"ALTIS, COMO TRABALHAM AS MÁFIAS, E OS POLÍTICOS, NA CÂMARA MUNICIPAL DO PORTO".

 

Embed or link this publication

Description

"ALTIS, COMO TRABALHAM AS MÁFIAS, E OS POLÍTICOS, NA CÂMARA MUNICIPAL DO PORTO"23.04.14

Popular Pages


p. 1

No sábado dia 22 de Março de 2014 publicou o JN um artigo, bem feito, de Carla Luz sobre a sentença do Supremo Tribunal Administrativo no processo que eu, o Jorge Mesquita e o J. M. Anciães, movemos contra o município do Porto e Altis- Sociedade de Empreendimentos Turísticos e Hoteleiros, S.A. Como é natural nem os senhores conselheiros nem a jornalista tiveram a oportunidade de ir ao fundo da questão. Eles porque, eventualmente, o processo não terá sido suficientemente esclarecedor; a Sr.ª jornalista por evidente falta de condições e de tempo. Por essa razão venho prestar esclarecimentos adicionais que julgo suficientes para avaliar a monstruosidade dos comportamentos havidos por parte da câmara municipal do Porto. Na verdade é essencial saber que a Altis tinha uma capacidade construtiva aprovada para um hotel de 5.080m2 acima do solo a construir em terrenos da Rua Júlio Dinis e da Piedade no local em que está o jardim mais caro da cidade como veremos. Como ao mesmo tempo a câmara tinha aprovado um conjunto de edifícios, que vieram a ser apelidados de “motagaliza”, no lote ao lado foi considerado demasiado escandaloso permitir a construção dos dois empreendimentos pelo que o Sr. Fernando Martins, dono da Altis, aceitou trocar o terreno das Ruas Julio Dinis e da Piedade por um outro na Foz no lado norte da rua Diogo Botelho em frente á universidade católica. Na altura essa zona tinha a mesma capacidade construtiva que a da Praça da Galiza só que o terreno que foi entregue ao Sr. Martins tinha uma profundidade média de oitenta e muitos metros que à luz do PDM só podiam

[close]

p. 2

ser aproveitados no máximo na profundidade de trinta metros (5m3/m2) nas partes do terreno com frente directa para rua, sendo o restante dotado de metade da capacidade construtiva máxima. Como a parte do terreno do Sr. Martins face à rua Diogo Botelho era diminuta foi necessário fazer uma série de acertos para que, qual sopa de pedra, se alcançasse a capacidade construtiva máxima prevista para a permuta (22118 m2). No PDM a Diogo Botelho seria prolongada para o outro lado da Praça do Império por uma passagem subterrânea – como foi feito no prolongamento da avenida AEP por baixo da rotunda - ex Produtos Estrela,– que ligaria à futura Av. Nun’Álvares. O terreno do Sr. Martins só tinha metade da sua maior extensão na frente da Diogo Botelho porque entre esta rua e o seu terreno estava uma parcela municipal destinada à passagem subterrânea. Para obter a frente total do terreno para a Diogo Botelho anexou-se ao terreno essa parcela municipal, com 218,53 m2 (parcela A1).

[close]

p. 3

A cmp atribuiu capacidade construtiva não só a essa parcela como ao terreno na profundidade de 30 metros a partir da rua. Ora a atribuição de capacidade construtiva à parcela em causa viola o PDM por estar destinada a fazer parte da rua e não ter capacidade construtiva. O mesmo aconteceu a metade do terreno confrontante com a rua Bartolomeu Velho (anterior Alfredo Keil).

[close]

p. 4

Inviabilizou-se a execução dessa passagem inferior à Praça do Império, agravada por a construção ter avançado sobre terrenos municipais, aproximando-se da praça mais de sete metros que correspondem a uma área de cerca de 450 m2 (medidas do Google). Portanto com uns parcos 218 m2 duplicou-se a capacidade construtiva do Sr. Martins nessa frente.

[close]

p. 5

No entanto, do outro lado (rua Alfredo Keil) o terreno também não se ajustava ao traçado do PDM. O terreno tanto se afastava da rua perdendo a possibilidade de 5m3/m2, como avançava para cima da rua. Por isso foi necessário incluir no terreno uma área do município de 714,11m2 (parcela A). A parte sobre a rua (parcela B, com 731,10m2 sem capacidade construtiva por se destinar a fazer parte da rua) foi entregue pelo Sr. Martins à cmp em troca das parcelas A e A1. Ou seja cedeu ao município 731,10m2 (B) sem capacidade construtiva e recebeu 932,64m2 (A +A1) que fizeram duplicar a capacidade construtiva na totalidade do terreno. Feita esta sopa de pedra obteve-se uma área de construção acima do solo de 19226,30 m2 que não chegou à área que no contrato de promessa a cmp tinha garantido ao Sr. Martins, 22118m2. Acontece que essa área de 22118m2 do contrato de promessa corresponde à soma das áreas das três torres (22117,62m2). Não entrou nestas contas a área de toda a zona comercial na frente da Diogo Botelho com cerca de 2000m2 (medidas do Google). Tudo somado obtém-se o total 21226,30m2. Ora acontece que ficou provado pelo tribunal que o empreendimento alcançou a área de construção acima do solo de 27756,43m2 o que só foi possível com a oferta feita pela cmp ao Sr. Fernando Martins de 6530,30m2 provindos dos terrenos pertencentes ao município. Mas a ementa não fica pela sopa de pedra. Há a referir que no PDM estava prevista uma via de ligação das ruas Diogo Botelho e Alfredo Keil que atravessava o terreno que a cmp entregou ao Sr. Martins. Essa rua foi esquecida porque impedia a construção do empreendimento num só lote obrigando a duas empreitadas, uma de cada lado dessa via de ligação. Extracto do PDM de 1993 em vigor à data da entrada do processo na cmp.

