Revista Comércio & Indústria - Julho/2013

 

Embed or link this publication

Description

Revista Comércio & Indústria - Julho/2013 - Ano 8 - Nº 96

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3



[close]

p. 4

IVAN ROBERTO PERONI* ponto de vista redação OS IRMÃOS PATREZE FIZERAM O QUE MUITOS GOSTARIAM DE FAZER Parte da mais pura história comercial de Araraquara está indo embora neste mês de julho. A venda do Hipermercado Patrezão, formado por quatro lojas, para a rede de supermercados Sempre Vale, de Limeira, por R$ 23,4 milhões, coloca um ponto final nas especulações existentes em torno dos irmãos Roberto e Geraldo Patreze. Sobre o valor da transação não há o que se comentar, afinal foi o maior lance dado durante o leilão finalizado no dia 28 de junho. Podemos dizer apenas que os “guerreiros” agora vão descansar, ter uma outra qualidade de vida, pautada simplesmente pelo direito de encontrarem a paz de espírito. Dois irmãos que atravessaram planos e mais planos econômicos, que contribuíram para o sustento de uma máquina governamental tocada pela carnificina tributária e se mantiveram de pé por mais de 50 anos. O início desta família no comércio não foi fácil. Um período trabalhoso e árduo como é comum em quase todas as histórias de empreendimentos de sucesso. A trajetória dos Patreze não seguiu por caminhos diferentes e começou de forma bastante simples, repleta de desafios e acima de tudo envolvida pela fé. Por volta de 1956, Eduardo Patreze e sua esposa Natália eram proprietários de um pequeno armazém de secos e molhados na Usina Zanin. Eduardo era um homem simples, sem estudos, mas com uma notável visão comercial. Na década de 60, a família Patreze, que nessa época já era composta por 14 irmãos se muda para Rio Claro. Lá, Eduardo e os filhos montam uma oficina mecânica. Anos mais tarde, seis dos 14 irmãos retornam para Araraquara. Assim, José Antônio, Fátima, Joana, Roberto, Geraldo e Hélio retomam o primeiro negócio da família e montam um pequeno mercado com 68 m² na Rua Imaculada Conceição. Ali começava a caminhada de uma das mais bem sucedidas empresas de nossa cidade. Atualmente, o mesmo endereço abriga a matriz e o depósito do Patrezão, em uma área de 5 mil m², um crescimento estupendo e que mostra o tino comercial da família. Na década de 80, a sociedade entre os 6 irmãos se desfez, cada um seguiu seu caminho, entretanto Geraldo e Roberto continuaram a trilhar juntos um futuro promissor. Os dois irmãos Patreze, que concluíram apenas o primário, passaram a se dedicar cada dia com mais vontade, comprometimento e profissionalismo ao negócio e o resultado foi o que vimos: cinco lojas abertas. Chegaram a ter 1.800 funcionários diretos, sendo considerada a empresa que mais empregos gerava na cidade em 2010. Geraldo, ou “Tú”, um dia me disse: “É verdade que começamos pequenos, porém, o tempo nos ensinou a enfrentar as dificuldades e posso dizer que a luta do dia a dia nos mostrou que as grandes conquistas sempre estiveram envolvidas pela fé, coragem, ética e responsabilidade. São ensinamentos que vieram dos nossos queridos pais Eduardo e Natália”. Há nos dois irmãos por tudo que passaram, um sinal de gratidão quando dizem “entre as lições do passado e as realizações que hoje vivemos, um longo caminho foi percorrido, no entanto o sucesso dessa jornada devemos aos amigos, aos colaboradores, aos familiares, aos nossos clientes, mas acima de tudo a Deus que sempre nos proporcionou essa disposição de fazer o melhor pelos nossos semelhantes”. Geraldo e Roberto trabalharam, e muito, e a venda da rede lhes dará a merecida paz, pois não é possível nos tempos atuais essa convivência com a insegurança econômica, a instabilidade política e a falta de garantias gerando a intranquilidade no seio profissional e familiar. Eles fizeram o que tinham que realmente fazer e poderão ter a partir de agora uma vida mais saudável. Aliás, fizeram o que muitos empresários neste momento gostariam de fazer, pois deste mundo não se leva as grandezas materiais. Parabéns Bokita e Tú pelo que vocês fizeram para a nossa cidade. SÔNIA MARIA MARQUES FAZENDO HISTÓRIA O mês de junho foi marcante devido as passeatas de manifestações organizadas pela população brasileira que caram na história; pela Copa das Confederações, com nossa equipe sagrando-se campeã; mas principalmente em nossa cidade, com alguns acontecimentos que também foram destaque, como o aniversário de um dos pontos mais frequentados dessa cidade, com um atendimento primoroso dos irmãos Cardozo - Elias e José Carlos. É a Ca-Suco, que no dia 19 de junho comemorou 35 anos de atendimento aos que passam não só pela Av. Duque de Caxias, mas por todos que andam pelo centro da cidade. São empresários, políticos, bancários, lojistas, artistas, en m, muitas pessoas que já têm a Ca-Suco como local para encontrar os amigos e saborear um delicioso cafezinho todo especial. Parabéns à Ca-Suco que já faz parte da história da cidade! Outra notícia que temos que destacar, é sobre o Shopping Jaraguá, com o início das obras de seu terceiro projeto de expansão, anunciadas pelo superintende da unidade de Araraquara, Telmo Mendes. Segundo ele, Araraquara merece ter investimentos nessa área, principalmente que re itam também na região. Foram anunciadas a vinda de 3 lojas âncoras, 4 megalojas, 62 lojas satélites e reformulação total do cinema, com mais uma sala de exibição. Isso mostra a importância de nossa cidade, pois ela está sempre em evidência quando se fala em desenvolvimento. REVISTA EDIÇÃO N°96 - JULHO/2013 Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni Assistente Editorial: Rosane D’Andréa Supervisora Editorial: Sônia Marques Depto. Comercial: Gian Roberto, Silmara Zanardi, Heloisa Nascimento e Marcos Assumpção Design: Mário Francisco, Carolina Bacardi e Fernando Oprime Atendimento: Josiane Massimino Tiragem: 5 mil exemplares Impressão: Grafinew - (16) 3322-6131 A Revista Comércio & Indústria é distribuida gratuitamente em Araraquara e região INFORMAÇÕES ACIA: (16) 3322 3633 COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE Fone/Fax: (16) 3336 4433 Rua Tupi, 245 - Centro Araraquara/SP - CEP: 14801-307 marzo@marzo.com.br

