Revista Construir Mais - Fevereiro de 2014

 

Embed or link this publication

Description

Revista mensal do Sinduscon-GO

Popular Pages


p. 1

CUB DEZEMBRO 0,018% REVISTA MENSAL DO SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DE GOIÁS - SINDUSCON-GO ANO IV, Nº 43 FEVEREIRO/2014 ENtREVIstA cOm O pREsIdENtE dO sERVIçO sOcIAl dA INdústRIA dA cONstRuçãO NO EstAdO dE GOIás (sEcONcI-GO), JORGE tAdEu AbRãO Pág. 6

[close]

p. 2

Para ser competitivo você tem que saber das últimas, primeiro! O 86º ENIC reunirá empresários de todos os estados brasileiros, que discutirão os rumos da indústria da construção e farão propostas adequadas ao desenvolvimento do país. Por isso, para acompanhar as necessidades e oportunidades desse setor, você não pode perder esse evento. Antecipe sua inscrição, garanta presença e ainda ganhe desconto. Até 9 de abril, preço promocional! Empresário/Diretor/Profissional (outros estados) Acompanhante/Assessor (outros estados) Empresário/Diretor/Profissional (GO) Acompanhante/Assessor (GO) Estudante Universitário Inscreva-se no site www.enic.org.br. Mais informações: (62) 3214-1005 ou pelo e-mail: secretaria@qeeventos.com.br Com a nossa participação SEMPRE. www.enic.org.br - www.facebook.com/86enic

[close]

p. 3

E DITORIAL Em 2014, indústria da construção continuará contribuindo com o crescimento do País Reunindo cerca de 200 mil empresas, que geram mais de 3,2 milhões de postos de trabalho formais, sendo responsável por aproximadamente 46% de todo o investimento feito no País. Este é o retrato da indústria da construção brasileira. Em 2014, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) prevê aumentos entre 3% e 4% no PIB do setor e de 2,5% para o PIB nacional. Em nossa visão, devemos continuar crescendo em 2014. Mas, não na mesma velocidade. Teremos um ano bastante atípico com a Copa do Mundo e o processo eleitoral, fatos que poderão impactar, por exemplo, os lançamentos de unidades habitacionais. E, apesar dos esforços do Governo do Estado com os investimentos significativos realizados na área de infraestrutura rodoviária, o setor produtivo goiano espera ver este ano uma solução definitiva para o destravamento dos investimentos necessários na área de energia, por meio da viabilização econômica da Celg por parte do Governo Federal. Para levar a manifestação do povo goiano ao ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o presidente da Fieg, Pedro Alves de Oliveira, capitaneou reunião do Fórum Empresarial. A ação visou mostrar que esta é uma área imprescindível para impulsionar o crescimento do Estado de Goiás, o que consolidará o nosso parque industrial e contribuirá para o aumento da geração de postos de trabalho qualificados. Entre as metas de atuação para 2014, vamos focar na participação do Sinduscon-GO junto ao Fórum Empresarial, levando as nossas propostas à Prefeitura de Goiânia e ao Governo de Goiás, sempre buscando o caminho do consenso e da colaboração efetiva para o desenvolvimento sustentado de nossa Capital e de nosso Estado, pois quando caminhamos juntos e alinhados os resultados são sempre benéficos para todos. Internamente, o Sinduscon-GO terá um ano de grandes conquistas, pois sendo um dos realizadores do 86º Encontro Nacional da indústria da Construção (ENIC), que ocorrerá em maio, no Centro de Convenções de Goiânia, teremos a oportunidade ímpar de projetar nacionalmente a indústria da construção goiana, assim como receber as mais expressivas personalidades que se relacionam com o nosso segmento, que trarão informações essenciais aos empresários e demais públicos presentes no encontro. Um dos pontos altos do 86º ENIC, já sinalizado pela CBIC, será a entrega de documento aos candidatos à Presidência da República ou a seus representantes na área de planejamento, contendo o posicionamento do setor sobre temas importantes e que travam o nosso crescimento, como a burocracia, o aumento dos nossos custos pela falta de obras de infraestrutura, o desentendimento sobre a terceirização, entre outros assuntos. O Sinduscon-GO, atento a melhoria do processo evolutivo das empresas goianas, também dará ênfase em 2014 no cumprimento aos três itens que constam de nosso Planejamento Estratégico: colaborar com a melhoria da gestão pública, pensar Goiânia/Região Metropolitana para os próximos 20 anos (quando a nossa Capital completará 100 anos de fundação) e realizar ações de valorização/retenção da mão de obra. Também continuaremos dando atenção especial à manutenção do nosso Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a norma NBR ISO 9001:2008, repetindo o sucesso das ações realizadas no ano passado, especialmente daquelas monitoradas pelo SGQ, dando sequência às ações voltadas à melhoria contínua dos serviços prestados pelo Sinduscon-GO aos clientes externos e internos. Ressaltamos que esta edição da Construir Mais apresenta na matéria de capa a síntese do que fizemos em 2013 e o que pretendemos realizar em 2014. E, para alcançar nossos objetivos, conclamamos o empresariado goiano da indústria da construção a participar de nossas atividades. Inicialmente, convidamos a todos para antecipar a inscrição ao mais importante evento da indústria da construção brasileira, que Goiânia terá a honra de sediar: o 86º ENIC. Para isso, basta acessar o site www.enic.org.br. Boa leitura! cARlOs AlbERtO dE pAulA mOuRA JúNIOR Presidente do Sinduscon-GO dIREtORIA EXEcutIVA dO sINduscON-GO (2013/2016) PrEsidEntE: Carlos Alberto de Paula Moura Júnior - 1º Vice-Presidente: Eduardo Bilemjian Filho - 2º Vice-Presidente: Guilherme Pinheiro de Lima - diretor Administrativo: Manoel Garcia Filho diretor Administrativo Adjunto: Luís Alberto Pereira - diretor Financeiro e Patrimonial: José Rodrigues Peixoto Neto - diretor Financeiro e Patrimonial Adjunto: Ricardo Silva Reis - diretor da Comissão de Economia e Estatística: Ibsen Rosa - diretor da Comissão de Economia e Estatística Adjunto: Maurício Figueiredo Menezes - diretor da Comissão da indústria imobiliária: Mário Andrade Valois - diretor da Comissão da indústria imobiliária Adjunto: Eduardo Bilemjian Neto - diretor da subcomissão de Habitação: Roberto Elias de Lima Fernandes - diretor da subcomissão de Legislação Municipal: Renato de Sousa Correia - diretor de Materiais e tecnologias: Sarkis Nabi Curi - diretor de Materiais e tecnologias Adjunto: Pedro Henrique Borela - diretor da Comissão de Concessão, Privatização e Obras Públicas: João Geraldo Souza Maia - diretor da Comissão de Concessão, Privatização e Obras Públicas Adjunto: Humberto Vasconcellos França - diretora de Qualidade e Produtividade: Patrícia Garrote Carvalho - diretora de Qualidade e Produtividade Adjunta: Aloma Cristina Schmaltz Rocha - diretor de Construção Pesada: Sérgio Murilo Leandro Costa - diretor de Construção Pesada Adjunto: Jadir Matsui - diretor de Construção Metálica: Cezar Valmor Mortari - diretor da Construção Metálica Adjunto: Joaquim Amazay Gomes Júnior - diretor de Assuntos Jurídicos: Ricardo José Roriz Pontes - diretora de Assuntos Jurídicos Adjunta: Selma Regina Palmeira Nassar de Miranda - diretor da subcomissão de Política e relações trabalhistas e sindicais: Yuri Vaz de Paula - diretor de saúde e Meio Ambiente: Jorge Tadeu Abrão - diretor de saúde e Meio Ambiente Adjunto: Gustavo Veras Pinto Cordeiro - diretor do setor Elétrico e telefônico: Ricardo Daniel Lopes - diretor do setor Elétrico e telefônico Adjunto: Carlos Vicente Mendez Rodriguez - diretor social e de Comunicação: Paulo Henrique Rodrigues Ribeiro - diretor social e de Comunicação Adjunto: Ulisses Alcoforado Maranhão Sá - COnsELHO COnsULtiVO: Justo Oliveira d’Abreu Cordeiro, Paulo Afonso Ferreira, Mário Andrade Valois, Joviano Teixeira Jardim, Sarkis Nabi Curi, José Rodrigues Peixoto Neto, Roberto Elias de Lima Fernandes, Alan de Alvarenga Menezes, José Augusto Florenzano, José Carlos Gilberti - sUPLEntEs: Bruno de Alvarenga Menezes, Marco Antônio de Castro Miranda, André Luiz Baptista Lins Rocha - COnsELHO FisCAL: Célio Eustáquio de Moura, Guilherme Pinheiro de Lima, Carlos Henrique Rosa Gilberti - sUPLEntEs: Paulo Silas Ferreira, Ricardo de Sousa Correia, Paulo Henrique Rodrigues Ribeiro - rEPrEsEntAntEs JUntO à FiEG: Carlos Alberto de Paula Moura Júnior, Roberto Elias de Lima Fernandes - sUPLEntEs: Eduardo Bilemjian Filho, Justo Oliveira d’Abreu Cordeiro rEPrEsEntAntE JUntO à CBiC: Carlos Alberto de Paula Moura Júnior - sUPLEntEs: Eduardo Bilemjian Filho, Guilherme Pinheiro de Lima. FEVEREIRO 2014 • CONSTRUIR MAIS • SINDUSCON-GO 3

