[GAZETA DE ALAGOAS] Alagoas Popular - Folguedos e Danças de Nossa Gente

 

Embed or link this publication

Description

Aqui os temos novamente, em “Alagoas Popular – Folguedos e Danças de Nossa Gente”, emergindo das sombras à luz, para serem reconhecidos como protagonistas dessa tessitura feita de elementos prosaicos, quase despretensiosos, para animar os dias.

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3



[close]

p. 4

ALAGOAS POPULAR Folguedos e Danças de Nossa Gente 2013

[close]

p. 5

I 59 a Instituto Arnon de Mello. Alagoas Popular: Folguedos e Danças da Nossa Gente/ Carmem Lúcia Dantas – Pesquisa e Texto; Douglas Apratto Tenório- Apresentação; Josefina Novaes – Consultoria de Pesquisa de Campo; Ivone Santos – Revisão; Ricardo Ledo – Fotografia. Maceió: IAM,2013. 242p. 25 cm. Ill. ISBN: Conteúdo: ( Fasc.1 – Apresentação; Fasc.2 - Presépio, Pastoril; Fasc.3 - Reisado, Guerreiro; Fasc.4 – Chegança, Fandango; Fasc.5 – Negra da Costa, Quilombo; Fasc.6 – Taieira, Baiana; Fasc.7 – Maracatu, Bumba-Meu-Boi, Boi de Carnaval; Fasc. 8 – Coco, Quadrilha; Fasc. 9 – Mané do Rosário, Dança de São Gonçalo, Bando; Fasc. 10 – Torre, Cambindas, Caboclinho.) 1 – Folguedos Folclóricos – Alagoas. II Alagoas- Cultura Popular. I Instituto Arnon de Mello II Dantas, Carmem Lúcia – Pesquisa e Texto. III Tenório, Douglas Apratto- Apresentação. IV Novaes, Josefina – Consultoria de Pesquisa de Campo. V Santos, Ivone – Revisão. VI Ledo, Ricardo – Fotografia. VII Título CDD 793.3198135

[close]

p. 6

ALAGOAS POPULAR Folguedos e Danças de Nossa Gente 2013

[close]

p. 7



[close]

p. 8

Os protagonistas elementos prosaicos, quase despretensiosos, para animar os dias, fugindo às suas asperezas, de movimentos e cantos, singelos, ingênuos, mas que são o mais forte componente dessa rede a que chamamos cultura, mais precisamente cultura popular. Há pouco os tivemos no significante “Mestres Artesãos das Alagoas – Fazer Popular”, aí com formas engendradas por mãos hábeis, de sulcos ásperos. Argila, ferro e algodão, uma variedade de materiais servindo para construções utilitárias, decorativas ou simplesmente elementos de projeção de uma rica e crítica estética, feita pelos que habitam nos desvãos da sociedade. E as igrejas, capelas, conventos e elementos de adorno que vimos em “Alagoas Memorável – Patrimônio Arquitetônico”? - outro tomo dessa tríade que resgata os feitos do passado e do presente que estão na base do fazer e do acontecer de nossa gente, dos que já desapareceram nas brumas do tempo e dos demais, que quase silenciosamente continuam fazendo, sem pretensão ao protagonismo que de fato e de direito merecem. Ecos do passado e vozes do presente que nos encantam. Simplicidade feita forma, gestual convertido em beleza e palavras que adquirem sonoridade. Fazedura, cantos e danças da gente alagoana, edificadores anônimos de uma estética e da memória, da identidade e - por que não dizer? - da alegria, porque é melhor ser alegre do que triste, como disse o poeta. A qui os temos novamente, em “Alagoas Popular – Folguedos e Danças de Nossa Gente”, emergindo das sombras à luz, para serem reconhecidos como protagonistas dessa tessitura feita de Stefani B. Lins Mateus de Guerreiro

[close]

p. 9

Folguedos e Danças de Nossa Gente ALAGOAS POPULAR Índice Geral Os Folguedos em Alagoas 14 18 21 23 24 27 29 30 35 Um povo mestiço e único Folclore, concepção do mundo e da vida As antigas festas de Natal Origem do folclore alagoano Uma só história e uma geografia variada O alpendre da casa-grande e os limites da senzala A Escola de Viçosa Folguedos e Danças de Alagoas Presidente do Conselho Estratégico Carlos Alberto Mendonça Diretor Executivo Luis Amorim Núcleo de Projetos Especiais Coordenação Geral Leonardo Simões Coordenação Editorial Farol Editora & Comunicação Apresentação Douglas Apratto Tenório Pesquisa & Texto Cármen Lúcia Dantas Consultoria de Pesquisa de Campo Josefina Novaes Revisão Ivone Santos Fotografia Ricardo Lêdo Direção de Arte e Diagramação Wellington Charles Tratamento de Fotos Victor Paiva Obra poética - Maurício de Macedo, “das alagoas seguido de guerreiro” e “A Poesia no Cordão - seguido de Pastoril” - Edufal - Maceió - 2002/2003. Impressão - Moura Ramos Gráfica Editora Tiragem - 30.000 Exemplares Instituto Arnon de Mello Endereço - Rua Aristeu de Andrade, 355 - Farol Maceió /AL - Cep 57051-090 Telefone/Fax - (82) 4009.7777 / 4009.7756 E-mails: gazeta@gazetaweb.com comercialga@gazetaweb.com Presépio Por dentro das Jornadas Ensaiadoras e animadores O auto e a função - A peleja entre o Bem e o Mal Pastoril - A rivalidade dos cordões 38 39 44 45 Presidente Carlos Alberto Mendonça Reisado Chegada à Colônia A ancestralidade de Reis Personagens e trajes, o domínio da cor Na cadência da função Entremeios, as prendas da sorte Despedida em marcha 51 53 54 56 58 60 Guerreiro Guerreiros brincantes, preferência caeté Personagens e trajes, um reino de gosto popular O auto e sua função, fragmentos da fé e da guerra Entremeios Despedida 61 64 65 67 68 Negra da Costa Traços da etnia O folguedo em Alagoas Personagens e trajes O auto e a função 73 75 76 78 Foto capa: Darci Macena Bispo (Palhaço do Guerreiro Mensageiro do Padre Cícero) Quilombo Origem discutida Personagens e trajes O auto e sua função 80 82 85 As fotos utilizadas no Capítulo I deste trabalho pertencem ao acervo do Museu Théo Brandão, cujos fotógrafos foram citados nos respectivos créditos.

