Revista Jornal Empresários Dezembro 2013

 

Embed or link this publication

Description

Revista Jornal Empresários Dezembro 2013

Popular Pages


p. 1

® do Espírito Santo ANO XV - Nº 168 www.jornalempresarios.com.br DEZEMBRO DE 2013

[close]

p. 2

2 DEZEMBRO DE 2013 FOTOS: ANTONIO MOREIRA VITÓRIA/ES CARLOS AMORIM 14 ANOS ❫ TURISMO❫❫ Agência com oferta de Serviço diferenciado A Vita Viagens e Turismo Ltda. do empresário Marco Antônio Freire (foto) se diferencia das demais, oferecendo pacotes de viagem, que vão além da reserva de passagens aéreas e em hotéis. Até segurança é um dos itens oferecidos. Página 9. ❫ CONSUMO❫❫ Alimento sem qualidade está ANTONINHO MARMO TREVISAN (COLUNISTA CONVIDADO) nas gôndolas A reportagem do Jornal Empresários® foi às compras e escolheu o pior que era colocado à venda em um supermercado da capital. Muitos produtos chegam à Ceasa mal embalados e não passam por processo de seleção. Alguns apodrecem nas gôndolas. Página 14. Selic: dependência reduz avanço do PIB A ❫ PEDRA AZUL❫❫ Izoton inaugura centro cultural no Villaggio d’Italia O Grupo Izoton inaugurou dia 14, no km 96 da BR 262, em Pedra Azul, Domingos Martins, o Centro Cultural Villaggio d’Italia, um espaço público de lazer e convívio, inspirado nas regiões italianas clássicas, que reúne o Specialità Gastronomiche, Caffè Villagggio d’Italia, Orchidario, Casa Dell’Imigrante, Confraria do Vinho e Capella. Página 18. Selic de 9,5%, que acaba de ser estabelecida pelo Copom, significa patamar elevado para uma economia que, como a brasileira, vem registrando baixo crescimento. O efeito dessa nova política no mercado parece eficiente em termos de conter o ímpeto de compras da população, pois as taxas de juros ao consumidor registraram em setembro aumento pelo quinto mês seguido. É o que revelou pesquisa divulgada no final da última semana pela Anefac (Associação Nacional de Executivos de Finanças). Porém, cabe perguntar: é disso que o Brasil precisa? A melhor resposta é “não” pois , seria muito mais positivo voltar a crescer de modo consistente, para não colocar em risco os ganhos da inclusão social e quase pleno emprego. Entretanto e infelizmente, precisamos frear a expansão do PIB para evitar o mal maior da inflação. Nesse sentido, foi sintomático o alerta do ministro Guido Mantega, da Fazenda, quanto à necessidade de mantermos a guarda erguida para evitar seu recrudescimento. Nesse contexto, cabe analisar o porquê de estarmos nos tornando dependentes da Selic para combater a inflação, como se os juros altos fossem o único recurso para conter a alta dos preços. O problema nos remete, de modo inevitável, à questão dos gastos públicos. Também conspira contra a estabilidade dos preços a perda de competitividade da indústria, num cenário de alta do valor do dólar em relação ao Real e em que nosso mercado consumidor, ainda aquecido, é cada vez mais abastecido por manufaturados importados. Precisamos, portanto, reduzir com urgência as despesas não essenciais e as descoladas dos investimentos públicos, nas esferas federal, estadual e municipal. Também é premente um choque de competitividade. Para is- to, seria pertinente destinar verbas de custeio para investimentos públicos produtivos, ampliar o superávit primário e desonerar de maneira mais equilibrada a indústria de transformação. A desoneração da folha de pagamentos e os incentivos fiscais em alguns setores de atividade têm efeito parcial, mas acabam causando desequilíbrios, à medida que não são isonômicos no conjunto da economia. Na ausência de medidas mais consistentes e eficazes, o País vai ficando sujeito aos juros altos como único recurso para conter a inflação. Contudo, é preciso considerar que essa estratégia também é limitada, além de, se mantida por muito tempo, colocar em risco todo um ganho de crescimento do PIB e ascensão socioeconômica da população observados nos últimos dez anos. Num olhar mais amplo sobre a questão, estamos pagando um preço alto por não termos feito as reformas estruturais da Constituição de 1988, que completou 25 anos neste mês de outubro. O Brasil soube reagir muito bem à crise mundial iniciada em 2008. No entanto, chegou a um patamar de estrangulamento da capacidade de continuar crescendo, premido por impostos muito elevados, relações trabalhistas do século passado, previdência deficitária e injusta com os aposentados e outros obstáculos contidos na Carta Magna. Esta, o grande marco de nossa redemocratização, é muito avançada no tocante aos direitos individuais e coletivos, mas seus princípios relativos à economia são ultrapassados e prejudiciais à Nação. ■ Antoninho Marmo Trevisan é o presidente da Trevisan Escola de Negócios, membro do Conselho Superior do MBC (Movimento Brasil Competitivo) e do CDES (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República).

[close]

p. 3

14 ANOS VITÓRIA/ES DEZEMBRO DE 2013 3

[close]

