Revista Comércio & Indústria - Fevereiro/2007

 

Embed or link this publication

Description

Revista Comércio & Indústria - Fevereiro/2007 - Ano 2 - Nº 19

Popular Pages


p. 1

Commércio REVISTA Indústria Associação Comercial e Industrial de Araraquara Fevereiro/2007 • Ano 2 - N° 19 José Roberto e Margarete TEND TUDO PAPELARIA E INFORMÁTICA Parceira de inúmeros fornecedores brasileiros, empresa mostra sua ascensão em 14 anos de atividades e se firma em vendas para órgãos governamentais e autarquias através do pregão presencial ou eletrônico.

[close]

p. 2



[close]

p. 3

DO EDITOR PONTO DE VISTA Valter Merlos Presidente da ACIA Ivan Roberto Peroni O CAMINHO QUE RESOLVERÁ AMANHÃ AS QUESTÕES SOCIAIS DO MUNICÍPIO nossa cidade é abençoada pelos na área social. E essas instituições enfilhos bem intencionados que têm e tendem que, só a capacitação das entidapela honradez das instituições que des sociais, a criação de centrais volundisponibilizam atendimento às criaturas tárias, implantação de um fundo de apoio que necessitam. O fato de ser presidente a pequenos projetos e ações emergende uma entidade classista, estar atrelado ciais, poderão minimizar ao longo dos às atividades do Rotary e contribuir duanos, parte desses problemas. rante três décadas com a aplicação dos A verdade é que o Governo, em todas princípios maçônicos em todas as inias esferas, não inclui marginalizados e ciativas pessoais, visando construir uma trabalhadores na discussão dos problesociedade plenamente justa, pesam na mas, quer dizer, o povo não participa e minha formação como homem e ser hunem emite opiniões nas decisões e remano. Esse envolvimento é que tem cebe apenas a incumbência de cumprir aberto os meus olhos para um outro sentarefas estabelecidas. Analisando-se estido da vida: do entendimento que somos sa prática sob o prisma da participação todos irmãos e que o mundo é uma cado povo, fica claro que o processo de mada de necessidades, pois as pesimplantação é autoritário, vertical e soas se precisam uma das ouatende a política internacional e “O FISA, como tras, quero dizer, o chacareiro interesses mercantilistas. Esfundo que abraça que abastece com verduras sa norma, curiosamente, mais de 50 entidades e delas não está restrita apenas às nossas mesas, necessita sabe todas as dificuldades é questões sociais, pois em do deputado que faz as modelo de órgão sério, leis; o deputado por seu grande parte dos municíresponsável, e tem a FACIRA, pios brasileiros, os prefeiturno precisa do servidor como um dos meios de que recolhe o lixo. Perante tos enfiam na goela do poDeus somos todos iguais e geração de recursos...” vo, projetos e programas em os exemplos deixados por seu nome de uma democracia pleFilho é que nos direcionam na reta namente falsa. final para uma mesma moradia, onde seEm Araraquara, o FISA, como fundo remos julgados por nossos atos. que envolve mais de 50 entidades sociais Ora, temos visto com permanente e delas sabe todas as dificuldades, é freqüência o descaso dos governos em modelo de órgão sério, tendo a FACIRA, relação à miserabilidade que avança em como um dos meios de geração de retodos os cantos; os problemas sociais se cursos para a manutenção de cada uma diversificam com facilidade e não há codelas. E o FISA tem que ser o caminho mo conter a rapidez dos problemas oripara qualificar as entidades e prepará-las ginados pela ineficácia das políticas púna criação de projetos, pois essas entidablicas. Quem vive trancado em gabinetes des, além de conhecer os problemas que pleiteando benefícios próprios não imaexistem em sua área de atuação, é que gina a luta dos que cuidam de entidades e poderão ter grande interferência na soo sofrimento dos que necessitam de amlução de problemas familiares e na forparo. Se o Governo ajuda, ajuda muito mação de jovens e adolescentes para o mais no sentido de ter de volta o benefício mercado de trabalho, através de cursos político. A ajuda financeira sai mesmo é profissionalizantes, indicando-lhes um dos empresários ou da comunidade. caminho com responsabilidade social. O que temos visto, por ser presidente A proximidade dos fundos de assisclassista, rotariano e maçom, é o empetência com as entidades é que poderá nho de organizações, que não contam resolver os problemas sociais no futuro. em momento algum com o apoio goDe preferência, longe do Governo que vernamental para implantação de progranão ajuda, só atrapalha com projetos que mas e a difusão de projetos inovadores não levam a lugar nenhum. EM NOME DO BOM SENSO Em nossa visita ao novo presidente da Câmara, Carlos Alberto Manço, duas perguntas foram feitas logo na saída da sala e respondidas ao pé-da-letra, sem muito rodeio e em alto e bom tom. A primeira: A Câmara Municipal volta para a Rua São Bento? SIM. A segunda: Você é candidato a prefeito no ano que vem? SIM. O que nos alegra é que o presidente Manço, além da coerência que deve existir no homem público, nos dá uma demonstração de equilíbrio e raciocina positivamente sobre a preservação de um ponto histórico da cidade, cujo perfil parece estar voltado totalmente à vida legislativa do município. Sua candidatura a prefeito só o futuro vai nos dizer, porém, a iniciativa de preservar as atividades legislativas no antigo prédio, cortam despesas desnecessárias com a construção de uma outra sede e evita gastos com a transferência do Gabinete do Prefeito, que pretendia deixar o sexto andar para se manter na Câmara antiga. Não é um posicionamento ditatorial, mas uma leve demonstração de bom senso. A CAPA FOTO: KRIS TAVARES Receita da expansão indica muita luta A atuação de uma das mais completas papelarias da região se abre em um leque de alternativas e garante o sucesso empresarial dos jovens empreendedores, Margarete e José Roberto Fávero de Souza. Commércio Indústria & REVISTA EDIÇÃO N°19 - FEVEREIRO/2007 Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni Assistente: Rosane D’Andréa Supervisora Editorial: Sônia Marques Depto. Comercial: Carlo Endrigo Gian Roberto Idalina Silva Sebastião Barbosa Designer: Bete Campos Mário Francisco Samantha Rosa Marcelo Pícolo Impressão: Gráfica Bolsoni - (16) 3336 9008 A revista Commércio & Indústria é distribuida gratuitamente em Araraquara e região COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE Fone/Fax: (16) 3336-4433 Rua Tupi, 245 - Centro Araraquara/SP - CEP: 14801-307 marzo@marzo.com.br

