Edição 719

 

Embed or link this publication

Description

22/02/2014

Popular Pages


p. 1

Diretor Responsável: Homero T. Tranquilli - CNPJ: 09573449/0001-13 - Cajuru, Sábado, 22/02/2014 - Ano 15 - N.° 719 Semanal - Distribuição Gratuita / Assinantes Secretaria da Saúde realiza Audiência Pública para apresentar resultados do 3o quadrimestre Diabetes foi o tema abordado na reunião da ESF Centro Tripla Tentativa de Homicídio (Banalidade quase tira a vida de vítimas) Redes sociais: um perigo para crianças!

[close]

p. 2

Página 2 Edição 719 - 22/02/2014

[close]

p. 3

Edição 719 - 22/02/2014 Página 3 ACONTECE CIDADE CIDADE Secretaria da Saúde realiza COMTUR define Regimento e Interno e programa ações para o setor Audiência Pública para apresentar resultados do 3o quadrimestre turismo; e a ativação da Feira na Praça para apresentação e comercialização de produtos artesanais, com o diferencial de promover simultaneamente atividades culturais e esportivas, formas de atrair e integrar a população. Outro ponto reforçado foi a importância do recadastramento dos artesãos, hoteleiros e demais segmentos ligados ao turismo. Estiveram presentes na reunião: representantes da ACI - Gerson, e Amanda, representantes da Cachoeira da Serra George e Rosângela, proprietário do Foto Luz Victor, proprietários do Hotel Tropical - Bernadete e Helinho, proprietários do A n d i r b y ’s - D i r c e u e Angela, representante do Cajuru Biker ’s - Carlos Alberto, as artesãs - Mara Corrêa e Daniela Usso, diretora da Saúde Edilde e os representantes da Diretoria de Turismo Márcia Carvalho e João Gregório. ência foi realizada na Câmara Municipal e dentre o números destacamos: Total de consultas nas ESFs – 10.903 CEMEC – atendimentos por especialidade: Eletrocardiograma – 497 Ultrassonografia – 809 Fisioterapia – 3.552 Ginecologia – 768 Otorrino – 640 Ortopedia – 942 Cardiologia – 2.432 Oftalmologia – 1.152 Dermatologia – 512 Laboratório Adolfo Lutz – 42.968 exames realizados V i g i l â n c i a Epidemiológica – aplicação de 2.991 doses de vacinas VISA – 107 estabelecimentos inspecionados Saúde Mental – 1.452 consultas Pronto Socorro – 14.435 atendimentos médico SAMU – 579 atendimentos Odontologia nos PSFs 2.731 pacientes atendidos e 6.642 procedimentos realizados · Os resultados completos estão à disposição na Secretaria Municipal de Saúde. O Conselho Municipal do Turismo – Comtur reuniuse na terça-feira (18), na Casa da Cultura, para votar e definir o regimento interno e também programar as ações para o setor. Entre as propostas a serem executadas foram abordadas a parceria SENAR/Sindicato Rural de Cajuru para oferecer cursos voltados ao Torneio Início Copa Regional sub-11 A equipe do sub-11 (2003/2004) do CR Cajuruense disputará o Torneio Início que será realizado amanhã, domingo, a partir das 9h00, no estádio Dr. Guião, entre: CRC Cajuruense X Palestra Itália Leva a família e os amigos para torcer por nossos garotos. A secretária da Saúde Patrícia Bícego realizou na última quarta-feira (19), Audiência Pública para apresentar os resultados na área referentes ao 3o quadrimestre de 2013 (se- tembro, outubro, novembro e dezembro). Com o auxílio da equipe foi exposto o “Raio-X” da saúde em nosso município. A audi- A Oração Santa Rita Acender 1 vela branca durante 9 dias. Rezar 1 Pai Nosso e 1 Ave Maria, fazer 1 pedido necessário, 1 de negocio e 1 impossível, rezar todos os dias com a mesma vela branca que foi acesa no 1º dia. Acender a vela, rezar apagar, assim sucessivamente durante 9 dias. No 9º dia mandar publicar, mesmo não acreditando, seus pedidos serão atendidos. T.R.S. Sub-20 Amadores Os treinamentos do sub-20, categoria amadores, vão ter no dia 25 de fevereiro, terça-feira, às 17h00. A partir de 18 anos (Juniores e Amadores) passarão a ter 2 treinos semanais, as terças e quintas, com horários às 17h e 18h. Para treinar é necessário levar chuteira, meião e calção. Iniciado treinamento do sub-17 Já foram iniciados os treinamentos do sub-17 (atletas nascidos em 1997-1998), categoria juvenil, com dois horários semanais – quartas e sextas, às 17h00 – 18h00, no est á d i o “ D r. G u i ã o ” . www.ojornalzao.com.br

