Jornal de Seabra 2

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

2ª edição seabra dezembro de 2010 ações do peamss em seabra circulo de bananeira na escola familia agricola do territorio da chapada diamantina foto tiago cunha cinzas primeiro foram colocados troncos de madeira grossos no fundo em seguida galhos médios e finos de árvores e por último palha de bambu formando um monte com quase um metro de altura acima da borda do buraco por fim foi realizado o plantio das bananeiras ao redor além das bananeiras também é indicado o plantio de outras plantas de folhas largas como a taioba o mamoeiro e a batata doce os frutos produzidos neste círculo podem ser consumidos cabe ressaltar que a água cinza deve ser conduzida por meio de uma canalização até o buraco foto rômulo silva foto rômulo silva chegada a escola família agrícola no dia 17 de setembro de 2010 foi realizada na escola família agrícola uma atividade prática sobre tecnologias sustentáveis como parte da segunda oficina de educação ambiental do peamss projeto de educação ambiental e mobilização social em saneamento no primeiro momento ana paula alencar e lakshmi vallim que conduziram o curso passaram informações teóricas sobre o círculo de bananeiras uma técnica usada para tratar águas de pias tanques e chuveiros as chamadas águas cinzas durante a oficina surgiu a proposta de adotar o círculo de bananeiras ao longo dos rios da cidade ampliando para as comunidades da zona rural no segundo momento foi realizada a atividade prática de construção do círculo para que essa atividade pudesse ocorrer foi previamente solicitado à escola família agrícola a abertura de um buraco com um metro de profundidade em formato de concha com o buraco pronto este foi preenchido com madeira galhos e palha para criar um ambiente adequado para receber as águas foto luanda souza 1ª etapa início do preparo do círculo de bananeiras estiverem presentes na oficina representantes do poder público fábio lúcio martins neto ebda paulo roberto de araújo cerb nilton quinteiro da silva secretaria municipal de obras joaquim facundes santos secretaria municipal de meio ambiente danila sampaio cerqueira ingÁ reginaldo a lima finalizando o preenchimento do buraco com palha de bambu secretaria municipal de agricultura cinthia felix embasa edemir de s pires presidente da câmara de vereadores e lília carneiro da silva vereadora também houve a participação de diversos segmentos da sociedade além de 63 alunos monitores professores e funcionários da escola família agrícola cuidados as águas cinzas não devem ser misturadas com as chamadas águas negras que entram em contato com fezes humanas dos vasos sanitários estas águas devem seguir para outros sistemas mais apropriados de foto luanda souza tratamento 1º momento oficineiras passando informações acrescentando galhos finos

[close]