[close]

p. 5



[close]

p. 6

Sede da SOLSSIA Seguros na Avenida Bento de Abreu, 914 SOLSSIA, UMA CORRETORA À ALTURA DO QUE VOCÊ CONQUISTOU NA SUA VIDA Os irmãos Sérgio e Mauro Solssia comemoram o sucesso de um trabalho que teve início há 27 anos na área de seguros em Araraquara. Hoje, com a participação dos seus filhos Thiago e Bruno, e a evolução tecnológica, a Solssia domina o mercado regional de seguros e abre um leque de novos serviços. A Solssia Seguros foi criada a partir da união dos irmãos Sérgio e Mauro Solssia. Tudo começou quando Sérgio Solssia, em 1971, foi trabalhar com seguros em Araraquara. Um ano depois foi a vez de Mauro seguir os passos do irmão e entrou no mesmo ramo de negócios. Os securitários Sérgio e Mauro vinham conquistando seus clientes, nos 15 anos seguintes. No início de 1986, com experiência e após a conclusão do curso de corretor, decidiram que era chegado o momento de caminharem sozinhos e montaram a Solssia Corretora de Seguros. Nestes 27 anos, a empresa se consolidou em Araraquara se tornando uma das mais fortes do mercado e opera todos os ramos de seguros. Com a possibilidade de oferecer vários tipos de produtos aos seus clientes, a Solssia conquistou um patamar de destaque, formando uma carteira de mais de sete mil clientes, sempre com muito trabalho, esforço e dedicação. Os diferenciais da empresa são a credibilidade, a responsabilidade e a confiabilidade. “Buscamos dar aos nossos clientes toda a tranquilidade e segurança através da qualidade do nosso atendimento personalizado, com consciência das necessidades de cada um”, afirma Sérgio Solssia. Existem diversos planos de seguro e um dos principais produtos da empresa é o seguro de veículos. Atualmente, a Solssia opera em vários segmentos como aeronáutico, agrícola, automóvel/ frota, caminhões, capitalização, condomínio, consórcio, embarcações, eventos, fiança locatícia, financiamento, garantia, previdência privada, residencial, responsabilidade civil geral, riscos de engenharia, riscos diversos, seguro de vida individual e em grupo, seguro odontológico, seguro equipamentos portáteis, transporte de cargas, viagem e D&O. Para quem não sabe, D&O é contratado pela empresa em nome de seus executivos e cobre custos de defesa local e indenizações decorrentes de processos judiciais e administrativos, aos quais estejam sujeitos por conta de reclamações feitas contra eles, reportagem de capa Primeiro Sérgio... Depois Mauro... A SOLSSIA Seguros lança um novo serviço para seus clientes: a Certificação Digital da AR M S que permite assinar digitalmente qualquer tipo de documento, conferindo-lhe a mesma validade aos equivalentes em papel. Assim, você e sua empresa economizam tempo, com total segurança em suas transações via internet.

