Revista Comércio & Indústria - Agosto/2006

 

Embed or link this publication

Description

Revista Comércio & Indústria - Agosto/2006 - Ano 2 - Nº 13

Popular Pages


p. 1

Commércio R E V I S TA & Indústria Agosto/2006 ANO 2 - N° 13 Associação Comercial e Industrial de Araraquara Empreendedores da Solidariedade No mês em que Araraquara completa 189 anos de fundação, Joel Roberto Aranha, Edson Antônio Edinho da Silva e Valter Merlos se aliam na organização da FACIRA 2006 com a colaboração de expositores e voluntários, para gerar negócios e promover ações que vão auxiliar as entidades associadas do FISA.

[close]

p. 2



[close]

p. 3

ARTIGO DO EDITOR São em exemplos semelhantes aos de Amália Acetozi Massafera, que utilizou o trabalho, a luta, o respeito ao próximo para ser uma brilhante empreendedora nos anos 50, que devemos nos inspirar e mostrar que a fé e a perseverança nos incentivam a vencer todas as adversidades ao longo de nossas vidas. Mas, também é nela e em sua antiga Modas Amália que vemos a importância dessa comerciante e ter o comércio como fonte geradora de riquezas no município. Nos exemplos de dona Amália e de tantos outros que escreveram a história do comércio local, é que sobressaem a marca do pioneirismo, a coragem de mudar o destino das coisas, a vontade de arriscar sempre, de criar novas realidades e de deixar raízes. Os tempos atuais mostram novos empreendedores procurando registrar a vitalidade e a importância do fenômeno da atividade comercial nesta próspera região . Porém, o que foi feito, está feito e não há como negar a importância de exemplos assim na história da cidade que completa 189 anos. Ivan Roberto Peroni Valter Merlos Presidente da ACIA BOM MESMO É VOTAR NOS CANDIDATOS DE NOSSA CIDADE grande vantagem de se ter can- projeto em prol da coletividade ou o que didatos a deputado estadual ou significa exercer um mandato público deputado federal na cidade on- em nome da comunidade que ele desde vivemos, é verdade que, desses, conhece. Nos períodos eleitorais, como esse temos muito mais facilidades de cobrarmos o conteúdo dos seus projetos que se aproxima, é comum candidatos ou das suas propostas depois de elei- saltarem de paraquedas em solo onde tos, pois sua base eleitoral é aqui e suas nunca estiveram. Por uma questão lóraízes familiares estarão bem mais gica, devemos desprezar candidatos que se mostram ávidos a próximas daqueles que os “Ele também sabe que falar a respeito das virtudes elegeram. o interesse pelo que não têm e dos probleAraraquara nos últiexercício de serviços mas que eles não conhemos anos teve a felicidade em benefício da cem em nossa terra. As comunidade deve de possuir representantes existir muito antes de qualidades dos políticos na Assembléia Legislativa qualquer filiação que devem ser eleitos fae na Câmara dos Deputapartidária ou campanha zem parte de uma prática dos, conseqüentemente, em busca de votos”. cotidiana, continuada, veriencontrou respaldo quanficada não apenas quando do precisou de apoio políesse cidadão se tornou tico às suas necessidades. Ao mesmo tempo, o município se for- candidato ou se elegeu para um cargo taleceu e, se alcançou um alto índice de sabendo antecipadamente que o seu desenvolvimento social e econômico, dever é com sua cidade, onde está confoi graças à atuação dos deputados centrada a grande fatia do seu colégio eleitoral. Ele também sabe que o inteescolhidos por nossa população. O dever de uma entidade classista resse pelo exercício de serviços em como a ACIA é então num momento benefício da comunidade deve existir como esse, novamente liderar um mo- muito antes de qualquer filiação parvimento que tenha como objetivo con- tidária ou campanha em busca de voclamar a população a votar nos can- tos. didatos da cidade. Todas as instituiTemos vários candidatos, uns mais, ções semelhantes a nossa, temos cer- outros menos conhecidos da populateza, vão estar agindo da mesma forma, ção, porém, todos têm uma afinidade pois além da idoneidade daqueles que muito grande com a cidade e os seus estarão nos representando, contamos problemas. Não vamos nos iludir com com as ligações afetivas destes con- as promessas dos que vêm de fora, pois esses já têm também comprocorrentes com o nosso público. Na verdade, não podemos permitir missos firmados com suas cidades de que a cidade onde moramos, fique nos origem e devem ter ética e responsapróximos quatro anos, nas mãos de bilidade em cumprí-las primeiro lá. O pessoas que não sabem o que é um ponto de vista é nosso, a decisão é sua. A CAPA 14 O aniversário de Araraquara e a realização da FACIRA proporcionam clima de festa para a cidade e promovem a parceria da ACIA com o município num evento com perfil solidário. Foto: Kris Tavares Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni Assistentes: Lucas de Almeida Rosane D’Andréa Supervisora Editorial: Sônia Maria Marques Departamento Comercial: Gian Peroni Sebastião Barbosa Carlo Endrigo Peroni Designer: Bete Campos Lucas Tannuri Vicente Balbino Mário (Chiquito) Pedrolongo Samantha Rosa Impressão: Gráfica Bolsoni - (16) 3336-9008 A revista Commércio & Indústria é distribuida gratuitamente para os associados da ACIA COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE Commércio Indústria REVISTA & comunicações Fone/Fax: (16) 3336-4433 Rua Tupi, 245 - Centro Araraquara/SP - CEP: 14801-307 marzo@marzo.com.br COMMÉRCIO & INDÚSTRIA AGOSTO/2006 3