[close]

p. 4

Página 4 Edição 719 - 22/02/2014 ACONTECE CIDADE CIDADE Nasce um novo movimento: Cruzada Ambiental Abençoada Bom dia pessoal. Nas últimas semanas vivemos o maior calor já registrado no Brasil, coisa impressionante. Pelo que tenho lido e ouvido, se não preservarmos a natureza, o mundo ficará cada vez pior. Muito calor, muito frio, tempestades, ventanias, furacões e por aí afora. Graças a Deus nossa abençoada cidade está sempre protegida. Não temos as grandes desgraças que vemos todos os dias pelo noticiário. Que Deus nos proteja sempre e vamos preservar a natureza. todos tiveram a oportunidade de expor seu ponto de vista. Entre os apartes, destaque para a declaração que esta foi a primeira vez que a questão debatida foi proposta pelo governante, ou seja, sempre foram os ambientalistas, a população, que procuravam o executivo ou seus representantes para discutir problemas ambientais e dessa vez foi diferente, o convite partiu do próprio prefeito. Completando foi lembrado o valor destinado para a pasta ambiental no orçamento deste ano, bem maior que nos anos anteriores, o que comprova a valorização e preocupação com o setor. Para encerrar, o prefeito elegeu o “mascote” da Cruzada Ambiental, o recém-nascido Júlio Elias Bicudo filho de Carolina Elias. Um novo encontro já foi agendado para quarta-feira, dia 26, às 20h00, na Casa da Cultura e todos os interessados em contribuir para uma cidade melhor, um planeta melhor, estão convidados. Solidário Na última semana, o senhor Sebastião Rodrigues, ou Bastião da Coletoria como era conhecido nos deixou aos 86 anos de idade, Nascido em Cajuru (na fazenda Sampaio Moreira), trabalhou em nossa coletoria onde se aposentou. Casado com dona Biju e pai da Rita de Cassia, Antonia Leila e Tomas. Foi um exemplo de chefe de família, onde sempre procurava ajudar a todos. Era um homem que gostava de ajudar o próximo. Trabalhou como voluntário em nosso hospital durante décadas, onde fazia parte da irmandade daquela entidade. Nos Leilões do Hospital, ficava desesperado arrecadando prendas na zona rural e em nosso comércio. Senhor Sebastião, a cidade e principalmente o nosso hospital, agradece o seu empenho, a sua bondade, e a sua grande ajuda durante a sua vida. Descanse agora em paz ao lado do senhor e Deus lhe pague por tudo. Nos últimos anos vem se falando muito sobre a questão ambiental, mas pouco, ou quase nada foi feito para reverter os “estragos” provocados pelo homem. Preocupado com essa questão, o prefeito Dr. Luís Estevão, que também é ambientalista, convidou a população para participar de um grande movimento: a Cruzada Ambiental, com ações em todo o município. Em uma reunião realizada na quarta-feira (19), na Casa da Cultura, os temas foram debatidos e ficou definida a primeira ação: a arborização da Avenida Major Adolpho Paoliello e Rua Dr. Matta, em toda sua extensão. A reunião foi conduzida pelo prefeito e Boleiro