Jornal Rafael Jambeiro 2

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

ambiental jornal saneamento tratamento de água em rafael jambeiro a atuação da empresa baiana de Águas e saneamento embasa no município de rafael jambeiro se limita apenas ao tratamento e distribuição de água a questão do esgotamento sanitário é um caso a parte pois é necessário a atuação do governo municipal e as discussões sobre este tema ainda não avançaram a estação de tratamento de Água eta da embasa localizada no distrito de argoim dispõe de um sistema de capitação com capacidade de 17,5 litros por segundo esta água canalizada no rio paraguaçu chega até a estação para um tratamento a base de sulfato de alumínio que reage com a alcalinidade da água em algumas situações utiliza-se cal para a floculação formação de flocos das impurezas da água a água além de passar por filtragem recebe cloro e flúor o cloro tem ação bactericida e germicida eliminando grande parte dos micro-organismos nocivos a saúde e o flúor age na prevenção da cárie dentária após essa etapa a água está pronta para ser distribuída para o consumo nas comunidades de argoim paraguaçu e a sede do município existe também uma eta em rosarinho que atende as comunidades de rosarinho carne d antas e cabeça do negro da qual não conseguimos dados sobre a água distribuída foto luiz carlos costa dos santos foto luiz carlos costa dos santos bomba captadora de água ­ rio paragussú/argoim a grande maioria das comunidades jambeirenses não dispõe de água tratada a embasa pretende levar água para tais localidades mas não tem prazo determinado informou ivanildo paula da cunha gerente da embasa quanto a obras de esgotamento sanitário ivanildo informa que este requer um investimento quatro vezes maior que o da água a ser tratada e distribuída ele informa ainda que por enquanto desconhece a existência de projetos de esgotamento sanitários voltados para o município quanto ao atendimento de modo geral a população mostra-se satisfeita com a atuação da embasa mas temos que nos preocupar também com o destino da água que consumimos pois não dispomos de rede de esgoto saneamento é um direito de todos e além da saúde envolve a questão ambiental estação de tratamento do argoim veja mais distrito de paraguaçu local onde há o trabalho infantil reisado comunidade de caldeirão minação olhos d água

[close]

p. 2

sociedade trabalho infantil foto rosilane oliveira souza distrito de paraguaçu local onde as crianças trabalham o trabalho infantil é toda forma de trabalho exercido por crianças e adolescentes abaixo da idade mínima legal permitida para o trabalho conforme a legislação de cada país no brasil o trabalho infantil é proibido por lei e a exploração dos menores é crime a exploração do trabalho infantil é comum em nosso distrito e um dos locais onde isto ocorre é no paraguaçu a maioria das vezes a exploração acontece por conta da necessidade de ajudar financeiramente as famílias geralmente formadas por pessoas pobres com muitos filhos o trabalho infantil é um problema a ser tratado com muita atenção devemos ressaltar também que pensando em benefício próprio muitos pais são coniventes com essa exploração e pior ainda muitos acreditam que é melhor para criança que comece a trabalhar mais cedo pois assim livra-se de ser bandido como relata em uma entrevista feita pela equipe local e j e seu filho c a f ­ os nomes foram abreviados para preservar suas identidades c conta que sua mãe permite que ele trabalhe por necessidade financeira ou até mesmo para não ser ladrão ele também afirma que é do trabalho que ele tira seu próprio sustento e de sua família uma vez que sua mãe esta desempregada há anos e que do seu pai nem sequer conta com a pensão alimentícia ele também admite o costume de lavar carros na rodovia br-116 porque gosta sua mãe ainda relata em seu depoimento que não tem para dar o que toda criança precisa como alimentos roupas brinquedos no brasil existe o trabalho de organizações nãogovernamentais ongs e outras organizações da sociedade civil organizada para o combate a exploração infantil no entanto onde está a fiscalização sobre esses exploradores de menores qual tem sido a punição precisamos avançar nesta questão porque os discursos as palestras e as conferências em que a teoria parecem perfeitas mas carecem de forma imprescindível da efetiva prática o trabalho a partir dos 14 anos é permitido apenas na condição de aprendiz em atividade relacionada à qualificação profissional além de forte presença de jovens de 14 a 17 anos no mercado informal vale destacar que nesta faixa etária a diferença entre ocupados 74,9 e nãoocupados 89,9 que vão à escola é mais significativa que entre as faixas mais novas e evidencia o reflexo negativo do trabalho abusivo na educação segundo o site www.adital.com.br o trabalho infantil em nosso município é um problema a ser tratado com muita atenção porque algumas crianças estão sendo exploradas de maneira cruel ou seja vivem lavando carro e caminhões na br-116 algumas delas infelizmente vendem drogas ou até mesmo se prostituem com os caminhoneiros o objetivo do nosso jornal é informar que a exploração infantil vem crescendo exageradamente contamos com a ajuda da comunidade que deve se conscientizar para mudar essa situação já procure o conselho tutelar para se informar sobre esse assunto conheça o povoado de maracanã o povoado de maracanã recebeu esse nome dos primeiros moradores que foram edivaldo do posto aníbal seixas e alício no passado havia um posto de combustível chamado posto maracanã e o povoado cresceu em volta do posto este povoado tem aproximadamente 95 anos de existência e hoje moram lá cerca de 500 pessoas a cultura existente há 100 anos era de festas de sanfonas quadrilhas juninas reisados a agricultura é uma de suas atividades principais pois o solo é muito fértil e produz frutas como manga jaca caju mamão banana limão laranja e muitas verduras mandioca feijão milho abóbora quiabo pimentão tomate entre outros a terra é definida como tabuleiro possui a cor branca e a cada ano tem que ser adubada para o novo plantio devido à escassez de chuvas as produções diminuíram e muitas pessoas cultivam para o próprio consumo mas antigamente as plantações eram comercializadas foto daise sales silva meio ambiente espumas de sabão no rio de paulo o rio de paulo o rio da região de maracanã é nomeado por rio de paulo antigamente não havia freqüentadores e era preservado com muitos peixes animais e uma bela vegetação hoje devido à freqüência de banhistas encontramos facilmente lixo jogado dentro do rio e nas suas margens como latas de cerveja e sacolas plásticas pessoas lavam roupas dentro do rio utilizando sabão em pó e água sanitária além disso muitos pescadores pescam com bomba fazem toragem uma espécie de barragem onde cercam uma parte do rio com pedras para que o peixe não possa fugir e ainda utilizam ervas venenosas como o tinguir para matar os peixes o rio está secando e nas margens há muitas erosões foto daise sales silva foto daise sales silva horta em mandacaru barragem no rio de paulo

