Revista BrOffice - Edição 7

 

Embed or link this publication

Description

Educação e Inclusão Social com BrOffice

Popular Pages


p. 1

broffice.org zine 7ª edição ­ fevereiro de 2008 ano 2 no 7 >fevereiro 2008 educação inclusão digital como o broffice.org contribui para a educação e a inclusão digital no brasil inclusão digital na casa brasil o uso do broffice.org nas escolas do paraná escritório aberto resumo das notícias tutoriais artigos dicas www.broffice.org www.broffice.org/zine desenvolvido no broffice.org draw 1

[close]

p. 2

broffice.org zine 7ª edição ­ fevereiro de 2008 licença atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil você pode copiar distribuir exibir e executar a obra criar obras derivadas sob as seguintes condições atribuição você deve dar crédito ao autor original da forma especificada pelo autor ou licenciante uso não-comercial você não pode utilizar esta obra com finalidades comerciais compartilhamento pela mesma licença se você alterar transformar ou criar outra obra com base nesta você somente poderá distribuir a obra resultante sob uma licença idêntica a esta para cada novo uso ou distribuição você deve deixar claro para outros os termos da licença desta obra qualquer uma destas condições podem ser renunciadas desde que você obtenha permissão do autor nada nesta licença prejudica nem restringe os direitos morais do autor termo de exoneração de responsabilidade qualquer direito de uso legítimo ou fair use concedido por lei ou qualquer outro direito protegido pela legislação local não são em hipótese alguma afetados pelo disposto acima este é um sumário para leigos da licença jurídica na íntegra condição de atribuição de by a reprodução do material contido neste fanzine é permitido desde que se incluam os créditos aos autores e a frase reproduzido do broffice.org zine ­ www.broffice.org/zine em local visível o broffice.org declara não ter interesse de propriedade nas imagens os direitos sobre as mesmas pertencem a seus respectivos autores/proprietários esta licença não se aplica a nenhuma imagem exibida no zine para utilização da mesma obtenha autorização junto ao autor

[close]

p. 3

broffice.org zine linha editorial e o sufoco de uma grande revista a cada mês estamos melhorando o processo editorial da revista broffice.org zine entendendo como funciona o trabalho por trás do produto final colaboradores desta edição claudio f filho filhocf@openoffice.org edgarg alves costa hélio s ferreira heliojsf@gmail.com helmar fernandes hfernandes@openoffice.org luiz fernando esteche luiz osório paim pereira marconi pires marcoooni@openoffice.org noelson duarte noelsonduarte@globo.com olivier hallot ohallot@openoffice.org pedro ciríaco ciriaco@gmail.com rubens queiroz rubens.queiroz@gmail.com sincero zeferino filho oheremita@openoffice.org virgínia rodrigues virginiarcruz@openoffice.org walter martins contato zine@broffice.org editorial até pouco tempo atrás a revista era uma coletânea de bons artigos tutoriais e outros materiais que íamos coletando e somando à edição mas de uns meses para cá com o amadurecimento da equipe do zine e aqui fica o meu reconhecimento e agradecimento aos nossos heróis da resistência que apesar de problemas de ordem pessoal profissional ou nos estudos sempre dão um jeito de estar presente e ajudando o tanto que podem para que a nossa revista esteja na sua mão também vale um agradecimento para você nosso leitor que tem participado fortemente no incentivo da produção deste material pois graças ao seu interesse já passamos de 70 mil revistas baixadas do nosso portal mostrando a importância que este trabalho está alcançando além de compartilhar as ações do broffice.org no país e no mundo nesta edição trazemos uma linha de ações sobre inclusão digital e cultura mostrando como o broffice.org tanto produto quanto comunidade podem beneficiar o país além disto trazemos também as seções já tradicionais como dicas tutoriais e o resumo do mês junto com mais uma leva de documentos do projeto escritório aberto assim esperamos que vocês apreciem mais essa edição do broffice.org zine um trabalho realizado com muita dedicação e carinho por essa fantástica equipe que você pode ver relacionada no quadro ao lado e sempre lembrando você também pode ser um colaborador enviando suas críticas sugestões e elogios para o endereço zine@broffice.org claudio f filho filhocf filhocf@openoffice.org http www.broffice.org o conteúdo assinado e as imagens que o integram são de inteira responsabilidade de seus respectivos autores não representando necessariamente a opinião do zine e de seus responsáveis todos os direitos sobre as imagens são reservados a seus respectivos proprietários o que é o broffice.org É o produto ferramenta de escritório multi-plataforma livre em bom português desenvolvido sob os termos da licença lgpl composto por editor de texto planilha de cálculo apresentação matemático e banco de da-dos mantido pela comunidade e ong que trabalha para a difusão do sl/ca no país desenvolvimento este fanzine foi elaborado no broffice.org editor de texto planilha eletrônica apresentação e diagramação capa hélio ferreira

