sinpol julho 2014

 

Embed or link this publication

Description

jornal sinpol ribeirão preto

Popular Pages


p. 1

Informativo Oficial do Sindicato dos Policiais Civis - Ano XX - Julho de 2.014 - nº 212 O governador Geraldo Alckmin anunciou um reajuste de 6% para os policiais civis. Os delegados, todavia, ficam de fora do reajuste anunciado. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata (na foto cobrando mais efetivo do governador), apenas delegados aposentados e pensionistas de delegados terão reajuste por conta da incorporação da Carreira Jurídica, o que não ocorreu quando o governador anunciou valorização. Saiba como será aplicado o reajuste na página 8. GOVERNO ANUNCIA 6% DE REAJUSTE SINPOL PARTICIPA DE Diretores do Sinpol Foto: Divulgação estiveram reunidos com o secretário da Segurança Pública, dr. Grella Vieira e com o delegado Geral de Polícia, dr. Blazeck. Entre diversos assuntos tratados, estiveram na pauta a carência de efetivo, com a necessidade de agilizar as contratações e a reestruturação da Polícia Civil. Veja na página 9. ENCONTRO COM SSP E DGP POLICIAIS CIVIS 5º DP DE FRANCA ESCLARECEM FURTO “EM FAMÍLIA” DO Foto: Divulgação  DISE de São Carlos flagra motorista transportando drogas;  Confira a lista de médicos conveniados que atendem pelo IAMSPE;  Informe-se sobre quais são as moléstias isentas do pagamento de I.R.;  O ex-policial civil, promotor aposentado e presidente da Câmara de Pirassununga, dr. Otacílio José Barreiros, é o entrevistado desta edição;  Investigador da DIG Ribeirão Preto, o artista plástico Jesuíno Ferreira Rocha expõe quadro em importante mostra;  Equipe do 6º DP de Ribeirão Preto, comandada pelo dr. Zanferdini, realiza operação. E MAIS: Julho/2014 A equipe do 5º DP de Franca elucidou um caso curioso. Uma mulher, sua filha e o genro, roubaram um idoso, ex-namorado da acusada. Segundo o investigador do 5º DP de Franca, Reginaldo Calil (foto), as contradições da mulher e de sua filha levaram a Polícia Civil a desvendar o crime. Leia na página 2. Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br

[close]

p. 2

FRANCA Crime planejado por faxineira lesou vítima em mais de R$ 10 mil e foi investigado em conjunto pelos 4º DP e 5º DP da cidade A polícia de Franca acusa uma família da City Petrópolis de estar envolvida em um roubo que rendeu mais de R$ 10 mil aos autores. O crime, ocorrido no último dia 22 de abril, teria sido planejado por uma faxineira de 47 anos. Ela contou com a ajuda da filha, sapateira de 22 anos, do genro, servente de 32 anos, e um sobrinho de 24 anos. A vítima foi o ex-namorado da faxineira, vendedor de 67 anos, da Vila Santa Cruz. O assalto foi praticado pouco antes das 10 horas da manhã do dia 22 de abril. O vendedor, que trabalha com pescados, em razão da Semana Santa, faturou mais de R$ 10 mil com a venda de produtos do gênero. Naquela manhã, ele abriu o portão da garagem para levar o dinheiro para o banco. Neste momento, foi rendido por dois indivíduos que estavam em frente ao imóvel em uma moto. O vendedor foi obrigado a deixar a dupla entrar na casa. No interior da sala estava a namorada, faxineira de 47 anos, sentada, assistindo à televisão e falando ao celular. Os bandidos não a importunaram. Eles queriam dinheiro da vítima, que ofereceu o que tinha na carteira. No entanto, a dupla disse que sabia dos R$ 10 mil escondidos em uma caixa no quarto e obrigou o vendedor a entregá-la. Os autores fugiram e a faxineira continuou ali, sentada, como se nada tivesse ocorrido. Investigações Apesar de o roubo ter ocorrido na área do 4º DP, foi a equipe do 5º DP, em apoio à equipe do 4º, que ficou encarregada de tomar depoimentos dos suspeitos. Os policiais encontraram várias contradições nos interrogatórios de mãe, filha e genro - o sobrinho da mulher não foi localizado, mas está identificado. Até os motivos que levaram a faxineira à casa do vendedor na manhã do roubo apresentam contradições. A vítima conta uma história, a ex-namorada relata outra e a filha dela tem uma terceira versão. Sobre a “calma” durante o assalto, a suspeita alegou que ficou paralisada, mas não soube explicar por que não pediu ajuda com quem estava falando. A polícia apurou ainda que a faxineira, no dia seguinte ao crime, quitou uma grande quantidade de dívidas em atraso. Ela alegou que teria sido da venda de um veículo, que ela nunca teve. Os investigadores apuraram também, com ajuda de uma testemunha, que a moto usada durante o crime seria de um outro parente da faxineira. “As contradições dos suspeitos não deixam dúvidas da participação deles no crime”, destacou o investigador Reginaldo Calil, ao lado do outro investigador do caso, Sérgio Fricelli. O relatório das investigações do 5º Fotos: Arquivo MULHER ROUBA EX COM AJUDA DE FILHA E GENRO DP foi enviado ao 4º DP. O delegado Dalmo Mateus Pólo não descarta a possibilidade de pedir a prisão preventiva de todos os integrantes da família. Por: Barros Filho - Portal GCN O investigador Calil, do 5º DP de Franca, notou contradições durante depoimentos prestados pelos suspeitos e isso foi fundamental para esclarecer o roubo DISE O titular da DISE de São Carlos, dr. Edmundo Ferreira Gomes Os policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de São Carlos, comandados pelo dr. Edmundo Ferreira Gomes, realizaram um flagrante no dia 26 de junho. A equipe apreendeu cerca de 2,5 quilos de maconha. A droga estava escondida em um veículo Parati, com placas de Ribeirão Preto. O motorista, segundo informações do dr. Edmundo à imprensa, teria ido até São Carlos para fazer a distribuição do entorpecente. Os policiais civis receberam uma denúncia anônima que um veículo de Ribeirão Preto es- DE SÃO CARLOS taria chegando a São Carlos para entregar a droga na região do Jardim Ipanema, periferia da cidade. Imediatamente uma operação foi traçada e os policiais civis montaram uma campana na esquina das ruas Ricardo de Assis Pereira e Laura Vilani, zona oeste da cidade. Depois de algumas horas esperando, a equipe da DISE percebeu a aproximação do veículo, que era conduzido por F.J.A.C., de 35 anos. A seu lado, estava sua namorada. Imediatamente, os policiais civis pararam o carro e fizeram a abordagem. Ao revistar o veículo, os APREENDE DROGAS policiais civis encontraram quatro tijolos de maconha escondidos em caixas de papelão. Além disso, havia cerca de mil ependorfs, embalagens utilizadas para comercializar drogas em pequenas çõrções. O homem também portava dinheiro. Ele assumiu a autoria do delito, garantindo que a namorada não sabia que havia droga no veículo. O dr. Edmundo deu voz de prisão em flagrante e o homem foi encaminhado ao Centro de Triagem, onde ficará à disposição da Justiça para responder por tráfico de drogas. 02 Julho/2014

[close]

