos a Lei federal 11.947 de 16 de junho de 2009 já em vigor. E, neste ano, começará a vigorar, em Minas Gerais, a lei 18.372, em 04 de setembro de 2009”, esclarece. A Lei federal trouxe várias melhorias ao PNAE. Já a Lei estadual prevê que as cantinas escolares públicas e particulares comercializem alimentos saudáveis. Elisa explica que além de exercer A nova lei do PNAE aponta outro aspecto inovador. Trata-se da compra direta de produtos da agricultura familiar e de suas organizações. Esta ação exigirá dos nutricionistas uma maior articulação com esses setores produtivos. Fiscalização no Triângulo Mineiro A nutricionista fiscal Adriana Picosse assumiu as atividades na Delegacia da cidade de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, no mês de setembro de 2009. Picosse tem pautado seu trabalho no acompanhar e esclarecer profissionais e empresas. “Meu trabalho é definido na forma de consultoria técnica, com o intuito de orientar os profissionais, visando à melhoria contínua da qualidade do serviço prestado à sociedade, já que esse é um dos objetivos da Política Nacional de Fiscalização do Sistema CFN/CRN”, define a nutricionista. Seguindo as áreas de atuação da fiscalização (alimentação coletiva, saúde coletiva, nutrição clínica e alimentação escolar), Picosse esclarece que “as visitas concentram na solicitação de nutricionista responsável técnico, registro ou cadastro de empresas e apuração de denúncias na região do Triângulo Mineiro”. O otimismo é grande com o trabalho desenvolvido, ela fala que já é intensa a ação de interiorização da fiscalização na região. E cita “já visitamos as cidades de Araxá, Uberaba, Ibiá, São Gotardo, Perdizes, Pedrinópolis, Santa Juliana, Nova Ponte e Araguari”. Picosse avalia que a criação da Delegacia na região é uma grande conquista para os profissionais da re- Plantões da Fiscalização Sede Belo Horizonte: NUTRCIONISTA FISCAL Ana Carolina Barbosa Ferreira Eliane Azevedo Barros Elisa Alves Dias DIA Segundas-feiras Terças-feiras Quintas-feiras Delegacia Uberlândia:   NUTRCIONISTA FISCAL Adriana Rabelo de Sousa Picosse  DIA Quartas-feiras Contato: E-mail: fiscalizacao@crn9.org.br Fiscalização: Ações realizadas gião do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. A localização geográfica mais próxima dos profissionais possibilita um vínculo maior com o Conselho. Neste sentido, a nutricionista fiscal Adriana Picosse avalia “os nutricionistas percebem a importância de ter um conselho atuante, que está lutando para buscar maior espaço no mercado de trabalho para os profissionais”. Completando, ela destaca “também para otimizar a assistência prestada à população, contribuindo, assim, para a segurança alimentar e nutricional dos indivíduos”. VISITAS Realizadas com agendamento Realizadas sem agendamento TOTAL TOTAL 428 82 510 Atendimentos efetuados TIPO Telefônico Pessoal Eletrônico (E-mail) TOTAL TOTAL 2082 266 2758 5106 Conselho Regional de Nutricionista - 9ª Região 10

[close]

