Redes, Grupos e comunidades

 
no ad

Embed or link this publication

Description

Atividade 3

Popular Pages


p. 1

      Josecler  Baioto   1302679                               Avampel7         Prof.  Lina  Morgado     Atividade  3   Grupos, Comunidades e Redes Sociais O   estudo   das   referências   recomendadas   (Dron   &   Anderson   (2008),   Anderson   (2009)   e   Figueiredo   (2002)   proporcionou   o   entendimento,   dentre   outros,   acerca   do   processo   de   aprendizagem   no   ambiente   online,   com   a   diferenciação   entre   os   termos   Grupos,   Comunidades   e   Redes  Sociais.  Embora  em  alguns  momentos  interseccionam-­‐se,  noutros  complementam-­‐se,  refere-­‐se   que      para  fins  do  processo  de  design  instrucional  trazem  algumas  diferenças  importantes  em  termos   conceituais  e  que  devem  estar  muito  claras  para  que  os  objetivos  propostos  em  qualquer  intervenção   de   aprendizagem   possa   surtir   o   efeito   esperado.   Dron   e   Anderson   (2008)   apresentaram   os   respectivos   termos   como   esferas       que   compõem   a   dinâmica   de   aprendizagem   ao   longo   da   vida   no   ambiente   virtual   e   que   seus   limites   são   flexíveis,       e   que   citado   anteriormente,   ora   uma   pode   estar   inclusa   na   outra,   assim   como   todas   estarem   interligadas   e   influindo   nas   dinâmicas   desenvolvidas,   dado  que  muitos  indivíduos  e  aplicações  podem  participar  simultaneamente  nas  distintas  dimensões,   consoante  as  respectivas  conveniências.     Em  relação  ao  grupo,  no  sentido  da  aprendizagem  colaborativa  trazem  características  como  a   consciência  dos  participantes  no  que  tange  à  adesão,  onde  existe  um  objetivo  comum  e  específicos,   com  estrutura  e  regras  para  sua  presença,  participação  e  também  liderança.  Existe  uma  sala  virtual,   ou   seja,   um   espaço   para   compartilhamento   do   estudo   ou   projeto   e   construção   da   aprendizagem   colaborativa  (exemplo  sala  virtual  de  um  curso  a  distância).  Em  geral  tais  objetivos  tendem  a  limitar   o  tempo  de  existência  de  tal  grupo.  Embora,  seja  bastante  relacionada  à  educação  formal,  é  possível  a   criação  de  grupos  no  âmbito  da  educação  informal.         Dimensão  das  redes,    no  sentido  de  socialização  (propriamente  as  redes  sociais,  congregação   de   vários   sistemas   de   redes,   que   é   o   espaço,   ou   veículo,  onde   reúnem-­‐se   interesses   difusos),   várias   são   as   possibilidades,   mas   vamos   a   um   exemplo   mais   específico.   Um   número   de   indivíduos   que   compartilham   de   um   interesse   geral,   podendo   ser   classificado   por   assunto,   hobby,   profissão,     geolocalização...   Embora   o   interesse   em   compartilhamento,   não   existe   per   se   um   objetivo   a   ser   atingido  de  forma  explícito  na  colaboração  que  desempenham.  Logo,  a  falta  de  especificidade  faz  com   que  o  sentimento  de  pertença    seja  pulverizado,  menos  forte.  Neste  âmbito  impera  a  necessidade  de   fazer   valer   a   identidade   pessoal,   a   própria   reputação,   que   se   faz   valer   pelos   mecanismos   de   recompensa,   como   a   valorização   exposta   da   contribuição.   Para   que   a   rede   seja   suportada   é   necessário  o  desejo  de  compartilhar,  para  tal  a  necessidade  de  filiação  ao  espaço  virtual  da  mesma.       Logo,   um   individuo   pode   fazer   parte   de   uma   infinidade   de   redes,   de   acordo   com   as   metas,   orientações,   finalidades.   Um   exemplo,   pode   ser   parte   de   uma   rede   de   profissionais   em   busca   de   oportunidades   de   negócios.   Nisto,   dado   individuo   traz   sua   rede   de   empresas   de   contratação   de   serviços,  e  esta,  por  sua  vez  traz  a  rede  de  empresas  do  setor  de  refino  de  petróleo.  Nesta  intersecção   pode   existir   o   que   se   chama   de   contaminação   de   ambientes,   pois   indivíduos   de   uma   rede   podem   acessar   os   integrantes   de   outras,   através   de   um   ponto   de   conexão   dentro   da   rede.   Ou   seja,   estarão   seus  perfis  absorvidos  em  distintos  segmentos,  com  a  infinidade  de  possibilidade  de  filiação  a  novas   redes.           Dimensão  das   Comunidades:      participação  dos  usuários  compartilhando    uma  variedade  de   serviços  disponíveis  na  rede    faz  desta  forma  de  agremiação  uma  fonte  significativa  de  aprendizagem,       1  