p. 3

A ÇÃO Contando com a ajuda de quatro equipes do GOE, além dos policiais civis do DP, investida resultou na prisão de nove pessoas Policiais civis do 6º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto, localizado na Vila Virgínia e que atende diversos bairros da zona oeste da cidade, deflagraram no início do dia 30 de junho a Operação Oeste, para tentar cumprir 17 mandados de prisão de elementos condenados e foragidos da Justiça, entre eles alguns considerados de alta periculosidade. Os policiais civis do 6º DP receberam o apoio de quatro unidades do GOE (Grupo de Operações Especiais), coordenados pelos delegados da DIG (Delegacia de Investigação Geral) de Ribeirão Preto, dr. Alexandre Jorge Daur Filho e dr. Eduardo Rodrigues Martinez. A supervisão geral da Operação Oeste ficou a cargo do titular do 6º DP, o delegado e vereador na cidade, dr. Samuel Zanferdini. A ação mobilizou 20 policiais civis e cinco viaturas. Antes de saírem para cumprir os mandados, tudo foi minuciosamente planejado, inclusive levando-se em consideração possíveis rotas de fuga para que tudo saísse da melhor forma possível. Por volta de 5h00, quando o dia ainda estava escuro, os policiais saíram à campo. “Esses mandados de prisão são todos expedidos pelo Poder Judiciário local. Tínhamos diversos tipos de mandados, como semiaberto transformado para o regime fechado, prisões de pessoas condenadas, perdas de benefício do regime aberto, vários mandados. Absolutamente todos os que estavam em poder do 6º DP foram cumpridos. A participação do GOE foi fundamental, porque os escrivães do DP ficaram na retaguarda, ajudando na logística, passando informações atualizadas via rádio e, depois, para redigir todos os boletins de captura e prisão, que foram emitidos no 6º DP”, informou o dr. Zanferdini. Para tentar localizar o máximo de pessoas que estavam com mandados expedidos pela Justiça, os policiais civis fizeram um levantamento prévio, onde seria necessária mais de uma viatura para evitar evasão do procurado e até aspectos como o grau de periculosidade do procurado. Alguns dos mandados foram expedidos pelo Judiciário por solicitação direta do 6º DP, fruto de conclusão de inquéritos ou de trabalhos investigativos. Com o passar das horas, as prisões foram se somando e os policiais civis conseguiram capturar, ao final da Operação Oeste, nove pessoas. Entre os presos, estão autores de roubos a mão armada a estabelecimentos comerciais, integrantes de quadrilhas ligadas a pessoas que explodem caixas eletrônicos para roubar dinheiro. “Foi uma ação muito bem realizada. O trabalho em equipe funcionou perfeitamente. Além dos nove que conseguimos prender, os outros oito que não foram capturados seguem foragidos e continuamos em seus encalços. Os escrivães chegaram mais cedo para tomar as providências administrativas, comunicações e mensagens de praxe. Tínhamos tudo devidamente levantado, inclusive fotografias de cada um dos procurados para evitar falhas. Acredito que o resultado dessa ação seja sentido em toda a região”, avaliou o delegado. Caixas eletrônicos Essa é a terceira ação realizada pela equipe do 6º DP só em 2014, que resultou na prisão de elementos ligados à explosão de caixas eletrônicos. Além destas prisões, ações realizadas pela DIG e pelo Setor de Inteligência da Delegacia Seccional também renderam bons resultados. Com isso, nos últimos meses, o número de caixas eletrônicos atacados tem caído sensivelmente. Mesmo assim, o dr. Zanferdini, como vereador, tem atuado em outras frentes para garantir a segurança aos usuários dos terminais eletrônicos. Recentemente a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) divulgou nota esclarecendo que a determinação de se instalar um vigilante armado em cada terminal eletrônico aumenta o risco de ataques. Na nota, a Febraram alega que além de buscarem roubar cédulas dos caixas eletrônicos, os marginais poderão também atacar os vigilantes buscando conseguir seus equipamentos de segurança, como colete à prova de bala e a arma. Para o dr. Zanferdini, essa informação não procede. O vereador e delegado garante que o projeto é bastante claro e prevê a instalação de uma cabine blindada, garantindo a integridade do vigilante. Ele disse em entrevista à imprensa que a Febraban está ameaçando desativar os terminais eletrônicos em Ribeirão Preto apenas para manter seu alto lucro e não investir em segurança. E ele garantiu que vai exigir o cumprimento da medida. Em relação à ação realizada pelos policiais civis no dia 30 de junho, o delegado foi enfático. “A cidade ficará mais tranquila e nós proporcionaremos certa paz para a população. Com as prisões, as investigações não param. Será possível agora elucidarmos outros crimes, chegando inclusive em outros autores e desvendando de vez a prática de crimes na área de nossa delegacia. Os principais presos são pessoas ligadas à prática de roubo e explosões de caixas eletrônicos que assustam a todos pelos métodos violentos que empregam. Tenho a plena convicção e que, com a prisão desses indivíduos, teremos tranquilidade durante um bom tempo”, concluiu dr. Zanferdini. 6º DP DE RIBEIRÃO REALIZA OPERAÇÃO OESTE O delegado Samuel Zanferdini coordenou a Operação Oeste, que contou com a participação de todo o efetivo do 6º DP de Ribeirão e de equipes do GOE Julho/2014 03

[close]

p. 4

Como num passe de mágica, o governador Geraldo Alckmin, candidato à reeleição, vem a público para anunciar aumento para policiais civis e militares. Justamente no limite, quando está prestes a iniciar sua campanha política tentando manter sua cadeira no Palácio dos Bandeirantes. Na verdade, pareceu mais uma atitude eleitoreira do que concreta. Pareceu não, é uma atitude eleitoreira. Alckmin quer mostrar à opinião pública que os servidores não têm motivos para reclamar, afinal ele deu aumento. Não mostram as entrelinhas desse aumento. É bem verdade que praticamente todas as carreiras terão 6% de aumento. Muito abaixo do que pleiteamos, é verdade. Mas já é alguma coisa. Porém os delegados de Polícia, que em 2013 passaram a receber como CJ (Carreira Jurídica), não terão qualquer reajuste. Em contrapartida, o governador reparou uma tremenda injustiça ao estender a CJ para os delegados de Polícia aposentado e para as pensionistas de delegados. Mas é tudo joguete nas mãos do governador. Se no ano passado, com a pretensa valorização da Polícia Civil ele deu um aumento maior para os policiais civis por conta da CJ e do NU (Nível Universitário) para investigadores e escrivães, neste ano ele acenou com um aumento maior para os policiais militares. Tudo jogo. Uma categoria reclama da outra, mas ele quer mostrar à sociedade que deu aumento salarial para ambas as Instituições. NÃO EDITORIAL VENDEREMOS NOSSO VOTO, GOVERNADOR O que esconde, na verdade, é que ambas estão enfrentando uma grande falta de efetivo. Recursos humanos são escassos, principalmente na Polícia Civil. Na edição passada já citamos que, em todo o Estado, faltam pelo menos 25 mil policiais civis. No mínimo. O governo não é transparente. Esconde o cálculo da exata necessidade de policiais civis. Quando falamos em 25 mil policiais civis, referimo-nos apenas ao número necessário para cobrir o efetivo de 10 anos atrás. Historicamente a Polícia Civil sempre teve em seu efetivo o equivalente à metade do efetivo da Polícia Militar. De acordo com dados divulgados pela imprensa, o efetivo da PM é hoje em torno de 100 mil. Já o da Polícia Civil é menos de 40 mil. E baixando. Os concursos, é verdade, estão em andamento. Mas ainda são números bastante tímidos em relação à real dificuldade. O governo tentou manobras mirabolantes, juntando unidades na tal da Reengenharia, que em nossa opinião é juntar nada com coisa nenhuma. Obviamente não deu certo. Hoje nem fala mais nessa insensatez. Aqui em Ribeirão Preto tentou fechar o 7º DP, mas não obteve respaldo. Conseguiu, porém, fechar o 2º Plantão. Resultado: filas, insatisfação de policiais civis e usuários da tal Central de Flagrantes. Infelizmente isso não funciona e acarreta problemas para todos, seja quem trabalha, seja quem tenha que recorrer ao local para relatar um crime. E vamos empurrando com a EXPEDIENTE O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: sinpolrp@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Dorlei Morales, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luiz Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório, Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello. Diretores Financeiros: Júlio Cesar Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento. Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos. Conselho Fiscal: Prisclia Yoshi S. Hashimoto, Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Josiane K. P. de Souza; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR CHEFE: Júlio Castro O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Sub Ten Res PM Oswaldo Bonfim Martha J. Araújo Luque DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça Antonio Pereira Alvin Aparecido Donizete Tremura Marco Aurélio Vanderlei Garcia da Costa Marcos Antonio Fernandes EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. barriga, de acordo com a ideia do governador. Enquanto isso, policiais civis estão sobrecarregados, trabalhando em condições desumanas. Cada um realiza o trabalho de dois ou mais policiais civis. Além disso, vários colegas estão afastados por problemas de saúde causados por essa absurda falta de recursos humanos. O povo também não está contente. O índice de apuração das ocorrências é baixo por conta de pessoal. Fica impossível concluir um inquérito em 30 dias por falta de investigador, delegado, escrivão, papiloscopista, perito etc. Muitos inquéritos se acumulam por conta de não ter pessoal suficiente. E o governo não toma nenhuma medida concreta para mudar essa situação. Além do mais, ainda pratica um reajuste medíocre, incapaz de atrair interessados em seguir carreira na Instituição. Se durante os anos 1960 e 1970 os salários da Polícia Civil atraiam para seus quadros os melhores profissionais, hoje espantam. É melhor ser policial civil em outro estado vizinho, que paga bem mais. Mas o governador brada aos quatro cantos que deu um aumento. Sem efetivo não dá, governador. Tenha certeza, senhor Geraldo Alckmin, não venderemos nosso voto. Espero que as urnas lhe deem a resposta que o senhor merece receber. EUMAURI LÚCIO DAMATA Presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) Novos Associados Associaram-se ao Sinpol em junho os seguintes policiais civis: - Evania Borges Dias de Menezes, auxiliar de papiloscopista; - Gabriel Cesar Cortez, investigador; - Adonis Leite Ribeiro, investigador. A diretoria do Sinpol dá boas vindas aos novos associados e está à disposição de todos os policiais civis que quiserem integrar o quadro associativo do sindicato. Notas Cantina para o Associado A Cantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados. Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos. A cerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal. Sempre com novidades para os associados. Maiores informações Falecimento e reservas nos telefones (16) 99398-6912, com Paulo ou (016) A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, o seguinte falecimento: 99398-8820 com Cristina. + Luiz Carlos Palmeira, pai da escrivã Andrea Palmeira Beordo, ocorrido em 29 de junho; Atualização de dados Sinpol O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. Para atualização de dados e de situação profissional, principalmente dos recém-aposentados, o Sinpol está promovendo um Aposentados recadastramento de todos os associados. Participe da atualizaAssociados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em junho: ção e garanta o recebimento de toda correspondência que envia- Aparecido Donizetti da Silva, investigador de Polícia de 1ª Classe; mos, procurando a Secretaria do Sinpol, ou enviando e-mail - Geraldo Cascaldi Júnior, perito criminal de 2ª Classe; para secretaria@sinpolrp.com.br. - Saulo Azael David, carcereiro de 1ª Classe; Atenção policial civil - Isildo Pereira, investigador de Polícia de 1ª Classe; A diretoria do Sinpol alerta a todos os policiais civis associa- Renato dos Santos, auxiliar de papiloscopista policial de 1ª Classe. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por sua brilhante carreira, desejando- dos que, se receberem intimação para comparecer à Corregedoria ou a qualquer outro órgão, para depoimento, busquem antes orilhes poder usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. entação no Departamento Jurídico do sindicato. É direito constitucional que em todo e qualquer depoimento, o depoente esteja Espaço do leitor Valeu senhor Eumauri, é assim que age um líder sindical. Por que devemos aguardar assistido por um advogado. Pensionistas parecer da PGE para cumprir a Lei 144/2014? Ela é claríssima, parabéns, pena que não temos O Sinpol solicita às pensionistas que verifiquem seus holerites, representantes dos senhores na nossa região de Bauru e aqui, como sabe, o povo é guerreiro, pois há informações de que a SPPrev não tem efetuado corretaobrigado pela luta, vocês dão um banho nos nossos tradicionais “representantes”. mente os pagamentos no que diz respeito aos 7% de reajuste. Celso Francisco Muniz - Bauru - SP Algumas pensionistas não têm direito ao aumento, porém a Errata SPPrev tem cometido erros. Qualquer dúvida, entrar em contato Na edição de abril, ao reportar os novos associados do Sinpol, o Jornal do Sinpol com a Central de Atendimento do Sinpol, pelo telefone (16) 3612cometeu um erro e citou o novo associado, José do Prado Ricarte, como delegado de 9008, falar com Fátima, para esclarecer a situação. Polícia. Na verdade, Ricarte é escrivão de Polícia. Lamentamos a falha. 04 Julho/2014

