Sinpol Jornal

 

Embed or link this publication

Description

Edição de janeiro e Fevereiro de 2014

Popular Pages


p. 1

Informativo Oficial do Sindicato dos Policiais Civis - Ano XX - Janeiro/Fevereiro de 2.014 - nº 207 DIRETORIA DIG: MUITO ALÉM DO Foto: Sinpol É EMPOSSADA O presidente eleito do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, e toda a diretoria foram empossados no dia 31 de dezembro de 2013 para mandato que será cumprido no triênio 2014 a 2017. A posse ocorreu na sede social do Sindicato. Veja na página 2. CASO JOAQUIM Engana-se quem pensou que os policiais civis da DIG dedicaram-se exclusivamente ao caso do Menino Joaquim, que causou comoção popular. Mesmo com a imprensa e populares dando plantão na frente do prédio sede da especializada, equipes se desdobraram e mantiveram a alta média de esclarecimento de crimes de, até então, autoria desconhecida. Saiba como foi a rotina da DIG na página 8. 4 Jurídico do Sinpol obtém novos mandados de segurança garantindo aposentadoria pela Lei 51/85; 4 Policiais civis realizam importante ação em Boa Esperança do Sul e prendem quadrilha que praticou latrocínio; 4 Veja como será o Carnaval na Chácara do Sinpol; 4 DGP promove 95 delegados; 4 Governo anuncia concursos para Polícia Civil; Eumauri critica demora nas contratações; 4 Em Memória, a equipe do 1º DP de Ribeirão Preto, campeã do torneio interno em 1978; 4 6º DP de Ribeirão Preto realiza operação conjunta. E MAIS: POLICIAIS CIVIS DEFENDEM REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Em pesquisa informal, o Jornal do Sinpol constatou que a grande maioria dos policiais civis é a favor da redução da maioridade penal. Para muitos, o ideal seria a tipificação do crime para definir a idade mínima para punição, mas a grande maioria acredita que a situação está se tornando insustentável e algo tem que ser feito com urgência para evitar o avanço dos menores infratores no mundo do crime. Leia reportagem especial na Janeiro-Fevereiro/2014 página 6. Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br

[close]

p. 2

DIRETORIA Os integrantes da diretoria eleita para comandar o Sinpol entre 2014 e 2017 foram oficialmente empossados no dia 31 de dezembro de 2014. A solenidade ocorreu na atual sede social do Sinpol, à Rua Goiás, 1697, em Ribeirão Preto. A solenidade foi conduzida pelo dr. Benedito Grillo, que presidiu a comissão que cuidou do processo eleitoral do Sinpol. Eumauri Lúcio da Mata assumiu a presidência do Sinpol pela sexta vez na vitoriosa história do sindicato. Nas eleições, Eumauri encabeçou a chapa União e Trabalho, que obteve 508 votos, contra 360 votos da chapa Força e Renovação, liderada pela escrivã Kalinka Cintra Prato. Foi uma solenidade simples, mas que marca o início de mais um mandato de Eumauri frente ao Sinpol. “Só tenho que agradecer aos associados, inclusive aqueles que não votaram em meu nome, porque todos fizeram o exercício da democracia. Aos meus eleitores e a todos os associados, deixo aqui meu maior compromisso: trabalhar em prol da categoria na busca de mais benefícios, na defesa de nossos interesses e na ampliação de nosso patrimônio. E esse trabalho será realizado em conjunto com todos os diretores que foram empossados neste ato”, disse Eumauri. Trajetória Eumauri Lúcio da Mata é investigador de Polícia aposentado. Trilhou sua carreira atuando ao lado de policiais civis que fizeram história na Instituição, na região de Ribeirão Preto. Integrou equipes que se destacaram na atuação em casos de repercussão. Nascido em São Simão em 31 de outubro de 1948, Eumauri sempre se destacou pelo engajamento sindical. Foi um dos fundadores e membros mais atuantes da Apocirp (Associação dos Policiais Civis de Ribeirão Preto e Região), considerado o embrião do Sinpol. O primeiro presidente do sindicato foi Carlos ELEITA É EMPOSSADA tra. No final, derrotei a todos”, orgulha-se Eumauri. A chapa vencedora tem os seguintes integrantes: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata; Vice-Presidentes: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Ricardo Contim, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luís Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório, Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Diretores-Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello; Diretores-Financeiros: Júlio César Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento; Diretor de Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos; Diretores do Conselho Fiscal: Priscilla Yoshi S. Hashimoto; Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume; Marisa Lélis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Licanor de Campos; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. Alberto Campi, que teve Eumauri como seu Tesoureiro sempre participando das diretorias do Sinpol. Na segunda gestão, o presidente eleito foi José Rubens Vieira, que teve Eumauri como vicepresidente. José Rubens, todavia, renunciou para assumir uma cadeira na Câmara Municipal de Ribeirão Preto e Eumauri assumiu, concluindo o mandato. Em 1995, Eumauri foi aclamado presidente do Sinpol nas eleições, realizadas em setembro. Em 1998 ele foi reeleito. Obteve nova vitória em 2001. No ano de 2004, Eumauri resolveu não concorrer, indicando e elegendo Antonio Carlos Sampaio como seu sucessor. Em 2007 desligou-se da chapa de Sampaio, que tentava a reeleição, ingressando na chapa de Maria Alzira da Silva Corrêa, dedicandolhe total apoio e elegendo-a. A investigadora Maria Alzira, que tinha Eumauri como presidente do Conselho Fiscal em sua chapa, tornou-se a primeira mulher a presidir o Sinpol. Em 2010, Eumauri, desta feita como vice-presidente, novamente apoiou Maria Alzira e ela reelegeu-se. Em outubro de 2012 a presidente do sindicato renunciou e Eumauri assumiu mais uma vez a presidência do Sinpol. Entre 25 e 29 de novembro de 2013, ele disputou e venceu mais uma vez as eleições, ratificando pela sexta vez o seu mandato frente ao sindicato. “Nunca perdi uma eleição na história do Sinpol. Já elegi e reelegi três presidentes em quatro mandatos. E sempre que fui às urnas também fui vitorioso. Isso me dá forças para continuar trabalhando, pois sinto que o que desempenhamos aqui, frente ao Sinpol, que é um sindicato forte, respeitado, de credibilidade, tem tido a aceitação da categoria. Vale destacar que esta última eleição foi uma das mais difíceis que enfrentei, pois com exceção do primeiro presidente da história do Sinpol, Carlos Alberto Campi, todos os demais e alguns diretores de minha gestão anterior se voltaram con- O presidente da comissão que cuidou do processo eleitoral, dr. Benedito Grillo (esq.), dá posse ao presidente eleito do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata Foto: Anissa Verônica Felippini 02 Janeiro-Fevereiro/2014

[close]

p. 3

EFETIVO GOVERNO ANUNCIA CONCURSOS Assessoria de Imprensa da SSP divulga que serão disponibilizadas mais de 3 mil vagas para a Polícia Civil e para a Polícia Técnico Científica As polícias Civil e Técnico-Científica estão selecionando candidatos para 3.381 vagas em diversos cargos, na maior contratação já feita na história das duas instituições. A maior quantidade de vagas é para investigador da Polícia Civil. As inscrições para o concurso que vai contratar 1.384 investigadores começam nesta segunda-feira (13) e vão até o dia 14 do mês que vem. Também estão abertas inscrições para vagas de delegado (129), perito criminal (447) e escrivão (788). Outros seis concursos já abertos ainda vão selecionar médicos legistas, técnicos de laboratório, fotógrafos técnico-periciais, desenhistas técnico-periciais, atendentes de necrotério e auxiliares de necropsia. As inscrições para estes concursos serão abertas entre fevereiro e maio. Para todas as vagas é necessário ter idade igual ou superior a 18 anos, não registrar antecedentes criminais e estar em dia com as obrigações eleitorais e militares. As informações sobre o local, data e horário das provas serão divulgadas no Diário Oficial do Estado e também estarão disponíveis nos sites da Polícia Civil e da Vunesp. As contratações fazem parte do “São Paulo Contra o Crime”, um conjunto de ações estratégicas, anunciado em maio do ano passado pelo governador Geraldo Alckmin, que visa diminuir os crimes e valorizar as polícias. O investimento anual do Governo do Estado com as contratações será de R$ 305 milhões. Saiba mais sobre os concursos que já estão com as inscrições abertas pelo site da Vunesp. A taxa para se inscrever é de R$ 63,92. Algumas datas podem ter sido alteradas após o fechamento desta edição e o ideal é consultar o site da Vunesp. Perito criminal Estão abertas inscrições para a prova que vai preencher 447 vagas de perito criminal para quase todo o Estado. As inscrições puderam ser realizadas até às 16 horas de 13 de janeiro. Conforme o edital, o salário inicial para o cargo é de R$ 7.516,02, acrescido de gratificação. É necessário ter graduação de bacharel em cursos específicos. Delegado O concurso para delegado da Polícia Civil de São Paulo estave com inscrições abertas até o dia 24 de janeiro, mas foi prorrogado até 24 de fevereiro de 2014. Conforme o edital, serão destinadas 25% das vagas para a Capital, 25% para a Grande São Paulo e 50% para o Interior. Entre outros requisitos, o profissional precisa ter diploma de bacharel em Direito. Investigador As inscrições para o concurso que vai selecionar 1.384 investigadores foram abertas no dia 13 de janeiro e vão até o dia 14 de fevereiro. O salário inicial para o cargo é de R$ 3.160,08, correspondentes à soma dos valores do salário-base e da Gratificação pelo Regime Especial de Trabalho (RETP). Serão destinadas 25% das vagas para a Capital, 25% para a Grande São Paulo e 50% para o Interior. Escrivães Abertas no dia 06 de janeiro, as candidaturas para o processo seletivo de escrivão vão até o dia 31. O salário inicial do escrivão também é de R$ 3.160,08, incluindo gratificação. A distribuição das vagas também será de 25% para a Capital, 25% para a Grande São Paulo e 50% para o Interior. Fonte: Assessoria de Imprensa e Comunicação da Secretaria da Segurança Pública, com adaptação EUMAURI CRITICA DEMORA E FALTA DE TRANSPARÊNCIA O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, criticou o governador Geraldo Alckmin pela demora na realização dos concursos. “Há muito tempo temos falado da aberração enfrentada pela Polícia Civil, com um enorme déficit no número de funcionários em nossos quadros. Principalmente no interior do Estado. Faltam policiais em todas as carreiras e constantemente temos cobrado isso. Agora ele anuncia a contratação com toda a pompa. Mas até que os aprovados sejam devidamente treinados e incorporados, a penúria vai continuar. Além disso, o número, a meu ver, é insuficiente. Vai continuar faltando funcionários. Outra questão a ser observada nesse concurso é que ele está prometendo apenas 50% das vagas disponíveis para o interior, no caso das carreiras de delegado, investigador e escrivão. Quer dizer, mais de 500 municípios vão disputar ‘a tapa’ 65 delegados, 394 escrivães - a carreira com maior carência de recursos humanos - e 692 investigadores. Muito pouco para a nossa necessidade. Isso sem contar que não há transparência para saber como essas vagas serão destinadas para os departamentos. Além do mais, o governo vem com essa mentira de maior contratação na história das duas instituições. Pode até ser na da Polícia Técnico-Científica, mas não na da Polícia Civil. Já tivemos outros concursos com maior número de contratados”, disparou Eumauri. Janeiro-Fevereiro/2014 03

