Jornal Ascovv - Junho 2014

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Ascovv - Junho 2014

Popular Pages


p. 1

JUNHO 2014 CONFIRA Ações da ASCOVV em prol do fortalecimento da classe. PROFESSOR Roberto Dias fala sobre “Caixa de Utopias” pág. 03 REUNIÃO ASCOVV / JUCEES pág. 04 ARTIGO “Como anda a contabilidade das pequenas e médias empresas” págs. 05 e 06

[close]

p. 2

EDITORIAL União para vencer os novos desafios Parceria de Sucesso Iniciamos nossa Gestão com a certeza que só com união e atitude vamos conseguir ultrapassar os desafios e fortalecer a classe, principalmente, trazer valorização para os contadores de Vila Velha. Dessa forma, nesse Jornal, que a partir de agora será online e será disponibilizado via e-mail, no site e redes sociais, destacaremos reuniões e as buscas da Diretoria junto aos órgãos municipais e estaduais por melhorias e benefícios. O ano de 2014 vai passar rápido, já que vários eventos relevantes serão realizados, como a Copa e as Eleições. Porém, estamos atentos às necessidades da classe e o trabalho da Associação tem sido firme na busca constante de parcerias e fortalecimento. Por isso, é de suma importância a participação ativa de cada associado nos eventos e com sugestões e críticas. Seremos ouvidos e valorizados a partir do momento que unirmos conhecimentos e necessidades para juntos lutarmos por mais conquistas. Venha para a ASCOVV e vamos juntos subir a escada da Vitória para todos os Profissionais da Contabilidade. Rodrigo Sangali Presidente A ASCOVV firmou uma importante parceria com a Welcome Card que traz várias vantagens para os associados que terão direito a um cartão. Confira abaixo as principais informações sobre essa parceria e entre em contato para se informar sobre a produção do seu cartão. - O que é o cartão Welcome Card? A Welcome Card é uma empresa que está no mercado desde 1995, com a proposta principal de oferecer a seus clientes inúmeros estabelecimentos com excelentes atrativos para realizarem suas compras ou utilizarem seus serviços. Possuímos convênios com empresas de grande destaque no Espírito Santo como as melhores boates, as melhores academias de ginástica, bares, restaurantes, lanchonetes, sorveterias, lojas de roupas, cursos de informática, cursos profissionalizantes, e muito mais. - Quais são as vantagens e atrativos oferecidos aos usuários do cartão de vantagens Welcome Card? O cartão WelcomeCard é um cartão de fidelidade que oferece sempre benefícios diversos a seus clientes. Os atrativos oferecidos aos portadores do cartão Welcome Card são descontos, prazos para pagamentos, cortesias, enfim, um tratamento especial e diferenciado nas melhores boates, bares, restaurantes, lojas de roupas, academias de ginástica, sex shops, postos de combustível, etc. JORNAL ACOVV - Junho/2014 2

[close]

p. 3

ARTIGO CAIXA DE UTOPIAS Com R$ 20 bilhões anuais a mais de arrecadação, será possível dobrar o orçamento de programas sociais como o Bolsa Família ou aumentar em mais de 20% os investimentos em educação. Os trabalhadores terão os seus direitos garantidos. Com isso, economizaremos os R$ 12 bilhões gastos para manter a Justiça do Trabalho e deixaremos de ser o país campeão em quantidade de processos trabalhistas. Anualmente, surgem 2,2 milhões de novas ações, contra 75 mil nos Estados Unidos e 2,5 mil no Japão. Reduziremos também a burocracia que corrói a competitividade dos 8 milhões de empreendedores que têm negócios legalizados no Brasil. Essa diminuição ainda facilitará a formalização dos demais 20 milhões que ainda operam na economia “subterrânea”. Deixaremos a última posição no ranking do custo de conformidade tributária e trabalhista, de acordo com o Banco Mundial envolvendo 183 países. Essas são as promessas do novo sistema do governo federal que irá registrar eletronicamente, em tempo real, os eventos da vida dos trabalhadores: o eSocial. Esse sistema unificará as informações trabalhistas e previdenciárias prestadas pelos empregadores. Os 12 milhões de empregadores, inclusive os 2.103.269 de domésticos, serão obrigados ao eSocial. As empresas com faturamento superior a 3,6 milhões anuais participarão do eSocial em 2015. Para as demais ainda não foi estabelecido o cronograma, provavelmente isso ocorrerá após as eleições. Os empregadores domésticos, por sua vez, quatro meses após a regulamentação da Emenda Constitucional 72. Mas, será que esse sistema irá aumentar a arrecadação, reduzir a burocracia e garantir os direitos dos trabalhadores? Certamente a arrecadação crescerá, pois Receita Federal, Caixa Econômica Federal, Ministério do Trabalho e Ministério da Previdência utilizarão as informações registradas para fiscalizar todos os empregadores. Mas, desde 2003, quando a pesquisa do Banco Mundial foi criada, o Brasil permanece em último lugar, com o mesmo custo de conformidade. No entanto, com o eSocial vai ser tudo diferente. Será mesmo? Por fim, como pretende esse sistema realizar a façanha de garantir o direito dos trabalhadores? Se isso for realmente possível, poderíamos dar um passo enorme, implantando o eSocial primeiramente nos três empregadores que mais têm processos trabalhistas no país: Caixa Econômica Federal, Petrobras e Correios. Afinal, a Caixa, como uma das fundadoras desse projeto, pode ser um notável exemplo de sucesso para o eSocial. Roberto Dias Duarte é sócio e presidente do Conselho de Administração da NTW Franchising. JORNAL ACOVV - Junho/2014 3