[close]

p. 3

cultura cultura jambeirense a capoeira na comunidade de caldeirão está sendo formado em um grupo de capoeiristas no qual o professor responsável é o adonel do santos funcionário público que se dedica a ensinar esta arte que é um misto de dança e luta herdadas dos nossos antepassados escravos hoje essa cultura se perdeu em nosso município por isso há a necessidade de inserir jovens nessa arte e conscientizálos de que as nossas culturas antigas não devem se perder o professor lembra que morava em são paulo e lá participava de um grupo cultural tornando-se capoeirista retornando para a bahia e com a ajuda de titino guerra responsável por incentivar a cultura na comunidade do caldeirão adonel começou a divulgar a importância da capoeira e com o apoio da comunidade formou um grupo de jovens interessados em resgatar essa prática o grupo treina todos os domingos na comunidade são bem valorizados e todos vão prestigiar o momento da aprendizagem da capoeira lixão a céu aberto em contraste com a paisagem foto nelci barbosa reisado da comunidade de caldeirão as principais manifestações culturais da comunidade de caldeirão são os reisados organizado pelo senhor titino guerra e seus companheiros o reisado é um festejo popular em que se celebra o dia de reis 06 de janeiro uma herança cultural deixada pelos escravos e ainda mantida pelas pessoas idosas como titino guerra que é considerado por todos da localidade como responsável por garantir esta tradição na sua comunidade as festas de reis são realizadas anualmente e os festejos visitados por pessoas de todo o município o grupo sai de casa em casa e os moradores os recebem para uma roda de samba moradores contam que mulheres e homens da comunidade se organizam para a realização desses festejos seu titino foi um dos primeiros moradores da comunidade e viu nascerem muitas culturas que hoje não existem mais como as cantigas de rodas batas de feijão com cantorias mutirões para plantações e lendas contadas por pessoas idosas em suas lembranças ele diz que sente saudades e faz um apelo a todos para que resgatem essas culturas pois são de grande importância para a comunidade foto francilene santos grupo de capoeira caldeirão solo de rafael jambeiro existem quatro tipos de solo em nosso município arenoso calcário argiloso e crosta laterítica o arenoso é um solo claro solto e com bastante areia não muito fértil mas produz algumas árvores frutíferas o massapê é um tipo de solo argiloso existente no município que é bastante fértil e onde tudo que se planta cresce embora a falta de chuva venha escasseando cada vez mais as lavouras nesse tipo de terreno o calcário é um solo formado por partículas de rocha é um solo seco e esquenta muito ao receber os raios solares sendo considerado inadequado para a agricultura os solos de crosta laterítica geralmente são vermelhos e compostos por óxidos de ferro e de alumínio na sua composição sendo muito pobres pois o húmus é praticamente inexistente devido a intensa atividade bacteriana os poluentes estão danificando o solo um exemplo é o plástico que leva mais de 100 anos para se decompor e em excesso pode tornar o solo fraco e até mesmo inútil para a produção agrícola devido a sua condição inorgânica o plástico também dificulta a criação de animais já que eles podem se alimentar destes materiais e morrerem em consequência disso o desmatamento em rafael jambeiro está cada vez mais freqüente por causa da prática da agricultura e pastagem no período de plantio os agricultores foto dediane carmo meio ambiente foto dediane carmo exemplo de solo arenoso costumam derrubar a vegetação para fazerem novas roças bem como para fazerem pastagens para o gado com o desmatamento o solo fica Área desmatada desprotegido e exposto à ação da água das chuvas que ao escoar carregam partículas do solo provocando o seu desgaste.