p. 11

ponto positivo Um almoço “Bem Natural” Qualidade nutricional é referência na região metropolitana de BH “Seja teu alimento o teu remédio e seja o teu remédio o teu alimento”. Esta frase do pensador grego Hipócrates orienta a prática do Bem Natural (BN) no cuidado com a alimentação de seus clientes. Opções que vão desde o almoço passando pelo lanche, sopas e mercearia. Nesta matéria, conversamos com Aldeilde Villas Boas - pedagoga empresarial e proprietária do restaurante e a nutricionista supervisora Virgínia Leão. Criado há 15 anos pelos irmãos Villas Boas, a rede de restaurantes é reconhecida pela qualidade e segurança alimentar oferecida à população de Belo Horizonte. Com quatro unidades espalhadas na capital (Centro, Barro Preto, Mangabeiras e Savassi), o Bem Natural tem uma equipe de 05 (cinco) nutricionistas Carolina Sampaio, Raquel Salim, Thaciany Conceição, Fabiane Capel e a supervisão de Virgínia Leão. Um caso de família “Minha mãe que sempre colocou prazer no ato produzir a comida e colocála à mesa” foi a grande responsável pelo surgimento do BN, argumenta Adeilde Villas Boas. Ela relata que teve uma infância marcada pelo prazer da reunião em família para o momento de alimentação. “Todos tínhamos que estar reunidos em volta da mesa, meu pai fazia uma oração e depois disto a gente comia”, rememora. Unindo-se a esta prática familiar, ela conta que outra influência foi do irmão, que teve intervenção direta na forma de alimentar. “Meu irmão mudou radicalmente sua alimentação quando um filho apresentou um nódulo no pescoço”, comenta. As mudanças do irmão e do sobrinho tiveram relações direta com a busca por comer bem. De lá prá cá, o irmão mudou hábitos alimentares pessoais, influenciou a família. Realidade esta que Adeilde afirma, da fala do irmão, “ele sempre dizia querer ensinar as pessoas a comer, ter saúde, ter prazer, ter longevidade etc”. Foram conceitos e ingredientes como de encontro fraterno, da satisfação de se alimentar e da consciência de saúde que, também, contribuíram para o surgimento do BN. Saúde vai à mesa Fazer alimentos e oferecê-los à sociedade é um gesto que, no Bem Natural, está carregado de bons adjetivos. Virgínia Leão sintetiza “oferecemos saúde”. E ela explica argumentando “através de comida gostosa, bem feita, saudável e que dê prazer de comer”. Se a qualidade é um requisito a todo momento, ela vem agregada ao clima interno das unidades. O bem-estar começa na dinâmica de trabalho, para se estender para o atendimento ao público. “Queremos funcionários satisfeitos, para acolher bem ao cliente”, declara a proprietária. Adeilde fala que fazer bem feito é uma questão de consciência reinante no BN. “O cliente não está vendo o que você está fazendo, e ele quer ter a certeza de que você faz coisas boas para ele”, explica que esta é a filosofia do restaurante. No sentido prático, Virgínia fala que no BN não se poupa nos procedimentos de qualidade. “Nossa manipulação de alimentos e o seu preparo é seguro”, garante a nutricionista. Além destes quesitos, ela enfatiza “utilizamos o óleo correto, pouca gordura, sal marinho – que é mais natural”. Acrescentando, ela lista ingredientes “damos preferência ao assado, acrescentamos ingredientes como nozes, gergelim, linhaça etc. O que Virginia diz ser “trocas que o BN faz para tornar a alimentação mais saudável”. A importância do nutricionista Clientes sentem satisfação com a presença do nutricionista nas unidades do BN. Esta é a constatação de Adeilde. “O profissional de nutrição inspira confiança, é visto como sério, e quer fazer bem feito o seu trabalho”, são dados percebidos pela proprietária. Já Virginia vê o nutricionista como um elemento de marketing das empresas de alimentação. A presença ativa nos restaurantes forma uma imagem positiva do estabelecimento. Para os que ainda não contam com a presença do nutricionista, ela defende “os donos de estabelecimentos devem ter o profissional em tempo integral e utilizar os pontos fortes em favor da unidade comercial”, pontua como elemento extremamente positivo. A realidade do mercado de trabalho é outro ponto comentado. Virgínia afirma que “no restaurante, o nutricionista é gestor, líder e gerente”. O profissional deve ter olhares mais abrangentes. “Ele precisa entender tanto da micro quanto da macro economia”, é apontado por Adeilde em relação à experiência do BN. Ela fala de dados práticos “aqui, além da questão alimentar, o profissional está ligado às questões de sanitização, administração financeira, vigilância sanitária, condições de segurança das unidades, saúde pública”, enumera a proprietária. A supervisora nutricionista do BN reconhece o perfil gerencial exigido, mas fala, apesar dos desafios, com otimismo da realidade do mercado de trabalho. “É uma área em expansão, e precisamos ser percebidos como peças chaves no atendimento à alimentação”. Neste sentido, ela fala da necessidade de formação constante em cursos, palestras, seminários etc. E, conclama “para nossa profissão crescer, nós, nutricionistas precisamos nos unir e positivar nossa imagem sempre”. Conheça o Restaurante Bem Natural Site: www.bemnatural.net 11 Revista CRN9 Janeiro/Fevereiro/Março 2010

