24 EDIÇÃO - JORNAL ESTADO DE DIREITO

 

Embed or link this publication

Description

24 EDIÇÃO - JORNAL ESTADO DE DIREITO

Popular Pages


p. 1

Estado de Direito BRASIL • N° 24 • ANO IV • 2010 Desmitificando o Direito Então, que Direito cultivar? O direito está presente no cotidiano de todos e muitos estão estigmatizados por cultivarem um conhecimento insuficiente para se realizar como cidadão. Nesse sentido, o Jornal Estado de Direito criou o projeto “Desmitificando o Direito”, uma iniciativa inédita no País, que está levando o saber jurídico para o desenvolvimento da cidadania participativa, capaz de ar- Veja também Página 07 Direito à vida real: “A aproximação do direito à vida real, o conhecimento por parte dos cidadãos daquilo que os órgãos judiciais pensam e daquilo que decidem é importantíssimo e nós não podemos ter uma relação esquizofrênica...” ticular pessoas para que sejam mais protagonistas da sua história. O destaque desta edição é o presidente do Tribunal Constitucional Português, Rui Manuel Gens de Moura Ramos que, em entrevista exclusiva, fala sobre as prerrogativas do Tribunal e a importância do Judiciário colaborar na propagação de cultura jurídica. Leia nas páginas 12 e 13. JORNAL ESTADO DE DIREITO PNDH-3 Ives Gandra Martins Filho faz uma crítica ao Plano Nacional de Direitos Humanos e pontua as principais incongruências Página 09 Mandados de Criminalização Cleber Masson aborda os aspectos legais dos mandados de criminalização no âmbito da Constituição Federal Página 10 Haiti César Augusto Baldi analisa a situação do Haiti e do Caribe apontando os aspectos da modernidade dos Direitos Humanos e o forte componente de colonialidade. Página 04 Estado de Direito Jorge Miranda conceitua o significado de Estado de Direito e ressalta a pessoa humana como sujeito e não como objeto do poder político Página 14 Marketing Eleitoral Djalma Pinto destaca a responsabilidade que o canditato deve assumir ao se comprometer com a população em sua candidatura. Página 13 Direito Administrativo em Portugal e no Brasil Marcelo Rebelo de Sousa analisa as semelhanças dos sistemas de administração entre os Países e a necessidade de serem geridos com a participação da sociedade Página 17 Daltonismo e Direito de Dirigir Luiz Fernando Castilhos Silveira analisa os novos critérios para renovação da carteira de habilitação diante da capacidade do candidato identificar cores básicas. Página 18 Uniões Homoafetivas Maria Berenice Dias faz uma reflexão sobre o recente julgamento do STJ que acaba de reafirmar o direito a pensão por morte ao parceiro que viveu em uniões de afeto Página 20 Solidariedade entre Gerações Wambert Gomes Di Lorenzo faz uma reflexão sobre o conceito de solidariedade, como elemento essencial da vida social, fundado na dignidade da pessoa humana. Página 21 Rui Manuel Gens de Moura Ramos Presidente do Tribunal Constitucional Português Posse Agrária Wellington Pacheco Barros ressalta a função socioambiental no que dispõem o Estatuto da Terra e a Constituição Federal e a repercussão nas ações possessórias

[close]

p. 2

2 Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 Estado de Direito Estado de Direito Comunicação Social Ltda. CNPJ 08.583.884/0001-66 Porto Alegre - RS - Brasil Rua Conselheiro Xavier da Costa, 3004 CEP: 91760-030 - fone: (51) 3246.0242 e 3246.3477 Nextel ID: 84*97060 e-mail: contato@estadodedireito.com.br internet: www.estadodedireito.com.br Diretora Presidente Carmela Grüne carmela@estadodedireito.com.br Diretor Financeiro Renato de Oliveira Grüne CRC/RS 45.039 Jornalista Responsável Esteban Rey Fontan - MTb 8856 Colaboraram nesta Edição Bayard Fos, Cármen Salete Souza, Diego Moreira Alves, Carlos Bailon, Ianaiê Simonelli, Diego Marques Gonçalves e Marjory Hirata Cartunista Paulo Vilanova | pvilanova@terra.com.br Redação redacao@estadodedireito.com.br Anúncios teleanuncios (51) 3246.0242 comercial@estadodedireito.com.br Diagramação Jornal Estado de Direito Tiragem: 40.000 exemplares Pontos de distribuição PORTO ALEGRE 1001 Produtos e Serviços de Informática: Rua São Luís, 316 Rédito Perícias: Andradas, 1270, sala 21 Livraria Saraiva Acesse www.livrariasaraiva.com.br confira os demais endereços das lojas em que você poderá encontrar o Jornal Estado de Direito. Livraria Saraiva - Porto Alegre Rua dos Andradas, 1276 - Centro Av. Praia de Belas, 1181 - 2º Piso - Loja 05 Rua Olavo Barreto, 36 - 3º Piso - Loja 318 e 319 Av. João Wallig, 1800 - 2º Piso - Loja 2249 Av. Diário de Notícias, 300 - loja 1022 Caxias do Sul: Rodovia RSC, 453 - Km 3,5 - nº 2780 - Térreo Curitiba: Av. Candido de Abreu, 127 - Centro Florianópolis: Rua Bocaiuva, 2468 - Piso Sambaqui L1 Suc 146, 147 e 148 Livraria Revista dos Tribunais Acesse o sitewww.rt.com.br confira os endereços das mais de 64 lojas da Editora RT em que o Jornal Estado de Direito é distribuído gratuitamente. Nossa Livraria Maceió: Av. Moreira e Silva, 430; Rua Íris Alagoense, 438-A; Rua Durval de Guimarães, 1217 - lojas 03 e 08; Rua do Riachuelo, 267; Av. Cais do Apolo, 739 - TRT; Av. Dantas Barreto, 191 lojas 22 a 24 - TJ; Recife: Rua da Aurora, 325 loja 01 PAÍSES Através de Organismos Internacionais, professores e colaboradores o Jornal Estado de Direito chega a Portugal, Itália, México, Venezuela, Alemanha, Argentina, Ucrânia e Uruguai São mais de 200 pontos de distribuição. Contate-nos e seja um transformador da realidade social! Charge Paulo Vilanova Então, que Direito cultivar? Cármen Salete Souza* O cartoon “Educando o Filho” de Paulo Vilanova recebeu em 2009, menção honrosa, no 1º BH Humor – Salão Internacional do Humor Gráfico de Belo Horizonte, por apontar o caos da modernidade, a esperança do pai em ver no seu filho, uma nova geração, ser educada com valores sociais que respeite e preserve o meio ambiente. Podemos ir mais longe com o desenho: que Direito cultivar? A história da humanidade registra que as grandes conquistas dos direitos fundamentais vieram por lutas, hoje, retratadas por litígios que não tem fim no Judiciário. O tempo do direito é um tempo diferido e nós com toda a tecnologia vivemos a imediatidade. É necessário resgatar o espírito participativo, questionador retratado pelos movimentos sociais. O Estado precisa da nossa participação que parte de princípios mais simples e elementares. Alguns têm a oportunidade de aprender com a família, outros aprendem pela repressão, pela falha do sistema. O que desejamos transmitir nesta mensagem é que podemos fazer escolhas, escolher quando procurar o conhecimento e entender porque faz sentido a presença dele em nossas vidas. Como uma coleta seletiva, podemos escolher prevenir ou remedir um problema ambiental. A prevenção começa pela educação de base, daquilo que faz a gente saber até onde vai a minha liberdade, o direito, de maneira que não gere nenhuma reação negativa a minha ação. Os textos apresentados nesta edição vêm para esclarecer, reafirmar pensamentos e principalmente questionar o que cultivamos em comum. Será que o que é o comum é o melhor? Temos que questionar o conhecimento apreendido, ir mais longe através de experiências que apontem novas atitudes à família, ao meio ambiente, ao trabalho e à dignidade da pessoa humana. É como um moinho, precisa estar sempre girando, tomando força porque a sociedade é dinâmica. As alternativas dos caminhos que devemos escolher estão dentro de nós, na capacidade de receber informação e avaliarmos como utilizá-la em nossa realidade. Nesse sentido a escolha do título da capa vem para reforçar e divulgar o projeto do Jornal Estado de Direito, iniciado em janeiro, com a Livraria Saraiva, denominado “Desmitificando o Direito”, que busca debater a ressignificação do espaço público e da cidadania na construção do Direito como instrumento de realização social. Os encontros são mensais, nas lojas Saraiva, em São Paulo, as inscrições são gratuitas e ao final de cada encontro é emitido certificado de participação. O Direito, como foi apontado na palestra realizada na Saraiva do Moinhos, em fevereiro, pelo Professor Paulo Caliendo, está diretamente ligado com a economia. De modo que ele não pode apenas regular as nossas relações, o direito tem que ser capaz de dar condições de nos organizarmos e desenvolver nossas capacidades para um futuro comprometido com o bem comum. Estamos todos conectados, as dificuldades são comuns e o conhecimento precisa ser compartilhado. Aproveitem. Boa leitura e um grande abraço a todas as empresas que investem neste veículo, bem como, aos mais de 40 mil leitores. Agradecemos por acreditarem que é possível construir o direito preventivo que venha ao encontro das nossas realidades. * Conselheira Editorial do Jornal Estado de Direito. Apoio *Os artigos publicados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião desse Jornal. Os autores são os únicos responsáveis pela original criação literária.

