Esboços Bíblicos de Salmos - C. H. Spurgeona.pdf

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

nossos e-books são disponibilizados gratuitamente com a única finalidade de oferecer leitura edificante a todos aqueles que não tem condições econômicas para comprar se você é financeiramente privilegiado então utilize nosso acervo apenas para avaliação e se gostar abençoe autores editoras e livrarias adquirindo os livros semeadores da palavra e-books evangélicos esboços bíblicos de salmos c h spurgeon sumário clique para ir ao capítulo prefÁcio prefÁcio do autor salmo 1 salmo 2 salmo 3 salmo 4 salmo 5 salmo 6 salmo 7 salmo 8 salmo 9 salmo 10 salmo 11 salmo 12 salmo 13 salmo 14 salmo 15 salmo 16 salmo 17 salmo 18 salmo 19 salmo 20 salmo 21 salmo 22 salmo 23 salmo 24 salmo 25 salmo 26 salmo 27 salmo 28 salmo 29 salmo 30 salmo 31 salmo 32 salmo 33 salmo 34 salmo 35 salmo 36 salmo 37 salmo 38 salmo 39 salmo 40 salmo 41 salmo 42 salmo 43 salmo 44 salmo 45 salmo 46 salmo 47 salmo 48 salmo 49 salmo 50 salmo 51 salmo 52 salmo 53 salmo 54 salmo 55 salmo 56 salmo 57 salmo 58 salmo 59 salmo 60 salmo 61 salmo 62 salmo 63 salmo 64 salmo 65 salmo 66 salmo 67 salmo 68 salmo 69 salmo 70 salmo 71 salmo 72 salmo 73 salmo 74 salmo 75 salmo 76 salmo 77 salmo 78 salmo 79 salmo 80 salmo 81 salmo 82 salmo 83 salmo 84 salmo 85 salmo 86 salmo 87 salmo 88 salmo 89 salmo 90 salmo 91 salmo 92 salmo 93 salmo 94 salmo 95 salmo 96 salmo 97 salmo 98 salmo 99 salmo 100 salmo 101 salmo 102 salmo 103 salmo 104 salmo 105 salmo 106 salmo 107 salmo 108 salmo 109 salmo 110 salmo 111 salmo 112 salmo 113 salmo 114 salmo 115 salmo 116 salmo 117 salmo 118 salmo 119 salmo 120 salmo 121 salmo 122 salmo 123 salmo 124 salmo 125 salmo 126 salmo 127

[close]

p. 3

salmo 128 salmo 129 salmo 130 salmo 131 salmo 132 salmo 133 salmo 134 salmo 135 salmo 136 salmo 137 salmo 138 salmo 139 salmo 140 salmo 141 salmo 142 salmo 143 salmo 144 salmo 145 salmo 146 salmo 147 salmo 148 salmo 149 salmo 150 prefÁcio quanto mais se lê e estuda spurgeon tanto mais se enche de admiração por este pregador dos tempos notavelmente dotado em sua admirável biografia the shadow of the broad brim a sombra do chapéu de aba larga o dr richard ellsworth day nos dá uma fartura de relances íntimos sobre sua vida que é a vida de um dos gigantes espirituais de deus antes de sua morte spurgeon havia lido o peregrino uma centena de vezes todo o seu estilo literário foi poderosamente influenciado por joão bunyan ele tinha apenas um propósito na vida pregar a cristo em toda a sua glória e poder ele não poupou o tipo de ministro de reuniões elegantes quando disse acautele-se de andar correndo desta reunião para aquela contribuindo com sua parte para enfatuar ainda mais os fanfarrões sua primeira preocupação deve ser o preparo para o púlpito o sr spurgeon era um mestre da palavra falada e escrita atente-se para esta sentença do púlpito metropolitan quando este grande universo jaz na mente de deus como futuras florestas no cálice da bolota foi dwight l moody quem confessou abertamente que sua veemência vinha da bíblia e de spurgeon ­ tudo o que ele já disse eu li meus olhos se deleitam nele se deus pode usar o sr spurgeon por que não deveria ele usar a nós outros este volume de esboços de salmos de spurgeon foi extraído de seis volumes de originais com cerca de 2500 páginas abrangendo os salmos ele está cheio a ponto de transbordar recapitula dezenas de idéias para mensagens e estudos sobre os salmos cada salmo é introduzido brevemente depois spurgeon apresenta o que ele chama de dicas para o pregador detalhando cada versículo com dicas para mensagens e estudos tornando-se assim um material extremamente rico e cheio de possibilidades para o seu uso não se destinam ao pregador preguiçoso que despreza ou negligencia a preparação completa destinam-se antes aos ministros missionários professores da bíblia que precisam de uma centelha para fazer o fogo arder e brilhar com novo calor e poder a ardente esperança e oração do editor deste volume é que todo aquele que o puser em uso pense no senhor jesus cristo o editor