[close]

p. 4

LUTANDO PELO IDEAL DE SERVIR A ACIA sempre foi administrada de forma brilhante por empresários que souberam lhe dar o crescimento necessário; os dirigentes atuais se sentem responsáveis pela continuidade deste trabalho e têm surpreendido pelas mudanças feitas, criando um novo perfil administrativo. Valter Merlos PRESIDENTE José Carlos P. Cardozo Maria Tereza Smirne 1° VICE-PRESIDENTE 2ª VICE-PRESIDENTE Osvaldo Romio Zaniolo 1° SECRETÁRIO Edson Carlos Bezerra 2° SECRETÁRIO MISSÃO CAMINHOS DIFERENTES Atual diretoria entra no terceiro ano de mandato com balanço altamente positivo e que consolida a ACIA como entidade participativa na vida da comunidade. Dois anos depois de eleger uma nova diretoria, a ACIA comemora seu 72° aniversário e se vê fortemente envolvida nas questões relacionadas ao desenvolvimento do município. Essa foi, diz o presidente Valter Merlos, uma das iniciativas do nosso grupo de trabalho, buscando uma participação mais ativa nas discussões dos problemas não apenas atinentes a nossa classe, mas também aos problemas da cidade, pois vemos que a sociedade está interligada aos diversos segmentos da atividade profissional. “E vamos continuar com essa missão, uma entidade aberta a receber sugestões para formação de um município forte”, conclui o dirigente. Daphinis P. Fernandes 3° SECRETÁRIO Antônio Junquetti 1° TESOUREIRO Mário Thuyosi Hokama 2° TESOUREIRO Marlene Porsani 3ª TESOUREIRA PROJETOS 2004/2006 • Movimento Degrau Samuel Brasil Bueno • Conselho Mulheres Empreendedoras Maria Tereza Smirne • Empreender Joel Roberto Aranha CONSELHO DELIBERATIVO EFETIVOS Ademar Ramos da Silva Edes Dalmo de Oliveira Jefferson Luis Yassuda João Luiz Ferreira Luzia Nucci Garitta Mário Rodella Nélvio De Vito Santo Petroni Sênia Mori Wanderley Camilo de Figueiredo SUPLENTES Celso Micheloni Edgar de Oliveira Valente Giuseppe Morvillo Júnior Jair Aparecido Martineli Maurício Marques Possi Orestes Ferreira Pedro Lapena Pedro Luiz Mariottini Valquiria Rodrigues O. Veloso CONSELHO FISCAL EFETIVOS Samuel Brasil Bueno Rodolfo Messali Marcos Henrique Duó SUPLENTES Renata Kitatani Quisté Morales Armando Rodrigues Martins Aparecida Camargo Fernandes Dorival Delbon Filho DIRETOR SOCIAL Ademar Ramos Silva PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO Marcos Henrique Duó PRESIDENTE DO CONSELHO FISCAL 4 AGOSTO/2006 COMMÉRCIO & INDÚSTRIA

[close]

p. 5

REIVINDICAÇÃO ACIA PEDE A VOLTA DA ESCOLA o nome forte em retífica de motores A ACIA, através sua diretoria, encaminhou ofício ao Governador do Estado, Cláudio Lembo, reivindicando o reinício das atividades da Escola de Ensino Fundamental e Médio da Vila Yamada “EEPG Manoel Luciano de Freitas”. O presidente Valter Merlos diz que enviou ofício após sentir a preocupação dos moradores em ver uma escola transformada em Unidade da Febem. Acontece, lembra Merlos, que outra escola na Avenida 36 – “EEPG Padre Francisco Sales Colturato”, que atendia parte dos estudantes dos bairros do Santa Angelina, Vila Yamada, Jd. Biagioni e Jd. Tangará já foi fechada. No documento enviado ao Governador do Estado, o dirigente assegura que a paralisação simultânea das atividades de duas escolas em bairros próximos, representa um retrocesso dentro do processo educacional, afetando o acesso de crianças ao ensino. E concluiu: “Esperamos que o Governador se sinta sensibilizado e reestude o problema com o Secretário da Educação em respeito à cidadania e à qualidade de vida do povo paulista”. SEBRAE LOCAL TEM NOVO GERENTE O novo gerente do SEBRAE-Regional Araraquara, Paulo Eduardo Stábille de Arruda, foi recebido na ACIA, pelo presidente Valter Merlos. Um dos propósitos da visita foi fortalecer as parcerias para realização de novas jornadas de capacitação na ACIA. Acertar é Humano. Persistir no acerto é qualidade. RETÍFICA DE MOTORES CERTIFICADA A D INSTITUT O ALIDADE QU A OTIVA OM UT I.Q.A. CONFORME NBR 13032 ACIA - NOVOS ASSOCIADOS EM JULHO Av. D. Pedro II, n° 40 - Centro Araraquara - SP (16) 3301-3898 e-mail: detroit@retificadetroit.com.br RAZÃO SOCIAL Naturom - Ind. e Com. Organismos Microbiológicos Ltda João Emerson Braga - Me Quiles & Quiles Ferramentas e Máquinas Ltda - Me Celsel Com. e Manutenção de Equip. Rotativos Ltda Farmácia Santa Isabel de Araraquara Ltda - Me Geraldo André Donadon - Me Grampir Marmoraria Araraquara Ltda - Me Telma Rosa de Oliveira Silva - Me Álvaro Francisco de Souza - Me Ademir Nunes Araraquara - Me NOME FANTASIA Naturom Vidraçaria Jato Art Diamanquiles Cesel Farmácia Santa Isabel Donadon Grampir Inter Vídeo Conveniência Ótica e Relojoaria Econômica Lipe Vídeo & Games 5 COMMÉRCIO & INDÚSTRIA AGOSTO/2006

