Revista Sinpol - Mês de Dezembro 2013

 
no ad

Embed or link this publication

Description

Revista Sinpol - Mês de Dezembro 2013

Popular Pages


p. 1

Informativo Oficial do Sindicato dos Policiais Civis - Ano XIX - Dezembro de 2.013 - nº 206 EUMAURI VENCE ELEIÇÃO A chapa “União e Trabalho”, encabeçada por Eumauri Lúcio da Mata, obteve maioria dos votos nas eleições do Sinpol e derrotou a chapa “Força e Renovação”, que tinha à frente a escrivã Kalinka Cintra Prado. Com o resultado, Eumauri será o presidente do Sinpol no triênio 2014 a 2017. Desde que assumiu a presidência do sindicato, Eumauri jamais foi derrotado em eleições. Veja reportagem completa na página 14. 4 Policiais civis de Franca identificam criminoso glutão; 4 Eumauri aborda Alckmin em ato político e faz reivindicações; 4 Em Memória, uma equipe que marcou época no 1º DP de São Carlos; 4 Veja como estão as obras da construção da nova sede social do Sinpol; 4 Jurídico obtém mandado de segurança para delegado se aposentar pela Lei 51/85; 4 Leia entrevista com o advogado e ex-policial civil Gilberto França; 4 Policiais civis apoiam redução da maioridade penal; 4 Câmara Municipal de Franca homenageia policiais civis; 4 Dr. Paulo Pereira de Paula e dr. Hipólito recebem homenagens póstumas na Acadepol; 4 Policiais civis de Luiz Antonio prendem mulher que carregava drogas; 4 Presidente do Sinpol visita ALESP e briga por melhoria no NU. E MAIS: Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br Dezembro/2013

[close]

p. 2

FRANCA Um crime inusitado foi registrado pelos policiais civis que integram o 5º DP (Distrito Policial) de Franca. Na madrugada do dia 23 de setembro, uma distribuidora de produtos para confeitarias, localizada no Jardim Tropical, periferia da cidade, foi furtada. O proprietário do local relatou aos policiais civis que mais de 40 quilos de produtos foram levados. Câmeras de segurança registraram a ação de pelo menos três elementos, que chegaram em um veículo de madrugada e arrombaram os cadeados do portão e uma das portas do estabelecimento comercial. A ação foi toda registrada e, com boas qualidades de imagens, foi possível ver as características dos assaltantes. No dia 06 de novembro, o titular do 5º DP, dr. Helder Rodrigues, indiciou um sapateiro desempregado por furto. R.H.P., de 31 anos, morador do bairro Leporace, diante das imagens, acabou admitindo sua participação no furto e foi além. “Graças a Deus achei aqueles produtos e acabei comendo tudo”, teria dito durante depoimento, segundo o investigador do 5º DP, Reginaldo Cabral Calil. Pelas imagens, o proprietário do estabelecimento reconheceu um dos homens que teria participado do furto. Alguns dias depois do crime, o proprietário da revenda de produtos para confeitarias se deparou com o suspeito, O homem foi detido e conduzido a uma delegacia, onde foi interrogado. “Primeiro ele dizia ter comido tudo o que furtou, mas insistimos, pois foram 40 quilos de produtos. Então ele resolveu colaborar e admitiu ter vendido o material para um comerciante, também do Leporace”, explicou Calil. As investigações prosseguiram e o 5º DP, que atende àquela região, entrou no caso. Imediatamente o dr. Helder determinou uma diligência ao local Policiais do 5º DP identificam homem que roubou mais de 40 quilos de doces; em outro caso, inquérito sobre incêndio criminoso é concluído onde estaria o suspeito de receptação. Ao realizarem a diligência, os policiais civis constataram que boa parte dos produtos furtados pelo sapateiro P. estavam com o comerciante E.B.F., de 53 anos. “Ele alegou que estava apenas guardando os produtos para o sapateiro desempregado, mas o dr. Helder determinou que ele fosse indiciado por receptação”, explicou Calil. Em declaração à imprensa, o dr. Helder foi objetivo: “Para nós, não há dúvidas de que ele teve participação no crime e, por este motivo, foi indiciado”, explicou o delegado. As investigações prosseguem, pois os policiais civis ainda vão tentar identificar os outros homens que praticaram o furto. Incêndio criminoso Outro caso que obteve repercussão na cidade de Franca teve seu inquérito concluído pelos policiais civis do 5º DP. O dr. Helder e sua equipe apuravam o incêndio ocorrido em uma casa localizada no Jardim Tropical e concluíram que a ação foi mesmo criminosa. “Através de depoimentos, concluímos que o indiciado era o único interessado em atear fogo na casa, como forma de vingança”, disse o delegado à imprensa. O sapateiro M.H.C., de 27 anos, foi indiciado pelo crime, que ocorreu no dia 28 de junho. As chamas destruíram completamente a residência, que acabou interditado pela prefeitura. Uma motocicleta também foi destruída e um papagaio morreu carbonizado. Segundo o investigador Calil, M. teria ateado fogo na residência por estar inconformado com o fim do namoro com a filha da dona da casa. Além de ameaçar a ex-namorada e sua família, uma semana antes do incêndio o homem havia atacado a mulher com um estilete, cortando seu rosto. O caso foi registrado e está sendo apurado pela DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) de Franca. Além de recuperar mensagens enviadas pelo acusado ao celular da vítima - onde ele dizia que estava em frente da casa esperando para conversarem -, ele também foi visto por várias pessoas, que testemunharam o fato, anexado ao inquérito. De acordo com Calil, uma das vizinhas viu o rapaz instantes antes do início do fogo. “A mulher disse que não havia ninguém na casa naquele momento, que estavam todos trabalhando. Um pouco depois a mulher percebeu que a casa estava em chamas e percebeu o homem deixando o local num carro preto”, explicou Calil. Ao todo, cinco testemunhas foram ouvidas pelos investigadores do 5º DP e todas afirmaram que o suspeito vinha proferindo ameaças à família que residia na casa que foi incendiada. O homem, que já esteve preso por furto e cumpre pena alternativa por condenação criminal, durante seu depoimento, negou o fato. Mas em depoimento à imprensa, dr. Helder justificou sua posição. “Os depoimentos não deixam dúvidas sobre quem seria o autor do crime. Há ainda o fato de ele ter sido a única pessoa vista em frente ao imóvel antes do início do incêndio”, acrescentou. A equipe que atuou nos casos é formada pelos seguintes policiais civis: Reginaldo Cabral Calil, Wilson Gonzaga Júnior, Raquel, Kelly, Wilson Francisco Araújo, William Borges de Freitas e Paulo Roberto de Paula, tendo o dr. Helder Rodrigues como delegado titular. Foto: 5º DP de Franca CRIMINOSO GLUTÃO Policiais civis do 5º DP de Franca, que atuaram na elucidação dos dois casos 02 Dezembro/2013

[close]

