Jornal Show da Fé - Boston

 

Embed or link this publication

Description

Janeiro 2014

Popular Pages


p. 1

Milagres pela TV PÁGINA 22 ANO 1 - Nº 01 - MASSACHUSETTS - JANEIRO DE 2014 FOTOS: DIVULGAÇÃO IIGD SHOWda FÉ O JORNAL DA PALAVRA DE DEUS Norberto Pereira passava dias e noites drogando-se. “Não morri por milagre” Página B5 Vida próspera PÁGINA 24 Adeus, muletas! Denair Teixeira não andava porque sofria de dores. Após conhecer o poder de Jesus, andou sem apoio Página B11 Ele se afundou nas drogas aos 15 anos Empresária bem-sucedida Susi Peuckert aprendeu como vencer na vida e tornou-se empresária de sucesso Página 3 A PALAVRA QUE REMOVE O CÂNCER – Mulher foi curada de tumor que destruía o crânio – Página 2 Explosão de milagres Multidões aprendem a praticar a fé e a tomar posse da bênção em Nome de Jesus Paralíticos andam, nódulos somem, dores na coluna, nos pés e nos joelhos desaparecem, pessoas com problemas na visão voltam a enxergar normalmente. Como acontecia nos dias do ministério de Jesus, ocorre quando o povo aprende a andar pela fé. Nas reuniões realizadas pelo Missionário R. R. Soares em estádios, ginásios, praças e templos, é comum as pessoas serem agraciadas. Daniel Bonifácio (ao lado), de apenas dois anos, que nasceu sem firmeza no tronco, é um exemplo de quem foi abençoado. “Pela fé, eu não fiquei cega” JULIO PEREIRA - STOCKGOSPEL JULIO PEREIRA - STOCKGOSPEL Bebê nasceu perfeito Ainda grávida, mãe ouviu que seu filho nasceria sem nariz, sem olhos e com deficiência mental. PÁGINA 4 A fé faz paralítico andar Gregorio Martinez só andava com bengala. Aprendeu a tomar posse da bênção e foi curado. PÁGINA B13 PÁGINA 4 DIVULGAÇÃO IIGD Após um acidente, a sentença era de que Elisabete jamais enxergaria normalmente. MARCELO NEJM

[close]

p. 2

2 SHOWda FÉ ANO 1 - Nº 01 - Massachusetts / Janeiro de 2014 Expediente Expediente D - Editorial iretor executivo R. R. Soares conselheiro eDitorial Eber Cocareli eDitora Elaine Monteiro r epórteres Amanda Pieranti Claudia Santos Mônica Ferreira r epórteres colaboraDores Isabel Querino e Marcos Couto FotograFia Marcos AC e Marcelo Nejm r evisão Marcella Peçanha, Eliana Nunes, Nathalia Rodrigues, Josenir Bento, Sophia Lang, Renata Valérie (Supervisão), Célia Cândido (Direção) e Magdalena Soares (Prova) Direção De arte Kleber Ribeiro Diagramação e a rte-Final Bruno Moraes, Karla Ribeiro, Renan Marcolino, Rodrigo Magno e Tatyanne Rangel site www.ongrace.com/ jornalshowdafe e-mail jornalshowdafe@ongrace.com r eDação Estrada dos Bandeirantes, 1.000 Taquara - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22.710-113 Telefone: (0xx21) 3077-5168 É expressamente proibida a reprodução total ou parcial de matérias, entrevistas, artigos, fotos e ilustrações sem prévia autorização dos titulares dos direitos autorais. O Jornal Show da Fé é uma publicação da Graça Artes Gráficas e Editora LTDA. QUEM É ESTE HOMEM? F Missionário R. R. Soares havia espíritos imundos que não saíssem, problemas que não fossem resolvidos, doenças que não fossem curadas e pessoas que passassem fome ou desmaiassem ao voltarem para casa por não se alimentarem. Hoje, as mesmas obras têm de ocorrer ou, então, não estamos falando a mesma Palavra. Jesus mandou que fôssemos por todo o mundo e pregássemos as Boas Notícias para todos (Marcos 16.15). Para Ele, o Senhor Deus não era um Ser ausente, e essa verdade tem de ser provada toda vez que a Sua Palavra for anunciada. Temos bons templos, bons corais e pregadores eruditos, mas poucos acreditam que podem fazer as mesmas obras que Jesus realizava se, de fato, crerem. FOTOS: DIVULGAÇÃO IIGD oi o que indagaram aqueles que viram Jesus ministrar há dois mil anos (Lucas 7.49; 8.25). Ele falava de modo positivo, levando as pessoas a crerem verdadeiramente em Deus. Por intermédio dEle, não Crânio estava sendo destruído pelo câncer U ma tontura constante levou Iracema Hinz Godoy a procurar um médico e fazer uma série de exames. O diagnóstico mostrou que havia lesões osteolíticas (que destroem os ossos) em todo o seu crânio, as quais poderiam ser tumores malignos (câncer) ou benignos. No caso dela, tratava-se da primeira opção. “Ouvi a opinião de mais de um especialista e realizei tomografias e biópsias, mas o resultado foi o mesmo”, recorda-se. Afastada dos caminhos do Senhor, Iracema entrou em pânico, achando que iria morrer. “Parei de trabalhar, pois me sentia fraca por não conseguir me alimentar e muito menos orar”, diz. A impotência diante da enfermidade fez com que ela se isolasse em uma pousada fora de sua cidade. “Eu não tinha ânimo e passava o dia todo retirada do tumor, o milagre aconteceu, e o nódulo maligno não foi mais encontrado. “Refiz todos os exames, incluindo a biópsia, e ouvi a opinião de cinco especialistas”, relata. Todos foram unânimes em dizer que Iracema entanto, uma biópsia mostrou que, na verdade, eu tinha um câncer raro e precisaria tirar o útero e os ovários, além de me submeter a um longo tratamento de quimioterapia, radioterapia e a uma transfusão de sangue. Isso, se a doença não tivesse se espalhado por meu corpo. Foram momentos terríveis, mas fiquei em oração com minha família e a Igreja. Deus me deu uma palavra no Salmo 118.17, deitada. Pensei em suicídio, mas, por entender que isso é pecado, não levei a ideia adiante”, conta. estava curada. Por causa da enfermidade, ela aprendeu a importância de não desistir de buscar o Pai celestial. “Sei que sou um milagre. Aprendi a crer no poder da oração e a confiar na Palavra de Deus”, conclui. dizendo que eu não morreria, mas viveria para contar as obras dEle. A partir de então, essa promessa passou a guiar minha vida. Em março de 2013, passei por um exame que seria decisivo, e, quando estava pronta para a cirurgia, os médicos descobriram que eu não tinha mais nada. Jesus me curou”. Maria Ângela Silva Santos “Sei que sou um milagre” De volta do período de isolamento, ela buscou ajuda na Igreja Internacional da Graça de Deus, onde confiou sua cura ao Senhor. “Com o apoio da equipe de intercessão e a visita de uma das obreiras à minha casa, minha fé foi fortalecida”, afirma. Durante a cirurgia para Útero e ovários livres da doença “Em 2012, comecei a sentir fortes cólicas menstruais e, após alguns exames, foi diagnosticado que eu estava com endometriose e cisto em um de meus ovários. A minha maior preocupação era em tirar o cisto, pois estava aumentando. No