[close]

p. 7

como Allianz, Porto Seguro, HDI, Tokio Marine, Sul América, Azul Seguros, Alfa Seguros, Zurich, Liberty, Marítima, Bradesco, Itaú, Chubb e Mapfre. Na hora de fazer seu seguro, lembre-se de solicitar uma cotação especial. A Solssia Corretora de Seguros e Certificação Digital fica na Av. Bento de Abreu, 914, na Fonte. Mais informações pelo telefone (16)3303-5555, Fax (16)3303-5556 ou e-mail: solssia@solssiaseguros.com.br . Sérgio e o filho Thiago Mauro e o filho Bruno CREDIBILIDADE A SOLSSIA representa as maiores companhias seguradoras do país. em razão do exercício de seu cargo na organização. De acordo com Sérgio, tudo depende da necessidade e do ramo de atividade do cliente. Ao contrário do que muitos pensam, são extremamente acessíveis. Com isso a procura cresce cada vez mais. Também a empresa disponibiliza aos seus clientes o Seguro Saúde. “Hoje a maioria das pessoas tem dificuldades com os planos de saúde. As companhias de seguro, de modo geral, oferecem um seguro saúde com convênio em diversos hospitais e médicos de todo o Brasil, além de trabalhar através de reembolso postal. Você pode procurar seu médico de confiança, fazer a consulta normalmente e, com o recibo em mãos, ter o retorno de seu dinheiro”, explica Mauro. Uma das novidades da empresa é a Certificação Digital, um tipo de tecnologia de identificação que permite que transações eletrônicas dos mais diversos tipos sejam realizadas considerando sua integridade, sua autenticidade e sua confidencialidade, de forma a evitar que adulterações, captura de informações privadas ou outros tipos de Diretores da empresa e seus colaboradores ações indevidas ocorram. A AR M S Solssia é uma empresa credenciada como Autoridade de Registro (AR) e emitir Certificados Digitais nos padrões (IPC-BRASIL) permite assinar digitalmente qualquer tipo de documento, com a mesma validade aos equivalentes em papel, com mais rapidez e total segurança nas transações via internet. O Certificado Digital possibilita assinar contratos digitais, acompanhar processos legais, declarar imposto de renda pela internet, resolver pendências com a Receita Federal, verificar a autenticidade de informações divulgadas, conferir e atualizar o cadastro de contribuinte, no caso de pessoa física. Com uma equipe de 22 funcionários altamente treinados para atender aos seus clientes, vale ressaltar que alguns estão há mais de 20 anos na empresa, além dos primos Thiago e Bruno que trabalham junto dos pais Sérgio e Mauro Solssia. “Nossos filhos estão há algum tempo conosco e já possuem experiência para dar continuidade à empresa”, conta Mauro. A Solssia Corretora de Seguros representa as maiores companhias do mercado