[close]

p. 4

EDITORIAL EXPEDIENTE AQUI O técnico Muricy Ramalho, que já passou por grandes clubes do futebol brasileiro e esteve cotado até mesmo para assumir a seleção brasileira, costuma soltar um bordão que faz sucesso: “aqui é trabalho”. Pois este bordão pode sintetizar claramente o que vai ocorrer no Sinpol neste novo mandato que acaba de se iniciar. Para toda a diretoria, aqui é trabalho. Nossa meta não é fazer promessas, mas mostrar serviço. Tivemos uma expressiva votação, o que demonstrou o reconhecimento dos associados em relação ao nosso trabalho desempenhado no Sinpol. Inicialmente gostaria de agradecer a todos pela confiança em meu grupo depositada. E tenham certeza de que faremos todo o possível para atender aos anseios não somente daqueles que votaram em nossa chapa, mas de todos os associados. E o ano começa já a todo vapor. Teremos um ano atribulado, com Copa do Mundo e eleições. Sobre o primeiro tema, não há muito que falar, num País onde há gente passando fome, necessitando de investimentos em saúde, segurança e educação e investimentos bilionários em estádios para a Copa do Mundo. Já sobre as eleições, nunca é demais alertar aos associados: cuidado em quem vai votar. Agora é a nossa hora. Temos o instrumento nas mãos para punir aqueles que nada fizeram por nós. Ou os que muito fizeram contra nós. Façamos isso de forma consciente. Discuta, É TRABALHO do Sinpol, mas vamos honrar os compromissos e concluir uma das mais importantes conquistas do Sinpol para toda a região. Inicio minha sexta gestão à frente do Sinpol. A minha ideia é que seja a última como presidente. Mas posso garantir que, enquanto tiver forças, minha atuação será como sempre foi frente ao Sinpol. Se eu puder ajudar, ajudarei. Se não puder, não pretendo iludir o associado. Mas vou lutar por nossos direitos, por novas conquistas, para que os benefícios assegurados sejam cumpridos afinal, com o governo é sempre bom lembrar que Lei é para ser cumprida. Sempre que for possível, vou levar companheiros junto de nossos encontros, de nossas reuniões, pois, além de legitimar uma determinada reivindicação, serve também para mostrar nossa forma transparente de trabalhar, de fazer sindicalismo. Agradeço, por demais, a confiança em minha equipe depositada. Peço a todos que façam um grande exame de consciência antes de escolher um candidato. Pense no que ele fez por nós e o que ele poderá fazer. Temos que mostrar nossa força. No mais, desejamos a todos um grande ano, com uma única constatação: aqui é trabalho. EUMAURI LÚCIO DA MATA Presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) analise, converse em seu local de trabalho. A dança das cadeiras deve começar em breve. Os deputados que compõem a equipe de governo ou dão sustentação a Alckmin vão se afastar para buscar serem reeleitos. Agora é a hora de cobrarmos compromissos verdadeiros. Comenta-se que, após a Copa do Mundo, o governador deverá recepcionar a Lei 51/85, assim como a reestruturação do serviço policial. Para que isso não seja mais uma “isca” em busca de votos, cabe a nós nos unirmos. O Sinpol estará presente nos gabinetes, nos comitês eleitorais, nas Secretarias de governo, sempre buscando defender nossos interesses. Se em 2011 e 2012 Alckmin nos surpreendeu ao dar reajuste antes mesmo que nossa campanha salarial engrenasse, em 2013 houve uma decepção total em relação à Segurança Pública. Pois isso não vai se repetir em 2014. Posso garantir que o governador não terá vida fácil. Onde ele estiver e possível for, estarei presente para lembrá-lo de seus compromissos, de suas pendências para com os policiais civis. Temos um trabalho imenso pela frente e isso nos motiva a ir em frente. Também neste ano, pretendemos concluir a obra da construção de nossa futura sede social. A obra segue de acordo com as nossas possibilidades. Não vamos comprometer a saúde financeira O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: sinpolrp@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Ricardo Contim, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luís Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório, Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello. Diretores Financeiros: Júlio Cesar Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento. Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos. Conselho Fiscal: Prisclia Yoshi S. Hashimoto, Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Licanor de Souza Campos; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR CHEFE: Júlio Castro REPORTAGENS: Mariana Araújo Parras Luque Hugo Luque O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Sub Ten Res PM Oswaldo Bonfim DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça Vanderlei Garcia da Costa Antonio Pereira Alvin Marcos Antonio Fernandes Israel Leal de Souza EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. Opinião do leitor Saudações dr. Ricardo Ibelli, e a Diretoria do Sinpol, quero parabenizá-lo pela sua vitória e também a iniciativa do Sinpol em promover a ação judicial sobre o reconhecimento à aposentadoria especial em favor de seus associados, que referida ação judicial deferida favorável, está circulando na rede social Facebook com informações sobre o seu reconhecimento. Carlos Cesar Costa, investigador em Barretos Notas Recadastramento Para atualização de dados e de situação profissional, principalmente dos recémaposentados, o Sinpol está promovendo um recadastramento de todos os associados. Participe do recadastramento e garanta o recebimento de toda correspondência que enviamos, procurando a Secretaria do Sinpol, ou enviando e-mail para secretaria@sinpolrp.com.br. Pensionistas O Sinpol solicita às pensionistas que verifiquem seus holerites, pois há informaNovos Associados ções de que a SPPrev não tem efetuado corretamente os pagamentos no que diz Associaram-se ao Sinpol, nos meses de dezembro de 2013 e janei- respeito aos 7% de reajuste. Algumas pensionistas não têm direito ao aumento, ro de 2014, os seguintes policiais civis: porém a SPPrev tem cometido erros. Qualquer dúvida, entrar em contato com a - Rogério Batista da Silva, carcereiro; Central de Atendimento do Sinpol, pelo telefone (16) 3612-9008, falar com Fátima, - Maria Aparecida Alves da Silva, investigadora; para esclarecer a situação. - Carlos Alberto Lopes Martins, delegado; Para quem pretende se aposentar - Marcelo César Cercovia, investigador; A diretoria do Sinpol alerta os associados que pretendem se aposentar pela Lei - Hélio Aparecido Gomes, carcereiro; Complementar 1062/2008, que perdas podem ocorrer e solicita aos interessados que - Renato da Silva Bueno, investigador; entrem em contato com seus diretores para saber quais serão suas perdas imediatas. - Edson Pereira da Costa, investigador; Maiores informações na sede social do sindicato, à Rua Goiás, 1697 ou através da - Antonio Carlos Prates, investigador; Central de Atendimento Sinpol, pelos fones (16) 3625-3890, 3612-9008 e 3979- Wagner Queiroz de Brito, escrivão; 2627. - Mayumi Tobace, escrivã; Atenção - Zaqueos Rodrigues da Silva, agente policial; O Sinpol comunica aos associados que está entrando com as ações referentes à - Sonia Luzia de Aguiar Monteiro, escrivã. incorporação do ALE (Adicional de Local de Exercício) e do GAP (Gratificação de A diretoria do Sinpol dá boas vindas aos novos associados e está à Atividade Policial), Sexta Parte, Quinquenal (recálculo) e U.R.V. (Unidade Real de disposição de todos os policiais civis que quiserem integrar o quadro Valor). Quem tiver interesse, favor entrar em contato com a Central de Atendimento associativo do sindicato. Sinpol, pelos fones (16) 3625-3890, 3612-9008 e 3979-2627 para obter maiores informações. O Sinpol deixa claro que não haverá problema algum de entrar com Aposentados esta ação, pois a que foi ingressada em relação ao ALE foi um Mandado de SeguranAssociados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposenta- ça. Futebol dos em dezembro de 2013 e janeiro de 2014: Desde o dia 07 de janeiro de 2014, a diretoria do sindicato está promovendo, na - Mauro Antonio Coraucci, delegado de Polícia de 2ª Classe; Chácara do Sinpol, partidas de futebol. Todas as terças-feiras às 19h30 e todos os - José Luiz Tor, investigador de Polícia de 1ª Classe; - Maria do Rosário Leone Figueiredo Agostinho, escrivã de Po- sábados, 9h00, todos os associados estão convidados a participar. A diretoria informa que os policiais civis terão prioridade mas, ocasionalmente, poderá haver convilícia de 1ª Classe. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhan- dados não policiais. Os interessados em participar devem comparecer ao local. A tes carreiras, desejando-lhes poder usufruir seus merecidos descan- diretoria conta com a presença dos associados. Qualquer dúvida pode ser esclarecida com o diretor Décio, fone (16) 99258-0060. sos com muita saúde e alegria. 04 Janeiro-Fevereiro/2014