Hoje vamos falar de um verdadeiro craque de bola e que tem muito amor por ela. Vamos falar do Amigo Zé Roque, campeão amador pelo CR Cajuruense por várias vezes. Jogou futebol profissional por vários times, entre eles Radium de Mococa, Batatais, Paulista, e Amalia, onde encerrou sua carreira de jogador. Foi técnico do CR Cajuruense na terceira divisão e também jogava pelo veterano dessa equipe. Zé Roque veio para Cajuru com 14 anos de idade, onde trabalhava como sapateiro na fábrica de calçados Heloisa e morava no estádio Dr. Guião. Casado com dona Helena, constituiu uma grande e unida família, com 06 filhos e 09 netos. Depois de encerrar a carreira profissional, Zé roque voltou a morar em nossa cidade, onde tem muitos amigos. Ainda joga o seu futebol, lá no campo do amigo Kaled e também joga suas partidas de truco lá na sombra da praça ao lado do Pneu Gigante. Grande abraço amigo Zé Roque, um verdadeiro craque dentro e fora do gramado.Continue firme com seu futebol, seu baralho, seus bailes da terceira idade e a sua adoração pelo São Paulo F.C. BOM FINAL DE SEMANAATODOS E FIQUEM COM DEUS NEGOCIOS E OPOR TUNIDADES OPORTUNID TUNIDADES ALUGA-SE um imóvel comércio e residência na rua Piauí 639 e 641. Tratar (16) 3667-2446 / 99417-1111. VENDE-SE Fiat Uno Mille Fire 1.0 2010 2 portas preto, muito conservado quatro pneus novos. Tratar 991276110. VENDE-SE Terreno 9x25m² no bairro Jd Santa Clara escriturado. R$ 45.000,00 Tratar 99328-1393. Tratar c/ Dirceu. VENDE-SE Gol 2006 G4 , 4 portas, cor chumbo. R$ 16.000.00. Tratar 99316-8681. ALUGA-SE Apartamento no Edificio Antares, com 3 dormitórios sendo 1 suite, sala, banheiro e garagem. Tratar 99101-8858 VENDE-SE Fusca 75 branco, em bom estado. Tratar 99289-6985 / 99999-6090. PROCURA-SE sitio ou chácara para morar e trabalhar no município de Cajuru Tratar 99110-7967 / 99133-8191 com Geraldo. Guardas Municipais participam de seminário em Ribeirão Preto Na quinta-feira (20) os guardas municipais Ângela, Sidney Costa, Celso, Alcina e o comandante Carlos participaram do seminário “A Polícia Civil e as relações étinico raciais”, com palestras proferidas pela professora Elisa Lucas Rodrigues – coordenadora de políticas para população negra e indígena; e pelo Dr. José Eduardo Malheiros, da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo. O seminário faz parte do programa de exercícios de cidadania e foi realizado em Ribeirão Preto. O Cmte Carlos Geraldo Rafael explicou que participar desses programas da Secretaria da Justiça muito acrescenta ao aprendizado da nossa Corporação, trazendo formas de abordagem e ação em várias situações. “Nossa meta é buscar conhecimento para melhor agirmos em nosso município”, pontua. Procura-se 2 cachorros desaparecidos, 1 Cocker caramelo e 1 vira lata branco com pintas pretas. O proprietário é idoso e está sentindo muita falta dos animais. Quem encontrar será bem gratificado. Tratar: 99144-5592