p. 3

JURÍDICO SINPOL O Sinpol obteve mais uma vitória na briga que trava contra o governo do Estado para garantir aos policiais civis o direito de se aposentarem pela Lei Complementar Federal 51/ 1875, que garante à categoria o direito à integralidade e paridade do salário. Somente o governo de São Paulo insiste em não utilizar a LCF 51/85 alegando que a mesma não foi recepcionada pela CF (Constituição Federal) de 1988. Todos os demais estados se baseiam na Lei para aposentar os policiais civis. Em São Paulo o governo insiste na Lei 1062/ 2008, que, segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, acarreta prejuízos financeiros para o policial civil que pretende se aposentar. Diante disso, o Sinpol passou a orientar seus associados que já tenham tempo suficiente para se aposentar a entrarem com mandado de segurança que lhes garanta o direito de se aposentar pela LCF 51/85. Foi o que fez o delegado e ex-vereador em Ribeirão Preto, dr. Luiz Geraldo Dias. Através do departamento jurídico do Sinpol ele ingressou com mandado de segurança. Segundo o integrante do departamento jurídico do Sinpol, o advogado Ricardo Ibelli, a sentença foi favorável. “Foi proferida sentença favorável, em primeira instância, na 4ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo ao associado do Sinpol, o delegado de Polícia dr. Luiz Geraldo Dias. A ação foi julgada procedente, para reconhecer o direito do impetrante a aposentadoria com proventos integrais, nos termos do artigo 1º da LCF 51/85, c.c.artigos 2º e 3º da LCE 1062/ 08 e artigos 40, parágrafo 4º e 201, parágrafo 9º da CF, desde a data do ajuizamento da demanda, que cabe recurso do DAP, com relação a esta decisão”, explicou em nota o dr. Ibelli. Em seu despacho, o dr. Aluísio Moreira Bueno, juiz que analisou o mandado de segurança, elencou diversos casos onde a LCF 51/ 85 foi adotada e finalizou até admitindo haver APOSENTA DELEGADO PELA LEI 51/85 ao reconhecimento do seu direito. Não é possível o policial ser punido quando, por ação de trabalho - não estou falando das ilícitas acaba sendo punido pelo Estado por uma infração qualquer, banal, e o Estado não cumpre a Lei Maior do País, a Constituição. O Sinpol, vou representar à Adpesp, ao Sindpesp, tem que fazer alguma coisa, não é possível continuar assim. Obrigado Eumauri, obrigado dr. Ibelli. Eu já sabia! Luiz Geraldo Dias, delegado de Polícia aposentado com orgulho do dever cumprido. Jamais maçanetei superiores, jamais vendi minha dignidade por cargos ou indicações, primeira classe com orgulho, jamais indicado por merecimento dos superiores, mas tenho certeza, reconhecido pelo povo. E tenho orgulho de ter estado ao lado daqueles que mais precisaram de mim, 36 anos, dia e noite. O povo, noites, madrugadas, em 36 anos sempre permanecer sentado ao lado de meus policiais, escrivães, investigadores, de abrir minhas unidades quase no Estado inteiro, em São Paulo 13 anos, quatro e meia, cinco horas da manhã. Muito obrigado”. Em mais uma vitória do departamento Jurídico do Sinpol, dr. Luiz Geraldo Dias obtém mandado de segurança que lhe garante paridade e integralidade muitos outros casos para ilustrar o assunto: “mas, creio, é desnecessário. Diante do exposto, julgo procedente o pedido formulado na inicial para reconhecer o direito do impetrante [dr. Luiz Geraldo Dias] à aposentadoria com proventos integrais”, sentenciou. Segundo Eumauri, mesmo que o Estado recorra - o que deve ocorrer -, a confirmação da vitória é questão de tempo. “O Sinpol jamais perdeu um mandado de segurança sequer para seus associados. Atualmente o TJ (Tribunal de Justiça) já julga procedente o direito buscado pelo mandado de segurança. Mas, supondo que o TJ não garanta a vitória, o STJ (Supremo Tribunal de Justiça) vai garantir, uma vez que a lei 51 é adotada por todos os demais estados, portanto, constitucional”, observa Eumauri. O presidente do Sinpol também faz um alerta para quem pretende se aposentar. “Não aceitem serem aposentados pela Lei 1062/08. É uma lei nociva para o salário do policial civil. Quem estiver em situação de se aposentar, que faça como o dr. Luiz Geraldo Dias, nos procure. O departamento jurídico do Sinpol está pronto para ingressar com o mandado de segurança. Há casos que em menos de três meses tudo se resolve a favor de nosso associado”, lembra. Agradecimento O delegado Luiz Geraldo Dias, favorecido pelo despacho que lhe garante mandado de segurança para se aposentar pela Lei 51/85, assim que tomou conhecimento da sentença, enviou seu agradecimento ao Sinpol, publicado na íntegra, a seguir. “Olá Eumauri. Exatamente agora, 19h30 do dia 03 de dezembro, a exma. juíza de direito da 4ª Vara da Fazenda Pública do TJSP, manda o Estado de São Paulo e a Polícia Civil de São Paulo reconhecer os meus 35 anos de luta, de batalha, dia e noite defendendo a segurança do povo de São Paulo, do Brasil. E manda reconhecer meu direito legal, constitucional de me aposentar. Poderia ter pedido isto há seis anos atrás. Trabalhei mais seis anos. Mandou reconhecer o meu direito à aposentadoria integral, com paridade, e ainda, claro, deixou evidente que tenho mais seis anos de trabalho excedente para receber da Polícia Civil, do Estado, dia a dia. Não há dúvida que vou buscar. Quem é o meu, nosso patrono? O Sinpol e esse advogado, este causídico, um dos maiores que já conheci, só por respeito, não maior que seu pai, delegado, meu amigo. Quem é este advogado que devora as ilegalidades do Estado plantadas na Polícia Civil? Dr. Ricardo Ibelli. Meus cumprimentos a esse mais jovem advogado que não perde uma 51. E não deve perder nada, porque é ético, legalista, constitucionalista. Respeita até na sua petição o Estado de São Paulo, o único do País que rasga a Constituição Federal, que já estaria a merecer por aqueles que nos negam este direito, uma ação de improbidade e de intervenção Federal para garantir a qualquer policial civil o seu direito à dignidade humana. E Foto: arquivo O dr. Luiz Geraldo Dias é o mais novo beneficiado pelo mandado de segurança impetrado pelo Jurídico do Sinpol, que lhe permite aposentadoria com paridade e integralidade, através da LCF 51/85 Dezembro/2013 03

[close]

p. 4

EDITORIAL Gostaria de agradecer a todos os associados pela confiança em minha pessoa depositada, ratificada pelo resultado das urnas utilizadas durante o processo eleitoral do Sinpol. De forma democrática, todos os que se dispuseram puderam participar das eleições, demonstrando o carinho e respeito pela entidade. O pleito foi coroado de êxito e transcorreu de forma absolutamente tranquila. Todos puderam exercer o direito a voto e o clima eleitoral foi agradável, amigável, possibilitando até mesmo oportunidade de confraternização ao rever amigos e colegas de trabalho. Confesso que já estou acostumado a enfrentar calúnias durante o período que antecede as eleições. E essa prática condenável foi novamente colocada em prática por alguns poucos membros da chapa de oposição. Mas fiz questão de rebater todas as inverdades e os associados souberam, na hora do voto, escolher entre o certo e o duvidoso. É bom ressaltar que reconhecemos o bom trabalho de alguns integrantes da chapa contrária. Pessoas que durante o transcorrer da eleição fizemos questão de elogiar pessoalmente, pois souberam lutar por sua chapa com educação e respeito. São pessoas que gostaríamos de ver participando mais intensamente das atividades sindicais, pois poderão futuramente somar, participando diretamente da administração do Sinpol. Tenho orgulho em admitir que jamais perdi uma eleição do Sinpol. Isso demonstra a confiança que os policiais civis depositaram em meu trabalho. Quando não participei encabeçando a chapa, os candidatos que eu indiquei saíram vitoriosos, A EXPEDIENTE muito embora, a meu ver, não tenham conseguido desempenhar suas funções a contento e não obtiveram o reconhecimento dos associados. Nesta eleição, tive como adversária a escrivã Kalinka Cintra Prado, que foi orientada por três presidentes que ajudei a eleger, mas que sem meu apoio nada conquistaram e preferiram tê-la à frente da chapa para não se desgastarem. Foi uma vitória incontestável aos meus adversários que se recusam em aceitar que meu trabalho tem o aval dos associados. Se não tivesse, já teria sido derrotado há muito tempo atrás. Apenas o primeiro presidente do Sinpol, Carlos Alberto Campi, do qual muito me orgulho ter sido seu diretor-financeiro, esteve a meu lado, o que me deixou muito feliz. De qualquer forma, é mais uma página virada na nossa história. Agora nosso trabalho segue, como sempre, respaldado pelos colegas. O segredo de nossa vitória não foi prometer o impossível. Foi prometer apenas o que podemos fazer: trabalho. Vou trabalhar com afinco, como de costume, pela classe dos policiais civis. Um trabalho que já venho desempenhando há quase duas décadas à frente do Sinpol e com muitos outros anos ajudando a construir a Apocirp (Associação dos Policiais Civis da região de Ribeirão Preto) e o Sinpol em nossos primeiros anos de existência. Nossa luta maior agora é para que o Delegado Geral discuta com as entidades de classe o projeto de Reestruturação da Polícia Civil, com medidas efetivas para resgatar e valorizar todas as categorias, para depois encaminhar com urgência ao governo. Lutamos por salários dignos, por reconhecimento, por mais efetivo - muito mais, diga-se de passagem, diante da enorme defasagem. Lutamos por melhores condições de trabalho, por uma Polícia Civil mais vocacionada. Além disso, seguimos também nosso trabalho em outras frentes. Continuamos lutando contra a famigerada Lei 1062/2008. Exigimos que o governo adote a Lei Complementar Federal 51/85, a exemplo do que ocorre em todos os outros estados da Federação. Na questão jurídica, continuaremos defendendo nossos associados contra injustiças e arbitrariedades. Continuaremos sempre de olhos nos atos prejudiciais praticados pelo governo e, sempre que couber, propondo ações, como sempre fizemos. Continuamos lutando pela saúde de nossos associados e familiares e buscando, junto ao nosso convênio médico, sempre as melhores condições. Em relação a nosso patrimônio, vamos concluir a nossa nova Sede Social e entregá-la para todos os policiais civis. Um sonho que só está se tornando realidade porque todos nós construímos um sindicato forte, respeitado, de credibilidade. O Sinpol é o que é por conta da participação de cada um de seus associados. Juntos somos imbatíveis. Encerro desejando aos nossos associados, e familiares, aos colaboradores e amigos e a todos os policiais civis, um Feliz Natal e que 2014 seja um ano pleno em realizações e conquistas, em todos os âmbitos. EUMAURI LÚCIO DA MATA Presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: sinpolrp@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Paulo Sérgio Ribeiro Chagas, Ricardo Contin, Luiz Henrique Maringoli de Lima, José Gonçalves Neto; Suplentes: Arnaldo Vaz Ferreira, Luiz Henrique Batista, Gino Augusto Franco Sant’anna, Sérgio Ribeiro dos Santos, Robert Schmengler Guilhaume, Kátia Patrícia Pagliari de Souza e Edmar Alberto Félix; Secretários: Kalinka Cintra Prado e Doracy Alves da Silva; Suplentes: Érica Arrisse Esteves Dias e Armando Pisani Júnior. Tesoureiros: Júlio Cesar Machado e Sami Haddad; Suplentes: Wagner Cândido da Silva e Jin Ciosaki. Patrimônio: Olavo Elias dos Santos; Suplente: Cláudia Braga. Conselho Fiscal: João Carlos Barbosa Lima, Maurício Kusumota e Prisclia Yishi S. Hashimoto; Suplentes: Neide Amábile Pastori e Silva, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Darcy Gonçalez e Licanor de Souza Campos; Suplentes: Ariovaldo Torrieri Júnior e Reinaldo José Sanches. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR CHEFE: Júlio Castro REPORTAGENS: Mariana Araújo Parras Luque Hugo Luque O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Sub Ten Res PM Oswaldo Bonfim Martha Luque DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça Vanderlei Garcia da Costa Antonio Pereira Alvin Marcos Antonio Fernandes Israel Leal de Souza PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. VITÓRIA É DA DEMOCRACIA Novos Associados Associaram-se ao Sinpol, no mês de novembro de 2013, os seguintes policiais civis: - Valter Marqueto, investigador de Polícia; - Otaviano dos Santos Boemia, agente policial; - Kelly Cristina Ferro Rodrigues, escrivã de Polícia; - Paulo Roberto Ambrósio, investigador de Polícia. A diretoria do Sinpol dá boas vindas aos novos associados e está à disposição de todos os policiais civis que quiserem integrar o quadro associativo do sindicato. A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, os seguintes falecimentos: + Iraci Augusta de Aguilar Fróes, mãe da escrivã de Polícia Jarlete Fróes de Aguilar Galli, ocorrido em 09 de setembro de 2013; + José Roberto Lemos da Silva, irmão do escrivão de Polícia Sérgio Lemos da Silva, ocorrido em 02 de dezembro de 2013. O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. Notas Recadastramento Para atualização de dados e de situação profissional, principalmente dos recémaposentados, o Sinpol está promovendo um recadastramento de todos os associados. Participe do recadastramento e garanta o recebimento de toda correspondência que enviamos, procurando a Secretaria do Sinpol, ou enviando e-mail para secretaria@sinpolrp.com.br. Atenção policial civil A diretoria do Sinpol alerta a todos os policiais civis associados que, se receberem intimação para comparecer à Corregedoria ou a qualquer outro órgão, para depoimento, busquem antes orientação no Departamento Jurídico do sindicato. É direito constitucional que em todo e qualquer depoimento, o depoente esteja assistido por um advogado. Atenção O Sinpol comunica aos associados que está entrando com as ações referentes à incorporação do ALE (Adicional de Local de Exercício) e do GAP (Gratificação de Atividade Policial). Quem tiver interesse, favor entrar em contato com a Central de Atendimento Sinpol, pelos fones (16) 3625-3890, 3612-9008 e 3979-2627 para obter maiores informações. O Sinpol deixa claro que não haverá problema algum de entrar com esta ação, pois a que foi ingressada em relação ao ALE foi um Mandado de Segurança. Contribuição IAMSPE O Sinpol informa que ingressará com ação judicial pleiteando a cessação da contribuição ao IAMSPE (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual). A presente ação é proposta com o objetivo de cessar o desconto compulsório realizado em folha de pagamento dos servidores públicos do Estado, referente ao pagamento da contribuição ao IAMSPE, em cumprimento ao disposto no art. 149 caput, da CF (Constituição Federal). Podem ingressar com esta ação todos os servidores públicos estaduais, estando em atividade. Aos inativos, o Sinpol dispõe de um formulário próprio para cessar o desconto, sem a necessidade de ação. Os interessados podem pedir esclarecimentos à Central de Atendimento Sinpol, pelos telefones (16) 3625-3890, 3612-9008 e 3979-2627, ou na sede social do sindicato, à Rua Goiás, 1697. Falecimentos Aposentados Associados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em novembro de 2013: - Matilde Nori Tosta de Oliveira, carcereira de 1ª Classe; - Fernando José Sartore, perito criminal de 2ª Classe; - Sylvio Augusto Simões Lujan, escrivão de Polícia de 1ª Classe; - José Carlos Cioca, agente policial de 3ª Classe; - Sílvio Miguel Gomes, escrivão de Polícia de 2ª Classe. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhantes carreiras, desejando-lhes poder usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. 04 Dezembro/2013