[close]

p. 2

      Josecler  Baioto   1302679                               Avampel7         Prof.  Lina  Morgado     Atividade  3   que   embora       informal   tende   a   ser   uma   fonte   ao   longo   da   vida,   pois   são   movidos   pelo     interesse   comum   de   um   objeto   ou   causa,   um   elemento   que,   de   alguma   forma   fornece   uma   razão   para   ficar   conectado   e   ao   mesmo   tempo   alimentar   a   inteligência   coletiva   que   se   forma   nessa   colaboração   de   ideias.    As  comunidades  são  o  espaço  ideal  para  serendipity,  a  aprendizagem  pela  descoberta,      sem  a   obrigação  de  resultados.  Esta  forma  de  aprendizagem  tem  uma  ligação  ao  conceito  de  hipertexto  da   rede,     que   de   uma   necessidade   aparecem   infinitas   oportunidades   (distintos   usuários,   com   seus   jeitos   de  interpretar  atuam  no  mesmo  conceito,  expandindo  o  raio  de  significação  do  objeto  em  estudo).       Para   além   do   aspecto   conceitual,   a   emergência   nos   últimos   anos   de   uma   dicotomia   entre   sistemas   institucionais     -­‐   de   um   lado   o   plano   formal   (VLE),   que   tira   o   controle   do   processo   do   aprendiz  e,  do  outro,  o  informal  (PLE),  com  ambiente  centrado  em  torno  ao  aluno,  torna  necessário  a   exata   compreensão   entre   o   que   se   considera   grupo,   comunidades   e   redes.   Assim,     a   evidência   da   aprendizagem  informal  (PLEs)  se  dá  via  e-­‐portfólio,    instrumento  que  vem  contribuir  para  entender   o  processo    centrado  no  individuo  e  suas  respecticas  produções  oriundas  desta  busca  do  saber.   Figueiredo   (2002)   por   sua   vez   exalta   a   sensação   de   aventura   coletiva   no   processo   de   colaboração   para   aprender.   Essa   cumplicidade   fomenta   a   construção   de   um   aprendizado   que   individualmente  não  seria  alcancado,  como  exemplo  a  presença  em  muitas  comunidades,  em  grande   parte  compartilhadas  como  resultado  do        espirito  de  equipe      para  agregar  evoluções  ao  ambiente.   Neste   sentido,   as   redes   descendem   de   uma   aprendizagem   de   comunidades   e   contextos,   que   facultada  pela  tecnologia  permite    acesso  e  desenvolvimento  de  conteúdos.  Portanto,  o  contexto      de   criação  e  vivência  é  fulcral  para  a  aplicação  e  adaptabilidade  dos  conteúdos.      Ou  seja,  a  riqueza  da   aprendizagem  não  está  meramente  na  produção,  distribuição  e  transmissão    de  um  conteúdo,  senão   na   possibilidade   de   construir       em   colaboração   e   articulação   na   diversidade   de   bagagens,   que   num   ambiente  escolar  tradicional  estará  limitado.     A   gestão   da   interação,   segundo   Figueiredo   (2002),     deve   contemplar     o   equilíbrio   entre   contextos   e   conteúdos.   Uma   espécie   análoga   de     Ying   e   Yang     pauta   o   grande   desafio   da   educação   futura   -­‐     de   criar   comunidades,   nas   quais   a   responsabilidade   individual   e   o   sentido   de   pertencimento   sejam  o  norte  para  a  aprendizagem  coletiva.      A       a   aprendizagem   por   contexto   remonta   à   época   socrática,   soterrada       pelos   paradigmas   mecanicistas.   Mas,   com   a   era   informacional   a   retomada   da   importância   sobre   o   potencial   da   aprendizagem   pela   via     das     “simulações,   dramatizações,   painéis   de   discussão,   diálogos   dirigidos,   debates,   questionamentos,   narrações   e   audições   de   histórias,   casos   de   estudo,   resoluções   de   problemas,   projectos.”   (Figueiredo,  2002,  p3).   Outro   ponto   verificado   é   no   nível   teórico:   “abundância   de  filosofias  de  aprendizagem  que  enquadram  plenamente  tais  estratégias:  aprendizagem  pela  acção,   aprendizagem   reflexiva,   aprendizagem   situada,   aprendizagem   acidental,   aprendizagem   baseada   em   projectos”  (p3).     Este   retomar   coaduna   no   fundamento   das     comunidades   de   aprendizagem,   que   apresentam   na   conciliação   de   teorias   tradicionais   e   respectiva     intersecção   entre   ambas:           vertical,       privilégio   à   estrutura    social,  de  caráter  Weberiana  (instituições,  normas,  regras,  sistemas  culturais,  história)  e  à   acção   (dinâmicas   relacionais,   improvisação,   coordenação,   actividades);   horizontal,   interligação   às   teorias  da  prática  social,  com  caráter  Vygotskiana  (coordenação  e  partilha  de  recursos  em  sistemas   sociais)   e   as   teorias   da   identidade   (formação   social   da   pessoa,   pertenças,   ritos   de   passagem,   categorias   sociais).     Nestes   eixos   a   expressão   do   continuum   que   liga   as   teorias   da   colectividade     2  