[close]

p. 3

Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 3

[close]

p. 4

4 Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 A Revolução Francesa, o Caribe e a colonialidade César Augusto Baldi* Naquela que se tornou a leitura “canônica”, os direitos humanos vão-se sucedendo em três gerações ou dimensões: a primeira, direitos civis e políticos, iniciada com a Revolução Francesa; a segunda, direitos econômicos, sociais e culturais, fruto, em parte, da Revolução Russa, da Revolução mexicana e da Constituição de Weimar; a terceira, direitos transindividuais, associados a questões que tem cunho inter-geracional, inclusive. Esta leitura é fruto, sem dúvida, do imaginário que a Revolução Francesa fixou: a liberdade, a igualdade e a fraternidade como lemas estão na mesma “ordem” das “gerações”. Um substrato ideológico que reforça o caráter da “modernidade” para os direitos humanos, mas oculta o forte componente de “colonialidade”. A tragédia do Haiti poderia lançar outras luzes para visões de direitos humanos que fossem vistas, desenvolvidas e defendidas a partir de suas colônias e ex-colônias e não apenas da metrópole. No momento em que se sucediam as revoluções burguesas, era o Haiti a primeira nação negra, de escravos iletrados, a tornar-se independente: daí C. L. R. James referir-se aos revolucionários como “jacobinos negros”. Mas não só isto. A primeira Constituição do país, em 1805, previa: a) abolição de todas as referências a “graduações de cor de pele”( EUA manteve segregação racial até 1964); b) direitos iguais para os filhos nascidos fora do matrimônio; c) inexistência de religião predominante; d) garantia de igual acesso à propriedade privada tanto a “anciens libres” quanto a “nouveaux libres” (escravos libertos); e) abolição da MARCO DORMINO, ONU “No momento em que se sucediam as revoluções burguesas, era o Haiti a primeira nação negra, de escravos iletrados, a tornar-se independente...” escravatura “para sempre” (o primeiro país do mundo); f) possibilidade de divórcio. Aliás, a “cláusula de igualdade” aplicava-se a “todos os mortais”, inclusive “mulheres brancas naturalizadas” (a Suíça só concedeu voto feminino em 1960), “seus filhos atuais e futuros” e também aos “alemães e poloneses que tivessem sido naturalizados pelo Governo”. Como destaca o cientista político guineense Siba Grovogui, “ao assumir-se como humanos, os escravos haitianos desafiavam as noções correntes de homem e razão, e de seus acessos a capacidades e faculdades humanas”. E mais ainda: optou pela denominação indígena originária “Ahti” (montanha), ao invés do nome “Hispaniola”, dado por Colombo à ilha. No exato momento em que a Declaração Universal dos Direitos Humanos recordava a desumanidade do holocausto e do nazismo, os povos africanos, asiáticos e alguns do Caribe e da América do Sul ainda se encontravam sob domínio colonial. A própria Declaração dos povos coloniais somente será firmada em 1960, e, até então, os países europeus aplicavam as disposições de direitos humanos “com a devida consideração, todavia, das particularidades locais” (art. 63.3 da Convenção para proteção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais, de 1950, firmada pelo Conselho da Europa). Diante desta situação, Aimé Césaire (1913-2008), da Martinica, ainda hoje departamento ultramarino francês no Caribe, afirmava, em 1950, que a “colonização trabalha para descivilizar o colonizador” e que o humanista burguês do século XX levava, dentro de um si, um Hitler: porque, em realidade, o que não se MARIE FRECHON, ONU perdoava, com seus atos, não era um “crime contra o homem”, mas sim o fato de “haver aplicado na Europa procedimentos colonialistas que, até então, somente concerniam aos árabes da Argélia, aos coolies da Índia e aos negros da África”. Contra a acusação de uma “negritude” como forma de um “racismo inverso”, destacava a luta “contra o sistema de cultura”, que criava e mantinha hierarquias: era, em verdade, uma “rebelião contra o reducionismo europeu”, na busca de um “universalismo descarnado”, um universal “depositário de todos os particulares, aprofundamento e coexistência de todos os particulares.” Também nas décadas de 1950-1960, outro antilhano, Frantz Fanon (1925-1961), que viveu bons anos na Argélia, então colônia francesa, preocupado com as consequências psicológicas do colonialismo (era psiquiatra), vai destacar o fato de o racismo “se renovar, se matizar e mudar de fisionomia”, e de que a constelação social, o conjunto cultural, são “profundamente remodelados pela existência do racismo.” A necessidade que o opressor tem de “dissimular as formas de exploração”, tampouco provoca “o desaparecimento desta última”. Daí porque o movimento de libertação argelino deveria estender-se ao restante do continente africano, num processo solidário, aliás, o lema menos tematizado da Revolução Francesa. Entende, desta forma, que a “universalidade reside nesta decisão de assumir o relativismo recíproco de culturas diferentes, uma vez excluído irreversivelmente o estatuto colonial.” Edouard Glissant (1928), por sua vez, também em Martinica, vai insistir na “poética da diversidade”, em que o diverso não é o caótico ou o estéril, mas “o esforço do espírito humano em direção a uma relação transversal”, da necessidade da “presença dos povos” como “projeto a por em relação”. Daí destacar que os povos que até então “povoavam a face escondida da terra” tivessem que “nomear-se diante do mundo totalizado”, pela necessidade de não desaparecer da “cena do mundo” e de contribuir, ao contrário, “à sua ampliação”. O diverso, diz ele, “é teimoso”: “nasce em toda parte”. Critica, desta forma, as situações em que a língua materna oral é determinada ou oprimida “... os escravos haitianos desafiavam as noções correntes de homem e razão, e de seus acessos a capacidades e faculdades humanas.” por uma língua oficial, que se torna “língua natural”, de civilização e de prestígio, relegando à oralidade um caráter de “comunidade presa”. Trata-se, no seu caso, de resgatar a dignidade do “créole”. Para ele, “ a invenção dos bárbaros” é necessária, porque é “através dela que o re-equilíbrio dos valores se pratica: a afirmação no real da igual dignidade dos componentes de uma cultura.” As questões não são menos atuais: do outro lado do oceano (o mesmo que conduziu os africanos à escravidão), a antiga metrópole proíbe as islâmicas, vindas do norte da África, de usar véu, estabelece mecanismos de “imigração seletiva” que discriminam “mulheres de pele escura”, dá demonstrações de tratamento diferenciado para magrebinos habitantes de “banlieue” (aplicando leis repressivas coloniais) e discute a “identidade nacional”. Aliás, salienta, em versão cinematográfica com Gérard Depardieu, os “olhos azuis” do escritor Alexandre Dumas, que se descrevia “negro de cabelos crespos” e que, em vida, foi alvo de inúmeras manifestações racistas, inclusive de Honoré de Balzac. O reconhecimento de outros conhecimentos/racionalidades e o correspondente movimento de “justiça cognitiva” é outra face da luta por “justiça social”. A luta por direitos humanos, contudo, permanece incompleta, muito sofrimento é invisibilizado, e as versões de dignidade humana são menos densas, se não se desestabilizam os inúmeros mecanismos de etnocídio, racismo e colonialismo, que subsistiram com a modernidade. Haiti e o Caribe relembram à ex-metrópole inúmeras “vozes de sofrimento”. *Mestre em Direito (ULBRA/RS), doutorando Universidad Pablo Olavide (Espanha), servidor do TRF-4ª Região. Organizador do livro “Direitos humanos na sociedade cosmopolita” (Ed. Renovar).

[close]

p. 5

Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 5

[close]

p. 6

6 Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 Cuestionar las generaciones de Derechos Humanos David Sánchez Rubio* Cuando hablamos de derechos humanos, no solo utilizamos un concepto demasiado simplista, estrecho y reducido a su dimensión normativa y post-violatoria, sino que también solemos entenderlo como una especie de traje o vestido, con chaqueta y corbata que se tiene que poner todo el mundo, incluso aquellos hombres y mujeres que no necesitan usarlo porque tienen otra forma de concebir la ropa o porque sus cuerpos o figuras no encajan en ese molde. Por esta razón, consideramos que la visión de derechos humanos como derechos de primera, segunda y tercera generación sirve para reforzar un imaginario excesivamente eurocéntrico y lineal que, aunque posee sus virtualidades y elementos positivos, acaba por implantar una cultura excesivamente anestesiada y circunscrita a una única forma hegemónica de ser humano: la propia desarrollada por Occidente en su trayectoria y versión de la modernidad burguesa y liberal. Derechos humanos y su visión generacional son, metafóricamente, como lo que sucede con la historia del sastre que hizo un traje muy raro y la gente, al verlo, pensaba que quien lo llevaba estaba con algún problema de discapacidad, pero alababan la buena y bella obra textil de su creador. Los derechos humanos están hechos para un cuerpo concreto, con un propósito y para una finalidad, pero resulta que aquellas personas que tienen un cuerpo o una figura distinta (por ser más delgadas, más obesas, más altas, más bajas) o que por razones de su contexto no necesitan precisamente una ropa moldeada de esa manera, no tienen más remedio que expresar su corporalidad y su espiritualidad, utilizando un vestido que no atiende a sus demandas y que no encaja bien con sus imaginarios. Estos necesitarían otros vestidos o trajes que se adapten mejor a sus universos simbólicos y a sus condiciones de existencia. Esto se puede comprobar incluso analizando las posibles diferencias que poseen las tres o las cuatro generaciones de derechos humanos usualmente pensadas por la doctrina. Resulta curioso percibir de qué manera los derechos individuales y políticos propios de la primera generación, fruto de la lucha burguesa frente a las limitaciones del orden feudal y asociados al principio de libertad, tienen un grado de reflexión teórica, de eficacia jurídica y de sistemas de garantías muy superiores al resto, que tienen más dificultad a la hora de ser protegidos -los derechos económicos, sociales y culturales de segunda generación asociados al principio de igualdad; y los de tercera generación propios del impacto de las nuevas tecnologías y asociados al principio de solidaridad-. En vez de desarrollarse un mejoramiento en la SOPHIA PARIS, ONU “... la matriz y la base de derechos humanos están constituidas sociohistóricamente por la formación social moderna, por sus instituciones, dinámicas y lógicas.” calidad jurídica y estructural de los derechos humanos se ha producido un efecto entrópico y degenerativo de los mismos, claro está, siempre que sean vistos desde la ideología y el imaginario dominante que, desde el principio, se preocupó de utilizar un paradigma que JOHN ISAAC, ONU solo fortalece a los derechos de primera generación -y no a todo el mundo- y debilita a las llamadas segunda y tercera generación. La manera como se suelen concebir derechos humanos hace de ellos un molde o patrón con el que no se atiende tanto a determinadas parcelas de la realidad humana como a otras formas culturales cuyos universos simbólicos y corporalidades no encajan. Hay que tener en cuenta que la matriz y la base de derechos humanos están constituidas socio-históricamente por la formación social moderna, por sus instituciones, dinámicas y lógicas. La lucha de la burguesía como sociedad civil emergente y moderna, fundamentó los derechos humanos a través de su dinámica reivindicativa de liberación frente a todo impedimento ilegítimo establecido por los reyes, los señores feudales y la Iglesia, quienes no reconocían la ampliación de las experiencias de humanidad expresadas en las particularidades de la vida burguesa. Pero esta matriz, que posee un horizonte de esperanza y posibilidades muy fuerte, en su origen y posterior desarrollo estuvo desgarrada por tensiones, oposiciones y conflictos diversos. Sí es cierto que la burguesía concibió y creo con sus prácticas y teorías, desde el principio, la primera generación de los derechos humanos, pero no es del todo verdad que, posteriormente, se fueran originando las siguientes generaciones de manera mecánica, lineal, progresiva y sucesiva. Esta perspectiva generacional puede reflejar lo concebido por el imaginario moderno y liberal, que por medio de una universalidad abstracta, “... los derechos humanos nacidos con las reivindicaciones burguesas poseen tanto elementos positivos y emancipadores como negativos y con lógicas de dominación e imperio. ” silencia e invisibiliza el desgarramiento que, desde sus inicios, se dio no solo entre el orden feudal frente al que luchaba la burguesía, sino también frente a otros grupos sociales que quedaron discriminados y marginados por no encajar en el “traje” de la cultura burguesa. Más bien, la capacidad de hacerse hegemónica de este colectivo, provocó, al institucionalizar sus reivindicaciones, que otros grupos humanos no pudieran en ese mismo periodo y, en periodos posteriores, hacer una lucha con resultados institucionales y estructurales equivalentes a los que logró la burguesía. Esto ocasionó una serie de experiencias de contrastes diversas y diferentes en colectivos (indígenas, mujeres, otros grupos étnicos o raciales, etc.), que tuvieron que adaptarse al imaginario de la modernidad liberal burguesa cuyo horizonte de sentido -que no era el único válido y verdadero- poseía tanto lógicas de emancipación como lógicas de dominación patriarcal y etnocéntrica, siendo estas últimas las que se hicieron predominantes. De todas maneras, los derechos humanos nacidos con las reivindicaciones burguesas poseen tanto elementos positivos y emancipadores como negativos y con lógicas de dominación e imperio. Como grupo lucharon por una privación de algo que les pertenecía, por aquello que estimaban que les era debido. En