[close]

p. 5

EUMAURI RECOMEÇANDO MEMÓRIA COBRA ALCKMIN TIME AFINADO EM SÃO CARLOS O deputado federal Duarte Nogueira; o presidente do Sinpol, Eumauri; o governador Alckmin e o vice-presidente do sindicato, Célio: abordagem na chegada a Cravinhos A apuração dos votos que garantiram a Eumauri Lúcio da Mata o direito de presidir o Sinpol de 2014 a 2017 terminou por volta das 23h00 do dia 29 de novembro, uma sexta-feira. Na segunda-feira à tarde ele estava de volta à carga, dedicando-se ao que mais gosta de fazer: sindicalismo. Nem mesmo durante a campanha eleitoral do Sinpol, Eumauri deixou de participar de reuniões e encontros com políticos, secretários de Estado e autoridades para tratar de interesses da categoria. No dia 02 de dezembro, ao saber da vinda do governador Geraldo Alckmin para atividades políticas na região, Eumauri não pensou duas vezes. Elaborou uma pauta de reivindicações e foi pessoalmente abordar Alckmin. O governador veio para a entrega de ambulâncias destinadas para toda a região. O ato aconteceu na cidade de Cravinhos. Logo que chegou, Alckmin foi imediatamente abordado por Eumauri, que fez questão de reiterar os vários assuntos ainda pendentes e que já são de conhecimento do governador. “Pedi ao governador uma atenção especial para o encaminhamento urgente da Reestruturação das carreiras, visando o reescalonamento das classes e melhorias salariais para todos. Também aproveitei para pedir que fossem aumentados os valores relativos ao nível universitário, principalmente para as terceira e segunda classes”, explicou Eumauri. Antecipando-se aos políticos que aguardavam o governador, Eumauri também pediu a ele que seja revista a política de diárias pagas aos policiais civis, igualando os valores aos pagos para os policiais militares. “O senhor governador pode estar certo de que irei fazer marcação cerrada. Gostaria de ter estendido as reivindicações e levar ao governador nossos anseios e nossas grandes necessidades, mas não foi possível, porque havia um grande número de pessoas que o assediavam. Mas sempre que ele vier à nossa região, haverá a certeza de que estarei presente. Se não for por vontade própria, será por constrangimento que ele vai atender às nossas reivindicações”, concluiu Eumauri. Diversas grandes equipe marcaram época no 1º DP (Distrito Policial) de São Carlos. Uma destas equipes é retratada na foto. Os policiais civis atuaram juntos em 1981. Sentado, o titular do DP, dr. João Jachinto do Amaral. Em pé, a partir da esquerda, o investigador Douglas de Campos, que se desligou da Polícia Civil; o escrivão José Oscar, hoje aposentado; o escrivão José Geraldo Triques, atualmente no mesmo 1º DP; o investigador Odair Aparecido Camargo, que atua na DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de São Carlos; e o investigador Armando Pizani Júnior, atualmente no 3º DP de São Carlos. DO FUNDO DO BAÚ O Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto está mantendo um acervo de imagens relacionadas à Polícia Civil. Para tanto, a Diretoria está incentivando a participação de associados que tenham em seus arquivos fotografias que possam ilustrar diferentes aspectos da história da Instituição. “Temos certeza que muitos colegas guardam várias fotos com lembranças de reuniões, eventos e de situações cotidianas dentro da Instituição, com um valor inestimável pelas lembranças que representam”, ressalta o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Os interessados em colaborar com esse resgate da memória da Polícia Civil da região podem entrar em contato com a Secretaria do Sinpol, através dos telefones (16) 36129008, 3625-3890 e 3979-2627, ou do e-mail sinpolrp@sinpolrp.com.br. “As fotografias serão digitalizadas e prontamente devolvidas aos seus proprietários”, garante Eumauri. O material reunido pelo Sinpol será publicado no Jornal do Sinpol e no site da entidade (www.sinpolrp.com.br). Dezembro/2013 05

