Revista BrOffice - Edição 18

 

Embed or link this publication

Description

Natal Solidário Uma edição especial de natal que destaca algumas ações que compartilham alegrias e esperança. Uma delas, o Natal Livre, um evento que acontece no estado do Ceará, outra, Ação Xavier e Parceiros, do Pará e ainda o blog Nossos Poetas das Ca

Popular Pages


p. 1

revista ano 4 n° 18 especial de natal dezembro 2010 natal solidário atividades que compartilham alegrias e esperança de um mundo melhor retrospectiva 2010 as melhores notícias do ano da revista broffice.org entrevista norbert thiebaud desenvolvedor do libreoffice ecossistema em software livre uma análise da conjuntura atual dos projetos f/oss polêmica wikileaks a internet como um espaço político poderoso nas mãos da sociedade civil organizada artigos dicas entrevista e muito mais revista broffice.org www.broffice.org/revista revista broffice.org www.broffice.org/revista 1 especial de natal dezembro/2010 diagramado no -broffice draw

[close]

p. 2

índice artigo amadurecimento do ecossistema em software livre 2010 na retrospectiva de um ativista do software livre entrevista norbert thiébaud reportagem natal solidário cultura poesia seu papai noel dica de filme seven pounds sete vidas escritório aberto calendário 2011 dicas cuidados com os tipos de dados no calc formatação de teses e monografias conforme abnt retrospectiva 2010 retrospectiva 2010 32 26 27 25 23 24 19 15 05 13 revista broffice.org www.broffice.org/revista 2 dezembro 2010

[close]

p. 3

editorial f inalmente chegamos no fim de uma jornada começo de outra É assim que deve ser mas ao final de uma jornada seres pragmáticos que somos avaliamos o que foi feito planejamos o futuro com um olhar no pas colaboradores desta edição redação cárlisson galdino cláudio filho luiz oliveira pedro ciríaco rui ogawa ­ tradução e adaptação dicas nilson almeida de araújo olivier hallot diagramação duilio dias eliane domingos renata marques revisão luiz oliveira maria aparecida coltro renata marques ricardo pontes rogerio luz coelho vera cavalcante capa duilio neto edição luiz oliveira luizoliveira@revistabroffice.org revisora responsável vera lúcia cavalcante pereira veracape@revistabroffice.org jornalista responsável luiz oliveira ­ mtb.31064 coordenador geral broffice.org claudio f filho filhocf@broffice.org coordenadora revista broffice.org eliane domingos de sousa elianedomingos@revistabroffice.org escreva para a revista broffice.org contato@revistabroffice.org edições anteriores www.broffice.org/revista o conteúdo assinado e as imagens que o integram são de inteira responsabilidade de seus respectivos autores não representando necessariamente a opinião da revista broffice.org e de seus responsáveis todos os direitos sobre as imagens são reservados a seus respectivos proprietários o que é o broffice É o produto ferramenta de escritório multiplataforma livre em bom português desenvolvido sob os termos da licença lgpl composto por editor de texto planilha de cálculo apresentação desenho vetorial matemático e banco de dados mantido pela comunidade e oscip que trabalha para a difusão do sl/ca no país desenvolvimento esta revista foi elaborada no broffice editor de texto planilha eletrônica apresentação e diagramação a reprodução do material contido nesta revista é permitida desde que se incluam os créditos aos autores e a frase reproduzido da revista broffice.org ­ www.broffice.org/revista em local visível o broffice.org declara não ter interesse de propriedade nas imagens os direitos sobre as mesmas pertencem a seus respectivos autores/proprietários o conteúdo da revista broffice.org está protegido sob a licença creative commons by-nc-sa disponível no www.creativecommons.org.br esta licença não se aplica a nenhuma imagem exibida na revista e para utilização delas obtenha autorização junto ao respectivo autor sado com o objetivo de não repetir os erros e melhorar os acertos numa evolução contínua a revista broffice.org nesse ano que está indo evoluiu muito em vários aspectos a começar pela quantidade de edições lançadas foram nove edições melhoramos na qualidade editorial nas artes gráficas na pontualidade e responsabilidade dos colaboradores por tudo isso acreditamos que em 2011 vamos fazer uma revista ainda melhor pensando em você que é nosso leitor e maior incentivador apesar do tom de despedida acima ainda temos essa edição para ler e apreciar tempo de festas de natal e réveillon a matéria de capa não poderia ser outra destacamos algumas ações que chamamos de natal solidário são atitudes que às vezes podem ser consideradas piegas ou fora de moda mas que na verdade levam alegria e esperança de um mundo melhor no futuro para crianças e famílias pobres e necessitadas na última edição da revista em 2010 iniciamos uma série de entrevistas com desenvolvedores do libreoffice o primeiro entrevistado é norbert thiébaud que nos conta um pouco sobre sua vida como hacker e também como conheceu a the document foundation e o libreoffice a recente polêmica do wikileaks o portal que resolveu publicar documentos secretos de países como os estados unidos irã e até mesmo do brasil é parte da reflexão de wilkens lenon que faz uma retrospectiva do ano comentando algumas notícias que foram destaque em 2010 os projetos floss free and open source software precisam garantir sua sobrevivência claudio f filho trata desse tema fazendo uma análise aprofundada da conjuntura atual de alguns projetos dentro daquilo que ele chama de ecossistema em software livre para encerrar em nome de todos os colaboradores da revista broffice.org saúdo os leitores que estiveram conosco esse ano e espero que continuem a nos prestigiar em 2011 boa leitura boas festas e até a próxima edição luiz oliveira revista broffice.org www.broffice.org/revista 3 especial de natal dezembro/2010