[close]

p. 6

CAMPANHA QUEM LEVOU O GOL ZERO ACIA e SINCOMÉRCIO distribuíram 21 prêmios no Dia do Comerciante e comemoraram o sucesso da campanha Nesta Copa Faça 1 Gol que mobilizou grande parte do comércio local. Para os presidentes Valter Merlos (ACIA) e Ivo Dall’Acqua Júnior (SINCOMÉRCIO), os objetivos foram cumpridos: as duas entidades mobilizaram o comércio durante 30 dias de campanha, aproveitando a realização da Copa do Mundo de Futebol. Se por um lado, lamentamos a desclassificação do Brasil, por um outro, temos muito a comemorar, o sucesso da promoção que permitiu congregar uma grande parcela de comerciantes interessados em premiar seus consumidores, disseram os dirigentes após o sorteio. Além do estímulo que as entidades oferecem ao comércio, também os consumidores se sentem atraídos em realizar suas compras na cidade quando são feitas promoções deste porte, comentou o publicitário Lineu Carlos de Assis, da W&L Publicidade, agência responsável pelo projeto junto à ACIA e o SINCOMÉRCIO. Edna Barbosa que comprou na loja Carambola Modas, foi sorteada com o GOL, recebendo o carro na ÁPIA Veículos, três dias depois. Durante o sorteio foram contempladas outras 20 pessoas com aparelhos de DVDs, constituindose a campanha numa das maiores promoções já realizadas na cidade, em benefício do comércio. Edna Barbosa sorteada na promoção da ACIA e SINCOMÉRCIO recebe as chaves do GOL Merlos e Ivo durante o sorteio João Carlos Missorino, Valter Merlos, Dulce Zanella (Carambola) e Ivo Dall´Acqua Jr. O diretor da ACIA, Antônio Junquetti, convidado a participar do sorteio dos prêmios na Praça de Santa Cruz 6 AGOSTO/2006 COMMÉRCIO & INDÚSTRIA

[close]

p. 7

Jaime (Personalidade Empresarial) e esposa Margô com o casal Célia e Valter Valter Merlos e Ivo Dall’Acqua Júnior com os homenageados de 2006: Moacyr, Gauthier, Jaime, Tufich, Ildeu e Márcio no evento da ACIA e SINCOMÉRCIO Tufich Haddad (Troféu Honra ao Mérito) com a esposa Wadyha HOMENAGEM ELES JÁ FAZEM PARTE DA HISTÓRIA DA CIDADE Em noite das mais festivas, a ACIA e o SINCOMÉRCIO promoveram o Jantar de Confraternização dos Comerciantes da cidade, no Clube 22 de Agosto, fazendo a entrega do Troféu “Empresários da Nossa História” a Ildeu Wolfarth, Márcio Lopes de Carvalho, Gauthier Jesus Esteves e Moacyr Velloso, pela contribuição dada no processo de desenvolvimento da cidade. Também foram homenageados os empresários José Jaime Reis Carlton (Personalidade Empresarial de 2006) e Tufich Haddad, com o Troféu “Honra ao Mérito”. Verdadeiramente uma gostosa viagem ao passado, lembraram os homenageados em noite de profunda emoção pois todos viveram o comércio da cidade praticamente numa mesma época. A iniciativa do SINCOMÉRCIO e ACIA, enaltecida pelos presentes, demonstrou a necessidade permanente dos comerciantes serem lembrados em eventos deste porte, mostrando aos que trabalham no comércio atual, um pouco da história que cada um escreveu com muita luta nos últimos 30 anos ou mais. EMPRESÁRIOS DA NOSSA HISTÓRIA Gauthier Jesus Esteves (Mackor Baterias e Peças) e esposa Cybelle Casal Vera-Ildeu Wolfarth (Ferragens Santa Paula) e o filho Eduardo Márcio Lopes de Carvalho (ESPORTIVA), a mãe Helena e a foto do pai - Zito Moacyr Velloso (Gráfica Sol), esposa Esther e o Milton Velloso COMMÉRCIO & INDÚSTRIA AGOSTO/2006 7

[close]