[close]

p. 12

ponto positivo Envelhecer com qualidade de vida Nutricionistas garantem cuidado nutricional em instituições de idosos O Brasil é um país que amplia suas ações, políticas públicas e sociais para a qualidade de vida às pessoas da terceira idade. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nosso país tem mais de 21 milhões de pessoas acima dos 60 anos. Isto corresponde a um contingente populacional que vem crescendo significativamente. Dentro do princípio de atenção alimentar, os nutricionistas Cristiane Alves e Luciano Senna desenvolvem seus trabalhos, respectivamente, nas Instituições de Longa Permanência de Idosos (ILPIs) Recanto Feliz Idade e Conviver. O acompanhamento da qualidade nutricional é certeza de um envelhecimento saudável. Nutrição Preventiva Cristiane e Luciano têm em comum a atenção à qualidade nutricional nas entidades onde atuam. A nutrição é vista pelos profissionais como importante no quadro de vida saudável dos idosos. Alves ressalta “a prevenção de doenças, a proteção e a promoção do bem estar dos idosos”. Concordando, Senna atribui ao trabalho, como nutricionista, o aspecto preventivo de algumas degenerações. “Nosso trabalho permite avaliar alguma carência nutricional dos pacientes”. Neste sentido, o nutricionista da Conviver explica “adequamos dieta que favoreça ao melhor estado do paciente”. Senna, que tem especialização em reabilitação do idoso e nutrição clínica, avalia que o nutricionista, numa ILPI, deve estar atento às alterações fisiológicas decorrentes da carência nutricional. Para Alves, o profissional vai compreender as inúmeras peculiaridades do público atendido. “Cada idoso tem necessidades únicas, de modo que as recomendações dietéticas são individualizadas, fornecendo assim nutrientes como os carboidratos, proteínas, lipídeos, sais minerais e vitaminas nas quantidades adequadas”, enumera as ações na ILPI Recanto Feliz Idade. Educação Nutricional Ações de educação e reeducação alimentar estão presentes nas IPLIs Conviver e Recanto Feliz Idade. Alves conta que são realizadas atividades de educação nutricional com aulas explicativas de culinária. Ela cita os trabalhos que são feitos com a pirâmide alimentar. A partir dele, “os idosos pintam, fazem desenhos, colorem frutas, verduras e legumes etc.”, aponta. Além destes, na ILPI onde atua, “são elaborados cartazes com informações nutricionais, promovidos eventos em datas comemorativas com cardápios atrativos e que ofereçam novos sabores”. Senna explica que na Conviver são desenvolvidas diversas oficinas. “Trabalhamos oficina de memória, de voz, terapia ocupacional etc. Tudo isto para manterá cognição dos idosos”, enfatiza. No que se refere à nutrição, toda quarta-feira, ele faz um bate-papo sobre alimentos. Junto disto, cita Senna, “fazemos oficinas sobre o valor nutritivo de cada alimentos, trabalhamos a pintura deles etc. Ele exemplifca “ temos uma pirâmide alimentar que foi pintada por nossos pacientes etc. Atuar numa ILPI Paixão e envolvimento no que faz. Estas afinidades que Senna e Alves ponderam como fundamentais para quem deseja atuar numa ILPI. Estando há 05 (cinco) anos à frente da nutrição na Conviver, Senna sugere “o principal atributo é gostar, não dá para fazer isto aqui sem gostar de trabalhar com idosos”, ressalta. Ele acrescenta que o profissional deve fazer o caminho da qualificação. “Buscar se capacitar, fazer estudos constantes nas temáticas ligadas aos idosos”, são alguns dos pontos defendidos por Senna. Resultado da dedicação, Alves fala que do resultado do seu trabalho na Recanto Feliz Idade. “É gratificante, uma realização que a gente vê refletida no acompanhamento e evolução diária dos idosos” comemora. Avaliando o trabalho desenvolvido e a conjuntura da terceira idade, Alves pondera que “o acompanhamento multidisciplinar e, neste, envolvendo o nutricional é preponderante num país como o Brasil, em que cresce o número de idosos consideravelmente”. Ela defende que é preciso trabalhar em equipe, de forma ativa e preventiva. “Antes que o paciente atinja um estado crítico de desnutrição, disfagia, anorexia, seguida de depressão sendo submetidos à internação hospitalar ou atendidos em regime ambulatorial, sobrecarregando, assim, o Sistema Único de Saúde (SUS). Ele deve ter a intervenção dos profissionais”, destaca a nutricionista. Senna concorda. Para ele, a visão, e, consequentemente, a intervenção multiprofissional é fundamental para a atenção do que pode ser evitado ou readequado. Ele fala da experiência no CONVIVER. “Trabalhamos em equipe no objetivo de recuperar o estado nutricional; consequentemente, para mais força muscular e disposição do idoso”. “E temos conseguidos bons resultados”, constata. Conselho Regional de Nutricionista - 9ª Região 12