[close]

p. 3

SHOWda FÉ ANO 1 - Nº 01 - Massachusetts / Janeiro de 2014 Casamento restaurado após sete anos Amanda Pieranti amanda.showdafe@gmail.com 3 A STOCKGOSPEL - JORGE CECÍLIO ngela de Campos teve um casamento conturbado, com muitas brigas. “Eu era muito ciumenta, disputava a atenção do meu esposo com os filhos do primeiro casamento dele, era bastante autoritária, enfim, não tinha sabedoria alguma”, revela. Sem suportar mais aquela situação de falta de paz, o marido de Angela saiu de casa. “Fiquei desesperada, porque ele era tudo para mim”. Ao ver o sofrimento da nora, a sogra de Angela a convidou para ir à Igreja, onde encontrou consolo no Altíssimo. Pouco depois, a idosa faleceu, mas Angela continuou aprofundando-se nos ensinos bíblicos. “Nesse momento, o primeiro lugar na minha vida, que, antes, era ocupado pelo meu esposo, passou a ser do Senhor”, testemunha ela, que é membro da Igreja da Graça. Durante quase sete anos, Angela ficou sem ter notícia alguma do marido, que se mudou para outra região do Brasil. “Ele me ligou apenas uma vez para pedir o divórcio, o qual me recusei a dar. Eu ainda o amava e por ser uma nova mulher em Deus, queria lutar por meu casamento. Muitas vezes, o inimigo tentou colocar desânimo no meu coração durante esse tempo, mas eu me fortalecia no Senhor e entendia que Ele realizaria o meu desejo”, afirma. Até que, no início de 2011, ela e o esposo voltaram a se falar, constantemente, pelo telefone, e, em janeiro de 2012, reataram a união. “O Pai celestial cumpriu a promessa dEle na minha vida! Estou muito feliz com Jesus e por ter meu casamento de volta”, conclui. Esse bebê venceu a morte Andréa Neves de Oliveira da Silva só tem a agradecer ao Pai celestial pelas muitas vitórias que Ele concedeu ao seu filho Caio. Com apenas seis meses de gestação, ela deu à luz o filho após se aborrecer e ter a pressão arterial elevada. Por conta disso, Caio sofreu complicações renais e de pele, dentre outras enfermidades. “Algumas partes do corpo dele não estavam totalmente formadas, e o rim não funcionava”, descreve. Membro da Igreja da Graça, a mãe entrou em oração e se firmou no texto de João 10.10 (O ladrão não vem senão a roubar, a matar e a destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância) para declarar a cura do menino. O Altíssimo honrou a fé que Andréa depositou nEle e, quando Caio se preparava para fazer sua primeira hemodiálise, o rim dele começou a funcionar. O segundo milagre vivenciado pela criança foi a cura de uma enfermidade cardíaca. “Ele foi encaminhado para o Instituto do Coração a “Deus é o nosso sócio” Há aproximadamente nove anos, o casal Susi e Edgard Peuckert montou uma pequena loja no ramo de iluminação usando a experiência que já tinha na área. Tudo ia bem até eles serem surpreendidos por um incêndio na loja. “O fogo estragou as luminárias, os aparelhos de áudio, o vídeo, o som, as embalagens de estoque etc. Tivemos um prejuízo de todo o investimento que havíamos feito devido à má instalação do equipamento de segurança e, para piorar, a loja estava sem seguro”, relata Susi, que entrou em desespero. “Eu me perguntava se conseguiríamos reerguer-nos ou se o incêndio seria o fim da empresa”, diz. Nesse período, Susi ouviu falar de Jesus e foi convidada para assistir a um dos cultos da Igreja Internacional da Graça de Deus. “Aceitei Jesus como meu Salvador e voltei para casa determinada a vencer”, conta. Susi levou toda a família para a Igreja e, juntos, todos foram batizados nas águas. “Trabalhamos para recuperar o que havíamos perdido, nós nos instalamos novamente na loja, e o Senhor enviou fornecedores para doarem mercadorias”, afirma. Após três anos, totalmente recuperado, o casal se mudou para uma loja com um espaço quatro vezes maior que o antigo e, ainda, conseguiu comprar o imóvel. “É um espaço de 500m², bem mais amplo do que esperávamos. Sem a direção de Deus, não teríamos conseguido nada disso; Ele é o nosso Sócio”, conclui o casal. DIVULGAÇÃO IIGD STOCKGOSPEL - JORGE CECÍLIO fim de ser operado, mas Jesus o sarou, e meu filho não precisou passar pela cirurgia”, explica. Devido ao tempo em que permaneceu no oxigênio, o bebê também adquiriu uma lesão na vista, mas, como o Mestre faz a obra completa, Caio não precisou operar e foi livre de todo o mal. “Ele não absorveu o sofrimento dos 122 dias em que permaneceu em uma incubadora e, hoje, já alcançou o peso e a altura de uma criança que nasceu no tempo certo. Tudo isso para a glória do Senhor”, declara.