[close]

p. 6

Foi assim que se beneficiou um particular atribuindo capacidade construtiva ilegal ao terreno. Ilegalidade confirmada pelo Ministério Público no seu parecer ao Supremo Tribunal Administrativo. Claro que estes favores só são feitos a quem pode. O cidadão comum, no Porto, vê o seu processo que respeita o PDM e as leis em vigor demorar normalmente mais de cinco anos, por vezes dez e mais. Situações como a objecto deste esclarecimento são possíveis porque há dezenas de anos os técnicos da cmp têm vindo a sedimentar procedimentos que nem os políticos que queiram perceber o que se passa nos processos conseguem. Portanto é de admirar que o Procurador do Ministério Público junto do STA tenha conseguido penetrar neste emaranhado de procedimentos que objectivamente serviu para alcançar o objectivo pretendido: a emissão da licença de construção ilegal. Conclusão: Os Senhores Conselheiros caíram na esparrela e inventaram uma figura inexistente de associação entre o município e o particular tal “jointventure”(ou sociedade) acreditando que o bom coração do particular até pagava ruas e jardins com aquedutos. Só que no PDM em vigor a rua das traseiras do empreendimento, agora baptisada de Bartolumeu Velho, não estava prevista como duplicação da Diogo Botelho e não se prolongava até à praça do Império. Esse prolongamento não corresponde a duplicação porque é muito mais estreito. Á laia de peça processual para tribunal: Conclusões: 1 – a cmp trocou um terreno de cerca de cinco mil metros quadrados por outro de mais do dobro da área e com a mesma capacidade construtiva. No primeiro terreno tinha aceite que o requerente construísse cerca de vinte e dois mil metros quadrados o que representa mais de sessenta mil metros cúbicos que para a área do terreno corresponde a cerca de 13 metros cúbicos por metro quadrado. O máximo permitido pelo PDM da altura era de cinco metros cúbico por metro quadrado (5m3/m2). Para diminuir ao abuso a cmp, no contracto de promessa da troca, garantiu ao Sr. Martins 22.118m2 de construção no novo terreno que correspondem a 66.354 m3 de construção e equivaleria a 5m3/m2 se o PDM o permitisse. 2 – Só que se esqueceu que o PDM não permitia essa volumetria em todo o terreno; só na frente das ruas e na profundidade de 30 metros. A área para além dos 30 metros só poderia empolar o volume de construção em 2,5m3/ m2. 3 -O terreno só tinha uma frente pequena para uma via e tinha profundidade tal que os 5m3/m2 só podiam ser aplicados sobre parte diminuta de todo o terreno. A volumetria prometida não poderia ser cumprida. Foi aí que tudo começou no que às ilegalidades e abusos diz respeito. 4 – No final das trapaças o Sr. Martins ficou, pelo menos (não se sabe o que foi acrescentado ao aprovado durante a construção…), com83.268 m3 de construção 6,275m3/m2; aumento de mais de 20% em relação ao prometido e

[close]

p. 7

de cerca de 97,2% em relação ao permitido pelo PDM no terreno entregue ao Sr. Martins i.e. 14.076m2x3,0m(pé direito +laje)=42.228m3 de construção pré tramoias (ver 1º gráfico a cores). A volumetria a mais será 83268-42228=41040 m3 que correspondem aos 97,2% a mais. Com serviços destes a cmp pode orgulhar-se de bem servir os cidadãos e a cidade. E dos políticos que tem tido. Não há condições para que a assembleia municipal fiscalize, como é seu dever, as acções da câmara e não há quem se substitua a ela. Queixas ao Ministério Público caem nas mãos de pessoas que nem ler um projecto sabem assim como não sabem perceber as tramoias que a cmp pratica. Os funcionários da cmp sabendo que os juízes são “ceguinhos” fazem o que lhes apetece. Os políticos são burros, pesporrentes e convencidos que ninguém tem condições para por em causa os seus actos. Estão á vontade para cometer as maiores barbaridades e os maiores crimes de lesa património. 22 de Abril 2014 José Pulido Valente com Paula Morais

[close]

Comments

no comments yet