[close]

p. 4

broffice.org zine resumo do mês artigo casa brasil e broffice parceria que deu certo broffice.org nas escolas do paraná assinatura digital e broffice.org 07 12 14 Índice escritório aberto escritório aberto 33 como nós traduzimos o broffice.org 06 dica inserção de campos em documentos inserção de comentários no texto criando um calendário mensal 18 21 22 tutorial estilos de formatação e formatação condicional 24 carta do leitor cartas dos nossos leitores 05 resumo do mês resumo do que foi notícia no brasil e no mundo acerca do broffice.org 23

[close]

p. 5

broffice.org zine 7ª edição ­ fevereiro de 2008 dê o seu recado carta do leitor esta é a sua seção na carta do leitor você pode tirar dúvidas sobre o broffice.org seja produto comunidade ou desenvolvimento enviar críticas ou sugestões que possam enriquecer ainda mais a nossa revista envie um email para zine@broffice.org e participe todas as mensagens serão lidas e analisadas e à medida do possível serão publicadas caros boa noite em primeiro lugar quero parabenizálos pela revista zine estou aprendendo muito com ela usuário iniciante do sistema linux ubuntu estou usando o openoffice.org como sempre utilizei os aplicativos da microsoft estou habituado à eles quero mudar isso urgente porém na planilha calc não consigo fazer com que o mouse conte as linhas da planilha como eu fazia no excell não sei se me faço entender eu falo da opção de ao clicar na lateral da linha e arrastar com o mouse aparecer a contagem das linhas temos esta função no broffice.org esclareço que estou adorando o software livre com abraço olnei augusto araujo contagem mg olá olnei o broffice.org não tem esta funcionalidade porém temos uma alternativa na barra de status do lado direito tem a palavra soma se clicar com o botão direito sobre ela observará outras funções entre elas o cont.valores daí basta selecionar na mesma coluna as linhas q desejar e ele te retornará quantos itens foram selecionados atenciosamente equipe do broffice.org zine olá antes de tudo gostaria de dizer que a revista está muito instrutiva e encorajadora tanto é meu interesse que gostaria de saber como posso baixar as edições anteriores sem mais aguardo resposta o mais rápido possivel e espewww.broffice.org/zine ro que vcs continuem brilhando atenciosamente hugo leonardo olá hugo todas as revistas estão disponíveis no nosso portal basta acessar o endereço http www.broffice.org/zine atenciosamente equipe do broffice.org zine olá gostaria de fazer uma ressalva sobre a dica movimentar o parágrafo apresentada na zine 6 tentei fazer no ubuntu e acredito ser uma coisa do gnome mesmo ao pressionar ctrl alt e setas para baixo e para cima alternou o desktop e não o parágrafo talvez uma errata na zine 7 parabéns pela iniciativa a equipe está de parabéns arthur nanni porto alegre ­ rs olá arthur na realidade as teclas de atalho funcionam sim mas é preciso analisar a prioridade do sistema a prioridade é o gerenciador de janelas o x e depois a aplicação isto é se houverem um mesmo atalho configurado nestes três itens quem intercepta o comando primeiro é o gerenciador de janelas no teu caso o gnome o gnome não deixa o broffice.org escutar o comando desabilitando o atalho no gnome chega até o broffice.org de qualquer forma obrigado pela resalva atenciosamente equipe do broffice.org zine 5

[close]