[close]

p. 4

A Feira do Bordado com a participação de cerca de 180 expositores, tornou Ibitinga conhecida em todo o País e agora o Salão de Negócios ganha espaço em fevereiro para manutenção das vendas logo após o Natal, iniciativa que vem dando resultado para que a cidade se organize até julho, quando promove seu principal evento REGIÃO Para piscinas, poços e irrigação, CENTRAL DAS BOMBAS é a solução. PRONTA ENTREGA ACIA NO SALÃO DE NEGÓCIOS Pela terceira vez, Ibitinga organiza um evento que já vem se transformando em tradição com o objetivo de movimentar seu principal ramo de atividades: os bordados e as confecções. Reconhecida internacionalmente pela qualidade dos seus bordados e confecções, Ibitinga prepara-se para organizar em julho, a sua tradicional Feira do Bordado que apresenta lançamentos da moda, bem como os melhores artigos em cama, mesa, banho e confecções bordadas. Paralelamente, o evento recebe expositores de casacos e sapatos e durante nove dias transforma-se no centro das atenções em nossa região. Antes, a Associação Comercial de Ibitinga promove o Salão de Negócios e Oportunidades no Pavilhão de Exposições, reunindo mais de 50 lojas de diversos segmentos, com o objetivo de intensificar as vendas antes do carnaval, período considerado de entre-safra após as festas de final de ano. O presidente da ACIA, Valter Merlos, ao visitar os organizadores, ficou surpreso com o interesse dos expositores e disse que - a união de todos em um mesmo ramo de atividades deve ser compreendido como exemplo, pois além das vendas, as empresas estão divulgando seus produtos e sensibilizando os consumidores da região a investirem no comércio da cidade. Vemos, disse Merlos, que os nossos feirões (móveis e materiais de construção), devem ser intensificados, bem como há necessidade da criação de feirões que venham congregar outros segmentos. O Salão de Negócios vai até o dia 11 de fevereiro, funcionando das 14h às 22h, contando com ampla Praça de Alimentação para os visitantes. Bombas e filtros para piscinas, bombas para irrigação e sistema de combate a incêndio, bombas injetoras e submersas para poços, bombas para drenagem e sistemas de pressurização de redes, conexões, tubos e acessórios em geral. CONFIABILIDADE Vendas, assistência técnica, instalação e manutenção em bombas e filtros com equipe especializada, transmitindo ao cliente a confiabilidade de 10 anos de experiência. Merlos e o assessor Joel Aranha recebidos na ACII pelo advogado Ivanil de Marins e o secretário executivo da associação, João Antonio Stanzani