[close]

p. 4

s UMÁRIO 6 Entrevista O presidente do Seconci-GO, Jorge Tadeu Abrão, aborda em entrevista o plano de trabalho e os novos desafios da entidade para 2014. 9 Artigo “Projetos de engenharia” é o tema do artigo do diretor da Comissão de Concessão, Privatização e Obras Públicas do Sinduscon-GO e diretor da Construtora Ingá, João Geraldo Souza Maia. 18 MAtériA dE CAPA Sinduscon-GO divulga balanço de suas atividades em 2013 e as perspectivas de trabalho para 2014. Nacionalmente, reportagem mostra que o equilíbrio marcou atividade da construção no ano passado e que o setor deverá focar na manutenção do crescimento em 2014. 15 Construção Sustentável A necessária qualificação dos fornecedores. Confira matéria sobre o assunto nesta editoria. 16 Viva com Saúde Seconci-GO alerta: consumo de álcool entre as mulheres gera preocupação. 26 Registro de Eventos Em janeiro, o Sinduscon-GO realizou vários eventos. Confira a cobertura jornalística de cada um deles nesta editoria. 17 Artigo “Mercado imobiliário nacional cresceu e não há culpados” é o tema do artigo do presidente do Secovi-SP e reitor da Universidade Secovi, Claudio Bernardes. 32 Indicadores Econômicos Confira o valor do Custo Unitário Básico (CUB) referente ao mês de dezembro/2013. REVIstA cONstRuIR mAIs - Revista mensal do Sindicato da Indústria da Construção no Estado de Goiás (Sinduscon-GO) sinduscon-GO - Filiado à CBIC e FIEG. Rua João de Abreu, n° 427, Setor Oeste, Goiânia-Goiás - CEP 74120-110. Telefone: (62) 3095-5155 / Fax: (62) 3095-5177 - Portal: www.sinduscongoias.com.br | presidente: Carlos Alberto de Paula Moura Júnior | diretor social e de comunicação: Paulo Henrique Rodrigues Ribeiro | Gerente Executiva: Sebastiana Santos | Edição: Joelma Pinheiro | Reportagem: Aymés Beatriz B. Gonçalves (beatriz@ sinduscongoias.com.br), Joelma Pinheiro (joelma@sinduscongoias.com.br) e Valdevane Rosa (valdevane@sinduscongoias.com.br) | Fotografia: Assessoria de Comunicação Social do Sinduscon-GO e Sílvio Simões | projeto Gráfico e diagramação: Duart Studio | publicidade: Sinduscon-GO - telefone: (62) 3095-5155 | Impressão: Gráfica Art3 | tiragem: 6.000 exemplares. publicação dirigida e distribuição gratuita. *As opiniões contidas em artigos assinados são de responsabilidade de seus autores. Consciente das questões ambientais e sociais, o Sinduscon-GO trabalha em parceria com a gráfica Art3, que utiliza papéis com certificação FSC (Forest Stewardship Council) na impressão dos seus materiais. EspAçO EmpREsARIAl Anuncie na revista Para informações entre em contato com o Departamento Comercial do Sinduscon-GO, telefone (62) 3095-5168, e-mail comercial@sinduscongoias.com.br. 4 SINDUSCON-GO • CONSTRUIR MAIS • FEVEREIRO 2014