[close]

p. 4

prefÁcio do autor em diversas ocasiões formularam-me a pergunta não poderia o senhor ajudarnos com alguns esboços de discursos ao que tenho respondido que há muitas obras desse tipo no mercado replicam porém que gostariam de algo mais simples e menos retórico sinto-me encorajado pela solicitação deles de tentar o que se poderia fazer nesse sentido preparei estas estruturas não para estimular a indolência mas para ajudar o esforço sem metas e só espero que não tenha escrito tanto a ponto de capacitar qualquer homem a pregar sem dar tratos à imaginação nem tampouco a ponto de deixar sem auxílio a uma mente cansada devem ser poucos os pregadores que podem prescindir inteiramente de esboços se porém com sua pregação eles atingem o objetivo são homens felizes alguns andam de muletas e lêem quase todo o sermão isto como norma deve ser um mau negócio a maior parte dos pregadores precisa carregar um elemento de apoio mesmo que muitas vezes não dependa dele o homem perfeitamente capaz não precisa nada disso não sou um desses irmãos de primeira classe com meu cajado tenho atravessado este jordão e assim o empresto a todos quantos sintam que podem prosseguir sua jornada com a sua ajuda da mesma maneira como despejamos um pouco de água numa bomba para ajudá-la a trazer lá de baixo uma corrente de água assim possam esses esboços refrescar muitas mentes exaustas e então pô-las a funcionar de modo que desenvolvam os seus próprios recursos que o espírito santo possa usar estes esboços para ajuda de seus servos atarefados a ele seja todo o louvor e à sua igreja o benefício que somos nós sem ele o que é impossível a nós quando ele está conosco possam aqueles irmãos que usarem esta pequena seleção de tópicos desfrutar a presença do senhor ao assim fazerem espero contribuir com um punhado de lascas e cavacos ou se preferir um feixe de lenha a um irmão com o qual ele possa acender um fogo em seu próprio coração e preparar o alimento para o seu povo possivelmente algum irmão preguiçoso fará ferver sua panela com as minhas achas de lenha mas também isso não devo deplorar contanto que o alimento fique bem cozido caso eu seja tão infeliz a ponto de ajudar o homem totalmente ocioso tentandoo a não ajuntar seu próprio combustível ainda assim não devo ver o assunto com desespero pois talvez o ocioso possa queimar os dedos na operação e devo considerar que ele teria apanhado lenha de alguma outra pilha se não tivesse encontrado a minha homem algum causará grande dano com os meus feixes de lenha lidando com o fogo sagrado as veredas contidas nesses esboços não farão mal a homem nenhum se honestamente lhes for permitido que falem por si mesmos espero e creio que esses esboços não serão de muita utilidade a pessoas que deixam de pensar por si mesmas de tais faladores não tenho a mínima compaixão meus esboços pretendem ser auxílio à pregação e nada mais em todos esses esboços a verdade evangélica está exposta tão claramente quanto sou capaz de expô-la isto prejudicará a minha obra na estima daqueles cuja admiração não cobiço porém não me causará alarme pois o peso de sua censura não é grande sejam quais forem os tempos não haverá dúvida alguma quanto à posição que o escritor destes esboços assumirá na hora da controvérsia nada sei senão as doutrinas da graça o ensino da cruz o evangelho da salvação e escrevo somente para que essas coisas sejam publicadas mais amplamente se aqueles que crêem nessas verdades me

