Revista Comércio & Indústria - Fevereiro/2013

 

Embed or link this publication

Description

Revista Comércio & Indústria - Fevereiro/2013 - Ano 8 - Nº 91

Popular Pages


p. 1

Fevereiro/2013 • Ano 8 • N° 91 Publicação Mensal

[close]

p. 2



[close]

p. 3



[close]

p. 4

ponto de vista redação SÔNIA MARIA MARQUES DE OLHO NA COPA: É PRECISO CONTER A POLUIÇÃO VISUAL EM ARARAQUARA IVAN ROBERTO PERONI* A NOSSA REDE HOTELEIRA Com um Centro Internacional de Eventos que podemos considerar como cartão de visita da cidade, as redes hoteleiras começam a olhar com mais carinho para aplicação de investimentos no município. A chegada da Rede Othon em Araraquara mostra isso, focando seu trabalho na área corporativa. A expansão do segmento hoteleiro acompanha a mesma lógica de desenvolvimento de outros setores-chave da economia local. Os hotéis também dependem de demanda em escala para crescer, por meio de um planejamento de longo prazo e de parceiros com fôlego para bancar investimentos bastante elevados, especialmente em torno das grandes bandeiras, que escolheram Araraquara como mercado principal para seu crescimento. Mas, sobretudo, dependemos de um horizonte sustentável em torno da demanda, que não pode estar restrita à sazonalidade. Neste momento tudo parece caminhar bem: a cidade cresce e com ela os mais diversos setores expandem suas atividades. Ao mesmo tempo, porém, esses empreendimentos precisam definir estratégias que lhes garantam a sustentabilidade do negócio ao longo do tempo, o que não é tão simples se observarmos que o setor também enfrenta obstáculos estruturais que retém um pouco o ritmo de crescimento. EDIÇÃO N° 91 - FEVEREIRO/2013 Da noite para o dia, os postes de iluminação pública em várias regiões da cidade foram emporcalhados pela colagem de cartazes anunciando circos e feirões. Ao mesmo tempo, há casos de candidatos que ainda não se deram ao luxo de retirar placas da campanha eleitoral finalizada em outubro, desrespeitando normas e contribuindo com a poluição visual já provocada por outras situações. O drama de Araraquara é o mesmo vivenciado pela maioria das grandes ou cidades de médio porte. Há um excesso de elementos relacionados à comunicação visual, como placas e cartazes distribuídos nas áreas urbanas, especialmente em centros comerciais. Mas não é só. Observa-se também a poluição visual em algumas atuações humanas sem estar ligadas necessariamente à publicidade como o grafite, fios de eletricidade e telefônicos, os edíficios com falta de manutenção, o lixo exposto não orgânico e outros resíduos urbanos. No caso da Avenida 36 por exemplo, os postes emporcalhados e o exagero de placas publicitárias preocupam, pois promovem um desconforto visual; o excesso faz com que as cidades modernas fiquem mais saturadas, desvalorizando-as e tornando-as apenas num espaço de promoção do fetiche e das trocas comerciais capitalistas. O problema não é a existência da propaganda, mas o seu descontrole. Por muito tempo, a publicidade integrou a paisagem das cidades, mas hoje percebe-se um exagero que funciona como um fator de degradação. A poluição visual acontece quando, com tantas referências acumuladas, as pessoas não têm mais noção de espaço, prejudicando sua percepção e atrapalhando a circulação dos cidadãos. Certos municípios, quando tentam revitalizar regiões degradadas pela violência e pelos diversos tipos de poluição, baixam normas contra a agressividade visual, determinando que as lojas e outros geradores desse tipo de poluição mudem suas fachadas a fim de tornar a cidade mais harmônica e esteticamente agradável ao habitante e visitante. As cidades - e Araraquara é um exemplo bem aos nossos olhos - apresentam um grande número de cartazes publicitários, os quais, juntamente com a concentração de edifícios e a carência de áreas verdes, constituem uma área de extrema poluição visual que degrada o meio ambiente. Uma das maiores preocupações sobre a poluição visual em vias públicas de intenso tráfego, é que ela também pode colaborar para acidentes automobilísticos. Em alguns casos esse total descontrole põe em risco a vida das pessoas já que muitas faixas e propagandas são colocadas em cruzamentos de avenidas, confundindo com as suas cores vermelhas, a sinalização de trânsito. No ano passado, até que a Câmara Municipal se empenhou em criar regras visando conter o avanço do emporcalhamento da cidade e olhando a Avenida 36 neste momento, percebe-se que as tentativas passaram pelos vãos dos dedos e a convivência com a colagem de cartazes em postes e o volume de placas publicitárias instaladas, caminham por ruas e avenidas que deverão ser olhadas por culturas diferenciadas se a Copa do Mundo chegar até nós. Até lá muita coisa pode mudar. Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni Supervisora Editorial: Sônia Marques Redação: Rosane D’Andrea Depto. Comercial: Gian Roberto, Silmara Zanardi, Heloisa do Nascimento e Osias Moraes Design: Mário Francisco, Carolina Bacardi e Fernando Oprime Tiragem: 5 mil exemplares Impressão: Grafinew - (16) 3322-6131 A Revista Comércio & Indústria é distribuida gratuitamente em Araraquara e região INFORMAÇÕES ACIA: (16) 3322 3633 COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE Fone/Fax: (16) 3336 4433 Rua Tupi, 245 - Centro Araraquara/SP - CEP: 14801-307 marzo@marzo.com.br