p. 4

4 DEZEMBRO DE 2013 VITÓRIA/ES 14 ANOS ❫ EDITORIAL❫❫ Feliz 2014 ezembro, mês de festas, é sempre período especial para o Jornal Empresários®. É mês de celebração, em que comemoramos o aniversário do periódico. Uma publicação que preenche de forma única espaço presente no mercado jornalístico do Espírito Santo, dada a sua linha editorial estabelecida, periodicidade ininterrupta e circulação precisa. E que completa, ao final de 2013, 14 anos de história. Nesse período, contou em suas páginas histórias importantes de negócios de sucesso do mercado capixaba; apresentou ricas análises de macro ambiente, de cenários econômicos e meandros da política; deu espaço livre para colunistas expressarem suas opiniões, sem pauta prévia. E há de seguir por outros 14 anos pela mesma estrada, dada sua identidade e tradição. Entra em 2014 acompanhado de um novo projeto: o www.vitoria news.com.br, um portal que concentra as principais noticias do cenário regional, nacional e internacional, de temática diversa, com o objetivo de informar o leitor da web de forma objetiva e de consolidarse como a referência de noticias em tempo real para o mercado do Espírito Santo. Em quatro meses de operação, o portal tem alcançado incremento exponencial de visitações e superado as expectativas. Em 2014 irá se consolidar como canal de convergência e geração de conteúdo na rede. O www.vitorianews.com.br é uma evolução natural que não virá substituir o Jornal Empresários®, mas se somar a ele como um fornecedor de conteúdo diferenciado e de destacada relevância no segmento de comunicação e informação. E em função disso, uma ótima oportunidade de negócio para o anunciante. Há certamente de colecionar anos de longa vida e importância histórica. O jornal Empresários® no Espírito Santo foi o pioneiro na internet no Espírito Santo. Desde 1999 está disponível no www.jornalem presarios.com.br, assim como o www.vitorianews.com.br, que também pode ser lido em PC, Mac e smartphones. Desejamos a todos os leitores e parceiros - do Jornal Empresários® e do www.vitorianews.com.br - um Natal de fraternidade e um próspero 2014. Que o futuro reserve a todos nós gratas surpresas e recompensas. DELFIM NETTO D Não está escrito ideia que a economia mundial e a brasileira terão um crescimento menor em 2014 do que em 2013, é fruto de uma avaliação apressada de quem acredita que não existe governo, nem aqui, nem na China e, especialmente, nos Estados Unidos, onde se inicia uma recuperação que – como habitual – sai sempre na frente. No Brasil, ainda não temos números seguros sequer sobre o crescimento de 2013, mas já existem apostas para o ano que vem. O último resultado da pesquisa que reflete a mediana das opiniões do mercado financeiro crava 2,35% de crescimento do PIB para este ano e prevê um crescimento menor (2,1%), em 2014. O ano que está terminando foi muito difícil tanto para a economia mundial como para o Brasil. Nosso PIB deve ter um crescimento próximo dos 2.3%, talvez um pouquinho mais no caso de se confirmar a atividade no trimestre em curso, mas não muito A longe disso. As previsões pessimistas para o próximo ano são ainda fruto da ansiedade das pessoas diante dos atrasos na realização dos leilões das concessões de infraestrutura e da demora em resolver a questão dos preços dos combustíveis. E também, da recusa em enxergar os aspectos positivos das mudanças no relacionamento do governo e setor privado, que resultaram no sucesso dos recentes leilões das concessões de modernização da estrutura aeroportuária e de importantes eixos rodoviários. O crescimento em 2014 não está “escrito na pedra”; é preciso conhecer os sinais indicando que a economia mundial começa a melhorar um pouquinho, adicionando – pela primeira vez depois de cinco anos – fatores positivos ao crescimento do comércio exterior. Isso vai se somar à recuperação de nosso câmbio: a resposta da indústria vai demorar um pouco, mas com certeza acon- tecerá ao longo do ano. Os Estados Unidos são a maior economia do mundo – e vão continuar sendo por muitos anos. Estão enfrentando o grave problema fiscal, melhorando as condições de retomada da atividade em bases firmes. Por enquanto, permanece no campo das apostas o momento da tomada de decisão do seu Banco Central – o FED - para começar a reduzir a dimensão do afrouxamento monetário, cuja primeira consequência será a forte elevação dos juros, com rápida valorização da moeda americana. Isso pode ser anunciado já no primeiro semestre de 2014, significando um risco para o Brasil se o governo não tomar providências enérgicas para restabelecer a confiabilidade da sua política fiscal. O que vai acontecer com a economia no ano que vem, insisto, não está escrito nas estrelas: o crescimen- to do PIB brasileiro dependerá muito da compreensão da sociedade, em primeiro lugar; da agilidade do governo, em segundo lugar, de entender o que está acontecendo lá fora e de reagir na direção correta, tempestivamente; e da habilidade no relacionamento com o setor privado, que é quem faz a produção. Não há nenhuma razão para imaginar que 2014 será pior que 2013. Pelo contrário, há esperança que 2014 seja ligeiramente melhor do que 2013, desde que o governo tome as providências para atender as exigências das políticas fiscal e monetária, antecipando-se às mudanças das políticas monetária e fiscal americanas. ■ Antonio Delfim Netto é professor emérito da FEA-USP, exministro da Fazenda, Agricultura e Planejamento. contatodelfimnetto@terra.com.br EUSTÁQUIO PALHARES Um baseado para Pepe Mojica o presidente Pepe Mojica, do Uruguai, partiu para a liberação da maconha, regulamentando plantio, comercialização e uso. Mojica tem cacoete de estadista, a se confirmar com o tempo. Sua postura simples, sua clara noção do despojamento que um líder deve ter, senão para liderar, ao menos para inspirar os governados, situam-no como uma promessa estimulante. Não bastasse nosso anônimo vizinho Uruguai, há anos, ser citado como um dos países em que se desfruta a melhor qualidade de vida abaixo do Rio Grande. Ou seja, por toda a extensão americana, exceto Estados Unidos e Canadá. A questão da maconha é cercada de muita desinformação e preconceito. Muito juízo de valor mesclado com juízo de autoridade cria uma espessa cortina de distorção a respeito do tema. Para citar apenas uma referência tida como insuspeita, Harvard, em Massachussets, nos Estados Unidos, dispõe de amplos estudos a respeito do assunto. A revista Veja já se ocupou nos últimos dois anos pelo menos duas vezes do tema sem impedir que o prejulgamento de seus jornalistas contaminasse a neutralidade devida à boa prática do ramo. Suspeita-se que os protocolos científicos que a OMS já produziu sobre o tema são ciosamente guardados pe- E lo que poderiam representar de apologia da substância e seu elenco de propriedades terapêuticas. A substância tem a sua criminalização a partir da discriminação social sofrida pelos primeiros adeptos, os porto-riquenhos e extratos pobres que chegavam à América no início do século XX e, assim como a macumba, no Brasil, designava uma prática de “gentinha” assim a canabis, na América , recebeu a mesma consideração. Paralelamente houve toda a carga de uma nascente indústria de sintéticos, a partir do petróleo, interessada em desestabilizar a nobreza do cânhamo para a indústria têxtil. Não é meu propósito fazer qualquer apologia. Mas se você presenciar o comportamento de um grupo de jovens que fumou maconha e um grupo que bebeu álcool perceberá a óbvia distinção comportamental. O primeiro, entregue à introspecção da qual só pode resultar um comportamento amistoso; o segundo excitado e muito comumente agressivo. Aliás, a maior evidência está perto de você, leitor, que não vive dentro de uma redoma e certamente conhece alguém que faz ou fez uso da maconha. Que testemunho ele oferece? O cerrado preconceito começa pelo juízo de valor de médicos que, sem conhecerem, mesmo, opinam e respaldam-se em seus títulos acadêmicos para fazerem a proscrição. Como não há qualquer evidência de males – pelo menos tão ostensiva como de qualquer outra droga, notadamente o álcool que está na origem de muitos conflitos – apela-se para o senso comum de que ela pode ser o primeiro degrau na escalada das drogas. Bem, isso está sujeito, quando a pessoa tem uma compulsão, o que inclui sexo, chocolate, bebida, internet, etc. No mais, o que se tem é um culto irracional que não resiste a uma avaliação objetiva. A substância exacerba e distorce a percepção da realidade sem que com isso induza um comportamento hostil. Pode, sim, permitir vôos de imaginação como o experimentaram os Beatles, Steve Job, Vasco Fernandes Coutinho. Exceto, também para quem é predisposto, a eventual paranoia de se sentir perseguido; ou seja, do temor irracional de sofrer uma agressão, não de se colocar como ameaça. Já passa da hora de, para além do preconceito e do cinismo, a sociedade tratar desse tema com um mínimo de discernimento. Essa estigmatizarão só serve mesmo à bandidagem, ao tráfico, aos que à margem da lei corrompem-na exatamente no interesse de perpetuar uma repressão que valoriza sua mercadoria. A verdade é que a iniciativa de Pepe Mojica pode quebrar a espinha do tráfico internacional, senão dentro do seu país. Daí porque é previsível todo um esquema de sabotagem que conspire para que sua tese não vingue. Afinal, vai que ela se firma como uma medida saudável que se espalhe pelo continente. Existe uma boa literatura a respeito que vai além das abordagens até aqui bem superficiais. Os estados norte americanos que legalizaram a maconha o fizeram pela convicção do seu efetivo efeito comportamental. Pelo mesmo motivo-o expresidente FHC levantou essa bandeira. Do ponto de vista da saúde da população, a indústria de refrigerantes, a indústria dos adoçantes, do açúcar, do paracetamol, da dipirona – e nem cabe aqui falar do cigarro que responde direta e claramente pelos óbitos de câncer – atentam muito mais contra a vida do brasileiro. Nada se fala, afinal eles não são tecnicamente conhecidos como droga. Mas matam. E se a uma pessoa for concedido o direito de cuidar da sua planta, para além do benefício de fugir do jugo do tráfico e da consequente marginalidade, ela terá que exercitar a sensibilidade que uma relação dessa exige. Não com um pé de maconha, mas com qualquer planta, qualquer ser, como o nosso cachorro. Periga, por isso, de até melhorar como pessoa. ■ Eustáquio Palhares é jornalista eustaquio@iacomunicacao.com.br É publicado por Nova Editora - Empresa Jornalística do Espírito Santo Ltda ME - Insc. Municipal: 1159747 - CNPJ: 09.164.960/0001-61 Endereço: Praça San Martin, 84, salas 111 e 112, Edifício Alphaville Trade Center - Praia do Canto, Vitória - Espírito Santo - CEP: 29055-170 Diretor e jornalista responsável Marcelo Luiz Rossoni Faria rossoni@jornalempresarios.com.br Repórter fotográfico Antônio Moreira Colaboradores Antonio Delfim Netto, Eustáquio Palhares, Jane Mary de Abreu e José Dirceu. E-mail: jornal@jornalempresarios.com.br Diagramação Márcio Carreiro redacao@jornalempresarios.com.br Contato comercial comercial@jornalempresarios.com.br Telefone (27) 3224-5198 Site: www.jornalempresarios.com.br Impressão Gráfica JEP - 3198-1900 As opiniões em artigos assinados não refletem necessariamente o posicionamento do jornal.