[close]

p. 5

DGP ESTADO O DOE (Diário Oficial do Estado), publicou na edição de quarta-feira, 15 de janeiro de 2014, a relação dos delegados promovidos por merecimento e antiguidade em todo o estado de São Paulo. No total, foram promovidos pela DGP (Delegacia Geral de Polícia) 95 delegados, dos quais nove foram para a Classe Especial, 29 para a 1ª Classe e outros 57 para a 2ª Classe. Entre os que atuam ou atuaram na região, figuram sete promovidos. O Seccional de Ribeirão Preto, dr. Adolfo Domingos da Silva Júnior foi promovido à Classe Especial. O exSeccional de Casa Branca, que atualmente trabalha na Capital, dr. Antonio Luís Tuckumantel, também foi promovido a delegado de Classe Especial. PROMOVE 95 DELEGADOS Fotos: Arquivo Delegacia Geral divulgou relação dos delegados que foram promovidos no início de 2014 O titular da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de São Carlos, dr. Edmundo Ferreira Gomes; o delegado assistente do 1º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto, dr. José Gonçalves Neto; o delegado do 2º DP (Distrito Policial) de Franca, dr. João Walter Tostes Garcia e o titular da Delegacia Municipal de Orlândia, dr. Luís Carlos Silveira, foram promovidos para delegados de 1ª Classe. O titular da DIG de Franca, dr. Márcio Garcia Murari, foi promovido a delegado de 2ª Classe. Apesar da publicação da lista dos delegados promovidos, até o fechamento desta edição nenhuma mudança entre os delegados citados e os demais promovidos foi anunciada pela DGP. Dr. Neto (acima), do 1º DP de Ribeirão Preto; e dr. Edmundo (esq.), da DISE de São Carlos, estão entre os delegados promovidos em janeiro de 2014 CARNAVAL NO SINPOL com suas deliciosas porções, além de cerveja e refrigerante bem gelados para atender a todos. Maiores informações na sede social do sindicato, à Rua Goiás, 1697 ou através da Central de Atendimento Sinpol, pelos fones (16) 3625-3890, 3612-9008 e 3979-2627. A todo vapor A frequência dos associados na Chácara do Sinpol, durante o verão, aos finais de semana, tem sido intensa. Segundo o vice-presidente do sindicato, Célio Antonio Santiago, principalmente nos finais de semana policiais civis e familiares recorrem ao espaço em busca de lazer, atividades e convívio com os colegas. “As pias das churrasqueiras foram trocadas e oferecem mais comodidade. Além disso, a cantina oferece porções, refeições e bebida gelada”, adianta Célio. Durante o horário de verão, a Chácara do Sinpol funciona de quarta-feira a domingo, das 8h00 às 19h00. A partir de 19/02/2014 o funcionamento volta ao normal, das 8h00 às 18h00. A diretoria do Sinpol, recentemente como também integração social. E a primeira Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri empossada, já está trabalhando para oferecer grande festa do ano na Chácara do Sinpol será Lúcio da Mata, os diretores e funcionários ao associado não somente ações sindicais, o sensacional Carnaval do Sinpol. estão se empenhando para oferecer o melhor para os policiais civis associados durante o Reinado de Momo. O ambiente será animado com marchinhas de carnaval e o associado vai poder usufruir de toda a infraestrutura da Chácara do Sinpol. “Queremos que o associado usufrua de Diretoria quer seu patrimônio. Nossa Chácara do Sinpol é aproveitar que é um local maravilhoso, um ambiente familiar e cada vez maior a frequência de aconchegante, com opções como quadras, associados para piscinas, salão de jogos, num local onde é proporcionar um possível realizar uma grande festa de confrados melhores ternização. Nada melhor do que o Carnaval, carnavais na história da ocasião em que muitos companheiros podeChácara do rão aproveitar para reencontrar os amigos. VeSinpol nham festejar conosco”, convida Eumauri. O Carnaval do Sinpol ocorre nos dias 01, 02 e 04 de março, das 14h00 às 22h00. Neste Foto: Arquivo período, a cantina funcionará normalmente Janeiro-Fevereiro/2014 05

[close]

p. 6

ESPECIAL POLICIAIS CIVIS APROVAM REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Foto: Reprodução Maioria dos ouvidos em pesquisa informal realizada pelo Jornal do Sinpol defende mudanças para conter crimes praticados por menores os frequentadores e funcionários da padaria desesperados. Poucos minutos depois, não resistindo aos ferimentos, o pastor morreu. O crime chocou Ribeirão Preto e, naquela ocasião, como agora, suscitou a discussão em torno de um tema recorrente: a redução da maioridade penal. Boa parte da população brasileira defende a redução, por conta do número cada vez maior de menores participando de crimes, principalmente os crimes violentos e o tráfico de drogas, apostando na impunidade ou em penas consideradas brandas, principalmente pelas Circuito interno filmou ação de menores durante assalto vítimas dessa violência. São muitos a padaria, que resultou na morte de pastor evangélico os casos que atestam isso: o menor é apreendido e, pouco tempo depois, está de volta às ruas. A minoria contrária à redução da maioridade peomo de costume, o pastor evangélico Newton Cesar Reyde apanhou sua filha na saída da escola, nal, todavia, apresenta fortes argumentos a seu favor. após realizar um culto evangélico na Igreja Missionária Para alguns, é preciso recuperar o infrator, seja ele Unida, onde atuava. Era noite de 12 de março de 2013. menor ou maior de idade e isso, claramente, o sistema Reyde, muito querido pela comunidade dos Campos penal brasileiro não tem feito. Os casos de reincidênElíseos - bairro da zona norte de Ribeirão Preto -, cia no crime são cada vez mais constantes. Além disseguiu para uma padaria onde estava acostumado a so, os defensores da atual maioridade penal aos 18 fazer algumas compras antes de seguir com a filha anos destacam a realização de ações sociais que efetivamente tirem os menores do crime. para sua casa. As alegações de ambas as partes são muitas e já A filha adolescente ficou no carro enquanto o pai entrou para comprar pão. Enquanto aguardava o aten- conhecidas da grande parte da população. A principal dimento, recebeu uma chamada e atendeu o celular. delas é de que os maiores de idade começaram a recruNeste mesmo momento, dois menores de idade entra- tar os menores de idade para praticar crimes ou assuram no estabelecimento e anunciaram um assalto. Um mir a culpa, livrando-os de condenações mais pesados menores estava armado e o outro iniciou a coleta das, deixando os menores pagarem pelos crimes, o dos produtos roubados, enquanto o outro dava co- que ocorreria, geralmente, até os 18 ou, dependendo, bertura, ameaçando as pessoas que estavam próximas 21 anos de idade. Com o decorrer dos anos, todavia, muitos menoao caixa. Mais afastado, o pastor sequer percebeu que es- res passaram a comandar o crime, tendo os maiores de tava acontecendo o assalto, quando o comparsa que idade como seus “soldados”. O fato é que a sociedade recolhia os valores das vítimas, arrancou-lhe o celular. está cada vez mais cansada dessa situação e começa a Reyde, sem entender o que estava acontecendo, foi se mobilizar para que haja mudanças, sejam elas em atrás do assaltante, que fugiu em direção ao caixa. Ao relação à redução ou não da maioridade penal, em se aproximar do outro assaltante armado, foi cruel- ações sociais que proporcionem horizontes aos menores de idade ou ainda à construção de centros de mente alvejado por três tiros. Os dois fugiram, deixando Reyde caído no chão e reabilitação que realmente recuperem os infratores. No meio de toda esta situação, os policiais civis têm participação ativa no que tange os crimes praticados pelos menores de idade. São eles quem, normalmente, apreendem e interrogam os menores e os encaminham para as autoridades competentes, que decidem pelas medidas socioeducativas ou simplesmente os destinam aos cuidados de seus pais. Na questão envolvendo a morte brutal do pastor evangélico ocorrida em março deste ano, o crime foi esclarecido pela DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto. Os dois acusados foram identificados menos de 24 horas depois te terem assassinado o pastor. E os policiais civis que participaram da apuração relataram que neste, como em outros casos, a frieza e o conhecimento do ato que praticaram por parte dos menores chega a assustar. Diante dessa situação, o Jornal do Sinpol fez uma pesquisa informal, ouvindo policiais civis de vários DPs (Distritos Policiais) de Ribeirão Preto, delegacias especializadas, além de policiais civis da região, como São Carlos, São Joaquim da Barra, Franca e Luiz Antonio, entre outros. Na pesquisa, foram ouvidos aleatoriamente 86 policiais civis. Destes, 80 são favoráveis a mudanças na penalização dos menores infratores. Apenas seis se mostraram totalmente contrários à redução da maioridade penal. Na verdade, o que os policiais civis defendem é a tipificação do crime cometido pelo menor. A grande maioria dos entrevistados que defende a redução da maioridade penal prefere, na realidade, que o menor pague pelo crime que cometeu de acordo com a gravidade do ilícito penal. Se for um homicídio, que não seja solto no máximo três anos depois do fato. Que cumpra um tempo maior. E que se criem instrumentos eficientes para a recuperação de todos os menores infratores. O chefe dos investigadores do 3º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto, Wesley Prudente, está na Instituição há 25 anos. Ele acha que além da redução da maioridade penal, haveria a necessidade de se impor o cumprimento integral da pena do crime ao qual o menor foi condenado. “Não adianta apenas o julgamento e apena imposta se, por conta de recursos jurídicos, o menor acaba voltando para as ruas sem cumprir a pena efetivamente. No caso de uma prisão em flagrante, por exemplo, o autor, seja menor ou maior, deveria continuar preso até o julgamento”, destaca. O titular da DISE (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto, Ariovaldo Torrieri, defende que se efetue um estudo aprofundado para definir qual a idade ideal para instituir a maioridade penal. “A partir do estágio cognitivo, isto é, o quanto ele tem conhecimento do que faz, entrar em consenso nacional para estipular a maioridade”, defende o dr. Torrieri. Daniel, investigador chefe da DISE de Ribeirão Preto disse que sua equipe percebe claramente que a maior parte dos crimes praticados por menores de C Na opinião do titular da DISE de Ribeirão Preto, dr. Ariovaldo Torrieri, é necessário realizar um estudo aprofundado para definir a idade ideal da maioridade penal 06 Janeiro-Fevereiro/2014