[close]

p. 5

OS NOSSOS COMERCIANTES TÊM UMA MOEDA FORTE Ao assumir, o discurso de agradecimento e garantia de muito trabalho na Secretaria POLÍTICA A SUA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA Cooperativa de Crédito formada pela credibilidade de grandes parceiros A POSSE DO SECRETÁRIO Reduzir a burocracia, capacitar trabalhadores e estimular o empreendedorismo, são algumas das prioridades do novo Secretário do Emprego e Relações do Trabalho, Guilherme Afif Domingos, grande amigo de Araraquara. Joel Roberto Aranha, assessor da ACIA, levou ao novo secretário do Emprego e Relações do Trabalho, Guilherme Afif Domingos, o abraço do presidente Valter Merlos e também a confiança que os seus amigos e empresários da cidade depositam nele e nas ações de uma das mais importantes pastas do Governo do Estado de São Paulo. O Afif, comentou Joel, tem criticado a política econômica do Governo Federal “que não vem priorizando a produção, a criação de renda e empregos” e como coordenador do Programa Estadual de Desburocratização, instituído pelo governador José Serra, que reúne várias secretarias, ele pretende formar um fórum de debates para indicar mudanças nas políticas de emprego. E deseja criar, o quanto antes, o que chamou de Poupatempo do Empreendedor. Para o presidente da ACIA, Valter Merlos, Afif já antecipou a criação de uma política de desburocratização que permitirá reduzir drasticamente os prazos para a empresa começar a funcionar e gerar empregos. Afif também disse que, é até possível se pensar num alvará provisório, enquanto são cumpridos os requisitos básicos para a formalização da empresa. Segundo o secretário, “as condições nunca foram tão favoráveis para isso, porque há um enorme entrosamento com a prefeitura paulistana”. Ele adiantou que vai lutar pela formalização do Empreendedor Urbano Pessoa Física, uma idéia gestada dentro da Associação Comercial de São Paulo e incorporada na Lei Geral da Pequena Empresa, com o nome de Pré-Empresa. “Vamos trabalhar por sua regulamentação, que ocorrerá no primeiro semestre, para entrar em vigor em julho próximo”, afirmou. O CRÉDITO QUE FALTAVA PARA SUA EMPRESA Utilize a Cooperativa de Crédito para realizar empréstimos com juros menores e parcelar sem comprometer sua renda. AS VANTAGENS (16) 3304 1057 Av. 15 de Novembro, 65 Centro - Araraquara (no prédio da COMAPA)

[close]