[close]

p. 5

R ADAR Pirataria Uma casa localizada no Jardim Jandaia e que era utilizada como laboratório de gravação de DVDs falsificados foi descoberta pela DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto, no final da tarde de 30 de junho. As informações iniciais obtidas pelos policiais civis davam conta que a casa seria usada para o armazenamento de armas. No entanto, foi constatado que no local havia cinco torres de gravação, uma impressora multifuncional, 474 CDs e 2.715 DVDs. E.S., de 46 aos, foi detido e assumiu ser responsável pela produção e comercialização do material pirateado. Todos os equipamentos foram apreendidos pela DIG e, como o crime de violação de direitos autorais é sujeito a arbitramento de fiança, E. pagou a quantia fixada em R$ 2.500,00 e irá responder ao processo em liberdade. Passional Policiais civis do 5º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto prenderam, no dia 01 de julho, E.A.D., de 45 anos, morador do bairro Ipiranga. O homem era procurado pela Justiça de Minas Gerais por ter tentado cometer um crime passional. Ele tinha prisão preventiva decretada pela cidade de São Sebastião do Paraíso por ter tentado matar a ex-mulher e sua própria filha. Ele alegou, na ocasião, que ateou fogo em sua casa com o objetivo de cometer o suicídio, matando também toda a sua família. A tentativa de homicídio teria ocorrido em 2012. O homem foi detido pela equipe do 5º DP e encaminhado à Cadeia de Santa Rosa do Viterbo. Posteriormente, foi encaminhado à Justiça de Minas Gerais, onde vai responder pelo crime cometido. Maconha O mecânico M.C.C.J., de 19 anos, foi preso na manhã de 20 de junho por policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto. Ele foi surpreendido com 15 quilos de maconha. Os investigadores estiveram na casa dele, no bairro Avelino Alves Palma, investigando uma denúncia anônima recebida pelo telefone 197. Ao perceber a chegada dos policiais civis, o suspeito tentou fugir pelo telhado de sua casa, mas acabou detido. Após ser capturado, foram encontradas maconha e mais 150 gramas de cocaína, além de aproximadamente 500 cápsulas para acondicionar a droga, que estavam vazias. Os policiais civis também apreenderam um caderno com anotações do tráfico, uma balança de precisão e um aparelho celular. Todo o material localizado estava no telhado da casa. M. confessou a propriedade da droga e admitiu que realizava tráfico para seu sustento. O homem foi encaminhado para o CDP (Centro de Detenção Provisória) de Ribeirão Preto, onde ficará à disposição da Justiça. Bebedouro Policiais da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Bebedouro esclareceram, no final de maio e começo de junho, uma série de roubos a mão armada de autoria desconhecida. Num dos casos, os assaltantes invadiram uma casa no Jardim Santaela, renderam um casal e roubaram joias e dinheiro. A equipe da DIG identificou C.D.E., de 23 anos e M.P.M., de 22 anos, como autores do roubo. Os dois já foram presos preventivamente e um terceiro suspeito teve prisão decretada. Outro caso ocorreu em Viradouro, onde um posto de combustíveis foi assaltado e P.S.T.F., de 22 anos e C.D.E., 23 anos, preso também pelo crime anterior, foram identificados com seus autores. O mesmo C.D.E. teria participado do assalto a uma mercearia na periferia de Bebedouro. Neste caso, ele estava acompanhado de W.H.R., de 27 anos. O quarto caso esclarecido também contou com a participação de C.D.E. Foi um assalto em um posto de combustíveis no Jardim Centenário, em Bebedouro. Segundo o delegado da DIG, dr. Alberto Lopes Martins, nenhum dos acusados tinha antecedentes criminais. Araraquara Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes) de Araraquara, após trabalho de investigação seguida de diligências, surpreenderam e prenderam L.F.S.F., de 29 anos, em sua residência, no Jardim Maria Luiza. A ação ocorreu no dia 26 de junho em cumprimento a mandado de busca domiciliar. Com ele os policiais encontraram 17 papelotes de cocaína, anotações da contabilidade referente ao tráfico de drogas, um celular e R$ 790. O indiciado foi recolhido à Cadeia Pública de São Carlos. 104 quilos de maconha Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) prenderam, na manhã de 04 de junho, três homens que transportavam 104 quilos de maconha em dois veículos. A equipe da DISE acompanhava os suspeitos quando eles estacionaram os dois carros em uma praça localizada no Jardim Paulista, zona leste da cidade. Ao saírem dos carros os policiais civis fizeram a abordagem. Os 100 tijolos da droga estavam escondidos em um automóvel com placas de São Paulo, que foi roubado no dia 20 de março de 2013. O outro, com placa de Penápolis, fazia a escolta do primeiro veículo. O documento do veículo da capital era falsificado e foi apreendido. J.P.V., de 20 anos, A.M.R., de 39 anos e R.H.P., de 23 anos, foram ouvidos na sede da DISE e, posteriormente, encaminhados à Cadeia de Santa Rosa de Viterbo, onde aguardaram remoção para o CDP de Ribeirão Preto. R. e A. são de São Carlos. Já J. é natural de Sinop, Mato Grosso. O trio vai responder por tráfico de drogas, associação para o tráfico, receptação de veículo, falsificação de documentos e adulteração de sinais identificadores. Os dois carros e a droga foram apreendidos após avaliação da perícia. Foto: Polícia Civil Equipamento apreendido pela DIG no Jardim Jandaia era utilizado na produção de mídias piratas Julho/2014 05

[close]

p. 6

Em virtude de constantes consultas, o Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) republica, a seguir, nota constante da edição de nº 34, de julho de 1998. As informações foram extraídas do jornal da AFPESP (Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo - Folha do Servidor Público) de 2003 e ainda estão em vigor. Moléstia Incurável isenta do IR inativo e servidor da ativa Como é um direito que retroage pelo prazo prescricional a cinco anos, a partir da data que a moléstia incurável foi diagnosticada, de acordo com o laudo médico, o servidor aposentado pode requerer ao Departamento de Despesa de Pessoal do Estado, órgão da Secretaria da Fazenda, ou, se morar no interior ao diretor da Divisão Seccional, a sustação ou isenção do desconto do Imposto de Renda na fonte. O artigo 6º, inciso XIV, da Lei nº 7.713, de 22 de dezembro de 1.998, diz que “os proventos de aposentadoria ou reforma motivada por acidente em serviço e os percebidos pelos portadores de moléstia profissional, tuberculose ativa, alienação mental, neoplasia maligna, cegueira, hanseníase, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, doença de Parckinson, espondiartrose anquilosante, nefropatia grave, estado avançado da doença de Paget (oesteite deformante), síndrome da imunodeficiência adquirida, com base em conclusão especializada, mesmo que a doença tenha sido contraída depois da aposentadoria ou reforma”, essas pessoas físicas ficam isentas do pagamento ou do desconto na fonte do IR. As Leis 8.541, de 23 de dezembro de 1.992 e 8.250 de 26 de dezembro de 1.995, todas da União, garantem essa isenção. Também o decreto nº 1.041 de 11 de janeiro de 1.994, que trata da regulamentação de cobrança e fiscalização do Imposto de Renda para os proventos de qualquer natureza, a MOLÉSTIAS INCURÁVEIS ISENTAS DE IR PARA SERVIDORES ATIVOS E INATIVOS fim de evitar laudos falsos. A restituição pode ser requerida com atraso de cinco anos. A ABRACCIA (Associação Brasileira de Combate ao Câncer Infantil e Adulto), localizada em Ribeirão Preto à Rua Barão do Amazonas, 2388, atendendo pelo telefone 36212201 e pelo site www.abraccia.org.br, tem distribuído para pessoas interessadas, uma cartilha intitulada “Faça valer seus Direitos”, de autoria de Maria Cecília Mazzariol Volpe e editada pela SBOC (Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica). Logo em suas primeiras páginas, a cartilha aborda uma posição contundente da autora: “A Constituição Federal” assegura que saúde é direito de todos e dever do Estado. Significa que todos os cidadãos residentes no Brasil tem direito a receber tratamento pelos órgãos de assistência médica mantido pelos governos Federal, Estadual e Municipal (SUS). E a assistência inclui compreende o tratamento como um todo, incluindo consultas, cirurgias, exames laboratoriais, tomografias, raios-x, ultrassonografia, radio e quimioterapia, etc”. Infelizmente no Brasil, algumas coisas não funcionam exatamente como previstas na Lei. A autora destaca que a Saúde Suplementar (planos de saúde) também têm sua cota de responsabilidade nesse atendimento e se algo estiver sendo negado, a pessoa deve recorrer a alguns canais, como o telefone da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), 0800-701-19656, ou pelos sites: www.ans.gov.br , www.procon.sp.gov.br ou www.idec.org.br . “Procure um advogado para propor ações judiciais quando seus direitos forem negados. O Poder Judiciário tem dado liminares e ganhos de causa em quase todos os casos de ações contra planos ou seguros de saúde”, explica a autora. Na cartilha, constam como classificadas pela legislação brasileira e com direitos especiais para os portadores as seguintes doenças graves: moléstia profissional; esclerose múltipla; tuberculose ativa; hanseníase; neoplasia malikgna (câncer); alienação mental; cegueira; paralisia irreversível e incapacitante; cardiopatia grave; doença de Parkinson; espondilartrose anquilosante; nefropatia grave; estado avançado da doença de Paget (osteíte deformante); AIDS; fibrose cística (mucoviscidose); contaminação por radiação e hepatologia grave. Em todos os casos são necessários laudos médicos e exames comprobatórios. Direitos Saiba alguns dos direitos dos portadores das doenças graves: - Isenção de IR (Imposto de Renda) sobre proventos de aposentadoria/reforma e pensão; - Isenção de impostos (IPI, ICMS, IPVA e IOF) na compra de automóveis); - Isenção de IPTU (varia de cidade para cidade); - Tarifas do transporte público (também ESCLARECIMENTO varia de cidade para cidade); - Saque de FGTS (consultar direitos junto à Caixa Econômica Federal - CEF); - PIS/PASEP (consultar CEF e Banco do Brasil); - Auxílio doença, aposentadoria por invalidez e ren da mensal vitalícia (em todos os casos, de acordo com legislação do INSS e dependendo de vários fatores); - Renda por invalidez permanente (de acordo com normas da apólice de seguro ou plano de previdência privada) - Quitação de salto parcial ou total de financiamento da casa própria (de acordo com normas do SFH); - Andamento prioritário em processos. Caso o associado ainda tenha dúvidas, o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, informa que o sindicato está à disposição, para sanar eventuais dúvidas, através dos telefones: (16) 3612-9008, 3625-3890 e 3979-2627, ou na sede social do Sindicato, à rua Goiás, 1697, em Ribeirão Preto. O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, coloca o sindicato à disposição dos associados para esclarecer eventuais dúvidas 06 Julho/2014