[close]

p. 5

honrarem usando meus esboços regozijar-me-ei e confiarei que a bênção de deus acompanha seus discursos não é pequeno o prazer de ajudar os irmãos na fé a semearem a semente viva da palavra de deus ao lado de todas as águas nunca foi o meu propósito ajudar homens a entregarem uma mensagem que não seja própria deles É mau sinal quando os profetas furtam suas profecias uns dos outros pois então é provável que eles ­ todos eles ­ se tornem falsos profetas mas assim como o jovem profeta tomou emprestado um machado de um amigo e não foi censurado por isso porquanto os golpes que ele dava com o machado eram seus próprios golpes do mesmo modo possamos refrear-nos de condenar aqueles que encontram um tema que lhes seja sugerido uma linha de pensamento lançada diante deles e de todo coração os utilizem para falar ao povo isso não se deveria constituir em um costume deles cada homem deve possuir seu próprio machado e que não tenha ele necessidade de clamar ai meu senhor porque era emprestado mas há momentos de pressão especial de enfermidade física ou cansaço mental ocasião em que o homem fica contente com a ajuda fraternal e pode usá-la sem nenhuma dúvida para tais ocasiões é que tentei prover que eu possa ajudar alguns de meus irmãos a pregarem de tal maneira que conquistem almas para jesus o calor humano o testemunho pessoal são muito úteis nesse sentido e portanto espero que acrescentando seu próprio testemunho sincero às verdades que aqui esbocei muitos crentes possam falar com êxito a favor do senhor confio meus humildes esforços a ele a quem desejo servir por meio daqueles sem o espírito santo nada há senão um vale de ossos secos mas se o espírito vier dos quatro ventos cada linha se tornará vívida de energia vosso irmão em cristo jesus westwood março de 1886 c.h spurgeon

[close]

p. 6

salmo 1 tÍtulo este salmo é considerado o prefácio dos salmos pois apresenta o conteúdo de todo o livro É desejo do salmista ensinar-nos o caminho para a bem-aventurança e avisar-nos sobre a destruição certa dos pecadores este portanto é o assunto do primeiro salmo que em certos respeitos pode ser visto como o texto sobre o qual o todo dos salmos compõe um sermão divino divisÃo este salmo consiste de duas partes na primeira do versículo 1 ao versículo 3 davi expõe em que consiste a felicidade e a bem-aventurança de um homem piedoso quais são os seus procedimentos e quais as bênçãos que receberá do senhor na segunda parte do versículo 4 ao final ele contrasta o estado e o caráter daqueles que não têm deus revela o futuro e descreve em linguagem impressionante seu destino final dicas para o pregador vers 1 pode fornecer um texto ótimo sobre o progresso no pecado ou a pureza do cristão ou a bem-aventurança dos justos sobre este último fale do crente como abençoado 1 por deus 2 em cristo 3 com todas as bênçãos 4 em todas as circunstâncias 5 através do tempo e da eternidade 6 até o mais alto grau vers 1 ensina uma pessoa piedosa a precaver-se 1 das opiniões 2 da vida prática e 3 da companhia de pecadores mostre como a meditação sobre a palavra nos ajudará a manter distância desses três males a natureza insinuante e progressiva do pecado j morrison vers 1 relaciona-se com o salmo inteiro a grande diferença entre os justos e os ímpios vers 2 a palavra de deus 1 a satisfação que proporciona ao crente 2 o conhecimento da palavra que o crente ganha aspiramos estar na companhia daqueles que amamos vers 2 1 o que se entende por a lei do senhor 2 o que há nessa lei que pode ser um deleite para o crente 3 como ele mostra esse deleite como pensa nela passa a lê-la mais a falar dela a obedecê-la e a não se deleitar no mal vers 2 última cláusula os benefícios as ajudas e os empecilhos da meditação.