[close]

p. 8

santo mídia A FESTA DA EPTV Anualmente a EPTV reúne em São Carlos as agências de publicidade para comemorar o Dia do Mídia (21 de junho). Paulo Brasileiro, diretor da EPTV FLEXIBILIDADE NO TRABALHO Representantes do varejo se mobilizam em todo o país em prol da flexibilização de normas trabalhistas para agilizar a economia e garantir o emprego. O maior desejo de João, que trabalha numa próspera loja de autopeças, é prosseguir nos estudos, interrompidos assim que concluiu o nível médio, há seis anos. Seu sonho é um dia obter o diploma de tecnólogo, especializando-se na área automotiva. Ele tem todo o apoio da loja para ir adiante nos estudos, pois o proprietário - Silvério, empresário que vê longe - sabe o quanto o rapaz tem valor e poderá agregar ao negócio no futuro. Como a faculdade escolhida fica numa região muito distante do trabalho, João teria de sair uma hora mais cedo da loja. Uma boa solução para isso seria flexibilizar de alguma maneira sua jornada de trabalho - por exemplo, compensando essas horas num banco de horas, aos sábados ou mesmo nas férias. Na opinião de João, é um sacrifício por um período não muito longo porém valerá muito a pena. Mas João e Silvério, nomes fictícios e figuras muito reais em nosso meio, esbarram num grande problema: a pesada estrutura burocrática, que ainda não se adaptou ao século XXI, como se tocasse valsa para puxar um desfile de escola de samba. Entre outras medidas para destravar a economia e criar empregos, representantes do varejo, como o Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), defendem a modernização das normas trabalhistas. Nessa linha, de norte a sul do país, consultores e atualidade TEXTO: PAULO CARNEIRO O diretor Paulo Brasileiro e toda equipe da EPTV se preparam em junho de cada ano para homenagear os publicitários das agências que trabalham na área de atuação da emissora. O encontro este ano aconteceu no dia 18, em São Carlos, para comemorar e celebrar o fortalecimento da classe, disse Paulo Brasileiro. Para Mauri Fernandes, que atua na área comercial da EPTV em Araraquara, “esse é o momento de descontração e diversão, uma forma de homenagear e valorizar o profissional de mídia e o mercado publicitário regional. “É um presente aos mídias”, completou. A Revista Comércio & Indústria e a agência Marzo Comunicação estiveram representados pelos seus profissionais Sônia Marques, Mário Francisco Pedrolongo e Carolina Bacardi. RETÍFICA FERREIRA Toninho Lordello, da Ictus, um dos premiados no Dia do Mídia da EPTV, ao lado de Mauri Fernandes

[close]