[close]

p. 6

LUIZ ANTONIO MULHER Os policiais civis de Luiz Antonio têm se notabilizado no combate ao tráfico de drogas e obtido bons resultados, evitando que a cidade fique à mercê dos traficantes. No dia 01 de novembro, uma ação conjunta entre policiais civis e militares da cidade resultou na prisão de uma mulher. Segundo o delegado titular do município, dr. Jorge Miguel Koury Neto, com base em investigações realizadas há algum tempo, foi descoberto que uma mulher viria de ônibus, desde Ribeirão Preto, trazendo uma considerável quantidade de entorpecentes. “Com base em investigações decorrentes e com a partilha de informações entre a Polícia Militar e a Polícia Civil de Luiz Antonio, efetuamos diligências pré-constituídas, em que o sargento Lara e o investigador Bruno, recepcionados em alerta, monitoraram uma passageira em trânsito de Ribeirão Preto a Luiz Antonio”, explicou o dr. Jorge. Os policiais civis e militares tinham as características físicas da mulher: cor negra, magra, baixa estatura. Diante disso, passaram a observar o movimento dos passageiros que desembarcavam em Luiz Antonio oriundos de Ribeirão Preto. A informação é que ela traria uma quantidade considerável de drogas. Durante a campana, observaram a chegada de mais um ônibus que faz a ligação entre as duas cidades e logo que o veículo estacio- É PRESA COM DROGAS conduzida para a Cadeia Pública Feminina, na cidade de Cajuru, onde vai aguardar sem direito à fiança, por seu julgamento. Segundo o dr. Koury, a ação foi amplamente eficaz graças ao entrosamento dos policiais civis e militares, que frequentemente vêm realizando operações conjuntas na cidade de Luiz Antonio. “Encerro prosperando que ações conjuntas vêm mitigando, de forma objetiva, células voltadas ao consumo de drogas na cidade, em especial visando os adolescentes. Ressalto importante papel do sargento Lara e do investigador Bruno, em terem cautela na abordagem. Por isso, Bruno Lonto e Beatriz Alvarez, investigadores de Polícia; Lucas Leite, escrivão de Polícia, e o sargento Daniel Lara e o PM Miranda, cercearam nominado tráfico entre municípios, quebrando uma cadeia de fornecimento”, acrescentou o dr. Jorge, que coordenou as ações. Foto: Matheus Urenha Jornal A Cidade Ação conjunta entre Polícia Civil e Polícia Militar resultou em prisão e apreensão de quantidade expressiva de entorpecentes nou na plataforma, identificaram uma mulher com as características que eles tinham da suposta traficante. Assim que M.P.S.S., de 25 anos, desembarcou, foi abordada pelo investigador e pelo PM. Ao ser inquirida, ela negou, inicialmente, a porte do entorpecente. Segundo o delegado, durante a abordagem “a suspeita recusou em dizer algo, mas acabou, na vistoria, confessando que estava trazendo drogas determinadas. Na revista em uma sacola velada, os policiais encontraram 1.000 microtubos com cocaína, sedimentadas para a venda. Cada tudo seria aferido por R$ 25,00. Em outro compartimento da bolsa, mais 400 pedras de crack embaladas em plástico e norteadas em R$ 15 cada ao comércio”, explicou o delegado. De acordo com o estimado pelo dr. Jorge, o prejuízo dos traficantes foi superior a R$ 31 mil, que seriam arrecadados com a venda dos entorpecentes. A mulher foi conduzida à delegacia e, ao levantar sua ficha criminal, os policiais civis constataram que ela é natural de Luiz Antonio e que não tinha passagens criminais anteriormente. “A mulher disse que alguém iria vender para o sustento de uma organização criminal, porém essa célula foi quebrada em tempo pelas Polícias Militar e Civil. Sabemos que há receptadores que iriam distribuir a droga pela cidade. A mulher foi presa em flagrante”. M.P. será enquadrada por tráfico de drogas e foi Policiais civis de Luiz Antonio realizam mais um trabalho no combate ao tráfico de entorpecentes 06 Dezembro/2013

[close]

p. 7

R ADAR Operação Novembro A Polícia Civil de Ribeirão Preto realizou, no dia 07 de novembro, a Operação Novembro. Iniciada às 6h00, com participação de 166 policiais civis da cidade e região da Delegacia Seccional, a ação foi realizada no final da manhã. De acordo com o Setor de Comunicação Social da Delegacia Seccional de Ribeirão Preto, o resultado obtido superou as expectativas e também é o maior índice do ano, em se tratando de Ribeirão Preto, pois resultou em 81 prisões, 24 dos quais com mandados de prisão criminal expedidos. Além disso, oito menores de idade foram apreendidos. A maioria das prisões foi realizada pela DDM (Delegacia de Defesa da Mulher), num total de 15. Em seguida veio a área do 2º DP (Distrito Policial), na região dos Campos Elíseos, que contou com 11 detidos. A área do 6º DP, da Vila Virgínia veio em terceiro, com seis presos. Durante a ação, os policiais civis apreenderam mais de 8 quilos de maconha, 3 quilos de cocaína e 612 gramas de crack. Os presos foram encaminhados pelos policiais civis para as cadeias de Cajuru (feminina), Santa Rosa de Viterbo e Centro de Detenção Provisória. Araraquara Na tarde de 18 de novembro, policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Araraquara, após investigações, prenderam N.L.S.M., de 54 anos. A prisão aconteceu em uma banca de jornal, uma revistaria localizada na área central da cidade. O ponto comercial é de propriedade do indiciado, que no momento foi detido com farto material utilizado no jogo do bicho. N.L.S.M. foi preso em flagrante pelas condutas de jogo do bicho, crime contra a ordem tributária e lavagem de dinheiro, sendo encaminhado à cadeia pública de São Carlos. Em família Na manhã de 20 de novembro, policiais civis da DIG , de Ribeirão Preto, por meio de denúncias de tráfico de drogas, prenderam F.S.S., 22 anos, D.O., 25 anos e sua mãe D.O., de 49 anos. A prisão em flagrante aconteceu no Terminal Rodoviário, na área central da cidade. De posse das características pessoais do indiciado D.O., os policiais efetuaram a abordagem e encontraram 10,280 quilos de maconha, acondicionados dentro de uma mochila. O entorpecente, oriundo de São Vicente, seria entregue a uma mulher e seu filho. Todos foram Foto: Arquivo presos em flagrante e recolhidos em estabelecimentos próprios do Estado. Itápolis Na manhã de 07 de novembro, policiais civis de Itápolis efetuaram a prisão de F.R.G., 28 anos e M.S.O., de 36 anos, com Mandado de Prisão Preventiva do Estado do Paraná. A prisão aconteceu no bairro Jardim Redenção, naquela cidade. F.R.G. foi recolhido à cadeia pública de Jaboticabal e M.S.O., à cadeia pública de Fernando Prestes. Descalvado Na manhã de 13 de novembro, após denúncias de que em uma residência, estavam sendo guardados produtos de furtos, uma equipe de policiais compareceu em uma casa localizada no Jardim do Lago, naquele município, e lá, encontraram a casa totalmente aberta. Dentro do imóvel, estavam os indiciados Y.V.A., 18 anos, W.L.M.J., 18 e um adolescente de 17. Com eles, os policiais apreenderam porções de maconha, crack, cocaína, três celulares, R$ 304 em dinheiro, além de outros objetos e uma réplica de arma de fogo. Presos em flagrante, foram recolhidos em estabelecimentos prisionais do Estado, e o adolescente, apresentado à Vara da Infância e Juventude da Comarca local. 6º DP Ribeirão Policiais civis do 6º DP de Ribeirão Preto, comandados pelo dr. Samuel Zanferdini, realizaram campana desde as 5h00 do dia 11 de novembro para conseguir efetuar a prisão de um homem que vinha assaltando ônibus urbanos na região da Vila Virgínia. Segundo o delegado, pelo menos seis roubos já foram esclarecidos, mas o homem deve ter participado de mais de 10 assaltos a coletivos. L.A.S., de 25 anos, foi preso no Parque Ribeirão Preto, em cumprimento a mandado de prisão preventiva e foi encaminhado ao CDP (Centro de Detenção Provisória). 3º DP Ribeirão Na tarde de 12 de novembro, policiais civis do 3º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto, chefiados pelo dr. Gino Sant’Anna, após recebimento de denúncias, localizaram uma casa de jogos de azar que funcionava em um bar/restaurante na vila Tibério. Lá, os policiais localizaram e apreenderam sete máquinas caça-níqueis, um computador, dois roteadores, sete monitores de vídeo, caderno com anotações de jogos e R$ 834 em dinheiro. Quatro jogadores, presentes no local, além do dono do bar, foram ouvidos na unidade policial. O proprietário será indiciado pela prática do jogo de azar. Américo Brasiliense Policiais Civis de Américo Brasiliense prenderam D.O.S., de 50 anos, em uma operação realizada no dia 07 de novembro. D. foi preso em cumprimento a Mandado de Prisão Temporária, pelo crime de homicídio, ocorrido no dia 1º de novembro, vitimando Jocelim de Mello Pinto, de 39 anos. A prisão aconteceu em via pública, defronte ao Branamérico, naquela cidade, sendo recolhido na cadeia pública de Jaboticabal. O titular do 3º DP de Ribeirão Preto, dr. Gino Augusto Sant’Anna comandou equipe que localizou casa de jogos de azar na Vila Tibério Fotos: SSP/SP Apreensão feita pela DIG de Ribeirão (à esq.) e por policiais civis de Descalvado (à dir.) representaram duro golpe no tráfico de drogas Dezembro/2013 07