[close]

p. 7

vers 3 a árvore frutífera 1 onde cresce 2 como chegou lá 3 quanto produz 4 como ser igual a ela vers 3 plantada à beira de águas correntes 1 a origem da vida cristã plantada 2 os riachos que a sustentam 3 o fruto que se espera dela vers 3 a influência da religião sobre a prosperidade blair a natureza as causas os sinais e os resultados da verdadeira prosperidade frutos no tempo certo virtudes a serem mostradas em certos tempos paciência na aflição gratidão na prosperidade zelo na oportunidade suas folhas não murcham a bênção de manter um testemunho que não murcha vers 3 4 título sugestivo a palha espalhada pelo vento sermão de spurgeon o pecado provoca contradição em cima de cada bênção vers 5 a condenação dupla do pecador 1 condenado no tribunal de justiça 2 separado dos santos a racionalidade dessas penas portanto e como escapar delas a comunidade dos justos vista como sendo a igreja do unigênito acima isso pode fornecer um assunto nobre vers 6 primeira frase um doce incentivo para o povo experimentado de deus o conhecimento aqui significava 1 seu caráter um conhecimento de observação e aprovação 2 sua fonte vem pela onisciência e pelo amor infinito 3 seus resultados sustento livramento aceitação e por fim glória vers 6 última cláusula o caminho do prazer do orgulho da descrença da blasfêmia da perseguição da procrastinação da auto-ilusão chegará ao fim salmo 2 tÍtulo podemos chamá-lo de salmo do messias o prÍncipe pois apresenta como se fosse uma visão maravilhosa o povo tumultuado contra o ungido do senhor o propósito resoluto de deus de exaltar seu próprio filho e o reinado final desse filho sobre todos os seus inimigos recordemos com o olho da fé vendo como num espelho o triunfo de nosso senhor jesus cristo sobre todos os seus inimigos louth fez os seguintes comentários sobre este salmo o estabelecimento de davi sobre o seu trono não obstante a oposição feita pelos seus inimigos é o assunto do salmo davi o mantém

[close]

p. 8

em dois planos literal e alegórico se lemos o salmo inteiro primeiro com o olho literal de davi o sentido é óbvio e se situa acima de qualquer disputa com a história sagrada há mesmo um brilho descomunal na expressão das figuras de linguagem e a maneira de dizer é até exagerada de vez em quando como se fosse de propósito para sugerir e levar-nos a contemplar os assuntos mais elevados e importantes que nisso se ocultam depois deste aviso se virmos o salmo desta vez relacionando-o com a pessoa e os interesses do davi espiritual uma nobre série de eventos surge à vista imediatamente e o sentido se torna mais evidente além de mais exaltado o colorido que talvez pareça muito ousado e gritante para o rei de israel não mais parecerá quando colocado sobre seu grande antítipo depois de considerarmos com atenção os assuntos separadamente se os considerarmos juntos contemplaremos a beleza e majestade plena deste charmosíssimo poema perceberemos os dois sentidos muito distintos um do outro mas que agem em perfeita harmonia e mantêm uma semelhança admirável em cada aspecto e feição enquanto a analogia entre eles é preservada com tanta exatidão que qualquer dos dois pode ser aceito como o original do qual o outro foi copiado nova luz é lançada continuamente sobre a fraseologia nova importância e dignidade são acrescentadas aos sentimentos até que ascendendo aos poucos das coisas inferiores para as superiores dos afazeres humanos aos divinos eles elevam o grande tema e finalmente o colocam na altura e resplandecência do céu divisÃo este salmo será melhor entendido se for visto como um retrato quádruplo nos versículos 1 2 3 as nações rugem de 4 a 6 o senhor nos céus caçoa deles de 7 a 9 o filho proclama o decreto e de 10 ao final aconselha-se os reis a concederem obediência ao ungido do senhor esta divisão não é só sugerida pelo sentido mas é garantida pela forma poética do salmo que cai de forma natural em quatro estrofes de três versículos cada dicas para o pregador salmo inteiro mostra-nos a natureza do pecado e seus terríveis resultados se pudesse reinar vers 1 nada há que seja mais irracional do que a irreligião a descrença um tema de peso as razões pelas quais os pecadores se rebelam contra deus declaradas refutadas lamentadas e arrependidas a demonstração culminante do pecado humano no ódio do homem para com o mediador vers 1 e 2 oposição ao evangelho irracional e inútil vers 1 e 2 estes versículos mostram que é vã toda a confiança no homem no trabalho de deus como os homens fazem oposição a cristo não é bom depositar nossa confiança na multidão por ser numerosa nem nos sinceros pelo seu zelo nem nos