[close]

p. 3

      Josecler  Baioto   1302679                               Avampel7         Prof.  Lina  Morgado     Atividade  3   (globalidade,   localidade,   coesão   social)   com   as   da   subjectividade   (experiência   da   subjectividade   construída  no  mundo  social);  e    interliga  as  teorias  do  poder  (conciliação  das  formas  de  poder)  e  as   teorias  do  significado  (construção  de  sentidos  na  participação).    Surgem,  assim  combinadas  com  as   dimensões  anteriores,  as  que  expressam,  agora,  a  construção  de  saberes  em  espaços  colectivos,  as  da   subjectividade,   as   da   negociação   de   poderes   e   as   da   procura   de   sentido,   estas   últimas   na   linha   das   propostas   de   Karl   Weick   (citado   por   Figueiredo,   2002)   o   reconhecimento   de   que   o   processo   de   aprendizagem  é  também  uma  construção  do  sentido  do  nosso  relacionamento  com  o  mundo.       Figueiredo  (2002)  pauta  o  fundamento  da  construção  de  uma  comunidade  de  aprendizagem   nos   componentes   trabalhados   por   Wenger   sobre   teoria   social   da   aprendizagem,   que   remontam   ao   significado,   que   traduz   a   capacidade   (e   necessidade)   de     criar   um   sentido   (individual   ou   coletivo)   para   a   existência;   e   que   encontra   na   prática   (caráter   coletivo)     compartilhada   de   recursos   e   perspectivas   o   envolvimento   mútuo   na   ação,   na   atividade   (aprender   fazendo,   com   a   negociação   do   respectivo   significado);   identidade   (caráter   individual,   sendo   negociado   a   construção   do   meu   próprio   eu)       reforçada   e   reconstruída     pelo   processo   colaborativo   vivenciado   no   contexto   das   comunidades.   Isto   vem   criar   solidez   ao   sentido   de   pertença   a   esta   comunidade,   ao   passo   que     desenvolvemos   a   trajetória   de   nosso   aprender   individual;   comunidade   (configuração   social)   onde   projetamos  nossas  necessidades  e  desempenhamos  a  participação  (prática),  que  reconhecida,  reforça   a  construção  do  sentido  de  pertença  (identidade).   Wenger   citado   por   Figueiredo   (2002)   entende   que   a   prática   em   comunidade       apresenta   as   dimensões   do   empenho   mútuo,   empreendimento   e   reportório   partilhados.   Características   interconectadas,  contam  com  a  diversidade  e  a  complexidade  social    na  construção  da  comunidade,   que  representa  um  espaco  aberto  para  interpretações  e  respeito  frente  às  necessidades  e  ritmos  de   seus   participantes.   Isto   difere   da   aprendizagem   na   era   industrial,   na   qual   o   indivíduo   não   empenhava-­‐se  ou  empreendia  para  o  resultado,  pois  existia  uma  espécie  de  reificação  do  conteúdo-­‐ professor,   devidamente   sistematizado   e   que   não   permitia   a   interação   do   aprendiz.   Ou   seja,   era   um   aprendizado  “engessado”,  sem  a  participação,    tendo  o  aprendiz  distanciamento  e  passividade  frente   ao  conhecimento  em  transmissão.    Portanto,  o      reflexo   do   empreendimento  na  visão    ressaltada   será   a   produção   de   um   reportório,   com   interação   ativa   do   aprendiz   e   que   resulta   de   histórias   vividas,   artefacto,  conceitos  e  experiências    comuns  aos  envolvidos  no  processo.        Tudo  isso  cria  identificação   e   raíz   à   comunidade.             Por   isso,     a   importância   de   assegurar   que   elas   (comunidades)   podem   construir  a  sua  própria  história.      Com   estes   pressupostos,   as   dimensões   para   a   construção   de   uma   comunidade   de   aprendizagem   fundam-­‐se   no   equilíbrio   entre   as   respectivas   características,   quais   sejam:     participação/reificação,   ligada   à   criação   de   significado;     planeamento/emergência,   forma   de   gestão     dos   processos   comunitários,   no   tempo   adequado.   Se   em   demasia,   impossibilita   a   inovação   resultante   do   processo   compartilhado;   localidade/globalidade,     gestão   do   espaço,   com   equilíbrio   entre   a   relevância   do   que   é   local   e   sua   integração   num   cenário   global;         identificação/negociabilidade,   exercício   do   poder   no   seio   da   comunidade,   com   harmonia   na   negociação  para  a  participação  de  todos.      Importante  no  processo  da  construção  a  atenção  com  os   componentes   da   pertença,   quais   sejam:   garantir   o   seu   empenho,   com   atividades   que   gerem   reciprocidade,   envolvimento   e   exercitem   e   ampliem   suas   competências   nos   desafios   propostos;   proporcionar-­‐lhe   imaginação,   sonhar   é   preciso   para   o   estímulo   e   criação   e   se   isto   não   for     3  