p. 6

O sucesso da nossa ALIADOS POR COMCRED ANTECIPAÇÃO O empresário Mário Hokama está se destacando na presidência da COMCRED, em Araraquara, pela sua luta e perseverança em transformar em realidade um antigo sonho: a instalação de uma cooperativa de crédito com o perfil de uma agência bancária para favorecer o pequeno e médio empresário. Está conseguindo pelo seu entusiasmo e também de todos os companheiros. Neste projeto conta com a parceria da CDL, ACIA, SINHORES, SINCOMÉRCIO e COMAPA. Segundo ele, mais um importante parceiro deve chegar neste mês: IESACRED. Sua diretoria vai se reunir para discutir e aprovar a fusão com a COMRED Outro serviço vem sendo anunciado por Hokama e oferecido aos cooperados: é a implantação do módulo cobrança, através da emissão de boletos, que encontra-se disponível. Desde janeiro, finaliza Hokama, o cooperado da COMCRED pode acessar e consultar via internet, os saldos e extratos de suas contas correntes, aplicações e empréstimos atualizados on-line e com a garantia da tecnologia sicoob/bancoob. CURSO VISITA Roberto Gelin começa a formatação do programa de organização da FACIRA 2007 com o importante apoio do presidente Carlos Alberto Manço, da Câmara Municipal. Além disso, outros dois vereadores fortalecerão o grupo de trabalho a partir de março. JOSÉ CONDE SOBRINHO Mota e Gelin, da FACIRA, acompanham o aperto de mão de Merlos e Manço, garantindo o apoio da Câmara Municipal e o sucesso do mais importante evento da cidade IDENTIFICAÇÃO VEICULAR Em janeiro foi relizado nas dependências do SESC Araraquara, o Curso de Identificação Veicular, promovido pela Porto Seguros, onde foram instruídos dezenas de policiais militares, civis e federais para identificação de números em chassis, motores e demais elementos agregados ao veículo. Durante o curso foram realizadas operações policiais para prática da aprendizagem, sendo apreendidos para perícia, cinco veículos com suspeita de adulteração na numeração dos chassis e motores, segundo o Sargento Stivanatto, Encarregado da Administração Militar. Desde sua posse na presidência da Câmara Municipal, ocorrida no dia 1° de janeiro, o vereador Carlos Alberto Manço tem tornado o seu gabinete de trabalho, em verdadeiro instrumento de reivindicações de segmentos considerados importantes de Araraquara e se constituído em portavoz em várias esferas. Também os dirigentes da FACIRA 2007 foram recebidos pelo vereador. Estiveram no gabinete da Presidência, Roberto Gelin (presidente da exposição), Roberto Mota (vice-presidente), Valter Merlos (presidente da Associação Comercial e Industrial de Araraquara) e o jornalista e publicitário Ivan Roberto Peroni, da Marzo Comunicações, que presta assessoria à Associação Comercial. O presidente Manço revelou sua satisfação em recebê-los, reconhecendo serem representantes de importantes setores do comércio e indústria de Araraquara, responsáveis pelo desenvolvimento da cidade e destacou o trabalho realizado por todos e direcionado ao evento. “Coloco-me a disposição da ACIA, bem como dos dirigentes da FACIRA - é Manço falando - em nome da Câmara Municipal para buscar parceiros, auxiliálos e tornar ainda mais tradicional o acon- tecimento da nossa cidade, a FACIRA, cada vez mais atrativa em sua realização”, afirmou. No encontro, o presidente da ACIA, Valter Merlos, convidou oficialmente o vereador Manço para integrar a diretoria 2007 da feira, já em sua 18ª edição, bem como partindo de sua indicação, a presença de mais dois vereadores para a composição administrativa do evento. De pronto, Manço aceitou sua inclusão entre os organizadores, além de reafirmar sua franca disposição de emprestar seu trabalho destinada à feira. “A FACIRA tem se tornado a embaixatriz da cidade, gerando negócios, estimulando vendas e deve, a cada ano, apresentar novidades e para se tornar cada vez mais moderna”, destacou o vereador. O presidente da Casa de Leis, Carlos Manço, também garantiu seu empenho na tentativa de atrair parceiros consistentes, além de empresas de renome para abrilhantar o evento marcado para agosto, em Araraquara. PESQUISA VAI MOLDAR A FEIRA Informação transmitida a Manço por Valter Merlos, esclareceu que já está em fase final a elaboração de pesquisa destinada aos empresários expositores, expresidentes da FACIRA e público em geral e ao seu final, apresentará resultados inovadores a constarem do acontecimento em agosto. O objetivo, disse Merlos, é de colher opiniões, interesses de expositores e dos freqüentadores, visando torná-la mais atrativa e que garanta uma melhor performance na sua realização. “Algumas Empresas aprenderam a investir em máquinas, outras investem em seu maior patrimônio, os seus funcionários”. PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS PARA DESENVOLVER • Laudos Técnicos Ergonômicos (NR 17-Ergonomia)* e Biomecânica do Movimento Ocupacional Qualitativo e Quantitativo dos Postos de Trabalho; • Assessoria Técnica para processos cíveis ou trabalhistas nos casos de LER/DORT; • Programa de Gestão de Ergonomia; • Ginástica Laboral: elaboração de prescrições de exercícios específicos para o trabalho; • Treinamentos Técnicos Ergonômicos - NR 17 (individual ou coletivo). * Norma Regulamentadora 17 - Ergonomia AMBIOERGO Uma empresa especializada e pioneira em Ergonomia e Biomecânica ocupacional Fone: (16) 3333 2740 e-mail: ambioergo@terra.com.br