p. 2

nova lei do lixo estabelece responsabilidades para todos conselhos municipais do meio ambiente lei nº 12.305 de 2 de agosto de 2010 o presidente lula sancionou a lei nacional dos resíduos sólidos a chamada lei do lixo que tramitava há 20 anos no congresso esta lei deve colocar um fim aos lixões e seu texto ainda estabelece responsabilidades compartilhadas entre governo indústria comércio e consumidores sobre o destino final do lixo esta lei é muito importante e vai gerar muitas mudanças no brasil para começo de conversa a palavra lixo muda de sentido pois o que vai ser descartado é na verdade matéria-prima para reciclagem dotada de valor econômico e que tecnicamente chamamos de resíduos sólidos a nova lei obriga os municípios a elaborarem seus planos de gestão dos resíduos sólidos para que possa ter acesso aos recursos destinados a empreendimentos e serviços relacionados à limpeza urbana e ao manejo de resíduos sólidos ou ainda para serem beneficiados por incentivos e ou financiamentos de entidades federais de crédito a lei ainda cria para as indústrias responsabilidades por todo o ciclo do produto que fabricam no entanto o consumidor também precisa participar desse processo veja ao lado o artigo da lei que estabelece suas obrigações a partir do momento em que o município implantar a coleta seletiva art.35 sempre que estabelecido sistema de coleta seletiva pelo plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos e na aplicação do art.33 os consumidores são obrigados a i-acondicionar adequadamente e de forma diferenciada os resíduos sólidos gerados ii-disponibilizar adequadamente os resíduos sólidos reutilizáveis e recicláveis para coleta ou devolução parágrafo único o poder público municipal pode instituir incentivos econômicos aos consumidores que participam do sistema de coleta seletiva referido no caput na forma de lei municipal na coleta seletiva as cooperativas de reciclagem formam o elo entre o que pode ser reutilizado na cadeia industrial e o que vai ser aterrado a nova lei destinará recursos do governo para que catadores se organizem em cooperativas além disso será responsabilidade das empresas criarem cadeias de produção mais sustentáveis com isso terão que elaborar produtos recicláveis e fazer o recolhimento do material descartado o consumidor quando fizer o trabalho de separar seu resíduo vai ter certeza de que aquele trabalho terá continuidade o país começa a se organizar nesse assunto tão sério o que é a preocupação com a qualidade ambiental está crescendo nos municípios brasileiros por isso estão sendo criados mecanismos para aumentar a consciência e promover a mudança de hábitos e de comportamentos cada vez mais a população junto com o poder público tem sido convocada a participar da gestão do meio ambiente o conselho municipal de meio ambiente é um órgão criado com esta finalidade É um espaço destinado a colocar em uma mesma mesa os órgãos públicos os setores empresariais políticos e as organizações da sociedade civil no debate e na busca de soluções para o uso dos recursos naturais para a recuperação dos danos ambientais para que serve o conselho municipal de meio ambiente tem a função de opinar e de assessorar a prefeitura suas secretarias e o órgão ambiental municipal nas questões relativas ao meio ambiente nos assuntos de sua competência é também um fórum para se tomar decisões cabe ao conselho política ambiental do município e propor a fiscalizar o seu cumprimento a educação ambiental promover propor a criação de normas legais bem como a adequação e regulamentação de leis padrões e normas municipais estaduais e federais opinar sobre aspectos ambientais de políticas estaduais ou federais que tenham impactos sobre o município e apurar denúncias feitas pela receber população sobre degradação ambiental sugerindo à prefeitura as providências cabíveis essas são algumas das atribuições possíveis mas cada município pode estabelecer as competências do seu conselho de acordo com a realidade local a proposta de lei para a criação do conselho de meio ambiente de seabra já está na câmara municipal para ser aprovado procure seu vereador para que ele acelere este processo seabra precisa deste conselho você já esteve em alguma conferência?participou então compartilhe com a comunidade muitos de nós não sabe a importância de uma conferencia por esta razão trazemos aqui alguns depoimentos de pessoas que já estiveram em conferências é para nos esclarecer a importância desse tipo de evento para o desenvolvimento de uma sociedade entrevistada silvaney jesus silva silvia presidente da associação comunitária dos acs e ace presidente do conselho municipal do direito da criança e do adolescente p você já esteve em alguma conferência quais r conferência municipal dos direitos da criança e do adolescente conferência estadual do meio ambiente conferência nacionaldosdi re i to shumanos conferência da saúde entre outras p qual o objetivo de uma conferência r elaborar propostas junto à população para melhoria do país possibilita a oportunidade de discutir essas propostas nos níveis municipal estadual e nacional e por fim encaminhar para o congresso nacional p quem você estava representando nesta conferencia poder público sociedade cível usuários ouvinte ou convidados r sociedade civil foto silvaney silva ciranda das rosas foto uesla mel arte e cultura mÚsica de abertura o dono da casa mandou me chamar com meus pandeiros para vadiar são duas de lá são duas de cá ciranda das rosas acabou de chegar silvaney na conferencia nacional dos direitos da criança e do adolescente p o que foi discutido nestas conferências r problemas e dificuldades enfrentados pela população em relação à saúde a educação o respeito aos direitos humanos de acordo com o tema que se está trabalhando na conferência também são apontadas soluções para os problemas p o que você acha da participação popular nessas conferências r muito importante pois a população precisa contribuir para elaboração de propostas de políticas públicas p quais os pontos positivos e negativos dessas conferências r a própria participação da população é um dos pontos positivos um ponto negativo são enfrentar várias dificuldades inclusive financeiras principalmente quando dependem dos seus municípios ciranda das rosas a c i ra ndadas ro s a s re s s u rg i u recentemente em maio de 2010 com o intuito de se resgatar as cantigas de roda que eram realizadas após as missas dominicais na igreja de são sebastião depois de um período de esquecimento dessa tradição um grupo de pessoas interessadas se reuniu para resgatar essa cultura popular já ocorreram várias apresentações prestigiadas pela comunidade local as primeiras exibições das cantigas de roda foram realizadas no recrearte no lar do vovô em aniversários e na feira de artesanato a ciranda das rosas é composta por 17 mulheres e um adolescente estando aberta a quem queira participar das apresentações cantigas ou com doações de instrumentos foto uesla mel ciranda das rosas