[close]

p. 4

conhecendo os colaboradores arquivo pessoal revista broffice.org www.broffice.org/revista 4 especial de natal dezembro/2010

[close]

p. 5

artigo amadurecimento do ecossistema em software livre o começo do software livre s por claudio f filho empre teremos pessoas interessadas em manter os projetos f/oss existindo em maior ou menor número independente do envolvimento dos governos empresas e usuários mas teremos um desenvolvimento ativo necessário e merecido com independência financeira e estrutural para projetos como o libreoffice mozilla postgresql entre outros como pode e para onde evoluir o ecossistema do software livre o software livre foi a forma original do software isto é quando os primeiros computadores chegaram ao meio acadêmico os softwares eram desenvolvidos por equipes inteiras sem restrições de acesso aos códigos fontes sendo compartilhados entre pessoas de diversas partes do mundo foi somente na década de 80 que surgiu a ideia do que conhecemos como software privado[1 pago e restritivo linus torvald[2 em 91 iniciou seu projeto acadêmico chamado linux[3 que contou e ainda conta com milhares de colaborações evoluindo este sistema operacional baseado no minix[4 que hoje é considerado um dos mais sofisticados seguros e confiáveis o linux é o primeiro exemplo de sucesso no trabalho voluntário e colaborativo em software livre foi somente na década de 80 que surgiu a ideia do que conhecemos como software privado pago e restritivo revista broffice.org www.broffice.org/revista 5 especial de natal dezembro/2010 crédito http www.flickr.com/photos/cayusa/2051756510

[close]

p. 6

artigo amadurecimento do ecossistema em software livre por claudio f filho além do linux em 2000 surgiu um outro projeto chamado openoffice.org baseado em parte do produto chamado staroffice que a antiga sun microsystem hoje incorporada pela oracle liberou como software livre este projeto cresceu e teve ramificações para todo o mundo inclusive para o brasil amadurecendo para o que hoje conhecemos como broffice.org o broffice.org começou sua trajetória em 2002 conhecido como openoffice.org.br quando foi oficializado através da assinatura do protocolo de intenções entre a comunidade e a celepar empresa de informática do estado do paraná nas pessoas do líder da comunidade claudio f filho e o presidente da celepar marcos mazoni neste protocolo foi definida a cessão de infraestrutura para o projeto acontecer de lá para cá a comunidade se organizou criou uma associação e os trabalhos evoluíram fazendo o brasil se tornar o maior caso de sucesso na adoção do openoffice.org no mundo atualmente devido à cisão ocorrida na comunidade openoffice.org por causa das políticas pouco claras da oracle a comunidade broffice.org optou[5 por seguir sua evolução na derivação para o novo projeto chamado libreoffice mantido pela the document foundation[6 além deste fluxo que é o fluxo principal existe um fluxo periférico de serviços como capacitação suporte e consultoria que é o mercado de serviços ainda agregado a ele pode surgir uma segmentação dos usuários da solução formando uma espécie de comunidade geralmente esta comunidade se forma para troca de experiências no uso da ferramenta assim o gráfico começa a ficar mais interessante serviços produto mercado usuário comunidade figura 2 ecossistema evoluído o ecossistema de um software quando surge um produto o mesmo precisa ser divulgado ganhar adeptos no seu uso e futuros defensores para o seu uso resultando em um mercado consumidor que irá comprar este produto se considerarmos o modelo tradicional de software no entanto o software livre começou com um formato amorfo em relação ao software tradicional pois tinha usuários que por sua vez criaram comunidades que se empenharam na promoção do novo produto formando um mercado que até então não tinha uma infraestrutura para atender as demandas de serviços as grandes empresas vendo o potencial do software livre lá fora também conhecido como código aberto começaram a investir no seu desenvolvimento garantindo maiores rentabilidades aos seus negócios aproveitando o desenvolvimento colaborativo para fomentar os seus mercados desta forma tal qual o modelo do software privativo passamos a ter um ecossistema básico e buscamos a evolução do modelo através desse modelo o desenvolvimento está calçado nos investimentos que as empresas de tic que apostam no desenvolvimento desses projetos estão dispostas a fazer e quando se fala de empresas estamos falando da iniciativa privada e um de seus objetivos principais que é o lucro o investimento em melhorias passa pelo processo de decisão empresarial muitas vezes dependendo de consultas aos acionistas sobre o aporte ou não em projetos como esses produto mercado usuário figura 1 ecossistema básico revista broffice.org www.broffice.org/revista 6 especial de natal dezembro/2010