[close]

p. 5



[close]

p. 6

reportagem de capa A ARAQUIMICA na Via Expressa, 656 ARAQUIMICA SUA CASA AGRADECE, SUA EMPRESA PRECISA Uma empresa voltada para a qualidade dos produtos que comercializa, mostra seu crescimento e assegura que valeu a pena a série de investimentos realizados ao longo de 8 anos de atividades em Araraquara. Com espírito empreendedor, os fundadores Cesar Augusto Martins, Silvana Gomes Martins e Rosa Chiconato Gomes acreditaram na ideia de montar uma loja para comercializar produtos de limpeza. Foi assim que em fevereiro de 2005, inauguraram a Araquimica Produtos de Limpeza e Descartáveis. No início, a loja era localizada na Rua Gonçalves Dias, 31, em um imóvel de cerca de 300 m², e comercializava apenas produtos de limpeza. Depois vieram os descartáveis e uma série de outros produtos, de acordo com as exigências de mercado. Em pouco tempo, a empresa precisou de um espaço maior para melhor atender seus clientes e mudou-se em 2007, para o endereço atual. Hoje ocupa uma área de aproximadamente 1.200m². Desde então, a companhia se consolidou na comercialização de produtos de qualidade com preços competitivos aliados a um atendimento sério e personalizado. É uma das mais conceituadas no segmento de limpeza em geral. A Araquimica conta com uma linha completa de produtos de limpeza, utilidades domésticas em geral, tratamento de piscinas, limpeza de carros, polimento, cristalização, descartáveis, linha completa para tratamento de piso, matéria-prima e essências específicas para o desenvolvimento de produtos de limpeza, tanto para empresas até a dona de casa. “Atendemos Os serviços são realizados com o padrão de segurança exigido pelas normas que controlam o setor

[close]

p. 7

Uma empresa tipicamente familiar à frente da ARAQUIMICA: Cesar Augusto Martins, Silvana Gomes Martins e Rosa Chiconato Gomes desde a dona de casa até a pessoa jurídica”, conta Cesar Martins. DINO - O GRANDE DIFERENCIAL Há um ano a empresa assumiu um novo desafio e apresentou ao mercado consumidor sua própria marca. O nome escolhido foi Dino, representado por um simpático mascote que estampa os rótulos das embalagens. Foi um grande passo e o lançamento conduziu a empresa à posição de indústria por fabricar uma linha com os seguintes produtos: Desinfetantes, amaciante, detergente, alvejante sem cloro, água sanitária, limpadores perfumados, sabão líquido e multiuso. Os pro- dutos são acondicionados em embalagens de 5, 20 e 50 litros. A Araquimica amplia de maneira constante sua linha de produtos, todos desenvolvidos com os padrões de qualidade e competitividade exigidos pelo mercado, que norteiam suas ações há 8 anos. INOVAÇÃO: LABORATÓRIO COM TODA CERTIFICAÇÃO Para desenvolver a linha Dino, a Araquimica montou seu laboratório com uma infraestrutura perfeita. “Seguimos todas as exigências da ANVISA, Vigilância Sanitária, CETESB, CRQ - Conselho Regional de Química e conseguimos todas as licenças e registros necessários, o que garante o rígido Visão parcial do showroom controle de qualidade”, relembra Cesar. Além disso, o laboratório conta com um químico responsável e um técnico que trabalha diariamente na empresa. A Araquimica Produtos de Limpeza e Descartáveis está consolidada no mercado de Araraquara e região. A empresa atende clientes em São Paulo, São Carlos, Jaú, Bauru, Pederneiras, Boa Esperança do Sul, Santa Lúcia, Américo Brasiliense, Rincão, Matão e Nova Europa. Para tanto, conta com uma equipe de 16 profissionais especializados. A Araquimica Produtos de Limpeza e Descartáveis está localizada na Av. Via Expressa, 656, na Vila Suconasa. Para mais informações é só ligar para (16) 3333-9026 e (16) 3322-3823. Laboratório para análise e desenvolvimento de novos produtos a serem usados na limpeza