[close]

p. 4

      Josecler  Baioto   1302679                               Avampel7         Prof.  Lina  Morgado     Atividade  3   fortalecido,  possivelmente  o  laço  de  pertença  se  torne  vulnerável;   permitir   o   seu   alinhamento   na   comunidade,   dado   que     sensibilidade     (pautada     na   diversidade)   leva   à   convergência   de   interesses   e   participação.   A   educação   no   plano   atual   tende   a   ocorrer   cada   vez   mais   nos   espaços   comunitários   e   o   e-­‐ learning   fortalece   este   conceito   de   aprender   colaborativamente,   mas   se   não   centrarmos   a   visão   mecanicista   advindo   da   era   industrial,   da   qual   existia   a   reificação   do   conteúdo,   distanciando-­‐o   da   realidade   do   aprendiz,   fato   que   impedia   a   interação   e   a   construção   de   vias   e   envolvimento   com   o   resultado   a   se   buscar.   Com   isso   aprender   em   rede   é   um   desafio     que   demanda   o   equilibrio   entre   a   reificação  do  conteudo  num  contexto  de  participação,  que  gere  sentido  ao  conteúdo  estudado  e  que   reverta  em  produção  material-­‐intelectual.   Em  suma,  as  palavras  de  Figueiredo    mostram  o  camino  e  componentes  indispensáveis  para  a   aprendizagem   futura,   que   se   pauta   na   valorização   de   oportunidades   “da   procura   de   significado,   da   prática,  da  comunidade,  da  procura  de  identidade”  que  suscita-­‐se  pelo      “empenhamento  mútuo,  os   empreendimentos   partilhados,   os   reportórios   compartidos”   e   encontra   no   concílio   das   dimensões   de       “participação  e  reificação,  de  planeamento  e  emergência,  de  localidade  e  globalidade,  de  identificação   e   negociabilidade”   a   oxigenação   para     cíclicamente   “promover   o   empenhamento,   dar   espaço   à   imaginação,  favorecer  o  alinhamento”.      Já,   o   autor   Anderson   (2009)   ressalta   que   as   aplicações   desenvolvidas   fortalecem   a   autonomia,   a   gestão   e   possibilitam   o   estar   junto   das   pessoas,   via   interação   síncrona   ou   assincrona,   compartilhamento   de   ideias,   artefatos   e   interesses.   Por   esta   via       o   fenômeno   das   redes   sociais,   as   quais   milhões   de   usuários   estão   conectados   (Facebook,   Linkedin,   SecondLife...).   Dentre   as   características   destacam-­‐se   o   entretenimento   e   a   aprendizagem   informal   e,   objeto   de   pesquisa,   a   formal,   tanto   a   distância   quanto   em   forma   mixada,   tendo   como   uma   das   fortalezas   a   transparência   pelo  registro  das  comunicações.   Ao  longo  do  século  XX  as  teorias  de  aprendizagem,  dentre  as  quais  o  construtivismo  social  e,   no   XXI   o   conectivismo,   reforçam   o   valor   da   interação   social,   como   vetor   no   processo,   bem   como   o   reconhecimento   do   papel   central   das   tecnologias   como   logística       da   informação   que   no   seu   tratamento   por   milhares   de   usuários       culmina   na   formação   da   inteligência   coletiva.   Esta   se   fortalece   na       infinidade   de   aplicações   multifacetadas   da   web   2.0   (blogs,   wikis,   entre   outros),   que   podem   construir,   reconstruir,   distribuir,   agrupar,   compartilhar,   marcar   informações,   converter   um   espaço   de   entretenimento   o   numa   incubadora   de   ideias,   como   é   o   caso   das   comunidades,   bem   como   desenvolver   e   possibilitar   as   informações   diferentes   usabilidades,   como   ser   fonte   de   aprendizagem   para  alguns  e  de  entretenimento  para  outros.                              Com   relação   às   aplicações     de   e-­‐learning,   com   caráter     de   rede   social,     trazem   tres   funções   amplas:     socialização   com   a   promoção   do   encontro,   incentivo,   colaboração   no   conhecimento,   partilha     de   interesses,   passatempos   e   afins   (embora   a   limitação   na   interação,   que       por   questoes   de   privacidade   as   instituições   limitam   o   fornecimento   de       informações   de   contato,   sendo   que   por   vezes   vizinhos   de   edificio   frequentam   o   mesmo   curso,     e   em   determinados   momentos   poderiam   contar   com   o     apoio     presencial   (no   sentido   de   realidade   vivenciada)   para   estímulo     e   colaboração   em   momentos   complexos;   partilha:   capacidade   de   estoque   e   organização   (como   diários   de  aprendizagem,  relatórios,  ensaios,  wikis,  ambientes  favoritos,  músicas,  fotos,  libros…)  e  isto  pode   em  conjunto  ser  formatado  em  caráter  de  biblioteca  a  ser  acessada  pelo  grupo  ou  pela  rede.  O  estar     4  