[close]

p. 7

artigo arquivo pessoal amadurecimento do ecossistema em software livre por claudio f filho todos estes exemplos apontam que o modelo ainda está falho pois se não houver interesse comercial em manter um projeto em sua etapa de aporte no desenvolvimento o produto enfraquece tornando-o não competitivo perdendo usuários diminuindo comunidade e matando o mercado justificando a redução no investimento em desenvolvimento neste cenário os clientes de uma determinada tecnologia ficam a mercê das oscilações da iniciativa privada quando o software livre reapareceu foi uma grande quebra de paradigma pois o fornecedor não era uma empresa e sim uma comunidade vendo uma possibilidade de negócio muito grande as empresas tiveram que se adaptar a este novo elemento ­ a comunidade ­ além de um produto que não estava integralmente sob seu domínio mas sim com o gerenciamento distribuído entre muitas pessoas que atingiam suas posições através do mérito de seu trabalho na denominada meritocracia o modelo até agora não mostrou uma saída adequada de sustentabilidade visto que ainda está atrelada aos interesses do setor privado produto desenvolv usuário mercado comunidade figura 3 ecossistema básico do sl/ca rede de interesses temos vários exemplos sobre este funcionamento como foi o caso da oracle contribuindo com código no linux para melhorar o suporte aos seus produtos sobre este sistema operacional ou o mysql openoffice.org red hat linux ubuntu ou mesmo o java que boa parte do seu desenvolvimento depende de uma das grandes empresas de tic mundial mas se não for do interesse da empresa como fica o desenvolvimento do produto não precisamos ir longe para ver como impacta os interesses dos investidores nos projetos de código aberto no caso do postgresql a sun microsystem mantinha fazendas de servidores para a comunidade até que a oracle desativou silenciosamente[7 este serviço ou o caso da reestruturação do núcleo office da oracle em hamburgo a antiga unidade da sun microsystem que dava suporte ao openoffice.org mas os problemas não ficam somente na esfera oracle/sun microsystem temos problemas também em outros projetos como o mandriva linux cuja mantenedora abriu falência[8 a alguns meses ou a novell que está sendo fatiada[9 ou a canonical que tem desenvolvido um excelente trabalho de abertura de mercado para os desktops em linux mas restringe o compartilhamento ao universo do ubuntu isto é se você é de qualquer outra distribuição ou mesmo sistema operacional é possível que não encontre os mesmos recursos pois uma parte foi publicada e o conjunto completo só se encontra dentro dessa distribuição vendo uma possibilidade de negócio muito grande as empresas tiveram que se adaptar a este novo elemento ­ a comunidade modelos de negócio para o código aberto na convenção anual da gartner[10 deste ano 2010 uma das tendências apontadas no evento foi o crescimento acelerado do código aberto e muito do software livre para os próximos anos[11 confirmado por moacyr gomes representante da gartner latin america durante a palestra reiniciando open source software É tempo de começar de novo na latinoware 2010[12 apontando para 50 das aplicações em 2016 baseados em código aberto revista broffice.org www.broffice.org/revista 7 especial de natal dezembro/2010