[close]

p. 5

14 ANOS VITÓRIA/ES DEZEMBRO DE 2013 5

[close]

p. 6

6 DEZEMBRO DE 2013 VITÓRIA/ES 14 ANOS 100 mil novos empregos Segundo levantamento do SEBRAE, micro e pequenas empresas criam vagas equivalentes às de uma grande empresa como a Petrobras, a cada mês s micro e pequenas empresas foram as responsáveis pela quase totalidade dos empregos líquidos – resultado total de admissões menos demissões – gerados em outubro. Os pequenos negócios empregaram 101 mil pessoas no décimo mês do ano, indo na contramão das médias e grandes empresas, que fecharam 7,5 mil vagas no mês. Se comparado com o mesmo período do ano passado, esse resultado A representa um aumento de aproximadamente 28%. O número total de pessoas empregadas apenas em outubro é superior ao da quantidade de trabalhadores que a Petrobras possui em seu quadro atual – cerca de 85 mil. De janeiro até outubro deste ano, os empreendimentos de micro e pequeno porte abriram mais de 950 mil vagas de trabalho. “As micro e pequenas empresas têm um peso muito grande no saldo positivo de empregos. Esse é um comportamento que vem se consolidando nos últimos anos e tem sido comprovado pelos levantamentos mensais que fazemos com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE)” , afirma o presidente do SEBRAE, Luiz Barretto. Dentro do universo dos pequenos negócios, o setor da economia que mais contratou em outubro foi o comércio (41 mil), seguido por serviços (32 mil) e indústria, que apresentou o melhor resultado dos últimos três anos (14 mil). “As festas de fim de ano devem manter um ritmo forte de contratações tanto no Comércio, que precisa vender, quanto na Indústria, que tem de aumentar sua produção para atender à demanda dos outros setores” res, salta Barretto. A região Sudeste foi a que teve o melhor resultado do país e foi responsável por 37,3% das novas vagas, seguida pelo Sul, com 26%, e pelo Nordeste, com 24%. As regiões Norte e Centro-Oeste foram responsáveis, respectivamente, por 7,1% e 5,6% dos novos postos de trabalho. Pela segunda vez consecutiva, o estado de São Paulo liderou a geração de empregos, com a criação de 19,4 mil vagas. Logo depois vem o Rio de Janeiro, com 11,6 mil, e o Rio Grande do Sul, com 10,8 mil. ■ JANE MARY DE ABREU em uma coisa que me causa espanto e com a qual eu jamais vou me familiarizar. Quando vejo um ser humano se deliciando com o sofrimento de outro ser humano, penso que estamos voltando ao estágio primitivo da civilização humana. Avançamos tanto na ciência e na tecnologia, mas continuamos jurássicos na questão espiritual. A fúria que a sociedade moderna manifesta com relação às pessoas que a sociedade chama de criminosas merece uma reflexão. Estamos quebrando uma lei espiritual importante, que estabelece que a transformação é a principal característica do espírito humano. O despertar da consciência pode acontecer a qualquer instante e quanto mais no fundo do poço uma pessoa estiver, mais perto da transformação ela se encontra. A história religiosa está repleta de exemplos de santos e sábios redimidos e transformados. São Paulo foi Paulo de Tarso, um fanático corrupto e matador de cristãos. O grande santo tibetano Milarepa foi um desprezível feiticeiro que assassinou 37 pessoas. Valmiki, um dos maiores sábios do hinduísmo, foi um bêbado, ladrão e assassino, antes de se transformar em exemplo de santidade para o povo indiano. Outro dia, almoçando com amigos em um restaurante de Jardim da Penha, escutei de um rapaz sentado ao lado da nossa mesa: “Só vou ser feliz quando José Dirceu for para a cadeia...” Ele se referia ao episódio do mensalão, que, a julgar pela observação do rapaz, deve estar provocando esse tipo de contentamento pelo país afora. Fiquei imaginando como deve ser pobre a vida daquele Quem conhece o bem faz o bem T rapaz... dores profundas certamente ele carrega na alma, daí a rigidez e a infelicidade estampada em seu rosto triste... Isso me fez lembrar outro episódio da política... Quem não se lembra de Demóstenes Torres, o Promotor que virou Senador? Vivia com o dedo em riste, cada acusação que fazia a um semelhante era motivo de grande felicidade para ele. Parecia o ser humano mais perfeito do mundo, incapaz de qualquer deslize, qualquer má conduta... o tempo mostrou que a coisa não era bem assim. A feiúra que ele enxergava no mundo estava na verdade dentro dele. O Psicanalista Carl Jung dizia que o ser humano condena no outro o defeito que ele precisa corrigir em si mesmo. O outro é na verdade um espelho! A natureza humana é misteriosa, nem sempre o que os olhos veem é a realidade, mas seja lá o que a pessoa tenha feito de mal para a sociedade, ela merece respeito e amor na hora em que estiver acertando suas contas com a Justiça. Na medida em que os infratores são tratados com violência, eles se tornam mais e mais violentos. Só o amor tem o poder de cortar as energias de baixa vibração, só o amor realiza o milagre de reconduzir uma pessoa ao caminho da luz, de onde ela veio e para onde pode retornar a qualquer momento. Quando damos vazão à nossa fúria e ódio, tornamos tudo pior, tiramos da pessoa toda a chance de recuperação, agimos contra a lei de Deus, negamos a ela a possibilidade da transformação. Nenhum de nós age com frieza e inflexibilidade quando é um parente que está em desacordo com a moral vigente. Quan- do o infrator é um filho então, aí tomamos todos os cuidados para tirá-lo daquela situação, na maior discrição. Dificilmente um pai ou uma mãe aciona a polícia para fazer o ente querido retomar o caminho da retidão. Não o odiamos pelo erro cometido, não o arremessamos para fora do coração, nem lhe dizemos para se virar sozinho. Por que a mesma conduta não é aplicada quando se trata de um desconhecido? Certamente porque ainda não alcançamos a consciência da unidade que nos coloca na mesma condição. O sofrimento que atinge uma pessoa, afeta a vibração energética de todos, já que estamos interligados, fazemos parte de uma massa consistente e poderosa, mas invisível. Não existimos isoladamente. Conversa de místico? De jeito nenhum, Física Quântica comprovada! É certo que leis existem para serem cumpridas, mas para todos e com humanidade. Não é confinando pessoas em jaulas, como se fossem animais ferozes, não é tendo orgasmos com o sofrimento alheio que vamos evoluir. O confinamento só faz sentido se promover a introspecção e o reencontro do infrator com ele mesmo. A transformação e o despertar espiritual só acontecem no silêncio e através do exercício diário das virtudes humanas – amor, compreensão, gratidão, tolerância, paciência... essas coisas que fazemos quando um ente querido se envolve com as energias de baixa vibração e contraria as leis vigentes. Colocar infratores em jaulas, e tratálos com crueldade, equivale a jogar todo dia uma granada dentro do organismo social. Um dia, com certeza, elas vão ex- plodir, atingindo todos nós. Os presídios precisam urgentemente de um bom Programa de Educação em Valores Humanos, capaz de transformar todas aquelas pessoas que momentaneamente se distanciaram da sua condição de seres de luz e que neste momento passam pela pior de todas as provações, que é a falta da liberdade. O processo por si só já é transformador. A mesma centelha divina que anima a minha e a sua alma, existe dentro do pior dos criminosos. A qualquer momento todos nós podemos ser contemplados com o despertar divino, que não é privilégio de poucos, mas potencialidade de todo e qualquer ser humano. Toda agressividade é um pedido desesperado de amor. Quanto mais faminta de amor uma pessoa estiver, mais violenta ela se apresentará na sociedade. O problema é que os nossos governantes não entendem ainda o amor como uma poderosa energia transformadora, acham que ele é apenas uma palavra bonita que enfeita a vida dos poetas. Na verdade, o amor é energia vital, a única força capaz de fazer a verdadeira transformação humana e social, aquela que vem de dentro para fora, aquela que nasce do despertar da consciência de que somos um só corpo energético, verdadeiramente irmãos, filhos do mesmo Pai. A bondade é a natureza do ser humano, mas ela precisa ser exercitada para se tornar um ato cotidiano. Quem conhece o bem, faz o bem. Da mesma forma que os atletas treinam suas habilidades para se tornarem campeões, as pessoas também precisam treinar as virtudes para se tornarem humanas de fato. Tudo precisa ser ensinado. É aquilo que Nelson Mandela falou a vida toda: "Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar... Você não é amado porque você é bom, você só é bom porque é amado” E o melhor . dessa história é que temos amor em abundância dentro de nós e pelas leis divinas, aquelas que não falham nunca porque não foram feitas pelos homens, quanto mais amor a gente dá, mais amor tem para dar e mais amor recebe das pessoas e do mundo. O Universo gravita na abundância e na generosidade. Sendo assim, aproveite este fim de ano, quando as pessoas estão mais abertas para as coisas essenciais da vida e abandone os julgamentos, eles empobrecem a vida... Ame mais o próximo que faz tanto sucesso nas igrejas, tire-o da boca e coloque-o no coração. É seu irmão, não há como negar visto que somos filhos do mesmo Pai. Ame como gostaria de ser amado e perdoe como gostaria de ser amado – isso já vai lhe assegurar um ano novo realmente novo, cheio de amor e paz. O mundo só muda quando a gente muda. ■ Jane Mary de Abreu é jornalista, consultora de marketing político e empresarial e palestrante motivacional, com foco no endomarketing, descompressão de ambientes e espiritualidade no trabalho. janemaryconsultoria@gmail.com