[close]

p. 5

Edição 719 - 22/02/2014 Página 5 ACONTECE CIDADE CIDADE Diabetes foi o tema abordado na reunião da ESF Centro Redes sociais: um perigo para crianças! filtragem, eles poderiam ter acesso. Em vários casos até já aconselhei os pais a proibirem o perfil dos filhos. Mas infelizmente isso é uma coisa que não agrada a muita gente. Depois de mais de 25 anos me tornei pai novamente e a “nova era” em que isso aconteceu me tornou um pouco mais precavido. É claro que minha filha, aos dois anos de idade, ainda não tem noção do que é uma rede social mas sei que um dia (e muito em breve) isso será inevitável. Mas, sabe-se lá o que virá no futuro, tentarei ao máximo protegê-la desse tipo de coisa. Hoje vejo as redes sociais como a mais pura necessidade da maioria das pessoas de ter atenção - sempre publicam algo e medem sua popularidade pelo número de “curtidas”. A frustração vem com o desprezo ao assunto. É como falar sozinho no meio da multidão. Também vejo publicações apelativas demais, pesadas para determinadas idades. E não venham me dizer que dá pra monitorar o que seu filho vê na rede social porque isso é impossível. A não ser as conversas que ficam, de certa forma, gravadas ali. Mas os links que eles visitam, os comentários que eles leem, as fotos que veem, passam rapidamente pela sua tela. Minutos depois é tecnicamente impossível detectar o que foi lido. Acho a internet uma excelente ferramenta de aprendizado, desde que usada corretamente. Agora, se por minha excessiva preocupação com as crianças em relação às redes sociais posso ser taxado de antiquado e careta, não me importa. Minha filha terá regras severas quanto a isso. E você, pai ou mãe, que acha que não corre nenhum risco, cuidado para um dia também não se tornar manchete no noticiário. Nessa terça-feira, fechei para o Jornal da Record uma matéria sobre a prisão de um pedófilo. Ele fez contato com uma menina de 11 anos de idade e com o decorrer das conversas, acabou convidando a menina para um passeio num shopping, um banho de hidromassagem, um champagne e até uma ida ao motel. O pai da criança desconfiou no início e passou a monitorar as conversas. Em dado momento, se passou pela filha, marcou o encontro e avisou a polícia. O pedófilo foi preso em flagrante na praça de alimentação de um shopping em São Bernardo do Campo quando foi em direção à menina, usada como isca. Alguns detalhes assombram nessa história: o acusado tem 45 anos de idade, é casado, pai de duas adolescentes e de boa situação financeira. Um perfil, talvez, acima de qualquer suspeita. E, pior que isso, o aliciamento foi feito através do Facebook. Não sou careta, mas defendo algumas coisas que podem parecer conservadoras demais. Me perdoem os pais que permitem isso, mas rede social não é lugar para crianças. Quem apoia minha tese é a psicóloga Débora Pissarra que entrevistei para a matéria. Concordo com ela quando diz que crian- ças até catorze anos de idade ainda não tem maturidade emocional suficiente para transitar num ambiente, de certa forma, livre de censura. Não é um site que você pode impedir o acesso. Estando ali, a criança poderá clicar em qualquer link publicado por seus amigos, amigos de amigos e até desconhecidos, e acessar páginas de conteúdo inadequado e até proibido. Também não tem critério de seleção para adicionar as pessoas e podem deixar as portas abertas para criminosos (como pedófilos) entrarem e vasculharem sua vida, tirando proveito de sua ingenuidade. No caso que acompanhei, graças a Deus e à perspicácia do pai que passou a monitorar a conversa, um mal maior foi evitado. Mas o que teria acontecido se ele, como a maioria dos pais que conheço, imersos em trabalho e problemas cotidianos, não tivesse tido essa idéia? O pior, com certeza! Eu mesmo procuro não adicionar adolescentes menores de 15 anos no meu perfil, mesmo que sejam sobrinhos, filhos de parentes ou de amigos. Evito porque, muitas vezes, publico ou comento assuntos que considero um pouco pesados para essa faixa etária. Sem contar no que meus amigos publicam e, mesmo com toda a Os pacientes da Estratégia Saúde da Família (ESF) do Centro participaram de uma palestra proferida pelo Dr. André, médico da unidade, para aprender um pouco mais sobre diabetes. Através de slides o médico mostrou e explicou os tipos de diabetes e os cuidados que devem ser tomados. Entre as dicas, ainda valem a consulta médica periódica com realização de exames para verificação da taxa de glicemia, somada à boa alimentação e à pratica de esportes. Os moradores da área de abrangência da ESF Centro podem participar do grupo. Informe-se na unidade. Recapeado trecho da “Nova Galeria” Rua Tristão José de Carvalho, Rua Barão Ribeiro Barbosa e Travessa Esperança. Lembrando que a pavimentação foi realizada através de convênio entre o Governo do Estado e a Prefeitura Municipal de Cajuru e foi assinado graças ao grande empenho dos deputados Duarte Nogueira (Federal) e Welson Gasparini (Estadual) que muito se dedicaram para beneficiar nosso município. “Agradeço aos deputados Nogueira e Gasparini por conseguirem mais essa benfeitoria em infraestrutura para Cajuru”, declara o prefeito Dr. Luís Estevão. Para finalizar com excelência a obra realizada na Rua Barão Ribeiro Barbosa, onde foi construída a galeria para captação de águas pluviais, toda extensão foi recapeada. Ao todo foram cinco trechos beneficiados com o novo asfalto: Av. Prefeito Rubens de Carvalho Ferreira, Rua Elias Moisés,