[close]

p. 4

olhos d´água a origem da minação na região foto zélia fernandes cultura foto zélia fernandes nascente dos olhos d´água o senhor antônio gomes silva de 68 anos é nascido e residente na localidade dos olhos d água distrito de argoim onde antes apenas era um local úmido e brejado alagado a partir dos anos 1950 retiraram uma pedra do local surgindo uma minação fato que a comunidade atribui a um milagre de santo antônio até hoje a comunidade utiliza desta água e quando falta a da embasa é esta minação que a comunidade utiliza para uso geral atualmente foi construída pela comunidade uma lavanderia comunitária que todos têm acesso minaÇÃo do quelemente a minação do quelemente foi descoberta há mais de 100 anos e explorada por toda comunidade daquela região principalmente os mais antigos onde naquela época a cidade não tinha abastecimento de água muitas vezes os moradores formavam grandes filas para que todos conseguissem uma lata de água nessa minação que hoje continua sendo explorada mas apenas para a agricultura e uso animal minação do quelemente minaÇÃo do caldeirÃo ii o senhor lindor sales santana 55 anos é nascido e residente no caldeirão ii onde há uma minação permanente porém não tem utilidade para consumo humano pois contém um alto teor de sal visitamos também a minação do quelemente que fica na estrada da comunidade de tanque de fora rio sobradinho antigamente havia muitas matas ao redor do rio sobradinho os poços eram fundos com variedades de peixes e muitos moradores sobreviviam da pesca feita com anzol e tarrafas a tarrafa é uma rede de pesca circular de malha fina com pesos na periferia de um cabo fino no centro pelo qual é puxada as pessoas jogam manualmente elas nos rios e lagos captando os peixes que passam distraidamente pelo lugar a roda da tarrafa é guarnecida de espaço em espaço de pequenos cilindros de chumbos ou chumbadas no momento em que a tarrafa é jogada cada um vai numa direção pois quanto mais aberta a roda da tarrafa melhor para a captura dos peixes a perfeição é quando os chumbinhos estão bem longe um do outro e depois o pescador retira o instrumento e recolhe os peixes a pesca com tresmalhos co nsiste em se cercar e amarrar a rede de um lado para outro prendendo suas pontas inferiores e superiores com uma pedra e assim ela ficara presa no fundo do lago ou rio impossibilitando a passagem dos peixes ao nadarem de um lado para o outro os peixes ficarão presos nas linhas a armadilha é exposta por um bom tempo geralmente de um dia para o outro depois o pescador desarma a rede e observa se a mesma capturou algum peixe raramente usavam tingui planta que produz um sumo venenoso usado para matar os peixes nesse rio há 20 anos atrás as chuvas eram constantes por isso o rio ficava cheio por muitos dias e não dava para passar para o outro lado essa passagem era feita com o auxílio de cordas amarradas de uma árvore a outra nas margens com as pessoas segurando na corda para atravessarem outros passavam a cavalo hoje o que vemos é o rio sobradinho seco com as margens cheias de erosão e a ponte que foi construída sem utilidade cultura foto dediane carmo ponte construída sobre o rio sobrinho realização pÁg.01:tratamento da água em rafael jambeiro luiz carlos costa dos santos joelma de jesus santos tânia de oliveira santos elis mascarenhas/pÁg 02 cultura jambeirense francilene santos maria da conceição s carmo lamut c de menezes nelci conceição barbosa márcia marques da silva aline oliveira serra de souza marlene da silva gomes raqueline,marinalva gomes fontes solo em rafael jambeiro dediane sampaio soares carmo silvani paixão da costa diliane do carmo santana maridalva p carmo /pÀg 03:trabalho infantil rosilane oliveira souza sandra brandão jucimara souza eliana da silva maracanã em destaque deniz santos silva daniela da silva santos núbia dos s silva juliane machado nascimento leilda conceição costa jocilane sales silva santos deise sales silva /pÁg.04:olhos d´água ­ a origem da mineração na região homero souza santos anaurecy lopes do cone zélia fernandes serra eluziene fernandes de andrade adriana santana santiago gilmara moreira santos tamiles santiago de souza juliana araújo dos santos helenilza de jesus souza juceni rodrigues santana,jamile santos lima marinalva rodrigues santana ana rita de jesus barbosa ana rosa,cássia souza de almeida /rio sobradinho dediane sampaio soares carmo silvani paixão da costa diliane do carmo santana maridalva p carmo escritório peamss rafael jambeiro rua joão paulo ii,nº 14 centro r jambeiro-ba e-mail peamss.r.jambeiro@bol.com.br jornal produzido a partir das oficinas de educação ambiental e educomunicação do projeto de educação ambiental e mobilização social em saneamento peamss realizado em 13 municípios do estado da bahia saiba mais sobre o projeto www.peamssbahia.com tiragem 16.000 cópias expediente

[close]

Comments

no comments yet