[close]

p. 7

FACIRA CORAÇÃO ABERTO, NEGÓCIO FECHADO É focando solidariedade e negócios, que a diretoria da FACIRA começa a trabalhar, com o objetivo de criar uma estrutura que resgate os momentos mais importantes da feira considerada uma referência em toda a região. A FACIRA 2007 já começou, diz com grande entusiasmo o presidente Antonio Roberto Gelin, que aguarda o resultado da pesquisa de opinião voltada para os empresários, o público e as entidades do Fundo das Instituições Sociais de Araraquara. Tudo isso, afirma Gelin, para saber o desejo de cada grupo em se ter neste ano, uma FACIRA aos moldes do que querem expositores, público e até mesmo a filantropia. “Penso que a FACIRA, para os expositores, é uma das ferramentas de marketing utilizada para a promoção de produtos ou serviços, visando a ampliação da carteira de clientes e exposição direta para compradores e fornecedores potenciais. Estes são os principais objetivos do empresário ao participar de uma feira como essa, e que reúne, num mesmo local, o setor comercial e social das empresas”, lembra o presidente. Os primeiros indicativos da pesquisa apontam que a FACIRA é o meio mais econômico de se fazer negócios e lançar produtos no mercado, pois proporciona uma aproximação face a face com compradores regionais de forma ágil, rápida e inteligente. Funciona tudo isso, justifica Gelin, numa espécie de tripé: os expositores com suas novidades, o FISA com todo seu exército social fazendo a sua parte e o público comparecendo cada dia mais. Acredito, continua o presidente, que faremos uma boa feira, firmando parcerias com a ACIA, Prefeitura, Câmara Municipal, Sindicatos, Empresários, Clubes de Serviço e FISA. Gelin também faz um convite: “Convoco toda população para que faça parte de uma FACIRA com a cara de Araraquara”. MEMBROS DA PREFEITURA A exemplo do que ocorreu com a indicação de dois vereadores para composição da diretoria, Gelin também está solicitando ao prefeito Edinho Silva que faça a indicação de dois nomes que representarão o Executivo na comissão organizadora de 2007. Os nomes serão anunciados em março. Gelin diz que após a análise da pesquisa, a FACIRA terá a cara de Araraquara

[close]

p. 8

BENEFÍCIO APRENDENDO COM OS VÍDEOS As empresas têm utilizado a Videoteca Empresarial da Associação Comercial e Industrial para orientar e debater de forma ampla com seus funcionários, através de vídeos, as avançadas técnicas de gerenciamento, principalmente vendas. A ACIA mantém na atualidade uma das mais completas videotecas do interior, diz com certo orgulho, o presidente Valter Merlos. Com isso, a entidade coloca o associado em contato com os melhores vídeos empresariais do mercado, um material amplo e completo que oferece novas técnicas de gereciamento para aplicação na empresa e com o acompanhamento direto dos funcionários e colaboradores. São temas atuais, diz Merlos, tratados de forma dinâmica e simples pelos melhores profissionais do mercado. Ele aproveita para convidar o empresário e seus profissionais ligados ao setor de Recursos Humanos, para conhecer e introduzir com maior intensidade, a veiculação das informações contidas em vídeos nas empresas. O DESPERTAR A série “Não Durma no Ponto” aborda questões que permitem ao espectador, diante do tema proposto, perceber a sua atual situação. Os vídeos discorrem informações que permitem a construção do aprendizado através de significados que transformam seus próprios conceitos em conhecimento no mercado competitivo e com a sua equipe. O CEBRAC tornou-se parceiro da ACIA na confecção de folders contendo informações sobre os vídeos disponíveis QUALIDADE TOTAL Estabelecer parâmetros ideais de qualidade significa levar todos os profissionais que compõem a empresa, a fazer tudo certo desde o começo. Com estes vídeos, você poderá dar início a grandes realizações e conhecer “As Armadilhas da ISO 9000”. MOTIVAÇÃO A empresa moderna deve incentivar a autonomia e a iniciativa, dando condições para a motivação, valorizando o indivíduo pela capacidade de apresentar soluções. Um dos temas - Motivando Para Vencer. MOTIVAÇÃO E SUCESSO Nestes programas, o Professor Marins discute aspectos de motivação, quais os ”motivos” que levam pessoas, empresas e organizações em geral a terem sucesso, responde os e-mails de telespectadores e faz comentários sobre a atualidade das empresas, da economia e de negócios. VENDAS Surpreenda, conheça e atenda prontamente os seus clientes. Utilize as técnicas e ferramentas apresentadas nesta coleção e garanta já um excelente resultado em vendas. Uma sugestão é o vídeo “O Vendedor Inteligente”. RELAÇÕES HUMANAS Um dos fatores principais de competitividade está nos recursos humanos da empresa e transformá-los em talento é uma tarefa que você não pode deixar em segundo plano. Com estes vídeos você terá um sistema de formação, treinamento e desenvolvimento humano a serviço da sua empresa. MARKETING As relações com o mercado dependem efetivamente de ações de marketing. Um dos temas - Como entender seus processos? SÉRIE: “CONVERSA INTELIGENTE” De maneira simples e descontraída, o autor explora os mais modernos conceitos e técnicas que estão sendo aplicadas na área de vendas. Com uma proposta inovadora e arrojada, Botelho apresenta um verdadeiro curso de treinamento em vendas pela televisão dividido em 12 programas.