[close]

p. 9

poderosos por sua aprovação ou nos sábios por seus conselhos visto que todos esses na maioria das vezes são contra cristo em vez de a favor dele vers 2 o maior julgamento que já foi registrado sermão de spurgeon vers 3 o motivo real de haver oposição dos pecadores à verdade de cristo ou seja seu ódio contra as restrições da piedade vers 4 deus zomba dos rebeldes tanto agora como no além vers 5 a voz da ira um de uma série de sermões sobre as vozes dos atributos divinos vers 6 a soberania de cristo 1 a oposição a ela porém ara 2 a certeza de sua existência eu mesmo estabeleci 3 o poder que o mantém eu estabeleci 4 o lugar de sua manifestação em sião no meu santo monte 5 as bênçãos fluem dela vers 7 o decreto divino a respeito de cristo ligado aos decretos de eleição e providência jesus reconhecido como filho de deus este versículo nos ensina a declarar fielmente e a reivindicar humildemente os dons e chamado que deus nos conferiu thomas wilcocks vers 8 a herança de cristo william jay a oração indispensável jesus precisa pedir vers 9 a ruína dos maus É certa irresistível terrível completa irreparável como uma vasilha de oleiro a destruição de sistemas de erro e opressão que é esperada o evangelho é um bastão de ferro capaz de quebrar vasilhas feitas pelo homem vers 10 a verdadeira sabedoria digna para reis e juízes se acha em obedecer a cristo o evangelho é uma escola para aqueles que querem aprender a governar e julgar bem eles poderão considerar seus princípios seu modelo seu espírito vers 11 experiência mista veja o caso das mulheres voltando do sepulcro mateus 28.8 isso pode ser apresentado como assunto muito consolador se o espírito santo dirigir a mente do pregador a verdadeira religião um composto de muitas virtudes e emoções vers 12 um convite sincero 1 a ordem 2 o argumento 3 a bênção sobre os obedientes sermão de spurgeon Última cláusula natureza objetivo e bênção da fé salvadora.

[close]