p. 9

lideranças empresariais concordam que o excesso de encargos dificulta a contratação e inibe a abertura de vagas no comércio. Em nossa cidade, o empresário do ramo de acessórios automotivos e presidente da Associação Comercial e Industrial de Araraquara, Renato Haddad, também acredita que a modernização pode revitalizar o varejo. “Trata-se de uma demanda absolutamente necessária, notadamente ao setor do comércio. Já não faz sentido o país adotar uma legislação de 70 anos atrás”. Para Renato, não existe “funcionalidade” em alguns dos parâmetros traçados em 1973, quando a economia brasileira ainda dava seus primeiros passos para a consolidação. Segundo ele, a realidade do varejo hoje é muito diferente, com as micro, pequenas e médias empresas exercendo um papel de alta relevância no sistema econômico. “Creio que essas empresas, que são as maiores geradoras de empregos, precisam ter regras diferenciadas em comparação Renato Haddad, do Somzão e presidente da ACIA às de grande porte. Nas micro e pequenas, como ocorre nas autopeças em sua maioria, a relação entre empregador e empregado é mais direta, facilitando o entendimento.” Para o empresário, tanto o empregado quanto o empregador seriam beneficiados. O QUE AS MULHERES QUEREM PARA A CARREIRA O conceito de sucesso mudou para as mulheres ao redor do mundo. Pelo menos é o que indica uma pesquisa do LinkedIn divulgada recentemente. Segundo o estudo, para 63% das profissionais de 13 países, sucesso é sinônimo de equilíbrio entre vida pessoal e trabalho. Há dez anos, apenas 39% delas consideravam este fator essencial. No Brasil, 71% das profissionais concebem o equilíbrio entre vida pessoal e profissional como um bom termômetro para a ascensão profissional. E elas estão mais otimistas também. De acordo com o estudo, 85% das brasileiras consultadas acreditam que podem ter uma carreira bem sucedida e ainda assim ter tempo para a vida pessoal. No total, 68% das que ainda não têm filhos afirmam que não irão desacelerar na trajetória profissional quando os rebentos nascerem. O valor dado ao salário também mudou. Hoje, 51% das brasileiras veem o salário como índice de sucesso profissional. Há uma década, 63% tinham esta visão. Veja outros achados da pesquisa: Flexibilidade: 90% das brasileiras elegeram que flexibilidade no trabalho é determinante para o sucesso Liderança: 75% das brasileiras consideram que chances para assumir um cargo de liderança são importantes para a carreira delas Desenvolvimento: Para 62% das profissionais do Brasil, a falta de investimentos das empresas no desenvolvimento delas é uma das barreiras para a ascensão profissional. Desigualdade: A diferença dos salários oferecidos a homens e mulheres foi apontado como um desafio para 47% das brasileiras Machismo: Já 11% delas apontou o machismo como uma barreira para o crescimento na carreira. Beleza: A aparência é irrelevante para a carreira segundo 76% das brasileiras.

[close]

p. 10

de olho no gato AGORA NAS NOTAS FISCAIS A QUANTIDADE DE IMPOSTOS A medida já está valendo, no entanto, medidas punitivas somente serão aplicadas segundo o Governo a partir do ano que vem. “Desde o dia 10 de junho, as empresas devem detalhar, nas notas fiscais fornecidas aos consumidores, a quantidade de impostos paga pelo consumidor. No primeiro ano da lei, porém, as empresas que descumprirem as regras não serão multadas, apenas orientadas pelos Procons”, anunciou Paulo Luiz Pecin, presidente da Associação das Empresas de Serviços Contábeis de Araraquara. Segundo ele, o objetivo da Lei Federal 12.741, de dezembro de 2012, é permitir que o consumidor saiba quanto está pagando de impostos e qual o custo efetivo da mercadoria ou serviço adquirido. A partir de 2014, as empresas que não cumprirem a regra estarão sujeitas a multas de até R$ 6 milhões, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor. As notas devem trazer informações sobre sete impostos: IOF, IPI, PIS/Pasep, Cofins, Cide, ICMS e ISS. No entanto, representantes do varejo e do setor de serviços têm se reunido com integrantes da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda e da Secretaria Nacional do Consumidor para discutir a necessidade de regulamentação da lei. “Essa regulamentação serviria para detalhar aos comerciantes a forma como os impostos devem ser informados na nota: em percentuais ou em reais, por exemplo”, comenta Pecin. Segundo a Casa Civil, caberá então à Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República coordenar o processo de elaboração da proposta de regulamentação da lei e sua fiscalização. Para a Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio SP), a prorrogação era fundamental porque as mudanças implicam custos para os empresários. "As empresas não estão preparadas para cumprir a lei porque ainda existem dúvidas sobre como os impostos devem ser informados na nota", diz o presidente da AESCAR. Segundo consta, a federação acabou não orientando os comerciantes sobre como colocar as informações na nota porque ficou esperando a regulamentação. Porém, algumas grandes redes começaram a informar os Paulo Luiz Pecin, da AESCAR impostos nas notas em maio, por meio de um sistema de cálculo desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). Para fazer o teste, o IBPT catalogou os produtos à venda em cada uma das redes e fez um cálculo aproximado da soma dos impostos embutidos. Como referência, o IBPT usou a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), um código adotado pelo governo para identificar a natureza das mercadorias. Uma das empresas que participam do teste é a rede Riachuelo. Uma nota fiscal da empresa mostra, por exemplo, que, numa compra de R$ 52,70, os impostos somaram R$ 16,92, ou 32,11% do valor total. A nota mostra a compra de duas toalhas e um jogo de cama. Como a regulamentação não foi feita, as empresas não sabem se o sistema do IBPT, desenvolvido em conjunto com a Associação Comercial de São Paulo, é adequado. "Com o sistema, os empresários conseguirão cumprir a lei sem maiores dificuldades. Mas nós nos baseamos na nossa interpretação da lei e talvez seja preciso fazer alguns ajustes", diz Pecin. Segundo ele, fora as grandes redes, a maioria das empresas não se preocupou em estar pronta para cumprir as regras em 10 de junho, justamente por causa da falta de regulamentação.

