Revista Feeling Edição 75

 

Embed or link this publication

Description

.

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3

editorial dezembro 2013 Capa dez/2013 Queridos Leitores: ais um ano se passou e o Natal está aí... Muitos não se alegram com a referida data, outros radiantes não vêem a hora de chegar o dia, na maioria das vezes isto acontece com Foto: as crianças, pois esperam ansiosamente o presente do bom velhinho. Muitos adultos por sua vez Divulgação triste no Natal, pois sentem saudades dos ficam entes queridos que já se foram e por conta disso acabam esquecendo o verdadeiro significado deste dia tão importante para os cristãos. Uma onda de nostalgia parece nos envolver e fazer com que tenhamos um espírito de solidariedade maior, atitude que deveria ser cultivada em todos os dias de nossa vida. Nessa edição o destaque é para as empresas que receberam o selo social, prêmio instituído pela Câmara de Vereadores de Caçador que visa a promoção do lado social, enaltecendo o verdadeiro sentimento de cidadania e comprometimento com o progresso local. Alfa Transporte, Braghini Indústria e Comércio de Confecções, Cia. Olsen, Daniela Tombini e Sincol S/A receberam o Selo Social 2013. O Projeto PAÊS trás informações sobre a reutilização de materiais nas decorações natalinas. No Caçador em cena temos A beleza e o abandono do seminário Francisco de Salles. Nas colunas de Edumar Jr e Business por Santa Catarina estão 04- Na Cozinha Com Alcir as homenagens e as festas por todo o Estado. Giovana 06- Caçador em cena - Seminário Castanheira Bazeggio apresenta Artesanato é Arte? No quesito visual cuidados com o corpo, Saula da Rosa, OdontoOne e São Francisco de Sales Naira Zanella trazem dicas de beleza, moda e saúde e ainda 09 - Artes - Artesanato é Arte? assuntos de cozinha com Alcir Bazzanela, sempre trazendo novidades da cozinha com prato que aguçam nosso paladar. 10 - Projeto PAÊS - Natal Ficam aí as dicas. consciente Que esse Natal renove nossas esperanças, pois o 16 - Business pelo estado nosso caminho é feito pelos nossos próprios passos, mas a beleza dessa caminhada depende dos que vão conosco! Que 18- Variedades - Edumar Jr nesta data tão importante, esqueçamos as mágoas, as agruras 19 - Saúde e Beleza - Olhar da vida e vivamos o verdadeiro sentido do natal, praticando o perdão o amor ao próximo; e não devemos esquecer do mais marcante importante. Natal não é só dar e receber presentes, isso é uma 20 - A Cabanha tradição imposta pelo homem; mas neste dia devemos realmente lembrar, com muito carinho e devoção, do aniversariante, Jesus Cristo, o nosso salvador. Assim, neste NOVO ANO que se inicia, que nós possamos caminhar mais e mais juntos, em busca de um mundo melhor, cheio de PAZ. M Sumário Feliz Natal e um ótimo Ano Novo! a Direção EXPEDIENTE Diretor Executivo Comercial: Alcir Bazzanella (jornalista -SC 1668 JP) Diagramação: Giovana Castanheira Bazeggio - msn e e-mail: giovanacastanheirabaz@hotmail.com e Fernanda Velho Dangui - msn e e-mail:fernandavelhodangui@hotmail.com Assessoria Jurídica: Gilson Kolross Revista Feeling - AB Publicidades - Rua Ir Guido Gabriel, 119 - Fone: (49) 3567-1584 - e-mail: contato@abonline.com.br Caçador - SC - 89.500-000 dezembro 2013 03

[close]

p. 4

gastronomia Nosso convidado, o empresário Vitorino Fontana (Pitta), proporcionou a nossa equipe um jantar elaborado com uma variedade de frutos do mar. Destaque no cardápio: strogonoff de camarão médio rosa, batata gratinada e linguado grelhado com molho tártaro. Todos ainda puderam degustar como aperitivo um prato peruano, seviche de salmão com especiarias elaborado por seu filho Fausto. Durante a confraternização Pita confidenciou que em 2014 a empresa Mina Rocha continuara fornecendo concreto com a qualidade que lhe é peculiar tendo como novidade a usina de asfalto com os equipamentos de ponta já adquiridos. Dezembro 2013 04 FOTOS Edumar Jr.