[close]

p. 8

palavra do presidente PRECISAMOS CONVERSAR MAIS COM OS EMPRESÁRIOS RENATO HADDAD Prezados amigos empresários É com muita alegria que volto a ocupar este espaço. Tudo tem passado muito depressa, tantos são os encargos com os quais nos ocupamos, realizando, muitas vezes, o trabalho de 2 ou até mesmo 3 pessoas dentro de nossas empresas. Pois bem, foi-se o Natal, o Reveillon. Foi-se janeiro. Independentemente dos números anunciados por quem detém os bancos de dados em nosso país, ficaram alguns setores com saldo positivo; outros, porém, não foram tão bem assim. Trabalhar pelo desenvolvimento das empresas de nossa cidade é um dever da nossa entidade. Mas, para que isso ocorra de uma maneira adequada, precisamos estreitar nossos relacionamentos, acima de tudo, conhecer a verdadeira realidade... Como já disse, vamos buscar, imediatamente, parceria com as universidades de Administração e Economia de nossa cidade e, com isso, trazer mais serviço e, principalmente, informação confiável. Temos que fazer algo e rapidamente. O Brics, segundo jornais, foi por água abaixo. Dizem que sobrou só o c, de China. Aí outras economias, incluídas a nossa, já não estão tão atraentes assim. Os cruzeiros marítimos, em 2012, ficaram 17% menores em relação a 2011; a inadimplência das empresas (atrasos entre 15 e 90 dias) fechou 2012 em 7.9%. Agora, faça as contas: com o pibinho do ano passado em 1% e inflação em 5.84% será que podemos realmente acreditar na consultoria quando afirmam ser possível crescer 3.5% este ano? A inflação, infelizmente está garantida = 5.5% Precisamos conversar mais com os empresários, principalmente os das lojas físicas. Estou, juntamente com nossos diretores, à disposição. Queremos conversar por setores, manter uma troca de informações. Fale conosco pelo telefone ou pelo email aciaararaquara@sunrise.com.br para que possamos, juntos, encontrar melhores caminhos para as empresas araraquarenses em 2013. Um abraço, Renato Haddad Obs.: O Núcleo de Confecções do Projeto Empreender está chegando. Já é um bom começo para as empresas do ramo. Renato Haddad, presidente da Associação Comercial e Industrial de Araraquara

[close]