[close]

p. 7

14 ANOS VITÓRIA/ES DEZEMBRO DE 2013 7 ANTONIO MOREIRA Supersimples é para todos A medida vai beneficiar quase meio milhão de micro e pequenas empresas e será votada em plenário da Câmara Federal em 2014 e depois no Senado Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou Projeto de Lei Complementar (PLP 221) que vai permitir a inserção de quase meio milhão de micro e pequenas empresas com faturamento até R$ 3,6 milhões por ano no Supersimples e uma redução média de 40% em sua carga tributária. A medida, que segue agora para o plenário da Câmara, deverá ser votada no primeiro semestre do próximo ano. Para o presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barretto, este foi um passo significativo para o fortalecimento das micro e pequenas empresas brasileiras. “Continuo esperançoso que o Parlamento continuará a ajudar este segmento tão importante” avaliou Barretto. Após , a aprovação da medida pela Co- A missão, o ministro da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos, destacou também o papel do Congresso. “Dependemos fortemente do Congresso Nacional. Ele não é um simples coadjuvante. Ele é o protagonista desse processo” disse o ministro. , Com a aprovação da medida, clínicas médicas, consultórios dentários, escritórios de advocacia, pequenas imobiliárias e mais de 200 outras atividades com faturamento anual de até R$ 3,6 milhões, ora enquadradas no regime de lucro presumido, passarão a ter o direito de aderir ao Supersimples. Com a universalização do regime, são esperadas não somente a redução do número de empreendimentos informais como também o aumento do volume de empregos nos peque- nos negócios. “O grande interesse do governo é dinamizar a economia, e poucos projetos, neste momento, teriam um efeito tão imediato quanto este” avaliou o minis, tro da Micro e Pequena Empresa. Um estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) aponta que, em um primeiro momento, a migração de 447 mil micro e pequenas empresas do regime de lucro presumido para o Supersimples geraria uma retração de 0,073% na arrecadação federal, o equivalente a R$ 981 milhões por ano. No entanto, o estudo considera que a diminuição da carga tributária para os pequenos negócios irá motivar empresas hoje informais a regularizar a situação, reduzindo o impacto sobre os tributos, além de impulsionar a ge- O presidente do Sebrae, Luiz Barretto, está confiante ração de vagas. “Quem carrega esse país no momento de crise são as micro e pequenas empresas. Temos que valorizá-las” defendeu o , deputado federal Efraim Filho (DEM-PB). ■