[close]

p. 13

ponto positivo Depoimentos A Importância Do Nutricionista Nas Ilpis “Nós, do CONVIVER, estaríamos perdendo muito sem a presença do profissional de nutrição. A presença dele é importantíssima para um trabalho diferenciado em todos os sentidos. O nutricionista contribui na compra dos alimentos, na dieta adequada e combinação dos alimentos, na forma como estão sendo acondicionados na higiene, no trabalho junto à equipe de cozinha. E o mais importante, o acompanhamento de perto, para sentir o desenvolvimento do idoso.” Mary Oliveira Barbosa Andrade Enfermeira com especialização em gerontologia e sóciaproprietária da ILPI Conviver “No Recanto Feliz Idade, prezamos pela vida ativa do idoso. Queremos que a pessoa na terceira idade seja estimulada, viva um processo de maior socialização, tenha saúde e bem-estar etc. Neste sentido, a nutrição interfere diretamente no quadro de saúde dos nossos pacientes promovendo sua longevidade. Assim, num comparativo de hoje, com quando não tínhamos nutricionistas, avalio que as idosas estão mais bem dispostas. O profissional de nutrição dá mais segurança ao trabalho de nossa instituição - no atendimento diferenciado, personalizado e qualificado.” Fernanda Staino Costa Psicóloga e sócioproprietária da ILPI Recanto Feliz Idade Informações: Instituição Conviver – Espaço de Integração da Melhor Idade Ltda Site: www.conviverbh.com.br Instituição Recanto Feliz Idade Site: www.recantodafelizidade.com.br Empresa prioriza educação nutricional Nutricionista trabalha na promoção da saúde dos trabalhadores Alimentação conjugada com saúde Todos os dias, a nutricionista se dedica na preparação do cardápio a ser servido. A alimentação da empresa está alicerçada em dados que promovam a saúde dos empregados. Bento explica que a pratica do Restaurante da ArcelorMittal é a atenção voltada para o bem estar do trabalhador. Trata-se de “uma refeição simples, balanceada e com muita qualidade”, argumenta. A nutricionista fala da dinâmica que norteia o seu trabalho. “Procuramos adequar os cardápios ensando na atenção nutricional e na segurança alimentar de seus funcionários, a ArcelorMittal Aços Longos - empresa do ramo de siderurgia - investe firmemente no restaurante de coletividade, de sua unidade localizada em Sabará, região metropolitana de Belo Horizonte. À frente dos trabalhos de gerência nutricional oferecidos está a nutricionista e especialista em gestão de negócios Luciana Cristina Bento. Ela comenta os benefícios que a iniciativa da empresa traz para os seus colaboradores. “O conforto para o funcionário que não precisa preparar a alimentação em casa, trazer para o trabalho, esquentar, etc., a questão de higiene do ponto de vista do local adequado para realização das refeições e, é claro, a preocupação nutricional, proporcionando dietas balanceadas”, são pontos destacados por Bento. P ao gosto e hábitos dos consumidores, além de alinhar com o Programa Nutricional, desenvolvido em conjunto com a Medicina do Trabalho da Unidade”, atesta. A preocupação com a consciência da alimentação saudável é constante na unidade. Para isto são desenvolvidas ações educativas e pedagógicas. Bento cita a campanha; com o envolvimento da medicina do trabalho, gestor do contrato e Grupo de Soluções em Alimentação (GRSA) - para promovermos a retirada da oferta de refrigerantes. “Achamos que seria problemático devido à mudança de hábitos, mas foi muito bem aceito”, comemora. Ela comenta o ganho com os funcionários. “Hoje, acredito que eles nem se lembram que um dia tiveram refrigerante livre no horário da refeição”, declara. Bento ressalta uma questão como profissional de nutrição, “preocupo-me bastante em fornecer uma alimentação saudável, saborosa e 13 Revista CRN9 Janeiro/Fevereiro/Março 2010