[close]

p. 3

Água mineral ou água da embasa foto carlos maia cavalcante acompanhou os procedimentos de coleta e análise de amostras de água realizados pela equipe local da embasa na sede do município de seabra nesse dia foram realizadas coletas em sete pontos e as análises físico-químicas e bacteriológicas foram realizadas na eta além disso a equipe entrou em contato com a secretaria da vigilância sanitária a qual acompanha sistematicamente a qualidade da água fornecida pela embasa e também realiza análises para fazer a contraprova dos resultados na oportunidade foram avaliados os resultados fornecidos pela embasa e pela vigilância sanitária e ficou comprovado que não há motivo para optarmos pelo consumo de água mineral a água distribuída pela empresa realmente é de boa qualidade própria para consumo humano com parâmetros microbiológicos físicos químicos e radioativos dentro dos padrões de potabilidade estabelecidos pela portaria 518/2004 do ministério da saúde foto carlos maia acompanhamento de coleta nos últimos tempos há uma tendência crescente do aumento do consumo de água mineral mesmo nos lugares em que as pessoas têm acesso a água tratada fornecida pelas empresas de saneamento será que essa tendência tem fundamento será que realmente precisamos comprar água mineral para consumo humano já que dispomos de abastecimento de água tratada em nossas casas pagando mensalmente por isso será que o tratamento da água realmente é confiável na bahia quem cuida do abastecimento de água de 85 dos municípios é a embasa a qual tem como missão garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário em cooperação com os municípios buscando a universalização de modo sustentável contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e o desenvolvimento do estado dessa forma percebe-se enorme preocupação com o acesso e ainda com a qualidade da água que chega às residências dos municípios atendidos entretanto para esclarecer dúvidas sobre a qualidade da água fornecida pela embasa é importante conhecer como funciona o tratamento dessa água cujos padrões de qualidade são estabelecidos pela portaria 518/2004 do ministério da saúde por meio de visita à estação de tratamento de Água eta da embasa é possível conhecer seu processo de tratamento tudo começa com a captação de água bruta em um determinado manancial após a captação essa água segue para a eta onde passa por várias fases coagulação momento em que a água recebe um produto químico coagulante normalmente o sulfato de alumínio floculação momento em que acontece a mistura da água com o coagulante formando flocos decantação momento em que a sujeira é removida da água decanta e já se percebe a mudança de qualidade filtração momento em que a água passa por filtros formados por camadas de areia seixos e outros materiais filtrantes removendo a sujeira que não ficou retida na decantação após a filtração o tratamento da água ainda passa pelas fases de fluoretação adição de flúor para colaborar na prevenção de cáries cloração descontaminação total da água com cloro em estado sólido ou gasoso e correção de ph equilíbrio da acidez da água por meio de produtos químicos como cal hidratada ou barrilha em outubro de 2010 uma das equipes de redação do jornal seabra em foco representada por carlos maia e istefani coleta de amostras de água foto carlos maia análise da amostra de água política ambiental de quem é a responsabilidade neste século com a globalização a preocupação com a escassez dos recursos naturais e a contínua degradação do meio ambiente várias temáticas adormecidas passaram a ser o centro das atenções para os governos e a sociedade além da preocupação com a educação saúde segurança e crescimento econômico a sustentabilidade ambiental também passa a ser prioridade a qualidade da água a redução do desmatamento a ampliação do saneamento básico e o desenvolvimento sustentável são fatores indispensáveis à qualidade de vida das gerações atuais e futuras nessa perspectiva o fomento a políticas públicas dessa natureza deve estar presente nos planos de governo em todos os setores sociais instituições organizações grupos sociais e comunidade nas eleições presidenciais de 2010 no brasil por exemplo a temática ambiental fez parte do discurso dos principais candidatos em suas campanhas políticas sendo abordada de forma distinta por cada um É necessário promover uma discussão ampla e consistente sobre a questão ambiental os governos nas esferas municipal estadual e federal devem inserir em seu planejamento ações estruturantes que atentem às demandas governamentais e que estejam voltadas às necessidades da sociedade num âmbito mais abrangente é pertinente citar a fala do teólogo leonardo boff que coloca a luta em defesa da sustentabilidade socioambiental soma mobiliza sopra para além das esferas de um só partido assim torna-se indispensável o entendimento de que a política ambiental transcende a governos é estratégica e influencia não só a economia mas a qualidade de vida de todos os cidadãos portanto é responsabilidade de todos cabe a cada um se comprometer em viver com qualidade de vida em harmonia com o meio ambiente sem prejuízo para ambas as partes.

[close]