[close]

p. 4

PARCERIA PMVV E SEBRAE/ES Foi realizada uma reunião da diretoria da ASCOVV com o secretário de Desenvolvimento Econômico da PMVV, Antonio Marcus Machado, juntamente com o superintendente do SEBRAE/ES, José Eugênio, para discutir sobre a criação de um grupo de trabalho técnico, e também, para tratar de soluções a fim de desburocratizar a abertura de empresas no município e criar uma política de parcelamento de débitos específico para pessoa física e jurídica, junto à Prefeitura. De acordo com o presidente da ASCOVV, Rodrigo Sangali, o município ainda tem alguns entraves com relação aos incentivos para o fomento do empreendedorismo. “O prazo para abertura de empresas em Vila Velha é muito prolongado e precisamos criar uma estrutura que permita a diminuição dessa espera. Municípios como Cariacica e Viana são exemplos que temos de seguir para passar a cumprir o prazo da Rede Sim, que regulamenta a abertura de empresas a nível nacional e prevê um máximo de 48 horas para que o empreendedor consiga abrir o seu negócio”, disse. Em relação ao Grupo Técnico terá como base discussões relacionadas às dificuldades do REGIN, a emissão de Alvará, o programa de parcelamento de débitos, assim como, solicitar ao Governo do Estado a criação de um Escritório da JUCEES, em Vila Velha. Reunião com da JUCEES presidente A reunião com o presidente da JUCEES, Paulo Vieira Pinto, foi para tratar do REGIN, além de atrasos nos processos e viabilidade. Assim como, também foi solicitada a abertura de um escritório de atendimento da JUCEES em Vila Velha. JORNAL ACOVV - Junho/2014 4

[close]