[close]

p. 6

Página 6 Edição 719 - 22/02/2014

[close]

p. 7

Edição 719 - 22/02/2014 Página 7

[close]

p. 8

Página 8 Edição 719 - 22/02/2014

[close]

p. 9

Edição 719 - 22/02/2014 Página 9

[close]

p. 10

Página 10 Edição 719 - 22/02/2014

[close]

p. 11

Edição 719 - 22/02/2014 Página 11 Vereador João Marcos (Foia), Participa de Reunião com a Cúpula do PSD No último dia 14, em reunião com membros do partido PSD, com presença do Presidente do Partido Sr. Gilberto Kassab, e o Deputado Federal Guilherme Campos na presença de prefeitos, v e r e a d o r e s , secretários, diretores e assessores do partido PSD na cidade de Franca. Foram discutidos ideias e pedidos de emendas parlamentares aos municípios vizinhos, e representando nosso o de Cajuru o vereador João Marcos Foia, juntamente com diretor da Assistência Social, Emerson Paterniani (Maranhão). Na oportunidade foi solicitado um veiculo para uso na assistência e para outras secretárias em pró de nosso Município, com certeza vamos aguardar esta conquista para melhoria em atendimento a população.

[close]

p. 12

Página 12 Edição 719 - 22/02/2014 SINAPSE A Legalização é uma Ação de Paz bia um ovo fritando e dizia: “Esse é o seu cérebro quando você usa drogas”. Para “provar” que o uso de maconha era capaz de destruir os neurônios dos usuários, o governo apresentou uma pesquisa feita com macacos que tiveram dano cerebral após serem forçados a inalar a fumaça da Cannabis em testes de laboratório. Posteriormente essa pesquisa teve sua metodologia questionada, pois os macacos foram submetidos à fumaça da maconha através de uma máscara que despejava no corpo dos primatas uma dose equivalente a 63 baseados, durante cinco minutos por dia, em seis meses (nível absurdamente exagerado para o padrão de consumo). O que causou a morte de neurônios dos macacos não foi o uso frequente da maconha, mas a asfixia que ocorria durante o teste. Outra estratégia que a política proibicionista adotou para aterrorizar a população sobre os efeitos da maconha foi propagandear que ela seria “porta de entrada” para outras drogas mais pesadas. O que é tratado pelo senso comum como fato científico não passa de uma questão cultural do uso de drogas, que pode mudar de acordo com o tempo, grupo social ou região. Não existe nenhum componente na maconha que desperte o interesse por drogas mais pesadas, como a cocaína ou a heroína. Muitos usuários de cocaína podem ter usado maconha anteriormente, mas entre as duas drogas não existe nenhum elo biológico. Na verdade, a maior parte dos usuários de maconha não consome outras drogas ilegais. Inclusive, há um estudo em São Paulo que aponta que a Cannabispode ser utilizada para reduzir danos ou até para afastar pessoas do uso de drogas mais pesadas, como o crack. Na conta perversa do proibicionismo também podemos colocar o impedimento ao uso medicinal da maconha, apesar de suas propriedades terapêuticas serem muito bem documentadas e constarem no PenTs’ao Ching, considerada a primeira farmacopeia conhecida do mundo, de 2723 a.C. Nessa publicação chinesa é descrito o efeito analgésico, anticonvulsivante e tranquilizante da Cannabis. Uma história famosa de uso medicinal da maconha vem do final do século XIX, na Inglaterra, onde a rainha Vitória seguia a receita do doutor R. Reynolds e usava essa erva para aliviar dores e cólicas. No Brasil, até o início do século XX, era possível encontrar nas farmácias as “Cigarrilhas Grimault para asma, catarros e insônia”. Mesmo assim, a Convenção Única de Entorpecentes de 1961 relacionou a maconha em duas categorias: como planta sem nenhum valor medicinal e na de drogas especialmente perigosas. Nesta última a maconha ficou equiparada com a heroína. Na era moderna, a maconha medicinal já se provou