[close]

p. 8

NOVA SEDE De acordo com o planejado, as obras que estão edificando a futura sede social do Sinpol, estão prosseguindo, já em fase final de construção. A cada dia que passa, as linhas que definem a forma do empreendimento ganham novos contornos e mostram a grandeza do imóvel, que vai oferecer o conforto necessário para os policiais civis associados, para toda a categoria e para os moradores daquela região e da sociedade ribeirão-pretana em geral. O prédio está sendo construído na Avenida Francisco Massaro Farinha, esquina com a rua Pedro Pegoraro, que é uma travessa da Av. Leão XIII, na Ribeirânia, atrás do Campus da Unaerp (Universidade de Ribeirão Preto)e terá área total construída de 1.600 m². Está sendo erguido em um terreno com área total de 2.247,95 m². O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, convida todos os associados que tenham interesse em visitar as obras para conhecer como será a nova sede social do sindicato. Os custos da obra também estão à disposição de todos os interessados, com total transparência. Uma comissão de associados foi formada para acompanhar passo a passo o que é investido no local. Cerca de 70% da obra já foi executada, tudo dentro do cronograma estabelecido entre o Sinpol e a empreiteira contratada. Toda a fiação da parte elétrica está sendo passada para dar sequência a outras etapas. “Temos que destacar que esse terreno foi conquistado graças ao empenho do vereador e delegado Samuel Zanferdini. Com sua ingerência, conseguimos que a Prefeitura elaborasse um projeto Lei que foi aprovado pela Câmara Municipal cedendo a área em regime de comodato. Há que se ressaltar que muitas entidades de classe procuram a Prefeitura para tentar conseguir áreas, mas poucas conseguem. É nossa grande vitória, numa luta idealizada desde a época da antiga fundação da APOCIRP [Associação dos Policiais Civis de Ribeirão Preto e Região]. Nossa sede é própria e é uma feliz realidade”, comemora Eumauri. OBRAS PROSSEGUEM 08 Dezembro/2013

[close]

p. 9

SINDICALISMO SINPOL Apesar das vitórias obtidas pelos policiais civis e noticiadas durante o mês de outubro, o Sinpol não deixou de realizar sua peregrinação por setores do governo e da ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) durante o mês de novembro. O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, manteve diversos contatos, pessoalmente ou por ofício, cobrando melhorias para a categoria. “Estivemos em nova audiência na Secretaria do Planejamento e conseguimos melhorar os índices relativos ao NU (Nível Universitário). Os valores, de fato, não são o ideal, mas continuamos dialogando com o governo para que tenhamos o merecido reconhecimento e já conseguimos um valor maior do que o divulgado anteriormente”, explica Eumauri. O presidente do Sinpol disse não ter ficado satisfeito com as negociações relativas ao NU para investigadores e escrivães e que ficou desapontado com os índices de reajuste na 3ª e 2ª Classe. “Embora todos tenham tido um reajuste abaixo da importância de seus cargos, nestes casos específicos houve prejuízo. Em nosso entender, todos deveriam ter reajuste igual, sem distinção de classes. O governo não se preocupa com as funções exercidas, ele pensa na matemática. Como nas 3ª e 2ª classes há maior número de servidores, se houvesse reajuste maior causaria maior impacto na folha de pagamento. Mas nós não compactuamos com esse pensamento medíocre”, dispara Eumauri. O presidente do Sinpol explica que foi graças à pressão do sindicato que o governo decidiu rever a tabela inicialmente divulgada e a luta é para que os valores sejam majorados de forma a contemplar de fato os policiais civis. Eumauri também buscou manter diálogo com o titular da DGP (Delegacia Geral de Polícia), dr. Luiz Maurício Souza Blazeck, que em outubro, recebeu o presidente do Sinpol e uma delegação formada CONTINUA NA LUTA POR MELHORIAS 2.022,35 (escrivão IV, classe especial). Em 2014, com a aplicação da segunda parcela do reajuste, os vencimentos ficarão entre R$ 1.786,62 e R$ 2.204,58. O aumento salarial para as duas carreiras cumpre a lei do NU, aprovada em 2008. De acordo com a SSP, serão beneficiados 27.280 policiais civis ativos, aposentados e pensionistas. No site do Sinpol, é possível visualizar a tabela em detalhes: www.sinpolrp.com.br . Para Eumauri, os valores, apesar de maiores do que divulgados anteriormente, decepcionaram as duas carreiras. Ele ressalta, todavia, que é preciso manter a união e continuar pressionando Alckmin. “Foi muito abaixo do que realmente esperávamos. O governador, como de costume, fez seu jogo preocupando-se somente com o que terá que gastar na folha de pagamento, sem sequer pensar em valorizar seu servidor. Precisamos nos manter unidos e o Sinpol continuará sua luta. Ano que vem haverá eleições e temos que mostrar nossa força. Agora chegou a hora de lembrar ao senhor Geraldo Alckmin que somos servidores, mas que também temos direito a voto. Portanto, se ele sonhar em se candidatar à reeleição, terá que dialogar conosco. Temos força e é preciso que todos tenham consciência disso. Demos o primeiro passo de uma escada, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido em termos de nível universitário”, concluiu Eumauri. por representantes das carreiras de Carcereiro, Agente e Auxiliar de Papiloscopia. O encontro ocorreu dia 18 de outubro, na sede da DGP e os policiais civis ouviram do próprio delegado geral seu compromisso em lutar pelo aumento do nível de escolaridade e melhorias salariais, inclusive com a implementação do projeto de reestruturação das carreiras da Polícia Civil. “Sabemos das dificuldades em convencer o governo a dar melhorias aos policiais civis, mas com muito trabalho e per5sistência estamos constatando que não estamos totalmente esquecidos. Por isso, tomei a liberdade de pedir ao DGP que defenda junto ao governo estender às carreiras mencionadas o aumento nas diárias e que conceda com urgência as promoções, da mesma forma que foi dado aos policiais militares. Será uma forma mais rápida de contemplar nossos policiais civis e com eles fazer justiça”, ponderou Eumauri. ALESP aprova NU No dia 19 de novembro, foi aprovado por unanimidade o PLC (Projeto de Lei Complementar) 44/2013, do governo do Estado, que reajusta os vencimentos de escrivães e investigadores de Polícia. Para se tornar Lei, o projeto necessita agora da sanção do governador Geraldo Alckmin. O reajuste real, segundo o governo, será de 21%, pagos em duas etapas, sendo uma no primeiro dia do mês subsequente à data da publicação da Lei e a segunda um ano depois. Este índice, todavia, considera o reajuste de 7%, concedido a todas as carreiras da Polícia Civil do Estado de São Paulo no início de novembro. Segundo a Assessoria de Imprensa da SSP (Secretaria da Segurança Pública), de acordo com as tabelas em anexo ao PLC 44, nesta primeira fase os salários-base dos escrivães e investigadores serão entre R$ 1.639,10 (escrivão I, 3ª classe) a R$ Nem mesmo o processo eleitoral do Sinpol afastou Eumauri de sua rotina de reuniões, encontros com autoridades e políticos e cobrança por melhorias para a categoria Dezembro/2013 09

[close]