p. 6

broffice.org zine 7ª edição ­ fevereiro de 2008 traduzimos o broffice.org como nós como nós é uma seção destinada à você ­ nosso leitor ­ contextualizando e informando sobre o que acontece no projeto além de convidar você a participar da comunidade broffice.org hoje abordamos uma das atividades mais críticas do projeto broffice.org no brasil a tradução do software para o português do brasil na primeira parte falaremos das técnicas em informática para esta tarefa 80.000 palavras na interface do usuário e 450.000 palavras na ajuda como podemos tratar este volume de texto num software tão complexo como o broffice.org desde que o projeto broffice.org iniciou em fins de 2001 uma das principais tarefas da equipe brasileira foi traduzir o software para o português do brasil era necessário termos um software que atendesse as necessidades brasileiras e que se inserisse adequadamente no dia a dia dos usuários mesmo que em alguns casos fossemos obrigados a importar termos estrangeiros por que já eram consagrados no brasil num processo de tradução para um software do tamanho do broffice.org deve-se iniciar com a elaboração de um glossário de termos este glossário serve para uniformizar os termos usados na tradução por exemplo não se pode salvar arquivos de planilha e guardar arquivos de apresentação nosso glossário inicialmente sugerido pelo projeto openoffice.org tem 11.000 termos os textos em inglês do broffice.org são extraídos do código fonte c c java traduzidos por ferramentas em software livre e inseridos de volta no código fonte os textos extraídos vem na forma de arquivo texto bastante complexo com muitos itens que não podem ser alterados para não invalidar a importação de volta no código fonte a única ferramenta disponível no passado era um bom editor de texto simples presente em qualquer sistema operacional do tradutor bloco de notas kedit ou gedit mas era fácil cometer erros de formato e precisávamos outra ferramenta adotamos os formatos po pot do gnu-gettext e criamos um script simples para passar os textos para esse formato e vice-versa o que nos permitiu usar as ferramentas poedit e kbabel entre outras www.broffice.org/zine foi um grande avanço por que essas ferramentas tem dicionários e base de dados de tradução que sugerem os termos a serem empregados na tradução de cada string nosso glossário foi inserido como base de referência na ferramenta e a cada novo string para traduzir a ferramenta sugere uma tradução inicial a ser confirmada ou corrigida pelo tradutor junto com outros projetos mozilla open solaris a comunidade criou um conjunto de ferramentas translation kit para facilitar a mudança de formatos e acomodar outras ferramentas de tradução além disso os desenvolvedores do openoffice.org nos ajudaram criando programas verificadores gsicheck para corrigir erros de formato nenhum arquivo é colocado de volta no código fonte se não passar pelo gsicheck os programadores do openoffice são muito criteriosos e se os formatos não estiverem corretos eles simplesmente não carregam o arquivo no sistema e um trecho na interface do usuário ou na ajuda permanece em inglês mas pelo tamanho do projeto ficou claro que precisávamos um sistema de administração dos arquivos po-pot atendendo à voz da comunidade os programadores do broffice.org armaram em 2008 um servidor pootle software livre que nos permite agora traduzir on-line os novos textos da versão 3.0 e corrigir erros nos demais textos que por ventura escaparam de nosso controle de qualidade no próximo zine falaremos do trabalho de tradução em si tarefa que mesmo sendo extenuante é altamente gratificante olivier hallot ohallot http www.broffice.org 6

[close]

p. 7

broffice.org zine 7ª edição ­ fevereiro de 2008 casa brasil e broffice.org artigo parceria que deu certo por equipe do iti/casa brasil a inclusão digital é atualmente mais do que uma necessidade para reduzir a desigualdade social no país é uma opção estratégica para colocar o brasil em posição de destaque na sociedade da informação essa estratégia pode ao mesmo tempo incidir sobre a ampliação da cidadania a redução da pobreza e a generalização do domínio das novas tecnologias da informação pelo conjunto da sociedade brasileira este último aspecto merece uma atenção especial pois a ampliação da cidadania e a redução da pobreza são condições necessárias para a construção de uma nação tecnologicamente autônoma essas condições no entanto só se completam por meio de uma abordagem que estimule a apropriação tecnológica pela população do país procuraremos refletir sobre os conceitos de inclusão digital e apropriação tecnológica e em seguida a respeito de qualificação profissional e educação para autonomia por fim tentamos responder à questão por que broffice.org em projetos de inclusão digital inclusão digital e apropriação tecnológica em que mundo e sob que circunstâncias sociais e políticas a inclusão digital passa a ser uma necessidade básica não deveríamos antes de encarar a questão da inclusão digital encarar a da inclusão social não se deve falar de inclusão digital sem abordar inclusão social uma vez que a exclusão digital agrava sobremaneira a exclusão social as tecnologias da infomação e comunicação tics trazem consigo um enorme potencial senão de socialização ao menos de democratização do conhecimento mas já que o acesso a elas permanece elitizado o que poderia trabalhar em favor da redução das desigualdades acaba por reforçar e ampliar desigualdades preexistentes sobre o projeto casa brasil casa brasil é um projeto do governo federal que tem como principal objetivo reduzir a desigualdade social em regiões de baixo Índice de desenvolvimento humano idh levando para esses locais um espaço que privilegia a formação em tecnologia aliada à cultura arte entretenimento e participação popular com forte apoio à produção cultural local superando os conceitos de inclusão digital vigentes o casa brasil não leva somente computadores e conectividade o projeto permite que a comunidade se aproprie da sua unidade transformando-a em um espelho cultural do local em que foi implementada concedendo também aos cidadãos a liberdade de decidir via conselho gestor os rumos das atividades que são oferecidas aos freqüentadores as unidades do casa brasil são caracterizadas por possuírem estrutura modular que contém telecentro sala de leitura auditório laboratório de divulgação de ciências ou de montagem e manutenção de computadores estúdio multimídia e oficina de rádio para saber mais visite www.casabrasil.gov.br www.broffice.org/zine 7