[close]

p. 5

n OT Í C I A S D O S PA R C E I RO S PELA sEGUndA VEz COnsECUtiVA, UrBs-rt é ELEitA iMOBiLiáriA dO AnO A URBS-RT Lançamentos Imobiliários encerra 2013 em festa. A organização recebeu no último dia 18 de dezembro, o título de Imobiliária do Ano durante a cerimônia do Prêmio Top Imobiliário, evento anual promovido pelo Sindicato da Habitação de Goiás (Secovi-GO) para reconhecer as melhores práticas do setor. O título foi concedido por eleição realizada entre incorporadores e empresários imobiliários presentes durante o evento. No Top Imobiliário de 2012, a imobiliária também havia recebido este reconhecimento. “Para nós, a escolha espontânea por parte do próprio mercado é uma resposta positiva, de valor imensurável, a nossos esforços e estratégias desenvolvidas para oferecer soluções imobiliárias”, disse Ricardo Teixeira, diretor da empresa que tem investido na segmentação e especialização do atendimento. Para isto, nos últimos anos, três novas unidades foram implantadas. Durante o evento, realizado no Sesc Faiçalville, a empresa também recebeu outros dois troféus Top Imobiliário por suas práticas durante o ano. Na categoria Ação Cultural, foi vencedora com o case de marketing imobiliário idealizado para o lançamento imobiliário Cora Alto do Bueno, da FR Incorporadora. A URBS-RT Lançamentos Imobiliários propôs a realização do projeto cultural Happy Art e do concurso de poesias “Faz de tua vida um poema”, envolvendo a literatura de Cora Coralina e artes plásticas durante o lançamento como forma de buscar maior envolvimento da sociedade goiana com o empreendimento. A URBS Imobiliária também foi vencedora na categoria Aluguel do Prêmio Top Imobiliário 2013 graças a seus investimentos de convergência tecnológica, que resultaram na diminuição de custos e ganho em agilidade no processo de locação. As mudanças incluíram a implantação da vistoria digital, do arquivo digital de documentos, do QR Code nas chaves dos imóveis – para que o locatário acesse informações pela internet –, além do envio de boletos e documentos por e-mail. PErsPECtiVAs PArA 2014: EMPrEsáriOs sE MOstrAM OtiMistAs COM ECOnOMiA Os empresários de pequenos negócios em Goiás estão otimistas com o cenário econômico deste ano. Para 60% dos entrevistados na sondagem “Expectativa dos Empreendedores de Goiás para 2014”, realizada pelo Sebrae Goiás, o ano será de crescimento da economia no Estado. Apenas 5% esperam retração do setor. A sondagem do Sebrae Goiás foi realizada em 69 municípios goianos, ouvindo 374 empresários da micro e pequena empresa no período de 14 de novembro a 23 de dezembro de 2013. Foram entrevistados 240 homens e 134 mulheres, com idades variando entre 18 e 65 anos ou mais. De acordo com a sondagem, 15% dos entrevistados acreditam que vai aumentar muito a expansão da economia; outros 20% afirmaram que os números devem se manter estáveis. Em relação ao crescimento econômico do Brasil, segue o otimismo do empresariado goiano. Para 56% deles, a economia deve aumentar; 19% esperam que aumente muito. Apenas 5% falaram em retração e 1% considerou que vai diminuir muito a expansão. 19% afirmaram que os números vão se repetir em relação ao ano passado. O otimismo também é percebido facilmente dentro das empresas. 87% dos empresários de pequenos negócios afirmaram que vão aumentar ou aumentar muito o faturamento em 2014. Apenas 4% acreditam que terão retração. Em relação ao consumo de produtos/serviços ofertados em seu ramo de atividade, 79% esperam aumento ao longo do ano. Indagados sobre a possibilidade de aumentar o quadro de funcionários este ano, 58% dos empresários querem aumentar ou aumentar muito o número de empregados. Apenas 4% têm visão contrária. Para ganhar mercado e aumentar o faturamento, os empresários de pequenos negócios vão investir nas empresas. 77% dos entrevistados disseram que vão investir em máquinas e equipamentos este ano. Para tanto, os empresários devem bater às portas das instituições financeiras em busca de crédito. Para 48% dos entrevistados, a tentativa de obtenção de financiamento para as empresas deve aumentar ou aumentar muito este ano. Outro ponto que receberá atenção dos patrões será a capacitação dos empregados. 71% dos ouvidos afirmaram que vão investir em treinamento de pessoal e outros 81% alocarão recursos na capacitação dos proprietários. FEVEREIRO 2014 • CONSTRUIR MAIS • SINDUSCON-GO Faturamento 5

[close]