p. 5

ARTIGO COMO ANDA A CONTABILIDADE DAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS? Neste primeiro artigo que tive a honra de ser convidado para escrever sobre um tema específico da realidade dos escritórios de contabilidade, vou me ater nesse único ponto que possui diversos desmembramentos para a profissão contábil. Sabemos da NBC TG 1000, contabilidade para pequenas e médias empresas, e sua importância para a contabilidade considerando a profissão e o profissional, mais ainda, esperamos que ela possa revolucionar a contabilidade do Brasil para, quem sabe, chegarmos a ter o status de um profissional contábil norte-americano ou britânico. Por outro lado, é importante, como insisto em dizer em aulas, palestras e eventos, termos em mente que a normatização contábil por si só não faz nada. Lei e norma sem aplicação vira conselho ou orientação. Para aplicação da NBC TG 1000, tudo dependerá da postura dos profissionais no mercado dispostos a mudar seus hábitos e convencer seus clientes que o caminho das normas internacionais permitirá a eles maior controle empresarial, qualidade das demonstrações contábeis usada para mensurar indicadores de desempenho, participar de licitações, utilizar orçamento etc e, por consequência, com mais transparência nos negócios, mais condições para negociarem para baixo os juros de empréstimos e financiamentos junto aos seus credores. O desafio do profissional contábil hoje é tanto cultural como técnico. Isso envolve uma carga de auto-avaliação das práticas adotadas e de estudos direcionados para entendimento e disseminação do conhecimento sobre as normas aos seus stakeholders. O assunto parece complexo, mas não é. A norma tem questões básicas como avançadas o que confunde um pouco o leitor em uma primeira leitura superficial, uma vez que o profissional contábil só utilizará as seções da norma relacionadas às atividades e elementos patrimoniais que a empresa do seu cliente possui. A ITG 1000 é uma tentativa de simplificar, na prática contábil, o que sugere-se complexo na leitura da norma. De todo modo, ela preserva conceitos básicos necessários para escrituração de uma contabilidade para micro e pequenas empresas. Exemplificando esse contexto, ao analisar a NBC TG 1000 (ou CPC PME), o profissional contábil ao revisar juntos dos seus clientes as seções da NBC TG 1000 aplicadas a eles, ele deve explicar e contextualizar aos clientes o escopo e o grau de complexidade aplicável de cada seção. Para ilustrar um tema que sempre parece complexo, os instrumentos financeiros, o fato do cliente ter as contas patrimoniais caixa, bancos, clientes e aplicações financeiras (CDB, Fundo etc), por exemplo, já indica que a seção 11 – instrumentos financeiros básicos – deve ser aplicada e utilizada suas orientações para reconhecimento, mensuração e evidenciação (divulgação principalmente das notas explicativas). Nesse contexto, o profissional contábil precisa refletir sobre todo o processo contábil de reconhecimento, mensuração e evidenciação. Primeiramente, compreender a essência econômica do evento ocorrido, suponhamos, a compra de um terreno. Então, na etapa do reconhecimento, onde o terreno será reconhecido no balanço patrimonial, como ativo imobilizado, propriedade para investimento ou como estoque? Tudo dependerá do objetivo da compra do terreno pela administração da empresa. Cada classificação poderá levar a diferentes bases de mensuração possíveis, que é a etapa da mensuração. JORNAL ACOVV - Junho/2014 5

[close]

p. 6

ARTIGO Na etapa de mensuração, qual será o valor atribuído ao terreno para reconhecimento na contabilidade conforme a essência da operação? Será pelo valor do contrato de compra e venda, pelo valor presente dos benefícios econômicos futuros trazidos a valor presente ou o valor justo? Ficou mais claro agora o motivo pelo qual precisamos compreender o objetivo da operação? Porque o reconhecimento em alguma conta patrimonial levará a aplicação de alguma seção diferente da NBC TG 1000 que terá seus critérios para escolha do profissional contábil junto aos administradores. Por fim, ter-se-á a etapa da evidenciação. Como divulgar esse terreno adquirido para explicar sua classificação, seja em imobilizado, estoque ou propriedade para investimentos e deixar claro a base de mensuração aplicada para chegar ao valor registrado na contabilidade. Todo esse esforço, envolvido de escolhas que levam sua carga de julgamentos, precisa ter fundamentos, justamente por precisarmos aplicar o conceito de representação fidedigna, mesmo que a essência econômica da operação seja diferente da essência jurídica, mas que mostrará a realidade dos negócios. Desse modo, o primeiro passo para o profissional contábil implementar as novas normas adequadamente é revisar os negócios dos clientes e seus planos de contas para reunir-se com eles para explicar as mudanças das normas e discutir a melhoria do fluxo de informações dos eventos ocorridos na empresa e enviadas ao profissional contábil, quando este for externo ao cliente. Nesse aspecto os apêndices da ITG 1000 (Res. CFC no. 1.418/12) são muito úteis para orientar os profissionais contábeis. Dentre eles, cabe destacar a carta de responsabilidade da administração, documento importantíssimo para uma relação comercial mais saudável entre as partes. Para auxiliar esse desafio que envolve toda a classe contábil, profissionais, professores, consultores, auditores e também os futuros profissionais, uma grande parceria entre professores e profissionais com experiência acadêmica do Brasil e do exterior foi realizada para elaboração do livro Contabilidade das Pequenas e Médias Empresas publicado pela editora Elsevier. A obra abrange todas as seções da NBC TG 1000 (CPC PME), a ITG 1000 e as diferenças para o padrão contábil anterior, além de muitas reflexões para facilitar a linguagem, orientações e exemplos para compartilharmos todo esse conhecimento espalhado pelo Brasil. Como a contabilidade se desprendeu um pouco da leitura fria da norma, aumentando a carga de julgamento do profissional contábil, o livro é iniciado com a parte conceitual que muitas vezes é deixada de lado pelos profissionais, mas que é pode ser considerada como a principal para exercermos melhores julgamentos. Essa subjetividade inerente ao processo contábil engrandece a profissão contábil porque aumenta a responsabilidade do profissional ou dos profissionais envolvidos. Aumentando a responsabilidade, a técnica e o conhecimento, as escolhas passam a ser melhores e o status da profissão também aumenta perante a sociedade. Em suma, os desafios são novos, mas precisamos enxergá-los mais como oportunidades do que dificuldades. Uma série de novos serviços poderão vir a serem prestados pelos profissionais contábeis e poderão atuar muito mais próximos de profissionais de outros ramos de atuação, tornando a profissão contábil mais dinâmica, mais participativa e muito mais integrada na e para a sociedade. Sigamos rumo para um novo futuro da profissão contábil! Prof. Dr. José Elias Feres de Almeida, ICVS / Professor da UFES e dos Mestrados em Ciências Contábeis e Gestão Pública / Coeditor da ASAA da Anpcont JORNAL ACOVV - Junho/2014 6