[close]

p. 9

COMEMORAÇÃO RECEITA QUE VALE 100 ANOS DE VIDA Veridiana Gagliardi Mantovani é mãe de Antônio Carlos e avó de Pedro Artur, da Construluz, empresa voltada para o ramo de materiais elétricos instalada na avenida Padre Francisco Salles Colturato (36). Ela completou 100 anos de idade e mostra a importância de ser feliz e de estar sempre de bem com a vida. Dona Veridiana. Assim é que as pessoas a chamam e nela buscam conselhos que parecem indicar o caminho de que a vida é efetivamente bela. No seu entendimento, comenta seu filho Antônio (para ela, simplesmente Toninho), desde o dia que nascemos, envelhecemos progressivamente. Jamais ela manteve a idéia da velhice e explica que, queiramos ou não, chegaremos à velhice naturalmente. “Há pessoas que são jovens aos oitenta anos e outros que são velhos aos quarenta. É o que sempre comenta meu filho. Isso me entusiasma e me faz viver muito mais”, justifica dona Veridiana, que completou 100 anos de vida e já se prepara para o seu aniversário em agosto, com a alegria que traz belas histórias e momentos de indiscritível felicidade. Logo que Veridiana Veridiana com o filho Antônio, a nora Doroti Lidia Biagioni e o neto Pedrinho, nas comemorações do seu centenário apagou as velinhas que simbolizavam um centenário, alguém lhe do mundo e da vida, não a dando por enperguntou como conseguira viver tanto cerrada. Talvez por essa razão é que tenho tempo e estar tão bem de saúde, cheia de vivido muito mais, desfrutando desta felidisposição. Ela parecia então ter a resposta cidade que Deus me proporciona em ter a na ponta da língua: “Não é por termos vi- família e os amigos tão próximos incenvido um certo número de anos, que enve- tivando-me para a vida”. lhecemos. Envelhecemos quando perdePedrinho, o neto, tem a avó na conta mos o ideal, a alegria de viver e a alegria de das pessoas insubstituíveis, pois suas paamar”, frase que praticamente foi tirada do lavras, comenta, refletem ensinamentos. livro da vida e decorada letra por letra. Foi com ela que aprendi que neste mundo, Nascida em 1906, ela traz recordações precisamos continuar aprendendo, acredibem vivas em sua memória e conta: “Não tando, amando, sonhando e, vivendo. É consigo apagá-las porque elas se mantém assim que vamos manter acesa a busca e o atuais e são a razão do meu viver. Tenho desejo do prazer que a vida nos oferece pasempre comigo a idéia de não me desligar ra que nunca percamos o prazer de viver.