[close]

p. 7

idade são praticados pela certeza de impunidade. “Além dos menores serem usados para executar crimes e os maiores não serem responsabilizados. A redução poderia ajudar”, acrescenta Daniel. O delegado Luiz Geraldo Dias, acredita que “os crimes praticados pelos menores deveriam ser julgados pelo critério biopsíquico socioeconômico, que é o aplicado nos Estados Unidos. O adolescente pratica um crime e ele é mandado diretamente ao judiciário, onde ele passa por uma junta de psicólogos, promotores e juízes que definem seu caráter e estado psicológico, mais o grau de educação para se verificar o grau de entendimento, saindo daí a pena. Se for leve, pode cumprir em regime aberto, mas se for algo grave, vai cumprir em regime fechado toda a pena, ficando numa instituição para menores até atingir a maioridade e, então, sendo transferido para uma unidade prisional adulta”, destaca o delegado, que acrescenta: “no Brasil é necessário a adequação do ECA [Estatuto da Criança e do Adolescente]”. Crescimento Segundo levantamento realizado pela Fundação Casa - órgão responsável pelo acolhimento dos menores infratores -, 80% dos internos em regime fechado cometeram crimes de roubo - inclusive latrocínio, que é o roubo seguido de morte - ou tráfico. Além disso, nos primeiros seis meses de 2013, o número de menores apreendidos no Estado subiu 20% em relação ao ano anterior. Os dados foram divulgados pela imprensa e, novamente, mobilizaram a opinião pública, amplamente favorável à redução da maioridade penal. Entre os policiais civis, todavia, apesar de serem poucos, há os que defendem a manutenção da idade atual. É o caso do investigador Reginaldo Cabral Calil, do 5º DP de Franca. “Acho que o principal é criar um estatuto [ECA] forte, eficiente. Não sou favorável à redução. Até porque isso iria onerar o Estado, pois o atual sistema prisional não dá conta de vagas para os adultos condenados. Teriam que arrumar instituições à parte. Precisamos sim de um Código Penal forte, um Estatuto eficiente, uma legislação forte, além de um trabalho sócio educativo”, defende Kalil. Dias antes de o Jornal do Sinpol iniciar a apuração de dados para a reportagem e motivados pelos fatos constantes envolvendo menores de idade, que todos os dias ocupam as páginas dos jornais e os espaços dos noticiários da televisão, os policiais civis passaram a discutir essa questão em seus ambientes de trabalho. Na Delegacia do Idoso em Ribeirão Preto isso ocorreu em função de um roubo praticado diante dos policiais. Uma senhora que havia acabado de deixar a delegacia foi assaltada por um menor de idade. Ela correu de volta para o local e alertou os policiais que já estavam saindo na captura do infrator quando o viram passando calmamente em frente à unidade, do outro lado da rua. Os policiais civis conversaram informalmente e por consenso, todos demonstraram ser favoráveis à redução da maioridade penal. Fato semelhante ocorreu na DISE de Ribeirão Preto. Grande parte dos crimes envolvendo tráfico de drogas conta com a participação de menores, seja no comando, seja integrando o ilícito. Na DISE também os policiais civis foram unânimes ao defender a redução da maioridade penal. Contadora grávida No mês de agosto de 2013, policiais civis do 5º DP de Ribeirão Preto descobriram uma quadrilha de traficantes. Todos eram menores de idade. Entre eles havia uma adolescente de 15 anos, em fase final de gravidez, que controlava a contabilidade do tráfico. Os menores estão cada vez mais presentes neste cenário. Segundo o titular da DISE de São Carlos, dr. Edmundo Ferreira Gomes, é cada vez maior a participação de menores no crime. “Em tese sou favorável à redução. Que o menor responda pelo que praticou se ele tiver capacidade e conhecimento. Hoje, aos 16 anos, os menores têm pleno conhecimento do que fazem. Até mesmo aos 11 anos, com os meios de comunicação municiando-os de informações, a criança tem discernimento do que é certo e do que é errado. Portanto, se o adolescente tem discernimento, deve ter responsabilidade, deve ser responsabilizado”, pondera o delegado. A questão é bastante polêmica, principalmente porque a punição aos menores infratores não significa que haverá recuperação do indivíduo para a sociedade. Mas a opinião pública está cansada dos desmandos praticados pelos menores e pela impunidade em diversos crimes praticados. As vítimas que perdem seus familiares, mortos por menores ensandecidos, muitos dos quais sob o efeito de drogas, que praticam crimes e banalizam a vida. Grande parte dos policiais civis ouvidos pela pesquisa informal revela que os menores não demonstram arrependimento ou, sequer, compaixão pela vítima ou por seus familiares. Eles agem de forma fria, relatando muitas vezes atrocidades com riqueza de detalhes que chega a chocar o mais experiente dos policiais civis. Carona mortal Ídolo do Botafogo de Ribeirão Preto na década de 1980, Pedrinho Retiroti era uma pessoa muito querida na cidade. De bem com a vida, tratava as pessoas de forma gentil e atenciosa. No dia 21 de agosto de 2013 ele estava em seu veículo na via de acesso à rodovia Antonio Duarte Nogueira, próximo a um Shopping na zona sul da cidade quando foi abordado por dois rapazes. Eles entraram no veículo após apontarem uma arma e anunciarem o assalto. Pouco depois um dos elementos disparou covardemente contra Pedrinho, que morreu na hora. A dupla parou o veículo para jogar o corpo no acostamento, quando foram vistos por uma mulher, que imediatamente acionou a Polícia. Os dois fugiram e, pouco depois, foram capturados. Durante o depoimento eles confessaram friamente o crime. Os dois eram menores, com 14 e 17 anos. Tanto neste crime, que chocou a região, quanto na morte do pastor evangélico citado no início da reportagem, há mais coincidências do que o fato de em ambos serem casos de latrocínio e praticados por menores. Nas duas ocorrências os menores já tinham passagens anteriores. Nos dois casos eles já haviam sido apreendidos por roubo, furto e tráfico de drogas. O objetivo da reportagem não é fazer apologia à redução da maioridade penal. A meta é mostrar o pensamento dos policiais civis, diretamente envolvidos na apuração dos crimes praticados pelos menores e na coleta dos depoimentos. São os policiais civis quem apreendem os menores e os encaminham aos órgãos responsáveis por sua destinação. Mas o grande objetivo é suscitar o interesse em discutir a questão e cobrar dos políticos medidas mais efetivas não só na questão da punibilidade, como também na recuperação de criminosos menores ou maiores de idade e na geração de oportunidades para todos, indistintamente, independente de classe social, cor da pele ou credo religioso. A delegada do 8º DP de Ribeirão Preto, dra. Sílvia Cristina Carretto defende a redução da maioridade penal, desde que a Lei seja efetivamente aplicada Para o investigador chefe do 3º DP de Ribeirão, Wesley Prudente, em caso de flagrante o menor suspeito deveria continuar preso até o julgamento Segundo a escrivã Doracy Alves da Silva, todo adolescente já sabe o que está fazendo e pode votar, portanto já tem discernimento do que é certo ou errado Janeiro-Fevereiro/2014 07