[close]

p. 5



[close]

p. 6

Caçador em cena Fotos: Giovana Castanheira Bazeggio CAPELA SÃO FRANCISCO DE SALES ANTIGO SEMINÁRIO sta comunidade teve inicio por volta de 1950, quando começaram a chegar as primeiras famílias, entre elas está a família Suzin, Renard e Comerlato. As irmãs do Colégio Aparecida também possuíam terras nesta localidade. O nome da capela e do local se dá, porque existia um seminário da congregação São Francisco de Sales nesta localidade. O seminário foi instalado neste local em 1953, suas portas eram abertas para os moradores dessa comunidade todos os domingos para as celebrações. No dia 20 de janeiro era comemorado o dia de São Francisco de Sales com a participação de toda a comunidade nos festejos, porém a partir de 1965 esta data de comemoração mudou para o dia 24 de janeiro. As celebrações eram todas em latim, E somente a partir de 1965 é que os padres foram autorizados a rezar em português. Em 1972, o seminário foi desativado, mas a capela continuou a servir a comunidade e uma vez por mês realiza-se uma missa. A primeira capela que existiu nesse local foi construída em 1953 e fazia parte do seminário, em 1955 o seminário sofreu algumas modificações e conseqüentemente a capela também foi alterada, manteve-se assim até 1961 quando a nova capela foi construída em alvenaria ao lado do prédio do seminário. Na fachada acima da porta principal há os símbolos alfa e Ômega que significa “ Deus é o Começo e o fim”. A capela está ativa, com missas regulares atendendo toda a comunidade que a mantém. Instalações do seminário em foto de Bruno Scherer a poucos meses atrás em seu passeio fotográfico dezembro 2013 06 Por muitos anos o Seminário São Francisco de Sales esteve abandonado, descuidado, mas por motivos alheios a direção. Porém, para o próximo ano, a intenção é resgatar essa história e reavivar esse empreendimento tão importante que faz parte da construção do nosso município. No dia 03 de dezembro, o Pe Ladir João Brondani que veio de São Geraldo Do Araguaia PA, foi designado para realizar projetos que vão resgatar a história desse local tão importante para a comunidade caçadorense. Em 2014 ele estará a procura de parcerias entre entidades, universidade, prefeitura. Enfim, somar forças para reerguer e restaurar a edificação e o que sempre foi e será para sempre memória da nossa gente; com essa iniciativa o local deverá ser reativado. Caso queira contribuir, entre em contato com a administração do Seminário São Francisco de Sales, na rua Tubarão, 600, bairro Bom Jesus, ou pelo telefone 3567-0801.

[close]

p. 7



[close]

p. 8



[close]

p. 9

Artesanato é arte? artesanato surgiu no período PréHistórico. Na época, os homens faziam cestos, ferramentas, vasos de cerâmica, roupas, esculturas e outros objetos usando apenas as mãos como ferramenta e os recursos da natureza como matéria-prima. Essa técnica é uma das atividades mais antigas do ser humano, o que pode sem comprovado por meio de livros que contêm os registros. Então, se a arte é considera a manifestação de um povo, podemos incluir o O artesanato como tal, pois seus produtos são verdadeiras obras de arte, o artesão exerce sua arte por meio de um ofício manual. O trabalho é individual e com ele o artista passa a maior tempo de criação isolado e com isso sobrevive em muitas regiões, principalmente nas áreas distantes dos grandes centros urbanos. O Brasil conta com várias comunidades compostas por artesãos que se concentram na maior parte na região Nordeste, principalmente no sertão da Bahia, Ceará e de Pernambuco. Giovana Castanheira Bazeggio Mestre Vitalino Mestre Vitalino é um grande exemplo de artesão; ele é o ceramista mais famoso do Nordeste. Ele tinha como foco principal produzir miniaturas que retratam a vida nordestina. Ele nasceu em Caruaru no Distrito de Ribeira dos Campos, 10 de julho de 1909 - faleceu em Caruaru, 20 de janeiro de 1963. O primeiro grande sucesso de Vitalino, dos 130 tipos que criou, foi a cena: “Gatos maracajás trepados numa árvore, acuados por um cachorro, e embaixo o caçador fazendo pontaria com a espingarda". Os Retirantes - Cena típica modelada por inúmeros ceramistas de Caruaru. Como pode um quadro sem beleza alguma, ser considerado arte e ser avaliado em milhões, mas um arranjo, adorno, um artesanato, ser considerado um simples objeto de decoração e tão mal remunerado? Se uma obra como a de Nuno Álvares Pessoa de Almeida Ramos, (escultor, pintor, desenhista, cenógrafo, ensaísta e videomaker), feita com materiais recicláveis ou aquilo que iria para o lixo é considerada uma obra de arte, porque não considerar um artesanato como arte? Obra sem título, técnica mista de Nuno Ramos dezembro 2013 09