[close]

p. 8

8 DEZEMBRO DE 2013 VITÓRIA/ES 14 ANOS MAIORES Zé Dirceu Excepcionalmente nesta edição o Jornal Empresários® não publica o artigo do ex-ministro José Dirceu. Tão logo ele obtenha autorização para cumprir a pena imposta pela justiça, de fato, no regime semiaberto e exercer atividades laborais, este jornal voltará a publicar a coluna. Copa do mundo Recomendação aprovada dia 17 pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sugere aos Tribunais de Justiça dos estados e do Distrito Federal e Territórios a criação de Juizados do Torcedor e de Grandes Eventos, dentro de 30 dias. O objetivo da medida é melhorar as condições do Poder Judiciário para prevenir novos atos de violência em praças esportivas e preparar o país para receber grantes eventos, como a Copa do Mundo. Mais produção A ArcelorMittal Tubarão (ex-CST) vai reativar seu terceiro alto-forno e aumentar em 2,5 milhões de toneladas a produção anual da empresa. Isto é bom para a economia e mau para o meio ambiente. “Ouvido de mercador” Estudantes da Universidade de Vila Velha continuam a reclamar da falta de segurança no estacionamento e no entorno da UVV. Muitos são vítimas da violência: assaltos à mão armada e arrombamento de veículos. Eles questionam a direção da UVV e as autoridades, mas não obtém êxito. Melhorou o caixa A Fibria (ex-Aracruz Celulose) vendeu para a Parkia Participações S.A 210 mil hectares de terras localizadas nos Estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Bahia e Espírito Santo, com valor total de R$ 1,65 bilhão. Pouco caso O consumidor cadastrado sob o número 506405s endereçou correspondência à EPD – Escelsa, no dia 29 de abril, protocolo 513815342, queixando-se da empresa por esta não entregar o talão de cobrança/consumo com a regularidade devida. Até o fechamento desta edição nenhuma resposta foi dada ao consumidor, que formulou denúncia à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Parabéns O restaurante Empório Árabe completou este mês 25 anos, sob a direção de Fayez Azar e Eugênia Maria Cauerk Moisés Azar. O restaurante está localizado na Rua Duckla de Aguiar, o melhor endereço da cozinha árabe em Vitoria. Malhação A busca por um corpo perfeito ou por uma vida mais saudável tem promovido um verdadeiro boom no número de academias no Brasil. Em apenas cinco anos, o setor teve um crescimento de 133%. Em 2007, eram 9,3 mil micro e pequenas empresas atuando nesse ramo; em 2012, esse número pulou para 21,7 mil. “Há dois fatores para esse aumento no volume de academias. O primeiro deles é a busca por melhor qualidade de vida, mais saudável. E o segundo é o aumento de renda. Essa união gerou muitas oportunidades” informa Luiz Barret, to, presidente do Sebrae. Suborno A direção do PSDB quer processar o ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, por ele ter enviado à Polícia Federal documento com denúncias sobre suborno para contratação de obras e compra de trens para o Metrô de São Paulo nos governos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin. Água de coco On-line Além da versão impressa, o Jornal Empresários® está disponível na internet e pode ser acessado via PC, Mac, tablets e smartphones. O endereço é www.jornalempresarios.com.br. As edições on-line retratam fielmente as características da versão impressa, disponibilizada na internet desde dezembro de 1999. ROMERO MENDONÇA O verão promete ser promissor para os vendedores de água de coco. Com o calor vem também a alta dos preços. Esportes náuticos O prefeito Luciano Rezende tem interesse em estimular a prática de esportes náuticos em Vitória. As praias da cidade, que já não são tão poluídas, recebem diariamente grande número de atletas de várias modalidades. O prefeito, um ex-atleta, praticou remo e windsurf. Aeropó As investigações da Polícia Federal, que apreendeu numa fazenda localizada em Afonso Cláudio um helicóptero pertencente ao jovem deputado estadual mineiro Gustavo Parrella, com quase meia tonelada de cocaína colocam o Espírito Santo na rota do tráfico internacional de drogas. Só drogas? Em vigor Com o objetivo de oferecer atendimento médico imediato àqueles que se sentem mal ou que são vítimas de violência ou de acidentes em grandes eventos, o deputado estadual Luiz Durão (PDT) criou um projeto de lei que obriga os organizadores a manterem Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) móveis nos eventos em que haja grande concentração de pessoas, e que a partir do dia 16, com a publicação no Diário Oficial, passou a ser a Lei 10.145. Complexo esportivo Curso de inglês Um grupo de 46 alunos da Rede Estadual de Educação das regiões de Terra Vermelha (Vila Velha) e São Pedro (Vitória) celebrarou a formatura no curso de inglês do Programa “Up with English” que , tem duração de dois anos. A cerimônia foi realizada no Palácio Anchieta. A prefeitura da Serra rescindiu o contrato de construção das obras do Complexo Esportivo Riviera, em Jacaraípe, assinado em junho de 2011, pelo então prefeito Sérgio Vidigal (PDT). O prazo de execução dos trabalhos era de 540 dias, mas somente 16% da obra foi executado. O que já foi feito corre risco de demolição por erros na execução do projeto . Trânsito Um falsa rotatória da avenida Rio Branco, localizada em frente ao supermercado Carone, em Santa Lúcia, responde pela retenção do trânsito na avenidas Leitão da Silva e Nossa Senhora da Penha. No horário de pico, o trânsito na região vira um verdadeiro inferno. A solução é simples e só não vê quem não quer.

[close]