[close]

p. 4

4 SHOWda FÉ ANO 1 - Nº 01 - Massachusetts / Janeiro de 2014 Bebê contrariou os prognósticos e nasceu sem deformidades STOCKGOSPEL - JULIO PEREIRA D STOCKGOSPEL - JULIO PEREIRA urante a gravidez, Jorgeane Freire dos Santos foi surpreendida com a notícia de que seu filho nasceria com problemas cardíacos, síndrome de Down, sem olhos e sem nariz, apenas com uma grande cavidade ocular sem desenvolvimento. “Repeti os exames em três locais diferentes, mas o resultado foi o mesmo”, diz. Entretanto, sem perder a fé, ela, que é membro da Igreja Internacional da Graça de Deus, participou de campanhas, jejuou e orou muito, crendo que o Senhor operaria um milagre. No total, foram sete meses de oração, com os exames sempre mostrando o mesmo resultado. “Por fim, os especialistas já cogitavam a possibilidade de interromper a gravidez, pois acreditavam que o bebê não teria como sobreviver”, conta. Apesar disso, Jorgeane afirma que as dificuldades só reforçavam a sua fé e lhe davam a certeza de que o Altíssimo estava no controle da situação. “Meu filho nasceu de cesariana, perfeito e saudável, para alegria da nossa família. É preciso crer que é Deus quem dá a última palavra e não perder a fé quando passamos por situações impossíveis de serem resolvidas pelas mãos dos homens”, declara. MARCOS AC Ele recuperou a audição Amanda Pieranti amanda.showdafe@gmail.com Visão é poupada por Deus após acidente Um dia, enquanto estudava a Bíblia, Elisabete da Silva sentiu o Senhor adverti-la de que a graça dEle lhe bastava. “Na ocasião, não entendi, mas minha cunhada me lembrou de que Ele sabe de todas as coisas”, recorda-se ela, que seguiu para o trabalho com a mensagem em seu coração. Ao retornar para casa, acidentou-se em um vergalhão. “Ele atravessou a minha vista direita, e eu fiquei segurando-o”, narra ela, que imediatamente lembrou-se da Palavra recebida do Altíssimo e se tranquilizou. “Aos olhos humanos, eu enfrentava algo ruim, mas Deus estava comigo”, declarou. Mesmo com a violência do acidente, Elisabete continuou enxergando. No entanto, no hospital, o médico lhe disse que ela não enxergaria por muito tempo. “Ele falou que tentaria reverter a situação e me operou, mas continuava afirmando que eu ficaria com o olho defeituoso e cega”, ressalta. “Eu falava para ele que não, pois não era isso que a Palavra de Deus me dizia, e eu tinha muita fé”. O tempo passou, e, quando Elisabete retornava ao médico para fazer o curativo, ele se surpreendia com sua melhora. “Quando eu tirei o curativo final, três meses depois do acidente, ele mesmo declarou que o Deus a quem eu servia tinha muito poder, pois Ele havia restaurado minha visão”, testemunha ela, que congrega na Igreja Internacional da Graça de Deus. “Hoje, entendo que a Palavra vinda do Altíssimo foi para me despertar para o que eu enfrentaria, mas que seria superado. Pela fé, eu consegui”, conclui ela. Durante quatro anos, Sérgio Reis dos Santos, fingiu que escutava perfeitamente. “Eu tinha perdido 75% de audição nos dois ouvidos; praticamente não ouvia. No começo, fingia que escutava as pessoas, balançando a cabeça, para que ninguém zombasse de mim. Quando se aproximavam, eu lia os lábios delas”, recorda-se ele, que foi vítima do próprio descuido, por não usar os equipamentos de segurança no trabalho. Ao consultar-se com um otorrinolaringologista, foi aconselhado a usar aparelho de surdez. “Passei a ouvir melhor, mas, para voltar a escutar direito, eu gastaria muito dinheiro com um tratamento prolongado”, comenta Sérgio que, na ocasião, ainda não servia a Cristo. “Mas já O temia. Quando deixei a clínica, falei, olhando para o céu: ‘Não aceito isso, em Nome de Jesus’”, enfatiza ele, que, poucos dias depois, sentiu no coração uma orientação do Pai. “O Senhor me mandou sair de onde eu morava”, destaca. Ele recebeu um convite para ir à Igreja Sérgio mostra os aparelhos de audição, os quais usou por algum tempo Internacional da Graça de Deus. “Assisti ao culto, e Jesus usou um irmão da congregação para mostrar-me o texto de Isaías, capítulo 53, o qual fala sobre a cura. O irmão me disse para ler o capítulo todo e, ao final, pedir de novo que fosse curado. Tirei os aparelhos, comecei a orar e, antes de terminar, ouvi uma zoeira. Eu estava escutando tudo! Desde então, nunca mais usei os aparelhos. Fui curado”, testemunha. “Não há nada no mundo que me faça abandonar Jesus”, conclui.

[close]

p. 5

SHOWda FÉ Janeiro de 2014 B1 CAMPANHAS DE FÉ PELA FÉ, MILHARES DE PESSOAS SÃO CURADAS, LIBERTAS E TRANSFORMADAS DIVULGAÇÃO IIGD Mulher sentia tanta dor que preferia morrer Página B2 Menino de dois anos começa a caminhar normalmente O pequeno Daniel, que nasceu sem firmeza no tronco, é um dos abençoados nas campanhas realizadas pelo Missionário Paralíticos andam, nódulos somem, dores na coluna, nos pés e nos joelhos desaparecem, pessoas com problemas na visão voltam a enxergar normalmente. Jesus tem realizado esses e outros milagres em todas as reuniões especiais realizadas pelo Missionário R. R. Soares em estádios, ginásios, praças e templos da Igreja Internacional da Graça de Deus no Brasil e no exterior. Com isso, milhares de pessoas têm a oportunidade de recomeçar a vida após serem abençoadas. O filho de José Bonifácio da Silva, 37, o pequeno Daniel Bonifácio, de apenas dois anos, é um exemplo. Aparentemente, uma criança normal, ele passou da hora de nascer e não tinha firmeza alguma no tronco. “Para andar, meu filho precisava da ajuda das pessoas ou apoiar-se em algo, como os bancos da Igreja”, relata o pai, que orou com fé, e o filho foi curado. “Deus curou meu filho, que agora anda normalmente”, vibrava José Bonifácio. Suportava dor havia 40 anos Desde que caiu da bicicleta, há 40 anos, Maria Martins de Oliveira, 72, passou a ter problemas na coluna. “Sofria de fortes dores e não podia carregar peso, nem mesmo uma sacola com 1kg de arroz. Os remédios não davam resultado”, menciona ela, curada durante a oração da fé feita pelo Missionário R. R. Soares. “Jesus me curou, não sinto mais dor”, afirma. Hérnias de disco desapareceram Havia 35 anos que Sérgio Lobato padecia de dores na coluna e duas hérnias de disco. “Não conseguia ficar sentado, deitado ou em pé. Não tinha posição”, revela ele, que, por conta da doença, estava de licença no trabalho. “Agora, posso voltar a trabalhar, pois o Senhor me sarou, e eu não sinto mais dor”, declara. MARCELO NEJM MARCELO NEJM