[close]

p. 8

artigo dentro deste processo os projetos precisam achar formas sustentáveis para manter seus desenvolvimentos muito além do que tem sido feito até aqui dentre os modelos reconhecidos como sustentáveis foram apontados os modelos híbrido e fundação vejamos cada um deles com mais detalhe arquivo pessoal amadurecimento do ecossistema em software livre por claudio f filho na fundação apache existe um programa de patrocínio e o reconhecimento dos créditos[17 a partir dos fundos arrecadados e com um alinhamento dos patrocinadores é feito o desenvolvimento dos produtos mantidos pela fundação já a fundação mozilla se diferencia por ter feito ramificações[18 na forma de subsidiárias para áreas de fundação corporação entre outros de qualquer forma estas instituições estão focadas exclusivamente na manutenção dos produtos levando em conta apenas um ecossistema básico como demonstrado na figura 3 modelo híbrido de desenvolvimento este modelo é baseado no conceito de se criar um núcleo core desenvolvido colaborativamente com as principais funções disponíveis para qualquer usuário baixar e usar e partes especializadas desenvolvidas e vendidas separadamente existe uma infinidade de aplicações que trabalham com este conceito geralmente oferecendo as versões community e enterprise como é o caso do sistema de gerenciamento de documentos dms ­ document management system alfresco[13 ou o sistema de inteligência de negócio bi ­ business intelligence pentaho[14 nestes sistemas é possível baixar o pacote comunitário e usar as principais funcionalidades das ferramentas e para uma demanda mais específica contratar uma subscrição que dá direito ao uso dos serviços adicionais e suporte além deste caso também existem outros exemplos de modelo híbrido de negócio onde o produto se baseia diretamente no produto da comunidade e se vende um produto diferenciado com mais recursos e suporte como é o caso do red hat enterprise linux que é a distribuição linux com vários produtos não livres da empresa red hat[15 ou ainda a da enterprise db[16 que é um empacotamento do sgbd postgresql com vários outros recursos muitos também projetos de software livre ou código aberto junto com suporte em ambas as variantes as empresas contam com o apoio de voluntários para a evolução do núcleo do produto que é compartilhado com licenças próprias e uma parte focada em venda de serviços inclusive de desenvolvimento de funcionalidades que se tornam parte da sustentabilidade do negócio e não necessariamente do projeto base num país como o brasil em que o custo de software é praticamente proibitivo inclusive favorecendo a pirataria é necessário repensar o modelo e é isto que se tem pensado e amadurecido muito dentro da associação broffice.org modelo de associação para países em desenvolvimento porque um terceiro modelo já que foi citado apenas dois anteriormente porque estes modelos são baseados em economia e mentalidade de países em desenvolvimento no eixo américa do norte e europa a ideia de desenvolvimento de software é focada exclusivamente em empresas não é questionado questões como custos e evasão de divisas desenvolvimento socioeconômico e promoção social num país como o brasil em que o custo de software é praticamente proibitivo inclusive favorecendo a pirataria é necessário repensar o modelo e é isto que se tem pensado e amadurecido muito dentro da associação broffice.org agora uma dúvida que pode surgir é porque uma associação e não uma fundação podemos usar a explicação dada[19 pela associação drupal na bélgica que tem a legislação similar à do brasil e muitos outros países de tradução livre modelo de fundação diferente do modelo acima a forma de fundação é baseada na criação de uma pessoa jurídica que possa capitanear o desenvolvimento de seus produtos a partir da captação de recursos de entes diversos como sociedade governo e/ou iniciativa privada alguns exemplos são as fundações apache e mozilla revista broffice.org www.broffice.org/revista 8 especial de natal dezembro/2010

[close]