[close]

p. 5

      Josecler  Baioto   1302679                               Avampel7         Prof.  Lina  Morgado     Atividade  3   junto  virtual  (sojourning)  com  a  mobilidade  tecnológica,  que  permite  ingressar  e  atuar  em  conjunto,   que   reflete   em   maior   eficacia,   motivação,   perspicácia   e   persistência.   Com   um   software   do   tipo   aberto   (ou   social),   a   liberdade   para   atuar   de   acordo   as   literacias   dos   envolvidos   e   assim   a   imersão   para   brainstorm,  simulações,  gerenciamento  de  projetos,  dentre  outros.                  Anderson  (2009)  destaca  os  desafios   da   utilização   de   redes   sociais   no   e-­‐learning.  Para   ele,  além  da  necessidade  de  aparatos  e  software  para  acesso  e  imersão  a  internet    e  alguns  aplicativos   (tecnologias  nomeadamente  de  imersão,  como  SecondLife),  que  exigem  conexões  de  alta  velocidade  e   hardware   de   computador   relativamente   avançados.,   faz-­‐se   premente   a           capacidade   de   adaptação       às   novas   ferramentas   de   aprendizagem   e   contextos,   encontrando   nas   próprias   instituições   a   limitação  para  o  seu  acesso,  com  a  justificativa  de  desvio  de  foco  e  distração.  O  terceiro  ponto  está  na   questão   privacidade   e   os   limites   de   expressão   nas   redes   envolvendo   terceiros.     Em   quarto   lugar,   a   rede  social  oferece  ferramentas  que  podem  ser  usadas  para  o  plágio,  a  fraude,  assédio  e  outros  tipos   de   má   conduta   acadêmica   e   social.   Com   isso   a   necessidade   de   adotar   políticas   de   orientação,   capacitação  e  apoio  geral.     Eficácia   no   uso   das   redes   com   a   emergência   de   inúmeras   aplicações   imposibilitando   prever   o   que   pode   ser   melhor   ou   pior   na   sua   utilização.   Entrentanto   este   processo   motiva   o   apoio   a   aprendizagem   em   todos   os   campos,   tradicionais   ou   a   distância.   Para   além   do   espaço   formal,   o   informal   também   será   espaço   de   aproximação   entre   professores   e   alunos,   colaborando   no   superar   desafios   técnicos,   logísticos   e   de   conteúdos.   No   âmbito   das   instituições,   caberia   o   incentivo   ao   uso   das   redes   sociais,   lembrando   que   a   partir   delas,   do   apoio   entre   uns   e   outros,   de   um   grupo   ao   outro,   é   que  surgem  as  comunidades  de  aprendizagem.              Considerações  Finais     Com   a   web   2.0   o   percurso   da   aprendizagem   foi   transformado.   Deixam   de   fazer   sentido   a   reificação  do  conteúdo  sem  interação  da  era  industrial,  a  qual  colocava  o  indivíduo  como  deslocado   do   objeto   em   aprendizagem.   Passa   a   valer   a   interação   e   a   conexão   constante   como   meio   a   sobreviver   e  manter-­‐se  alinhado  no  caos  informacional.  