[close]

p. 10



[close]

p. 11



[close]

p. 12

Não há como diferenciar na história política da cidade, a pessoa e o comerciante, do homem público, Waldemar de Santi. Ele conseguiu até hoje manter a humildade e o equilíbrio no trato com as pessoas e autoridades, sem jamais subestimar a inteligência do povo. Nunca se curvou às ordens dos governadores ou até mesmo de presidentes. De Santi sempre foi o espelho da alma da terra que ama. Foram três mandatos de prefeito - 14 anos, sorrindo e abraçando gente no meio das ruas HOMENAGEM CHEIRO DE POVO UMA SIMPLES HOMENAGEM AO HOMEM QUE A CIDADE NÃO ESQUECERÁ JAMAIS (TEXTO: IVAN ROBERTO PERONI) Naquela manhã de novembro, Waldemar fora acordado por Dona Carmem, sua esposa. Ela na verdade tinha sido despertada pelo toque do telefone. A filha Júnia, pequena ainda, adormecia num dos quartos do apartamento que o casal comprara em prestações no Edifício Vila do Sol. Num verão de quase dezembro, as chuvas não eram tantas. Tudo sob controle, disse Aldo Pierre, diretor do DAAE, na reunião que tivera com o José Benedito de Souza, o “Espingardinha”, no dia anterior. E a PRD 4, já tinha anunciado que a população poderia ficar tranqüila pois o abastecimento de água seria normal naquele final de ano. Só que, justamente naquela manhã, Waldemar estava acordando exatamente 30 minutos mais cedo do que normalmente acontecia. Acorda homem, disse dona Carmem, em tom carinhoso. E completou: “Acorda que o dia vai ser longo”. De fato, o dia teria que ser longo. Entre um beijo na filha, um tchaaau prolongado depois de passar a mão de forma carinhosa no rosto da esposa, Waldemar se apressava para mais um dia como homem público. Entre sair do apartamento e chegar ao elevador, trocou rápidas palavras com João Primiano, alguma coisa sobre o Fisa que se preparava para uma nova feira no Parque Infantil. A partir do instante que botou os pés na José Bonifácio, capanga marrom debaixo do braço, o Waldemar ficara para trás. De Santi assumia a postura de prefeito da cidade que aprendera a amar. A camisa de mangas compridas, tom creme, punhos abotoados fora um presente de Carmem, no último aniversário, 9 de março. Foi naquele dia talvez que De Santi, mais lembrara dos seus pais, dona Vitória e Vitório. Vitorioso na vida, tanto quanto os pais. Embora prefeito, seguia ele pela Padre Duarte, quando não, pela São Bento. O cigarro, inseparável companheiro, sapatos normalmente marrons e os “bons dias” que se avolumavam nos quase quatrocentos passos entre uma ponta e outra do quarteirão. O Chico da Charutaria, lhe fez um sinal com as mãos e do outro lado, De Santi respondeu, quase que da mesma forma. Ele sabia, o dia seria longo. Dona Carmem o preveniu. Da reunião com o Bogé (Santana), Santo Antônio (Vila), Carioca (Unidos), Sidney (Santana), ele não poderia faltar. Nem que fosse pra falar bom dia, meu povo. As escolas iam afinar os tamborins para o carnaval de 78. Mas, ele sabia também que tinha um assunto a tratar com o Renan Dall’Acqua e o Rubens Bressan, companheiros quase que inseparáveis ao lado do Manço, que como chefe de gabinete, lhe preparara uma agenda de compromissos que descartava doutores e empresários. Figuravam pessoas simples como Joaquim Sorbo que o levaria para uma reunião nos bairros Bocaiúva I e II com os lavradores reunidos pelo Oswaldo Silva. O vereador Júlio César Rente Ferreira, “Gugu”, não poderia faltar. Preciso dele lá, Entre os amigos, Clodô Zampieri e Josué Eiras comprando fumo no Mercado disse o prefeito. Na verdade, ele era o que era. Homem do povo, fiel aos companheiros, avesso às solenidades com grande pompa, degustador de bons aperitivos em companhia de gente como ele: Reginaldo Galli, Mário de Osti e trazia na conta amizades que não esquecera nos tempos de Câmara: Rubens Bellardi, Darcy Moralles, Flávio Ferraz e principalmente Elias Damus que o arrastara para conhecer cerca de 500 compadres que conseguira ao longo de cinco mandatos como vereador. Naquele dia, antes de um rápido café feito no coador de pano pelo Olívio no Bar do Pernambuco, o João Pereira falara nos seus ouvidos: “O senhor não pode deixar de ver a beleza que está ficando o Teatro de Arena, na Vila Melhado”. Autêntico, De Santi foi o prefeito que venceu três candidatos juntos num dia só e quantos houvessem seria ele o ganhador, tamanho o peso da sua popularidade e que a história sempre lembrará.