p. 8

HOMENAGEM A ENERGIA DE UM PIONEIRO Gauthier Jesus Esteves no início dos anos 60, decidiu criar definitivamente raízes em nossa cidade e usou sua experiência no comércio de peças e baterias, para se transformar num dos pioneiros deste ramo, que o coloca hoje, entre um dos principais comerciantes da nossa região. “Gutiê”, mostra com orgulho os produtos que o tornaram um próspero comerciante O comerciante Gauthier J. Esteves, proprietário da Mackor Baterias e Peças nasceu em Vargem Grande do Sul; veio de Ribeirão Preto para Araraquara em 1962. Antes disso, resolveu tentar a sorte em São Paulo e foi trabalhar, primeiro em um escritório de representação, em seguida, foi assistente da diretoria da Saturnia, empresa de Acumuladores Elétricos. Assim começou sua vida profissional. Em 1955, ainda em São Paulo, casouse com Cybelle Rehder Esteves, e teve os filhos Gauthier Júnior, Carlos Eduardo, José Guilherme e Patrícia. Com a experiência adquirida, foi convidado para trabalhar como distribuidor das baterias Heliar. Na época, trabalhava em São Paulo, o que lhe abriu as portas para ousar e montar seu próprio negócio, em sociedade com um amigo. A cidade escolhida foi Araraquara e no dia 11 de agosto de 1962, a Mackor Baterias e Peças foi inaugurada na Rua Nove de Julho esquina com a Avenida Brasil. O AVANÇO DOS NEGÓCIOS O negócio prosperou e Gauthier comprou um prédio na Rua Nove de Julho esquina com Avenida Dom Pedro II, financiado pelo Banco do Brasil. Depois, transferiu sua loja para a Avenida Sete de Setembro, 519, entre as ruas quatro e cinco, onde se encontra até os dias atuais. Em 2005, chegou a hora de ampliar os horizontes e Gauthier J. Esteves inaugurou a filial da empresa na Avenida Francisco Sales Colturato (Avenida 36), sentindo que naquele corredor, o setor de auto-peças prosperava rapidamente. Trabalhando com os filhos Júnior e José Guilherme, a Mackor hoje é uma das mais bem sucedidas lojas de baterias da cidade e mantém filiais em diversos pontos do interior de São Paulo, destacando-se Araçatuba e Ribeirão Preto. Pioneira em Araraquara, a Mackor trabalha com baterias elétricas ACDelco, Delphi entre outras, além de peças originais em geral, primando pela qualidade no atendimento. A Mackor na avenida Sete de Setembro assegurou a prosperidade dos negócios O crescimento do setor de auto-peças na avenida 36 com a abertura de uma filial OBRIGADO ACIA, SINCOMÉRCIO E ARARAQUARA PELA HOMENAGEM. Baterias Acreditar na força do trabalho e no poder de realização do ser humano, são fatores que contribuíram no sucesso da nossa empresa. A conquista do Troféu “Empresários da Nossa História” deve ser repartida entre todos que sempre confiaram em nossos profissionais e na qualidade dos produtos que oferecemos. Av. 7 de Setembro, 519 - Centro - Fone: 3322-3804 8 AGOSTO/2006 COMMÉRCIO & INDÚSTRIA

[close]

p. 9

HOMENAGEM Vera e Ildeu com sua equipe de trabalho: Rose, Taline e Priscila Ildeu com a esposa Vera na administração da loja DOUTOR DOS PARAFUSOS E DAS FERRAMENTAS O mecânico Ildeu Wolfarth um dia arregaçou as mangas e disse que queria estudar com o objetivo de ampliar seus conhecimentos. Foi assim que, depois de se formar em Direito, acabou sendo chamado a auditar uma loja negociada com uma empresa da capital. Não havendo interesse no projeto de recuperação da loja, Ildeu apostou no sucesso da Santa Paula. A loja na Rua Gonçalves Dias Nascido em Andradina, o comerciante Ildeu Wolfarth chegou a Araraquara na década de 1970. Logo que desembarcou na cidade conseguiu emprego como mecânico na Arauto, antiga Concessionária Volks. Um ano depois montou seu primeiro negócio, uma ofici- na mecânica em sociedade com um amigo. Em 1972 comprou a parte do sócio, passou a trabalhar sozinho na oficina e sempre disposto a aprender e com vontade de vencer, matriculou-se no curso de Direito. Em 80 formou-se advogado pelo Instituto São Bento, atual Uniara. A Comercial de Ferragens Santa Paula, fundada em 13 de maio de 1965 pelo comerciante Augusto Toloi, na Rua Nove de Julho, 1299, era pioneira na venda de parafusos na cidade. Em 1980, os negócios não estavam bem e a loja foi vendida para uma empresa de São Paulo. Dois anos depois, os negócios ainda não haviam melhorado e Ildeu foi contratado como advogado para auditar a Santa Paula. Arregaçou as mangas e traçou um plano de trabalho para reerguer a loja, mas a diretoria não se interessou pelo projeto. Acreditando na possibilidade da Santa Paula voltar a crescer, Ildeu Wolfarth comprou a loja, em 1982. Os negócios prosperavam e surgiu a necessidade de ampliação. A loja mudou-se para a Rua Gonçalves Dias, 1222, em 15 de junho de 1987, onde está situada até hoje. Durante alguns anos, Ildeu Wolfarth conciliou as profissões de advogado e comerciante, mas em 1988 decidiu seguir em frente apenas com a Comercial de Ferragens Santa Paula, fechando sua oficina mecânica. Decisão acertada. A homenagem recebida das entidades que representam o comércio e a indústria da cidade, é a razão da continuidade de um trabalho de 41 anos, com atendimento esmerado e a excelente qualidade dos nossos produtos. Rua Gonçalves Dias, 1222 - Centro - Araraquara • Fones: 3336-3003 / 3336-2801 / 3335-2112 - Fax: 3336-2645 COMMÉRCIO & INDÚSTRIA AGOSTO/2006 9