p. 9

revitalização LOJISTAS DO CARMO COMEMORAM VERBA Comércio da Avenida Sete festeja aprovação do novo visual do corredor e as melhorias já provocam abertura de licitação para início das obras. O desgaste econômico da Avenida Sete de Setembro começou com a duplicação da Washington Luis nos anos 60 e a falta de apoio da classe política para proteger um comércio tão tradicional O presidente da Associação Comercial e Industrial de Araraquara, Renato Haddad, recebeu na primeira quinzena de janeiro a boa notícia: o departamento técnico da Caixa Econômica Federal aprovou o projeto de revitalização do Centro Gastronômico de Araraquara no trecho da Avenida Sete de Setembro entre as ruas Humaitá e João Gurgel. O aporte de R$ 800 mil é oriundo do Ministério do Turismo. Em fevereiro do ano passado, Renato Haddad chegou a comentar que o objetivo da ACIA era de favorecer os lojistas e fazer ressurgir um dos mais importantes corredores comerciais da cidade. O prefeito Marcelo BarbieA futura Avenida Sete de Setembro de acordo com o novo projeto. Para Renato Haddad, é uma via histórica e de grande potencial econômico ri recebeu com otimismo a notícia que marca o início do novo mandato com uma obra que fomentará a economia do setor gastronômico e o turismo em um ponto tradicional da cidade. “A Caixa Econômica é uma instituição séria que tem sido uma parceira fundamental para o desenvolvimento da economia de Araraquara, aprovando obras importantes como núcleos habitacionais, recuperação do Gigantão e fomentando o roteiro gastronômico e comercial da Sete de Setembro”, afirma o prefeito. Segundo o presidente da ACIA, o próximo passo é a Prefeitura abrir o processo licitatório para definir a empresa responsável pela revitalização. Se a licitação correr bem, sem nenhum entrave recursal, a obra poderá ser iniciada em aproximadamente 60 dias. O projeto aprovado pela Caixa contempla melhorias no piso, alargamento das calçadas, instalação de bancos, floreiras e adequações para acessibilidade, estando sob responsabilidade da arquiteta Marcela Raimundo. Diz ela que as calçadas terão piso intertravado ecológico e os pontos de ônibus serão modernos. A melhoria no trânsito está sob a coordenação do engenheiro Coca Ferraz, que prevê a instalação de novas torres semafóricas com temporizadores. Em 2012 durante reunião do Orçamento e Participação para Todos, Renato Haddad conseguiu incluir no programa uma outra verba de R$ 110 mil no pacote de melhorias, beneficiando os lojistas dessa importante e tradicional avenida. PLANTA BAIXA

[close]

p. 10

confraternização ACIA ENCERRA 2012 COM SALDO POSITIVO A atual diretoria revitalizou a ACIA e em reunião festiva avaliou o trabalho feito no ano passado. Com extensa folha de benefícios oferecidos aos seus quase mil associados, a ACIA atingiu nos últimos anos elevado grau de admiração e respeito junto à classe empresarial. O presidente Renato Haddad e sua diretoria, responsáveis pela implantação de inúmeros serviços, entendem que a associação cumpre com êxito seu papel de não apenas defender os ideais empreendedores, mas acima de tudo, proporcionar aos empresários a oportunidade de convivência mais ampla com as constantes mudanças provocadas pela globalização: “Micro e pequenos empresários necessitam de informações e orientações rápidas para se ajustarem à realidade empresarial e é em cima disso que estamos trabalhando”, assegura Renato Haddad. Para ele, é indispensável a união da diretoria e o apoio das empresas associadas, que só nestes últimos 3 anos passaram a contar com a implantação da SERASA na ACIA, instalação de um Posto de Atendimento para Certificação Digital, criação da Universidade ACIA para realização de cursos, palestras, workshops visando proporcionar orientação e capacitação aos empresários e seus colaboradores, Clube de Benefícios, disponibilidade de consultores para avaliação da saúde administrativa da empresa, consultas jurídicas aos empreendedores (AdvocACIA), Banco de Talentos para facilitar a contratação de profissionais, Programa Empreender e outros serviços. Os diretores Luis Alberto Ferreira, Antônio Junquetti, Dagmar Bizzinotto Ribeiro, Teresa Smirne, Adélcio Carlos Magrini, Edes Dalmo de Oliveira, Carlos Renato Segura, Roberto Abud, Geraldo Luis Tampellini, Marcelo de Mattos Frigo, Damiano Barbiero Neto, Ademar Ramos da Silva, Renato Haddad e José Janone Júnior Luis Alberto Ferreira, proprietário da Carpet Lar com seus filhos Lucas e Leandro e a esposa Luciene durante o evento organizado pela ACIA Alexandre Luis Borsari, a esposa Leiris e os filhos Guilherme e Gabriela; Marlene e Henrique Borsari; Márcia e Antônio Luis Borsari