[close]

p. 7

CURSOS E PALESTRAS A ASCOVV firmou uma relevante parceria com o SEBRAE-ES para realização de palestras e oficinas, no próximo mês de julho. Abaixo, as palestras e oficinas que serão realizadas, com inscrição de 1 KG de alimento não perecível. As inscrições serão feitas diretamente no SEBRAE-ES, pelo telefone 0800-570- 0800. Estas palestras e oficinas estão abertas também para todos os empresários e funcionários. Então, divulguem. Apoio Realização Fazer o bem e fortalecer as boas ações Destacamos o registro da entrega dos alimentos arrecadados pela ASCOVV nos últimos eventos para a Creche Pequeno Lar, em Vila Velha, feita pela diretora Eliane Rodrigues. Agradecemos a participação de todos e que venham as próximas ações sociais que nos fortalecem como sociedade e, principalmente, como seres humanos preocupados com o próximo. JORNAL ACOVV - Junho/2014 7

[close]

p. 8

AGENDA DO MÊS DE JULHO * Cursos sujeitos à alteração de datas Destaque para o livro: Contabilidade das Pequenas e Medias Empresas SESCON/ES Presidente da ASCOVV participa de reunião realizada pelo Sescon/ES com as associações de contadores da Grande Vitoria, Sul e Norte do Estado, em que o objetivo foi discutir os principais problemas enfrentados pela categoria. Atentos às novas exigências geradas pela aplicação das regras das PME no território brasileiro, os professores José Elias Feres de Almeida, Ricardo Lopes Cardoso, Adriano Rodrigues e Eduardo José Zanoteli convidaram um seleto grupo de especialistas em Contabilidade para esclarecer e reunir essas diretrizes para as Pequenas e Médias Empresas em um único livro. Contabilidade das Pequenas e Médias Empresas aborda todos os aspectos da IFRS para PME de maneira extremamente objetiva e didática, além de incluir diversos exercícios, exemplos práticos e estudos de casos totalmente voltados para a realidade brasileira. Além disso, abarca o novo modelo contábil para as empresas de menor porte: o ITG 1.000. CONSELHO FISCAL: JOSÉ MARIA HUPP VICE PRESIDENTE: LEONARDO FRANÇA MARQUEZINI PAULO MARTINS DE OLIVEIRA JUNIOR EDIS LUIZ PRATIS 1º SECRETARIO: RUBENS DO ROSARIO CARDOSO 2º SECRETARIO: ADMILSON NOBRE SUPLENTES: ELIANE RODRIGUES RIBEIRO 1º TESOUREIRO: JOSÉ SILVA VIEIRA AURELIANO RAMOS 2º TESOUREIRO: JORGE FERNANDES DELAVI STEVENS TAGLIATE FRAGA PRESIDENTE: RODRIGO SANGALI E xpediente JORNAL ASCOVV Produção Jornalista Responsável Danielle Rodrigues Editoração Wekson Barbieri CONTATO Rua Dom Pedro II, 775 - Sala 302, CEP: 29122-300 - Vila Velha/ES 27 3062-2057 ascovv.contato@gmail.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESPÍRITO SANTO JORNAL ACOVV - Junho/2014 ascovv.org.br facebook.com/Ascovv 8

[close]

Comments

no comments yet