p. 6

E N T R E V I S TA JORGE TADEU ABRÃO em responsabilidade social empresarial da construção, Seconci-GO prevê novas conquistas em 2014 Jorge Tadeu Abrão é engenheiro civil formado pela PUC Goiás, antiga UCG, em 1986; diretor da Trípoli Construtora, empresa fundada em 2000. O empresário já atuou como diretor da Subcomissão de Política e Relações Trabalhistas e Sindicais do Sinduscon-GO de 2007 a 2013, coordenou o Comitê Permanente Regional (CPR), foi membro do Conselho Temático de Relações Trabalhistas da Fieg e no Seconci-GO já atuou como diretor de Comunicação (2007/2010) e como vice-presidente (2010/2013). Assumiu a presidência do Seconci-GO em agosto de 2013, tendo como principais metas de trabalho: a excelência e agilidade no atendimento ao usuário e à empresa associada; a adesão de mais empresas da indústria da construção e a expansão e implantação de serviços. Confira a seguir a entrevista que ele concedeu para a revista Construir Mais. QUE AVALiAçãO O sEnHOr FAz dO AnO dE 2013 PArA O sECOnCi-GO? Foi um ano importantíssimo para nós. Inauguramos a ampliação da nossa sede, no Jardim América, que passou de 500 m² para mais de 2.000 m². Com este espaço foi possível aprimorar as instalações de todas as dependências, oferecer mais conforto e, principalmente, abrimos mais consultórios e agregamos novos serviços. Antes mesmo da inauguração oficial, a Endodontia (tratamento de canal) já estava começando. Durante o ano, aumentamos o efetivo desta especialidade em 100%. A Ortopedia e a Fisioterapia chegaram na metade de 2013, respondendo juntas por mais de 1.600 atendimentos até dezembro. No segundo semestre, foi a vez de inaugurar o laboratório em parceria com o Sesi-GO. Ao todo, o Seconci realizou mais de 160 mil atendimentos. Um ano, portanto, de várias conquistas. O sECOnCi-GO tEM UMA trAJEtóriA dE sUCEssO, GEstãO APós GEstãO. COMO O sEnHOr rECEBEU A EntidAdE dAs MãOs dO Ex-PrEsidEntE MOACyr sOArEs MOrEirA? Cheguei à presidência com um Seconci em ótimas condições físicas, financeiras e também de recursos humanos. O esforço hercúleo feito pela gestão do Moacyr para concluir a ampliação rendeu muitos frutos até aqui. Vale lembrar que os serviços nunca pararam durante a obra. Além disso, o ambiente de trabalho é ótimo, de boa convivência entre os colaboradores, amor e dedicação ao que estão fazendo. Agora diretor de Saúde do Seconci, o Moacyr fez um trabalho fantástico em sua gestão. nO 1º sEMEstrE dE sUA GEstãO à FrEntE dO sECOnCi-GO, QUAis FOrAM As sUAs PriOridAdEs? Procurei tomar conhecimento o mais rápido possível do funcionamento detalhado de todos os departamentos. Nosso foco 6 SINDUSCON-GO • CONSTRUIR MAIS • FEVEREIRO 2014 EXEmplO dE sucEssO passou a ser então a qualidade e agilidade do atendimento, que deve responder à altura ao aumento da demanda provocado pela ampliação da estrutura e dos serviços. Temos observado em detalhes o processo de atendimento desde o primeiro contato do usuário até a satisfação pós-serviço. O canal de Ouvidoria recém-implantado serve a esse propósito. Buscamos também incrementar a produtividade da Odontologia, a otimização do uso de insumos odontológicos nas consultas e procuramos formas de dar mais agilidade aos trailers – unidades móveis odontológicas – no trânsito de uma obra para outra. EnQUAntO PrEsidEntE, COMO ACHA QUE O sECOnCi-GO POdE COntriBUir COM As PrátiCAs dO MErCAdO dA COnstrUçãO EM GOiás? O Seconci é um patrimônio das empresas associadas, uma prática de mais de 22 anos que contribui com a saúde dos trabalhadores do segmento e seus familiares. As empresas associadas ao Seconci praticam seus negócios preocupando-se com o indivíduo. Com nosso apoio e as visitas aos canteiros de obra, temos contribuído para a melhoria do ambiente de trabalho, onde se encontram vestiários melhores, refeitórios, áreas de convivência humanizadas. Temos procurado as empresas que não são associadas para levar adiante essa cultura, que reflete no bem estar do colaborador, que trabalha mais motivado. Nossos profissionais atentam-se também para os itens de segurança do local de trabalho, orientando as empresas a prevenir acidentes no canteiro através do cumprimento das normas regulamentadoras. O AtEndiMEntO COM ExCELênCiA AOs trABALHAdOrEs é UMA dAs MEtAs dO sECOnCi-GO. QUAis AçõEs A EntidAdE Está dEsEnVOLVEndO PArA AssEGUrAr EssA QUALidAdE? Em 2013, investimos em treinamentos para os colaboradores, sobretudo aqueles que atendem diretamente o público, prática que continuará em 2014. Mas isso não é o bastante. Estamos orientando nossos colaboradores a atuar sempre com envolvimento, proatividade e gentileza, humanizando assim o atendimento. A qualidade reflete-se também nos materiais empregados nas consultas, nos equipamentos e instalações de alto nível que mantemos. Qualidade também se traduz na agilidade, então sempre contratamos novos profissionais dentro de nossas condições para atender a crescente demanda. nO iníCiO dE 2013 OCOrrEU A inAUGUrAçãO dA AMPLiAçãO dA sEdE. EM sUA GEstãO, PrEtEndE AMPLiAr A AtUAçãO dO sECOnCi, CriAndO FiLiAis OU nOVOs sErViçOs?

[close]

p. 7

JORGE TADEU ABRÃO, PRESIDENTE DO SECONCI-GO mais de duas décadas, portanto a solidez e a garantia de permanência no mercado são inegáveis. O Seconci-SP, por exemplo, está fazendo 50 anos em 2014. Nosso conhecimento e vivência no setor da construção são muito grandes, pois atuamos todos esses anos focados neste segmento da indústria. Soma-se a isso a tranquilidade que o Seconci oferece no arquivamento da documentação da empresa e do trabalhador, a imparcialidade e a ética dos profissionais. Nossa longevidade favorece a medicina do trabalho, pois a pessoa deve fazer os exames sempre no mesmo lugar, então ela dará continuidade aqui. A PArCEriA dO sECOnCi-GO COM O sEsi-GO é UM ExEMPLO PArA As OUtrAs EntidAdEs EM níVEL nACiOnAL. QUAis As PrinCiPAis COnQUistAs dEssA PArCEriA E O QUE As dUAs EntidAdEs PrEPArAM PArA O FUtUrO? Essa parceria já existe desde a fundação do Seconci, em 1991, e tem potencializado sempre os trabalhos da entidade. O Sesi contribui com profissionais, equipamentos, as unidades móveis e, mais recentemente, a operação do laboratório dentro de nossas instalações. Agora os trabalhadores coletam sangue, urina e fezes para análises clínicas na própria sede, dispensando o deslocamento para um laboratório externo. O resultado do exame vem direto para o Seconci. Com isso, quero dizer que as conquistas são em prol do trabalhador. Todos os chamados do Seconci que a Fieg e o Sesi atenderam sempre resultaram em serviços de qualidade e muitos atendimentos. Este é um relacionamento muito profissional, de confiança e respeito mútuo. O superintendente do Sesi, Paulo Vargas, e o presidente da Fieg, Pedro Alves de Oliveira, são verdadeiros defensores do Seconci e desta parceria, confiando na seriedade, responsabilidade e compromisso de nossa diretoria. Para o futuro, projetamos sempre crescer em quantidade e qualidade de serviços. A FiLiAçãO AO sECOnCi-GO é UM diFErEnCiAL dE COntrAtAçãO PArA As EMPrEsAs nEssE MOMEntO dE FALtA dE MãO dE OBrA? O trabalhador vê com muito bons olhos os serviços oferecidos pelo Seconci. São benefícios que eles reconhecem e percebem como uma extensão da empresa que os contrata. O nosso Seconci é um dos poucos no país que estende estes serviços aos dependentes, então o benefício é ainda maior. Nesse sentido, o trabalhador valoriza bastante a empresa que é associada à entidade. Afinal, ele não paga pelos serviços assistenciais e tem a liberdade de agendar suas consultas e seu tratamento odontológico. QUAis sãO As sUAs ExPECtAtiVAs PArA 2014? Sempre temos que ver o ano que começa com melhores olhos do que o anterior. Não se pode fazer nada quanto ao passado, mas podemos trabalhar para fazer presente e futuro acontecerem, e depende de cada um dar o melhor. Diante das novas oportunidades e da ascendência social, financeira e de informações, as pessoas passaram a ter uma nova responsabilidade e consciência para com o coletivo. Vejo 2014 como um ano de grandes oportunidades para as pessoas e de muito desafio para o mundo dos negócios, que terá que atender esta ascendência, esta expectativa. Para o Seconci, será um ano excelente, onde superaremos novamente o número de atendimentos, beneficiando cada vez mais famílias de nossa comunidade. Estamos muito confiantes no cumprimento de nossos objetivos. FEVEREIRO 2014 • CONSTRUIR MAIS • SINDUSCON-GO Neste período, não apenas inauguramos a ampliação, como também lançamos novos serviços. Atualmente, o Seconci não tem espaços ociosos, nossa capacidade instalada está no limite. Nossos recursos, oriundos da contribuição das empresas, estão equilibrados com as despesas. Para abrirmos uma filial, seria necessário aumentar consideravelmente nosso quadro de associados, mas não é uma hipótese descartada. Pretendo em minha gestão ampliar ainda mais o quadro da Endodontia, que é um serviço de alto valor agregado oferecido sem custo pelo Seconci. Este benefício criou uma demanda reprimida que precisamos atender. Também na Odontologia, já contamos com quatro unidades móveis para levar o dentista até o trabalhador, e devemos incrementar esta frota, que existe graças à parceria com a Fieg e o Sesi-GO. Assim poderemos atender mais empresas sem tirar o colaborador do seu local de trabalho. A nr-35 trOUxE MAiOr sEGUrAnçA AO trABALHAdOr dA COnstrUçãO E, COM ELA, nOVOs dEsAFiOs às EMPrEsAs QUE, dEsdE MArçO/2013, PrECisAM sE AdEQUAr à nOrMA. COMO O sECOnCi sE POsiCiOnOU QUAntO A EssA nOVidAdE? Os profissionais da área médica do Seconci sempre tiveram a preocupação de atender de forma ética e isenta de interferências. Com a entrada da NR-35 em vigor, os médicos do trabalho da entidade adotaram uma postura em comum para atender seus requisitos, solicitando os exames complementares pertinentes, como audiometria, eletrocardiograma, eletroencefalograma, glicemia de jejum e hemograma. Com grande parte dos trabalhadores da construção atuando em altura, esta medida trouxe uma grande demanda por tais exames, feitos em parte no próprio Seconci. Nós manteremos esta política para resguardar os interesses do trabalhador e da empresa, fazendo o possível para atender com o máximo de agilidade. Estamos buscando uma parceria junto ao Senai para oferecer cursos para o trabalho em altura. São muitas as empresas de nosso setor que estão à procura desta capacitação. QUAL O diFErEnCiAL dO sECOnCi-GO EM rELAçãO às CLíniCAs dE MEdiCinA dO trABALHO? Por ser uma associação de fins sociais, o Seconci não atua visando lucro – o ressarcimento de despesas é empregado totalmente na manutenção do PCMSO. Nossa entidade existe há 7