[close]

p. 11

As mudanças começam com a saída dos bloquetes Em 1946, a Casa Perches era uma das principais lojas de tecidos de Araraquara LOJISTAS EUFÓRICOS: A AVENIDA SETE FINALMENTE SAIU DO PAPEL Não é de hoje que os lojistas da Av. Sete vinham pedindo um projeto para mudar o visual de um dos mais tradicionais corredores comerciais da cidade. Foram atendidos. As obras de requalificação da Avenida Sete de Setembro começaram na quartafeira, 12 de junho, no trecho compreendido entre as ruas João Gurgel (Rua 13) e Pedro Morgante (rua 11). Após a conclusão desse trecho, as obras serão completadas até a Rua Humaitá (Rua 9). Porém, a reivindicação vem de longa data diante do esvaziamento comercial ocorrido nos últimos 30 anos. Na verdade, o processo da queda comercial vem desde que a Washington Luis foi duplicada no final dos anos 60. Na época a Avenida Presidente Vargas era um dos únicos acessos: “Entrar por lá, já nos anos 70 ficou dificil; os motoristas passaram a optar pelo acesso próximo à Lupo, o que privilegiou a extensão comercial da Avenida 36”, lembram os comerciantes. No momento, a requalificação da avenida compreende as obras de pavimentação e reestruturação das calçadas. Em quatro quarteirões do corredor, os bloquetes serão substituídos pelo pavimento tradicional. Para o prefeito Marcelo Barbieri, a requalificação irá modernizar a Avenida Sete, a cidade e valorizar a região do Carmo. A Prefeitura dispõe de aproximadamente R$ 850 mil para essas obras, obtidos junto ao Ministério do Turismo, com contrapartida do município. Outras mudanças elaboradas incidem no alargamento das esquinas para melhorar a acessibilidade e segurança, implantação de mobiliário urbano, uniformidade das calçadas e colocação de defensas e paisagismo. Dez anos atrás, a Associação Comercial e Industrial de Araraquara iniciou movimento buscando mudanças no acesso e a implantação de um projeto de revitalização do corredor a começar pela Presidente Vargas. O então presidente da ACIA, Valter Merlos, reuniu grande parte dos comerciantes do Carmo na Escola Senai, reivindicando para isso o apoio do Poder Público. Com a requalificação saindo agora do papel, os comerciantes estão eufóricos e otimistas pois poderá ocorrer uma grande transformação numa das mais importantes e antigas vias públicas da cidade, que sempre esteve voltada para o comércio. Alguns lojistas já pensam na transformação da fachada do prédio para melhorar o aspecto visual da loja, querendo dar novo fôlego aos seus negócios. Quem ganha é a cidade, logicamente. A Avenida Sete de Setembro nasce na Rua Antônio Prado, onde está a Estação Ferroviária. Há 200 metros cruza com Via Expressa e o antigo Balão da Comapa, seguindo até a Praça do Carmo onde passa a ser chamada de Av. Presidente Vargas que termina na Rodovia Washington Luis. revitalização