[close]

p. 6

B2 6 SHOWda FÉ ANO 1 - Nº 1 - Massachusetts/ Janeiro de 2014 “Achava que ia morrer e tinha medo de sair de casa sozinha” Amanda Pieranti amanda.showdafe@gmail.com M MARCELO NEJM ilhares de pessoas têm a oportunidade de recomeçar a vida após serem abençoadas financeiramente, curadas de várias enfermidades, libertas de vícios, perturbações espirituais e outros males nas reuniões especiais realizadas pelo Missionário R. R. Soares no Brasil e no exterior. Uma delas é Érika Rosane Ferreira de Oliveira que, durante seis anos, passou por uma depressão profunda. “Vivia chorando, achava que ia morrer e tinha medo de sair de casa sozinha”, relata ela. “Também sofria de síndrome do pânico e sentia uma angústia muito grande. Tomava remédios, mas não melhorava”, afirma. Érika não saía sozinha havia muito tempo; porém, quando soube, pela rádio, de uma das reuniões do Missionário R.R. Soares, acreditou que, se fosse, seria curada por Jesus. “Contudo, não havia ninguém para ir comigo”, lembra-se ela, que, apesar disso, estava determinada e tomou uma atitude de fé. “Meu marido me ensinou a pegar a condução para chegar ao local do culto, e eu fui sozinha. Naquele momento, senti o Senhor me amparando”. Quando o pregador falou que iria orar por quem estava angustiado e com depressão, Érika foi até a frente do altar, acreditando na vitória sobre aquele mal. “Então, Deus me curou. Hoje, estou aliviada e não sinto mais angústia nem vontade de chorar”, atestou ela após a oração. “Voltei para casa tranquila e, no dia seguinte, saí sozinha e fiquei bem. Estou até me estranhando, pois, antes, por qualquer motivo eu chorava, mas agora não choro mais”, comemora, feliz com o recomeço. Como superar as dificuldades A mensagem que transformou a vida de Érika e de outras pessoas naquela reunião teve como base o Salmo 31, versículo 11, que diz: Por causa de todos os meus inimigos, fui o opróbrio dos meus vizinhos e um horror para os meus conhecidos; os que me viam na rua fugiam de mim. “O rei Davi enfrentou dificuldades, mas foi liberto de todas elas quando confiou no Senhor e se tornou servo dEle. Você também pode ser um vencedor”, afirmou R. R. Soares. De acordo com ele, eram os espíritos malignos que estavam causando os problemas na vida de Davi, assim como ocorre com muitas pessoas nos dias atuais. “O que acontece de errado na sua vida, no seu corpo, na sua alma, nos seus desejos, na sua família, no seu casamento, nas suas finanças, enfim, em qualquer área, é por causa dos inimigos. Que inimigos são esses? Os demônios”, explicou. O Missionário R. R. Soares alertou ainda que não existe nenhum demônio que seja “bonzinho”. “Portanto, nunca ceda à tentação de acender uma vela a fim de evitar que ele o encomode e jamais faça alguma oferenda para que ele se esqueça de você, pois a natureza do inimigo é má. Ele não mudará e sempre fará maldade”. Ainda de acordo com o líder, os espíritos malignos cobram um preço muito caro dos seus seguidores. “Eles ajudam a pessoa a cair no erro e, depois, a destroem”. DIVULGAÇÃO IIGD

[close]

p. 7

SHOWda FÉ ANO 1 - Nº 1 - Massachusetts/ Janeiro de 2014 7 B3 Editorial Não conseguia ficar em pé Maravilhas maravilhosas Missionário R. R. Soares O sofrimento foi intenso e literalmente derrubou Osvaldo Silveira da Silva. Havia tempos, ele vinha sofrendo de fortes dores na coluna, nas pernas e no quadril. No entanto, nos últimos três meses, a situação piorou a ponto de Osvaldo não conseguir nem mesmo ficar de pé. “Quando essa fase aguda começou, eu até tentava andar, mas as dores vinham, e eu ficava prostrado. Se estivesse na rua, ficava sentado na calçada, sem poder me mexer. Ultimamente, não podia nem me levantar sem ajuda”, relata ele. Após consultas a diversos especialistas e vários exames, os médicos disseram a Osvaldo que seu problema era uma artrose de quadril. Assim, tentaram tratá-lo com acupuntura, remédios e fisioterapia. Contudo, nada deu resultado. “Disseram que minha única chance era me submeter a uma cirurgia para colocar uma prótese no quadril. Porém, nem isso era garantido”. Sem dúvida, o título é dado por quem tem visto a mão divina fazer prodígios por mais de 40 anos no seu ministério pelo mundo afora. Isso prova que Jesus é o mesmo hoje como foi no passado (Hebreus 13.8). Certamente, os dias de milagres não passaram. O que seria do Evangelho se tirássemos as operações sobrenaturais de Deus? Uma religião morta como qualquer outra? Contudo, o Evangelho não é uma religião. Quando o pregador não leva a sua congregação a crer no maravilhoso Deus Criador dos Céus e da Terra, ele faz um grande mal para a sociedade. Os cegos, hoje, querem mais do que ouvir falar que Bartimeu, o cego mendigo, foi curado (Marcos 10.46-52); eles querem ter certeza de que há cura para eles no Único e Verdadeiro Deus. Com isso, a fé que depositam no Senhor surgirá e, quando a oração for feita, serão curados. Venha encontrar-se comigo: Dia 25 de janeiro, às 8pm 85 Washington St, MA 02143 Informações: 617 9969194 MARCELO NEJM Nessas condições, Osvaldo não sabia se conseguiria ir à Igreja para a reunião do Missionário. No entanto, com ajuda, ele foi. E, durante a oração, todo o mal foi embora. “Estou ótimo! Não sinto mais dor nem tenho dificuldade alguma. Posso até correr!”, comemora ele. MARCELO NEJM Dores sumiram, e ela voltou a movimentar os dedos Durante 20 anos, Elza Lopes da Silva sofreu de dores causadas por artrose, artrite e osteoporose. “Também tinha tendinite em um dos braços. Cheguei a operá-lo, mas não fiquei boa. Sentia muita dor e não conseguia mexer os dedos da mão”, conta ela, que alcançou a vitória. “Estou curada. Não sinto mais dor e posso movimentar meus dedos”, conclui. DIVULGAÇÃO IIGD Livre de labirintite Por causa de labirintite, Luiz Antonio Antão não podia nem mesmo olhar para o lado, pois perdia o equilíbrio. “Levei muitos tombos. Tomava remédios em vão. Porém, após a oração ministrada pelo Missionário R. R. Soares, o Senhor me curou. Agora, posso olhar para a direita e para a esquerda sem perder o equilíbrio”.