p. 4

escola família agrícola do território da chapada fotos arquivo da efa entrevista com família de aluno da efa o repórter-aluno edenilson de souza teixeira em entrevista à senhora marinalva rosa de souza na localidade de vale do paraíso município de seabra concluiu que a mesma sente-se segura em permitir que seu filho divida o tempo com a família e a escola seabra em foco como era o comportamento do seu filho antes de estudar na efa e o que mudou marinalva a maior mudança foi a melhoria na convivência com a família seabra em foco o que o seu filho trouxe para família e comunidade marinalva o reaproveitamento de garrafas pets e de vidro círculo de bananeiras técnicas de compostagem reaproveitamento e separação do lixo seabra em foco É importante a visita da escola na família marinalva sim pois aproxima a escola da família além de oferecer a oportunidade de cursos e palestras a exemplo dos cursos ministrados pelo peamss p ro jetodeeduca ç ã o ambiental e mobilização social em saneamento acreditar no potencial humano da efa os atores da alternância valorizando o seu saber experiencial que somado ao saber científico gera novos saberes necessários à educação de qualidade É preciso acreditar que o ato humano de educar existe tanto no trabalho pedagógico que ensina na escola quanto no ato político que luta na rua por outro tipo de escola para um outro tipo de mundo escola família agrícola a escola família agrícola do território da chapada é a primeira no território brasileiro filiada a aecofaba associação das escolas e comunidades famílias agrícolas da bahia atende alunos de 5ª a 8ª serie do ensino fundamental filhos de pequenos agricultores pertencentes aos municípios de seabra iraquara palmeiras boninal e souto soares a escola caracteriza-se por oferecer formação integrada onde os alunos dividem o tempo entre a família e a sala de aula permanecendo quinze dias em casa e quinze na escola o trabalho e os estudos são dois momentos que interligam família e comunidade por ser uma escola voltada para os filhos de agricultores tem o objetivo de formar cidadãos críticos éticos e participativos capazes de repassar o que aprende na escola para a família e comunidade os tornando comprometidos com valores culturais e ambientais alem dos momentos em sala de aula há vivências práticas dentro das disciplinas de acordo com o conteúdo trabalhado para que os alunos possam aprender e desenvolver no viveiro da efa período que estiverem em casa também há atividades de catequese aos sábados tanto para os alunos católicos como para os evangélicos formando não apenas cidadãos mas cristãos a escola foi criada com o objetivo principal de formar os filhos de pequenos produtores rurais visando potencializar a agricultura familiar e contribuir para a diminuição do êxodo rural a educadora marilande queiroz da silva conheceu o padre aldo lucheta fundador de duas escolas famílias agrícola e também da aecofaba sediadas em riacho de santana entusiasmada com o propósito marilande sentiu vontade de implantar uma unidade desse tipo em seabra e foi em busca de parceiros para criação de uma associação que foi legalizada em 1995 a partir da formação da associação educacional agrícola de seabra partiram em busca de recursos para construção da efa a paróquia são sebastião fez doação de um terreno os representantes da associação começaram a participar de assembléias do aula pratica de zootecnia território da cidadania a divulgar o projeto de criação da efa e outros municípios despertaram interesse em colaborar e buscaram recursos ao mda ministério do desenvolvimento agrário a associação foi registrada novamente com o nome de associação educacional agrícola do território da chapada em fevereiro de 2008 a escola entrou em funcionamento com a meta inicial de atender 100 alunos adotando metodologia de ensino denominada plano de estudo pe onde cada aluno leva uma pesquisa ou entrevista para casa com o objetivo de conhecer melhor sua família comunidade e até mesmo o potencial de sua propriedade nos últimos 3 anos de trabalho foi possível estabelecer confiança entre a efa e a família dos educandos e as comunidades despertando nos alunos uma relação amorosa pela natureza na família os alunos são capazes de desenvolver práticas como a produção de hortaliças tratos culturais organização de pequenos jardins e dar um destino apropriado aos resíduos domésticos viagem de estudo visita à cozinha comunitária de mulungu horta da efa carlos r brandão realização expediente página 01 danila sampaio cerqueira zélia saldanha paiva rosaine araújo dos santos valdeci pires de novaes sebastiana flávia lima dos santos ana maria moreira e flávia souza santos página 02 ­ rosa maciel magner mendes de oliveira isabel vitória fernanda nunes jucimar vaz adriano santos de oliveira adna alves de souza edivânio brandão de souza silvaney de jesus silva marlene ferreira lima e cristiana de souza oliveira página 03 ­ smitson a oliveira uelza souza ivaneide de jesus sá teles etiene benevides xavier maria lúcia de souza istéfani bruna cavalcanti lopes carlos alberto braga maia maria tânia s cintra iago aquino maria suzana ribeiro paulo roberto de araújo josé jadson e maria aparecida f de souza página 04 ­ edenilson de souza teixeira mariane ribeiro dos santos ualace mendes gregório ralfe santos silva larissa oliveira macedo maísa silva souza carolaine barros lazaro henrique reis de souza francisca rosa da conceição marciana anjos gomes rosinéia alves da cruz adriana pereira ferreira Íris de fátima rosa martins e salvador martins escritório peamss seabra ­ rua horacio de matos 128 1º andar centro seabra ba cep 46900.000 fone 759137-7007 e-mail peamss.seabra@hotmail.com equipe supervisor joabson figueiredo coordenação local ­ tiago cunha monitores ­ rômulo silva e luanda souza jornal produzido a partir das oficinas de educação ambiental e educomunicação do projeto de educação ambiental e mobilização social peamss realizado em 13 municípios do estado da bahia saiba mais sobre o projeto www.peamssbahia.com tiragem 16.000 cópias

[close]

Comments

no comments yet