[close]

p. 12

café da manhã ELAS SÃO MULHER Em um café da manhã, a ACIA e o SEBRAE reuniram em junho diversas empreendedoras da cidade para contar suas histórias de sucesso dentro de uma carreira profissional. Foi o lançamento do Prêmio SEBRAE Mulher de Negócios. Foi a partir de 2003, que o Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE, observando a crescente participação das mulheres no mundo dos negócios, tomou a decisão em abordar com maior profundidade o tema empreendedorismo, especialmente dirigido para o público feminino. Na época, em 31 países, uma pesquisa mostrava que o Brasil era o sexto país com o maior número de empreendedores. A mulher empresária já ocupava a fatia de participação de 46% dos empreendedores brasileiros. Observou-se também que havia um grande número de mulheres que permanecia com suas potencialidades empreendedoras estagnadas que podiam ser estimuladas, pois poderiam estar produzindo, gerando oportunidade de trabalho e contribuindo com a renda familiar. Sob esse foco é que nasceu em 2003 o Prêmio SEBRAE Mulher Empreendedora, sendo seu lançamento oficial no ano seguinte; a partir de 2007 passou a ser denominado Prêmio SEBRAE Mulher de Negócios. Em 2008, Dona Rosa Maria da Cunha Alves, do Grupo Arte e Terra, tendo o incentivo dos artesãos da cidade e também do Conselho de Mulheres Empreendedoras da Associação Comercial, teve a ousadia em contar sua história de trabalho, concorrer ao prêmio e chegar em terceiro lugar no Grupo de Produção Formal. O exemplo de dona Rosa motivou a ACIA e o SEBRAE a retomarem através de uma parceria, o concurso em nível local e regional, buscando-se empreendedoras ousadas que possam relatar suas histórias de Edi Frediani, TVA ARA Marimar Guidorzi (SEBRAE), Renato Haddad e Teresa Smirne (ACIA) e Carla Missorino trabalho e participarem do concurso nas fases seguintes: São Paulo e Brasília. “Temos que levar a empreendedora a tomar parte como forma de incentivo, como fez dona Rosa, que é um exemplo as outras empresárias que sonham e podem transformar um ideal em um negócio empreendedor”. Para incentivar as empreendedoras a participarem do evento, a ACIA - através do seu Conselho de Mulheres Empreendedoras e o SEBRAE, promoveram o encontro de empresárias em um café da manhã, onde três empreendedoras relataram sua história

[close]

p. 13

RES DE NEGÓCIOS Dagmar Bizzinotto, Empório Bizzinotto Marina Amaral Escritório Rima INFORMAÇÕES SOBRE O PRÊMIO SEBRAE MULHER DE NEGÓCIOS PODEM SER OBTIDAS NO SEBRAE ARARAQUARA OU (16) 3332 3590 profissional e o envolvimento no mundo dos negócios. Edi Frediani, produtora e apresentadora do programa Universo Mais, na TV ARA; Dagmar Bizzinotto, arquiteta que agregou atividades comerciais à sua profissão, tendo uma loja de revestimentos e acabamentos; Marina Amaral, designer, que no ano passado criou o Escritório Rima para desenvolver projetos de design integrado para ambientes comerciais. Os três depoimentos foram acompanhados com muito carinho pelo público feminino no auditório da ACIA. Lançado oficialmente no dia 17 de juMulheres Empreendedoras nho, o Prêmio SEBRAE Mulher de Negócios estará com as inscrições abertas até o dia 31 de julho. Do evento tomaram parte Maria Teresa Smirne como superintendente do Conselho de Mulheres Empreendedoras e também na condição de presidente da ACIA, por delegação de Renato Haddad; Marimar Guidorzi, gerente regional do SEBRAE Araraquara; vereadoras Edna Martins (representando a Câmara Municipal) e Gabriela Palombo (vereadora), que ressaltaram a importância do concurso, pois serve para estimular o envolvimento da mulher no empreendedorismo.