p. 10

ANIVERSARIANTES A vida é um milhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar. Feliz Aniversário aos nascidos em janeiro e fevereiro! JANEIRO 1 André Luís Ribeiro Chagas Patrícia Berlanda Custódio da Silva 2 Mário Augusto Pontolio de Andrade Marco Aurélio Valentim Carlos Alberto Innocente 3 Adhemar Pereira da Costa Oswaldo Bigotto Francelso Ricardo Siqueira Marta Lúcia Ribeiro Tavares 4 Tadeu Marques de Oliveira Antonio Benedito Canato Joana D´Arc Araújo Silva 5 Aparecida de Fátima Fabrega Orteiro Luiz Carlos Rossi Borzani Alexandre Dias de Carvalho Ivete Bernardini Schivo 6 Josué Sampaio de Araújo Erotildes Juraci de Oliveira Moreno Wilson Carlos Milani Carlos Henrique Araújo Garcia Sílvio de Souza Lima Filho Vânia França Machado Maria Bernadete Schieber Cury 7 Antonio Renato Lopes da Cunha Paulo César Mendes Jaqueline Galdiano Pereira 8 Rita de Cássia do Nascimento Zaparolli 9 Mário Marcos Guimarães Abeid Simei de Moraes Brião Sandro Henrique Pedrozo de Godoy José Saul Martins 10 Júlio Cesar Machado José Gonçalo Teixeira José Augusto de Sant´Anna Kikuo Luís Osvaldo Morino Carlos José Soares 11 José Eduardo Leonardo Eliane Pereira Passos Sérgio Mendonça Carlos dos Reis Francisco Alexandre Antonio Belonci Liciane Carla da Silva Marlei Silva Altino Pereira 12 Milma Sandra Cocito Martins Denize de Paula Costa Passaglia José Roberto da Silva José Roberto Chagas 13 Claudete Polo Gomes Orlando de Paula Souza Clóvis Samuel Barbosa 14 Jeni Boldrin Giorgetti Sebastião Ademir Fiorelli Neuza Maria Sartori Priscila Avira Romera Sciuto 15 Raphael Abbate Coriolano Antonio de Souza Naves 16 Antonio Chaves Martins Fontes Antonio Valdecir Silva Odair Pedro de Souza 17 Sérgio Ribeiro dos Santos Júlio Cesar Cazu Lenice Aparecida Bendassoli Ferreira Sandro Rampim Viola 18 Sebastião Luiz Ribeiro Chagas Adolfo Bezerra Almeida de Souza Carlos Eduardo Benito Jorge Sílvio Renato Modena Tahan Raquel da Conceição Reis César Oliveira Pini Luís Valério Castellini 19 Ricardo de Souza Luiz Carlos da Silva João Batista Palin Paulo Sebastião de Araújo Sérgio Luiz Porfírio Lílian Cristina Pereira Gonzaga Elaine Aparecida Aprile Pires Luciane Dezajacomo 20 Carlos Cesar Soares Sebastião Carlos Franceschet Selma Liao Nogueira Dalva Elisa Fasanelli Gerson Sebastião Pelayo 21 Deise Rodrigues Aiello Ivan Marcos Pimenta Vanilda Manoel Correia Maria Inês Santesso Pires Hélio Augusto da Silva Pedro Thimoteo da Silva Andréa Francelin Cristino Barbosa Costa 22 Elaine Borges Lourenço 23 Ana Lúcia Macedo Sanches Mateus Paulo Sérgio Ribeiro Chagas Fabiana Farina Marinilce Acrani Bonagamba Cassucci Paulo Cézar Villa 24 Luiz Antonio Bernardo Lídia Mara Franco da Silva Sebastião Paulo Pureza Edson Ricco Filho 25 Tânia Maria Gomes Lourival Custódio Filho Paulo Wilson Falconi José Paulo Franco Paulo Mariano Bortolotti Octavio Pereira da Cruz Leila Liao Marino 26 Fernando Luís Giaretta Artibano José Cruz Alberto Conrado Garcia Milena Cristina Menegheli de Souza 27 Antonio Marcos Boscolo João Carlos de Arimathea Morais Jeremias Eugênio Rodrigues 28 Catarina Aparecida Pane Carlos Mamede Martins Luiz Augusto Carille Netto 29 Fátima da Silva Pereira Lima Milton Wagner Boito Sônia Maria Simões Ana Lúcia Vilas Boas Cleto 30 Marta Regina Scarpellini Idélcio Vanderlei Viccari Carlos Aparecido da Silva Júnior Roni Edson Fidélis Mônica Nascimento Lobato Garrijo Edgard de Oliveira Dib Oswaldo José da Silva 31 Edna Lopes Pereira Paulo Dal Farra Júnior José Alberto de Castro Rhasmen Jorge Magosso Tereza Cristina Gonçalves de Oliveira FEVEREIRO 1 Francisco Antonio de Oliveira Glauber Christian Ribeiro Urbano de Souza Ivo Lamorea 2 Maria Lúcia Falconi Sueli Aparecida Vitorino Suzana Cristina Gianini José Luiz Torres Sônia Aparecida de Oliveira Martins Carmo 3 Rogéria de França do Nascimento Leite Ricardo Marques Luzia Braz Ferreira Ricardo Damas Cecílio Neusa Helena Vicari Marcelo de Paula Mendes Mundin 4 Donizeti Amâncio de Castro Manoel Marcelino Paulo de Tarso Elias 5 Aléssio Peria Júnior Carlos José Santana Hélio Pereira Ricardo Aparecido de Camargo 6 Valdir Stevan Roberto Bernardo 7 Luiza de Oliveira Rodrigues Paulo Henrique Limiro Helton Testi Renz 8 Luís Carlos Silveira José Carvalho de Araújo Valter Lopes da Silva Donizeti Aparecido dos Santos Cláudio Edílio Pinheiro da Silva Cecília Scarpellini Talarico Maria Cândida Loureiro Mascia Eliezer Pedretti da Silva 9 Roberto Luís Limeira Volpe Luís Bucioli Sílvio Luiz da Silva José Augusto Calixto Neto André Valério Alves Raquel Aparecida Bento Francisco Lima 11 Claudionice Belesso Glória Esteves Vieira 12 Eurípedes Angelo Paixão 13 Antonio Pires das Neves Sobrinho Josiane Kátia Pacagnella do Nascimento Roque Leonel Filho 14 Valentim Ferreira dos Santos Andrea Cristiane F. de Souza Nogueira 15 Célio Valdelino Baldacine Emerson Caetano do Nascimento Maria de Lourdes Bernardes de Oliveira Nelson Hugo Bernini Júnior Caio César Juliani de Campos 16 Adolfo Domingos da Silva Júnior Dagmar Venâncio da Costa Maria Cristina Brunini Silva Clóvis Luiz Ferreira Marcos Paulo Gomes de Paula Sebastião dos Reis de Souza Walter Paschoale José Antonio dos Santos 17 Paulo Cesar Machado Cairbar Eurípedes de Moraes Laudemilson Márcio Tiesi Joaquim Orlik Montanheri 18 Ubaldo Sbicca Neto Élio Ferreira da Silva Edenir de Araújo Hamilton Geraldo Gonçalves Antonio Marcos Fernandes Robson Marchetto 19 Gumercindo Bueno Filho Hélio Luiz da Costa Antonio Cláudio Gimenes 20 Carlos Alberto Diogo José Roberto de Oliveira 21 José Carlos Moreno Mansano Paulo Costa de Paula Valmir Ogrízio Silva José Antonio Passalia Josinaldo Victorino de Sousa Susana Cristina Leite Ribeiro Bissi Cláudia Corte Brilho Machado Pereira Jaira Luciana Guioto Alves 22 Licanor de Souza Campos José Niles Gonçalves Nucci Roberto Aparecido Ferretti Mauro Bacci Elba Cristina Santiago de Oliveira 23 Idelfonso Pereira da Silva Décio Agostinho Gonzalez Maria Bernardete de Souza Aguiar Ricardo José Borelli Roseli Serra Ferrari 24 Carlos Jivago Campos da Silva Cézar Augusto de França Célio Roberto Dezzotti 25 Osmar Paciência Edvaldo Rodrigues dos Santos Marcos Roberto Rau Evilson Rodrigues Vigarani Hélvio Roberto Bolzani 26 Célia Regina Guedes Name Marcelo Aparecido da Cruz Prates Idelberto Matias Júnior Luiz Carlos Colucci 27 Marcos Leandro Vendrúsculo Maurício Antonio Dotta e Silva José Paulo de Macedo Gino Murari Neto 28 Wilson Marcos Tofani Adenilson Rangel de Paula Cléber Luiz dos Santos Aguinaldo da Silva Franklin Leandro Martins Edison Dorati Lauro José Teixeira Marcelo da Silva 29 Andrea de Moraes Teixeira O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. 10 Dezembro/2013

[close]

p. 11

RECONHECIMENTO DR. PAULO PEREIRA O delegado Paulo Pereira de Paula, morto na cidade de São Paulo em 2012 durante uma tentativa de latrocínio, foi novamente lembrado em solenidade realizada na Acadepol - Academia de Polícia Civil dr. Coriolano Nogueira Cobra. O evento foi realizado no dia 28 de novembro, na própria academia, com a presença do Delegado Geral de Polícia Civil, dr. Luiz Maurício Souza Blazeck. A homenagem foi determinada através da Portaria DGP 35, de 16 de setembro de 2013, publicada no DOE (Diário Oficial do Estado) no dia 02 de outubro. Estiveram presentes ao evento os pais do dr. Paulo, dona Zanira Pereira de Paula e o dr. Paulo Costa, também delegado de Polícia, além de primos do delegado que fez uma grande história em Ribeirão Pre- DE PAULA É LEMBRADO PELA ACADEPOL Diploma que homenageou o dr. Paulo Pereira de Paula e foi entregue a seus pais em solenidade realizada na Acadepol to, São Paulo e Guarulhos. Os pais do delegado receberam das mãos do DGP a medalha “Doutor Coriolano Nogueira Cobra” e um diploma em gratidão e reconhecimento “aos méritos de honra, caráter, civismo, dignidade e bons serviços prestados ao Magistério Acadêmico da Polícia Civil do Estado de São Paulo e em defesa das suas mais lídimas tradições, considerando o que determina o Decreto nº 50.027 de 26 de setembro de 2005, ano do centenário da Polícia Civil”, de acordo com o protocolo do evento. Além do dr. Paulo Pereira de Paula, outro delegado de Ribeirão Preto também foi lembrado em homenagem póstuma: o dr. Alcides Hipólito Rego Filho, que além de delegado, lecionou na Acadepol. POLICIAIS A Câmara Municipal de Franca realizou, no dia 06 de dezembro, uma Sessão Solene para homenagear policiais civis da cidade que se destacaram no desempenho de suas atividades. A iniciativa se deu através de um projeto do então vereador, atualmente delegado Seccional de Franca, dr. Marcelo Rodrigues Alves Caleiro, que tornou-se a Resolução 272/2004. Na Sessão Solene, seriam homenageados com o Diploma de Mérito em Polícia Judiciária “Dr. RicardoAlexsanderAndrade”, pelos relevantes serviços prestados à comunidade o delegado Geral de Polícia, dr. Luiz Maurício Souza Blazec, o delegado Geral Adjunto, dr. Valmir Eduardo Granucci e o diretor do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), dr. João Osinski Júnior. Contudo, a homenagem foi adiada pois na data da Sessão Solene ocorreria a formatura do Curso Superior de Polícia e os três não poderiam estar presentes em razão do compromisso já assumido na Capital. Os vereadores também haviam destacado alguns policiais civis que atuam na cidade para receber as homenagens. O autor dos projetos foi o dr. Daniel Paulo Radaeli, delegado de Polícia e associado do Sinpol. CIVIS SÃO HOMENAGEADOS EM FRANCA forma com que se dedica à carreira. Os demais companheiros também são dignos da homenagem. Esse tipo de iniciativa da Câmara Municipal de Franca é digno de destaque, pois valoriza os policiais civis, tão esquecidos por nosso governador”, disparou Eumauri. O dr. Marcelo Caleiro, atual Seccional de Franca, recebeu o Título Honorífico de Cidadão Emérito de Franca. Emocionado, ele fez questão de agradecer a todos pela homenagem e demonstrou o seu respeito para Franca, cidade que o acolheu. Por se destacarem no desempenho de suas funções, receberam o diploma de Mérito em Polícia Judiciária “Dr. Alexsander Andrade” os seguintes policiais civis: o escrivão do 3º DP (Distrito Policial) da cidade, Renato Tomasella Monteiro; o delegado da DISE (Delegacia de Investigações Gerais) de Franca, dr. Djalma Donizete Batista; o investigador do 3º DP de Franca, Ademar Ribeiro Tavares dos Santos; a escrivã da DISE de Franca, Teresinha Carmo de Oliveira Silveira e o investigador da DISE de Franca, Wellington Amato. O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, fez questão de comparecer à Sessão Solene para cumprimentar os homenageados. “O dr. Marcelo Caleiros, delegado Seccional, é um grande policial civil e uma pessoa honrada. Ele próprio fez questão de se filiar ao Sinpol, quando de nossa visita para discutir a respeito de problemas administrativos com associados nossos. O Renato, além de ser um grande policial civil, de muita competência, é um grande amigo pessoal e esse foi um dos motivos, entre tantos, que me levou até Franca para prestigiar tão importante solenidade. Renato tem a Polícia Civil em sua família: sua esposa Sônia Luzia de Aguiar Monteiro é escrivã. Nosso associado Renato se destaca pela A partir da esquerda, o vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago; o Seccional de Franca, dr. Marcelo Caleiro; o escrivão do 3º DP de Franca, Renato Tomasella e o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, durante Sessão Solene Dezembro/2013 11