p. 9

artigo amadurecimento do ecossistema em software livre por claudio f filho segundo a legislação belga as diferenças mais importantes entre uma associação e uma fundação são a a associação é constituída por vários indivíduos que concordaram com os objetivos da associação após a votação e discussão ao passo que a fundação pode ser incorporada por uma pessoa ou um pequeno número de pessoas b quando incorporados os fundadores devem trazer no patrimônio inicial fundos em uma fundação este não é o caso de uma associação c uma associação tem membros a fundação não pode ter membros apenas um conselho de administração este último fato é importante pois os membros da associação drupal formam a assembleia geral que elege o conselho de administração em outras palavras uma associação permite um modo de funcionamento muito mais democrático do que uma fundação além deste fato a lei belga prevê uma série de outras regras que fazem uma associação mais democrática do que uma fundação uma associação portanto reflete o modo como uma comunidade real ou online das pessoas trabalha para uma extensão muito maior do que uma fundação a esta definição e alinhando com a legislação brasileira acrescento que a fundação tem seus fundos provenientes de pessoas jurídicas enquanto que a associação é baseada em pessoas físicas no caso da associação do broffice.org temos pessoas que são membros ativos das comunidades do broffice postgresql e debian dentro do modelo de associação temos que pensar um ecossistema muito mais complexo que o do software livre básico pois a partir destes produtos temos uma série de valores agregados que podem fazer a diferença para o país na figura 4 podemos ver o aumento significativo da complexidade do ecossistema reanalisando o ecossistema do software livre para o país agora que temos uma visão mais ampla de ecossistemas livres vamos expandir ainda mais as considerações muito tem se dito a respeito de benefícios no uso do software livre mas geralmente relacionados a questões técnicas que por si já justifica olhar com cuidado o uso destas tecnologias em detrimento às tradicionais soluções privativas no entanto os outros benefícios estão relacionados a economia proporcionada ao país a cadeia de consumo e seu impacto socioeconômico na sociedade e geração de emprego e renda através de micro e pequenas empresas mpes de ti cada um destes pontos requer uma atenção específica dadas a seguir economia gerada são várias as frentes que devem ser abordadas para começar a questão da economia gerada nas entidades devido a substituição de ferramentas de escritório privativas para o broffice por exemplo aonde deixam de gastar com licenciamento de software anual ou atualizações temos que avaliar dois pontos culturais neste tipo de economia figura 4 ecossistema para países em desenvolvimento revista broffice.org www.broffice.org/revista 9 especial de natal dezembro/2010

[close]

p. 10

artigo amadurecimento do ecossistema em software livre por claudio f filho 1 falta de conhecimentos nas ferramentas de escritório um dos problemas generalizados notados no processo de migração está na constatação do conhecimento mínimo do uso das ferramentas os usuários institucionais sabem usar muito pouco os recursos da ferramenta de forma que quando mudam sua ferramenta de escritório reclamam que a outra ferramenta não é adequada fazendo uma analogia com automóveis é como se trocássemos o carro que o usuário dirige e ele se sentisse incomodado com isto isto acontece porque ele pensa que ele sabe usar apenas a ferramenta que aprendeu inicialmente e que se trocarmos ele terá muitas dificuldades uma vez que demonstramos que a ferramenta de texto por exemplo precisa ter negrito alinhamento e outros recursos de texto e que existem muitos fornecedores deste tipo de produto no mercado como o próprio broffice ele se sente mais confortável e passa a usar de maneira mais produtiva 2 pouca atenção da administração sobre tco o custo total de propriedade[20 tco ­ total cost of ownership são todos os custos relacionados a tic como licenças treinamentos equipamentos entre outros os gastos feitos em licenças são considerados custos enquanto que os gastos feitos em treinamento de funcionários consultoria ou desenvolvimento entram como investimentos são centros de custos diferentes isto tem efeitos diretos na economia e produtividade da empresa r 3 bi/ano outra análise ainda sob o aspecto por papéis econômico é a balança de serviços brasileira É similar a balança comercial onde avaliamos o que exportamos e importamos no caso de software é avaliado da balança de serviços fazendo uma análise rápida considerando que o brasil tem em torno de 15 milhões de usuários usando broffice que metade destes estivessem legalizados e resolveram migrar e conseguissem uma cópia de ferramenta proprietária a r 500,00 por máquina já estaríamos falando de mais de três milhões/ano apenas pagando licenças que poderiam ser utilizados para outras coisas como investimento em novos funcionários tecnologia e inovação na iniciativa privada ou infraestrutura saúde e educação no caso do governo cadeia de consumo socioeconômicos e seus impactos veja a figura 5 É possível ver uma avaliação dos custos de licenciamento versus empregados se o administrador desta empresa tivesse optado por comprar o software com o valor apenas da ferramenta de escritório poderia manter cinco funcionários no ano e que estes funcionários na maioria das vezes são pais de família e que sua renda gera renda em seus bairros e assim por diante e para completar todo o processo gera impostos para municípios estados e a união e é com estes impostos que o governo investe em infraestrutura saúde educação e tantos outros pontos importantes para beneficiar a sociedade industriai 50 desktops x r 1500,00 licença r 75000,00 ano 1 empregado r 600,00 bruto/clt/mês r 1.200,00 mês compania r 14.400,00 ano 5 empregados ano bairro impostos federal estadual municipal revista broffice.org www.broffice.org/revista 10 posto de gasolina farmácia mercado local comida roupas etc benefício para a sociedade figura 5 cadeia de consumo e impacto socioeconômico especial de natal dezembro/2010