[close]

p. 10

HOMENAGEM Moacyr com a esposa Esther “Você Moacyr, na sua trajetória, soube preservar os valores essenciais da vida, tendo sempre ao seu lado, o Milton, grande filho e companheiro, que hoje brilhantemente dirige a empresa”. Milton e Moacyr, gerações que dão continuidade ao que aprenderam no passado ATRAVESSANDO O TEMPO Moacyr Velloso lembra com saudade dos seus 14 anos. Era menino ainda e tinha grande vontade de trabalhar em gráfica, procurando seguir os passos do pai na Gráfica Indústrias Reunidas Irmãos Lia. A arte de copiar em caracteres de metal, os diferentes trabalhos próprios da imprensa faz parte da vida de Moacyr Velloso. Nascido em Araraquara, cresceu em meio às máquinas e chapas tipográficas em gráficas da família e aprendeu a profissão junto com o pai. Tinha apenas 14 anos e começou a trabalhar na Gráfica Indústrias Reunidas Irmãos Lia, e depois na Artes Gráficas Brasil e, anos mais tarde, assumiu o cargo de tipógrafo na Faculdade de Ciências e Letras da Unesp de Araraquara. Na década de 60, Moacyr comprou uma gráfica de seu tio e inaugurou a Gráfica Sol. O primeiro endereço da empresa foi na Rua Expedicionários do Brasil esquina da Avenida 15 de Novembro. Hoje, a gráfica está localizada na Rua Luiz Mauri, 360, no bairro de São José. Atualmente, Moacyr Velloso tem 76 anos e está aposentado. Assim, a direção da Gráfica Sol está a cargo do filho Milton. Casado há 52 anos com Esther da Silva Velloso, Moacyr tem cinco filhos: Moacyr Júnior, Márcio, Milton, Marcelo e Maria Ester. Ambos, pai e filho, gráficos por um ideal, sempre foram respeitados na profissão que abraçaram e éticos dentro do que se propuseram realizar. EMPREENDEDORES DE TODOS OS TEMPOS É extremamente gratificante podermos falar de parte dessa história da qual você Moacyr, e sua família são protagonistas. Em 1969 você fundou a Gráfica Sol e com muito trabalho e dedicação provou que com talento, criatividade e competência, sempre é possível vencer. “A vida é ação e paixão. Quem não partilha das lutas e emoções de seu tempo, não pode dizer que viveu.” E você realizou um trabalho brilhante, vencendo os desafios que a vida lhe impôs, porque todos nós vivemos para alcançar o que é distante e partir para novos desafios... é a vida seguindo seu ciclo. Imprimimos no tempo o desenvolvimento comercial e industrial de uma cidade; o sucesso reflete a homenagem que recebemos e da qual nos orgulhamos e para sempre preservaremos, pois é o nosso estímulo em busca do ideal que nos acompanha há 37 anos. GRÁFICA SOL LTDA. Rua Luiz Mauri, 360 - São José • Fone/Fax: (16) 3332-1039 10 AGOSTO/2006 COMMÉRCIO & INDÚSTRIA

[close]

p. 11

Zito dava aulas de pescaria. Os que o acompanharam e com ele aprenderam rio afora, nunca esqueceram disso. Sempre se orgulharam do mestre que tiveram. Essa talvez tenha sido uma das muitas razões que ele encontrou para tornar tradicional a sua A ESPORTIVA, onde até hoje está perpetuado o seu sorriso, retirado tão cedo do nosso convívio. HOMENAGEM HEI ZITO, CADÊ VOCÊ! A Esportiva foi fundada pelo comerciante José Arnaldo de Carvalho, mais conhecido como Zito, em 1966. Antes de se tornar comerciante, era farmacêutico e chegou a montar uma farmácia em sociedade com o cunhado. Zito era um homem empreendedor e ativo, sempre com muitas idéias. “Constantemente procurava algo para fazer”, relembra o filho Márcio. Deixou a farmácia e foi trabalhar como farmacêutico prático na Usina Zanin, mas a vocação para o comércio era maior. Todas as manhãs, Zito saía de Araraquara e, com suas idas e vindas à usina, passou a levar mercadorias para vender aos trabalhadores. Foi apenas o primeiro passo, e como as vendas iam bem, abriu a loja na Avenida São Paulo e dedicou-se ao comércio de artigos para esporte, caça, pesca e também livraria. Por um bom tempo continuou trabalhando na usina na parte da manhã e foi nessa época que o filho Márcio Lopes de Carvalho, 53 anos, começou a trabalhar com o pai. “Eu tinha 12 anos e ficava na loja na parte da manhã enquanto meu pai trabalhava na usina. À tarde estudava e minha mãe ficava no meu lugar na loja”, conta. Em 1970, foi para São Paulo fazer cursinho pré-vestibular e depois estudou na Escola Politécnica da USP, onde fez o curso de engenharia química e especializou-se em petroquímica, na área de plásticos. Depois de formado, Márcio trabalhou em uma multinacional belga, A eterna imagem do homem-pescador sorridente, feliz, amigo de todos em São Paulo, até 1985. No ano seguinte, foi trabalhar numa empresa no Rio de Janeiro. Com a morte do pai, em 1996, Márcio voltou para Araraquara e assumiu os negócios da família e até hoje comanda com empenho e dedicação A Esportiva, sempre acompanhado da mãe, dona Helena. Mas, em momento algum da história do nosso comércio é possível se falar d’A Esportiva sem que o nome do querido Zito seja lembrado, pelo que ele sempre representou para o comércio e também seus amigos. A ESPORTIVA, sempre na av. São Paulo Márcio com a mãe Helena A ESPORTIVA, completando 40 anos de comércio em Araraquara, sensibilizada com a homenagem da ACIA e SINCOMÉRCIO, agradece a todos os amigos e clientes pelas manifestações de carinho, e espera continuar por mais 40 anos vendendo produtos para todos os esportes, caça, pesca e camping. COMMÉRCIO & INDÚSTRIA AGOSTO/2006 11