[close]

p. 14

ponto positivo visualmente bem apetitosa”. Ela complementa “tenho o princípio de que podemos comer de tudo, moderadamente, pois, no dia-a-dia, com tanta oferta de guloseimas, não devemos privar as pessoas na hora de alimentar. E acrescenta “devemos ensiná-las a moderar. Podemos comer de tudo um pouco, não tudo de uma só vez ou todos os dias” Educação alimentar na empresa A gerente de nutrição comenta que ações educativas são permanentes. “Temos na entrada do restaurante um quadro de avisos onde afixo semanalmente dicas nutricionais, os benefícios de alguns alimentos, enfim, campanhas nutricionais”, aponta. Também, ela cita que anualmente “a ArcelorMittal Sabará promove o dia de Saúde e Segurança. Nesse dia a GRSA é convidada a participar realizando alguma palestra”. Também “são ofertados nesses dias alguns pratos saudáveis diferenciados, frutas pouco conhecidas que não fazem parte do dia-a-dia, saladas mais elaboradas”, explica. Bento fala do incentivo para que as boas práticas sejam constantes. “Tentamos cultivar e incentivar as pessoas a levarem a idéia para casa. Nesse último ano a empresa em Sabará ofereceu também as esposas dos funcionários um curso de alimentação viva”, comenta do amplo trabalho com foco na nutrição saudável. No caso de diabéticos, hipertensos, cardíacos, Bento explica que há atenção específica a este público. “Embora a demanda seja pequena,ofertamos todos os dias uma opção de suco sem açúcar, frutas, além de termos quatro opções de saladas”, fala dos cuidados alimentares. A gerente comenta que, nestes casos, conta com a medicina do trabalho. “Estas situações são trabalhada numa parceria, ou seja, o médico do trabalho fala comigo, e eu customizo alternativas específicas de alimentação”, explica. Nutrição em equipe “Meu dia-a-dia é bastante dinâmico”, foi o que a nutricionista gerente disse quando perguntamos sobre sua rotina frente ao Restaurante da Arcelormittal. Ela faz questão de destacar o trabalho cooperativo. “Tenho uma ótima equipe formada por nove colaboradores da GRSA, sendo um deficiente da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE- de Sabará e uma jovem aprendiz da Associação de Ensino Social Profissionalizante - Espro”, destaca. Voltando ao dia-a-dia da profissional, ela explica “no inicio de todas as manhãs reunimos e discutimos algum assunto sobre alimentação e nutrição “seja no Dialogo Diário de Segurança, no Dialogo Diário de Qualidade, ou, mesmo alguma ocorrência do dia anterior”, comenta que tudo isto é para melhora do atendimento. Aproximando às 10h 45 min., Bento explica que a equipe começa a servir o almoço. “Diariamente fico uma boa parte do tempo na distribuição, acompanhando e conversando com os comensais. Aqui na ArcelorMittal, “realizamos trabalhos voltados para satisfação do cliente e acompanhamento de sobras”, comenta. Ela explica que o processo é participativo. “Na saída do restaurante tem painel de votação e uma catraca interligados, todas as pessoas necessitam votar”, exemplifica . Bento explica que “nesse painel existe os parâmetros ruim, regular, bom e ótimo”. Ela fala entusiasmada “graças ao trabalho de todos da equipe e o acompanhamento diário, estamos acima da meta”. E reconhece “os trabalhadores da empresa entendem e colaboram com sugestões, pois sabem que estamos sempre buscando excelência em melhorias dos serviços prestados, e devido ao contato direto e fácil, vem nos possibilitando o retorno rápido”. A Importância do Restaurante para os Funcionários “Considero os aspectos abaixo como mais importantes para a investida da ArcelorMittal: a) Preocupação com a segurança alimentar; b) Preocupação nutricional voltada ao fornecimento de uma dieta balanceada; c) Conforto para o funcionário eliminando a necessidade de preparação antecipada da refeição em casa e trazê-la para o trabalho; d) Condições de higiene, considerando-se o local de trabalho e local adequado para realização das refeições. e) Relação custo benefício tanto para a empresa quanto para o funcionário, levando-se em consideração os benefícios do PAT; Acredito que a existência de um local adequado e uma refeição de qualidade são itens fundamentais para o bem estar dos funcionários, refletindo diretamente na sua produtividade e melhoria do clima organizacional. A Importância do Nutricionista no Restaurante “É de fundamental importância a presença e supervisão do profissional de nutrição. Ele é a pessoa capacitada para fazer o acompanhamento nutricional da melhor forma possível, com a responsabilidade cuidar para que as atividades sejam executadas dentro dos mais rigorosos padrões de higiene, e garantir que os mais elevados padrões nutricionais sejam praticados. Ronaldo Ramos Silva ArcelorMittal Sabará Gerência de Trefilação Indústria Conselho Regional de Nutricionista - 9ª Região 14