[close]

p. 11

artigo arquivo pessoal amadurecimento do ecossistema em software livre por claudio f filho um caso muito interessante para exemplificar o poder deste ponto foi contado por Érico ferreira apoiador do software livre e gerente da unidade de desenvolvimento de software livre da dataprev ele contou que no fisl de 2010 quando estava na área de estandes e feira viu um rapaz se aproximar e perguntar se havia algum empregado da empresa ele comentou que era da empresa e o rapaz imediatamente pediu para transmitir o grande agradecimento dele e do sócio pelo cacic projeto feito pela dataprev continuando a conversa comentou que o rapaz e o sócio são do interior de sp estavam desempregados resolveram estudar o cacic a partir do portal do software público e passaram a vender serviços de instalação do produto o resumo da história é que atualmente estão ganhando muito bem contratando funcionários e ajudando no desenvolvimento do projeto este é um exemplo de quão significativo pode ser o software livre para o brasil geração de emprego e renda para mpes já vimos nos pontos acima que temos uma economia significativa com o software livre e que esta economia pode ter impactos socioeconomicos e ainda pode gerar mais uma das questões relacionadas com a contratação de serviços de ti passa por um mercado extremamente acirrado de grandes empresas multinacionais o software livre permite o surgimento e proliferação de micro e pequenas empresas para atender um nicho crescente de serviços como treinamentos consultoria e desenvolvimento como o conhecimento é compartilhado nas comunidades é possível que empreendedores sejam estudantes universitários profissionais autônomos ou mesmo hobbistas possam estudar estas tecnologias e entrar para o mercado nacional de serviços gerando renda e empregos o software livre permite o surgimento e proliferação de micro e pequenas empresas para atender um nicho crescente de serviços como treinamentos consultoria e desenvolvimento produto desenvol vimento empreen dedorismo usuário volunta riado mercado comunidade governo sociedade figura 6 ecossistema do software livre para países em desenvolvimento revista broffice.org www.broffice.org/revista 11 especial de natal dezembro/2010

[close]

p. 12

artigo agora voltemos a ver o nosso ecossistema na figura 6 arquivo pessoal amadurecimento do ecossistema em software livre por claudio f filho precisamos buscar meios efetivos para garantir o desenvolvimento dos projetos seja código para o produto seja ações da comunidade para que todo o ecossistema se mantenha para o caso do país e nossas peculiaridades é fundamental permitir um modelo além do técnico passando pelo social econômico e cultural fazendo a diferença por parte das comunidades elas estão trabalhando ferrenhamente para se organizar como sociedade tanto para a interação com seus usuários como para o mercado por outro lado existe uma interação de várias destas comunidades pela associação broffice.org na criação de um centro de excelência em software livre para garantir a nacionalização de competências no desenvolvimento dessas tecnologias participação do país na governança desses projetos e redução da dependência estrangeira agora é colocar em marcha observe que praticamente todos os pontos contém várias entradas ou saídas mas apenas um ponto tem uma entrada e saída que é o produto se houver algum problema com o produto todo o ecossistema pode morrer o futuro até aqui foi possível ver um amadurecimento do modelo e apresentar um novo modelo que vem sendo pensado no brasil a comunidade broffice.org buscando entender todo este modelo vem trabalhando na sua organização criando em 2006 a associação broffice.org ­ projeto brasil uma ong para ser o apoio jurídico da comunidade e que tem evoluído para ser a ong de apoio de vários outros projetos estratégicos para a continuidade do software livre no país software privado versus software proprietário no brasil e provavelmente em boa parte do mundo o termo empregado para definir aqueles softwares que são pagos e que devem ser usados como são as is de software proprietário assim vamos revisar alguns termos antes de discutir estes aqui no universo proprietário temos nomes como shareware ou trial que são uma designação para softwares gratuitos para avaliação freeware para programas gratuitos para o uso e junto com os sharewares sem possibilidades de modificação ou divulgação de qualquer informação relacionada a falhas ou problemas relacionados ao produto por outro lado temos o open source referenciando-se ao software livre e/ou código aberto para todos estes tipos de software temos um proprietário que pode ser uma empresa no caso de freeware e shareware ou um conjunto de desenvolvedores que são pessoas físicas no caso do software livre e daí pode-se perguntar o broffice é proprietário a resposta é sim são centenas de desenvolvedores ajudando a desenvolver este belíssimo software e então se poderia contra-argumentar mas ele não é livre e novamente a resposta é sim É possível usar o broffice para usar em casa no trabalho ou faculdade além de estudar seus fontes modificá-lo e distribuí-lo com ou sem as modificações assim temos uma licença de software que não nos priva de todas estas ações em contraposto a um software que nos priva de todos estes direitos desta forma o correto uso do termo para os programas vendidos são software privado isto é aquele que nos priva de usar para qualquer fim estudar distribuir ou modificar ou seja não é um software livre ps obrigado ao amigo roberto brenlla da galícia/espanha sobre esta aula referências [1 ver quadro sobre software privado vs proprietário [2 http pt.wikipedia.org/wiki/linus_torvalds [3 http www.linux.org [4 http pt.wikipedia.org/wiki/minix [5 http www.broffice.org/the_document_foundation [6 http www.documentfoundation.org [7 http br-linux.org/2010/oracle-silenciosamente-desativa-servidores-de-teste-do-postgresql-para-solaris [8 http br-linux.org/2010/mandriva-estaria-procurando-um-comprador-para-a-empresa [9 http br-linux.org/2010/fatiando-ny-post-diz-que-novell-sera-vendida-em-2-partes [10 http www.gartner.com [11 http www.itbusinessedge.com/cm/blogs/bentley/gartner-open-source-in-80-percent-of-software-by-2012 cs=14606 [12 http latinoware.org/node/242 [13 http www.alfresco.com [14 http www.pentaho.com [15 http www.redhat.com [16 http www.enterprisedb.com [17 http www.apache.org/foundation/thanks.html [18 http www.mozilla.org/about/organizations.html [19 http association.drupal.org/about/faq [20 http pt.wikipedia.org/wiki/total_cost_of_ownership revista broffice.org www.broffice.org/revista 12 especial de natal dezembro/2010