[close]

p. 8

8 B4 SHOWda FÉ ANO 1 - Nº 1 - Massachusetts/ Janeiro de 2014 Sofria de fissura na costela havia 50 anos Francisco Martins Jr. teve uma fissura na costela enquanto servia ao Exército. “Havia 50 anos que sentia muitas dores por causa desse problema. Tomava vários remédios, mas não melhorava”, relata ele, que orou com fé e recebeu o milagre. “Hoje, fui curado por Jesus e não sinto mais dor”, finaliza. Audição recuperada, e joelho sem dor Nilza da Silva sentia os seus ouvidos entupidos e muitas dores no joelho esquerdo quando chegou à reunião do Missionário R. R. Soa- A dor do joelho sumiu MARCELO NEJM MARCELO NEJM res. “Depois da intercessão, passei a ouvir normalmente, e a dor no joelho sumiu de modo milagroso”. Fim da angústia Carmen Peres de Moraes foi mais uma das pessoas curadas durante a oração da fé realizada por R. R. Soares. Em um dos cultos que ele fez, Carmen e o marido, José Freire de Moraes, estavam completando 44 anos de casamento. Logo ao amanhecer, porém, Carmen começou a sentir uma sensação muito estranha. “Era uma angústia enorme, chegava a doer o peito. O coração acelerava, e eu começava a passar mal. Parecia que não aguentaria aquela sensação. Foi horrível”, conta ela. “A opressão, na verdade, tinha outra origem: espiritual”, acredita. Na oração, Carmen sentiu um grande alívio, e toda aquela angústia desapareceu. “Estou ótima. Deus repreendeu todo o mal e me encheu com Sua alegria. Agora, tenho um motivo a mais para comemorar e me alegrar nesse dia especial”, garante. ha Ven r-se ntra nco go! e i com DIVULGAÇÃO IIGD HÁ CURA PARA OS ENFERMOS, PROBLEMÁTICOS E DEMAIS SOFREDORES. VENHA! ENTRADA GRÁTIS Sábado - 25 de janeiro- 08:00pm 85 Washington St, MA 02143 - Mais informações: 617 9969194

[close]

p. 9

LIBERTAÇÃO HISTÓRIAS DE QUEM SE LIVROU DAS DROGAS SHOWda FÉ JANEIRO DE 2014 B5 Página B6 Ele trabalhava apenas para sustentar o vício do crack “A gente se sentia independente e importante por transgredir as regras da sociedade. Porém, não imaginava o fim que eu teria” droga é muito perigosa. Jamais quero me aproximar dela novamente!”. O desabafo é de Norberto Pereira dos Santos. Aos 15, ele começou a fumar maconha com amigos. “Era um desafio. A gente se sentia independente e importante por transgredir as regras da sociedade. Porém, não imaginava o fim que eu teria”, conta ele, que, na ocasião, passou também a usar cocaína e se tornou um dependente químico. “A Paralelamente às drogas, veio o vício no jogo do bicho e nas máquinas caça-níqueis. Quanto mais ele entrava naquele mundo, mas se sentia vazio. Entretanto, para tentar sair da situação, afundou-se em algo mais “forte”: o crack. A partir de então, Norberto viveu os piores 13 anos de sua vida. Consumindo diariamente a droga, ele trabalhava apenas para sustentar o vício e, algumas vezes, passava dias e noites drogando-se, a ponto de ter crises de overdose. Assim, ele perdeu duas vezes a família: nem a pri- meira, nem a segunda companheira, aguentaram aquela vida. “Não morri por milagre, mas queria estar morto”, recorda-se. Até que, em 2005, Norberto conheceu a Palavra de Deus assistindo ao programa Show da Fé. Então, quando visitou a Igreja, deixou a droga, mas enfrentou as temidas recaídas. “No entanto, no dia em que tomei a decisão de me firmar com Cristo, recebi uma libertação milagrosa e instantânea. Nunca mais usei drogas”, explica ele, que é obreiro na Igreja da Graça. FOTOPERFIL - SALVI CRUZ “As drogas foram meu refúgio dos 10 aos 23 anos, pois via minhas irmãs serem abusadas por um familiar. Eu me sentia bem quando bebia ou usava cocaína, lança-perfume, maconha e remédios controlados – esquecia-me dos problemas. Minha mulher chegou a me flagrar com uma amante, por isso fui expulso de casa. No entanto, nos momentos em que minha esposa saía, eu entrava para ver televisão e, assim, comecei a assistir ao programa do Missionário R. R. Soares. Quando meu casamento estava destruído, conheci Jesus, e Deus foi me abençoando. Um dia, visitei a Igreja da Graça, e minha mulher começou a perceber que o Senhor estava transformando a minha vida. Porém, foi difícil abandonar as drogas e a prostituição. Foi uma luta diária, mas, quando sentia desejo de sucumbir, lia a Palavra de Deus, envolvia-me com a obra e ouvia louvores, até alcançar a libertação completa. Então, meu casamento foi restaurado; hoje, prego a Palavra nas cracolândias”. Carlos André Barbosa dos Anjos, membro da Igreja da Graça. “Quando nasci, meu pai cumpria pena de 20 anos de prisão, e minha mãe era alcoólatra. Eu vivia na rua, e esses fatores foram minha porta de entrada para o mundo das drogas, aos 12, bebendo e fumando cigarro e maconha. Porém, o pior veio um ano depois, quando comecei a usar crack. Mesmo assim, tive três filhos, mas me separei do meu marido porque apanhava muito, e ele acabou preso. Assim, tentei mudar de vida e arrumei um barraco para morar, só que minhas crianças foram levadas pela família do meu ex-marido. Por isso, só pensava em morrer. Então, me afundei no crack. Vendi tudo o que tinha, até o chinelo e a roupa que estava usando, para conseguir a droga, além de negociar meu próprio corpo. Contudo, dou graças a Deus pelo meu atual esposo, o qual pregou a Palavra para mim e me ajudou a recuperar a guarda das crianças. Hoje, estou completamente liberta, tenho nojo de cigarro e até da fumaça. Cristo me deu uma nova vida, uma família abençoada e uma Igreja na qual encontrei novo sentido para viver”. Mariucha Alves Mota, membro da Igreja da Graça. FOTOPERFIL - SALVI CRUZ ‘Abandonar as drogas é uma luta diária’ DIVULGAÇÃO IIGD “Comecei a beber e a fumar maconha e cigarro aos 12 anos”