eficaz no alívio das náuseas causadas pelo tratamento quimioterápico, no estímulo do apetite tão necessário aos portadores do vírus HIV e na diminuição da pressão intra-ocular para pacientes com glaucoma. Avanços na descriminalização E foi no campo da maconha medicinal que o castelo da proibição começou a desmoronar nos Estados Unidos. Graças a um plebiscito realizado em 1996, a população do estado da Califórnia aprovou uma iniciativa que regulamentou o cultivo e a venda de maconha para fins medicinais. Desde então, os pacientes precisam passar por uma avaliação médica para receber uma receita com a quantidade de maconha que poderão comprar em estabelecimentos formais, conhecidos como dispensários. Lá, é possível adquirir aCannabis em sua forma natural ou comprar bolos, biscoitos, leite, refrigerantes e outros produtos que proporcionam o barato e o alívio dos componentes psicoativos da erva. Passados dezessete anos, outros dezenove estados dos EUA aprovaram leis que regulamentaram o mercado de maconha medicinal. Em 2012, Colorado e Washington avançaram para a legalização do uso recreativo, apesar de a legislação federal norte-americana ainda considerar qualquer forma de uso ilegal. Nesses dois estados, os primeiros empreendimentos já estão em funcionamento e economistas fazem estimativas de um negócio bilionário para os próximos anos. Todo esse dinheiro estará inserido em uma economia formal e tributada. O Colorado já definiu o imposto de 15% para a compra no atacado e outros 10% para a venda no varejo. O governo estadual vai destinar a arrecadação ao financiamento de escolas públicas, a programas de atendimento a dependentes químicos e à política de regulamentação. Sobre o uso recreativo, é imperativo citar a experiência da Holanda, onde em 1975 ocoffeeshop Bulldog foi inaugurado no Red Light District (bairro também conhecido pelas casas de prostituição). Naquele ano foi iniciada a venda legal de maconha no varejo, e a fama do país correu o mundo, despertando até mesmo a curiosidade de “caretas” que visitam a cidade de Amsterdã. Especificar que apenas a venda no varejo foi legalizada não é uma simples sutileza. O que muitos não sabem da “legalização” na Holanda é que apenas a venda para o consumidor final (com o limite de 5 gramas por cliente) é permitida. Quando o coffeeshop adquire a erva no atacado, o comerciante está realizando uma transação ilegal. Também é criminoso aquele que cultiva e vende a Cannabis em grande quantidade. Essa contradição nas regras do jogo é conhecida por lá como the backdoor problem (o problema da porta dos fundos). O proprietário do coffeeshop compra violando a lei e vende emitindo nota fiscal. No avanço das políticas de legalização, o Uruguai será o próximo país a acabar com a proibição da maconha. Apesar de dizer que “não gosta de maconha”, o presidente José Mujica teve a consciência de propor a legalização com o objetivo de enfraquecer as finanças do narcotráfico, tirando do controle de grupos criminosos o monopólio de produção e venda de uma planta tão valiosa. Pelo projeto uruguaio, o Estado vai administrar o cultivo e oferecer a erva para a venda em estabelecimentos credenciados, onde cada residente poderá comprar até 40 gramas por mês. A venda para turistas não será permitida. [...] Continua na proxima Ediçao Fonte: Le Monde Diplomatique Brasil. 