[close]

p. 7

Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 “... los derechos humanos surgen y nacen quebrados en un contexto específico -el tránsito a la modernidad- de jerarquía, de división social, étnica, sexual, política y territorial...” cierta manera, desarrollaron un ideal de apertura, emancipador y un horizonte de esperanza. Asimismo, demandaron unos derechos en tanto clase desposeída que abrió un proceso de liberación con el que se estableció un método muy eficaz de lucha para hacer que el derecho se hiciera real. No obstante, la burguesía reivindicó unos derechos circunscritos a su propio modo de vida, limitados a una forma de ser hombre. Su reivindicación legítima de derechos expresa una forma concreta de ser hombres, de ser humanos, pero no atribuyen derechos a quienes conviven con ellos (campesinos, mujeres, negros, indígenas…) y menos a sus condiciones de existencia. No hay que olvidar que la burguesía, como movimiento social estaba formado por villanos (moradores de las villas), mercaderes, banqueros, dirigentes religiosos, que se resistían tanto al dominio feudal o absolutista de señores, sacerdotes y reyes, como al carácter cerrado, familiar y excluyente de las corporaciones. En su manera de auto-identificarse no les preocupaba la situación ni las racionalidades de otros colectivos como los esclavos, las mujeres o la clase trabajadora. Incluso sus pretensiones estaban más vinculadas a libertades relacionadas con el mundo comercial, la propiedad privada y el disfrute de sus vidas individuales, que era la de ellos mismos y no la de los demás. Por esta razón, los derechos humanos surgen y nacen quebrados en un contexto específico - el tránsito a la modernidad - de jerarquía, de división social, étnica, sexual, política y territorial del hacer humano que condiciona negativa y desigualmente el acceso de todos a los bienes necesarios para una vida digna. Por tanto, provocan distintas respuestas no secuenciales ni lineales, que determinados colectivos dan a problemas que surgen en sus respectivos contextos, pero marcados por el imaginario liberal-burgués que se mueve bajo lógicas de dominación e imperio. Cuando se habla de derechos humanos no hay que circunscribir su dimensión al plano de idealidad abstracta y teórica. La visión generacional de los derechos humanos no atiende a los derechos más necesarios y urgentes que poseen aquellos grupos humanos que chocan desde el primer día, con las lógicas discriminatorias y de imperio consolidadas por la burguesía. Se invisibilizan o no afectan a las situaciones estructurales de desigualdad y dominación que quedan intactas históricamente, a pesar de que existan normas e instituciones que puedan, formalmente, reconocer las demandas de esos grupos excluidos. Como se ignora y se fortalece el mal común que solo beneficia a unos pocos a costa de la mayoría, los colectivos populares y oprimidas luchan permanente y continuamente por sus condiciones de una vida digna de ser vivida (étnica, epistémica, social, económica, política, libidinal-sexual, cultural...) más allá de las generaciones establecidas doctrinal y jurídico-positivamente. Asimismo, parece que las generaciones de derechos humanos parten de una afirmación histórica sobre su origen que se absolutizó: una vez que nacieron, ya surgieron en su máxima expresión y se dieron para siempre. Por ello, mediante procesos de abstracción SOPHIA PARIS, ONU 7 se han mantenido sus estructuras congeladas para establecerlas como molde y patrón, y se han aplicado sobre otras secuencias espacio-temporales, invisibilizando tanto la dinámica y los conflictos implicados como los nuevos problemas que se han ido presentando. De esta manera se silencia el sentido político que tienen los derechos humanos en tanto procesos de desencuentros, conflictos y desgarramientos. En el interior del propio desarrollo del sistema capitalista, una vez que triunfó la clase burguesa y subió al poder, fueron apareciendo otros colectivos humanos que sufrían otras situaciones de explotación y marginación social. Reaccionaron a su manera, con sus propias especificidades -la clase obrera, las mujeres, los negros...-, pero tuvieron que adaptarse a la manera de institucionalizar y ga- rantizar los derechos establecida por quien controló el poder en todas sus expresiones. El movimiento social burgués logró expandir socio-culturalmente su imaginario, su manera de pensar y su ideología. Todos los demás colectivos y grupos humanos se han tenido que adaptar o enfrentar a su modo de ver y estar en la realidad. Curiosamente, nadie ha podido hacer posible un equivalente proceso estructural de transformación y cambio de paradigma hegemónico, igual al que la burguesía en su momento realizó frente al orden medieval. *Profesor Titular de Filosofía del Derecho. Universidad de Sevilla.“A la memoria de Joaquín Herrera Flores, eterno constructor de barricadas contra las injusticias del capital e incombustible crítico de la razón estática”. Plano Nacional de Direitos Desumanos Ives Gandra Martins Filho* O Decreto Presidencial 7.037/09 tem gerado muita polêmica porque quis incluir na Declaração Brasileira de Direitos Humanos muitos elementos de extremada controvérsia, a par de desdizerem do sentido do que sejam direitos humanos. Realmente, nosso PNDH-3, em que pese grande parte de seu conteúdo ser altamente positivo, não faz jus, naquilo que incluiu de atentatório aos Direitos Humanos, à sadia tradição das Declarações Universais de Direitos Humanos, nem da Revolução Francesa (1789), nem da ONU (1948). Pode-se dizer, do Plano, o que dizia o comentarista esportivo a respeito do jogador que perdeu um gol feito: “Fez que nem vaca holandesa; deu 80 litros de leite e depois chutou o balde...” Com efeito, se a vida é o primeiro e principal direito humano fundamental, de 1ª geração, e assegurado desde a concepção (art. 4º, 1) pelo Pacto de São José da Costa Rica sobre Direitos Humanos (1969), ratificado pelo Brasil, destoa absolutamente da tradição a orientação incluída no PNDH-3 de “apoiar a aprovação do projeto de lei que descriminaliza o aborto, considerando a autonomia das mulheres para decidir sobre seus corpos” (Diretriz 9, Orientação Estratégica III, g). Como se o nascituro, com código genético distinto e vocacionado para o nascimento, ainda pudesse ser considerado como mero órgão da mãe, passível de amputação! Seria de se perguntar se a referida proposta não conflita com a saudável Diretriz 6, que prevê “promover e proteger os direitos ambientais como Direitos Humanos, incluindo as gerações futuras como sujeitos de direitos”. Ora, se o próprio PNDH-3 quer dar tratamento aos não nascidos como sujeitos de direitos, como deixa ao arbítrio da mãe o decidir se a criança concebida terá, ou não, direito de nascer? Outra incongruência notória do PNDH-3 é, na mesma Diretriz 7, prever louvavelmente o combate e a erradicação do trabalho escravo (VII), por representar o tratamento do ser humano como objeto e mercadoria, e, ironicamente, no item exatamente anterior ao do trabalho escravo, falar em “garantir os direitos trabalhistas e previdenciários de profissionais do sexo por meio da regulamentação de sua profissão” (D. 7, VI, n), quando o reconhecimento legal da prostituição atenta contra a dignidade da mulher, considerada como mero objeto de prazer. Quais os pais que desejam que sua filha seja prostituta? Qual a mulher que vende o próprio corpo por opção? E a diretriz trata da matéria dentro do capítulo de assegurar a todos um “Trabalho Decente”! Não é por menos que o Programa se proponha, para tanto, a “realizar campanhas e ações educativas para desconstruir os estereótipos relativos às profissionais do sexo” (D. 9, III, h). Ou seja, com o uso de eufemismos, procura mostrar que a prostituição é uma atividade boa e decente, como outra qualquer! A meu ver, se não é possível erradicar a triste realidade da prostituição, o Programa deveria promover ações no sentido de retirar a mulher dessa situação, a par de, como o fez, proteger as prostitutas contra as violências de que possam ser objeto (a própria prostituição já é uma violência contra a mulher) e assegurar seu acesso aos programas de saúde (D. 7, IV, q). Mas o eufemismo maior, digno do “Ministério da Verdade” da obra clássica de George Orwell “1984”, é o que propõe a instituição da “Comissão Nacional da Verdade”, para examinar as violações de Direitos Humanos praticadas no contexto da repressão política (D. 23, I, a), “incentivar a produção de filmes, vídeos, áudios e similares, voltada para a educação em Direitos Humanos e que reconstrua a história recente do autoritarismo no Brasil, bem como as iniciativas populares de organização e de resistência” (D. 22, II, c) e “desenvolver programas e ações educativas, inclusive a produção de material didático-pedagógico para ser utilizado pelos sistemas de educação básica e superior sobre o regime de 1964-1985 e sobre a resistência popular à repressão” (Diretriz 24, sobre a “Construção Pública da Verdade”, I, f). Na disputa política desse período ninguém foi santo: nem militares, nem guerrilheiros. Os fins nunca justiticaram os meios, e, aqui, o uso da violência foi de ambas as partes. Mas reescrever a história, para canonizar os últimos e anatematizar os primeiros também faz lembrar outro livro de Orwell, a “Revolução dos Bichos”, em que o primeiro mandamento passa a receber nova versão: “Todos os animais são iguais, mas uns são mais iguais do que os outros”. Sem mencionar outros tantos temas altamente polêmicos para serem incluídos reconhecidamente como Direitos Humanos, tais como o casamento entre homossexuais e o direito de adoção (D. 10, V, b e c), desconsiderando o direito da própria criança, e a proposta de “desenvolver mecanismos para impedir a ostentação de símbolos religiosos em estabelecimentos públicos da União” (D. 10, VI, c), desconsiderando que uma das manifestações mais humanas é a da religiosidade e da preservação de seus valores culturais mais profundos, como são, em nossa pátria, os da civilização cristã... Essas inclusões fazem sombra a aspectos tão positivos e inovadores quanto são os de “incentivar as políticas públicas de economia solidária, de cooperativismo e associativismo e de fomento a pequenas e micro empresas” (Diretriz 4, I, e), de “apoiar o combate ao crime de captação ilícita de sufrágio, inclusive com campanhas de esclarecimento e conscientização dos eleitores” e aos “projetos legislativos para o financiamento público de campanhas eleitorais” (D. 7, IX, b e c), de “combater a pornografia infantojuvenil na Internet, por meio do fortalecimento do Hot Line Federal e da difusão de procedimentos de navegação segura para crianças, adolescentes, famílias e educadores” (D. 8, IV, f). Enfim, o PNDH-3, pelas contradições e distorções que apresenta, não obstante o qualificado e detalhado trabalho, se não forem oportunamente corrigidas, poderá receber o título de “Plano Nacional dos Direitos Desumanos”, por desconhecer a natureza humana e suas exigências. * Ministro do TST e Membro do CNJ. Comodato�de�Impressoras Laser�para�Profissionais da�Área�Jurídica Recargas�em�Cartuchos Tinta�e Toner�p/�impressoras NBR�ISO�9001 Manutenção�de�Impressoras Laser,�Jato�de Tinta, Multifuncionais Tele-entrega (51) 3219-1001 A melhor�taxa�de�entrega�do�mercado a tendimentoaocliente@1001.com.br