[close]

p. 15

idéias A iniciativa empreendedora de uma nutricionista D o serviço de atendimento em consultório a um produto com foco na educação nutricional infanto-juvenil. A experiência clínica de Ana Cristina Meyer Pires Resende, nutricionista e especialista em gestão de negócios, foi determinante para gerar nela uma inquietação empreendedora. A vivência com crianças contribuiu para o surgimento dos jogos pedagógicos Come Bem e Nutricard. Os brinquedos, como a nutricionista que os criou diz, têm o objetivo de estimular a alimentação saudável de crianças e adolescentes. Como surgiu a idéia Pires Resende comenta que tudo começou no ano de 2004, quando explicava para uma criança de 07 (sete) anos os hábitos alimentares saudáveis. “Ele vinha ao meu consultório toda semana, e quando voltava, o menino esquecia tudo”, explica a nutricionista. Aquela situação a incomodou. “Imaginei, não é possível, está acontecendo algum problema, ou eu estou falhando.” As preocupações levaram-na a pensar, num primeiro momento, em escrever um livro. “A intenção era que a criança levasse para casa e voltasse para mim”, diz Pires Resende. Mas, havia um desafio “o menino estava aprendendo a ler. Lia com muita dificuldade, e não entendia”, comenta. Experiências, análises e adaptações, a profissional chegou à conclusão que o livro não era compatível com o momento cognitivo da criança. Daí, ela pensou no jogo educativo. “Fiz uma pesquisa de mercado para ver o que tinha na área. E não vi nenhum jogo que fosse interessante e ensinasse nutrição”, aponta. No princípio, o jogo tinha um formato básico. “Pesquisei na internet, organizei figuras e desenvolvi a proposta em cartolina”, explica. A comercialização Iniciativa pronta. É hora do teste. A profissional decide interagir com a criança. “Quando o menino voltou, eu disse a ele, agora nós vamos jogar”, cita Pires Resende. A atitutude da criança foi instantânea. “Ela amou, ia embora, voltava e se lembrava, porque aprendeu mesmo”, constata. Outro detalhe que a nutricionista conta é que “a criança sempre pedia para levar o jogo para a escola”. Somando-se a este, ela fala da intervenção da família. “A mãe dele quis conhecer, dizendo que o menino só falava no jogo”. Percebendo a importância da criação educativa, a mãe do garoto incentiva Pires Resende à comercialização do produto. “Muito bacana, porque você não produz os jogos para a venda”, comenta sobre o diálogo ocorrido. Da conversa, veio a idéia. A nutricionista relata que tudo começou aí. Deste momento, ela melhorou o produto, aperfeiçoou e lançou o Come Bem (para criança a partir de 08 anos). Já o baralho Nutricard começou com a indagação de uma mãe, que conhecendo o Come Bem, fez contato com a nutricionista. Na conversa, ela disse necessitar de algo para criança bem pequena, e que não sabia ler, conta a nutricionista. Deste momento, Pires Resende começou a ler muito e pesquisar, dando vida ao Nutricard (para criança a partir de 04 anos). Benefícios didático-pedagógicos Se a criança