[close]

p. 8

8 SINDUSCON-GO • CONSTRUIR MAIS • FEVEREIRO 2014 DEZEMBRO 2013

[close]

p. 9

A RT I G O pROJEtOs de engenharia Palavras do TCU: Acórdão nº 136/2004 – Plenário – “... a inexistência de projetos adequados tem sido a principal razão da série de obras paralisadas em nosso País, como também do grande número de contratos superfaturados com o que nos deparamos constantemente nos processos de fiscalização levados à efeito por esta Corte de Contas”. É consenso por todos os entes envolvidos ligados às atividades de engenharia, que existe uma grande carência de projetos, tanto em quantidade como em qualidade. A dimensão do problema atinge proporções tão elevadas, que tem impactado negativamente o crescimento do País. A situação torna-se ainda mais preocupante por sabermos que grande parte da inteligência da engenharia está nos projetos. Toda obra deve ser precedida por estudos profundos e uma vasta gama de projetos. Nada acontece por acaso: as empresas de construção enfrentam atualmente um sério problema de lucratividade, decorrente principalmente dos altos custos da administração central e baixa margem de lucro. A administração central representa entre 8,0% e 10,0% do faturamento. Os órgãos de controle, em especial o TCU, através do Acórdão 2.622/2013, em um viés, digamos, pouco capitalista, admite na composição do BDI o lucro em 7,4%, e a parcela da administração central em 4,0%. Como o TCU não permite incluir o IR e a CSSL no cálculo do BDI, o resultado final é um lucro líquido de apenas 0,12%, (considerando a administração central em 9,0%, lucro=(7,4 – ((9-4)+2,28)). As empresas de projetos enfrentam problema ainda maior, pois seus custos com impostos/taxas chegam a 19,50%. Outro problema grave é que os contratantes, ao elaborarem os editais de licitação para projetos de engenharia devem fazê-lo especificando detalhadamente os produtos a serem entregues pela contratada. Ao não elencar de forma clara o que espera receber como resultado do trabalho, induz as licitantes, que visam vencer a licitação, a apresentarem um preço demasiadamente baixo e projetos com grau de detalhamento insuficiente. Inicia-se aí a “falácia do planejamento”, onde prazos e custos são subestimados e as facilidades são superestimadas. Diferentemente do que muitos pensam, projetos de engenharia não são simples, a atividade requer alta qualificação, pessoal majoritariamente de nível superior, com especializações, mestres e doutores. Os administradores públicos devem enxergar a importância da atividade, reservando parte dos investimentos previstos em obras para os projetos. Se o edital for claro nas exigências, com um Termo de Referência bem elaborado, os licitantes saberão como orçar, e naturalmente teremos projetos muito melhores. Precisamos gastar mais tempo projetando obras e menos tempo construindo-as, como fazem os japoneses. Problemas recorrentes atualmente como atrasos, “estouro” nos orça- mentos e sucessivos aditivos nas obras tenderão a diminuir. Uma das regras de ouro da economia capitalista diz que se desejarmos gerar escassez de algo basta que criemos mecanismos que dificultem o lucro. Por outro lado, para gerarmos abundância, devemos facilitar a lucratividade. Ora, é sabido que a pesada carga tributária incidente sobre as empresas de projetos é um dos fatores que afetam negativamente os resultados. Para mudarmos este quadro basta um alívio nos impostos. É vital reduzir-se a bitributação. Quando um serviço é terceirizado, e isto ocorre com frequência (topografia, sondagens, cálculos estruturais, etc.), todos os impostos são pagos pelas duas empresas. Claramente ocorre uma bitributação. No âmbito municipal pode-se reduzir a alíquota do ISS como forma de incentivar a instalação deste tipo de empresa em bairros que se deseja revitalizar. Na esfera dos tributos federais, um corte drástico nos impostos e taxas funcionaria como grande estímulo, sem perdas relevantes na arrecadação, pois o peso da atividade no “bolo” da receita é muito pequeno. Ao facilitar a instalação de empresas, com maiores margens de lucro, estamos estimulando a competição, e o resultado será serviço melhor a preços menores. Lembremos: o Brasil é um País capitalista, onde o lucro é legítimo. É dele que saem os recursos para as empresas pagarem os impostos que ajudam a manter o Estado, e reinvestirem as sobras em novos negócios, mantendo a “roda da economia” girando. Sem lucro não há empresa, e sem empresa não há Estado! JOãO GERAldO sOuZA mAIA é diretor da Comissão de Concessão, Privatização e Obras Públicas do Sinduscon-GO, diretor da Construtora Ingá e ex-presidente da AGE FEVEREIRO 2014 • CONSTRUIR MAIS • SINDUSCON-GO 9