[close]

p. 8

8 Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 Os Direitos Humanos: realidade ou mito? André Marques de Oliveira Costa * Em nosso país onde a Constituição Federal pontua elevadamente a dignidade da pessoa humana em decorrência da forma republicana e que confirma a personalidade do Brasil no cenário internacional tem supremacia dos direitos humanos como um de seus princípios, além de ser signatário de diversos Tratados Internacionais, combinado pela expressa aceitação à jurisdição da Corte Interamericana de Direitos Humanos. Sabemos que são vários os tratados internacionais já assinados que o Brasil é signatário, quais sejam nas matérias que cuidam dos direitos civis e políticos, econômicos, sociais e culturais, proteção ao meio ambiente, tratamento adequado a refugiados, proibição de discriminação de gênero, raça ou credo e assim por diante. Nesta inter-relação pela qual o Brasil está inserido, adquirem forças também aqueles países que assumem e divulgam em público as obrigações assumidas, como por exemplo: prometer cumprir e defender um conjunto mínimo de valores comuns; estabelecer mecanismos de proteção dos direitos humanos etc. Em decorrência do Brasil ter aderido a diversos Tratados Internacionais existentes no que tange sobre Direitos Humanos dos quais representam imprescindíveis instrumentos normativos, entretanto, devem ser observados atentamente e com bons olhos, pois emanam normas que visam acima de tudo o respeito à dignidade da pessoa humana. Insta mencionar que a dignidade humana é o valor supremo que norteia inclusive o nosso Ordenamento Jurídico. Os Tratados Internacionais dos quais o Brasil é signatário demonstram sua preocupação no respeito aos direitos humanos, permitindo que as comunidades internacionais tomem conhecimento de casos concretos onde o Estado brasileiro falhou ao cumprir os compromissos assumidos, violando direitos daqueles estrangeiros que vivem em território nacional. Desta forma, entendo que o Brasil não pode deixar de garantir o direito à vida, à saúde ou à educação, devendo decidir em tempo razoável os casos que são levados ao judiciário. Ademais, sabemos que diversos crimes não são investigados, deixando impunes seus autores das medidas lesivas aos direitos humanos são exemplos simples de situações que ocorrem no país, mesmo alcançando somente brasileiros – podendo gerar uma condenação internacional. Condenação que poderá trazer várias conseqüências, tais como expor o Brasil à censura internacional (reconhecimento público de desrespeito aos direitos humanos), obrigar à reparação dos danos, tanto com o pagamento de indenizações em dinheiro, quanto com a especificação de obrigação de fazer (repor o estado anterior daquele cujo direito foi violado; adotar medidas públicas de reconhecimento da falha estatal e adoção de políticas públicas para evitar a repetição do ato etc). No âmbito internacional, os municípios, o Distrito Federal e os estados-membros não tem capacidade de agir e assim como não podem assumir encargos (financiamentos, acordos, contratos etc), também não podem ser responsabilizados. Isso faz com que a punição internacional que decorra de atos imputados aos estados-membros (por ação ou omissão) recaia sobre o ente federal. Nossa forma federativa, então, embora possa influir em determinados casos concretos, não poderá ser utilizada como escudo para evitar a punição internacional que decorra da violação dos direitos humanos. Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos contem status de norma constitucional, conforme o artigo 5º, §2º da Constituição Cidadã que pontua: “Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte.” Interpretando com atenta leitura do § 2º do artigo 5º da CF/88, verificamos que os Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos têm inequívoco status constitucional. Verificando que na própria Constituição da República confere valor constitucional aos referidos Tratados, podemos indagar: Como ficou este panorama após a Emenda Constitucional nº 45 de 2004? A referida emenda constitucional acrescentou o §3º ao artigo 5º da Carta Maior que dispõe: “Os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos membros, serão equivalentes às emendas constitucionais.” O dispositivo elencado no §3º do artigo 5º visa a atribuir status formalmente constitucional aos Tratados Internacionais Sobre Direitos Humanos que forem aprovados em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos membros, ou seja, se obedecerem ao procedimento do §3º serão equivalentes a Emendas Constitucionais. O status constitucional dos referidos Tratados remanesce incólume, pois, ainda que não sejam aprovados pelo procedimento previsto no §3º do artigo 5º, estes instrumentos de proteção dos direitos humanos são materialmente constitucionais, integrando assim o chamado bloco de constitucionalidade. Inaplicabilidade da prisão civil do depositário infiel, que mesmo tendo amparo na Constituição Cidadã, encontra vedação no artigo 7º, 7, da Convenção Americana sobre Direitos Humanos que dispõe: “Ninguém deve ser detido por dívidas. Este princípio não limita os mandados de autoridade judiciária competente expedidos em virtude de inadimplemento de obrigação alimentar”. Neste sentido, toda e qualquer norma que SOPHIA PARIS, ONU “... a dignidade humana é o valor supremo que norteia inclusive o nosso Ordenamento Jurídico.” MARCO DORMINO, ONU permita a prisão do depositário, ainda que tenha fulcro na Carta Cidadã, não é aplicável, não é válida, pois conflitua manifestamente com o Pacto de São José da Costa Rica, que só permite a prisão civil em razão do inadimplemento de obrigação alimentar. Originando a indagação: Como fica o conflito entre o dispositivo da Constituição Federal e o do Pacto de São José da Costa Rica? O conflito deve ser resolvido pela aplicação do princípio pro homine, que em linhas gerais significa que se aplica a norma mais favorável ao ser humano, sendo que no caso em comento, a mais favorável é a norma do Pacto de São José da Costa Rica. Diante disso, permite-se afirmar a existência de, ao menos, um duplo reconhecimento do interesse federal, que decorre quer da obrigação da União de implementar as regras constitucionais (e não é outro o motivo que pode levar à intervenção por violação aos princípios sensíveis, prevista no artigo 34, VII, “a”, da Constituição Federal), quer da necessidade de atribuir eficácia aos compromissos internacionais assumidos. Não se tratando de extinguir a estrutura federativa, mas, sim, de reconhecer o papel reservado à União. Vejamos o artigo 34, VII, a, da Constituição Cidadã, in verbis: Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para: VII - assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais: a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático; Esses ditames, que inserimos o IDC - Incidente de Deslocamento de Competência que fora introduzido pela EC 45/2004 na qual permite ao ProcuradorGeral da República a provocação do STJ - Superior Tribunal de Justiça para transferir, para a Justiça Federal, jurisdição que esteja submetida ao Poder Judiciário Estadual. Situações que, em regra, seriam de competência da Justiça Estadual, se observada a possibilidade de responsabilização internacional do Brasil por violação dos atos internacionais de proteção dos direitos humanos, poderão ser deslocadas para a Justiça Federal, desde que demonstrada a necessidade de tal ato para efetivar a proteção que se visa. Importante ressaltar a criação de um juízo de exceção ou uma condenação prévia daqueles que vierem a ser apontados como responsáveis por ato ilícito, tendo em vista que os fatos serão transferidos para o âmbito de atuação de um juiz federal previamente instituído, também dotado de todas as garantias da magistratura no âmbito nacional, a quem também compete zelar pela ampla defesa e devido processo legal. A intransigência, o deslocamento pode se dar até em benefício “... princípio pro homine, que em linhas gerais significa que se aplica a norma mais favorável ao ser humano...” do acusado, liberando-o de um processo custoso e lento ou, ainda, direcionado a condená-lo. Por ser medida fora do comum, normalmente vista como um voto de desconfiança na estrutura de poder do estado-membro, o IDC deve, de fato, ser usado como equilíbrio, mas não pode ser visto como um jogo de força, pois, antes de tudo, é um instrumento capaz de ajudar na implementação dos direitos humanos, com um custo institucional muito inferior ao de uma intervenção federal e muito mais efetivo do que o simples “empréstimo” temporário da Polícia Federal para a investigação de um crime. Tomar consciência e tornar eficaz o IDC é, portanto, medida salutar, que pode tornar o debate sobre o respeito aos direitos humanos um assunto central na agenda pública brasileira, despindo a discussão de seu caráter meramente retórico e buscando uma efetiva capacidade de mudar a triste realidade que ainda nos cerca. Em que pese a tese da supralegalidade representar um inegável avanço para nosso Estado Democrático de Direito, continuaremos defendendo que os Tratados Internacionais Sobre Direitos Humanos, uma vez subscritos pelo Brasil, tem incorporação automática em nosso Ordenamento Jurídico e status Constitucional, lembrando que o fundamento para o valor constitucional dos referidos Tratados encontrase prescrito no artigo 5º, § 2º, da Constituição Cidadã. Desta forma, para nós, o dispositivo constitucional demonstra claramente o valor constitucional dos Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos. Devemos lembrar ainda que a norma insculpida no §3º do mesmo artigo 5º visa a atribuir status formalmente constitucional, assim, todo Tratado Internacional sobre Direitos Humanos, uma vez subscritos pelo Brasil, tem incorporação automática em nosso Ordenamento e status materialmente constitucional. Se passarem pelo procedimento previsto no §3º do artigo 5º da Carta Maior, passam a contar também com status formalmente constitucional, sendo de valor igual a emendas constitucionais. * Advogado inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Goiás, Consultor, Escritor e Doutorando em Direito pela UNLZ.