[close]

p. 8

MUITO A partir do dia 05 de novembro de 2013 a rotina no prédio onde estão instalados, em Ribeirão Preto, o 1º DP (Distrito Policial), o 1º Plantão de Polícia, a Central de Flagrantes e a DIG (Delegacia de Investigações Gerais) mudou radicalmente. Por conta das investigações no caso do menino Joaquim as atenções de Ribeirão Preto, da região e de todo o País se voltaram para o prédio quase centenário localizado na esquina das ruas Duque de Caxias com Marcondes Salgado, no centro da cidade. Durante semanas a fio, jornalistas e curiosos davam plantão permanente na frente do prédio à espera de informações do caso que comoveu o País e teve repercussão até mesmo no exterior. O menino Joaquim Ponte Marques desapareceu misteriosamente de sua casa, no Jardim Independência. A DIG entrou imediatamente no caso e as suspeitas se voltaram para o padrasto do garoto, Guilherme Raymo Longo e para a mãe de Joaquim, a psicóloga Natália Mingoni Ponte. Segundo o titular da DIG, dr. Paulo Henrique Martins de Castro, o caso movimentou a especializada, mas os trabalhos continuaram e o número de esclarecimentos e investigações se mantiveram em alta. “A Polícia Civil não pode parar e mantivemos nossa rotina de trabalho”, esclareceu o dr. Paulo. O chefe dos investigadores da DIG, Adailton José Ferreira da Silva, admitiu que, em alguns momentos, a grande presença de jornalistas e curiosos chegou a atrapalhar. “Havia o clamor popular e também a necessidade do deslocamento de policiais civis. Ele ficou detido em Barretos e ela em Franca. Sempre que necessário, policiais tinham que se deslocar até essas cidades. Mas o trabalho, no geral, foi mantido, graças ao esforço de todos os integrantes da DIG”, acrescentou Adailton. De acordo com o delegado, a importância do ALÉM DOS HOLOFOTES O movimento constante na porta da DIG em busca por novas informações sobre o caso do menino Joaquim não foi suficiente para atrapalhar essa investigação e o inquérito foi concluído dentro do tempo determinado, onde o delegado e sua equipe levantaram diversas evidências que incriminavam o padrasto do garoto, que negava a autoria do crime. Diante das evidências, o delegado apresentou denúncia contra Guilherme Longo, que vai responder pela morte de Joaquim. De acordo com as estatísticas da DIG, no mês de novembro foram esclarecidos 33 casos que vinham sendo investigado. No mês de dezembro, mesmo com a presença constante da imprensa e de populares, 46 casos foram esclarecidos. São números expressivos que mostram que, apesar de toda comoção em torno da morte do menino, que teve seu corpo encontrado boiando no Rio Pardo na cidade de Barretos, a mais de 120 quilômetros de onde morava, os policiais civis mantiveram sua rotina, esclarecendo não só o caso mais comentado, como muitos outros envolvendo tráfico de drogas, captura de procurados, mandado de busca, ação de estelionatários, apreensão de produtos falsificados, apreensão de produtos químicos, fechamento de bingos clandestinos e agindo em conjunto com a Secretaria da Fazenda do Estado em apreensões na região, entre outras ações. “As circunstâncias do caso do menino Joaquim motivaram o clamor popular. Isso interfere em nossa forma de agir na investigação, mas todo crime da DIG é investigado com o objetivo de esclarecer. Nós não nos atemos a um único caso e não paramos nosso trabalho”, destaca dr. Paulo. Atualmente a DIG conta com apenas 21 investigadores, quatro delegados, quatro escrivães e dois carcereiros. Apesar da enorme repercussão no caso do menino Joaquim, DIG de Ribeirão Preto manteve rotina de investigações e esclarecimentos de muitos casos caso do menino Joaquim é a mesma que os outros casos que chegam diariamente à DIG. Ele conta que o objetivo da equipe é esclarecer todos os crimes de autoria desconhecida praticados. As investigações não se limitaram somente ao caso que estava sob os holofotes da imprensa. Entre diversos casos, o delegado destacou que a investigação de um dos casos, por exemplo, levou à prisão de um grupo de pessoas envolvidas em um latrocínio praticado numa chácara, no Recreio das Acácias, no mês de dezembro. Em outro importante trabalho, em dezembro, dos policiais civis, a equipe da especializada investigava um caso de falsificação de defensivos agrícolas. Os policiais civis realizaram uma minuciosa investigação dos envolvidos e chegaram ao local onde o produto era falsificado, na cidade de Franca. Fizeram o levantamento do local e coletaram dados que possibilitaram esclarecer o delito. No local, uma residência na periferia de Franca, funcionava uma mini-indústria onde eram falsificados defensivos agrícolas. Durante a ação, os policiais civis apreenderam rótulos, selos e todo o equipamento necessário para falsificar os produtos utilizados na agricultura. Todo o material apreendido em Franca foi trazido para Ribeirão Preto. Os policiais também esclareceram um caso de tráfico, onde um suspeito seguia de ônibus de São Vicente para Ribeirão Preto. A equipe da DIG passou a investigar uma denúncia recebida e constataram que um homem estaria transportando a droga para a região. Assim que desceu do ônibus, os policiais civis fizeram a abordagem e conseguiram prender não só o traficante, como os outros envolvidos que iriam comprar a droga para revender em biqueiras. Nesta ação, foram apreendidos nove tijolos de maconha. A ação ocorreu no dia 20 de novembro, na rodoviária de Ribeirão Preto. Jornalistas passavam horas na frente da especializada à espera de novidades e, apesar do grande número de pessoas no local, policiais civis deram conta do trabalho e mantiveram a rotina da DIG de Ribeirão Preto 08 Janeiro-Fevereiro/2014

[close]

p. 9

LEVANTAMENTO DO 6º DP DE RIBEIRÃO RESULTA EM PRISÕES Procurando combater a ação de criminosos na região do 6º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto, o titular da unidade, dr. Samuel Zanferdini, iniciou um levantamento para identificar os locais onde frequentemente são encontrados criminosos na região da Vila Virgínia. Com o levantamento realizado pela equipe de policiais civis, o delegado, que também é vereador em Ribeirão Preto, iniciou o planejamento de uma ação. Como o trabalho seria complexo e iria requerer além de um efetivo maior do que o disponível no 6º DP outros recursos, ele entrou em contato com o comando da Polícia Militar para planejar a ação. Além do apoio de policiais militares, ele também solicitou a participação do Canil e do helicóptero Águia na missão. Policiais civis e militares foram a campo no final da madrugada do dia 14 de janeiro de 2014, utilizando 15 viaturas, que se deslocaram para vários bairros que integram a área do 6º DP, como Vila Virgínia, Adão do Carmo Leonel e Parque Ribeirão Preto. “São bairros que estão sob nossa jurisdição e que sabemos que há alguns criminosos que moram ou atuam por lá. Diante disso, nosso objetivo combater e diminuir a criminalidade, buscando envolvidos em atos ilícitos, sobretudo aqueles que já têm mandado de prisão criminal expedido”, explicou dr. Samuel Zanferdini. Para garantir a legalidade da ação, o delegado solicitou mandados de busca e apreensão. No total, seis mandados foram expedidos e cumpridos por policiais civis e militares. A equipe foi a campo a partir das 5h00 do dia 14 e logo os resultados começaram a ser registrados. Dois homens foram presos em flagrante por receptação e um menor foi apreendido e encaminhado ao NAI (Núcleo de Atendimento Integrado). Com eles foram encontrados diversos objetos, principalmente roupas, que teriam sido furtados em uma concessionária de motocicletas localizada na Avenida Portugal, zona sul de Ribeirão Preto, próximo à entrada do bairro Jardim Botânico. O furto teria sido praticado uma semana antes na concessionária que é revendedora de motocicletas de luxo. De acordo com o delegado, as peças foram identificadas porque ainda estavam com etiquetas e com o código de barras. “Infelizmente os presos e o menor apreendido não foram reconhecidos neste caso da concessionária de motocicletas. Diante disso, foram autuados por receptação de produtos roubados. O menor, entretanto, foi reconhecido por ter participado de dois roubos no Royal Park, próximo a Bonfim Paulista”, explicou o dr. Zanferdini. Outro homem também foi indiciado por receptação. Ele estaria com objetos que foram furtados de uma loja no Boulevard, região central de Ribeirão Preto. O rapaz também não foi reconhecido como integrante do grupo que praticou o furto, mas os objetos que ele portava eram da loja que foi vítima de assaltantes. Além de recuperar diversas roupas e objetos, durante a ação os policiais encontraram ainda um quadro de motocicleta, possivelmente produto de roubo e que teria sido desmontada para utilização das peças em outros veículos. A participação do Canil da PM também foi fundamental, segundo o delegado. “Durante incursão em um local conhecido por ser ponto de venda de drogas, um dos cães, utilizando seu faro e treinamento, conseguiu localizar uma porção de drogas escondida. O produto também foi apreendido”. Para garantir que ninguém tentasse fugir do local, o helicóptero Águia cuidou do monitoramento da área sobrevoando os bairros onde a ação aconteceu. A Força Tática também deu apoio em terra aos policiais civis que cumpriram os mandados de busca e apreensão. “Considero essa operação conjunta com a PM um grande sucesso. Apesar de estarem sendo investigados, os furtos nas lojas ainda não tinham pistas mais efetivas. Encontramos o grupo com os objetos e eles irão responder por receptação. O menor foi reconhecido por ter participado em outros roubos. O importante é que isso aumenta a credibilidade do trabalho que a Polícia Civil desenvolve. Além de delegado, sou vereador e tenho uma participação efetiva nas redes sociais. Pude perceber que houve uma satisfação por parte da população, que nos enviou mensagens positivas. Isso acaba gerando uma maior integração da comunidade e, consequentemente, estimulando e aumentando o número de denúncias para que possamos combater o crime”, comemora o dr. Zanferdini. Entre os homens autuados, dois deles não tinham passagens anteriores, porém um já havia sido preso por tráfico de drogas. O titular do 6º DP, dr. Samuel Zanferdini, comandou policiais civis em ação conjunta que resultou em apreensão de drogas e recuperação de objetos roubados em áreas nobres da cidade Janeiro-Fevereiro/2014 09