[close]

p. 8

broffice.org zine se por um lado a pobreza de informação alimenta e reproduz a pobreza física e concreta por outro a inclusão digital apresenta-se como meio privilegiado de combater a exclusão social como afirma o sociólogo sérgio amadeu não será com cestas básicas que a pobreza será reduzida mas com a construção de coleti-vos sociais inteligentes que qualifiquem as pessoas para a nova economia para novas formas de sociabilidade e que permitam utilizar ferramentas de compartilhamento de conhecimento para exigir direitos alargar cidadania e melhorar condições de vida queremos neste espaço olhar um pouco mais de perto a questão da inclusão digital e problematizar esta idéia segundo definição corrente inclusão digital refere-se à democratização do acesso às tics de forma a permitir a inserção de todos na sociedade da informação este último termo sociedade da informação vem sendo utilizado para definir o estágio atual das sociedades no contexto da globalização estas duas idéias inclusão digital e sociedade da informação apresentam-nos uma primeira dificuldade que reflete a inadequação desses termos conforme assinala o documento da campanha internacional communications rights in the information society direito de comunicação na sociedade da informação estas expressões tendem freqüentemente a apresentar as tics e o acesso a elas como fins em si mesmas em vez de apresentálas como ferramentas de apoio o termo inclusão digital apresenta ainda outra dificuldade ao falarmos de inclusão temos por pressuposto o conceito de exclusão devemos então refletir sobre os fatores que levam à exclusão digital e ainda antes sobre o que significa estar excluído desta sociedade da informação poderíamos dizer que a rigor não existe situação de exclusão social ninguém está excluído da sociedade a mesma crítica poderia ser feita também em relação à exclusão digital a chamada exclusão é uma forma de inclusão subalterna até mesmo quem não tem computador ou nunca acessou a rede mundial de computadores participa de forma subordinada desta sociedade da informação ainda que muitos estejam à margem todos estamos incluídos www.broffice.org/zine 7ª edição ­ fevereiro de 2008 como destaca boaventura de souza santos ainda que na linguagem comum e no discurso político o termo globalização transmita a idéia de inclusão seu âmbito real é bastante limitado assim exclusão inclusão subalterna e dependência são todas formas de o local se relacionar com o global a luta pela inclusão deve ser uma luta de resistência ao modelo hegemônico da globalização uma luta por conectar a comunidade local de forma a garantir a sua autonomia para que não se estabeleça uma relação de dependência ou subordinação em relação ao global essa resistência consiste em transformar trocas desiguais em trocas de autoridade partilhada e assim agir sempre no sentido de assegurar a construção e a afirmação das identidades processo no qual as tics podem ocupar importante papel esse uso comunitário e social das tics mais do que tomá-las como ferramenta de acesso aos conteúdos da rede mundial deve transformá-las em ferramenta de produção de conteúdos próprios criando ou fortalecendo vínculos comunitários a questão então não é tanto saber se estamos incluídos ou excluídos mas discutir a forma como queremos estar incluídos ainda sim reforçamos o termo inclusão digital não coloca bem a questão pois tira o foco do contexto social em vez disso preferimos falar em apropriação social das tecnologias da informação e comunicação expressão cujo foco está na cidadania na consciência crítica e na autonomia dos cidadãos e das comunidades artigo 8

[close]