[close]

p. 10

B6 2 SHOWda FÉ ANO 1 - Nº 1 - Massachusetts/ Janeiro de 2014 Lutou pela libertação dos pais que eram viciados em drogas O s pais de Rita de Cássia da Silva Carvalho eram usuários de drogas havia mais de 20 anos. “Meu pai não tinha limites, porém, minha mãe tentava disfarçar; por isso, só descobri que ela se drogava quando eu já estava casada. Foi um choque para a família”, diz. Rita, por sua vez, não usou drogas. “Comecei a namorar com apenas 13 anos, tinha muita liberdade, mas não bebia nem fumava”, afirma. Um dia, Rita foi convidada por uma vizinha para ir à Igreja. Lá, ela contou sobre sua família. “Aceitei Jesus e resolvi lutar por meus pais, mas, nessa época, parecia que tudo havia piorado”, conta. Até que ela não desistiu e se tornou membro da Igreja Internacional da Graça de Deus e convidou os dois para os STOCK GOSPEL - JORGE CECILIO DIVULGAÇÃO IIGD Rita mostra fotos dos pais antes da libertação e depois de eles se entregarem a Jesus “Aos 13 anos, fiquei viciado em tudo o que me deixava doidão” Mergulhado no mundo das drogas, Danilson sofreu um grave acidente e ficou cara a cara com a morte. Até que ele conheceu o poder de Deus e recuperou a vida cultos. “Eles brigavam muito e, embora quisessem deixar aquela vida, não conseguiam”. Com as orações de Rita, o Senhor fez com que o pai dela conhecesse um taxista, que contou o testemunho de vida dele sobre as drogas. Após o pai da moça se identificar com o relato daquele homem, ele e a esposa visitaram uma igreja. “Eles foram libertos por Jesus de todos os vícios e, hoje, muitas pessoas têm-se convertido ao Evangelho ao verem a mudança na vida de meus pais”, conclui Rita. Danilson Kléber Rodrigues Bessa tornou-se usuário de drogas ainda criança. Ele revela que tinha o hábito de ingerir bebidas alcoólicas e fumar em reuniões familiares. “ Aos 13, conheci a maconha e também comecei a cheirar cola de sapateiro, lança-perfume, acetona, solvente e tudo o que me deixava ‘doidão’”, recorda-se. “Fumava maconha na frente da minha mãe, que sempre chorava muito e pedia que eu largasse aquilo”, acrescenta ele. Segundo Danilson, aos 18, ele passou a cheirar cocaína. “Trabalhava dopado, disfarçava os olhos vermelhos com colírios”. Aos 25 anos, quando ia comprar crack, sofreu um grave acidente de moto. “Fiquei durante quatro dias em coma. Quebrei o fêmur, e minhas pernas ficaram quase sem carne. Após algum tempo, por causa de uma infecção, elas começaram a apodrecer, e aquele cheiro era insuportável; por isso, os médicos já falavam em amputá-las”, lembra-se. Contudo, quase um ano depois, o sangue voltou a circular pelas veias das pernas e começou a se formar carne nos lugares que estavam quase “mortos”. “Pude sair da cama e fiquei um tempo em uma cadeira de rodas; depois, passei a andar com a ajuda de muletas. Foi um milagre de Deus”, declara o rapaz, que, apesar da bênção recebida, continuou a usar drogas e tentou se matar. Até que um amigo da família de Danilson o evangelizou, e ele passou a frequentar os cultos de uma igreja evangélica, mas não se firmou na fé. Algum tempo depois, ele foi para uma casa de recuperação, aceitou Jesus como Salvador e conseguiu recuperar-se completamente da dependência das drogas. “Hoje, não perco a oportunidade de testemunhar os milagres que o Senhor fez na minha vida”, conclui Danilson, que congrega na Igreja Internacional da Graça de Deus. Da bebida alcoólica, ele chegou à cocaína STOCKGOSPEL - JULIO PEREIRA