[close]

p. 7

Foram três dias de intenso trabalho realizado pelo júri da 12ª edição da Bienal Naïf no Brasil. Das 726 obras inscritas de 363 artistas que representam 23 estados de todas as regiões do País, foram selecionadas 106 obras de 81 artistas de 16 estados brasileiros. Entre as obras escolhidas, está um quadro de autoria do policial civil e associado do Sinpol, o investigador Jesuíno Ferreira Rocha. A Bienal Naïf no Brasil é realizada pelo Sesc Piracicaba desde 1992, com o intuito de privilegiar a participação dos artistas plásticos produtores de obras enquadradas nas categorias arte ingênua, espontânea, instintiva, popular, naïf ou naïve, que em sua maioria as concebem de maneira autodidata. E foi graças a essa forma de produzir seus quadros que o paranaense Jesuíno foi escolhido. Ele revela que sempre teve dom para desenhar. Desde os bancos escolares, encantava os colegas e professores com seus traços bem feitos e bem definidos. Mas, como ele próprio admite, sempre sonhou em ter um emprego formal, com funções bem definidas, o que o acabou levando um pouco mais longe das artes durante algum tempo. Aos 18 anos, desembarcou com a família na cidade de São Paulo e foi servir ao Exército. Lá ficou por oito anos, exercendo atividades de soldado, cabo e sargento temporário. Nesse período, num dos braços das Forças Armadas, teve a oportunidade de retomar o gosto pelo desenho e acabou participando de um curso de desenho. Mas ainda assim, não se imaginava vivendo da nobre arte. Quando deu baixa no Exército, Jesuíno decidiu prestar concurso para ingressar na Polícia Civil. Foi aprovado como investigador em 1989 e acabou assumindo o cargo em 1990. “Eu não sabia bem qual era o trabalho que um investigador desempenhava, mas sempre quis seguir carreira INVESTIGADOR na área e procurei me dedicar ao máximo e sempre fui elogiado”, orgulha-se o investigador. Na Capital, passou por três distritos policiais, o 74º, o 72º e o 28º DP. Mas seu sonho sempre foi vir para o interior, apesar de a família continuar até hoje na Capital. Surgiu, então, uma oportunidade de permuta com um investigador que trabalhava em Serra Azul e Jesuíno não pensou duas vezes. Fez a mala e veio de mudança para a cidade. Acabou ficando em Serra Azul, na Delegacia do Município durante 10 anos, período em que aproveitou para estudar e concluiu o curso de direito em uma universidade de Ribeirão Preto. Como já alimentava o sonho de vir para Ribeirão Preto, quando surgiu a oportunidade acabou transferido para o 5º DP (Distrito Policial). Lá atuou por cerca de sete meses, até ser destacado para a DIG (Delegacia de Investigações Gerais), onde ficou por cerca de seis anos atuando no setor de Homicídios. Depois foi transferido para o 6º DP e regressou para a DIG onde atua até hoje, passando por diversos setores. Pintura O investigador admite que não basta apenas gostar de desenho, é preciso ter o dom e aprimorar. “Desde criança, gostava de desenhar. Em São Paulo cheguei a frequentar uma escola de desenho, mas não pude concluir e tornei-me quase um autodidata. Então comecei na pintura. Fiz um curso para conhecer as técnicas de pintura a óleo sobre tela no Sesi e a partir daí, comecei a desenvolver meu trabalho, pintando telas”, lembra. Com o passar dos anos e com o conhecimento de suas obras, Jesuíno foi convidado a fazer parte de um grupo de artistas que expõem suas obras na Praça Sete de Setembro, região central de Ribeirão Preto. E passou a receber muitas encomendas de quadros de amigos e até mesmo de clientes que conquistou ao expor seu trabalho. E foi expondo em EXPÕE QUADRO EM praça pública que Jesuíno foi tomando conhecimento de concursos e exposições coletivas. “Através de um colega, fui convidado a participar da 12ª Edição da Bienal Naïf no Brasil. Entrei em contato com os organizadores, em Piracicaba e recebi um panfleto para inscrever meu trabalho. Escolhi duas obras e fiquei muito feliz com o resultado. Logo na primeira vez em que participei, fui selecionado. As obras foram pintadas exclusivamente para participar da Bienal, por ser um trabalho específico que se chama Arte Naïf. Trata-se de um estilo de pintura descompromissado, chamado quase de arte ingênua, onde não há necessidade de ter compromisso com técnicas, perspectivas. Você desenha como se fosse uma criança desenhando”, revelou. A obra de Jesuíno escolhida pelo júri da Bienal Naïf no Brasil já foi enviada para Piracicaba e vai participar de uma exposição com os outros felizardos artistas contempla- BIENAL dos com o reconhecimento de uma grande exposição de obras de arte. Para garantir o sucesso de sua obra, Jesuíno fez vários estudos para conhecer a Arte Naïf, inclusive com um artista que expõe com ele na Praça Sete de Setembro. A obra de autoria do investigador escolhida pelo júri é o quadro “Começando o Dia”. O quadro ficará exposto durante o período de realização da Bienal. Caso a tela não seja vendida, será devolvida para o autor. Para Jesuíno, a escolha de seu quadro foi uma grande vitória. E merece mesmo ser comemorada, afinal, em seu primeiro ano, já emplacou um quadro. Justamente numa edição onde o número de participantes inscritos foi 36% maior do que a exposição anterior. “Esses dois quadros foram os primeiros de Arte Naïf que fiz. O trabalho policial diminui muito o tempo para dedicação à pintura, mas sempre que sobra tempo, procuro me dedicar a essa arte”, comemora Jesuíno. Reprodução Acima, o investigador Jesuíno na sacada de seu apartamento, onde costuma pintar seus quadros; ao lado a obra que foi selecionada e está participando da Bienal Julho/2014 07

[close]