p. 9

14 ANOS VITÓRIA/ES DEZEMBRO DE 2013 9 Uma agência com diferencial A Vita Viagens e Turismo é especializada na elaboração de roteiros, incluindo serviços que proporcionam segurança e bem-estar brasileiro está viajando mais. Com o crescimento da economia e do poder aquisitivo nos últimos anos, cada vez mais brasileiros estão pegando a estrada ou embarcando em um avião. A atividade turística brasileira, no mercado doméstico e também no internacional, apresentou importante expansão, principalmente por conta de investimentos no turismo e pelo fato do mercado oferecer preços competitivos. Além disso, o consumidor conta com opções de financiamento facilitadas, o que reduz ainda mais o custo das viagens. Dentro deste cenário, os empresários do setor de agenciamento e operações turísticas ocupam posição fundamental. Um dos diferenciais oferecidos aos clientes é a personalização de viagem, serviço que é oferecido pela Vita Viagens & Turismo, agência capixaba fundada em 2008. O diretor-executivo da Vita Viagens & Turismo, Marco Antonio Lima Freire, destaca que o diferencial da empresa é que a equipe valoriza a dedicação no atendimento. “A Vita - O ANTONIO MOREIRA Marco Antônio Freire comanda as ações da Vita Viagens & Turismo Viagens & Turismo é uma agência que se preocupa em compreender a real necessidade do cliente para que as viagens sejam realizadas da maneira mais satisfatória possível e sem preocupações, com o máximo de segurança, comodidade e conforto.” A empresa elabora pacotes completos, que incluem transporte, hospedagem, alimentação, locação de veículo, city tours, seguro viagem e passeios turísticos, tudo para o cliente ter muito conforto sem preocupação durante suas férias. Há opções de pacotes nacionais, internacionais, de Lua de Mel e cruzeiros marítimos e também de assistência especializada para o cliente obter vistos consulares. Com o serviço de Personal Travel, o cliente conta com atendimento personalizado, com assistência na escolha dos destinos. Há suporte para alterar dias e horários de voos e hospedagem e a empresa também negocia com fornecedores os melhores preços de tarifas. LUA DE MEL - Uma novidade oferecida pela empresa são as Cotas de Lua de Mel. Freire afirmou que o programa é uma forma interessante e divertida para ajudar aos noivos a realizarem a viagem de lua de mel, além de oferecer aos convidados uma ótima opção para presente, de maneira fácil, cômoda, rápida e segura. “Por meio desta modalidade os casais podem substituir ou complementar as tradicionais listas de presentes, por meio de um sistema prático, através do qual os convidados tem a alternativa de contribuir com a viagem do casal, adquirindo uma ou mais cotas do valor do pacote de lua de mel escolhido pelos noivos” , explicou. Gestão de viagens para empresas A Vita Viagens & Turismo atua também no segmento corporativo, oferecendo inúmeros serviços para prestar total assistência às empresas na concretização de seus negócios. “Fazemos reserva e emissão de bilhetes aéreos, pacotes e reservas para congressos, feiras e eventos no Brasil e no exterior, reserva de hospedagem e locação de automóveis também no Brasil e no exterior, serviços de receptivo, assistência especializada na obtenção de vistos consulares, check-ins antecipados, entre outros, realizando a total gestão das viagens corporativas” , detalhou o diretor-executivo Marco Antonio Freire. A gestão das viagens corporativas oferecida pela Vita Viagens & Turismo faz com que as viagens fiquem muito organizadas. É feito um planejamento do deslocamento de colaboradores, gerenciamento das necessidades dos viajantes de acordo com a política das empresas, para equilibrar qualidade, segurança e redução de custos. Além disso, controla o orçamento de gastos com viagens, auxilia a providenciar documentações necessárias para o deslocamento e ainda emite relatórios gerenciais de gastos, de viagens e autorizações. “Nossa atuação utiliza um modelo de gestão pautado na excelência do atendimento a nossos clientes e nossos serviços são prestados por uma equipe especialmente treinada para identificar suas necessidades e realizar um serviço eficiente e de qualidade, priorizando a satisfação, segurança e tranquilidade em suas viagens” finalizou Freire. ■ , VITA VIAGENS E TURISMO ■ ENDEREÇO: Av. Rio Branco, 953 – Praia do Canto – Vitória-ES. ■ FUNCIONAMENTO: Segunda a sexta-feira, de 9h às 18h.

[close]

p. 10

10 14 ANO Jornal chega aos 14 ano Espírito Santo na visão dos empresários, lideranças políticas e pessoas com destaque nos cenários decisórios do Estado. Com esse conceito, nasceu há 14 anos o Jornal Empresários®, hoje em sua 168ª edição, com uma peculiaridade: nunca deixou de circular, mesmo em momentos que podem ser considerados difíceis, superando barreiras e chegando a 2014 com elevada credibilidade e forte penetração junto ao seu público-leitor. O jornalista Marcelo Rossoni, idealizador do projeto e diretor da publicação, afirma que o Jornal Empresários® segue a trajetória traçada por ele no início do projeto, mas nesse período agregou melhorias, com resultados altamente positivos. Além da atualização dos conteúdos, por meio de profissionais eficientes, o veículo inclui hoje entre seus colaboradores personalidades do cenário econômico, social e político do Espírito Santo, sempre mantendo um diferencial editorial. “Desde o início buscamos mostrar o Espírito Santo, sua economia e mundo empresarial, sob uma ótica positiva” afirma Mar, celo. Para ele, o Jornal Empresários® representa significativa contribuição na divulgação da economia estadual, sem perder a capacidade de análise que caracte- Em dezembro de 1999 circulou a primeira edição do Jornal Empresários®. A réplica foi disponibilizada, no mesmo mês, n O FOTOS: ANTONIO MOREIRA A equipe do Jornal Empresários® trabalha em ambiente confortável riza o bom jornalismo. “Acreditamos que notícia boa também é notícia, como diz o velho adágio. Isso não implica, necessariamente, em suprimir a análise dos fatos veiculados. Nossos colaboradores, por meio de suas colunas, o próprio conteúdo de algumas matérias fazem do jornal um seguro indicador dos rumos da economia do Espírito Santo e, em algumas ocasiões, do cenário político local” afirma Mar, celo Rossoni. Essa marca é responsável pela forte penetração do jornal, que hoje circula em toda a Grande Vitória, com um mailing onde se destacam as camadas da população com maior poder aquisitivo e capacidade de decisão. Isso quer dizer que o empresariado, as lideranças políticas e a população que decide recebem o Jornal em sua residência ou local de trabalho, em envelope personalizado. A importância do Jornal Empresários® pode ser medida por sua tiragem e o nível dos anunciantes, entre os quais se destacam as grandes empresas do Estado. O Jornal Empresários® possui uma equipe de 11 profissionais, entre eles alguns jornalistas especializados, agenciadores comerciais e pessoal dos setores administrativo e de circulação. Este último conta ainda com uma empresa responsável pela entrega dos exemplares, trabalho que é realizado mensalmente no período de uma semana, em media, considerando o elevado volume de leitores. Além dessa equipe, o jornal possui colaboradores, destacando-se personalidades dos setores econômico e social do Estado e do país. Desse modo, o jornal possibilita uma abordagem maior dos assuntos, enriquecendo os conteúdos editoriais. Qualidade gráfico-editorial é destaque A começar pelo tipo de papel, a qualidade gráfico-editorial do Jornal Empresários® sempre foi um dos vários diferenciais responsáveis pela alta credibilidade e aceitação junto ao públicoleitor. Desde o projeto inicial, o veículo se caracteriza pela inovação em todas as áreas, decorrente da experiência do seu diretor responsável, Marcelo Rossoni. Ele explica: “Sentimos que no Espírito Santo havia espaço para uma publicação voltada para a economia, mas com uma nova linguagem, dentro de uma visão mais otimista, sem perder, porém, o sentido da análise crítica. Pesquisamos, consultamos outros especialistas e chegamos ao projeto, cuja aceitação foi, desde o início, muito grande” . As fotos grandes de capa, como parte de uma apresentação gráfica avançada e diferenciada até hoje fazem com que o Jornal Empresários se destaque. Somado a essa característica, o conteúdo leve e objetivo, resultante de apurações rigorosas e atualizadas coloca a publicação na linha de frente dos veículos especializados em economia. Outra particularidade do Jornal Empresários® é a circulação, que, em momento algum, nestes 14 anos, foi interrompida. “Isso faz com que a credibilidade do veículo aumente permanentemente junto aos anunciantes e o público-leitor” diz Marcelo, , afirmando que o mailing utilizado para enviar os exemplares é, hoje, um dos mais completos do Estado. “Com essa ferramenta, temos a garantia de circulação e sabemos que o jornal é, de fato, lido” diz. , Em 14 anos ininterruptos de circulação, o Jornal Empresários® levantou assuntos importantes para a economia, denunciou malfeitos, acatou projetos positivos para o desenvolvimento estadual e, principalmente, contribuiu para agregar informações sobre o Espírito Santo, algumas das quais representam elos essenciais para melhorar o cenário socioeconômico regional. “Buscamos o equilíbrio entre a forma e o conteúdo, considerando que nosso público-alvo é formado, em sua maioria, por empresários, profissionais liberais, lideranças políticas e pessoas que decidem sobre investimentos em diversas áreas de atuação. “Temos que oferecer um nível compatível com o do nosso público” explica , Marcelo Rossoni. PUBLICIDADE – Uma das características do Jornal Empresários® é a inserção de anúncios produzidos pelas maiores agências de publicidade do Estado, que cuidam da comunicação de grandes empresas e instituições com sede no Espírito Santo. São empreendimentos imobiliários, da área automotiva, entre outros, que utilizam o veículo tendo em vista seu alto grau de penetração. “Cada edição do Jornal Empresários® é cuidadosamente encaminhada para o público. O sistema de circulação envolve uma equipe de cinco profissionais, além uma empresa especializada. O jornal vai embalado em envelope plástico, com nome e endereço do leitor” diz Marcelo , Rossoni. Para o publicitário e professor universitário Fernando Manhães, diretor da Prisma Propaganda, o Jornal Empresários®, com um conteúdo voltado para a classe empresarial, se destaca no cenário editorial do Espírito Santo. “O jornal cumpre bem o seu papel e tem uma característica que se destaca de forma positiva, que é a pauta própria. O veículo sempre traz assuntos interessantes que não são tratados pela mídia tradicional” . Luiz Roberto Cunha, diretor da Danza Estratégia de Comunicação, afirma que o Jornal Empresários® é um veículo ideal: “É um dos poucos veículos segmentados com tanta penetração nas classes A e B, que reúne empresários e formadores de opinião” . Ele afirma que sempre indica o veículo para seus clientes: “Falo como comprador de mídia e acho que o jornal atinge um público especial com grande eficiência” . O Jornal Empresários® circula mensalmente, com no mínimo 20 páginas, impressão colorida em papel offset. A circulação é feita por empresa especializada, o que garante a entrega nos principais bairros da Grande Vitória, onde estão concentradas as camadas A e B da população.