p. 10

salmo 3 tÍtulo um salmo de davi quando fugiu de seu filho absalão vocês se lembram da história da fuga de davi de seu próprio palácio quando no escuro da noite ele passou a vau o ribeirão cedrom e foi com uns poucos seguidores fiéis esconder-se por um tempo da fúria de seu filho rebelde lembre-se que davi foi uma espécie de senhor jesus cristo ele também fugiu também transpôs o ribeirão cedrom quando seu próprio povo estava em rebelião contra ele e com um bando fraco de seguidores entrou no jardim do getsêmani ele também bebeu da água do ribeirão no caminho e ergueu o ânimo para muitos comentadores este salmo é chamado o hino da manhà possamos nós sempre acordar com confiança santa em nosso coração e com uma canção em nossos lábios divisÃo este salmo pode ser dividido em quatro partes de dois versículos cada de fato muitos dos salmos não podem ser entendidos bem sem considerarmos atentamente suas divisões não são descrições contínuas de uma cena e sim um conjunto de retratos de muitos assuntos aparentados como em nossos sermões modernos dividimos nosso discurso sob cabeçalhos diferentes assim acontece com os salmos sempre há uma unidade mas é a unidade de um feixe de flechas e não de uma seta solitária olhemos agora o salmo que está diante de nós nos primeiros dois versículos tem-se davi fazendo uma queixa a deus com respeito a seus inimigos então ele declara a sua confiança no senhor 3 4 canta de como está seguro quando dorme 5 6 e se fortalece para o conflito futuro 7 8 dicas para o pregador vers 1 o santo conta a seu deus as suas aflições 1 seu direito de fazê-lo 2 a maneira apropriada de contá-las 3 os resultados justos de tal comunicação santa com o senhor quando podemos esperar aumento de aflições por que são enviadas qual é nossa sabedoria com referência a elas vers 2 a mentira contra o santo e a difamação sobre seu deus vers 3 a bênção tripla que deus coloca sobre os seus que sofram defesa honra alegria mostre como todos estes itens podem ser desfrutados pela fé mesmo em nossa pior condição.

[close]

p. 11

vers 4 1 em perigos devemos orar 2 deus nos ouvirá graciosamente 3 devemos registrar as respostas de graça recebida 4 podemos nos fortalecer para o futuro lembrando os livramentos do passado vers 5 1 descreve o doce dormir 2 descreve o feliz acordar 3 mostra como as duas coisas devem ser apreciadas É o senhor que me sustém vers 6 a fé rodeada por inimigos e contudo triunfante vers 7 1 descreve o tratamento passado do senhor com os seus inimigos quebra o queixo arrebenta 2 mostra que o senhor deve ser nosso recurso constante Ó senhor Ó meu deus 3 discorre sobre o fato de que o senhor deve ser chamado invocado levanta-te senhor 4 insiste com os crentes para usarem as vitórias do senhor no passado como um argumento com o qual prevalecer com ele no presente vers 7 última cláusula nossos inimigos são inimigos vencidos leões desdentados vers 8 primeira cláusula salvação de deus do começo ao fim vers 8 última cláusula foram abençoados em cristo através de cristo e serão abençoados com cristo a bênção repousa sobre suas pessoas consolos tribulações trabalhos famílias flui da graça é apreciada pela fé e é assegurada por juramento james smith 1802-1862 salmo 4 tÍtulo parece que a intenção era que este salmo acompanhasse o terceiro e formasse um parcom ele se o último pode ser chamado o salmo da manhà este pelo seu conteúdo igualmente merece o título de o salmo do entardecer possam as palavras especiais do oitavo versículo ser a doce canção do repouso ao nos recolhermos assim com as idéias compostas tranqüilas entrego-me ao sono que dás.

[close]