p. 8

O governador Geraldo Alckmin anunciou, no dia 24 de junho, que vai conceder um reajuste salarial de 6% para os policiais civis. No dia 25, o Sinpol participou de uma reunião na sede da DGP (Delegacia Geral de Polícia) com o titular da pasta, dr. Luiz Maurício Souza Blazeck, para saber como o reajuste seria aplicado. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, participaram da reunião o vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago; o diretor financeiro Júlio César Machado e a diretora secretária Fátima Aparecida Silva. No encontro o dr. Blazec informou que o projeto de reposição de 6% não será aplicado ao salário dos delegados de Polícia. “O DGP disse que os delegados já foram contemplados com um aumento substancial quando passaram a receber como CJ (Carreira Jurídica). Mas isso é um absurdo, pois ele deu um aumento para todas as demais 13 carreiras, excluindo os delegados. Em contrapartida, o governo corrigiu uma enorme injustiça e determinou que a CJ seja aplicada aos delegados aposentados e pensionistas de delegados, porém só a partir de março de 2015”, disse o presidente do Sinpol. Já o aumento salarial de 6% passará a vigorar a partir de 01 de agosto. Durante o encontro os sindicalistas tiveram a impressão de que o dr. Maurício estava decepcionado com a medida anunciada pelo governo, embora não tenha se manifestado a esse respeito. “Sentimos que ele estava incomodado em virtude da diferença de aumento entre as Polícias e ainda, em virtude de nenhuma reposição ter sido dada aos delegados. Houve a alegação de que não seria possível atender às reivindicações dos policiais civis neste momento em virtude do aumento significativo nos gastos com pessoal, que passaria dos 45% das receitas do Estado, segundo o secretário da Fazenda. Nós sempre dissemos que o secretário da Fazenda trata mal os servidores públicos e é atendido pelo governador”, dispara Eumauri. GOVERNO Durante o encontro, o DGP teria se mostrado esperançoso quanto ao atendimento das reivindicações e determinou a criação de uma comissão de estudo dos outros 15 projetos que estão no gabinete do secretário da Segurança Pública e integram o projeto de Reestruturação da Polícia Civil. “Inicialmente serão escolhidos seis desses projetos para serem enviados à ALESP [Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo] ainda em agosto, mas que surtirão efeito apenas a partir de 2014, em médio prazo”, explica Eumauri. Durante a reunião, foi anunciado que, enquanto os policiais civis receberão 6% de reajuste, a PM vai conceder um aumento de 8% nos salários da tropa. Efetivo Na opinião do presidente do Sinpol, Alckmin conseguiu desagradar todos. A começar pelos delegados de Polícia que foram preteridos por conta de terem recebido uma valorização e o reconhecimento de CJ. As demais carreiras viram o reajuste aplicado aos policiais militares ser maior que o dos policiais civis por conta de apenas algumas carreiras da Polícia Civil terem recebido valorização em 2013. “O governo quis jogar com os números e acabou desagradando todos. Na ocasião da valorização, ele não concedeu um bom reajuste, mas tivemos nossas compensações. Em contrapartida os PMs reclamaram muito. Agora para ‘compensar’, deu um índice maior para a PM”, analisou. A grande questão que tem prejudicado o andamento do trabalho na Polícia Civil, todavia, não foi sequer abordado segundo Eumauri. Ele criticou a inércia da equipe do governo em agilizar as contratações através de concursos públicos e promover contratação de oficiais administrativos para minimizar a enorme sobrecarga de trabalho dos policiais civis que contam com um efetivo muito defasado. “Em nossa última edição, denunciamos que há ANUNCIA uma falta gritante de recursos humanos. Faltam pelo menos 25 mil policiais civis em todo o Estado. Por baixo. E o governo não tomou nenhuma ação prática para minimizar esse problema. Cansamos de denunciar essa situação. Os policiais civis estão sobrecarregados. Em alguns casos fazem o trabalho de dois e até três policiais civis por causa de gente. O atendimento nas delegacias é precário, porque falta pessoal. Não temos como tocar inquéritos sem efetivo à altura. Não precisamos ensinar o governador que, num inquérito, é preciso ter escrivão, investigador e delegado, cada um executando sua verdadeira função. E isso serve para todos os setores. O perito trabalhando na perícia, o auxiliar de papiloscopista fazendo seu trabalho, enfim, para todas as carreiras. Mas para que isso aconteça, é preciso que o gover- 6% DE REAJUSTE no, efetivamente, contrate”, adverte o presidente do Sinpol. O grande problema, segundo ele, é que com o salário que vem sendo pago ao policial civil, a situação tende a se agravar. “São Paulo é um dos estados da Federação que pior remunera o policial civil. Nas décadas de 1960 e 1970, o salário era o diferencial para atrair grandes policiais civis. Hoje é preciso ser muito vocacionado e, além de tudo, conformado em viver mal remunerado para abraçar a carreira. Fica mais fácil tentar ser policial civil nos estados vizinhos, onde se paga mais. Ou o governo muda essa situação e contrata, remunerando dignamente, ou por conta da falta de recursos humanos a Polícia Civil pode estar com os dias contados”, lamenta. Para Eumauri, presidente do Sinpol, Alckmin deu reajuste abaixo do esperado, foi injusto com delegados a dativa e não atacou o maior problema da Polícia Civil: a grande falta de recursos humanos 08 Julho/2014

[close]

p. 9

Efetivo, reestruturação, Corregedoria e diárias foram alguns dos assuntos tradados durante encontro em São Paulo O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, e o diretor-financeiro Júlio César Machado, estiveram reunidos, no início de julho, com o secretário da Segurança Pública, dr. Fernando Grella Vieira e com o titular da DGP (Delegacia Geral de Polícia), dr. Luiz Maurício Souza Blazeck. A reunião foi agendada graças à solicitação feita pela Feipol-SE (Federação Interestadual dos Trabalhadores Policiais Civis da Região Sudeste). O presidente da entidade, Aparecido Lima de Carvalho, o Kiko, insistiu no encontro e, assim que houve a confirmação, convocou as demais entidades que participam da Feipol-SE, dentre as quais o Sinpol da Região de Ribeirão Preto, um de seus fundadores. Durante o encontro, vários assuntos foram abordados. Entre eles, foi esclarecido que a alteração do número de diárias de alimentação e alteração dos valores não depende de Lei, pode ser alterado por Decreto. Uma minuta a esse respeito, inclusive, está no Palácio do Governo para estudo do impacto financeiro e implementação. A ideia é aumentar para 30 diárias mensais para que, ao serem pagas pela metade, correspondam a 15 diárias, atendendo aos policiais que não trabalham em regime de plantão. Também ficou determinada a criação de uma comissão mista envolvendo as secretarias de Gestão, Planejamento, Fazenda e entidades de classe para estudo dos seis projetos de Lei elencados pelas entidades para encaminhamento ao governo. Todos os projetos e propostas estão publicados no site do Sinpol. Foram elencados os anteprojetos 1, 2, 3, e, 7 e 11, porém poderão ser substituídos por outros que eventualmente tenham tramitação mais rápida e fácil. Os sindicalistas também abordaram a questão dos concursos públicos. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, não basta concursos públicos para preenchimentos de cargo. “É necessário criar novos cargos para darmos uma melhor resposta à sociedade. Além disso, os últimos concursos recentes foram feitos a ‘conta gotas’, insuficientes para preenchimento das vagas”, garantiu Eumauri. Segundo Célio Antonio Santiago, dr. Grella demonstrou indignação em relação à falta de empenho da Academia de Polícia para agilizar os concursos públicos. “Foram oito meses para elaborar um contrato, perdemos tempo e já poderíamos estar com mais policiais civis em fase final de curso de formação”, lamentou. O SSP e o DGP também falaram a respeito das apurações da Corregedoria, consideradas pelos sindicalistas muito rígidas em algumas oportunidades. Outro assunto tratado foi a valorização dos vencimentos de escrivães e investigadores, dada a exigência do nível universitário, sobretudo considerando-se a especialidade das funções, que são de risco, penosas e insalubres. Os policiais civis também pediram a contratação de servidores de apoio, como escriturários, para exercer funções de policiais civis que trabalhem administrativamente atendendo telefones, em portarias e outros setores, desviando-os de suas principais atribuições. Um assunto bastante debatido foi sobre possível privilégio aos policiais militares. Em consenso os presentes concluíram que é necessário haver uma participação social mais ativa, com discussão, planejamento e sugestão de projetos de interesse, como fazem os policiais militares. “A PM trabalha como uma máquina, há setores para tratar exclusivamente dos interesses da Corporação. Já na Polícia Civil isso não existe e é preciso mudar essa cultura de muito amadorismo. Se a Academia demorou oito meses para o edital, que se tire o responsável de lá. Estou admirado, porque o seFoto: Divulgação SINPOL REÚNE-SE COM SSP E DGP cretário teria poderes, teoricamente, para demiti-lo. Porque será que não o tiram, será que é porque quem o colocou lá é muito forte e tornou a pessoa acima de todos os cargos?”, indaga Eumauri. “Observamos que tanto o dr. Grella quando o dr. Maurício estão encarando nossos projetos e reivindicações com seriedade. Vamos acompanhar tudo bem de perto. Sabemos que algumas mudanças são difíceis, levam tempo, mas, como disse o secretário, já avançamos em algumas coisas e temos condições de avançar mais. Ficaremos atentos aos demais escalões do governo, onde normalmente as coisas emperram”, concluiu Célio. Sindicalistas durante encontro com o SSP e DGP, do qual participou o vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago (o terceiro da direita para a esquerda) Julho/2014 09

[close]