[close]

p. 10

E S PA Ç O J U R Í D I C O Após as festas de fim de ano, alguns empregados não retornaram ao trabalho. cOmO sE cARActERIZA O AbANdONO dE EmpREGO? Nesse período do ano é comum recebermos essa dúvida no Departamento Jurídico do Sinduscon-GO. De acordo com o art. 482, “i”, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), constitui justa causa para a rescisão do contrato de trabalho por parte do empregador, o abandono de emprego. A legislação não prevê qual o período de afastamento do serviço para que se caracterize o abandono de emprego, contudo a doutrina e a jurisprudência, por analogia ao artigo 474 da CLT, estabelecem o período de 30 dias de ausência injustificada do empregado para caracterizar a justa causa. A Súmula TST nº 32 dispõe: “presume-se abandono de emprego se o trabalhador não retornar ao serviço no prazo de 30 (trinta) dias após a cessação do benefício previdenciário nem justificar o motivo de não o fazer”. É consenso entre os estudiosos do direito do trabalho que para se configurar o abandono de emprego, devem estar presentes dois elementos concomitantemente, quais sejam: a) Subjetivo – que se caracteriza pela intenção deliberada e consciente de não mais retornar ao emprego; b) Objetivo – faltas por um período superior a 30 dias. Não é necessário se esperar os 30 (trinta) dias de afastamento, sem a comunicação e sem a devida justificativa para que fique caracterizado o abandono de emprego, basta que o empregado em período inferior comece a exercer atividades laborativas a outro empregador em horário coincidente ao anterior. Entretanto, também pode ocorrer de o empregado permanecer por prazo superior aos 30 (trinta) dias, sem comunicação e não ser possível configurar o abandono de emprego. Um exemplo clássico é o trabalhador que se acidenta e fica inconsciente e incomunicável em um hospital por um período superior a 30 dias, sem poder dizer seu estado ao empregador. Neste caso não se configura abandono de emprego, pois está presente apenas o elemento objetivo, ou seja, falta por período superior a 30 dias, mas o subjetivo não, pois, o empregado não tem a intenção de abandonar o emprego. Para caracterizar o abandono de emprego, o empregador deve notificar o empregado, por escrito, para comparecer ao trabalho em determinado prazo e justificar as faltas. Se o empregado não atender a esta notificação, será caracterizado o abandono de emprego e o contrato de trabalho poderá ser rescindido por justa causa. Essa notificação pode ser enviada pelo cartório, por carta com Aviso de Recebimento (AR), por telegrama com cópia, pessoalmente, etc. Ressaltamos que a jurisprudência predominante não aceita a publicação da referida notificação em jornal como meio de comunicação ao empregado e ainda pode acarretar sérios prejuízos ao trabalhador, e eventualmente colocará o empregador em risco de sofrer uma Ação Judicial por Dano Moral. AmANdA GRAZIEllA mIOttO NuNEs é advogada, coordenadora do Departamento Jurídico e de Segurança do Trabalho do Sinduscon-GO 10 SINDUSCON-GO • CONSTRUIR MAIS • FEVEREIRO 2014

[close]

p. 11

Comemoração de feriados no cAlENdáRIO dE 2014 Os feriados, em que pese às controvérsias existentes sobre os seus benefícios sociais, visam promover as festividades cívicas ou religiosas de determinado povo, incentivando o resgate a acontecimentos históricos mais marcantes. A proibição do trabalho em dias comemorativos dependerá sempre de lei. Os feriados civis ou nacionais são declarados em lei federal. Os de âmbito estadual correspondentes às datas magnas dos Estados são declarados na legislação estadual. Os de âmbito municipal (os religiosos e os dias de início e término do ano do centenário de fundação do município) constam de lei municipal, a qual deve ser verificada segundo tradição local (Lei nº 9.093/1995 e 9.335/1996). Para que os departamentos pessoal das empresas possam melhor organizar eventuais compensações de jornada de trabalho, divulgamos abaixo o calendário para o ano de 2014 com base na legislação em vigor, considerando os feriados nacionais, do Estado de Goiás e do Município de Goiânia. Esclarecemos ainda que se tratando de empresa prestadora de serviços que ceda seus empregados para trabalhar em empresas sediadas em outro (s) município (s), entendemos que deverão ser observados os feriados do local da prestação de serviço. AmANdA GRAZIEllA mIOttO NuNEs é advogada, coordenadora do Departamento Jurídico e de Segurança do Trabalho do Sinduscon-GO dAtAs 1º de Janeiro 04 de Março dIAs dA sEmANA Quarta-feira Terça-feira sIGNIFIcAdO Confraternização Universal Carnaval bAsE lEGAl Lei Federal nº 662/1949 Convenção Coletiva de Trabalho 2012/2014 18 de Abril Sexta-feira Paixão de Cristo Lei Federal nº 9.093/1995 e Lei Municipal nº 100/951 21 de Abril Segunda-feira Tiradentes Lei Federal nº 662/1949, com redação dada pela Lei nº 10.607/2005 1º de Maio 24 de Maio Quinta-feira Sábado Dia do Trabalho Dia da Padroeira de Goiânia – Nossa Senhora Auxiliadora Lei Federal nº 662/1949 Lei Municipal nº 701/1956 19 de Junho 07 de Setembro 12 de Outubro 24 de Outubro 02 de Novembro Quinta-feira Domingo Domingo Sexta-feira Domingo Corpus Christi Independência do Brasil Nossa Senhora Aparecida Aniversário de Goiânia Finados Lei Municipal nº 100/1951 Lei Federal nº 662/1949 Lei Federal nº 6.802/1980 Lei Municipal nº 6.968/1981 Lei Federal nº 662/1949, com redação dada pela Lei nº 10.607/2005 15 de Novembro 25 de Dezembro Sábado Quinta-feira Proclamação da República Natal Lei Federal nº 662/1949 Lei Federal nº 662/1949 FEVEREIRO 2014 • CONSTRUIR MAIS • SINDUSCON-GO 11