[close]

p. 10

NATAL CONSCIENTE stamos na época do Natal, em que uma grande magia nos envolve, e faz renascer dentro de nós a esperança na humanidade, nas coisas boas, em tempos melhores. É um período em que surgem muitas confraternizações no trabalho, na escola, junto com os amigos e familiares. Período em que as pessoas se presenteiam, perdoam e compartilham as emoções da vida. E é nesse espírito Natalino que o Projeto PAES vem nessa edição destacar sobre a necessidade de um consumo consciente, e como é possível fazer uma decoração de Natal aproveitando alguns materiais de forma sustentável. E CONSUMO CONSCIENTE Após um ano de trabalho árduo, é chegado a época festiva, em que permitimos alguns excessos, compramos aquilo que tanto almejamos, fazemos jantas comemorativas, no trabalho, com a família e amigos. Porém, é nessa época do ano que acabamos nos endividando, pois gastamos além daquilo que recebemos e, muitas vezes, com coisas supérfulas e que tenham uma baixa durabilidade. Para o coordenador do Mestrado em Organizações e Desenvolvimento da FAE, José Henrique de Faria, é importante que o consumidor tenha consciência das causas e efeitos do que pretende consumir, que verifique se os produtos que vai adquirir sejam de boa qualidade e que não sejam nocivos à saúde. O professor dá uma dica antes de comprar ou presentear: pergunte-se se aquele produto é realmente necessário. Para ele, o impulso consumista é contrário a sustentabilidade. Como alternativa sugere-se que, ao invés de presentar com um p ro d u t o , p re s e nt e ar c o m u m serviço, como ingresso para parques, pacotes turísticos entre outros. Junto a isso temos muita fartura com comida, no entanto, as vezes acabamos desperdiçando alimentos. Nessa hora é importante um bom planejamento junto aos familiares dividindo as responsabilidades com a elaboração dos pratos que constituirão a ceia de Natal. Se cada familiar levar para a janta o suficiente para sua família é bem provável que não tenhamos tanto desperdício. Outro cuidado que devemos tomar é com os excessos de resíduos produzidos, seja em função dos presentes ou pela utilização de materiais descartáveis. Para o meio ambiente isso se acarreta em grandes prejuízos. DECORAÇÕES ECOLÓGICAS Uma maneira de contribuirmos para a sustentabilidade neste Natal é utilizarmos decorações que aproveitam materiais que seriam descartados. A seguir, apresentamos algumas dicas: Reciclagem de Velhas Tábuas Estrelas feitas com pedaços de madeira recicladas, fitas coloridas de cetim e guizos compõem com muito bom gosto a sua decoração rústica de Natal. 10 Feeling - DEZEMBRO 2013

[close]

p. 11



[close]

p. 12

Clientes, amigos e colaboradores, agradecemos sua presença, amizade e confiança dedicada durante este ano que esta terminando. Que o Natal seja um momento de luz e harmonia e que no próximo ano possamos partilhar juntos muitas conquistas. Centro especializado em PROGRESSIVAS Parcelem os nos Cartão Venha conhecer nossas promoções Fone: (49) 3567 9449 Rua Emílio Joaquim, 226 - Centro - Caçador Em cima da Thiago Modas

[close]

p. 13

Que o Natal nos inspire na busca da harmonia e da paz. Que este espírito prevaleça sobre o mal durante o ano vindouro e nos ajude a promover a concordância e a aceitação entre todos os seres humanos. Do amigo de sempre Reno Caramori AMPE Neste Natal e em 2014 vamos concentrar as nossas mentes e dirigir as nossas almas apenas para os bons pensamentos, apenas para a virtude e para o desejo de promover o bem e demonstrar o nosso amor e respeito ao próximo. Votos da Diretoria, Associados e Nucleados da AMPE DEZEMBRO 2013 - Feeling 13

[close]

p. 14

FOTOS Edumar Jr. Boas Festas

[close]

p. 15



[close]

Comments

no comments yet