p. 12

tua mão bem seguros conserva meus dias e ao sono me entrego em paz o título inspirado é o seguinte ao mestre da música com instrumentos de cordas salmo davídico o mestre da música era o diretor da música sagrada do santuário com respeito a essa pessoa leia cuidadosamente 1crônicas 6.31 32 15.16-22 25.1,7 nessas passagens o amante da música sacra encontrará muita coisa interessante e que explicará qual era a maneira de louvar deus no templo alguns dos títulos dos salmos sem dúvida vêm dos nomes de certos cantores célebres que compuseram a música com a qual eram cantados com instrumentos de cordas ou instrumentos de mão que eram tocados somente com as mãos como harpas e címbalos a alegria da igreja judaica era tão grande que precisava de música para expressar os sentimentos de deleite de suas almas nossa alegria santa não é menos transbordante por preferirmos expressá-la de maneira mais espiritual como convém a uma dispensação espiritual aludindo a esses instrumentos tocados com a mão nazianzo diz senhor eu sou um instrumento para tu tocares abramo-nos ao toque do espírito e assim faremos melodia possamos ser cheios de fé e amor e seremos instrumentos de música vivos hawker diz a septuaginta lê a palavra que temos em nossa tradução como mestre da música lamenetz em vez de lamenetzoth do qual o sentido é até o fim foi de onde os pais gregos e latinos imaginaram que todos os salmos que levam essa inscrição se referem ao messias o grande fim nesse caso este salmo é dirigido a cristo e bem pode ser esse o caso porque é todo sobre cristo e falado por cristo e diz respeito somente ao seu povo como sendo um com cristo o senhor o espírito permita que o leitor entenda isso e assim ele o descobrirá ser muito abençoado divisÃo no primeiro versículo davi roga a deus por auxílio no segundo discute com seus inimigos e continua a lhes dirigir a palavra até o final do versículo 5 então do versículo 6 ao final ele contrasta belamente sua própria satisfação e segurança com a inquietação dos ímpios nas melhores condições em que estejam o salmo muito provavelmente foi escrito na mesma ocasião do anterior e é outra flor rara do jardim da aflição para nossa felicidade é que davi foi testado ou então provavelmente nunca teríamos ouvido esses doces sonetos da fé dicas para o pregador vers 1 fornece farto material para um sermão sobre misericórdias passadas como súplica para ajuda presente a primeira sentença mostra que crentes desejam esperam e crêem num deus que ouve a oração o título deus da minha justiça é uma idéia para um texto e a última sentença poderá sugerir um sermão sobre até o melhor dos santos ainda precisa apelar à misericórdia e graça soberana de deus

[close]

p. 13

vers 2 a depravação do homem como demonstrada 1 por continuar a desprezar cristo 2 por amar a vaidade no seu coração e 3 buscar mentiras em sua vida cotidiana vers 2 até onde vai o pecado do pecador quanto tempo pode ser limitado por arrependimento será por morte contudo continuará na eternidade vers 3 a eleição seus aspectos para com deus os nossos inimigos e nós mesmos vers 3 o senhor ouvirá quando eu o invocar respostas à oração são certas para pessoas especiais note bem aqueles que podem receber o favor vers 3 o gracioso separador quem é ele quem o separou com que finalidade como fazer com que as pessoas saibam vers 4 o pecador é instruído a se reexaminar para que possa se convencer de pecado andrew fuller 1754-1815 vers 4 aquietem-se um conselho bom e prático mas difícil de seguir há momentos em que são oportunos graças são necessárias para que a pessoa consiga aquietar-se os resultados da tranqüilidade as pessoas que mais precisam deste conselho exemplos de sua prática aqui há muito material para um sermão vers 6 a natureza desses sacrifícios que se espera que o povo do senhor ofereça william ford vance 1827 vers 6 o grito do mundo e da igreja contrastados vox populi nem sempre é vox dei vers 6 os apetites da alma são todos satisfeitos em deus vers 6 7 uma certeza do amor do salvador a fonte de alegria sem comparação vers 7 as alegrias do crente 1 a fonte delas tu 2 seu tempo mesmo agora encheste 3 sua posição no meu coração 4 sua excelência alegria maior do que dos que têm fartura de trigo e de vinho outro tema excelente é sugerido a superioridade das alegrias da graça comparadas às alegrias da terra ou dois tipos de prosperidade qual a mais desejável vers 8 a paz e segurança de um homem bom joseph lathrop d.d 1805 vers 8 um quarto para crentes um cântico vespertino para cantar ali e um guarda para vigiar a porta vers 8 a boa noite do crente vers 2-8 os meios que um crente deve utilizar para ganhar os incrédulos para cristo 1 admoestação versículo 2 2 instrução versículo 3.