[close]

p. 10

ANIVERSARIANTES A vida é um milhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar. Feliz Aniversário aos nascidos em março! 1 Wilson Miguel da Silva Ademar Fonseca Júnior Ivaldo Parma Fernandes 2 Reginaldo Cabral Calil Rogério Antonio Segismundo Lahoz Júnior Célia Domingos de Oliveira Sandra Cristina Peguin Garcia Marcilene do Prado Tanganini Daniel Cesar de Oliveira 3 Itamara Cristina Inocente de Paula Marcos Tadeu Casadore Geraldo Vital da Silva Douglas Cardilli 4 José Benjamin de Souza Antonio Nobel Conti Regina Aparecida Ribeiro de Paula Vera Márcia Tertuliano Pereira Antonio Pedro Segnorini Enilza Odete Bonagamba de Almeida 5 Airton Lisi Walter Lodi Júnior Antonio Carlos Rodrigues Leandro Arnaldo José D’Avoglio Filho Silvana Araújo da Fonseca Marisa Paulo da Cunha Sérgio Yukio Hoshiba Vera Lúcia Fermiano dos Santos Silva 6 José Roberto Passeto Vladimir Augusto Silva José Bernardino Alecrin Ovande Garmes Júnior Rodrigo Sertório Rosas 7 Clevis Samuel Lors de Faria Mercedes de Souza Lima Amilton Rinaldi Cruanes Márcia Regina Registro 8 Maria Heloiza de Paula Borges Mariangela Beraldi de Toledo Balsabino Edinir Donizetti Valentin Edivaldo Genesi Paiuca João Batista Tonetto Ana Cristina Nucci Pirondi 9 Antonio José Ipólito Maria Elizabet Ribola Helem de Souza Lima Sílvio Alessandro dos Santos Karina Palmeira Valerine Damásio José Roberto Lopes Filho João Paulo Fonseca Antunes 10 Ronaldo Catalane Andretta Gilmar Ivan de Souza Edison Cardoso Zueff Cláudio Rodrigues Magalhães 1 1 Milton Francisco Cocito Antonio Geraldo Barboza 12 Jorge Eduardo Vasconcelos Sandra Helena Camossa Augusto Coelho Neto Regina Elisa Rudge Bortoli André Luiz Garcia Gonzalez 13 Antonio Luis Nardy de Mattos Barreto Laerte Aparecido Pereira Pláucio Roberto Rocha Fernandes Heber Ademir Fiorelli Wilson Morazotti Júnior 14 Rita de Cássia Ongaro Diogo Maria Emília Gomes de Castro Rafael Martins dos Santos Osmair Freitas dos Santos Isabel Cristina Antunes Ravacci Scoqui 15 Luciano Roberto Sandoval 16 Eurípedes da Silva Stuque Tereza Cristina Soares Chiaretti Faria 17 Clóvis Ferreira de Castro Antonio Carlos Costa Campi Edson Pereira da Costa 18 Nilton Wagner de Oliveira Joselina Maria de Oliveira Carlos Gonçalves Pestana Gisele Aparecida Furlanetto Bruzadin Furlanetto Romualdo José Bertozzi 19 Luiz Carlos Calbello Molina José Angelo Marques José Messias Rotta José Zerbato Nelson Moreira da Silva Juliano Borges José Roberto Zago Gustavo Fragiacomo 20 Antonio José de Faria Maria das Graças da Silva Garcia José Cláudio Gonçalves Sérgio Luís dos Santos Maurício Vieira da Silva 21 Fabiano de Aquino Frigo Marcos Ronaldo Neroni Élcio Gonçalves dos Reis 22 Augusto Alves Moreira José Roberto Gonçalves da Silva Kalinka Cintra Prado Francisco Albertino dos Santos Júnior 23 Rafael Gentil Júnior Aparecida Caineli de Oliveira Alcides Elia Rodrigo Marcelo Silveira Cocito Dimas Lopes dos Santos Luiz Geraldo Dias Marcelo Florêncio Alberto Leandro Cardoso dos Santos 24 José dos Santos Lúcia Helena Soares da Silva Devanir Ferreira de Souza Antonio Carlos Aparecido Bacaro 25 Ronaldo Nogueira de Moura Lauro Souza Simões Sueli Aparecida Rodrigues de Almeida Edvar Minto Luís Eduardo Persigo Halace Antonio Remondini Júnior 26 Pedro Moretti Júnior Luci Helena Rotondo Kobelnik Carlos Alberto Nogueira Aparecido Donizete Galhardo Lúcio José Valenti 27 Cláudia Braga Rogério da Cunha Nogueira 28 João Batista Martins de Mello Tomaz Rafael Scatolin Wilson Beazini Vinícius Menezes de Souza 29 José Tadeu de Figueredo Luiz Flávio Moraes Lawall Fábio Scafi Nogueira Sidney Ferreira da Silva Dener R. Novais Hernandes Oswaldo Ramiro Rugno 30 Lúcia Silva Simões Aldo Kuanzo Nakaza José Luiz Pugliesi Emerson Renato Merlin Manoel Mendes Osse Alexandre Lucas Chaves Afonso 31 Wesley Osvaldo Prudente Daniel Ap. Fernandes Rodrigues Fernando Gonçalves de Oliveira Elizabete Aparecida de Souza Branco MEMÓRIA CAMPEÃO DE 1978 A quadra da antiga Delegacia Regional de Polícia Civil de Ribeirão Preto foi palco de grandes partidas de futsal. Equipes de DPs (Distritos Policiais) e outras unidades se organizavam e disputavam campeonatos. Em 1978, um campeonato muito disputado teve como campeã a equipe do 1º DP. O time que conquistou o título tinha a seguinte formação, na foto oficial do torneio: Em pé, dr. Anivaldo, Palaretti, Darci, Signei e Zé Marajó; Agachados, dr. Jaime, Sasaki, dr. Ibelli e Pessini. Falecimentos A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, os seguintes falecimentos: + Maria Mendes do Carmo Pereira, mãe do perito criminal dr. Benedito Gabriel Fernandes Pereira, ocorrido em 20 de dezembro de 2013; + Dr. Gilberto França, ex-escrivão e advogado do Sinpol, ocorrido em 08 de janeiro de 2014; + Luiza Gelfuso Chiaretti, pai dos policiais civis José Mauro Chiaretti (carcereiro), Dalva Aparecida Chiaretti (escrivã) e Maria de Lourdes Chiaretti (escrivã), ocorrido em 24 de janeiro de 2014; + Maria Aparecida Barbosa Silva, mãe da atendente de necrotério Eni Aparecida Silva Zaccaro, ocorrido em 28 de janeiro de 2014. O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. 10 Janeiro-Fevereiro/2014

[close]

p. 11

JURÍDICO NOVAS O departamento Jurídico do Sinpol continua atuando com rigor em diversas frentes e, sobretudo, na questão que busca garantir aos associados o direito de se aposentarem pela LCF (Lei Complementar Federal) 51/1985, que garante ao servidor o direito de paridade e integralidade. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, o governo do estado de São Paulo é o único em todo o País que utiliza outra lei para tratar da questão da aposentadoria, a LCE (Lei Complementar Estadual) 1062 de 13 de novembro de 2008. “Essa lei, além de inconstitucional, é prejudicial ao servidor, pois não lhe garante a paridade e integralidade e o salário acaba tendo perdas significativas que podem ser irreversíveis para quem aceita se aposentar pela 1062/ 2008”, adverte Eumauri. Diante disso, o Sinpol tem ingressado e obtido sucesso em diversas ações, objetivando o mandado de segurança que garanta a seus associados o direito de se aposentarem pela LCF 51/85, garantindo-lhes então o direito à paridade e integralidade. “O governo do Estado insiste em utilizar a 1062/ 2008 alegando que a Lei 51/85 não teria sido recepcionada pela Constituição Federal (CF) de 1988. Essa é uma visão errônea do governador paulista, que vai contra ao que todo o restante do País entende, inclusive o STJ [Superior Tribunal de Justiça]”, adianta o presidente do Sinpol. Para garantir que seus associados não sejam prejudicados, o Sinpol tem trabalhado em todas as instâncias para que o governo deixe de utilizar a 1062/2008, que prejudica o servidor e faça, a exemplo de todos os demais estados da Federação, o processo de aposentadoria pela LCF 51/85. VITÓRIAS PELA LEI 51/85 dicato para saber a respeito do mandado de segurança. Se todos os requisitos para a aposentadoria já foram atingidos, não há motivos para aceitar a imposição inconstitucional do governo, que só vai acarretar prejuízos financeiros. Nosso departamento jurídico está pronto para atender todos os associados que queiram garantir paridade e integralidade. Lembrando que, mesmo no caso em que o governo recorrer em todas as instâncias, ele jamais conseguirá reverter quando a ação for para o STF, uma vez que lá se entende que a LCF 51/ 85 foi recepcionada pela CF e garante ao servidor o direito à integralidade e paridade. Na dúvida, procure o Sinpol, que teremos prazer em orientar nosso associado e obter mais vitórias para a categoria”, comemora Eumauri. Um investigador de Altinópolis e um carcereiro de Ribeirão Preto foram os novos favorecidos por ação do Sinpol em mandados de segurança que garantem paridade e integralidade Novos beneficiados As vitórias se acumulam, mês a mês. Dezenas de associados do Sinpol já garantiram, graças ao Sinpol, o direito de se aposentarem pela LCF 51/85. Em janeiro, mais dois novos associados obtiveram o mesmo direita. O investigador em Altinópolis, Paulo Sérgio Fernandes da Costa obteve, na 5ª Vara da Fazenda Pública, sentença favorável em primeira instância que lhe garante paridade e integralidade. Ele obteve o mandado de segurança que lhe garante o direito de se aposentar pela LCF 51/85. O juiz, que analisou a solicitação do mandado de segurança, em seu despacho, entendeu que o pedido de aposentadoria voluntária, com proventos integrais por parte do impetrante, que possui mais de 30 anos de tempo de serviço, com mais de 20 anos de atividade estritamente policial, é procedente, diante da norma do artigo 1º, inciso I da LCF 51/85, Lei recepcionada pela Constituição Federal, segundo entendimento firmado pelo STF. Também entendeu que foram preenchidos os requisitos disciplinados pelos artigos 2º e 3º da LCE 1062/2008, o que caberia a aposentadoria especial, reconhecida a paridade constitucional e a integralidade dos proventos. E em sua sentença, o juiz fez o seguinte despacho: “Julgo procedente o pedido para conceder a aposentadoria especial ao autor, com integralidade e paridade remuneratória, com fundamento no artigo 269, inciso I do Código de Processo Civil”, garantindo assim ao investigador Paulo Sérgio o direito de se aposentar. Ainda na 5ª Vara da Fazenda Pública, o Sinpol obteve nova vitória. O carcereiro de Ribeirão Preto, Walter Moraes Braga Júnior, obteve sentença favorável em primeira instância, garantindo-lhe o direito de aposentar-se, através de mandado de segurança, pela LCF 51/85. A sentença seguiu os mesmos moldes e o juiz despachou: “Ante o exposto, julgo procedente o pedido para conceder a aposentadoria especial ao autor, com integralidade e paridade remuneratória, com fundamento no artigo 269, inciso I, do Código de Processo Civil”. Desta forma, o carcereiro de Ribeirão Preto também obteve o direito à aposentadoria com paridade e integralidade através de mandado de segurança. “Foram mais duas vitórias do Sinpol e outras tantas ainda virão. Cabe lembrar a nossos associados que, antes de aceitarem se aposentar pela Lei 1062/2008, procurem nosso sin- Segundo Eumauri, Sinpol vai continuar lutando contra as injustiças da Lei 1062/2008 até que o governo adote a LCF 51/85, que garante paridade e integralidade ao servidor Janeiro-Fevereiro/2014 11