[close]

p. 9

Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 9 Breves apontamentos sobre os mandados de criminalização Cleber Masson* Nos dias atuais, utiliza-se constantemente a expressão “teoria constitucional do Direito Penal”. Seu conteúdo é simples: o Direito Penal somente se legitima quando protege valores consagrados na Constituição Federal. Esta teoria, na verdade, sustenta a lógica a ser seguida em todos os sistemas jurídicos que têm as normas constitucionais em seu ápice. Exemplificativamente, a tipificação do homicídio pelo art. 121 do Código Penal é válida, uma vez que o art. 5.º, caput, da Lei Suprema tutela o direito à vida; de outro lado, eventual incriminação de comportamentos homossexuais seria inconstitucional, pois o citado dispositivo constitucional estabelece a igualdade de todos perante a lei, sem distinção de qualquer natureza. No âmbito da teoria constitucional do Direito Penal, o princípio da proporcionalidade desponta como um dos mais relevantes vetores a ser observado pelo legislador. No plano histórico, sua origem normativa remonta aos itens 20 e 21 da Magna Carta do Rei João sem Terra, de 1215: 20. Um homem livre será punido por um pequeno crime apenas, conforme a sua medida; para um grande crime ele será punido conforme a sua magnitude, conservando a sua posição; um mercador igualmente conservando o seu comércio, e um vilão conservando a sua cultura, se obtiverem a nossa mercê; e nenhuma das referidas punições será imposta excepto pelo juramento de homens honestos do distrito. 21. Os condes e barões serão punidos por seus pares, conformemente à medida do seu delito. A proporcionalidade, no campo penal, deve ser compreendida no sentido de ser a criação de tipos penais e a cominação de penas uma atividade vantajosa para os membros da sociedade, eis que impõe um ônus a todos os cidadãos, decorrente da ameaça de punição que a eles acarreta. Nos moldes atuais, foi desenvolvido inicialmente na Alemanha, sob inspiração de pensamentos jusnaturalistas e iluministas, com os quais se afirmaram as idéias de que a limitação da liberdade individual só se justifica para a concretização dos interesses coletivos superiores. Funciona como forte barreira impositiva de limites ao legislador. Por corolário, a lei penal que não protege um bem jurídico é ineficaz, por se tratar de intervenção excessiva na vida dos indivíduos em geral. Fica nítido, pois, que o princípio da proporcionalidade possui dois desdobramentos. Em primeiro lugar, veda o excesso de pena (proibição do excesso). Mas não para por aí. Também não se admite um tratamento penal mais brando do que o desejado pelo constituinte, e, por corolário, a omissão do legislador na criação de infrações penais e cominação de penas. É o que se convencionou chamar de princípio da proibição da proteção insuficiente no Direito Penal, o qual já foi inclusive admitido pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do Recurso Extraordinário 418376/MS, julgado em 09 de fevereiro de 2.006. Entra em cena, nesse ponto, o estudo dos mandados de criminalização. A Constituição Federal brasileira, seguindo o modelo de algumas constituições europeias, como as da Alemanha, Espanha, Itália, França e da própria Comunidade Europeia, estabelece mandados explícitos e implícitos de criminalização (ou penalização). Cuida-se de hipóteses de obrigatória intervenção do legislador penal. Com efeito, os mandados de criminalização indicam matérias sobre as quais o legislador ordinário não tem a faculdade de legislar, mas a obrigatoriedade de tratar, protegendo determinados bens ou interesses de forma adequada e, dentro do possível, integral. Os mandados de criminalização explícitos contidos na Constituição Federal são encontrados nos artigos 5.°, incisos XLII (racismo), XLIII (tortura, tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, terrorismo e crimes hediondos) e XLIV (ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado democrático), e § 3.° (os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos membros, serão equivalentes às emendas constitucionais), 7.°, inciso X (retenção dolosa do salário dos trabalhadores), 227, § 4.° (abuso, violência e exploração sexual da criança ou adolescente), 225 (condutas lesivas ao meio ambiente). Há, também, mandados implícitos de criminalização, dentre os quais se pode citar o exemplo do necessário e urgente combate eficaz à corrupção, seja no campo eleitoral, seja no Poder Público como um todo. Alguns dos mandados de criminalização já foram atendidos pelo legislador ordinário de modo satisfatório (é o caso da Lei 9.605/1998, responsável pela definição dos crimes ambientais); outros de forma insuficiente; e vários simplesmente ignorados. E, dentre os olvidados pelo legislador, destaca-se a tipificação legal do terrorismo, crime equiparado aos hediondos e ainda não definido a contento. Não se desconhece que a Lei 7.170/1983 (Lei de Segurança Nacional), em seu artigo 20, fala em “atos de terrorismo”, porém não define terrorismo e tampouco quais seriam esses atos que o identificariam. É preciso, portanto, mais atenção do legislador para atender fielmente os mandamentos constitucionais, protegendo de forma eficaz e proporcional os direitos fundamentais do ser humano, seja mediante a não incriminação de determinadas condutas irrelevantes, seja com a tipificação dos comportamentos constitucionalmente considerados inaceitáveis para os indivíduos e para a sociedade. * Promotor de Justiça em São Paulo. Doutorando e mestre em Direito Penal pela PUC-SP . Professor de Direito Penal do Complexo Jurídico Damásio de Jesus. Autor dos livros Direito Penal Esquematizado – Parte Geral e Direito Penal Esquematizado – Parte Especial, publicados pela Editora Método.

[close]