[close]

p. 12

ENTREVISTA GILBERTO FRANÇA Nascido em Pirassununga, Gilberto França ingressou na Polícia Civil em 1957, como escrivão de Polícia. Antes, trabalhava na seção de Custos nas Indústrias Matarazzo. Orgulhoso pela carreira que escolheu, costuma dizer que, naquela época, o escrivão era o “dono” da Delegacia. Para ingressar, fez Escola de Polícia durante um ano. Era um curso intensivo e muito rigoroso, que não existe mais atualmente. O policial civil só era nomeado após a conclusão do curso. Ficou na Instituição durante 20 anos. Neste período, cursou direito e passou a advogar. Também lecionou no Ginásio Barão de Mauá e no Colégio Marista, dando aulas de história e geografia. Foi na carreira de advogado que ele se realizou. Há 12 anos integra o departamento jurídico do Sinpol e destaca a importância do sindicato para a categoria. Casado com a advogada Marlene Boldrini Santos é pai de três filhas: uma é médica, outra é bióloga e em fase de conclusão de doutorado e a terceira está concluindo o curso de direito. Em entrevista ao Jornal do Sinpol, ele falou sobre sua vida como policial civil, como advogado e sobre as lutas do sindicato, do qual é associado. Jornal do Sinpol - Como foi sua passagem pela Polícia Civil? Dr. Gilberto França - A função de Escrivão de polícia já era, naquela época, super sacrificada, excesso de serviço, plantão em cima de plantão, você não tinha tempo para nada, os delegados só te jogavam inquéritos nas costas e instalavam inquéritos sem necessidade, sempre te sobrecarregando de serviço. Chegou um dia que eu não aguentei e caí fora. Entrei para Polícia Civil porque meu pai era policial. Jornal do Sinpol - Porque a carreira de escrivão? Dr. Gilberto França - Escrivão naquela época era um cargo muito diferenciado, era praticamente o dono da delegacia. Tinha prestigio social e era um salário muito bom. O prestigio era tanto que em Orlândia, por exemplo, o então escrivão Arlindo Morandini foi eleito Prefeito. Para você ter a noção do prestigio que tinha o escrivão na época. Jornal do Sinpol - Por quais cidades o senhor atuou como escrivão? E em que setores? Dr. Gilberto França - Passei por Mauá, Miguelópolis, São Paulo, Pedregulho, Ituverava e Ribeirão Preto. Naquela época não havia setores, fazia-se de tudo, inclusive trânsito. A DST [Delegacia de Serviços de Trânsito] ficava por conta do escrivão. Jornal do Sinpol - O senhor ingressou numa época em que não havia computador e o trabalho era de agilidade na datilografia, com textos precisos. Como era na era anterior à informática? Dr. Gilberto França - Eu preferia aquela época, preferia a máquina, era menos complicado, direto, não tinha esse negocio de botão para cá e botão para lá. Exigia sim muita agilidade. Jornal do Sinpol - E hoje com o advento do computador, o que mudou? Dr. Gilberto França - Computador foi feito para jovem e para criança, não para velho. Acredito que os mais antigos tenham dificuldade com informática. Não tenho como ter um parâmetro do meu tempo e como está hoje. Jornal do Sinpol - O senhor é do tempo em que o policial civil era respeitado. Como o senhor vê a situação atual e a que atribui a falta de respeito para com as autoridades? Dr. Gilberto França - Antigamente havia respeito, você abordava uma pessoa ela para e te atendia, se sujeitava e você conduzia sozinho a pessoa para delegacia. Hoje você tem que ir de metralhadora nas mãos e olhe lá ainda! Mudou completamente. Jornal do Sinpol - Em toda a sua carreira na instituição, o senhor trabalhou com diversos policiais, Quais mais marcaram sua trajetória? Dr. Gilberto França - Tiveram alguns. No tempo da Guarda Civil, eu me lembro do Peccini, esqueço o sobrenome, pois faz muito tempo. Na Polícia Militar tinha o Fumaça, o Fantasma, tinha o Iossi que era da Guarda Civil. Muitos, depois, vieram para a Polícia Civil. Eu não cheguei a trabalhar com o Eumauri na mesma delegacia, mas trabalhamos na mesma época. A minha equipe de escrivães: Rubens Benedetti morreu de câncer, Rubens Cavalcante morreu também de câncer e Murilo Borges. Outros colegas morreram alcoólatras, de derrame cerebral. Teve até um que morreu louco, pois quando se aposentou não lhe fizeram nenhuma homenagem por menor que fosse. Então, da minha turma acabou, sobrei eu. Jornal do Sinpol - Como o senhor vê o policial daquela época com o policial de hoje? Dr. Gilberto França - O policial hoje trabalha com mais eficácia, com menos medo, reage bem às situações. Antigamente não. Se 12 Dezembro/2013

[close]