[close]

p. 13

artigo google 2010 na retrospectiva de um ativista do software livre http www.flickr.com/photos/cayusa/2051756510 crédito por wilkens lenon silva de andrade o ano de 2010 será um ano que entrará para a história digital da humanidade porque mostrou como a internet pode tornar-se um espaço político poderoso nas mãos da sociedade civil organizada a natureza livre da internet desnudou a hipocrisia do império quando o fantástico julian assange do wikileaks mostrou ao mundo como funcionam as maracutaias diplomáticas das nações mais poderosas da terra e dos seus satélites na periferia do sistema a cultura hacker mais uma vez foi a vanguarda das liberdades fundamentais na rede especialmente quando foi necessário afirmar a liberdade de expressão e de opinião e o direito à comunicação no mundo globalizado esse acontecimento fez aumentar ainda mais os ataques à neutralidade da rede cujo perigo está no controle do tráfego das informações pelas empresas de telecom a partir das tentativas de estabelecer filtros de dados na camada física da rede sob o controle dessas empresas isso feito à revelia dos usuários ou seja na prática da censura pura e simples revista broffice.org www.broffice.org/revista 13 no brasil tivemos discursos inflamados contra o wikileaks um deles foi o do autor do projeto de lei nº 84/99 ­ eduardo azeredo tal projeto foi rechaçado pelas comunidades de software livre e internautas engajados e recentemente após ter sido barrado no senado federal estão tentando ressuscitá-lo na câmara dos deputados estamos atentos e mobilizados as nossas lutas servirão para alimentar ainda mais os nossos sonhos a internet livre produziu fatos impressionantes durante esse belo ano de 2010 a explosão da blogosfera e das redes sociais em 2010 servem para nos desafiar à participação na construção do espírito do nosso tempo vivemos um momento único em que as práticas recombinantes na rede produzem e modificam as estruturas sociais do nosso modo de vida contemporâneo fazendo emergir da vida em rede novas formas de cultura na verdade surge em nosso cotidiano uma verdadeira diversidade cultural feita de afetividades sentimentos e pensamentos que extrapolam as limitações do espaço e do tempo especial de natal dezembro/2010

[close]