[close]

p. 13

O escritor Ignácio de Loyola Brandão jamais escondeu sua paixão pela nossa terra e orgulha-se tanto quanto nós, ou até mesmo mais, em lembrar com carinho dos momentos marcantes de sua vida em Araraquara. Semanalmente escreve no jornal Tribuna Impressa, de onde extraímos a crônica publicada sobre as mudanças que serão aplicadas na Rua Cinco (Voluntários da Pátria), pela Prefeitura Municipal, nas próximas semanas. CIDADE BULEVAR, BOULEVARD, AVENUE OU DAMM? De tempos em tempos surgem projetos para a Rua Cinco. O mais recente é o Bulevar dos Oitis. Na minha opinião, a Rua Cinco devia ficar como está, porque cada vez que se mexe em uma coisa na cidade é para estragar. Perceberam que escrevo Rua Cinco em maiúsculas? Porque é assim que a conhecemos há cem anos. Nunca ouvi alguém dizer Rua Voluntários da Pátria. A Rua Cinco é um ícone, referencial. O professor Berthold Zilly, do Instituto Ibero Americano de Berlim, tradutor de Os Sertões para o alemão, ficou encantado com a rua (e lembrem-se que Berlim é uma das cidades mais arborizadas da Europa) e apanhando um sorvete na esquina da XV de Novembro subiu e desceu, em um dia de verão, sem sentir um pingo de calor. Porque a rua é um oásis, pequeno paraíso dentro da cidade. Por que repito tanto Rua Cinco, Rua Cinco, Rua Cinco? Porque esta é a maneira como a conhecemos, todos a conhecem. Implico com essa nova denominação Bulevar dos Oitis. Por que Bulevar? Por que uma palavra francesa numa cidade de nome indígena. Intolerância minha? Ortodoxismo? Bulevar é chique, sofisticado, refinado? Não, bulevar é caipirismo, provincianismo. Boulevard é para Paris. Lá se pode ter os “Grands boulevards” (está certo dona Fanny?). O máximo da sofisticação, no caso, é chamar a rua de Cinco, como é o hábito na cidade. Como serão as placas: Bulevar ou boulevard? E se a chamássemos de Avenue, como Nova York. Ou damm como na Alemanha?...O bulevar vai favorecer o povo? Em quê? Vão colocar bancos para sentar? Quem vai sentar na Rua Cinco e olhar para os carros passando? As pessoas nem freqüentam os jardins públicos onde há tantos bancos. Vai favorecer o comércio? Que comércio? O de restaurantes? Mas aquela pizzaria que ficava quase na esquina da Avenida São Paulo não fechou ou está ameaçada? Aquele restaurante árabe que funcionou na antiga casa do Di Nucci não fechou? Acaso o araraquarense sai tanto de casa para ir a restaurantes? Que lojas existem na Rua Cinco que precisam que a rua seja modificada? Quantas lojas são? Quatro, cinco? Por que sempre se pensa no comércio nesta cidade? Por que não deixam em paz coisas estabelecidas e que funcionam como são? Para estragar, arruinar como tem acontecido ao longo da história? Vão abrir bares e cafés para o povo ficar no final da tarde? Bares ou botecos? Em lugar de investir mais dinheiro para desarrumar o arrumado, por que não restaurar a praça da Matriz, cujo chafariz está desativado e cujo piso está perdendo as pedrinhas portuguesas? Por que não varrer e limpar a cidade que está cheia de mato em bairros pobres ou nobres? Por quê? Ah! Consultaram os urbanistas, os paisagistas, os arquitetos, a população? Foto: Márcia Fasoli - Revista Sob Medida Ignácio de Loyola Lopes Brandão nasceu em Araraquara - SP, no dia 31 de julho de 1936, dia de Santo Ignácio de Loyola, filho de Antônio Maria Brandão, contador, funcionário da Estrada de Ferro Araraquarense, e de Maria do Rosário Lopes Brandão. Foram, ao todo, cinco irmãos: Luiz Gonzaga (1933), Francisco de Assis (1934 - já falecido), Ignácio, José Maria (1946 - já falecido) e João Bosco (1953). Tornou-se ao longo do tempo num dos mais renomados escritores brasileiros. Foi o ganhador do Prêmio Jabuti de “Melhor Livro de Contos”, em 2000, com “O homem que odiava a segunda-feira”.

[close]

p. 14



[close]

p. 15



[close]

Comments

no comments yet