[close]

p. 12

TEXTIL ABRIL O INVERNO É MAIS QUENTE AQUI Foi com os irmãos Chafik e José que Tufich Haddad manteve sociedade no Armazém Santa Cruz Tufich e a esposa Wadyha recém casados em 1952 HOMENAGEM NOS TEMPOS DA CADERNETA Afastado do comércio, Tufich Haddad lembra com saudades do Armazém Santa Cruz, onde as vendas eram registradas em cadernetas; depois veio a revenda Antarctica. O pai de Tufich, Alfredo Gabriel Haddad nasceu no Líbano e chegou ao Brasil em 1902. Em 1931, comprou o Armazém Santa Cruz, onde vendia secos e molhados, ferragens e materiais elétricos. Seus filhos José e Chafik assumiram o controle da empresa após a aposentadoria do pai. Tufich passou a fazer parte da sociedade em 1951. Tufich Haddad se formou no curso de farmácia da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Araraquara em 1950, mas a inclinação para o comércio e a intenção de se casar foram maiores e Tufich aceitou o convite dos irmãos José e Chafik para trabalhar no armazém. Assim, em 1951, iniciou sua vida no comércio da cidade. Ele casou-se em 1952, com Wadyha e tiveram os filhos Gisela, Marina, Lenira, Denise, Adilson, Mônica e Fábio. Em agosto de 1967, José Haddad se aposentou e retirou-se da empresa e, um ano depois, foi a vez de Chafik Haddad se aposentar. A partir de 1968, Tufich comprou a parte dos irmãos e ficou sozinho no armazém. Em 1974, Tufich comprou um prédio na Rua Gonçalves Dias, 747, de propriedade de Orlando da Valle e transferiu a seção de bebidas. No ano seguinte, o armazém especializou-se no ramo de atacado e varejo de produtos de limpeza, copos, pipocas, doces e foi ampliado para a Avenida José Bonifácio. Na época, o gerente do armazém era Andrelino Alves Pinto. O comércio de bebidas cresceu bastante na cidade e Tufich vendeu o armazém para Andrelino e Genésio Deliza e com a venda, construiu o Depósito de Bebidas Haddad na Alameda Paulista. A revenda da Antarctica foi oficializada em 1961, e Tufich permaneceu nesse ramo até 2003, quando acertou a entrega da representação à Ambev. O shopping com preço de fábrica Rua 9 de Julho, 955 (entrada também pela São Bento) Tufich com sua família Para momentos inesquecíveis Presentes 12 AGOSTO/2006 COMMÉRCIO & INDÚSTRIA Rua Nove de Julho, 350 • Centro Fone: (16) 3332 1478 • Estacionamento Próprio e-mail: ramospresentes@ramos.com.br

[close]

p. 13

Escolha unânime das diretorias da ACIA e SINCOMÉRCIO conferiram a José Jaime Reis Carlton, a láurea mais cobiçada dos que atuam no comércio e indústria da cidade. A indicação reflete, de acordo com as normas de seleção, o reconhecimento da própria classe aos serviços prestados pelo homenageado a sua comunidade. PERSONALIDADE EMPRESARIAL 2006 A trajetória de sucesso Na época, ainda jovem, da Carlton começou com mas herdeiro do uma modesta loja de autoidealismo paterno, peças, aberta em 1953 por Jaime Carlton Thomaz Carlton, em Araformou-se em Administração raquara e batizada de Amede Empresas rican Autopeças em homenagem às suas origens. Com a morte de Thomaz, em 1970, seus filhos tomaram a frente do negócio e não tardaram a expandi-lo para a atividade atacadista, inaugurando em 1973, a Comercial Carlton. Durante o período que durou o inventário, de 1970 a 1973, a empresa passou a se chamar “Espólio de Thomaz Carlton”, denomiSUAS FILIAIS nação meramente jurídica. Em 1º de janeiro de 1973, com a conclusão do inAprimorando ainda mais a qualidade ventário, encerrou-se a firma em nome do trabalho, a partir de 1979 a empresa do espólio e surgiu a oportunidade para ampliou sua atuação em Minas Gerais, recomeçar a vida, rebatizar o negócio e norte do Paraná e sul do Mato Grosso. expandir sua atuação. Nascia a Comer- Junto com esse trabalho, buscou aucial Carlton e dava início a sua trajetória mentar suas instalações para melhor no comércio de autopeças no atacado. atender seus clientes. Isso porque, até A necessidade de expansão fez, em 1983, a empresa conseguiu manter uni1976, a empresa transferir-se para a Av. 7 ficada na mesma sede, as estruturas de de Setembro, 1072, numa área de 400m², atacado e varejo. Mas a expansão da onde começou a regionalizar suas ven- Carlton exigiu mudanças, inclusive fídas, fornecendo a lojistas e oficinas em sicas e a empresa transferiu-se para précidades vizinhas a Araraquara. Contra- dio próprio, com 850m², na Rua Castro tou vendedores e passou a ter maior es- Alves, 1512, no Carmo. pecialização na linha de motores, cresEm 1992, a Carlton sofreu novas mucendo no nicho motor e embreagem. Em danças em sua constituição social. Com 1979, já distribuía as principais marcas o falecimento da sócia Dona Ignocênde autopeças do País e firmava-se como cia, viúva de Thomaz, passou a integrar a grande atacadista da região. sociedade da empresa, a sobrinha de Jaime e Maria Dolores, Cíntia Cristiane Luciano Freitas. Outra iniciativa da empresa na década de 90 foi terceirizar o transporte, que permitiu à Carlton reduzir cerca de 50% dos custos. Na virada do milênio, a empresa que hoje comercializa 18 mil itens, inaugurou a primeira filial em Brasília e depois em Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Florianópolis. Especializada em compra e venda de autopeças e acessórios, conta com cerca de 180 funcionários fixos e 180 funcionários terceirizados e sua prioridade é manter agilidade, fidelidade e transparência para o cliente, buscando soluções rápidas na entrega dos produtos comercializados em no máximo dois dias. Jaime Carlton, como é carinhosamente chamado, 56 anos, é casado com Margarida do Carmo Corrêa Carlton e tem três filhos: Milena, Samuel e Naiara. Passados 30 anos, ao olhar para trás, Jaime reflete emocionado: “Consegui fazer algo a que me propus. Não sei se cheguei lá ainda, mas fiz o que queria fazer. Credito essa conquista ao trabalho, dedicação acentuada, não de oito horas por dia, mas o tempo todo. E não fiz sozinho, contei principalmente com apoio dos colaboradores. Credito o mérito do sucesso ao nosso pessoal, a outros que já se foram, não só funcionários, mas também fornecedores, amigos, enfim, 30 anos é uma vida. A gente não chega num lugar só porque correu. Chega porque correu e continua correndo”. Tomaz Carlton e o começo de uma linda história de sucesso em 1953 na Av. Sete Em 1976 a expansão da Comercial Carlton em outro prédio, também na Av. Sete Na década de 80 a Carlton transferiu suas atividades para a Rua Castro Alves COMMÉRCIO & INDÚSTRIA AGOSTO/2006 13