[close]

p. 11

OS VITÓRIA/ES DEZEMBRO DE 2013 11 os com alta credibilidade Trabalho à distância é realidade As novas tecnologias sempre estiveram presentes no Jornal Empresários®, dentro da busca pela inovação e criatividade. Há dois anos, a empresa introduziu na prática o conceito do trabalho à distância, por meio da participação de profissionais de outros municípios do Espírito Santo no processo produtivo, que vai desde a reportagem até a execução de tarefas mais técnicas, como diagramação e informática. A diagramação, por exemplo, setor responsável pela disposição do conteúdo nas páginas, é ticada por Márcio Carreiro Fernandes, profissional experiente formado em desenho industrial pela UFES. Ele fica na cidade de Pancas, onde reside, e é de lá que ele excuta todo o trabalho, enviado pela internet. Da mesma forma, a parte de informática do jornal, inclusive a edição completa na internet (www.jornalempresarios.com.br) é totalmente realizada em Cachoeiro de Itapemirim. A empresa responsável é a Arco Informática, cujo diretor, Daladyer Wichello Borges, comanda o trabalho de colocar as edições à disposição do público, bem como as alterações que eventualmente ocorrem. Quem também presta serviços ao Jornal Empresários®, desde a edição 10, de setembro de 2000, é o cartunista Carlos Amorim, diretamente do Rio de Janeiro. no www.jornalempresarios.com.br como forma de ampliar a circulação, dando mais visibilidade às reportagens e anúncios Circulação recebe atenção especial A circulação regular, sem uma única falha nos 14 anos, é uma das mais fortes características do Jornal Empresários®. Nesse período, a equipe produziu 168 edições, todas elas com o padrão de qualidade característico da publicação desde a sua criação, em 1999. O diretor responsável pelo jornal, Marcelo Rossoni, entende que a regularidade contribui para criar o hábito da leitura, que pode ser interrompido. “Acreditamos que a coirculação é tão importante quanto a qualidade do produto que fazemos. De que adianta um conteúdo de elevado nível se a sua divulgação é irregular?” questiona. Com essa visão, , ele construiu um sistema de entrega personalizado, a partir de um mailing que contempla a empresa e o empresariado mais representativo do Espírito Santo, além de políticos e autoridades. Os leitores recebem o jornal, todo mês, dentro de um envelope etiquetado com nome e endereço de cada um. Esse serviço é feito por uma empresa especializada e monitorado por equipe do jornal, a fim de evitar eventuais falhas. “O Jornal Empresários® não é encontrado em halls de edifícios. Cada exemplar é entregue em endereço específico, o que garante uma circulação efetiva e segura” diz Marcelo Rossoni. , Marcelo Rossoni é diretor do Jornal Empresários® EQUIPE DO JORNAL EMPRESÁRIOS Viviane Honorato Simonetti Marcelo Bandeira Gonçalves Carlos Alberto da Costa Amorim Daladyer Wichello Borges Morandi Leticia Orlandi Antônio Moreira Márcio Carreiro Fernandes Thiago Salvador Games Dian Carlos Cabral dos Santos Camila Fregona

[close]

p. 12

12 DEZEMBRO DE 2013 VITÓRIA/ES 14 ANOS Um novo jornal e os dois lados da notícia O portal www.vitorianews.com.br tem conteúdo editorial de excelente qualidade e disponibiliza diariamente noticiário gratuito, em várias edições, podendo ser acessado em PC, Mac e Smartphones digitalização da informação consolida a nova era do jornalismo, modificando o sistema de produção, distribuição de conteúdos e modelos de matérias, alterando os conceitos espaço/tempo e, em consequência, gerando maior comodidade para o consumidor de notícias. www.vitorianews.com.br, o mais novo veículo de comunicação do Espírito Santo, nasce com este conceito, indispensável para se inserir com destaque no mercado editorial. Lançado há apenas três meses, o jornal já alcança números de visitas signifiDaladyer Morandi desenvolveu o projeto do www.vitorianews.com.br chamadas, as editorias tradicionais de Cidades, Política, Economia, Cultura, entre outras, que são as especializadas, mas iremos introduzindo outras à medida que sentirmos necessidade de criar novos espaços, visando ate mesmo maior interação com o público, com a agregação de serviços paralelos, não necessariamente de caráter jornalístico” diz. , O veículo apresenta ainda a TV Vitorianews, onde são veiculadas entrevistas com personalidades de destaque no cenário sócio-econômico e cultural do Estado e do país. ■ A cativos. “O mundo vive em permanente revolução na área da tecnologia, gerando uma oferta de informações extremamente rápida, tornando ultrapassados e obsoletos modelos da mídia tradicional. O fato jornalístico é, hoje, transmitido em tempo real para milhões de consumidores” pon, tua o jornalista Marcelo Rossoni, diretor do veículo. O www.vitorianews.com.br nasce para acompanhar essa expansão do mercado, com diversas atualizações diárias e ampla cobertura de fatos locais, nacionais e internacionais. Segundo Mar- celo Rossoni, apresenta um nível de elevada qualidade e conta com parcerias importantes, com destaque para a agência de notícias O Globo, suporte de categoria internacional e garantia de um noticiário atualizado. “Contamos também com uma equipe formada por jornalistas capacitados e experientes. Com esta peculiaridade, o veículo representa excelente plataforma, tanto de mídia jornalística quanto de anúncios” diz , Marcelo. Utilizando tecnologia de ponta, o www.vitorianews.com.br permite a atualização de conteúdo de forma constante, disponibilizando algo novo permanentemente, visando manter o interesse do leitor/internauta. Desse modo, se estabelece significativa fidelização entre veículo e usuário. “Pretendemos ampliar o conteúdo sempre que for necessário” diz , Marcelo Rossoni. Ele explica ainda que o novo veículo tem o formato de um jornal tradicional, mas com uma infinidade de vertentes e derivações. O portal www.vitorianews.com.br foi desenvolvido por Daladyer Wichello Borges Morandi. “Temos a primeira página, com