p. 10

ENTREVISTA Ex-policial civil e promotor aposentado, foi um dos fundadores da APOCIRP e atualmente é vereador e presidente da Câmara de Pirassununga A Polícia e a Justiça sempre estiveram presentes na vida do dr. Otacílio José Barreiros. Em 1971, aos 20 anos, ingressou na Polícia Militar do Estado de São Paulo, onde ficou até 1976 quando foi aprovado em concurso para investigador de Polícia. Nomeado, atuou em Ribeirão Preto de 1976 até 1984. Neste período, cursou faculdade de direito e, em 1984, foi aprovado em concurso para Procurador do Estado. Iniciou a nova jornada em Ribeirão Preto e ficou no cargo até 1987, quando foi novamente aprovado em concurso público. Desta vez, para Promotor de Justiça. Iniciou como substituto de Promotor de Justiça em Ribeirão Preto. Depois tornou-se titular da Promotoria em Nuporanga. Passou por Batatais, Morro Agudo e Orlândia, acumulando funções. Em 1989 foi destacado para atuar em Pirassununga, onde estreitou seus laços com a cidade. Ficou até 1996, quando foi transferido para São José do Rio Preto. Porém ficou pouco tempo nesta cidade, por conta da promoção. Já tinha uma permuta articulada com um colega e, pouco tempo depois, estava em São Carlos. Por conta de promoção, acabou transferido para São Paulo em 1998, onde ficou até a aposentadoria, em março de 1999. Durante todo o tempo em que atuou, nunca deixou de lado o meio acadêmico. Dr. Otacílio formou-se Mestre em Direito nas Relações Sociais e, por 13 anos, lecionou na Faculdade de Direito de São Carlos e na Unip de Ribeirão Preto. Também foi provedor da Santa Casa de Pirassununga, cidade onde fixou residência nos anos 1990. Foi pela integração que tinha com a cidade que foi convidado para gerir a Santa Casa, ficando no cargo por cinco anos. Com trabalho realizado em Pirassununga veio o reconhecimento e o dr. Otacílio candidatou-se vereador, elegendo-se em 2008 e, em 2012, foi reeleito com expressiva votação, tornando-se o segundo candidato mais votado. O próximo desafio é tentar uma cadeira na ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo). Dr. Otacílio é candidato a deputado federal. Em visita ao Sinpol, ele encontrou-se com o presidente do sindicato, Eumauri Lúcio da Mata, onde relembraram os tempos da fundação da APOCIRP (Associação dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto). Ambos foram fundadores da entidade. Ele destaca que, mesmo atuando na Procuradoria ou na Promotoria, sempre nutriu um grande carinho pelas Polícias Civil e Militar, buscando a valorização dos policiais. É associado do Sinpol desde sua fundação e fez questão de elogiar a trajetória do Sindicato, as conquistas obtidas por Eumauri e por seus diretores. Dr. Otacílio lembrou que tudo começou com muita garra e determinação num imóvel da Avenida da Saudade e garante nunca ter esquecido suas raízes policiais e mantém orgulho de ter trilhado essa carreira. Em suas palestras faz questão de contar aos jovens e estimulá-los a buscar seus sonhos. “Sou um homem realizado, com uma família muito bem estruturada, onde me reabasteço depois de um dia estafante”, adianta. Durante sua visita a Eumauri, dr. Otacílio também falou ao Jornal do Sinpol. Confira a entrevista feita por Júlio Castro. - Jornal do Sinpol - Sendo um dos fundadores da antiga Apocirp, como o senhor vê hoje o crescimento do Sinpol? - Dr. Otacílio José Barreiros - É extraordinário, eu já conhecia, não o que estou vendo hoje, a evolução patrimonial do Sinpol. Inclusive o Sinpol tem sido referência nas minhas palestras de como as coisas podem ser bem administradas e atingir seus objetivos, realmente fiquei muito impressionado, tenho informações e continuo tendo amizade com vários ex-colegas da época em que eu era investigador de Polícia aqui [em Ribeirão Preto]. Quando nós fundamos a Apocirp era exatamente para ter uma voz ativa na defesa das prerrogativas dos policiais civis. Fico muito feliz, realmente é uma entidade que só cresce. E cresce justamente por conta da união que a classe tem em torno da sua diretoria. Principalmente com o Eumauri, que já vem à frente há varias gestões, e isso é uma constatação do trabalho bem feito a frente do sindicato. DR. OTACÍLIO JOSÉ BARREIROS - Jornal do Sinpol - Qual o objetivo de sua visita ao Sinpol? - Dr. Otacílio José Barreiros - Eu já tinha falado com o Eumauri há algum tempo. Primeiro de rever os amigos, rever a casa, e segundo para trazer essa notícia, de que em nossa escalada política estamos agora tentando uma cadeira na Assembleia Legislativa de São Paulo. Então estamos aqui nos apresentando para continuar esse trabalho que já fazemos a tanto tempo, sendo mais uma voz em defesa das prerrogativas das polícias. - Jornal do Sinpol - Nesse tempo em que esteve afastado da Polícia Civil e de Ribeirão Preto o senhor deixou de ser sócio do Sinpol? - Dr. Otacílio José Barreiros - Não. Continuo sócio. Até hoje, falando com o Eumauri, eu disse que quando pego o extrato do banco vejo lá a contribuição do sindicato. Nunca cogitei de cancelar, até porque volto a insistir, eu não me esqueço das minhas raízes, eu não esqueço e torço. No que me diz respeito o Sinpol vai se engrandecer cada vez mais. - Jornal do Sinpol - Mesmo estando afastado como o senhor vê a Polícia Civil hoje, sob a ótica de quem nela já atuou? - Dr. Otacílio José Barreiros - Eu acompanho tudo que diz respeito à Polícia. Vemos com muita 10 Julho/2014

[close]

p. 11

tristeza a forma como os governantes tratam as forças de segurança, que zelam da nossa população. O trabalho que as Polícias fazem é tão extraordinário, que precisava ter um reconhecimento maior do Governo do Estado. Eu me lembro de que esse discurso é desde o tempo que eu era policial civil. O Estado de São Paulo, que é a locomotiva da Federação, é um dos que pior paga seus policiais. Ainda assim devido à boa formação dos policiais, faz um extraordinário trabalho de segurança pública. Na minha cidade, por exemplo, Pirassununga é considerada a “Suíça brasileira” porque o índice de violência lá é muito insignificante. Percebese que os policiais fazem o trabalho com o coração, e lá também não tem a estrutura necessária e desejável para que o trabalho seja feito. Eu vejo isso com muita preocupação. Se Deus me permitir e os amigos me possibilitarem, quero ser mais uma voz na defesa das melhorias das condições de trabalho da Polícia Civil e da Polícia Militar. - Jornal do Sinpol - Neste contexto como o senhor vê o trabalho do Sinpol para melhorar as condições de trabalho dos policiais? - Dr. Otacílio José Barreiros Indispensável! Acho que sem o sindicato a situação seria muito pior. Hoje está provado isso, o político vê voto e essa pressão institucional faz com que ele faça alguma coisa. Mas o que tem sido feito é muito pouco diante daquilo que seria necessário para que a Polícia pudesse dar um salto de qualidade e ser realmente uma Polícia que estimule seus agentes a fazer o trabalho que a população espera dela. - Jornal do Sinpol - Do tempo que o senhor foi policial para hoje, o que destacaria como principais mudanças na Polícia Civil? - Dr. Otacílio José Barreiros - Eu vejo que a Polícia Civil se organizou melhor, essa interiorização das células diretivas foi um avanço. No meu tempo, tudo que era preciso fazer tinha que ir a São Paulo. Havia as Regionais de Polícia, mas eram muito esvaziadas. A Polícia está relativamente organizada no Estado todo, o que precisa agora é resolver e melhorar a questão salarial. Não da mais para se ficar adiando isso, vejo que instituições como o Ministério Publico e a Magistratura são muito melhores vistos, com um poder de fogo maior. É preciso que a Polícia Civil, como órgão auxiliar, também tenha o reconhecimento para que possa melhorar o atendimento à população. Vejo com muita preocupação a questão do efetivo, que realmente é diminuto, não atende as reais necessidades do povo. Os municípios que têm que ficar socorrendo a Polícia, o que é um desvirtuamento do sistema federativo. O município é um ente político, que tem as suas atribuições e não pode ficar fazendo as vezes do Estado e, por conseguinte da União. Se o município quer um distrito bem equipado, tem que liberar verba para isso, porque o Estado não libera. Essa questão tem que ser resolvida. A forma de provimento dos cargos do Ministério Publico e da Magistratura tem já um tripé legal definido. Acho que a mesma coisa tinha que acontecer com as Polícias Civil e Militar, vincular isso ao crescimento populacional. Na medida em que a população cresce, é preciso contratar mais policiais, não tem outra fórmula. - Jornal do Sinpol - A lei tem uma forma de obrigar o Estado de repor essa falta de efetivo? - Dr. Otacílio José Barreiros - Temos que primeiro encontrar uma forma de disciplinar isso na Lei. Claro que se a Lei estabelecer, você tem que fazer. Por exemplo, criar uma Comarca, ter um numero mínimo de eleitores. Chegou o momento em que é preciso deflagrar o processo, tem que colocar isso na Lei, na Constituição, porque segurança é um direito constitucional do cidadão. Para você ter a segurança como a A agente aposentada Lourdes Rodrigues, o dr. Otacílio e o presidente do Sinpol, Eumauri: relembrando os tempos da Apocirp Constituição estabelece, é preciso criar os mecanismos necessários. E um deles é não deixar que o quadro de funcionários seja defasado. Caso o contrário você está transformando aquilo que consta na constituição em uma letra morta. Temos que trabalhar nisso, algo que imponha ao Governador que quando se chega nesse patamar, deflagre imediatamente o processo seletivo para a contratação dos profissionais necessários para a prestação do serviço. - Jornal do Sinpol - O Sinpol que sempre esteve denunciando essa falta de efetivo, como vê a importância dessa luta pra que se aumente o numero de policiais em todo Estado? - Dr. Otacílio José Barreiros - O trabalho com a Assembleia Legislativa, com o Congresso Nacional, tem que ser incrementado. Acho que deve ser bem cobrado de seus representantes. Se quisermos realmente o respaldo dos Sindicatos e dos representantes, eles têm que mostrar serviço e pressionar o Governador. E o Governador deve agir de acordo com isso. Os poderes Executivo e Legislativo têm que agir em sintonia, e é preciso que a Assembleia Legislativa atue de acordo com a representatividade que ela detém. Vejo com muita preocupação que os Executivos façam suas bancadas e ali vira uma relação que não se mexe. É muito importante esse trabalho do Sinpol perante a Assembleia Legislativa, Congresso Nacional, as Câmaras Municipais, pois dão a força política para que essas mudanças ocorram. Julho/2014 11