p. 14

artigo 2010 na retrospectiva de um ativista do software livre por wilkens lenon silva de andrade a blogosfera inaugurou formas novas e mais neste ano que se finda surgiram novas oportunidades para as comunidades de software livre comunidades que são o protótipo inicial da sociedade da informação como já dizia manoel castells o grande pensador da era da informação enquanto o modelo proprietário de conteúdos digitais luta contra os fluxos de conhecimento restringindo as participações coletivas pela imposição dos seus modelos de mercado nossas comunidades se colocam na vanguarda da colaboração dos conteúdos e das práticas recombinantes na rede a comunidade broffice por exemplo logrou uma grande vitória em função do surgimento da tdf ­ the document foundation fundação do documento que teve para a alegria de todos nós colaborativo do o brasil como um dos países através da oscip signatários dessa grande aliança pelo desenvolvimento libreoffice broffice.org o libreoffice é a nova suíte de escritório que passou a ser desenvolvida colaborativamente após o rompimento da comunidade de usuários com a oracle atual detentora da marca adquirida da sun microsystems enfim foi um ano e tanto para o brasil e para os brasileiros não perderia a oportunidade de enaltecer nossa jovem democracia que nos possibilitou a maior das vitórias em 2010 a eleição da primeira flor do palácio ­ dilma rousseff presidente do brasil É a força da mulher no comando do florão da américa É a esperança de um brasil ainda melhor mais humano mais fraterno e mais livre sob todos os aspectos da vida em sociedade que venha 2011 com seus desafios e comprometimentos não estaremos de sozinhos desejos somos uma grande comunidade humana unidos pelos nós da rede laços carregados sentimentos pensamentos humanos grávidos de realizações viva o software livre viva a liberdade viva 2010 que venha 2011 openoffice.org democráticas de participação popular na esfera pública as pessoas cada vez mais se comportam como precisa ser o coletivo humano uma sociedade de interagentes não simples leitores ou receptores passivos de informação mas autores e autoras atuantes e produtivos vivenciando o tempo da coautoria e das remixagens possíveis nos espaços digitais em 2010 a velha mídia se viu em vários momentos numa saia justa e algumas vezes completamente desacreditada por conta da transparência radical do modus comunicante da rede e de seus autores foi por isso que bolinhas de papel continuaram sendo apenas bolinhas de papel em vez de tijolos e rolos de fita crepe objetos fictícios da mídia acostumada a transformar em verdade o impacto da imagem vimos a lei complementar nº 135 ­ da ficha limpa ­ ser aprovada por unanimidade pelo congresso nacional brasileiro não por vontade dos políticos mas por conta da sociedade civil mobilizada através das petições onlines já tão populares na rede aliás a rede tem dessas ações coletivas de mobilizações inacreditáveis bem já dizia o professor sérgio amadeu da silveira durante o curso cidadania e redes digitais ao ministrar uma das aulas todas foram onlines e em tempo real para os seus alunos da p2pu ­ peer to peer university a internet inaugurou a comunicação interativa multidirecional e transnacional seus usuários não são receptores ou simplesmente emissores são interagentes em seguida ele arrematava falando com uma síntese fantástica o que seria a base da neutralidade da rede e o resultado desse arranjo cibernético para a vida dos usuários a arquitetura da rede distribuída de troca livre e anônima de pacotes digitais garantiu o seu enorme sucesso todas essas conquistas são inicialmente conquistas das comunidades de software livre muitas foram as lutas e desafios mas também vieram as boas realizações wilkens lenon silva de andrade é graduado em licenciatura em computação mestrando em educação tecnológica na ufpe e técnico de informática do ministério público da pb também é usuário e ativista do software livre e colaborador da revista broffice.org revista broffice.org www.broffice.org/revista 14 especial de natal dezembro/2010

[close]

p. 15

entrevista norbert thiébaud tradução e adaptação rui ogawa somos gr atos a o nos so prime ir o e ntr evista do es ta é a primeir a de uma sér ie de entr evist as c om des env olved ores noss a esper anç a é que elas poss am encor ajar a q ue compre ensão t raba lha da par a c res cent e comunidade que mes mo s en do um su pe rst ar é também uma pess oa basta nte r ecat ada nã o é um us uá rio de red e soc ial ne m um blogu eir o e r espeitamos isso a e sper ança é q ue nós poss amos c onhecê lo melhor pe ssoalmente na s vá ria s c onfe rênc ias do l ibr eo ff ic e fut ur amente ele t ambé m pare ce ser demasiado modest o te m feito um tr abalho not ável como por ex emplo t er f inalmente r emov ido a biblio tec a vo s ob soleta por uma década do libr eo ffice e ao faz er iss o enc ontr ado e cor rigido diver sos pr oble mas de seg me nt açã o então sem mais firu las melhora r o libre office inc entivar inter aç ões ent re as p essoa s e most rar que é r ealment e pos sí vel se e nvolver e c ont ribuir com o có digo ev ident ement e as o piniões exp res sas aqui s ão os p on tos de vist a n ão edit ados dos próp rios ent re vista dos e não da t he doc umen t fo undat ion mas e sper o que com o tempo elas mos tr em um lado útil da c omunidade revista broffice.org www.broffice.org/revista 15 especial de natal dezembro/2010 google

[close]

Comments

no comments yet