[close]

p. 12

ARTIGO UMA Ele se acostumara com a proximidade do poder. Melhor dizendo, ele se julgava o próprio poder. Pois que, não era ele quem, nos bastidores, ditava, quase sempre, os rumos a serem impelidos na condução das políticas corporativas, assim satisfazendo diretores e acionistas daquela importante empresa de bens de capitais? Não era ele quem – quando as diretrizes imprimidas à condução do conglomerado corporativo se mostravam equivocadas, em desacordo com o que exigia o mercado (sempre o mercado) – manipulava com rara maestria os números disponíveis – acrescentando outros – de molde a transformar – como num passe de mágica – iminentes prejuízos em fantásticos (muito embora imaginários) lucros, assim satisfazendo a todos quantos dependiam das inesperadas e nem sempre bem vindas oscilações do mercado? Por óbvio que havia lá suas compensações, como sempre acreditava este homem que se cria imprescindível às empresas, onde se achava já há bem mais de uma década, verdadeira eminência parda que se tornara, inclusive, é bom que se diga, mercê de sua rara habilidade com os números. Tinha polpudo salário, carro com motorista para seus deslocamentos casaempresa e vice-versa, bônus semestrais – sempre extraordinariamente altos em pertinência com os lucros das empresas (pois que não era ele quem engendrava os “lucros”?) – e cositas mas que a proximidade com o poder propicia: VIDA DESPERDIÇADA Por: Dr. Luiz Carlos Pires (*) p o d e r, a g a r r a v a - s e à i n s i g n i f i c a n t e função a que fora relegado com a consciência de que seria, mais cedo ou mais tarde, defenestrado de vez. To r n a r a - s e u m s e r m a c a m b ú z i o , meditabundo, vagando, muitas vezes, pelos vazios e lúgubres corredores da empresa-mãe, qual alma penada, em horas tardias da noite e, consoante os maledicentes de plantão, entregando-se de forma desarrazoada à ingestão de bebidas alcoólicas... Prenunciava-se triste o fim daquela atormentada criatura que não soubera desvencilhar-se das armadilhas do poder, que tolda a visão dos que somente vivem a maior parte de suas vidas em busca de posições de alto nível no mundo profano (como nos faz lembrar a Sublime Instituição que se ocupa em formar homens justos, perfeitos e de bons costumes), cercando-se de pessoas de duvidosa reputação, de festas e opíparos jantares, onde tudo soa falso, desde os cumprimentos protocolares, e onde se torna difícil, para não se dizer impossível, dada a algaravia reinante, manter-se civilizada e interessante conversação. E todos fazendo o possível e impossível para serem notados por colunista social que por ali perambule... Este é o ambiente em que, por anos a fio, nosso ora infeliz amigo vivera. Vivera sem se dar conta de que tudo nesta vida é efêmero, transitório. Dera exacerbada atenção às coisas materiais, esquecendose de que o que importa são os bens que de graça recebemos do Senhor, os do espírito. Nada contra os que buscam situar-se bem na vida e cercar-se de bens materiais para seu conforto e dignidade. Mas que não se tornem escravos do poder e que a busca do que pensam ser a felicidade não se torne, um dia, pesado fardo a carregar e que exceda às suas forças. Não vale a pena! Quanto ao nosso amigo, dias atrás, fulminante infarto levou-o dessa existência. Que encontre a paz que neste plano não logrou ter. (*) Luiz Carlos Pires é membro da Academia de Letras, Ciências e Artes da AFPESP, da dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo; ex Delegado Regional de Ribeirão Preto; ex Professor da Academia de Polícia “Doutor Coriolano Nogueira Cobra” As situações retratadas nesta despretensiosa crônica não se tratam de mera coincidência... almoços e jantares com os diretores, lugar sempre reservado à mesa principal, há! E o título de “Doutor” com que fazia questão de ser lembrado (muito embora não houvesse provas de que detinha algum doutorado como, por oportuno, lembro-me agora, que há cerca de cinco anos passados, a imprensa de nosso País ocupou-se, com grande dose de ironia, de político que detinha alto cargo na esfera federal, e em cujo curriculum ostentava ser mestre e doutor em economia, o que demonstrou-se, para desconforto do aproveitador e alegria da patuleia, serem inverídicas tais afirmações). Enfim... Mas, voltando ao nosso amigo, que nunca se perguntou se a posição que desfrutava fosse ad aeternum, de um dia para o outro veio a derrocada... Mudanças profundas no Conselho de Administração com consequente queda de diretores que não se afinavam com os novos ritmos impostos ao conglomerado financeiro, o que redundou em perda de cargos àqueles que os assessoravam, inclusive da pessoa de que aqui estamos a tratar. O baque foi deveras grande e as consequências, para nosso amigo, extremamente dolorosas. Já não tinha mais lugar cativo à mesa principal, quando dos ágapes; não mais detinha o título de “Doutor”, pois não é que sequer o cumprimentavam? Nem os ascensoristas dos elevadores! Nosso retratado, outrora tão falante, seguro de si, sobranceiro a mais não 12 Janeiro-Fevereiro/2014

[close]

p. 13

BOA ESPERANÇA DO SUL POLICIAIS Uma grande ação contra assaltantes que praticavam roubos e latrocínios na região da Delegacia Seccional de Jaú foi realizada, no dia 15 de janeiro de 2014 na cidade de Boa Esperança do Sul e reuniu cerca de 30 policiais civis da cidade, da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Jaú e da Delegacia de Polícia de Bocaina. O objetivo era cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão de pessoas que estariam relacionadas com os crimes que vinham preocupando toda a região. Durante a ação, os policiais civis conseguiram prender L.M.A.. R.A.F., P.R.O., P.P.F e R.L. Os três primeiros foram acusados de roubo e latrocínio ocorridos na cidade de Bocaina, cidade localizada entre Jaú e Boa Esperança do Sul. Os outros dois presos foram autuados em flagrante por porte das armas da quadrilha. Além deles, os policiais civis ainda procuram outros três integrantes da quadrilha, que também estão foragidos. Segundo o titular de Boa Esperança do Sul, dr. Ricardo Farah, os policiais civis apreenderam duas espingardas calibres 20 e 28, além de um rifle semiautomático calibre .22 com luneta. Também foi apreendido um revólver calibre .22 e 170 cartuchos intactos do mesmo calibre. Os policiais civis apreenderam também telefones celulares utilizados pelo grupo. A ação A operação dos policiais civis foi planejada a partir do momento que a quadrilha foi inicialmente identificada por envolvimento na tentativa de latrocínio contra Francisco Benedito de Castro, ocorrida no dia 07 de CIVIS PRENDEM ASSALTANTES Os cinco detidos são acusados de roubos e latrocínio ocorridos na região; armas foram apreendidas durante ação que reuniu policiais de Boa Esperança do Sul, Jaú e Bocaina dezembro de 2012, em Boa Esperança do Sul. Na ocasião, a vítima teve seu veículo roubado e os assaltantes efetuaram vários disparos em sua direção, enquanto ele corria. Segundo o dr. Farah, durante a apuração dos fatos constantes no inquérito policial 05/14, os policiais civis suspeitaram que P.R.O., conhecido por Espingarda e M.A.O. estariam envolvidos no crime, pois ambos estavam no estabelecimento da vítima durante o assalto e não sofreram qualquer agressão ou tiveram seus bens roubados pelos assaltantes. As suspeitas se confirmaram quando, através das imagens de um roubo praticado contra um posto de combustíveis às margens da Rodovia SP 255, em Bocaina, M.A.O. foi identificado como o motorista do veículo usado naquela ação criminosa. Era o mesmo veículo roubado em Boa Esperança do Sul dias antes, apesar de já estar sem placas. Desta ação, também foram reconhecidos por testemunhas L.M.A. e R.A.F. Na sequência das investigações, os policiais civis constataram que o mesmo veículo foi utilizado no dia 30 de dezembro de 2013, também na cidade de Bocaina, no latrocínio que tirou a vida de Silvestre Araújo Júnior. No penúltimo dia do ano, o comerciante estava se preparando para fechar seu supermercado, por volta de 22h00, quando os assaltantes chegaram e efetuaram um disparo na direção de sua cabeça. Apesar de socorrido, o comerciante não resistiu aos ferimentos. O grupo acabou fugindo sem levar nada do local. O delegado também informou à imprensa que dois dos integrantes do bando teriam participado do roubo de um cofre da prefeitura de Boa Esperança do Sul, em 2013. Na ocasião, eles foram identificados e indiciados, respondendo por este crime em liberdade. O dr. Farah revelou também que há indícios de que o grupo teria praticado um roubo contra um posto de combustíveis na cidade de Matão, onde também foram efetuados disparos de arma de fogo durante a ação. O delegado informou que todas as armas apreendidas com os dois homens que faziam a guarda dos equipamentos foram reconhecidas por testemunhas e passarão a instruir o inquérito policial que tramita na DIG de Jaú. A prisão dos demais elementos também já foi solicitada junto à Justiça e as buscas pelos foragidos prosseguem. O delegado considerou a ação, realizada por policiais civis de três unidades diferentes, um grande sucesso. Ele explicou que o caso foi elucidado pela equipe de Boa Esperança do Sul, mas sem a união com os policiais civis da DIG de Jaú e da Delegacia de Polícia de Bocaina, não seria possível o sucesso da ação. Segundo o dr. Farah, nem todos os envolvidos tinha passagem por crimes anteriores, o que, de certa forma, dificultou na identificação. Mas após as investigações, todo o grupo foi devidamente identificado. O grupo também será investigado por roubos praticados em fazenda e em outras ações onde os assaltantes teriam agido com violência na região. Oficialmente, apenas o comerciante de Bocaina seria a única vítima de latrocínio cometido pelo grupo. Armas e equipamentos apreendidos e que eram utilizados pelos assaltantes, que também irão responder por latrocínio Foto: Polícia Civil de Boa Esperança do Sul Janeiro-Fevereiro/2014 13