11/02/2014 Os mais de sessenta anos de proibição não conseguiram em nenhum momento eliminar o mercado ilegal de venda de maconha ou de outras drogas ilícitas. Pelo contrário: os dados desse período indicam uma expansão do consumo entre diferentes classes sociais, regiões e o surgimento de novas drogas por : Renato Cinco A legalização da maconha no Uruguai pode ser um marco na política sobre drogas na América Latina e no mundo. Mas antes de analisar os benefícios dessa mudança é necessário explicar como a maconha e outras drogas foram colocadas na ilegalidade no início do século XX. Com uma história milenar, a Cannabis só se tornou a “erva do diabo” depois de uma poderosa campanha de estigmatização recheada de preconceitos e interesses econômicos. No âmbito global, o debate sobre a proibição das drogas começou em 1912, a partir da Convenção de Haia, com o foco na morfina, na heroína e na cocaína. Essa data é marcante para o início de uma política que trata as drogas como algo nocivo à sociedade e os mercadores dessas substâncias como “inimigos” das nações. O governo norte-americano usou a Convenção de Haia para pressionar seu parlamento a endurecer a legislação restritiva ao comércio e ao uso de drogas. Isso resultou na aprovação do Harrison Narcotic Act, em 1914, que estabeleceu um duro combate ao ópio e seus derivados. Outro dado importante da Lei Harrison é a criação da figura criminal do traficante e do usuário de drogas. Para o primeiro, era imposta a pena de prisão e, para o segundo, o tratamento médico (compulsório, se necessário). A proibição da maconha no território norte-americano se deu, curiosamente, após o fim da Lei Seca, que desautorizou as bebidas alcoólicas entre 1919 e 1933. O Marijuana Tax Act (Lei Tributária sobre a Maconha) de 1937 proibiu o cultivo, a distribuição e a comercialização da maconha nos Estados Unidos. Todo o aparato repressivo montado para reprimir o comércio de bebidas foi transferido para o combate à maconha e outras drogas ilícitas. Curiosamente, o Brasil se antecipou radicalmente à fúria punitiva internacional, tendo ainda em 1830 a primeira lei proibindo o uso da maconha. A Câmara Municipal do Rio de Janeiro punia o “pito do pango”, denominação do fumo da Cannabisna época, que era visto como um hábito dos negros. Essa lei explicitava seu caráter racista ao descrever a pena para “escravos e outras pessoas” que utilizassem a erva. Os vendedores da planta eram punidos com multa de 20 mil réis e os usuários, com três dias na cadeia. Serviu de base pretensamente científica para a proibição da maconha um discurso médico preconceituoso. O psiquiatra Rodrigues Dória (1857-1958) chegou ao ponto de apontar a maconha como uma espécie de vingança dos negros escravizados, que quereriam corromper os valores da cultura do “branco civilizado”. Atrelada a esse discurso, existia uma intolerância aos cultos africanos que utilizavam a maconha nos rituais sagrados. Após a Proclamação da República, uma mesma “delegacia” combatia a maconha Entorpecentes, Tóxicos e Mistificações. Na ditadura Vargas (1937-1945) era comum que a polícia invadisse e destruísse terreiros que não haviam abolido o uso ritualístico da maconha. No cenário internacional, o ano de 1961 foi marcante para a consolidação da política proibicionista, com a Convenção Única de Entorpecentes da ONU. Os mais de duzentos países signatários se comprometeram a adotar medidas mais restritivas em relação a certas drogas, punindo quem as produzisse, vendesse ou consumisse. O que já era um modelo repressivo ficou ainda mais duro quando o presidente Richard Nixon fez um pronunciamento em 1972, apontando os psicoativos como “os inimigos número 1 da América” e declarando “guerra às drogas”. Muitos apontam que essa cruzada de Nixon contra as drogas ilícitas na verdade tinha como alvo os hippies, o movimento negro e movimentos da contracultura, vistos como grandes opositores de seu governo conservador. “Esse é o seu cérebro” No bojo de tal política, o governo norte-americano desenvolveu uma poderosa campanha midiática para alertar e amedrontar a população sobre os perigos do uso de drogas ilícitas. Um famoso comercial de televisão exi-