[close]

p. 14

REPORTAGEM DE CAPA EMPREENDEDORISMO E SOLIDARIEDADE NA MAIOR FE IRA DE SUCESSO À VI Durante dez dias, Araraquara se transforma no centro das atenções, expondo as riquezas regionais e também mostrando o ineditismo dos leilões de gado com o objetivo de fortalecer os negócios gerados pela agropecuária paulista. Quinze dias antes de começar a 17ª Feira Agro Comercial e Industrial - FACIRA, o seu presidente, Joel Roberto Aranha já comemorava a venda de todos os espaços e a certeza de que o tema Sucesso à Vista não fora por acaso. Emocionado, agradecia os que confiaram no trabalho da diretoria, em especial o empresário Valter Merlos, presidente da ACIA e Edinho Silva, prefeito do município. Foi uma luta, porém, vencemos as dificuldades com o apoio deles, assegurava Joel Aranha. A novidade anunciada por ele em janeiro se confirmara: expansão dos serviços no Pavilhão Agropecuário, com a conquista de um espaço exclusivo para a realização de leilões de gado. A reforma do local pela Prefeitura adequou os espaços, sendo criado o “Redondel” para leilões de gado na FACIRA ou outros eventos semelhantes envolvendo a agropecuária e agroindústria. Ao lado do pavilhão, assegura o presidente, foram construídas 33 baias que atendem uma demanda de até 550 cabeças de bovinos ou equinos. Também foi criado um bar permanente tendo o Lar Nosso Ninho como responsável. O importante é que foi construída uma pista oficial (90 metros) para provas nacionais e internacionais de equestres, que também deverá ser utilizada em eventos futuros ou implantação da Escola de Equitação e programas de ecoterapia, funcionando atualmente no Pinheirinho. 14 AGOSTO/2006 COMMÉRCIO & INDÚSTRIA Teodoro e Sampaio, dia 8 DIA 4 CONG Banda Tradição, dia 9 Presidente da FACIRA, Joel Roberto Aranha Durante a feira teremos dois leilões, mas a idéia é que os leilões continuem na cidade. De acordo com João Carlos Missorino, coordenador municipal do Turismo, a Prefeitura disponibilizará a estrutura para eventos e a expectativa é que se tenham leilões a cada 15 dias. Outra novidade é a mudança do auditório de palestras. O local foi ampliado para atender 250 pessoas e terá o nome do primeiro presidente da FACIRA, Eduardo Michetti. Durante os três primeiros dias de evento, o auditório abrigará o Congresso de Gastronomia, Hospedagem e Turismo, organizado pelo SinHoRes e FHORESP. Guilherme e Santiago, dia 10 SHOWS O show de abertura, dia 4, será do grupo Negritude Júnior (entrada, um quilo de alimento não perecível). No dia 5, shows de Edson e Udson Cover e Legião Urbana Cover (ingressos a R$ 3). Dia 6, bandas Conexão Pirata e Falso Brilhante, com ingressos também a R$ 3. Dia 7 haverá show gospel com André Valadão e banda e os ingressos custarão R$ 7. A dupla Teodoro e Sampaio faz show dia 8, a banda Tradição, dia 9, e Guilherme e Santiago, dia 10. Nestes dias, os ingressos serão vendidos a R$ 10. No dia 12, se apresentam os grupos 40 Graus e Conexão do Samba. No dia 13, é a vez dos grupos Samba de Bamba e Cascabum (R$ 3 nos dois dias). Negritude Júnior, dia 4, show de abertura