[close]

p. 14

imposto de renda O LEÃO ESTÁ SOLTO A restituição fica disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate nesse prazo, deve fazer um requerimento, por meio do que é chamado de Formulário Eletrônico. O extrato da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2013 está disponível para os contribuintes, lembra Geraldo Luiz Tampellini, presidente do SINCOAR - Sindicato dos Contabilistas de Araraquara. Diz ele que, o extrato é importante para o contribuinte acompanhar a situação da declaração. No dia 10 de junho, a Receita Federal liberou a consulta ao primeiro lote de restituições, que começou a ser pago uma semana depois. Para o exercício de 2013, serão creditadas restituições para 1,9 milhão de contribuintes, totalizando o valor recorde de R$ 2,7 bilhões, já corrigidos em 1,6%. No lote estão os contribuintes que entregaram no início do prazo, os idosos e as pessoas com deficiência física, mental ou com doença grave. Quem não está no lote deve ficar atento e evitar dor de cabeça com o Fisco. Muitas vezes, o contribuinte pensa que tem restituição quando, na verdade, tem imposto a pagar e, no fim, a conta pode sair cara. “As informações do extrato são basicamente as que ele encaminhou; as divergências estarão lá indicadas, caso existam. Não existindo, é porque a declaração está processada, sem pendências. Todas as declarações estão processadas”, disse Tampellini. Para ter acesso ao extrato, o contribuinte deve localizar a página do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC), no portal da Receita Federal na internet, onde se encontram outras informações relativas ao Imposto de Renda. Quem enviou as informações e identificou algum erro deve fazer a retificação para não cair na malha fina. Em 2012, aproximadamente 570 mil contribuintes pessoas físicas entraram nessa situação, por erros e omissões, entre outros problemas. “Quem entrega uma nova declaração corrigindo eventual erro, automaticamente fica com a declaração liberada da malha fina. Se ele entender que está correto, deverá aguardar até o próximo ano para agendar um atendimento ou ser chamado para apresentar os documentos mostrando que está correto”, explica o dirigente. Para utilizar o e-CAC, o contribuinte precisará ter um código de acesso gerado na própria página da Receita ou o certificado digital emitido por autoridade habilitada. Para gerar o código, terá de informar o número do recibo de entrega das declarações de Imposto de Renda dos dois últimos exercícios. Caso encontre algum erro, a autorregularização poderá também ser feita por meio do e-CAC. “O extrato está disponível com todas as suas funcionalidades para que o contribuinte possa, o quanto antes, fazer a sua autorregularização e evitar a malha fina”, lembra o presidente do SINCOAR. Mesmo o contribuinte ouvindo a mensagem no 146 ou vendo na consulta de que a declaração se encontra na base de dados e está sendo processada, ele deve verificar o extrato. Tampellini diz que caso o contribuinte não concorde com o valor da restituição, poderá receber a importância disponível no banco e reclamar a diferença na unidade local da Receita Federal

[close]

p. 15

jogos regionais NESTES JOGOS, POR AMOR A MINHA TERRA, HAVEREI DE VENCER ROB TEXTO: IVAN ERTO PERO NI Armando Clemente atingiu sua glória ao defender o Brasil nos Pan-Americanos de 1967, em Winnepeg, no Canadá, nos 800m e revezamento 4x100 Era moço ainda; negro, pequeno, pernas finas, andar desajeitado, mas orgulhoso porque eu era um dos poucos a carregar além dos sonhos, um “A”, que pelo impulso da alma, me tornava um gigante. Eu era o escuro da noite quebrando as tardes de sol; e no brilho que banhava meu rosto, eu era por inteiro o senhor das pistas que se alongavam pelas sombras dos meus pés. Este “A” era o amor por ela, a minha terra, o “A” do meu nome, “Armando”; eu era o sorriso em festa a cada chegada, acelerado pelo desejo de ter os abraços no balanço da fita rompida. No mundo da velocidade que criei, tinha uma causa a defender e quantas vezes por ela as lágrimas não desceram velozes num canto escondido, entremeadas pelo umidecido suor da disputa. Não importa o que eu fui, meu jeito de ser era aquele, de respeito, de buscar ser feliz comigo mesmo, mas fazendo feliz a cidade que me viu nascer. Homenagem a Armando Clemente, que Araraquara tem na conta de filho ilustre do nosso atletismo

[close]

Comments

no comments yet