p. 9

broffice.org zine qualificação profissional e educação para autonomia em um país com altos índices de desemprego e desigualdades sociais a qualificação profissional é pauta certa nas discussões de qualquer governo no mundo de hoje a qualificação profissional nas tics se tornou uma exigência do mercado de trabalho a ponto de ser quase automática a associação direta entre inclusão digital e qualificação profissional a maior parte das ações de inclusão digital direciona-se para a qualificação para o mercado de trabalho ­ vale notar que inclusão digital trabalha a favor da democratização das tecnologias e a qualificação profissional é um dos caminhos para isso tendo em vista que as parcelas menos favorecidas da população são as mais expostas ao desemprego e à exclusão digital a educação para autonomia aborda também a questão da qualificação profissional mas não como foco principal pois propõe um aprendizado coletivo crítico e reflexivo a respeito do uso das tics o objetivo é ajudar indivíduos e comunidade a agirem não no papel de receptores passivos de ferramentas prontas e inalteráveis mas no de construtores de sua própria cultura com os recursos que se lhes apresentam assim as tics podem ser desmistificadas compreendidas e transformadas no sentido da satisfazer as suas necessidades as formações do projeto mesmo as de cunho mais técnico estimulam reflexões debates e discussões abordando temas como desmistificação das técnicas democratização das comunicações cidadania diversidade software livre metareciclagem direitos humanos meio ambiente economia solidária questões suscitadas 7ª edição ­ fevereiro de 2008 telecentro do casa brasil pelo uso das tecnologias na comunidade na sociedade e no mundo o aperfeiçoamento técnico sempre aliado ao exercício da cidadania pela utilização dos meios digitais dessa forma atua-se também na qualificação profissional mas o foco é na aprendizagem significativa e na construção colaborativa e coletiva do conhecimento numa vertente transdisciplinar em que a conexão dos saberes é promovida por meio de discussões de temas transversais aos das formações isso significa que são consideradas ações educativas não apenas cursos e oficinas mas também reuniões para elaboração de projetos como por exemplo grupos de trabalho em economia solidária questões de gênero democratização das comunicações e outros temas importantes para o casa brasil essa abordagem privilegia a autonomia dos cidadãos que receberam formação pelo projeto que podem escolher como querem utilizar as tecnologias a autonomia dos cidadãos e comunidades estimula o desenvolvimento local tanto no que se refere a geração de emprego e renda quanto no que toca a organização discussão e solução de questões comunitárias e individuais relevantes além disso o modelo de qualificação profissional trabalha com uma concepção individual de formação ele identifica os talentos da comunidade e prepara os indivíduos tecnicamente para o mercado de trabalho mas não trata a questão do trabalho pela perspectiva social e comunitária assim é um modelo que proporciona só a alguns membros da comunidade oportunidade de ascensão social pela qualificação profissional já a educação para a autonomia dá meios para que indivíduos e comunidades pensem sua realidade local sua identidade comunitária seu papel dentro da sociedade suas características econômicas e ambientais suas questões de gênero e diversidade dentre outros aspectos importantes numa concepção comunitária de formação É um modelo que propicia a organização e o desenvolvimento coletivo e integral assim seus membros podem se inserir no mercado de trabalho e podem se organizar para pensar seus meios de produção suas formas de geração de renda suas relações com outros setores produtivos da sociedade de modo que sua orga artigo www.broffice.org/zine 9

[close]

p. 10

broffice.org zine nização econômica e social seja pensada num contexto mais amplo com vistas ao desenvolvimento local sustentável de toda a comunidade dessa forma as pessoas que participam das atividades do casa brasil aprendem bem o uso de ferramentas tecnológicas no telecentro mas mais importante que isso aprendem que são apenas ferramentas num mundo social econômico político científico e tecnológico podemos dizer que o telecentro casa brasil oferece um espaço no qual as comunidades aprendem a fazer uso intensivo das tics não apenas para incorporar seu uso ao cotidiano da comunidade como ferramenta para a resolução de diferentes problemas e trabalhos mas também para refletir sobre o que é tecnologia a quem ela serve em nossa sociedade e como ela pode ser usada como instrumento de transformação social acreditamos que a comunicação mediada por computador pode ampliar redes e laços sociais 7ª edição ­ fevereiro de 2008 lhem com isso e mais para que elas apropriando-se desses conhecimentos tenham autonomia para utilizar essa tecnologia para auxiliar na sua vida cotidiana autonomia inclusive para arrumar um emprego e trabalhar com isso por que broffice.org queremos utilizar as tecnologias de maneira autônoma e isso significa sermos também alçados à condição de produtores de novas tecnologias a comunidade de software livre faz esse debate há décadas e já experimentou os grandes benefícios da produção colaborativa de softwares de código aberto com licenças permissivas É nesse patamar que queremos colocar o país como um grande colaborador no desenvolvimento de novas tecnologias posição que vem se consolidando ao longo dos últimos anos nesse sentido o broffice.org cumpre um papel importante no cenário nacional pois é talvez o software livre de maior penetração no país o uso de software livre coaduna-se com a proposta de transformar o telecentro em um espaço de trabalho para ampliação da autonomia de indivíduos e comunidades a comunidade de software livre pode mostrar caminhos para a ampliação da autonomia e conscientização das comunidades no que diz respeito ao uso das tics e de redes sociais de aprendizagem e trabalho colaborativo visando o objetivo comum de decidir pelo próprio caminho tecnológico a ser trilhado artigo casa brasil em itajaí sc contudo nem todas as atividades que podem ser desenvolvidas no casa brasil precisam ter relação direta com tecnologia mesmo as ações do telecentro podem ser promovidas tanto para tratar de formação tecnológica quanto para apoiar pela tecnologia a exploração e a discussão de outros temas pode por exemplo auxiliar a solucionar problemas locais concretos da comunidade por isso os telecentros casa brasil não são um fim em si mesmos pois são espaços de apoio à organização e à articulação comunitárias no atendimento das demandas da comunidade se queremos que as pessoas aprendam a usar as tics e queremos é menos para que as pessoas arrumem emprego e trabawww.broffice.org/zine jovens em um dos telecentros o telecentro com um espaço com 20 máquinas conectadas à internet em locais de baixo índice de desenvolvimento humano põe nas mãos da comunidade os 10