[close]

p. 12

ANIVERSARIANTES A vida é um milhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar. Feliz Aniversário aos nascidos em agosto! 1 Roberto Borges de Oliveira José Carlos Caporusso José Guilherme Torrens de Camargo Jeferson Marcos Sedassari Marcelo Lázaro Pereira Cláudia Alexandra F. Alves Ferreira 2 João Carlos Cazu Antonio Sérgio Pereira Ettore Francisco Brunelli Milton Bergamin 3 Fátima Aparecida Silva Rubens Gracindo Correa Brusadim 4 Antonio Carlos dos Santos Netto Ary Lopes Daniel Nicoleti da Silva Eduardo Bittencourt de Lima Dario José Cantarelli 5 Jair Jorge Cano João Delfino de Souza Euclides Batista de Sousa Júnior José Rubens dos Santos Rita Paula de Moraes Bucioli 6 Márcio Antonio Pinho Bertolino José Mauro Chiaretti Luís Henrique Martin 7 Jussara Junqueira Rosemary Carlini de Oliveira 8 Samuel Antonio Zanferdini Odair Batista Sirlei Ferreira Rabello Simonea Marangoni da Silva 9 Dalva Aparecida Chiaretti Mário Portugal Gonçalves Antonio Luiz de Biaggi Luiz Carlos Valéria Trocca Jeane Moraes Cleverson Lima Garcia 10 Maurício Kusumota Antonio Edson Ferreira de Freitas Luiz Carlos Contin Filho Pedro Afonso da Silva 12 Wilson Sasaki Walter Rossetti Júlio Cesar de Paula Gumercindo Rodrigues Carvalheiro Maria Aparecida Alves da Silva 13 Antonio Arrisse Adelino Pinto Ribeiro Maria Fátima dos Santos Daniel Paulo Radaeli Rita Eliza de Pace 14 José Luiz Tor 15 Valido José da Silva Paulo Augusto Ciampone Melo Carlos Eduardo Fabbri Robert Schmengler Guilhaume José Silverio de Paula Neto Marcia Ap. de Arruda Ferreira Luís Fernando Di Donato 16 Antonio Boleli Neto Celso Botelho dos Santos Eliana Aparecida do Nascimento Caio Iberê Galvão Gobato José Ceará Neto 17 João Gonçalo Pallareti Carlos Moreschi Hugo Anselmo Ravagnani Rosa Maria Dezzotti Bittencourt de Lima Elieu de Souza 18 Luís Carlos Chiaparini 19 Luiz Alberto Lopes Roberto Rudon Bettini Inês Paplovsks Pinto Danilo Alves Rabello José Eduardo do Nascimento Maria do Carmo S. Pavanelli José Carlos de Paula Rafael Eduardo Pereira 20 Osmar Ignácio Silas Anselmo Antonio Lula de Figueiredo Júnior Roberto Flávio Narducci Bergson Newton Berthaud Fernando Luiz de Oliveira Marconi Paulo Kendi Takahashi 21 Paulo Roberto Scarparo Vanilda Rodrigues Antonio Carlos Rodrigues Simões Sílvio Ruivo Luiz Carlos Barbosa Lima 22 Gino Augusto Franco Sant’Anna Susete Ap. dos Reis Costa Aguiar Ricardo Takahashi Edmilson Sandoval do Vale Pedro Luiz Acetoze 23 João da Silva Ester Marina dos Santos Sonia Ap. Messias de Paula Lucimari Cambuy da Silva José Carlos Travizan 24 Wilson Lauro Leite de Mello Aguinaldo Maciel Barbosa Hugo Manoel Ravagnani Leonardo Naves dos Reis Ivanil A. Alves Pereira 25 Hedemil Gomes Felipe Ana Palmira Belini de Oliveira Granger 26 Luiz Francisco Grotta Paulo Sérgio Rossi Wilson Francisco Araújo 27 Luís Carlos da Silva Vieira Jadis Dalton Ferreira Viella Alexandre Aparecido da Silva Wagner Cândido da Silva Eni Aparecida Silva Zaccaro Artur Assalin da Silva 28 Rosa Maria de Carvalho Rocha José Augusto Mendes Vera Terezinha Dias Guioto 29 Clóvis Chicória Lilian de Simone Benedito de Castro Filho João Fernandes Vieira Neto José Ricardo Lisi Nilton Ferreira Borges Kátia Cristina Ferreira da Silva 30 Geremias Lourenço de Castro Mauro José Zancheta Ataliba Vicente Júnior 31 Wilson Gonzaga Júnior COBRANDO MEMÓRIA OS DEPUTADOS Em junho de 2003, em plena campanha salarial, o então presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, acompanhado de diversos membros das entidades representativas dos policiais civis no Estado de São Paulo, cobrou posicionamento dos então deputados estaduais Romeu Tuma Júnior e Rosmary Corrêa. Eumauri e os demais sindicalistas foram até a Assembleia Legislativa pedir apoio dos parlamentares à pauta de reivindicações que foi apresentada ao governador da época, Geraldo Alckmin. Na foto acima, Eumauri fala aos deputados Tuma Júnior e delegada Rose, observado pelos demais sindicalistas. DO FUNDO DO BAÚ O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. O Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto está mantendo um acervo de imagens relacionadas à Polícia Civil. Para tanto, a Diretoria está incentivando a participação de associados que tenham em seus arquivos fotografias que possam ilustrar diferentes aspectos da história da Instituição. “Temos certeza que muitos colegas guardam várias fotos com lembranças de reuniões, eventos e de situações cotidianas dentro da Instituição, com um valor inestimável pelas lembranças que representam”, ressalta o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Os interessados em colaborar com esse resgate da memória da Polícia Civil da região podem entrar em contato com a Secretaria do Sinpol, através dos telefones (16) 3612-9008, 3625-3890 e 3979-2627, ou do e-mail sinpolrp@sinpolrp.com.br. “As fotografias serão digitalizadas e prontamente devolvidas aos seus proprietários”, garante Eumauri. O material reunido pelo Sinpol será publicado no Jornal do Sinpol e no site da entidade (www.sinpolrp.com.br). 12 Julho/2014

[close]

p. 13

JURÍDICO Departamento obteve mais mandados de segurança em favor de associados, garantindo-lhes direito à aposentadoria com integralidade e paridade Enquanto o governo do Estado não toma posição quanto a adotar a Lei 144/2014, principalmente no tocante à paridade e integralidade para nortear a aposentadoria especial dos policiais civis, as ações buscando obter mandados de segurança e garantir o benefício nos moldes do que previa a LCF (Lei Complementar Federal) 51/1985 e que é previsto pela LCF 144/2014 continuam. O governo já consultou a PGE (Procuradoria Geral do Estado) em relação à LCF 144/2014, mas o fez apenas em relação à questão que envolve a determinação de se aposentar compulsoriamente o policial civil com 65 anos e não mais com 70 anos. Através do Parecer 53/2014 da PGE, assinado em 03 de junho pelo procurador Elival da Silva Ramos, a SSP (Secretaria da Segurança Pública) recebeu orientação para promover a aposentadoria compulsória de todos os policiais civis com 65 anos ou mais. Vários delegados obtiveram liminares favoráveis garantindo-lhes o direito de continuarem na ativa, mas as liminares acabaram suspensas pelo presidente do TJSP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo), desembargador José Renato Nalini. Segundo o desembargador, o artigo 1º da LCF 144/ 2014 determina que o servidor público policial será aposentado compulsoriamente, com proventos proporcionais ao tempo de contribuição, aos 65 anos de idade, qualquer que seja a natureza dos serviços prestados. Os impetrantes sustentam a tese de que a CF (Constituição Federal) lhes assegura a permanência em atividade até os 70 anos. E foi com base nessa argumentação que o departamento Jurídico do Sinpol obteve duas liminares concedidas no caso de Mandado de Segurança. “São liminares referentes à aposentadoria compulsória. O juiz deu a liminar em primeira instância para determinar à autoridade coatora que se abstenha de aposentar compulsoriamente. Os impetrantes são os associados dr. João Arnaldo Damião Melki e o dr. José Eduardo Velludo”, explicou o dr. Ibelli. Ambos são médicos legistas do IML (Instituto Médico Legal) de Ribeirão Preto. Até o fechamento do Jornal do Sinpol, as liminares de ambos não haviam sido suspensas e seguia valendo o mandado de segurança. Além disso, o Jurídico do Sinpol obteve outras vitórias garantindo aposentadoria para seus associados com base na Lei 51/85, com paridade e integralidade. Foi publicado acórdão de aposentadoria especial pela Lei 51/85 com decisão favorável para o investigador do 5º DP (Distrito Policial) de Franca, Wilson Francisco Araújo. Outro beneficiado com mandado de segurança foi o dr. Carlos Henrique Araújo Garcia. O delegado que atua no 4º DP de Ribeirão Preto obteve acórdão favorável com sentença confirmada na 2ª Instância pelo TJSP. Com isso o dr. Carlos já pode pleitear seu direito à aposentadoria com paridade e integralidade, com base nos moldes da Lei 51/85. O terceiro associado que obteve sentença favorável foi o investigador Edmir Valera, que atua em Sertãozinho e mora na cidade de Pontal. Em sua sentença, garantindo-lhe paridade e integralidade, ele obteve vitória da 13ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, a transição da Lei 51/85 para a 144/ 2014 ainda deve gerar alguns problemas para associados em vias de se aposentarem e na questão da aposentadoria compulsória àqueles que já atingiram os 65 anos. Por isso ele pede que, em caso de dúvida, o associado procure imediatamente a diretoria do Sinpol. “Sabemos que muita água vai rolar. O governo pode tentar adotar a 144/2014 apenas no que lhe interessa, dando de ombros para a questão da integralidade, que garante ao servidor o direito de se aposentar com o salário total que recebe no momento em que obteve tempo hábil para se aposentar, e da paridade, que garante ao policial civil aposentado o mesmo índice de reajuste salarial pago àqueles da ativa. Isso garante que não haja perda. Sabemos que foi pedido o parecer a esse respeito, mas a equipe do governo, principalmente da Secretaria da Fazenda, que insiste em não mudar a política de remuneração dos servidores públicos. Pensam apenas em números, nada mais. Aliás, nós do Sinpol, sempre dissemos da insensibilidade com que o secretário da Fazenda trata os servidores públicos e é sempre atendido pelo governador, conivente com a situação”, dispara Eumauri. Enquanto não se define a forma como o governo vai definitivamente proceder em relação à paridade e integralidade, o departamento Jurídico do Sinpol continua atento e sempre pronto a intervir em favor do associado. E não só em relação à questão de aposentadoria. “Nosso objetivo é defender nossos associados contra arbitrariedades que possam ocorrer”, conclui Eumauri. NOVAS VITÓRIAS DOS ASSOCIADOS O advogado Ricardo Ibelli e o presidente do Sinpol, Eumauri: mais vitórias do Departamento Jurídico em favor dos associados Julho/2014 13