[close]

p. 14

R ADAR Franca Na manhã de 26 de dezembro, policiais civis da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), de Franca, prenderam J.C.S., 27 anos, A.C.V., de 25 e W.R.C.V., de 19, todos envolvidos com tráfico de entorpecentes. Foram localizadas porções de maconha, crack, uma balança de precisão, uma faca, R$ 555,00 em Fotos: Polícia Civil dinheiro, além de 11 Policiais civis da DISE de Ribeirão Preto encontraram armas sacas de cimento e nove sacas de mineral ligante. em lava-rápido Após as formalidades do Receptador flagrante, o trio de traficantes foi recolhido Na tarde de 13 de janeiro de 2014, ao Centro de Detenção Provisória. policiais civis da DIG (Delegacia de Armas Investigações Gerais) de Ribeirão Preto, Na manhã de 19 de dezembro, policiais cumprindo mandado de busca, prenderam civis da DISE (Delegacia de Investigações J.R.C.S., de 25 anos. Após trabalho de sobre Entorpecentes) de Ribeirão Preto, investigações apontarem o envolvimento do investigando denúncias sobre posse ilegal acusado em ocorrências de roubo a de armas, prenderam A.S.A., de 32 anos. Os residência, os policiais realizaram buscas policiais civis foram até o lava-rápido onde no imóvel e encontraram vários objetos de mora o acusado e lá encontraram duas armas origem duvidosa, e sendo questionado, não dentro de uma maleta que estava escondida soube informar a procedência. J. foi em um guarda-roupa. O autuado admitiu a indiciado pelo crime de receptação. propriedade das armas e foi preso na Cadeia Motuca Pública de Santa Rosa de Viterbo. Na tarde de 05 de janeiro, policiais civis Araraquara da Delegacia de Motuca prenderam C.E.F., 24 Por meio de investigações realizadas anos, e M.D.Z., de 19. Com eles foram pela DISE (Delegacia de Investigações encontrados um tijolo de cocaína, dois Sobre Entorpecentes), a Polícia Civil de telefones celulares e uma motocicleta Honda Araraquara prendeu em flagrante delito CG 150. Os policiais, após terem feito V.L.B., de 35 anos, pelo crime de tráfico ilícito investigação preliminar e diligências, de drogas. Os policiais civis estiveram na surpreenderam e prenderam os indiciados em residência da indiciada no dia 19 de um local onde tinham depositado drogas: sob dezembro de 2013 para cumprimento de a terra, no matagal de uma fazenda na cidade mandado de busca domiciliar, oportunidade de Matão. A dupla foi autuada em flagrante na qual localizaram em um dos cômodos 17,2 na Delegacia de Matão e encaminhada à gramas de cocaína. As diligências Cadeia Pública de São Carlos. apontaram ainda que a indiciada faz parte de uma quadrilha de traficantes que atua na cidade. Autuada em flagrante pela prática delituosa, V. foi recolhida à Cadeia Pública de Santa Ernestina. São Carlos No mês de dezembro de 2013, policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes) de São Carlos, prenderam N.F.R.M.F., 22 anos, por tráfico de entorpecentes. Foram apreendidos diversos objetos: porções de maconha, uma balança de precisão, um aparelho de telefone celular e R$ 240,00 em dinheiro. N.F.R.M.F. encontrase preso no Centro de Triagem de São Carlos. Taquaritinga Na manhã de 19 de dezembro de 2013, em cumprimento ao mandado de busca e apreensão expedido pela Justiça local, policiais civis da Delegacia do Município de Taquaritinga surpreenderam em flagrante delito A.B.C., de 32 anos, na posse de 111,23 gramas de cocaína. A droga foi encontrada em um guarda-roupa na residência de A. Além da substância, os policiais civis apreenderam uma balança de precisão, R$ 230 em dinheiro, cartões e outros objetos relacionados à prática criminosa. O indiciado foi recolhido ao CDP (Centro de Detenção Provisória) de Taiúva, local onde permanecerá à disposição da Justiça. Porto Ferreira I No mês de dezembro de 2013, policiais civis da Delegacia de Porto Ferreira, em cumprimento a mandado de busca e apreensão domiciliar, prenderam J.D.C.,de 55 anos. A ação ocorreu em sua residência, no bairro Cristo Redentor, onde foram encontrados diversos objetos: 207 gramas de crack, uma balança de precisão, diversos produtos e apetrechos relacionados ao tráfico de drogas, além de R$ 6.125 em dinheiro, duas folhas de cheque nos valores de R$ 2.600 e R$ 1.633. Após os trabalhos de Polícia Judiciária, o indiciado foi encaminhado ao Centro de Triagem de São Carlos. Porto Ferreira II Policiais civis da delegacia de polícia de Porto Ferreira prenderam C.A.F., 25 anos e apreenderam um adolescente de 17 anos, pela prática do tráfico de entorpecentes. A ação ocorreu durante operação policial realizada na manhã de 15 de janeiro de 2014, em cumprimento ao mandado de busca e apreensão no imóvel do adolescente, onde localizaram porções de drogas, celulares e objetos diversos. Após os procedimentos de polícia judiciária, a indiciada foi encaminhada à cadeia feminina de Ribeirão Bonito e o adolescente apresentado ao Ministério Público. Policiais civis de Porto Ferreira prenderam mulher e apreenderam menor durante operação em que foram encontradas diversas porções de drogas, caracterizando tráfico de entorpecentes 14 Janeiro-Fevereiro/2014

[close]

p. 15

NOVA SEDE O trabalho de edificação da futura sede social do Sinpol já foi praticamente todo concluído. A obra entra agora em sua reta final, ganhando a cada dia os contornos do belo prédio que vai abrigar todos os departamentos do Sindicato, além de proporcionar maior conforto aos associados que buscarem informações, que visitarem o local ou ainda, que desejarem utilizar as dependências para fins diversos, como no caso do salão social para festas. De acordo com o planejado, as obras que estão edificando a futura sede social do Sinpol, estão prosseguindo, já em fase final de construção. O imóvel, segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, vai beneficiar não somente a categoria como também os moradores daquela região e a sociedade ribeirão-pretana em geral. O prédio está sendo construído na Avenida Francisco Massaro Farinha, esquina com a rua Pedro Pegoraro, que é uma travessa da Av. Leão XIII, na Ribeirânia, atrás do Campus da Unaerp (Universidade de Ribeirão Preto)e terá área total construída de 1.600 m². Está sendo erguido em um terreno com área total de 2.247,95 m². O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, convida todos os associados que tenham interesse em visitar as obras para conhecer como será a nova sede social do sindicato. Os custos da obra também estão à disposição de todos os interessados, com total transparência. Uma comissão de associados foi formada para acompanhar passo a passo o que é investido no local. “Temos que destacar que esse terreno foi conquistado graças ao empenho do vereador e delegado Samuel Zanferdini. Com seu importante trabalho, conseguimos que a Prefeitura elaborasse um projeto Lei que foi aprovado pela Câmara Municipal cedendo a área em regime de comodato. Há que se ressaltar que muitas entidades de classe procuram a Prefeitura para tentar conseguir áreas, mas poucas conseguem. É nossa grande vitória, numa luta idealizada desde a época da antiga fundação da APOCIRP [Associação dos Policiais Civis de Ribeirão Preto e Região]. Nossa sede é própria e é uma feliz realidade”, comemora Eumauri. RETA FINAL Janeiro-Fevereiro/2014 15

[close]

Comments

no comments yet