[close]

p. 11

broffice.org zine recursos oferecidos pelas tics esses recursos podem ser utilizados para pesquisar alterar publicar e compartilhar conteúdos de diversos tipos e estabelecer comunicação com outras comunidades formando redes sociais sites blogs zines portais listas e fóruns de discussão redes de relacionamento e outros que surgem freqüentemente na internet são a liga das redes sociais que se disseminam e se fortalecem no mundo digital se as populações se aperceberem do potencial que a rede oferece para se fortalecerem como cidadãos e cidadãs que pensam sobre suas condições de vida e têm consciência de seus direitos a inclusão digital pode reduzir as desigualdades e promover a transformação social a literatura já atesta hoje que inclusão digital não se faz apenas com máquinas uma sala com vinte computadores conectados à internet não contribuirá para a inclusão digital de nenhuma comunidade se não houver condições para que ela possa efetivamente apropriar-se das tecnologias sociais o trabalho cotidiano das unidades e pontos de atendimento que provêem acesso comunitário conta com o broffice.org como uma poderosa ferramenta para produção edição compartilhamento alteração e atualização de notícias artigos relatórios histórias relatos currículos projetos orçamentos páginas comuni-tárias entre outros tipos de informações com seus recursos de formatação de textos gráficos apresentações planilhas e imagens 7ª edição ­ fevereiro de 2008 mas como estimular o aprendizado tecnológico tomando a tecnologia como um meio e não como um fim em si mesma artigo o projeto busca formar cidadãos quando por exemplo fazemos uma oficina de planilha eletrônica procuramos estimular que o aprendizado se dê a partir da realidade de seus participantes a elaboração de planilhas de orçamento doméstico pode ser uma boa atividade para aprender as funcionalidades do calc uma oficina de produção de histórias pode ser mote para o aprendizado de recursos de formatação e edição de textos e imagens o impress pode ser usado para para criar apresentações com fotos gráficos e figuras para serem usadas por exemplo em grupos de estudos e projetos comunitários muitos temas podem ser explorados usando o broffice.org desde que envolvam produção e edição de textos apresentações planilhas e imagens tal utilização envolve o aprendizado tecnológico mas não perde de vista o contexto social de apropriação dessa tecnologia o broffice.org apresenta-se hoje como grande aliado para a produção de conteúdos diversos com que se pode contar nesse grande empreendimento social que é a inclusão digital casa brasil em vitória es procuramos relacionar seu aprendizado com as demandas e necessidades da comunidade de maneira que as pessoas se apropriem da ferramenta e a utilizem para melhorar sua própria qualidade de vida www.broffice.org/zine trazendo dicas e informação todos os dias e na dose certa www.dicas-l.com.br 11

[close]

p. 12

broffice.org zine 7ª edição ­ fevereiro de 2008 artigo broffice.org nas escolas do paraná por luiz fernando esteche ­ celepar sistema escolar do paraná é um dos maiores usuários de broffice.org em todo o mundo são mais de 2.100 escolas paranaenses em computadores multi-terminais que estão chegando aos estabelecimentos de ensino através do programa paraná digital os professores estudantes e funcionários das escolas estaduais do paraná dispõem de uma importante aliado para a realização de seus trabalhos escolares apresentações de slides arquivos de imagens planilhas de cálculos e outras ferramentas eletrônicas este grupo é um dos principais usuários da suíte de escritório broffice.org que está sendo instalado em todas as 2.100 escolas paranaenses junto com os computadores multiterminais que estão chegando aos estabelecimentos de ensino através do programa paraná digital o governo do paraná é um dos principais usuários do broffice.org em todo o mundo até agora o programa já foi instalado em 33 mil terminais de 1600 escolas e em breve todos os estabelecimentos deverão receber os equipamentos com o broffice.org devidamente instalado para viabilizar o paraná digital a secretaria da educação utilizou uma solução de servidor multiterminal desenvolvida em software livre em um trabalho da universidade federal do paraná ufpr e configurada e administrada pela companhia de informática do paraná celepar no total são 11 mil estações de trabalho e 44 mil terminais com o broffice.org além das escolas o programa também está instalado em cerca de 54 mil computadores dos órgãos da administração pública direta e indireta o broffice.org faz parte do pacote desktop paraná a distribuição linux do governo do estado baseada na versão debian cdd e interface gráfica gnome a distribuição contém ainda o navegador de internet mozilla nas escolas a comunidade já está familiarizada com o programa sem nenhuma dificuldade para manusear as ferramentas diz o professor antonio carlos da conceição marques um dos coordenadores do paraná digital na secretaria da educação hoje estamos com 100 das estações de trabalho do programa rodando broffice.org o que propicia uma melhor adaptação dos usuários a todos os aplicativos além disso contamos com o suporte da celepar para atualização do programa feito por boot remoto treinamento palestras seminários disponibilização de apostilas e atendimento de hardware completou instrutor explicando funcionamento da aplicação www.broffice.org/zine 12