[close]

p. 14

CARDIOLOGIA: - Dr. César Ricardo Soares Medeiros R. Eliseu Guilherme, 1086 - Fones: 3635-5618 / 3632-1490 / 3632-0347 - Dr. José Villella de Andrade Netto Av. 9 de Julho, 2250 - Fones: 3623-3055 / 3623-2003 - Dr. Luiz Fernando Soares R. Eliseu Guilherme, 1086 - Fones: 3635-5618 / 3632-1490 / 3632-0347 - Dr. Flávio Henrique Idalgo R. Marechal Deodoro, 1566, sl. 01 - Fones: 3931-4709 / 3234-4496 CIRURGIA VASCULAR: - Dr. Rui do Prado Filho R. Bernardino de Campos, 1436 - Fone: 3636-4052 - Dr. Paulo Eduardo Rahme Costa R. João Penteado, 2179 - Fones: 3011-7840 / 3632-2833 CLÍNICA MÉDICA: - Dr. Carlos Eduardo Soares Medeiros R. Eliseu Guilherme, 1086 - Fones: 3635-5618 / 3632-1490 - Dra. Cláudia Lenza Rodrigues da Cunha R. José Beschizza, 76 - Fone: 3625-4481 - Dr. Eduardo Monteiro R. Luiz da Cunha, 1109 - Fone 3023-2038 / 3630-6252 - Dr. João Carlos Medeiros R. Eliseu Guilherme, 1086 - Fones: 3635-5618 / 3632-1490 / 3632-0347 - Dr. Jorge Eduardo Parada Hurtado Av. Pres. Kennedy, 1760 - Fones: 3617-2117 / 3617-3919 / 3617-3929 - Dr. José Villella de Andrade Netto Av. 9 de Julho, 2250 - Fones: 3623-3055 / 3623-2003 - Dr. Mauro Kiomassu Tamashiro Av. Pres. Kennedy, 1760 - Fones: 3617-2117 / 3617-3919 / 3617-3929 DERMATOLOGIA: - Dra. Isabella Zuccolotto R. Marcos Marcarian, 1025, sl 408 - Fone: 3101-0822 - Dra. Patrícia Karla Pallaretti R. Garibaldi, 2042, sl. 16 - Fone: 3013-1622 / 3620-0445 - Dra. Karina Hatsumi Miayake R. Ercole Verri, 298, sl. 05 - Fone: 3913-6500 FISIOTERAPIA: - Clínica Studio Saúde R. Casemiro de Abreu, 254 - Fone: 3636-8025 GASTROENTEROLOGIA: - Dr. Eduardo Monteiro R. Dr. Luiz da Cunha, 1109 - Fones: 3023-2038 / 3630-6252 - Dr. Jorge Eduardo Parada Hurtado Av. Presidente Kennedy, 1760 - Fones: 3617-2117 / 3617-3919 / 3617-3929 - Dra. Claudia Lenza Rodrigues da Cunha R. José Beschizza, 76 - Fone: 3625-4481 GINECOLOGIA: - Dr. Joel Cauchick Rigo Av. Independência, 3054 - Fones: 3329-1051 / 3329-7551 / 3877-1226 Dra.Tarcila Pacheco R. Eliseu Guilherme, 1086 - Fones: 3635-5618 / 3632-1490 / 3632-0347 - Dr. Joaquim Roberto Maciel Coelho Av. Presidente Kennedy, 1760 - Fones: 3617-2117 / 3617-3919 / 3617-3929 NEUROLOGIA: RELAÇÃO DE MÉDICOS QUE ATENDEM PELO IAMSPE EM RIBEIRÃO PRETO - Dr. Marcelo Falco Garcia R. João Penteado, 1151 - Fones: 3615-8711 / 3442-1925 OFTALMOLOGIA: - Dr. Benoni Gabarra R. Padre Euclides, 931 - Fones: 3011-0088 / 3632-7296 - Dr. Paulo Antônio Barbisan R. Floriano Peixoto, 1853 - Fone: 3911-1709 - Dr. Fabio Vieira da Silva R. Marechal Deodoro, 1505 - Fones: 3625-0319 / 3636-8350 Dra. Denise de Paula Leite R. Marechal Deodoro, 1505 - Fones: 3625-0319 / 3636-8350 - Dra. Heloisa Helena de Freitas Pacola R. Capitão Salomão, 1651 - Fones: 3236-3350 / 3237-1477 - Dr. José Leonardo Borges Lourenço R. Capitão Salomão, 1651 - Fones: 3236-3350 / 3237-1477 - Dr. Marcelo Jordão Lopes da Silva Av. Professor João Fiuza, 536 - Fone: 3913-4758 - Dra. Janaína de Castro Arfelli R. Olavo Bilac, 814 - Fone: 3964-7662 - Instituto da Visão Av. Independência, 2509 - Fones: 4009-2999 / 4009-2954 EXAMES LABORATORIAIS: - Laboratório do Hospital Santa Lydia R. Tamandaré, 434 - Fone: 3605-4845 - Laboratório Dr. Mello S/S R. Américo Brasiliense, 807 - Fones: 3636-3700 / 3636-3709 EXAMES RADIOLÓGICOS: SINPOL - IDI (Instituto de Diagnóstico por Imagem) Av. Sumaré, 295, 304 e R. Tibiriçá, 1202 - Fones: 3512-6000 / 3512-6094 / 3512-6095 TELEFONES ÚTEIS IAMSPE: Central de Agendamento HSPE: (11) 5583-7001 Ouvidoria: (11) 4573-8696 / 4573-8993 CONSEGUE INCLUSÃO DE DEPENDENTES Na reunião entre representantes do Sinpol e do departamento jurídico do São Francisco Clínicas, Eumauri levou reivindicação que foi aceita pelo convênio médico e vai representar um grande benefício aos associados ORTOPEDIA: - Dr. Antônio Mendes Marques R. Capitão Salomão, 1327 - Fones: 3443-9402 / 3236-2602 - Dr. Manoel Antônio Delatre Bonfim R. Quintino Bocaiuva, 1206 - Fone: 3625-9644 - Dr. Nelson Jacintho R. Vicente de Carvalho, 838 - Fones: 3636-0051 / 3636-0605 - Dr. Evandro Mieli R. Bernardino de Campos, 1872 - Fone: 3635-0809 OTORRINOLARINGOLOGIA: - Dr. Dárcio Justino de Figueiredo R. Américo Brasiliense, 1350 - Fone: 3610-7697 - Dr. Paulo Renato Eleotério Mestriner R. Altino Arantes, 1844 - Fone: 3636-3228 - Dr. Manoel José de Andrade R. Prudente de Morais, 2643 - Fones: 3621-7661 / 3913-4124 PEDIATRIA: - Dra. Maria de Fátima Nogueira Paixão Av. Presidente Kennedy, 1760 - Fones: 3617-2117 / 3617-3919 / 3617-3929 - Dr. João Carlos Medeiros R. Eliseu Guilherme, 1086 - Fones: 3635-5618 / 3632-1490 / 3632-0347 PNEUMOLOGIA: - Dr. Enio Pasquali Júnior R. Barão do Amazonas, 1471 - Fones: 3443-2600 / 3625-3460 PROCTOLOGIA: - Dr. João Ciro Marconi R. Bernardino de Campos, 1432 - Fone: 3610-6582 - Dr. Ulisses Cardoso Marques R. Casemiro de Abreu, 556 - Fone: 3635-1888 PSIQUIATRIA: - Dr. Moisés Munir R. Garibaldi, 98 - Fones: 3625-3075 / 3636-4755 UROLOGIA: - Dr. Newton Ragghianti Av. Nove de Julho, 2250 - Fones: 3623-3055 / 3623-2003 - Dr. Sergio Monteiro Lehfeld Av. Antônio Diederichsen, 603 - Fones: 3623-6363 / 3623-1307 Uma reunião realizada entre representantes do Sinpol e do departamento jurídico do São Francisco Clínicas selou um acordo onde será possível incluir dependentes de policiais civis como titulares no convênio médico. Participaram da reunião o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, além do diretor financeiro Júlio César Machado e do associado Maurício Kusomota. Graças ao trabalho realizado pela presidência do Sinpol, o São Francisco Clínicas aceitou a inclusão de filhos de policiais que passem dos 21 anos de idade - ou 24 quando es- tudante - como titulares do convênio. Desde o dia 01 de junho de 2014 já está sendo possível fazer a inclusão. Anteriormente o convênio não permitia tal inclusão e os filhos de policiais civis estavam sendo obrigados a migrarem para outros planos ou convênios, fora do contrato mantido pelo sindicato, que é altamente vantajoso para o associado. Segundo Eumauri, esse novo entendimento auxiliará na diminuição da faixa etária dos conveniados do Sinpol, o que possibilitará uma melhor negociação futura de reajustes. 14 Julho/2014

[close]

p. 15

Julho/2014 15

[close]

Comments

no comments yet