[close]

p. 14

3 exortação versículos 4 5 4 testemunho às bênçãos da verdadeira religião como nos vers 6 7 5 exemplificação daquele testemunho pela paz da fé versículo 8 salmo 5 tÍtulo ao mestre da música para flautas salmo davídico a palavra hebraica para o instrumento é nehiloth que se origina de outra palavra que significa perfurar abrir um furo de onde se veio a entender uma flauta portanto é provável que se pretendesse que essa música fosse cantada com o acompanhamento de instrumentos de sopro como o cornetim trompa flauta ou trompete no entanto é apropriado observar que não estamos certos da interpretação desses títulos antigos porque a septuaginta o traduz para aquele que obterá uma herança e aben ezra acha que denota alguma melodia antiga e bem conhecida com a qual este salmo deveria ser cantado mesmo os maiores estudiosos confessam a dificuldade que existe para se interpretar precisamente o título mas isso não deve nos preocupar pois é uma prova de como o livro é antigo através do primeiro segundo terceiro e quarto salmos pode-se notar que o tema é um contraste entre a posição a personalidade e o futuro dos justos e ímpios neste salmo você nota a mesma coisa o salmista expõe um contraste entre ele próprio tornado justo pela graça de deus e o ímpio que se opõe a ele para a mente piedosa aqui temos uma visão prévia do senhor jesus de quem se diz que nos dias de sua carne ele fez subir orações e súplicas com forte clamor e lágrimas divisÃo o salmo deve ser dividido em duas partes do primeiro ao sétimo versículo e depois do oitavo ao décimo segundo na primeira parte davi implora veementemente ao senhor para que ouça sua oração na segunda parte ele passa de novo pelo mesmo caminho dicas para o pregador vers 1 2 oração em sua forma tripla palavras meditação clamor mostra como falar não adianta sem coração mas que anseios fervorosos e desejos silenciosos são aceitos mesmo quando não expressos vers 3 a excelência da hora devocional matutina vers 3 duas últimas cláusulas 1 oração dirigida 2 respostas esperadas vers 4 o ódio de deus pelo pecado é um exemplo para seu povo.

[close]

p. 15

vers 5 os arrogantes mostre porque os pecadores são com justiça chamados de tolos ou arrogantes vers 7 pelo teu grande amor reflita bastante a respeito dos variados aspectos da graça e bondade de deus vers 7 a decisão piedosa vers 7 1 observe a singularidade da decisão 2 note bem o objetivo da decisão diz respeito ao serviço de deus no santuário entrarei em tua casa com temor me inclinarei para o teu santo templo 3 a maneira em que ele cumpriria a sua decisão a impressionado com um sentimento da bondade divina entrarei em tua casa pelo teu grande amor b cheio de veneração santa com temor me inclinarei william jay 1842 vers 8 a direção de deus é sempre necessária especialmente quando os inimigos estão nos vigiando vers 10 visto como ameaça a frase expulsa-os por causa de seus muitos crimes serve de base para um discurso muito solene vers 11 1 o caráter dos justos fé e amor 2 os privilégios dos justos a alegria grande pura satisfatória triunfante cantem sempre de alegria exultem b proteção por poder providência anjos graça vers 11 alegria no senhor tanto um dever como um privilégio vers 12 primeira cláusula a bênção divina sobre os justos É antiga eficaz constante irreversível supera a tudo eterna infinita vers 12 segunda cláusula a consciência do favor divino é uma defesa para a alma salmo 6 tÍtulo este salmo é comumente conhecido como o primeiro dos salmos de penitÊncia os outros seis são os salmos 32 38 51 102 130 143 e certamente sua linguagem se presta bem aos lábios de um penitente porque expressa ao mesmo tempo a tristeza versículos 3 6 7 a humilhação versículos 2 e 4 e o ódio ao pecado versículo 8 que são as marcas infalíveis do espírito contrito quando se volta a deus Ó espírito

[close]

Comments

no comments yet