[close]

p. 13

broffice.org zine 7ª edição ­ fevereiro de 2008 alunos no laboratório de informática a evolução do programa através da cooperação entre os membros da comunidade software livre é outro aspec-to que chama a atenção dos educado-res como é o caso da ferramenta para gerenciamento das palavras do seu dicionário de sinônimos via web o dicsin é um sub projeto que visa fazer o controle do dicionário de sinônimos via web com ele você pode incluir novas palavras/sinônimos e fazer correções outra facilidade disponível para as escolas e usuários em geral é o fato da celepar manter um repositório www.repositórios.pr.gov.br dividido em áreas específicas para cada tipo de usuário no endereço são encontrados instruções gerais sobre o broffice.org informações para técnicos downloads de programas atualizações menus de documentações entre outras outra vantagem apontada por concei-ção marques é o fato da ferramenta ser multiplataforma livre e escrita em bom português o que facilita a adaptação dos usuários sob o aspecto econômico somente com licenças o governo economizou cerca de r 35,2 milhões o que foi decisivo para a realização do pro-grama essa economia possibilitou a aquisição dos computadores e o desen-volvimento da solução multiterminal outro fator de economia já que um servidor pode ser utilizado por quatro pessoas ao mesmo tempo artigo outra vantagem apontada por conceição marques é o fato da ferramenta ser multiplataforma livre e escrita em bom português o que facilita a adaptação dos usuários nas escolas o resultado mais importante é que o acesso da maioria dos estudantes e professores ao computador e à internet está ocorrendo junto com o uso de ferramentas em software livre o que diminui substancialmente a dependência de adaptação mesmo entre os que já utilizam ferramentas proprietárias a migração para os programas de código aberto não teve maiores dificuldades atesta o professor alunos no laboratório de informática www.broffice.org/zine 13

[close]

p. 14

broffice.org zine 7ª edição ­ fevereiro de 2008 assinatura digital e broffice.org artigo breve descrição e sua forma de utilização por edgard alves costa desde os primórdios dos tempos quando o homem começou a fazer negócios e guerras a informação e sua segurança tornaram-se uma das principais preocupações tem-se notícias que egípcios e romanos já usavam técnicas de criptografia para manter seus documentos a salvo de seus inimigos criptografia do grego kriptós escondido oculto grafia=escrita é a técnica de se escrever em cifra ou em códigos utilizando formas para tornar um texto ilegível de forma a permitir que apenas o destinatário consiga decodificar a mensagem e entendê-la basicamente foi durante a segunda guerra mundial que a criptografia chegou ao seu auge com a invenção do computador utilizando complexas seqüências matemáticas denominadas algoritmos que ainda hoje tem aplicação comercial chaves o que são e como são usadas chaves constituem-se nos elementos fundamentais para cifrar e decifrar mensagens para o usuário comum a chave trabalha da mesma forma que uma senha se a senha estiver correta lê-se o arquivo caso contrário o arquivo continua intacto conceito de chave simétrica e chaves assimétricas criptografar por chaves simétricas é o conceito pelo qual tanto o emissor quanto o receptor compartilham a mesma chave sendo guardada por ambos em completo segredo se por ventura aconteça algo com uma das partes sem haver a correta divulgação o segredo pode estar comprometido chaves assimétricas modelo usado pelo governo brasileiro é constituída por pares de chaves sendo uma chave pública e uma privada a chave pública deverá ser amplamente divulgada o conceito é o seguinte uma vez usada a chave pública para a encriptação de um arquivo só com a chave privada é que faz o processo contrário e vice-versa caso máquinas e pessoas envolvidas no processo forem confiáveis podemos afirmar www.broffice.org/zine que há um bom nível de segurança o conceito é o seguinte uma vez usada a chave pública para a encriptação de um arquivo só com a chave privada é que faz o processo contrário e vice-versa caso máquinas e pessoas envolvidas no processo forem confiáveis podemos afirmar que há um bom nível de segurança dos métodos utilizados para a obtenção de chaves assimétricas usados nos certificados digitais destaca-se o algoritmo rsa que baseia-se na obtenção dos fatores primos de um número longo há grande confusão de uso entre assinatura digital e assinatura digitalizada assinatura digital é uma assinatura eletrônica e a assinatura digitalizada trabalha com a captura de dados biométricos como leitura da iris impressão digital e assinatura manuscrita a assinatura digital baseia-se em a chaves assimétricas b o documento assinado não poderá ser alterado c a assinatura não é reutilizável d a assinatura não pode ser repudiada ou seja se a assinatura for reconhecida pelo receptor o autor não pode negar a autenticidade da mesma 14