tem dificuldade em se alimentar, é preciso explorar alternativas. Não se pode ter como prática a “forçação de barra”. Neste sentido, os jogos podem contribuir, de forma prazerosa, para as possibilidades de uma boa refeição. A nutricionista ilustra “no momento em que a criança lê, vivência, brinca como o jogo, ela assimila mais, consequentemente é estimulada uma melhor alimentação”. “É tudo uma questão de trazer para a forma lúdica a importância de comer bem”, sintetiza Pires Resende sobre os benefícios. Além da nutrição, a criadora do Come Bem e Nutricard fala de outras áreas agregadas nos jogos que contribuem para o desenvolvimento infantojuvenil. Trata-se de uma diversão coletiva. Ela comenta “o jogador tem que jogar com outras crianças, tem a questão de estar em grupo, aprender em grupo”. Em relação à matemática, ela enumera que, “no Come Bem, meninos e meninas lidam com dinheiro, tem que dar troco, saber diminuir etc”. Também, a leitura. E não para por ai, o jogo estimula a partilha e a solidariedade. “A criança que tem mais reparte ou doa a quem não tem ou tem menos alimentos. É uma brincadeira que ensina a repartir”, argumenta a nutricionista. Outro aspecto do jogo apontado por ela são os cuidados com a higiene. “Tem uma parte do jogo que as crianças são estimuladas a lavar as mãos, escovar os dentes”, fala a nutricionista entusiasmada com a criação. Junto destes, também é incentivada a prática de esportes. Educar para alimentação Todo processo de mudança tem na conscientização seu grande aliado. Pires Resende percebeu nas investidas do Come Bem e Nutricard que a base está na educação. “Pais, escolas, governos e sociedade podem estimular às crianças e adolescentes a fazerem este caminho do acesso ao conhecimento”, defende. Para ela “se for trabalhado, a criança aprende desde cedo o que é alimentação saudável na escola ou em casa”. A nutricionista se entusiasma “logicamente vai levar isto para a vida toda”. Para ela, a família tem papel importante na contribuição para uma geração mais saudável. “Os pais podem e devem interagir junto com as crianças”, estimula. O papel dos governos na agenda das políticas públicas deve ser constante. No caso da alimentação, ela salienta que “governos devem incentivar a educação alimentar desde o maternal”. E arremata “este é um aspecto preventivo, e que reduz o custo da saúde pública”. RECEITA DO EMPREENDEDORISMO Perguntamos a Ana Cristina Meyer Pires Resende sobre o que é preciso para ser um nutricionista empreendedor. Ela listou os seguintes ingredientes: ● Coragem; ● Determinação; ● Autoconfiança; ● Não ter medo; ● Dose de criatividade. Contatos: Come Bem e Nutricard Ana Cristina Meyer Pires Resende Home Page: www.virtualsaude.com.br VOCÊ TEM OU CONHECE ALGUMA INICIATIVA OU EXPERIÊNCIA EXITOSA E EMPREENDEDORA NA ÁREA DE NUTRIÇÃO? O CRN9 quer saber! Entre em contato conosco pelo e-mail crn9@crn9.org.br ou pelo fone: (31) 3226-8403 15 Revista CRN9 Janeiro/Fevereiro/Março 2010

[close]

Comments

no comments yet