[close]

p. 10

Chegança A chegança dos mouros Os grupos locais - Penedo, Coqueiro Seco, Rio Largo Personagens e trajes O auto e a função 91 94 97 98 Bumba-Meu-Boi No rastro da lenda A folgança em Alagoas Personagens e trajes O boi e sua evolução 156 158 159 160 Fandango Outras façanhas no mar Os grupos locais O auto e a sua função 99 102 104 Boi-de-Carnaval Origem discutida 161 Mané do Rosário A Vila Real O começo do mistério Registro dos pesquisadores Personagens e trajes Tradição de Mestra O caminho do cortejo O auto e a função 167 169 172 176 178 182 186 Samba de Matuto As faces múltiplas do samba A folgança em Alagoas Personagens e trajes O auto e a função 109 111 112 113 Taieira Do cortejo ao folguedo Personagens e trajes O auto e a função 114 118 1210 Bando Arautos de Santa Luzia Personagens e trajes O Bando em evolução 190 192 196 Baianas Origem discutida Personagens e trajes Mestras em destaque O auto e a função 121 124 125 126 Dança de São Gonçalo A origem remota Personagens e trajes A dança e a evolução 200 204 207 Coco A origem em questão Personagens e trajes Na “puxada” do Coco A dança e a função 131 134 136 137 Toré Tradição ancestral O sentido da dança Personagens e trajes O folguedo e a folclorização do rito 211 215 217 218 Quadrilha O selo da erudição Quadrilha em duas versões Quadrilha regional - personagens e trajes A evolução dos pares Quadrilha Moderna - personagens e trajes Quadrilha Moderna em Evolução 138 139 141 142 143 144 Caboclinho Origem indígena O auto da região norte Personagens e trajes O auto e a função 220 222 224 226 Cambindas Herança boreal A folgança continua Personagens e trajes Cambindas em evolução 228 230 232 233 235 237 Maracatu Perseguição histórica Maracatu Nação e Maracatu Rural Personagens e trajes Alegoria e função 149 152 154 155 Glossário Bibliografia

[close]

p. 11

E ste livro, que dá uma amostra do resultado do Folguedos Alagoanos, é apenas uma janela para a imensa importância do trabalho desenvolvido pelo projeto. É uma árdua tarefa resumir o alcance das atividades e seu impacto na região numa única publicação. Nossos objetivos ao patrocinar cultura, vão além de levar as obras ao público. Valorizamos a formação das plateias como um todo, e este projeto tem o papel de gerar capacidade de reflexão através do senso crítico no que se refere à arte. Valorizar o resgate das tradições faz parte da nossa política de patrocínios. Reconhecer a produção passada, incentivar a pesquisa e a discussão e democratizar o acesso à arte são para nós motivos de inspiração para continuar patrocinando a cultura nacional. Para a Petrobras, a cultura deve chegar a todos, independente das cidades onde nosso negócio atua direta ou indiretamente. Afinal, o desenvolvimento do Brasil faz parte do nosso desenvolvimento. A inspiração que vem de cada envolvido nos motiva a seguir em frente e enfrentar nossos desafios a cada dia. Petrobras

[close]

p. 12

Capítulo I

[close]

p. 13

Mestre de Guerreiro Acervo Museu Théo Brandão Danço com o corpo maneiro, piso pra lá e pra cá. A única paixão que conheço é o prazer de dançar. (Maurício de Macedo) 14 | Alagoas Popular - Folguedos e Danças de Nossa Gente

[close]

p. 14

Os Folguedos em Alagoas Douglas Apratto Tenório sistência atual e uma tendência inquestionável da época contemporânea. A valorização do regional, do universo local, em contraposição à onda avassaladora da globalização que inunda a economia, o comércio, os costumes, a comunicação, é vital para a afirmação de identidades específicas, da sensação de pertencimento que garante às pessoas o orgulho de suas raízes e a referência de seus lugares. A preservação dos valores culturais caracteriza-se fortemente como uma peça de re- Alagoas Popular - Folguedos e Danças de Nossa Gente | 15

[close]

p. 15

Guerreiro 16 | Alagoas Popular - Folguedos e Danças de Nossa Gente

[close]

Comments

no comments yet