[close]

p. 15

TODOS OS TEMPOS STA Os presidentes Cardozo (SinHoRes) e Nelson de Abreu Pinto (FHORESP) Dois acontecimentos importantes, ligados ao SinHoRes (Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Araraquara), marcam a realização da FACIRA em 2006. Um deles, a entrega do título de Cidadão Araraquarense, a Nelson de Abreu Pinto, presidente da FHORESP, neste dia 04 de agosto, na Câmara. Outro momento significativo, a realização do Congresso Internacional de Gastronomia, Hospitalidade e Turismo, tendo na pauta assuntos relacionados à classe, nos dias 04, 05 e 06 de agosto, no Auditório Eng.° “Eduardo Michetti”. O SinHoRes, diz o seu presidente José Carlos Pascoal Cardozo, empenhouse em promover o evento, com o objetivo de fortalecer a feira e trazer um acontecimento internacional para a cidade. E para isso, teve que contar com o apoio da FHORESP e do presidente Nelson de Abreu Pinto, que merecidamente recebe o título de “Cidadão Araraquarense”. Entre os palestrantes do Congresso de Gastronomia estão: Prof. Walter Strafacci (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), Michel Tuma Ness (Presidente da FENACTUR), Prof. Mário Beni (USP), Carlos Nabil Ghobril (Secretário Adjunto da Secretaria da Agricultura), Mário Bonciani (Ministério do Trabalho e Lic Roberto Raimondo (Cônsul Geral da República Argentina). Só mesmo a solidariedade é capaz de estabelecer vínculos e despertar nos seres humanos o sentimento e a importância da prática do bem. Este é um dos objetivos da FACIRA, que se alia à responsabilidade social das empresas. O outro, é evidenciar o potencial sócio-econômico da região, representado na exposição das riquezas produzidas pelas empresas interessadas na expansão ou consolidação das suas marcas. Estes dois aspectos apagam arestas e impedem o envolvimento de questões políticas, porque as necessidades e os interesses estão acima das vaidades, e logo, Poderes Executivo e Legislativo, se irmanam no apoio aos que se dispõem de maneira voluntária, em fortalecer o pilar da solidariedade. O trabalho de diretores da FACIRA apoiado integralmente pelo prefeito Edinho Silva e o presidente da Câmara, Ronaldo Napeloso, é um exemplo que comove e torna-se em motivo para contrariar os que duvidam da criação de um mundo coletivo. A FACIRA, além de feira, deve ser vista como uma escola, onde nós, aprendizes da solidariedade, avançamos como empreendedores do amor e respeito ao próximo. O presidente Joel Aranha, cuja ousadia já era do nosso conhecimento, nos surpreendeu por uma série de razões. Uma delas, a de saber administrar com sabedoria, paciência e perseverança as dificuldades surgidas nesta caminhada e a lição aplicada servirá de estímulo aos que virão depois de nós, dispostos em assumir essa mesma função. Ao nosso povo cabe participar e às entidades filantrópicas, colher os frutos de um trabalho responsável. Aos expositores, além da mostragem dos seus produtos, a certeza de bons negócios. A todos que colaboraram, o direito de receber as bençãos do Pai, pela grandiosidade da obra. Devemos considerar sempre que Araraquara é uma cidade privilegiada pelos filhos que têm, pessoas que herdaram traços e costumes de imigrantes e que se transformaram no pilar a sustentar o peso da responsabilidade que o futuro exige. Assim, todos estão contribuindo para a continuidade de uma feira e logo, ajudando na construção de uma cidade mais humana. VALTER MERLOS PRESIDENTE DA ACIA Araraquara comemora 189 anos. São quase dois séculos de construção de uma cidade que é a morada de milhares de pessoas que aqui nasceram, ou que escolheram para viver e ser feliz. É a nossa Morada do Sol. É a Morada da luz, do verde, da cultura, do esporte, da qualidade de vida, enfim, é a morada de várias oportunidades. De caminhos que queremos, lutamos e trabalhamos para que levem todos que aqui moram, a felicidade e à construção da cidadania. Queremos que Araraquara efetivamente, seja a morada da Cidadania, com a amplitude de tudo que esse conceito representa. Araraquara vive um momento ímpar de sua história. Tem conseguido alcançar indicadores importantes como a baixa mortalidade infantil (6,5), seguindo padrões de primeiro mundo, aumento na geração de empregos (46,87% a mais que 2004), aumento de exportações, 100% de água e esgoto tratados etc. É a primeira entre as cidades médias, de acordo com o UNICEF, no Desenvolvimento Infantil (IDI). Esses indicadores têm chamado a atenção nacional. Nos firmamos ano a ano como pólo regional, como uma cidade que tem liderança e papel decisivo no interior paulista. Uma cidade que desperta muito orgulho nos araraquarenses. Isso não significa que não tenhamos problemas. Eles estão aí, como em qualquer outra cidade. Mas estão para serem enfrentados e solucionados. A construção da cidade dos nossos sonhos não será com magia, mas sim com muita coragem e determinação. Uma cidade onde as pessoas sejam respeitadas, onde as diferenças de gênero, de raça, de religião, de opções não sejam a justificativa para a discriminação, mas o fomento da democracia, do respeito ao próximo, da efetiva implantação da modernidade. Sinalizar para a construção dessa cidade é papel sim do poder público, Cabe a ele liderar, mas será obra de todo o nosso povo, de homens, mulheres, jovens, idosos, crianças, brancos, negros, portadores de deficiência, enfim, de todos que de alguma forma dão a sua contribuição para que a nossa Araraquara seja o espaço nesse mundo onde escolhemos viver. Araraquara é a cidade de todos nós. EDSON ANTONIO EDINHO DA SILVA PREFEITO MUNICIPAL COMMÉRCIO & INDÚSTRIA AGOSTO/2006 15

[close]

Comments

no comments yet