[close]

p. 11

SHOWda FÉ ANO 1 - Nº 1 - Massachusetts/ Janeiro de 2014 B7 Livrou-se da cocaína após 12 anos de vício Adelino Nascimento de Oliveira, 38 anos, confessa que, quando era dependente químico, não tinha forças para se livrar do vício. “Comecei a usar cocaína aos 12 anos e, aos 15, experimentei maconha. Além disso, o álcool ajudou a consumir a minha juventude”, recorda-se ele, que, constantemente, subia os morros para comprar drogas e era ameaçado de morte com frequência pelos traficantes. Por causa do vício, seu casamento entrou em crise, e ele também não sabia como resolver o problema conjugal. “Então, fui evangelizado pelos meus cunhados e resolvi visitar a Igreja Internacional da Graça de Deus em Vila São João Luiz, em Duque de Caxias (RJ). Foi onde aceitei Jesus como Salvador”, relata. Frequentando a congregação, liderada pelo Pr. Antonilton Alves, o deposista foi transformado pelo poder do Altíssimo. “Com fé em Deus e determinação, fui liberto das drogas”, atesta ele, que ainda alcançou a bênção de ter o casamento restaurado. Vendo o testemunho de Adelino, a esposa também quis conhecer o Senhor e se converteu. “Se eu soubesse que Cristo é maravilhoso assim, teria conhecido Ele há mais tempo”, conclui. STOCKGOSPEL - JULIO PEREIRA Editorial As drogas estão por toda a parte Missionário R. R. Soares As drogas estão por toda a parte, por isso, negar a existência delas é impossível, pois seus efeitos estão expostos em diversos lugares. A solução é usar a fé em Jesus, que sempre libertou todos, para vencermos essa opressão que mata a nossa juventude. Estamos fazendo, em Nome de Jesus, as mesmas obras que Ele fazia em Seus dias. Temos visto centenas de pessoas libertas e, por essa razão, anunciamos a todos que há libertação completa na fé em Cristo para to- do o tipo de sofrimento. Não devemos pregar contra nem a favor de nenhuma religião, mas mostrar ao povo que o Evangelho – o qual não é religião – é a saída para qualquer tipo de problema. Os casos que você verá nesta edição são um extrato do que tem acontecido com milhares de viciados. Sem dúvida, quem for liberto por Jesus verdadeiramente é liberto. Venha e experimente, gratuitamente, o poder libertador do Salvador. Venha encontrar-se comigo: Dia 25 de janeiro, às 8pm 85 Washington St, MA 02143 Informações: 617 9969194 MARCOS AC Sem as drogas, ele recomeçou a vida D urante muito tempo, Marco Aurélio Castro da Silva Pereira envolveu-se com o vício das drogas e da bebida. “Deixava família, trabalho, tudo em segundo plano. Quando percebi, eu havia perdido um relacionamento de oito anos com uma pessoa a quem amava, a qual já estava até com outro”, afirma. Com a vida destruída, Marco Aurélio começou a frequentar a Igreja da Graça em Jardim Maravilha, no Rio de Janeiro, em busca de ajuda para livrar-se do vício. “No entanto, não consegui me firmar e, logo, voltei para as drogas”, relata. Como explica a Bíblia no evangelho de Mateus 12.43-45, o segundo estado de Marco Aurélio foi Eu senti como se fosse o próprio Deus falando comigo ainda pior do que o primeiro. “Muitas vezes, eu virava a noite drogando-me ou indo a pontos de venda de drogas em busca de entorpecentes para sustentar meu vício, o qual se tornou ainda mais intenso”, declara. Os pais de Marco Aurélio nunca desistiram dele e sempre o incentivavam a voltar para os caminhos de Jesus. “Certa vez, eu senti como se fosse o próprio Deus falando comigo por intermédio deles”, revela. Marco voltou para a Igreja e abandonou as drogas. “Aqueles que se diziam meus amigos se afastaram de mim quando voltei para Jesus. Tive a oportunidade de recomeçar minha vida. Construí uma família, tenho uma filha e, hoje, faço a obra do Altíssimo com minha esposa. Agradeço ao Senhor pela nova chance que me deu!”, conclui.

[close]

p. 12

B8 4 SHOWda FÉ ANO 1 - Nº 1 - Massachusetts/ Janeiro de 2014 ARQUIVO PESSOAL “Foi uma época de destruição total” D urante 14 anos, Gleidson Douglas Ribeiro foi escravo do vício das drogas, perdendo bens materiais e empregos. Seu dia a dia limitava-se a usar entorpecentes. “Por muito pouco, também não perdi o casamento e a minha vida. Foi uma época de destruição total”, recorda-se. Gleidson conheceu as drogas por intermédio de seus amigos, que o convidavam para ir a festas. No começo, ele até evitava. “Estava consciente de que não sairia dali nada bom, mas, com o passar do tempo, fui fazendo concessões. Não desejava ficar sozinho nem isolado e queria que todos gostassem de mim”, lembra-se ele, que começou apenas com bebidas alcoólicas, mas não demorou para buscar “emoções” mais fortes. “Não ‘curti’ a maconha. Por isso, passei logo à cocaína e, em seguida, ao destruidor crack. Tinha apenas 16 anos”. A partir daí, Gleidson diz que entrou em “queda livre”. Para sustentar o vício, vendeu a moto, depois o carro. “No início, eu me drogava apenas no fim de semana. Porém, depois, comecei a usar também durante a semana. Não aguentava ficar sem a droga e passei a faltar no trabalho, também inventava até que algum parente havia morrido”, lamenta o rapaz, que perdeu vários empregos devido ao vício. Ele até tentou parar. Consciente de que sua vida estava cada vez mais destruída, fazia promessas de deixar as drogas. No entanto, ele não permanecia “limpo” mais de três ou quatro meses, e, de repente, surgia uma vontade irresistível. “Um único copo de cerveja abria caminho outra vez para as drogas pesadas”, lembra-se. Em um período maior de abstinência, Gleidson conheceu sua esposa, Linderleide Fernandes Duarte Ribeiro. “A princípio, não sabia de seu problema. Só descobri quando ele voltou a ter recaídas”, relata ela. Entretanto, com maiores responsabilidades, ele sabia que não podia continuar daquele jeito. Assim, há cinco anos, conheceu a Palavra de Deus assistindo ao programa Show da Fé pe- la TV e tomou uma decisão: procurou uma casa de recuperação. Ele conhecia uma, de um amigo que era pastor. Então, a própria esposa o levou até lá. “Os dez meses que fiquei afastado de casa foram difíceis, porém, nesse tempo, eu entreguei a minha vida a Jesus e fui totalmente liberto das drogas”, afirma. Gleidson também se aprofundou na Palavra de Deus e decidiu que seria obreiro na casa do Senhor. Começou auxiliando o pastor na casa de recuperação e levou a esposa para Cristo. “Há quatro anos, estou totalmente liberto”, confirma o jovem, que, hoje, é obreiro da Igreja Internacional da Graça de Deus. “Tive uma overdose e não morri por pouco” O abuso contra uma criança pode ser a porta de entrada para males infindáveis. No caso de Veneide de Diamantino, quase foi o término da sua vida. “Quando tinha nove anos, fui abusada por um familiar”, revela. A partir disso, ela se revoltou e acabou se envolvendo com drogas. “Queria parar, mas não conseguia.” O problema maior era o crack. A droga escravizava Veneide, que, sem forças para parar, abandonou a família, largou o emprego e se tornou moradora de rua. Parecia impossível, porém a situação ficou ainda pior quando ela abusou do entorpecente. “Tive uma overdose e não morri por pouco. Graças a Deus, duas pessoas me socorreram e, depois, levaram-me para uma igreja. Nessa igreja, pela primeira vez, ouvi a Palavra de Deus”, recorda-se Veneide. A partir dali, ela recobrou as forças e tentou lutar contra a droga. Apesar de diminuir o consumo, ainda faltava a libertação, a qual veio de uma forma bastante inesperada. Na verdade, ARQUIVO PESSOAL pelas mãos de um amigo. “Ele me deu uma Bíblia que tinha recebido na Igreja da Graça. Quando recebi o Livro, fui totalmente liberta”, explica ela. Mais do que liberta, Veneide teve a vida transformada. Casou-se com o rapaz que lhe dera a Bíblia, foi atrás da família e perdoou ao familiar que abusou dela. “Agora, estou buscando pela salvação deles. Tenho certeza de que o Deus que começou essa boa obra vai completá-la”, garante ela, cheia da mesma fé e coragem que lhe deram nova vida.