[close]

p. 12

C OMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO mEtAcAulIm de alta reatividade Pesquisas na UFG têm mostrado resultados promissores para o uso no concreto nos resíduos cauliníticos da indústria papeleira. Durante a calcinação, a água de constituição da caulinita é descombinada, de modo que sob condições específicas de aquecimento e resfriamento brusco, haverá significativas alterações estruturais dessas pequenas partículas de argilominerais (caulinita), tendose como resultado a metacaulinita. Por fim, para que se obtenha um produto altamente reativo com os compostos do cimento Portland, a metacaulinita é moída até que atinja uma elevada finura, obtendo-se assim o metacaulim de alta reatividade, que é cerca de 50 a 70 vezes mais fino que o cimento. Recentes pesquisas na Universidade Federal de Goiás, no campo da durabilidade do concreto visando o adequado desempenho das estruturas em ambientes agressivos, têm mostrado resultados bastante promissores para o uso dessa adição mineral de alto desempenho em concretos de cimento Portland. Em grande parte dos estudos, os resultados dos concretos com metacaulim foram similares ou até mesmo superiores àqueles obtidos com as outras adições. De maneira geral, a incorporação de metacaulim promove uma série de melhorias às propriedades do concreto. No estado fresco, o uso do metacaulim de alta reatividade promove um aumento da coesão da mistura, reduzindo assim o potencial de exsudação e de segregação do concreto. No estado endurecido, essa adição aumenta significativamente as propriedades mecânicas do concreto. Quanto à durabilidade, concretos com metacaulim possuem menor porosidade e permeabilidade, maior resistência ao ataque por sulfatos, maior resistência à difusividade de cloretos e, ainda, a possibilidade de mitigação da reação álcali-agregado. Com a publicação da NBR 15.894 – Metacaulim para uso com cimento Portland em concreto, argamassa e pasta, de 2010, a adição mineral passa a ter requisitos próprios de desempenho. Isto contribui para a melhoria da qualidade dos produtos ofertados e, consequentemente, para a sua difusão no mercado e efetivo uso nos concretos. Com a publicação da NBR 15.575 – Edificações Habitacionais – Desempenho que, após longo período de elaboração e revisão passou a vigorar em 2013, a preocupação dos projetistas e construtores com a durabilidade das construções aumentou. Nela, são apresentados os requisitos, os critérios e as especificações de desempenho voltados aos vários sistemas constituintes da edificação, dentre os quais se destaca o sistema estrutural, cuja exigência primordial é a de que possua segurança e estabilidade, além de durabilidade. A nova norma estabelece, então, o conceito de Vida Útil de Projeto (VUP) para a estrutura, que é de 50 anos, considerando um nível mínimo de desempenho, 63 anos para um nível intermediário ou 75 anos para um nível superior. Deve-se, portanto, projetar e executar estruturas que atendam a estes requisitos, o que significa, no caso das estruturas de concreto armado, que os materiais empregados na estrutura merecem atenção capital, principalmente o aço e os constituintes do concreto Portland. Em linhas gerais, quando se tem um concreto bem elaborado, as armaduras ficam protegidas no seu interior. Então assume-se como premissa que o concreto enquanto material é de suma importância para a garantia da durabilidade das estruturas de concreto armado. Existem várias ações que podem (e devem) ser executadas para melhorar as propriedades do concreto relacionadas à durabilidade. Uma delas é o uso de adições minerais, que são materiais que não reagem diretamente com água, mas reagem com os produtos da hidratação do cimento (hidróxido de cálcio), na presença de água, produzindo no final compostos com propriedades aglomerantes (silicatos e/ou aluminatos de cálcio hidratados). O metacaulim é uma adição mineral relativamente nova, produzida a partir da calcinação da caulinita, um argilomineral presente nas argilas cauliníticas, caulins de alta pureza e ainda 12 SINDUSCON-GO • CONSTRUIR MAIS • FEVEREIRO 2014 ROdRIGO tEOdORO é engenheiro civil da Realmix Concreto e mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geotecnia, Estruturas e Construção Civil (PPG-GECON) da UFG rodrigoteodoro@me.com OsWAldO cAscudO é engenheiro civil, professor/ pesquisador da Escola de Engenharia Civil da UFG e coordenador técnico da Comunidade da Construção de Goiânia ocascudo@gmail.com

[close]

p. 13

i N OVA R É P R E C I S O cOOpERcON-GO Ao celebrar sete anos de atuação, a Cooperativa da Construção no Estado de Goiás assinou contrato de parceria com a Fabiamce Comércio, Importação e Exportação Ltda., inaugurando um formato inovador de negócios no segmento. O documento, assinado em 06 de novembro de 2013, possibilita um novo modelo de negócios para incrementar as aquisições de insumos da indústria da construção pela Coopercon-GO. Logo de início, os sócios da Cooperativa já passaram a contar com atendimento presencial na sede do Sinduscon-GO prestado pela administradora Aline Suplicy (foto), profissional formada em Comércio Exterior, especializada em agenciamento de negócios. “A proposta é praticar uma negociação inversa. Ou seja: vamos trabalhar com cotações sempre atualizadas, vamos prospectar as melhores oportunidades oferecidas pelos fornecedores da construção, elaborando um organograma de produtos que mais interessam ao setor, para só então oferecê-los aos cooperados, e aí formar grupos de empresas para participar das compras coletivas”, explica ela. O objetivo é criar uma espécie de círculo virtuoso, estimulando-se à maior participação das construtoras na Coopercon-GO que, por sua vez, gerarão um volume maior de aquisições, provocando mais interesse dos fornecedores em oferecer vantagens diferenciadas aos participantes das aquisições conjuntas (produtos de qualidade com melhores preços e condições de pagamento flexíveis). Sobre a parceria com a Fabiamce, o presidente da Coopercon-GO, engenheiro Ibsen Rosa, falou sobre as três décadas de atividades da empresa parceira. A Fabiamce tem 20 anos de experiência dedicados aos ramos de importação e exportação, contando com expertise e trabalha modelo de negócios inovador estrutura apropriada para captar fornecedores selecionados no mercado internacional e oferecer aos cooperados grandes quantidades de materiais e insumos da construção, com desempenho e qualidade comprovados, e a preços competitivos em relação aos negociados no mercado doméstico, negociando aço, cimento, cabos e fios, tintas, elevadores, entre outros. O atendimento presencial da Coopercon-GO acontece de segunda-feira a sexta-feira, das 8h30 às 17h30, na sede do Sindicato da Indústria da Construção no Estado de Goiás (Sinduscon-GO). Para mais informações, o telefone de contato da Cooperativa é (62) 3095-5166; e-mail coopercongoias@ sinduscongoias.com.br. FEVEREIRO 2014 • CONSTRUIR MAIS • SINDUSCON-GO 13