p. 10

10 entrevista Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 O Estado de Direito Jorge Miranda* JORNAL ESTADO DE DIREITO: O senhor pode fazer um breve relato ao público leitor do Jornal Estado de Direito sobre o que significa o Estado de Direito na sua concepção. JORGE MIRANDA: Bom, seria uma longa conversa, mas o Estado de Direito é uma expressão que damos à forma da organização do Estado, político, da sociedade, em que há fundamentalmente um determinado conjunto de grandes princípios. Em primeiro lugar a idéia de direitos fundamentais, à pessoa humana, a sua dignidade, à proteção da pessoa humana, a sua liberdade, a sua autonomia, frente ao poder político. A pessoa humana como sujeito e não como objeto do poder político. Em segundo lugar, a idéia de que a pessoa humana não deve estar afastada do exercício do poder político, deve ter uma forma qualquer de intervenção na conformação do poder político. Daí a ligação que hoje se faz a constituição brasileira, a constituição portuguesa, entre Estado de Direito e democracia, Estado Democrático de Direito e Estado de Direito Democrático. A liberdade individual, a liberdade pessoal, realiza-se no Estado de Direito. O Estado de Direito pressupõe democracia, não há democracia sem Estado de Direito e também a experiência histórica mostra que não há Estado de Direito sem democracia. Depois a todo um conjunto, princípios jurídicos que decorrem da idéia de Estado de Direito. O princípio da justiça, o princípio da igualdade, o princípio da proporcionalidade, da proteção, da confiança, do respeito a coisa julgada, o princípio da universalidade dos direitos, o princípio da responsabilidade do Estado por ações ou omissões que infrinjam os direitos fundamentais, todo esse conjunto de princípios integra o núcleo que nós hoje consideramos essencial ao Estado de Direito. Estado de Direito não é algo que tenha surgido de um momento para o outro. Não é por acaso que, por exemplo, a Constituição que é considerada paradigmática no Estado de Direito é a Constituição alemã de 1949, a Constituição de Bonn vem em seguida do regime nazista, não é por acaso que a Constituição portuguesa de 1976 venha seguida do regime Salazarista, ou a espanhola de 1978 a seguir do Regime Franquista, ou brasileira de 1988 a seguir ao regime ditatorial. Há também um avanço das idéias, da concretização das idéias, há também uma certa dialética histórica, quando um determinado regime põe em causa os direitos fundamentais, a garantia da participação política dos cidadãos, e esses princípios que eu há pouco mencionei então no momento seguinte, dá-se um passo mais em frente, quer-se contrariar aquilo que antes se verificou. Infelizmente que esta situação é o que nós encontramos no Brasil, em Portugal, na Espanha, e em todos os países, um avanço do Estado de Direito, muitas vezes que se dá à custa de muitos sofrimentos. Há forças totalitárias, forças populistas, forças de várias naturezas que são opostas ao Estado de Direito, e há também crises econômicas, financeiras, sociais, crises identitárias que levam muitas vezes a um afastamento do Estado de Direito. Portanto o Estado de Direito é algo que nós podemos dizer que se identifica com o constitucionalismo moderno, podemos dizer que vai desde a constituição americana JORNAL ESTADO DE DIREITO A pessoa humana como sujeito e não como objeto de 1787, da Declaração dos Direitos do homem de 1789, sobretudo do século XIX, mas até os nossos dias. Como nos mostra a experiência terrível do século XX, o Estado de Direito teve que vencer muitos e muitos obstáculos, até chegarmos a situação atual. JED: Quem tem mais interesse em conhecer o direito são os profissionais e estudantes da área jurídica. Qual a importância para a sociedade em conhecer o direito? JM: É que há o direito objetivo e há o direito subjetivo. O direito objetivo é o conjunto das normas jurídicas que regem a sociedade, e esse fundamentalmente é o que nós temos nas faculdades, e aquele que caracteriza o jurista, o jurista é aquele que conhece o direito, que é capaz de interpretar e aplicar uma lei etc. Mas há também o direito subjetivo, o direito de cada pessoa, o meu direito, o seu direito. O direito de agir ou não agir, o direito de circular livremente, a liberdade de me associar com outra pessoa, a liberdade reunião, liberdade de religião, o direito à habitação, o direito à moradia, o direito à proteção da saúde etc. Ora bem, e esses direitos subjetivos estão em ligação com o direito objetivo, eu só posso conhecer os meus direitos se eu também pelo menos conhecer a constituição. No mínimo no mínimo, eu acho que numa sociedade democrática, digamos, com exigências de avanço e progresso, a Constituição deveria ser conhecida por toda a gente, porque lá é que está a sede básica dos direitos, e eu só posso defender o meu direito, se conhecer o meu direito. Como é óbvio, eu só posso defender aquilo que eu acho que é a minha liberdade, se souber dizer a alguém, “você não pode passar essa marca, porque aqui está atingindo a minha liberdade”, por tanto o acesso aos direitos, o conhecimento dos direitos até foi já definido por alguém como o direito dos direitos, antes de mais nada. E nós temos os nossos direitos, mas temos também o direito de conhecer os nossos direitos, e isso se manifesta em muitos casos, a Constituição brasileira, por exemplo, previa e a portuguesa também, que em caso de prisão, detenção, a pessoa que é presa tem o direito de conhecer os seus direitos, como, aliás, a gente vê nos filmes americanos. JED: Por que as pessoas vêm o acesso à justiça de modo restrito ao acesso ao judiciário? JM: Mas não é, são duas coisas diferentes, até podemos dizer que quanto mais nós conhecemos os nossos direitos, por ventura menos iremos ao judiciário, porque saberemos defender os nossos direitos, sem a intervenção dos tribunais, por tanto, é fundamental difundir os direitos, como aqui, como este Jornal, o Estado de Direito faz, difundir os direitos, dar as pessoas o conhecimento, reforçar digamos uma consciência jurídica, uma consciência cívica, a idéia de cidadania, para empregar uma expressão for te, é uma idéia que está ligada ao conhecimento do direito, o cidadão conhece os direitos e conhece também os seus direitos, naturalmente, há uma conexão necessária entre direitos e deveres. Muitas vezes falam só em direitos quando também há os deveres é óbvio, cidadania é conhecer os direitos e os deveres, e saber exercer os direitos e cumprir os deveres. Mas há um processo em larga medida de educação, educação cívica e de educação moral. JED: E como Portugal tem avançado nesse sentido de ter disciplinas escolares. JM: Em Por tugal muito pouco se tem feito. Embora hoje, as pessoas estejam mais conscientes de seus direitos, realmente estão, mais atentos aos direitos, hoje também por isso mais litigantes nos tribunais, mas mesmo assim ainda estamos muito longe. É extremamente importante que haja educação cívica, que os grandes meios de comunicação de massas estejam aber tos a difusão do direito. A gente muitas vezes, eu pessoalmente fico espantado, às vezes vejo programas da televisão com essa publicidade de coisas variadíssimas que não interessam absolutamente nada e não há programas dizendo os nossos direitos, os direitos ambientais, direitos sociais, os direitos de liberdade etc. Isso é extremamente importante e infelizmente não há, e devia haver. Eu não sei se no Brasil a TV Justiça faz algo nesse sentido. JED: Sim, bastante, só que ainda não é um canal aberto a todas as pessoas. Muito obrigada pela sua contribuição, ficamos felizes em conhecer a universidade, fomos muito bem acolhidos, o vídeo que fazemos será transcrito e publicado no Jornal e depois disponibilizamos no canal www.youtube.com/carmelagrune que tem diariamente 300 acessos e em dois anos já passou de 115 mil visualizações de vídeos. Mesmo concorrendo com todos os tipos de conteúdo (sexo, violência, novela) disponível na internet conseguimos abrir espaço para vídeos que acrescente na vida de cada pessoa. JM: Consegue abrir o espaço no mercado. JED: Sim. No mercado e num mercado totalmente democrático, porque a pessoa na Internet escolhe realmente aquilo que quer ver. Obrigada professor. JM: Muito gosto e pode contar comigo. *Professor Catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

[close]

p. 11

AF_Anuncio Estado de Direito2.pdf 1 16/3/2010 08:02:43 Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 11 C M Y CM MY CY CMY K

[close]

p. 12

12 especial Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 O papel da Justiça para a popularização do Direito O Presidente do Tribunal Constitucional Português Rui Manuel Gens de Moura Ramos analisa as atividades desenvolvidas pelo Tribunal Constitucional Português no ano de 2009, aborda a Conferência dos Órgãos de Jurisdição Constitucional dos Países de Língua Portuguesa que ocorrerá em maio deste ano e fala sobre a importância do Judiciário na promoção da Cultura Jurídica. Rui Manuel Gens de Moura Ramos* Atividades do Tribunal Constitucional Português O Tribunal Constitucional Por tuguês ao longo deste ano de 2009 desenvolveu sua atividade dentro das áreas tradicionais e normais de sua atividade judiciária. O Tribunal tem uma atividade muito ampla na qual ocupa um centro fundamental o controle da constitucionalidade das leis. E esse controle, em Portugal, faz-se quer seja fiscalização abstrata quer seja fiscalização concreta. E eu posso lhe dizer que fiscalização abstrata, em que o Tribunal é confrontado com a possível inconstitucionalidade de uma norma, tal pode acontecer com caráter preventivo ou sucessivo. Isto é, o Tribunal pode ser questionado antes de a norma ser promulgada, entre o momento em que o Parlamento, ou o governo aprova uma norma e antes de sua entrada em vigor, de sua promulgação, a procuradoria pública geralmente, ou em outros casos o representante da ré pública numa região autônoma, no que toca as leis regionais confronta o Tribunal com a questão da sua conformidade com a Constituição e o Tribunal tem que responder num prazo muito curto, num prazo de 25 dias sobre se essa norma é ou não é constitucional. Portanto isso é chamada fiscalização preventiva. O Tribunal prosseguiu sua atividade nesse campo, tendo sido levado a pronunciar-se suponho que ao todo em cinco ou seis casos, sobre juízos de fiscalização preventiva. Depois prosseguiu também no que toca a fiscalização sucessiva, isto é, situações onde há uma lei já aprovada, está em vigor, e que durante o curso de sua aplicação o Tribunal é questionado, por um conjunto de entidades públicas, o Presidente da República, o promotor de justiça, o governo, grupos parlamentares, representantes das regiões, sobre a conformidade constitucional de normas em vigor. Isso também aconteceu, com um número mais elevado de casos, um número que talvez tenha sido sete ou oito casos, mas alguns deles tiveram repercussão midiática muito impor tante, um deles foi o que toca ao Estatuto da Região Autônoma dos Açores que já tinha sido apreciado pelo Tribunal em fiscalização preventiva o ano passado, isto é, nessa altura nós fomos confrontados com a possível inconstitucionalidade de algumas normas, nos pronunciamos, declaramos algumas inconstitucionais, o legislador expurgou estas normas, mas aprovou uma versão do estatuto, e depois, mais tarde, nós fomos confrontados com a possível inconstitucionalidade de outras normas desse estatuto. O que não tem nada de contraditório. Ora bem, e então nós nos pronunciamos sobre estas questões, portanto tivemos vários diplomas importantes, quer em matéria de fiscalização preventiva, quer em matéria de fiscalização sucessiva. Tudo isso vai a volta de pouco mais de uma dúzia de casos. Depois tivemos a volta de talvez mil processos de fiscalização concreta da constitucionalidade, isto é, são processos em que correm nos tribunais judiciais e em que existe a possibilidade de um juiz fazer ou aplicar uma norma que é inconstitucional, ou fazer uma interpretação normativa inconstitucional e a questão nos chega porque vira recurso, ou por recurso do particular que não aceita que seja aplicada uma decisão, uma norma inconstitucional, ou por um recurso interposto pelo Ministério Público, nos casos em que o juiz se recusou ele próprio a aplicar uma norma porque considerou inconstitucional. Então nestas hipóteses o Ministério Público faz um recurso, e o Tribunal, depois que seguiu sua atividade apreciando ali a volta de mil processos deste tipo. São as três vias como chegam aqui as questões de inconstitucionalidade. Há outra, mas essa é uma via muito pouco explorada, que é a chamada inconstitucionalidade de proibição, isto é, a inconstitucionalidade por falta de emissão de normas que a constituição exigiria que tivessem sido emitidas, mas isso não houve nenhum caso neste ano e até historicamente tem havido muito poucos. Isso quanto ao controle da constitucionalidade, vivemos outras decisões de competência do Tribunal, em matéria de fiscalização das contas dos partidos políticos e das campanhas eleitorais, que é uma competência que nós temos e que não tem a ver com o controle da constitucionalidade, tem a ver com o controle de certos aspectos fundamentais do sistema político não meramente do financiamento partidário. Depois tivemos decisões também em matéria de contenção eleitoral, é preciso salientar que em Portugal este ano teve três eleições, houve eleições européias, eleições parlamentares e eleições autárquicas e nessas três eleições o Tribunal Constitucional desempenhou um papel muito importante, primeiro porque o processo eleitoral nas européias é o próprio Tribunal que faz a apuração, depois porque nas legislativas o Tribunal tem que constituir as coligações, por exemplo, e depois o apuramento é feito por órgãos e destes órgãos passa para o Tribunal Constitucional, e depois porque nas autárquicas há recursos em certos casos para o juiz da comarca, mas também pode haver para o Tribunal Constitucional. Portanto, nós este ano tivemos, ao lado de todas essas questões que eu já referi, tivemos também decisões importantes em matéria de questões eleitorais, isso foi a atividade judiciária do Tribunal, sobretudo incidiu sobre esses aspectos mais importantes. Houve uma atividade externa do Tribunal, em relação com outros tribunais, por exemplo, o Tribunal Português participou em janeiro na Primeira Conferência Mundial dos Tribunais Constitucionais, que reuniu a volta de 100 tribunais pela primeira vez na Cidade do Cabo. Tribunais Constitucionais e Tribunais Supremos, que exercem função de controle de constitucionalidade, onde estava também o Supremo Tribunal Federal do Brasil. Além disso, nós visitamos em visitas de trabalho, o Tribunal Constitucional da Eslovênia e o Tribunal Constitucional da Croácia, no âmbito de visitas de trabalho destinadas a um melhor conhecimento mútuo dos tribunais e participamos também numa sessão da conferência Ibero-Americana dos Tribunais Constitucionais de que Portugal é parte e que reúne os tribunais de Portugal, Espanha e Andorra na Europa e no quadro americano, portanto, a partir do México e até o sul do Continente Americano, todos os JORNAL ESTADO DE DIREITO Tribunais Constitucionais ou Supremos com funções constitucionais. Essa reunião teve lugar no México e tratou de um ponto específico, como é de costume das Conferências, em que o que estava em causa eram as competências dos Tribunais Constitucionais. Ah! Desculpe, esqueci de uma coisa importante, também se realizou em Lisboa, na sede de nosso Tribunal, uma Conferência que nós temos com caráter anual, com o Tribunal Constitucional Espanhol e Tribunal Constitucional Italiano, tratase de uma reunião de trabalho. São três tribunais que tem uma grande proximidade quanto ao modo de funcionamento, os sistemas jurídicos são próximos e nós fazemos todos os anos um balaço de nossa atividade, mas não é um balanço anual. Nós pegamos um tema e comparamos a maneira como esse tema foi abordado nas atividades de cada um dos tribunais. Este ano o tema era “O Direito de Propriedade na Jurisprudência do Tribunal Constitucional”, disponível, na página do nosso Tribunal (http://www.tribunalconstitu- cional.pt/tc/home.html. Ultimamente uma tendência no sentido de uma globalização da justiça constitucional, isto é, a circunstância de existirem tribunais cuja missão fundamental é apreciar a conformidade de uma norma com a Constituição é algo que está a expandir-se no mundo contemporâneo. Na Europa há 40 tribunais que tem essa função. Depois, na América de língua espanhola e portuguesa, todos os países têm ou tribunais constitucionais ou tribunais supremos que desenvolvem essa função. Enfim, há conjuntos, há questões sobre as quais os diversos tribunais constitucionais são chamados a se pronunciar, nos vários países, e há questões que são questões quase universais, portanto há toda a vantagem em que os tribunais troquem opiniões entre si, conheçam a sua experiência. A Conferência das Jurisdições dos Países de Língua Portuguesa Nós resolvemos constituir uma conferência dos órgãos com jurisdição constitucional,