[close]

p. 13

SHOWda FÉ ANO 1 - Nº 1 - Massachusetts/ Janeiro de 2014 B9 MARCELO NEJM Na adolescência, ele se afastou de Deus e se aproximou das drogas D esde a infância, Josué Barbosa Ferreira, 20, ouvia a mãe lhe falar do amor de Deus e era levado para a igreja. “Apesar disso, eu nunca quis compromisso com o Senhor”, ressalta. Foi na adolescência que Josué se afastou de vez do Pai e entrou para o mundo dos vícios. “Passei a fumar quatro maços de cigarro por dia e me tornei dependente de outras drogas mais pesadas”, relata o rapaz, que gastava uma parte do seu salário com entorpecentes. “Cheguei a consumir R$800 com substâncias ilegais em uma única vez. Minha vida financeira estava sempre arrasada”, revela. Nessa época, Josué já namorava uma jovem da Igreja Internacional da Graça de Deus, que sempre intercedia por ele. “No início, ela não sabia do meu vício, mas, depois de um tempo, resolvi contá-la, e ela prometeu me ajudar”, afirma Josué, que chegou a frequentar a Igreja algumas vezes com a namorada, mas se desviava e voltava para as drogas. Até que, certa vez, o jovem se sentiu muito mal e pediu ajuda ao Altíssimo para se libertar. “Meu nariz sangrou bastante, e disse a Deus que eu não queria viver daquele jeito”. Diante dessa situação, Josué se firmou na Igreja, onde contou com a ajuda e o ensino dos pastores. “Fui completamente liberto pela Palavra, e, hoje, sou pastor. O Senhor transformou tudo em minha vida”, conclui. ARQUIVO PESSOAL Aos 16 anos, ele conheceu o álcool, a maconha, cocaína e o crack

[close]

p. 14

6 B10 SHOWda FÉ ANO 1 - Nº 1 - Massachusetts/ Janeiro de 2014 “Antes mesmo de tomar café da manhã, eu bebia cachaça” No lugar da comida, Ronaldo do Rosário preferia a bebida alcoólica. Além disso, fumava três maços de cigarro por dia. Os vícios quase o levaram à morte ARQUIVO PESSOAL “E Fiquei sem memória, sem falar, andar e com a boca torta ha Ven e ar-s ontr ! enc igo com COMO ACONTECIA NOS DIAS DE JESUS ACONTECE HOJE! Sábado - 25 de Janeiro - 08:00pm 85 Washington St, MA 02143 - Mais informações: 617 9969194 ENTRADA GRÁTIS

[close]

p. 15

MILAGRES CURADOS DE PROBLEMAS NAS PERNAS E NA COLUNA SHOWda FÉ JANEIRO DE 2014 B11 ABANDONARAM MULETAS E BENGALAS P aralíticos andam, nódulos somem, dores na coluna, nos pés e nos joelhos desaparecem, pessoas com problemas na visão voltam a enxergar normalmente. Esses e outros milagres acontecem em todas as reuniões especiais realizadas pelo Missionário R. R. Soares em estádios, ginásios, praças e templos da Igreja Internacional da Graça de Deus no Brasil e no exterior. Denair Teixeira é um exemplo das maravilhas Sem cartilagem no joelho, ela não conseguia andar que o Senhor tem feito nesses encontros de fé. A artrite e a artrose acabaram com a cartilagem do joelho direito de Denair, que sofria também de dores no pé esquerdo e não conseguia calçar sapatos nem caminhar direito. “Andava de muletas desde novembro de 2011. Tomava remédios e fazia fisioterapia, mas não melhorava. Porém, hoje, após a oração, fui curada”, afirma ela, que não precisa mais das muletas para andar. FOTOS: MARCELO NEJM Em Lima, no Peru, César Herrera também conheceu o poder de Deus durante uma das reuniões do Missionário R. R. Soares, onde aprendeu a determinar a cura e tomar posse da bênção. Durante a oração da fé, César foi curado das dores que sentia nas pernas devido à trombose e abandonou as muletas. A cura de César Fim do sofrimento Depois de operar quatro hérnias de disco, Aurineide Mendes Santa Cruz passou a sentir muita dormência e dor no local. “Foram três anos sofrendo e precisando de ajuda para caminhar. No entanto, Jesus me curou”. Dor no joelho sumiu Odete Ribeiro da Silva padecia de muitas dores no joelho direito devido à osteoporose. “Andava mancando e tomava remédios em vão”, lembra-se ela, que alcançou vitória. “A dor desapareceu, e posso andar sem problema”. MULHER MANCAVA E CHORAVA DE DOR NAS PERNAS. FOI CURADA PELA FÉ. PÁG. B12

[close]

Comments

no comments yet