[close]

p. 14

s EGURANÇA DO TRABALHO de Prevenção de Quedas (DPQ) dIAGNóstIcO Na edição passada falamos sobre o Programa Nacional de Saúde e Segurança do Trabalho na Indústria da Construção (PNSST-IC) de uma forma geral, denominando as etapas que compõem este programa. Nesta edição falaremos mais especificamente do Diagnóstico de Prevenção de Quedas (DPQ). Então, nos perguntamos o que é o Diagnóstico de Prevenção de Quedas? É um estudo realizado dentro do canteiro de obras que irá avaliar os fatores de risco de maior relevância para a ocorrência de acidentes relacionados à queda, atendendo aos itens da NR 18. O objetivo do DPQ é conhecer as condições de segurança do trabalho nos canteiros de obras e fornecer informações que permitam às empresas controlar os fatores de risco de acidentes, pois melhorando as condições de trabalho nos canteiros, os novos processos e tecnologias serão desenvolvidos com mais segurança. O DPQ é aplicado no canteiro de obras em duas etapas. Em um primeiro momento, na visita realizada, é aplicada uma avaliação do canteiro. Esta avaliação é um questionário que atende aos itens da NR 18 e são atribuídos valores a cada questão respondida. Todo este questionário esta parametrizado em um aparelho portátil onde o profissional habilitado e treinado irá realizar este diagnóstico. Após esta visita e todo o questionário respondido, os dados são tabulados no sistema e um relatório será emitido com as avaliações feitas em cada item. Este relatório é entregue ao responsável da obra e para os itens que não obtiveram notas satisfatórias, serão recomendados melhorias. Todas essas medidas são adotadas visando um melhor ambiente de trabalho e as melhorias recomendadas terão um acompanhamento após 30 dias da entrega do primeiro relatório. Em um segundo momento é realizada outra visita para averiguar se as melhorias recomendadas foram atendidas. Com este diagnóstico todos ganham, pois os responsáveis pelo canteiro terão um parâmetro a seguir e melhorias a serem adotadas para minimizar os fatores de risco e, assim, mostrar ao trabalhador que é possível trabalhar em um ambiente saudável e seguro. RENAtA sAmANtHA RIbEIRO ROcHA é técnica de Segurança do Trabalho e AlEssANdRO mARQuEs mARtINs é engenheiro de Segurança do Trabalho do Departamento de Engenharia e Segurança do Trabalho do Sesi-GO 14 SINDUSCON-GO • CONSTRUIR MAIS • FEVEREIRO 2014

[close]

p. 15

C ONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL A necessária qualificação dos FORNEcEdOREs Desde 2010 os fornecedores de materiais e de serviços em obras da Toctao Engenharia passam por criterioso processo de seleção e avaliação para se adequar à forma de atuação e princípios que norteiam a empresa, em atendimento a questões de saúde e segurança do trabalho (SST), qualidade e responsabilidade socioambiental. Essa qualificação refere-se aos procedimentos internos praticados pela construtora e vale para todos os fornecedores, incluindo os prestadores de serviços, afirma Cinthia Martins dos Santos (foto), mestra em Engenharia do Meio Ambiente e coordenadora de Meio Ambiente da Toctao Engenharia, destacando que os fornecedores de materiais são os mais impactados por exigências como legislação e licenciamento ambiental. “As informações pertinentes à legislação ambiental, por exemplo, devem estar atestadas por documentos comprobatórios, procedimento este que também resguarda a contratante (no caso, a Toctao), que é corresponsável pelas ações de seus fornecedores, que envolvem o fornecimento de materiais ou a prestação de serviços para a empresa. As regras também se aplicam aos colaboradores destas prestadoras de serviço, averiguando-se, nos questionários de seleção, o registro de acidentes de trabalho e questões relativas à SST, bem como a responsabilidade social. “Em um primeiro momento, os fornecedores de materiais (como areia e fabricantes de blocos cerâmicos) são visitados para saber se podem ou não fornecer para nossa empresa, sendo observados alguns critérios, conforme o formulário de qualificação de fornecedores. Essas informações orientam a diretoria na decisão ou não de comprar destes. Em um segundo momento, realiza-se a visita aos receptores de resíduos, documentando-se com fotos para verificar como está sendo o desenvolvimento das atividades dessas empresas, diz Cinthia Martins. Os critérios de qualificação exigidos dos fornecedores estão estabelecidos em procedimento operacional do Sistema de Gestão Integrado (SGI) e buscam garantir a eficácia no suprimento de materiais, atendendo às requisições, prazos, especificações e parâmetros de custos estabelecidos pela construtora. “A finalidade também é de padronizar o processo de qualificação e avaliação de fornecedores de materiais e serviços considerando a capacidade destes em atender os requisitos especificados pela empresa e suprir adequadamente as necessidades de nossas obras e de nossos clientes nos aspectos de SST, meio ambiente e responsabilidade social”, explica ela. A partir de 2011, os fornecedores qualificados com base no SGQ passaram a ser qualificados para o Sistema de Gestão Integrado e são cadastrados eletronicamente na categoria ‘fornecedores ativos’ exigindo-se a docuFoto: Fabiano Veneza - arquivo Toctao mentação obrigatória e a renovação/atualização dos documentos com prazo de validade. O setor de suprimentos também avalia a necessidade de requalificação dos fornecedores que estiverem há mais de um ano sem fornecer para a empresa. Os fornecedores ativos e que estão fornecendo para as obras são submetidos à avaliação mensal de desempenho, em conformidade com as exigências do PBQP-H (Programa Brasileiro de Qualificação e Produtividade do Habitat) e da ISO 9001. “No caso de nota baixa, a empresa oferece oportunidade para correção da não conformidade, evitando o agravamento do problema, como por exemplo um fornecedor de madeira em atraso com a entrega do DOF - Documento de Origem Florestal. “O interessante é o envolvimento da equipe de colaboradores da Toctao, que é constantemente incentivada a acompanhar a conduta dos fornecedores de materiais e serviços nas obras”, afirma a coordenadora de Meio Ambiente da empresa. Como prática de aproximação com os parceiros, a construtora realiza anualmente o Encontro de Fornecedores da Toctao Engenharia, oportunidade para estreitar o relacionamento e destacar-se a importância da qualificação em todo o processo construtivo para se alcançar melhores resultados para todos, incluindo a redução dos acidentes de trabalho, queda no número de reclamações dos vizinhos dos canteiros, diminuição do impacto ambiental provocado pelas obras em produção, o que contribui para evitar paralisações, cumprir cronogramas e prazos, todos esses fatores agregando qualidade ao produto final. FEVEREIRO 2014 • CONSTRUIR MAIS • SINDUSCON-GO 15

[close]

Comments

no comments yet