p. 13

um policial atirasse em um fugitivo era feito inquérito policial, o promotor denunciava, hoje já não existe isso, há mais liberdade de ação da Polícia Militar, da Polícia Civil, e eles deveriam controlar mais a liberdade. Jornal do Sinpol - Como surgiu a ideia de seguir a carreira de advogado? Dr. Gilberto França - A ideia inicial era prestar concurso para delegado, mas aí eu estava me formando também em Ciências Sociais e eu comecei a lecionar. Eu ganhava mais lecionando do que como escrivão. Se eu entrasse para delegado teria que abandonar o magistério, dava aulas em História e Geografia. Jornal do Sinpol - Há quanto tempo o senhor milita na advocacia? Dr. Gilberto França - Desde 1976, há 38 anos. Jornal do Sinpol - O senhor já realizou muitos trabalhos para o Sinpol. Qual ou quais os principais? Dr. Gilberto França - Há 12 anos que estou no Sinpol, até merece um reparo. Fui procurado pelo Eumauri e pelo Julio Machado que me ofereceram a oportunidade. Eu já estava atendendo alguns policiais sem vínculo com o Sinpol. Achei de imediato a ideia excelente e ingressei no Sinpol onde estou até hoje, graças à atuação correta, principalmente honesta do Eumauri, que vem conduzindo a presidência da entidade. A forma correta e digna, honesta é o que vêm mantendo o Sinpol em pleno funcionamento, em plena evolução na defesa de interesses dos policiais e estou lá mais apegado a ele. Tive casos que me deram muito orgulho, não vou citar nomes, mas tive um caso em São Carlos de um investigador de Polícia que me deixou muito honrado. Tive um caso em Casa Branca, que também me deixou muito satisfeito. Em Bebedouro também, eram acusações injustas, graves por sinal. A Corregedoria, naquela época, tinha por hábito ser mais acessível, analisava o porquê da conduta do funcionário buscando a causa do erro. Hoje mudou, hoje a Corregedoria pensa em punir. Nós tivemos uma fase muito mais crítica, que já está melhorando novamente, mas a intenção da Corregedoria há uns tempos atrás era por na rua, era punir, não queria saber do funcionário ou a origem do erro. É fundamental na Corregedoria, saber por que o policial civil errou, quais são suas condições de trabalho? Por que ele cometeu aquele erro? Em razão do que? Hoje está voltando essa filosofia. Eu tive alguns casos que me deixaram extremamente satisfeito e orgulhoso. Jornal do Sinpol - O senhor acompanhou o crescimento do Sinpol durante todos estes ano. Como o senhor avalia essa trajetória do Sindicato? Quais suas maiores conquistas? Dr. Gilberto França - A luta incessante pelos direitos dos funcionários, a briga constante por estes direitos, a forma como o Eumauri vai conduzindo o trabalho. Jornal do Sinpol - Como o senhor vê a evolução do patrimônio do sindicato, com a sede atual, a chácara e a futura sede social? Dr. Gilberto França - Isso se da em razão da honestidade que o sindicato está sendo administrado. Se fosse mal administrado não teria nada, não teria chegado onde chegou. Jornal do Sinpol - Em relação ao crescimento do número de associados à credibilidade que o Sinpol desfruta? Dr. Gilberto França - Também em razão da atenção que a diretoria dá aos associados, comparecendo periodicamente às delegacias e isso é importante. Jornal do Sinpol - Qual sua análise da Polícia Civil nos dias atuais? Dr. Gilberto França - A Polícia Civil está extremamente sacrificada, principalmente o cargo de escrivão, que está diminuindo a quantidade. Nesse próximo concurso não acredito que 5% dos candidatos sejam para o cargo de escrivão. Ninguém quer mais ser escrivão, ninguém quer sofrer mais. É impressionante, mas a Polícia Civil está se desmanchando. Jornal do Sinpol - Qual carreira o senhor gosta mais: de escrivão ou de advogado? Dr. Gilberto França - De advogado! Eu parei a advocacia particular, essa eu encerrei. Continuo só com o Sinpol, inclusive tenho umas três sindicâncias em andamento. Estou em convalescência, mas não há problema, a cabeça continua funcionando, tenho quem me transporta, quem me leva então continuo atuando normalmente no Sindicato. Hoje é mais fácil. Antigamente tínhamos corregedoria em Barretos, Araraquara e São Carlos, e eu tinha que me locomover a todas as cidades. Atuo principalmente nas corregedorias, e pretendo continuar fazendo isso. Tive muito trabalho vi muitos absurdos, tive um caso de um carcereiro de Jardinópolis, que matou um individuo numa situação claríssima de legítima defesa, e o delegado resolveu fazer o flagrante. Por mais que eu ponderasse com o delegado. Mas no outro dia consegui colocar o carcereiro em liberdade, só ficou preso aquela noite, mas foi uma coisa injusta. Isso foi um verdadeiro absurdo do delegado. Estavam planejando uma fuga de presos, o carcereiro, quando saiu do serviço deixou anotado: “verificar xadrez seis presença de túnel”, e foi embora para casa. O delegado ligou casa dele aqui em Ribeirão Preto pediu para voltar à Delegacia de Jardinópolis que precisava conversar com ele. O cara chegou lá e o delegado o prendeu em flagrante. Um verdadeiro absurdo, aberração, uma coisa insuportável, um tratamento que dispensava aos cargos menores, como carcereiro escrivão, instigador e etc. Eu pedi exoneração do cargo de escrivão e não me arrependo. A assistência que o Sinpol dá aos associados nessa hora é perfeita, do plano de saúde aos problemas jurídicos. Dezembro/2013 13

[close]

p. 14

ELEIÇÕES VITÓRIA DA DEMOCRACIA Eumauri Lúcio da Mata vence novamente o pleito que elegeu presidente e diretoria do Sinpol para o triênio 2014/2017; situação obteve 508 votos contra 363 da oposição Os associados do Sinpol exerceram seu direito democrático e constitucional ao participarem do processo que elegeu a nova Diretoria Executiva, Conselho Fiscal e Delegados Sindicais. O atual presidente, Eumauri Lúcio da Mata, que assumiu o posto após renúncia da então presidente Maria Alzira da Silva Corrêa, foi eleito para a presidência mais uma vez. Concorreram ao pleito duas chapas. A chapa da situação, denominada “União e Trabalho” e encabeçada por Eumauri, obteve 508 votos, conta 363 votos da chapa “Força e Renovação”, liderada pela escrivã Kalinka Cintra Prado. As eleições foram realizadas entre os dias 25 e 29 de novembro de 2013, das 8h00 às 17h00 e contaram com uma urna fixa na sede social do Sinpol e quatro urnas itinerantes, que percorreram cidades da região de atuação do Sinpol. O processo foi definido por uma comissão eleitoral, presidida pelo dr. Benedito Grillo, que contou também com o dr. Segismundo Lahoz Júnior e Catarina Pane. Baseado no estatuto do Sinpol, a comissão definiu a data e as rotas que as urnas itinerantes iriam percorrer. A apuração dos votos teve início às 19h00 do dia 29 de novembro e durou cerca de três horas. Na mesa coletora A foram apurados os votos de quem compareceu à sede social do Sinpol. Na mesa coletora B os votos da urna itinerante que percorreu as cidades de Rincão, Araraquara, Matão, Itápolis, Tabatinga, Ibitinga, Dobrada, Franca, Cristais Paulista, Pedregulho, Itirapuã, Restinga, Rifaina, Serrana, Serra Azul, Cajuru e Cássia dos Coqueiros. A mesa coletora C apurou os votos captados nas cidades de Jardinópolis, Orlândia, Morro Agudo, São Joaquim da Barra, Batatais, Sales Oliveira, Nuporanga, Sertãozinho, Pontal e Dumont. A mesa coletora D apurou votos recebidos em Descalvado, São Carlos, Ribeirão Bonito, Santa Rita do Passa Quatro, Porto Ferreira, São João da Boa Vista, Ituverava, Miguelópolis, Buritizal, Aramina, Igarapava e Cravinhos. Finalmente a mesa coletora E apurou os votos obtidos em Brodowski, Altinópolis, Santo Antonio da Alegria, Cravinhos, São Simão, Santa Rosa de Viterbo, Luiz Antonio, São Carlos, Ibaté e Sertãozinho. Ao final da apuração que apontou a vitória da chama “União e Trabalho”, o presidente Eleito, Eumauri Lúcio da Mata, comemorou. “Foi a confirmação de que os associados acreditam e apoiam meu trabalho. Nós conseguimos nos eleger prometendo apenas e tão somente trabalho. De forma clara e transparente, para o benefício dos associados e de toda a categoria de policiais civis. Não considerei a vitória uma surpresa, afinal sempre, ao lado dos diretores, me dediquei a trabalhar pelo Sinpol e pelos policiais civis. Em todas as eleições que disputei, tive meu trabalho reconhecido. Nunca perdi uma eleição e ainda fiz presidente quem indiquei, embora esses indicados não tenham conseguido desempenhar suas funções, a meu ver, a contento e não obtiveram o reconhecimento do associado”, ressaltou Eumauri. Além de dar sequência e concluir as obras da futura sede social do Sinpol, Eumauri garante que vai continuar trabalhando em favor dos policiais civis em todas as instâncias, exatamente como tem feito. E ele não esperou muito para voltar à ativa. No primeiro dia útil após a conclusão das eleições do Sinpol, ele já estava abordando o governador Geraldo Alckmin em ato político na região, cobrandolhe melhorias para todas as carreiras. Eumauri também reassaltou a postura de Campeão de voto: Eumauri, que jamais perdeu uma eleição no sindicato e ainda ajudou a eleger sucessores, foi eleito para presidir o Sinpol entre 2014 e 2017 integrantes da chapa “Força e Renovação”. “É salutar reconhecer o bom trabalho de alguns integrantes da chapa contrária, pessoas que durante o transcorrer da eleição tivemos a oportunidade de elogiar pessoalmente, pois souberam lutar por sua chapa com educação e respeito. Gostaríamos inclusive que essas pessoas tivessem participação maior nas atividades sindicais para que, futuramente, possam participar diretamente da administração do Sinpol. E nunca é demais lembrar que minha vitória não se deu sobre a Kalinka, mas acima de tudo sobre o planejamento e apoio de três ex-presidentes que eu mesmo elegi e que quiseram, de alguma forma, participar do processo para tentar me derrotar, não obtendo sucesso. O único ex-presidente que este- ve a meu lado, para meu orgulho, foi o Carlos Alberto Campi. De qualquer forma, o Sinpol é quem saiu ganhando. Quero cumprimentar a maioria dos diretores da chapa de oposição que souberam compreender a derrota e me parabenizaram pela magnífica vitória, coisa que uma minoria da outra chapa não o fez, chegando ao ponto de não assinarem a ata de encerramento da apuração da votação”, concluiu Eumauri. A chapa vencedora tem os seguintes integrantes: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata; Vice-Presidentes: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Ricardo Contim, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; 14 Dezembro/2013

[close]

p. 15

Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luís Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório, Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Diretores-Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello; Diretores-Financeiros: Júlio César Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento; Diretor de Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos; Diretores do Conselho Fiscal: Priscilla Yoshi S. Hashimoto; Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume; Marisa Lélis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Licanor de Campos; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. Associados votando e o trabalho de apuração: processo eleitoral do Sinpol mobilizou a categoria de forma democrática EDUCAE Dezembro/2013 15

[close]

Comments

no comments yet