[close]

p. 13

Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 “A aproximação do direito à vida real, o conhecimento por parte dos cidadãos daquilo que os órgãos judiciais pensam e daquilo que decidem é importantíssimo...” sejam os tribunais constitucionais, ou seja, tribunais supremos, como no Brasil, que tem também funções de controle de constitucionalidade, para no âmbito dos países de língua portuguesa. Porque nós temos uma comunidade lingüística, temos uma certa comunidade histórica e entendemos que é lucro para os nossos tribunais ter um conhecimento mútuo maior e para isso criamos como local de encontro desses tribunais a chamada Conferência dos Órgãos de Jurisdição Constitucional dos Países de Língua Portuguesa. Essa foi uma idéia muito bem aceita por todos, e face ao caminho que essa idéia fez, nós assinamos em Brasília, em novembro de 2008, faz agora aproximadamente um ano e assinamos uma declaração constitutiva dessa Conferência e aprovamos um projeto de estatutos, e ficou marcado um primeiro encontro para Lisboa, entretanto Portugal ficou a assumir a presidência dessa organização, encontro esse que vai ter lugar em maio próximo (2010) nós vamos discutir um conjunto de problemas e desde logo vamos fazer um levantamento do sistema de controle da constitucionalidade que existe nos nossos países. O papel do Direito na vida Social É uma questão de ordem geral, a questão que propõe é o papel do direito na vida social, quer dizer, a vida social é uma vida de relação, é uma vida que nos compromete com os outros, e esse compromisso, e essa vida em comum, têm regras, regras que são de várias naturezas, regras sociais, costumeiras, morais, mas regras jurídicas, regras impostas pelo estado, regras que organizam a vida em sociedade. E o direito é isso, o direito é o cimento ordenador da vida social e o direito não é apenas um quadro que representa a vida social, é um quadro que deve impregnar essa vida social e daí que o direito não possa ser visto como da ordem de poucos, como o direito abstrato, projetado, mas como a Law in action, do direito que é aplicado na realidade. Ora bem, para que a pessoa possa ter... É por isso que é essencial que a pessoa se preocupe com o conhecimento do quadro legal que preside a vida social. E que sinta que o direito é também um regulador da vida social. Portanto, isso implica que as pessoas devam querer conhecer como os tribunais decidem e os tribunais não possam decidir de costas viradas para a realidade social, há uma osmose e há uma interpenetração entre os sentimentos jurídicos que as pessoas têm e aquilo que os tribunais devem ser chamados a fazer, como justo. Isso não quer dizer que os tribunais estejam condicionados a pensar como a sociedade, mas não podem ignorá-la. Agora o que é certo é que a sociedade tem que se rever nos seus tribunais, a sociedade não pode construir uma relação estranha com o mundo judicial, o mundo judicial é o produto de um determinado estado social, mas é algo que é essencial a saúde da comunidade na qual exerce suas funções, portanto há aqui uma 13 relação que tem que ser alimentada e que tem que ser desenvolvida entre esses elementos. A aproximação do direito à vida real, o conhecimento por parte dos cidadãos daquilo que os órgãos judiciais pensam e daquilo que decidem é importantíssimo e nós não podemos ter uma relação esquizofrênica com essa realidade. É cada vez mais importante numa sociedade plural, numa sociedade conflitual, que haja um agente que solucione os conflitos, o recurso a esse agente não deve ser um recurso em primeira linha, ele deve juntar-se a outras... Ele deve juntar-se as alternativas de resolução de conflitos, não se deve suscitar uma pré-disposição para a litigância, mas é evidente que quando as situações não têm outra forma de se resolver tem que intervir este elemento disciplinador que são os tribunais. É evidente que tem que ter em conta os princípios que são universais, mas tudo isso implica, da parte dos tribunais, por um lado uma capacidade técnica e por outro lado um conhecimento, uma adaptação particularmente presente, em relação à sociedade em cada país. * Presidente do Tribunal Constitucional Português. Propostas de campanha e propaganda enganosa Djalma Pinto* O marketing eleitoral não pode se limitar apenas a traçar estratégias ao candidato para que, à semelhança do bom vendedor, convença o eleitor de ser o melhor “produto” para resolver os problemas apontados pela comunidade, em pesquisa, como prioritários. É preciso algo mais. É imprescindível o compromisso sincero em satisfazer aquilo que foi prometido ao cidadão para a conquista do seu voto. Sem isso, não se tem marketing algum. Tem-se sim, pura e simplesmente, estelionato eleitoral. É injusto ser o cidadão induzido a crer que determinado candidato adotará as medidas prometidas, de forma enfática, na campanha, deixando-as, porém, de lado, após ser eleito, como se não tivesse assumido compromisso algum para ser investido no poder. Barack Obama sugeriu cautela máxima ao eleitor ao ponderar: “A maioria de nós conhece a artimanha dos publicitários, dos redatores de discursos, dos analistas políticos e das pesquisas. Sabemos como as palavras podem ser usadas a serviço de objetivos cínicos, e como os sentimentos mais nobres podem ser subvertidos em nome do poder, de conveniências, de ganância e da intolerância”. (A Audácia da Esperança, Larousse do Brasil, São Paulo, 2007, p. 16-7). Milhares de pessoas acabam sendo vítimas da astúcia, da trapaça ou mesmo da incompetência daqueles que os eleitores, em determinada época, escolheram para a condução do seu destino e de seus filhos. Quantos cidadãos, com grande potencial para desfrutar prosperidade invejável, tiveram seu futuro totalmente comprometido por ação ou omissão de gestores incompetentes ou mal intencionados, que se encontravam no comando do poder, no momento em que aqueles freqüentavam a escola pública de ensino fundamental que nada ensinava? Para ser investido na representação popular, o cidadão precisa atrair a simpatia dos eleitores para a sua candidatura. Necessita do posicionamento do seu nome no ambiente em que se trava a disputa pelo mandato. Por isso, se valem os candidatos do marketing para estimular a divulgação e aceitação de suas ideias, de suas propostas, do TEORIA DA IMPUTAÇÃO OBJETIVA seu número, ensua aplicação aos delitos fim, de sua marca omissivos no direito penal para vencer. brasileiro Na prática, Ruy Celso Barbosa Florence 1a edição 2010 porém, após embriagarem-se na DUPLO GRAU CIVIL DE JURISDIÇÃO festa de comemoFacultativo e Obrigatório Sílvio Ernane Moura de Sousa ração da vitória, 1a edição 2010 muitos esquecem, literalmente, tudo TEORIA DA SOBRECONSTITUCIONALIDADE o que apresenPREAMBULAR taram durante a Aplicada à Constituição Federal brasileira campanha, nos Antonio Araújo seus programas 1a edição 2010 eleitorais, para atrair a simpatia LINGUAGEM DO LAUDO PERICIAL do eleitor. Não Técnicas de Comunicação e Persuasão existiu, nesse José Fiker 2a edição 2010 caso, marketing eleitoral, mas simRua Santo Amaro, 586 – Bela Vista – São Paulo – SP ples propaganda www.editoraleud.com.br e-mail: leud@leud.com.br enganosa. A marwww.editorapillares.com.br e-mail: editorapillares@ig.com.br ca da enganação passa a incorporar-se no conceito daquele que foi investido no mandato. Por exemplo, nos meses que antecedem as eleições, todos os buracos existentes nas ruas das cidades são tapados, enfatizando o candidato ser esta a linha gerencial que adotará caso seja reeleito. Terminada a apuração, conhecido o resultado, nada mais é feito para fechar os novos buracos que surgem por toda parte. Pouco tempo depois, crescem estes, agigantam-se, transformando-se, muitas vezes, em verdadeiras crateras. O cidadão não tem a quem reclamar. Coloca cartazes, nos locais, liga para as emissoras, tudo em vão. Resta-lhe aguardar, pacientemente, novo período eleitoral para poder usufruir de uma cidade mais cuidada. Isso é ridículo. Os publicitários dos partidos deveriam dispor de fotografias, deveriam filmar tais buracos para comprovação do elevado abandono das vias e dos bens públicos, antes da campanha eleitoral iniciarse. A exibição de imagens, mostrando a precariedade das ruas, fora do período da campanha, deve levar o cidadão a refletir sobre a necessidade de atuação eficiente do governante. Não deve a avaliação sobre o gerenciamento da cidade se restringir ao período próximo ao pleito, quando o governante, candidato à reeleição, necessita de aproximar-se do eleitor para receber voto. Nessa ocasião, escuta atentamente a equipe de marketing sobre a importância das ruas bem pavimentadas, necessidade de conservação das praças etc. Deve a análise da gestão ser feita, tomando-se como base todo o período no qual se mantém aquele investido no poder. Cuidar bem das ruas, apenas em época de eleições, é sinônimo não apenas de incompetência, mas de vocação para ludibriar o eleitor, através de discursos vazios, destinados, exclusivamente, à conquista dos votos dos incautos. O marketing eleitoral pressupõe organização da equipe de assessores, na campanha, para auxiliar o candidato a fixar estratégia e divulgar propostas viáveis para solução dos problemas informados pelos eleitores como prioritários, por exemplo, na área de saúde, segurança, transporte etc. Deve, igualmente, avaliar a possibilidade de execução das propostas apresentadas ao público para não configuração de estelionato eleitoral. No caso de patente enganação do cidadão, todos os envolvidos na farsa, inclusive os marketeiros, deveriam ser exemplarmente punidos. O processo de disputa pelo poder não pode converter-se em luta de astúcia em que se consagra vencedor quem melhor engana a boa-fé do eleitor. Ao ensejo de reagir a essa distorção, a Lei nº 12.034/2009 passou a exigir dos candidatos o próprio registro, perante a Justiça Eleitoral, das suas propostas. É uma garantia contra a má-fé de alguns, ávidos apenas em conquistar o voto dos cidadãos, sem qualquer compromisso com o que foi prometido na campanha. Lê no art. 11, § 1º, IX da Lei nº 9.504/97, com a redação dada pela referida norma: “O pedido de registro deve ser instruído com os seguintes documentos: IX - propostas defendidas pelo candidato a Prefeito, Governador de Estado e a Presidente da República”. O marketing eleitoral deve buscar assegurar a imagem, a marca do candidato, estimulando a honestidade de suas propostas que, no caso de vitória, levem ao bom gerenciamento do órgão público sob o seu comando. Marketing eleitoral convém insistir não pode ser sinônimo de ardil para ludibriar o cidadão. A farsa e a propaganda enganosa devem ensejar a perda do mandato. Aliás, o art. 15, § 10, da Constituição, prevê a impugnação do mandato por fraude. Como tal deve ser considerado o expediente que induz em erro o eleitor, levando-o a crer naquilo que não existe, em promessas inexeqüíveis formuladas pelo candidato com o deliberado objetivo de ludibriá-lo, estimulando-o para dar seu voto a quem pretende chegar ao poder de qualquer maneira, sem compromisso algum com as propostas que seus assessores produziram e levaram ao ar, durante a propaganda eleitoral, apenas para a conquista do voto do cidadão inocente. Como reduzir a criminalidade? Como assegurar escola de qualidade às crianças carentes? Muitas vezes, partido e candidato somente começam a despertar para os dramas, que afligem a população, no momento em que o publicitário indaga sobre as propostas da campanha destinadas a atrair os eleitores após exibição no horário eleitoral gratuito. *Professor de Direito Eleitoral na Fundação da Escola Superior da Advocacia no Ceará e ex-procurador Geral do Estado do Ceará.