Muitas  ferramentas  podem  facilitar  a  aprendizagem  se   superadas  as  dificuldades  de  seu  acesso  e  manuseio,  que  ainda  parece  ser  um  dos  grandes  problemas   para   a   evolução   do   estágio   de   usuários   da   web   para     o   de   residentes,   fator   que   tende   a   abrandar   o   desajuste   entre     competências,   dominio   e   literacia   digital   versus   demanda   do   mercado   laboral.   Este   é   o  grande  desafio  educacional  presente  e,  que,  se  não  gerida  para  o  aprofundamento  da  interação  do   estudante   frente   as   inovações   correntes   e   constantes,   impactará   não   só   na   aprendizagem   presente,   senão  no  desenvolvimento  sustentável  futuro.   Da  mesma  forma,  o  discernimento  básico  entre  grupos,  comunidade  e  redes  sociais,  é  fulcral   para  que  as  instituições  e  profissionais  adotem  as  estratégias  mais  adequadas  no  serviço  à  sociedade,   tanto   pela   via   formal,   quanto   pela   informal.   Lembrando   que   as   comunidades     são   os   nós   alimentadores   para       o   desenvolvimento   dos   PLEs,   que     tem   nos   e-­‐portfólios   um   instrumentos   de   análise  da  construção  desse  conhecimento.       Por   fim,   seguem   importantes   as   formações   de   grupos,   que   com   suas   características   aproximam-­‐se   ao   modelo   de   educação   formal,   pois   através   deles   a   tendência   de   transbordamento   para   as   comunidades   de   aprendizagem,   estas   que   são   indispensáveis   e   mostram-­‐se   o   futuro   da     5  

[close]

p. 6

      Josecler  Baioto   1302679                               Avampel7         Prof.  Lina  Morgado     Atividade  3   aprendizagem   ao   longo   da   vida   e   que,  tem   nas   redes   sociais,   o   veículo   para   disseminação,   pesquisa   e   compartilhamento       do   local   para   o   global,   do   indivíduo   para   os   grupos,   outras   comunidades   e,       novamente  nas  redes  sociais,  num  ciclo  que  gera  imputs  para  a  inteligência  coletiva.     Anderson,  T.  (2009).    Social  Networking  in  Education   http://terrya.edublogs.org/2009/04/28/social-­‐networking-­‐chapter/      Dron  e  Anderson  (2008).  Collectives,  Networks  and  Groups  in  Social  Software  for  E-­‐Learning     http://www.google.pt/books?id=spo9X16qn30C&lpg=PA15&ots=rtSJBZnXFx&dq=Dron%20%26%20Anderso n%20Networks%20and%20Groups%20in%20Social%20Software%20for%20E-­‐Learning&lr&hl=pt-­‐ PT&pg=PA15#v=onepage&q&f=false   Figueiredo,  A.  D.  (2002).  Redes  e  educação:  a  surpreendente  riqueza  de  um  conceito,  in  Conselho  Nacional  de   Educação  (2002),  Redes  de  Aprendizagem,  Redes  de  Conhecimento,  Conselho  Nacional  de  Educação,  Ministério   da  Educação,  Lisboa.               Diferenciacao  entre  grupos,  comunidades  e  redes  sociais         6  

[close]

Comments

no comments yet