[close]

p. 15

broffice.org zine certificados digitais certificados digitais determinam a inclusão de dados pessoais intransferíveis a um par de chaves assimétricas como se fosse um documento oficial determinando validade jurídica a estrutura para a obtenção de um certificado digital baseia-se em uma autoridade certificadora ac e uma autoridade de registro ar isto não nos é desconhecido fazemos uso desta estrutura todos os dias sem nos dar conta e quem faz o papel de ac e ar o cartório só que ele faz os dois papéis ao mesmo tempo o de autoridade de registro e de certificação explicando melhor quando desejamos que nossa assinatura seja reconhecida em um determinado documento vamos ao cartório com os nossos documentos pessoais e preenchemos um determinado formulário assinando-o algumas vezes registro quando fazemos uma procuração a sua validação só acontece quando a assinatura contida no texto é reconhecida e confirmada pelo oficial do cartório certificação os bancos fazem o mesmo são autoridades de registro quando abrimos uma conta e de certificação quando confirmam que a assinatura contida no cheque é verdadeira os certificados digitais compõem-se de certificado raiz certificado da autoridade certificadora e certificado pessoal especificamente no caso brasileiro o icp infra-estrutura de chaves públicas http www.icpbrasil.gov.br é orgão gestor e responsável pela metodologia práticas e fundamentos técnicos o iti instituto nacional de tecnologia de informação http www.iti.gov.br é a autoridade certificadora raiz as autoridades certificadoras são empresas públicas ou privadas que oferecem o certificado digital designados pelo iti sendo responsáveis pela emissão guarda e revogação dos certificados autoridades de registro também podem ser empresas públicas ou privadas ligadas ou não as autoridades certificadoras e são responsáveis pelo recebimento e verifica ção dos documentos das pessoas que desejam seu certificado bem como a guarda dos documentos apresentados no momento do registro exemplos de autoridades certificadoras certisign serpro imprensa oficial do estado de são paulo serasa arisp etc www.broffice.org/zine 7ª edição ­ fevereiro de 2008 certificados digitais legislação por medida provisória sob o nº 2200-2 em 24 de agosto de 2001 o governo brasileiro sob a presidência do prof dr fernando henrique cardoso institui o icp nesta medida provisória já modificada por vários decretos e resoluções altera o iti para que se torne uma autarquia desta forma o iti cria autonomia técnica para gerir recursos e dar formato ao certificado brasileiro em agosto de 2002 o ministro-chefe da casa civil da presidência da república ministro pedro parente ingressa com o projeto de lei 7316/2002 disciplinando o uso do certificado digital como este decreto ainda não foi votado nos dias atuais há interpretações das mais diversas sobre a validade jurídica da assinatura digital mesmo a do icp-iti brasil porém entre vários juristas consultados por este articulista fica claro que se as partes envolvidas pactuarem o uso de um determinado certificado para a assinatura de documentos trocados entre si estes terão força de lei desde que haja contrato firmado assinado e registrado em cartório confirmando o aceite da assinatura digital portanto certificados emitidos pela cacert empresa que oferece certificados sem cus tos sob a bandeira open-source gpg e x-509 podem ser usados desde que as partes envolvidas obedeçam o que rege a lei dos contratos como já foi citado firmando em cartório o compromisso de uso tipos de certificados e aparelhos físico/eletrônicos usados pela icp brasil os tipos básicos de certificados oferecidos no brasil pelas autoridades certificadoras são basicamente e_cpf e e_cnpj do tipo a1 a2 a3 a4 para assinatura e s1 s2 s3 e s4 para sigilo quanto mais alto o número mais complexo é o nível de criptografia do certificado existem outros tipos de certificados como o ssl que basicamente é para sites este é outro capítulo o certificado a1 do icp-iti bem como outros certificados como o da cacert por exemplo tem a mesma forma de configuração e atuação depois de ter sido feito o download É ideal para pessoas que não se movimentam muito ou usam o certificado em um notebook certificados a3 normalmente são acompanhados de dispositivos físicos/eletrô-nicos como tokens e smartcards artigo 15

[close]

Comments

no comments yet