[close]

p. 13

Edição 719 - 22/02/2014 Página 13 CARNAVAL CARNA TIRAS POLICIAIS Samba-Enredo do Tendel Tripla Tentativa de Homicídio (Banalidade quase tira a vida de vítimas) No último dia 18, por volta das 19:30 horas, no Bairro Dom Bosco foi preso em flagrante delito pela PM, pelo crime de homicídio qualificado tentado(triplo) e posse ilegal de arma de fogo e munições, a pessoa de Antônio Graciano da Silva(56), vulgo: Antônio Carvoeiro”, o qual após ter uma discussão por conta de assuntos banais com uma das vítimas do sexo feminino(45), ora sua vizinha, o morador dos fundos da residência desta ao vir em seu auxílio entrou em luta corporal com o autor, que posteriormente deslocou-se até sua casa e voltou na posse de duas armas de fogo, sendo uma garrucha e um revólver calibre 38, efetuando disparos com a última arma em direção a primeira vítima, atingindo-a no abdômen, depois na segunda vítima do sexo masculino(43), lesionando-o na região do tórax e também dando tiros na amásia da vítima masculina(29), que está grávida e suportou ferimentos na face e mão direita, todas sendo socorridas pelo S.A.M.U., e encaminhadas ao Hospital Local, onde o casal permaneceu internado em observação e a outra vítima foi encaminhada para o Hospital das Clinicas de Ribeirão Preto em razão da gravidade do ferimento. Logo após os disparos o indiciado tentou fugir, porém foi localizado e preso e no interior de seu imóvel apreendeu-se a garrucha que portava na ocasião dos fatos e munições de calibre 38 e 22, não sendo o revólver encontrado. Já no Plantão Policial o indiciado ao ser interrogado pelo Delegado de Polícia, que confirmou a voz de prisão dada a ele inicialmente pelos policiais militares que o prenderam, alegou que havia ingerido bebida alcoólica e como faz uso de medicamentos controlados, ficou “fora de si”, alegando ainda não se recordar de nada que havia acontecido ou tivesse praticado. O preso que até então não tinha passagens pela polícia foi encaminhado para a Cadeia Pública de Santa Rosa de Viterbo. Na sexta-feira (14) quem esteve presente no Corujão pôde participar da escolha do samba-enredo do Tendel – 2014. Dois sambas foram inscritos e, através de votação popular, foi eleito o de Edilde dos Santos (letra) e César e Hélio (música). Aprenda a letra para cantar durante o desfile que acontecerá dia 03 de março, na Praça Central. Samba-Enredo Tendel 2014 (Letra: Edilde dos Santos Música: César e Hélio) No meu país tem festa o ano inteiro Natal, Futebol e a de Reis. Tem Lavagem do Bonfim Vermelho e Azul é Boi em Paratins. A Festa da Uva, fauna e Flora enfim Primavera é flor em Holambra Cajuru, Tendel é samba! Barretos, peão tradição Bumba meu boi Maranhão. A colheita nos anima Festa em Santa Catarina. Refrão: Dança meu povo, a hora é esta Tendel é Cajuru, uma cidade em Festa! Esta magia é sem igual Nos contagia, hoje é festa é carnaval. Parabéns se canta em festa de criança Festa de cigana e casamento O Frevo ferve em Pernambuco a qualquer momento. Em Festa Junina tem fogueira a queimar Folclore, mula sem cabeça E o saci a brincar Refrão ... Um jovem formando, após desilusões na profissão e falta de valorização, foi conversar com o seu melhor professor e lhe pedir ajuda, ao encontrar com ele, o professor perguntou o que tinha acontecido, mas este muito preocupado com seus próprios problemas já foi lhe dizendo: - Estou com problemas financeiros, tome este anel vá na feirinha e não venda por menos de 1 moeda de ouro. O jovem profissional, sem questionar, foi tentar vender. Este foi considerado louco, e depois de servir de chacota, um ancião chegou ao jovem e disse: - Meu jovem, este anel pode valer no máximo 3 moedas de prata, mas nunca uma de ouro. Tendo esta única oferta, o jovem voltou triste e foi conversar com seu professor. Chegando ali, o professor lhe disse: - Agora você vai procurar um ourives e perguntar quanto vale esta jóia, no entanto não a venda de maneira alguma. Novamente o jovem profissional foi a caminho e lá chegando, o ourives avaliou com lupa e com todo cuidado, disse ao jovem: - Olha, este anel vale 100 moedas de ouro, mas como você está falando que existe urgência, eu posso pagar 58 moedas de ouro. O jovem retornou ao professor, que pegou o anel e lhe disse: - Você é como este anel está procurando a valorização no local errado. Assim é a honestidade, parece não ter valor, mas assim como para que tudo que o Mastercard não compra, não tem preço. Para avaliar precisa ser e ter consciência límpida, pura e voltada à Deus e ao seu próximo. DR LUÍS ESTEVAO, O CONTADOR DE HISTORIAS

[close]

p. 14

Página 14 Edição 719 - 22/02/2014

[close]

p. 15

Edição 719 - 22/02/2014 Página 15

[close]

Comments

no comments yet