[close]

p. 13

14 ANOS VITÓRIA/ES DEZEMBRO DE 2013 13

[close]

p. 14

14 DEZEMBRO DE 2013 VITÓRIA/ES 14 ANOS Alimentos sem qualidade Estradas ruins, embalagens inadequadas e péssimo armazenamento colaboram para a má qualidade dos produtos hegar ao setor de hortifruti do supermercado, ou a feira, e encontrar muitas frutas, verduras e hortaliças “machucadas” e com pouca qualidade. Esta situação é rotineira para os consumidores da Grande Vitória. No geral, para escolher os melhores exemplares, as pessoas acabam tendo que manusear de forma excessiva os alimentos expostos, o que interfere ainda mais na qualidade do que é exposto. O diretor operacional da Centrais de Abastecimento do Espírito Santo (Ceasa-ES), Carmo Robilotta Zeitune, explicou que em todo o processo de logística dos alimentos, há perda de 30% da cadeia produtiva, devido a problemas no transporte e também ao excesso de manuseio dos produtos, desde o início da cadeia. “A perecibilidade passa por um processo de qualificação da região produtora. Isso acontece a partir do momento do armazenamento dos produtos para serem transportados e vendidos nos C grandes centros. O que acontece é que muitas vezes os produtores embalam de maneira inadequada ou não respeitam a capacidade de peso para a embalagem e quando colocam o produto no caminhão para ser vendido na Ceasa há uma perda, pois muitos já chegam sem condição de consumo” afirmou Carmo. , Para reduzir o problema de desperdício no início da cadeia produtiva, ele destacou que a Ceasa tem orientado os produtores a utilizarem caixas higienizadas, para evitar o uso da caixa de madeira, que além de ser anti-higiênica, contribui para que o produto se machuque mais. Carmo explicou também que frutas vêm sendo comercializadas em embalagens de papelão, para que sejam mais protegidas. Outra medida que pode reduzir o desperdício, priorizando a qualidade das frutas e verduras e ainda facilitando a vida do consumidor, é o incentivo na venda de produtos já processados. “Quando o ANTONIO MOREIRA Alimentos sem qualidade são colocados à venda, demonstrando a falta de respeito com o consumidor produto já vem embalado, rotulado e muitas vezes precificado e percorre o trajeto em ambiente refrigerado, reduz-se o manuseio excessivo , evitando perda e aumentando a qualidade para o preparo e para o consumidor final. Pela dinâmica da vida moderna, em que as pessoas não têm muito tempo para cozinhar, está havendo demanda para esses produtos minimamente processados, lavados, cortados e embalados em pequenas porções. Só que o hábito de as pessoas comprarem esses produtos, no Brasil, vai ser adquirido ao longo do tempo.” O diretor operacional da CeasaES destacou que atualmente há desperdício de oito toneladas ao dia de produtos na zona de produção, que a Ceasa manda para o aterro sanitário. Desse total, não é contabilizado o que o supermercado e o consumidor final desperdiçam. Cerca de duas toneladas são de produtos recicláveis, como madeira, plástico e papelão e alguns catadores aproveitam esse montante. “Nossa intenção em 2014 é utilizar esse grande volume de alimentos desperdiçados e transformar em adubo orgânico, para o próprio produtor rural utilizar em suas propriedades” fri, sou Carmo.■

[close]

p. 15

14 ANOS VITÓRIA/ES DEZEMBRO DE 2013 15 Pós-graduação financiada O Banestes fez parceria com a M.Murad, empresa conveniada com a Fundação Getúlio Vargas, para financiar cursos uem busca novos conhecimentos para incrementar o currículo e tomar novos rumos na carreira pode contar agora com uma linha de crédito para financiamento de uma especialização profissional. O Banestes passa a oferecer um financiamento para facilitar o acesso aos cursos de pós-graduação e MBA da M.Murad, conveniada no Estado da Fundação Getúlio Vargas (FGV). A parceria entre o Banestes e M.Murad foi firmada no último dia 9 de dezembro, na sede do banco. O convênio foi assinado pelo presidente do Banestes, Guilherme Dias, e pelos diretores da M.Murad, Marcos Murad (administrativo-financeiro) e Eduardo Ferraz (comercial). Com a linha de financiamento Credifácil Pós-Graduação, o estudante pode financiar até R$ 20 mil e poderá dividir o valor do curso em até 48 vezes. O diferencial da parceria é que ao fazer a matrícula e contratar o financiamento Credifácil, o alu- Q ANTONIO MOREIRA Os diretores da M. Murad, Eduardo Ferraz, Comercial, e Marcos Murad, Administrativo-Financeiro, (à esquerda), ao lado do presidente do Banestes, Guilherme Dias, durante assinatura do convênio de financiamento de cursos de MBA no consegue um bom desconto no valor total do curso, pois o banco efetua o pagamento à vista. Para ter acesso ao Credifácil PósGraduação, o primeiro passo é contatar a M.Murad para saber o valor total do curso escolhido. A instituição de ensino oferece cursos de pós-graduação e MBA nas áreas de Gestão e Negócios e Direito. As inscrições para 2014 já estão abertas. Em seguida, o estudante deve procurar a agência Banestes mais próxima para fazer a simulação das parcelas e contratar a linha de financiamento. Quem não é correntista também pode solicitar o empréstimo em qualquer unidade do banco, mas será preciso abrir uma conta. O presidente do Banestes, Guilherme Dias, ressaltou a importância desse tipo de produto para o meio acadêmico. “A pessoa, quando decide fazer uma pós-graduação ou MBA, sabe que é uma decisão de longo prazo. Nosso financiamento atinge a um público específico, que poderá contar com ajuda financeira do banco para agregar conhecimento e se diferenciar no mercado profissional” ressaltou. , O diretor administrativo-financeiro da M.Murad, Marcos Murad, disse que o convênio com o banco chegou num bom momento. “Alunos que apresentam menor capacidade financeira poderão ter acesso ao nosso ensino de qualidade, por meio da linha de financiamento do Banestes” frisou. , Todos os cursos na M.Murad são oferecidos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Eles são coordenados e ministrados por especialistas, mestres e doutores da FGV, líder nacional do ranking do MEC e a mais conceituada escola de negócios do país. A M.Murad é a conveniada da FGV no Espírito Santo e responsável pela comercialização e condução dos cursos no Estado. ■

[close]

Comments

no comments yet