[close]

p. 14

14 entrevista Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 O Direito Administrativo em Portugal e no Brasil Na oportunidade em que visitamos a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, o Professor Marcelo Rebelo de Sousa fez uma explanação sobre questões da administração pública portuguesa e sobre o estado de bem estar social, esse modelo novo que seria uma gestão compartida de Estado, que já começou, e é uma realidade em Portugal e no Brasil. Marcelo Rebelo de Sousa* Jornal Estado de Direito: O senhor pode fazer um paralelo entre o Direito Administrativo Por tuguês e o Brasileiro? Marcelo Rebelo de Sousa: Ora bem, primeiro é um prazer poder responder a seu questionário, na seqüência de uma idéia do professor Jorge Miranda, meu colega, constitucionalista notável, bem conhecido no Brasil. Eu sou colega mais novo do professor Jorge Miranda, comecei pelo Direito Constitucional e derivei para o Direito Administrativo. O Direito Administrativo Brasileiro é um direito administrativo que tem raízes européias continentais, mas tem uma for te influência americana e, por tanto é um misto, é uma simbiose de tradição européia e de vivência americana. Por outro lado o Brasil é uma federação, portanto há além da administração federal as administrações estaduais e depois outras formas de administração local. Mas tanto no Brasil como em Por tugal tem havido uma evolução da administração pública, que era uma administração prestacional até há quinze, vinte anos, e passou a ser uma administração com um for te componente de planejamento e regulação, infraestrutural. E com essa crise financeira mundial tem uma nova dimensão ainda que é a administração que garante aos cidadãos, em tempo de crise e prevenindo a crise, patamares no domínio financeiro, econômico, social e cultural. Isso implica o quê? Isso implica por um lado uma reforma do Estado. Implica a criação de novos entes, a administração indireta do Estado, no aparecimento de uma administração que é uma administração autônoma do Estado, for te, uma administração independente, de origem anglo-saxônica, autoridades reguladoras, responsáveis perante o Congresso. Em Por tugal se diz o Parlamento, independentes em relação ao Estado e ao governo e que tem uma função crescente na regulação econômica, financeira, social, administração essa que é completada pelo papel das entidades privadas que são chamadas a colaborar crescentemente com as entidades públicas, ou entidades privadas de capital público, de impor tância crescente como as empresas públicas, ou entidades privadas, de capital privado, mas com funções públicas. Isso implicou uma reforma no procedimento administrativo, no modo de atuação da administração pública, uma reforma nos controles administrativos, e uma reforma nos tribunais administrativos. Em Portugal, ao contrário do Brasil, existe uma ordem especial, especializada de tribunais, são cor tes e tribunais administrativos, e controlam a atividade da administração pública. A reforma é muito recente, tem cinco anos, é muito influenciada pelo direito alemão, e dá aos tribunais administrativos, poderes que não tinham, de intervenção imediata em processos urgentes para defender direitos de liberdade e garantias dos administrados. Para ter um leque de providências cautelares, como os tribunais comuns, para poderem condenar a administração pública na finiu políticas corretoras em termos sociais? Quem combateu o desemprego? Acabou por ser o Estado. Mas, por outro lado, esse Estado não é uma realidade sobranceira, distante, como foi durante muito tempo. É um Estado com par ticipação dos cidadãos, na gestão da própria atividade administrativa. E daí, por um lado a exigência de audiência prévia dos interessados antes de tomar uma decisão contra eles ou envolvendo eles, daí a democracia par ticipativa, a existência de par ticipação, de organizações representativas, de professores, de pais, de trabalhadores, de profissionais de várias áreas que tem um papel fundamental na definição e na aplicação do próprio direito. É um outro tipo de Estado, que é um Estado que não é visto como rígido, como acima da sociedade, mas como sendo gerido com a participação constante da sociedade. Não apenas a par ticipação democrática representativa nas eleições, mas a participação social constante ao longo de sua atividade. Eu dou um exemplo. No poder local nós temos município e temos freguesia. No município, o orçamento par ticipativo é um orçamento que no procedimento de elaboração envolve a intervenção dos munícipes, eles podem apresentar propostas, eles têm discussões, tem audições, tem debates com os órgãos, com as instituições que vão votar o orçamento. Por tanto, o orçamento não é mais o produto de uma atividade administrativa distante da realidade social é fruto da par ticipação dessa realidade social. Isso está se sucedendo nos principais municípios por tugueses. JED: Professor quero agradecer sua contribuição. Publicaremos na edição impressa do jornal e, posteriormente, divulgaremos na Internet, no site www.youtube.com/carmelagrune, que diariamente, tem trezentos acessos diários, em dois anos já ultrapassou 115 mil visualizações. Muito obrigada professor pela opor tunidade. MRS: E então, direi aos meus alunos, deixarão de ter 300 acessos diários, passarão a ter 700 acessos diários... Parabéns e até breve. JORNAL ESTADO DE DIREITO “... o orçamento não é mais o produto de uma atividade administrativa distante da realidade social é fruto da participação dessa realidade social.” prática de atos legalmente indevidos, o que era impensável dentro de uma concepção rígida de separação de poderes, há trinta anos, ou vinte anos, ou dez anos atrás. Por tanto há uma transformação, no sentido de uma administração ampla, diversificada, controlada, com novos mecanismos de controle e com um poder jurisdicional aumentado em relação à administração. Essa é uma reforma que está se dando por toda a Europa, que chegou a Por tugal, mas é uma reforma que resulta do papel acrescido que o Estado e outras entidades públicas ou entes administrativos tem que ter perante a resposta a crise, a crise financeira, a crise econômica, a crise social dos últimos anos. JED: Pode comentar sobre o que se chama de bem estar social, esse modelo novo que seria uma gestão compar tida do estado, em que o cidadão também participa. Como isso acontece em Por tugal? MRS: Mas essa é outra dimensão. Por um lado não é verdade aquilo que se dizia do Estado, que era inevitável o desaparecimento do Estado, ou a perda de influência do Estado, a crise mundial mostrou a necessidade do Estado de Garantia, porque em tempo de crise, quem injetou dinheiro na banca? Quem garantiu as seguradoras? Quem criou infraestruturas? Quem de-

[close]

p. 15

Estado de Direito • Nº 24 • ANO IV • 2010 15 ������������������������������������ ������������������������������������������������ �������������������������������� ������������������������������� ������������������������������������������������������������������������� ��������������������������������������� ���������������������������������������������������������� ��������������������������������������������������������������� ����������������������������������������������������������������� �� ������ ������������� ������� ������������������� ���������������������������� ����������� ����������������������������� ����������������������������� ����������� ��������������������������� ����������� ���������������� ����������������������� �� � �� ������������������������� �� �������� �������������������������������������� ��������������������������������������� �������� ����������������� ������������������������� ���������������������� ����� �������������������� ������������������������� ���������������� ���������������� ��������� ��������� ����������������������������������������� ��������� ������������������������� ��������������� ���������������� ��������� ���������� �������������������������� ��������� ����������� �� � ����������� ����������� ������������� ��������� ������������� ����������� ����������� ����������������������� ������������������������������������������������� ����������������������������������������������� ������������������������������ �������������������������� ������������������������������ ����������� ������������� ��������� ��������������������

[close]

Comments

no comments yet