[close]

p. 11

São ações deste porte que mostram a força de uma entidade e que caminha para comemorar 79 anos em junho. A ACIA carrega um passado de glórias e uma elevada parcela de contribuição na construção da cidade. A classe empresarial é a vida de um município, pois gera empregos e divisas; a união é o caminho para que o fortalecimento incentive os empreendedores a preservarem os ideais que vêm dos nossos antepassados. A anfitriã Catarina Oliveira, Gláucia Santiago (EPTV São Carlos) e os seus pais Cristina e Fábio Santiago, ele presidente da Beneficência Portuguesa O anfitrião Edes Dalmo de Oliveira com sua filha Alessandra e o genro Carlos Capaldo. À direita, José Janone Júnior e a noiva Graziela Sponhardi Roberto Abud, a filha Isabela e a esposa Luzia; à direita, Carlinhos Segura, a esposa Marina e o médico Luis Fernando Viviane (genro de Catarina e Edes)

[close]

p. 12

A loja localizada na Avenida Feijó, esquina com a Via Expressa Gente da Nossa Terra Homenag em do gente da nossa terra ARTE E SONHO, PARA DEIXAR AS CRIANÇAS SEMPRE NA MODA O SINCOMÉRCIO presta nesta edição uma singela homenagem à ARTE E SONHO, loja especializada em confecções, com foco exclusivo na linha infantil, sendo um orgulho para o nosso comércio. Um dos assuntos mais apaixonantes para as mamães é de como será a decoração para o quarto de seu bebê, escolher os lençóis do berço, as toalhas de banho, as roupinhas e os acessórios com todo carinho. A empresária Márcia Maria Perez, proprietária da Arte e Sonho, conhece bem esse universo. Tudo começou em Lins, cidade onde Márcia morava com a família. A mãe Maria Ana Vendruscolo Perez, uma bordadeira de mão cheia, e a irmã Sandra trabalhavam juntas na confecção de enxovais para bebês e noivas. “Resolvemos montar uma loja, que começou na garagem da casa da minha irmã. Vendíamos um pouco de tudo: os bordados, armarinhos, roupas”, lembra. Mais tarde decidiram focar apenas em roupas de bebês e assim, há 18 anos, nascia a Arte e Sonho, em Lins, que transformou-se rapidamente em grande sucesso dentro do comércio. Os lançamentos e as tendências da moda infantil como lindos conjuntos, vestidos e camisas passam constantemente pela ARTE E SONHO

[close]

p. 13

Quando conheceu Marcelo de Mattos Fogolin, seu esposo, Márcia não imaginou as voltas que a vida daria. Começaram a namorar e casaram-se no dia 13 de abril de 2002. Por conta de seu trabalho, Marcelo optou por se transferir para Araraquara e tempos depois o casal fixou residência na cidade. “A loja era minha vida. Eu adorava o que fazia”, afirma. Formada em Matemática ela continuou lecionando, mas o comércio falou mais forte em seu coração. Começou a procurar um ponto para abrir a Arte e Sonho aqui, dando preferência logicamente à região central. Encontrou no endereço atual o imóvel perfeito. Com local privilegiado, grande visibilidade e depois de passar por uma grande reforma, a Arte e Sonho foi inaugurada, em novembro de 2003, preparando-se para comemorar portanto, 10 anos de atividades, sempre marcados pelo sucesso. Márcia conta que é uma continuidade e a realização de um sonho, apesar de estar em uma cidade maior e que ela não conhecia. Na época, não existia uma loja especializada em artigos para bebês. Começou com a linha de enxoval para bebês, de fabricação própria, roupas e moda infantojuvenil. Aos poucos e de acordo com a necessidade, foi agregando mais produtos. Atualmente é possível encontrar uma enorme variedade, tanto na linha bebê quanto na infanto-juvenil. Márcia afirma que procura seguir as tendências da moda investindo nas melhores grifes. Entre elas, as marcas de roupas 1+1, Two In, Ferrovie, Fruto da Imaginação, Animê, Noruega, Baby Classic, Banana Danger, Nuk e de calçados, Pampili, Bibi e Toke. Também é possível encontrar carrinhos, cadeirinhas para carro, peças de de- Márcia Maria Perez e sua loja coração e tudo o que a cliente pensar, quando se trata de bebês e crianças. A loja participa da Mostra Atacadão da Construção, em Américo, com o quarto de bebê. “A decoração foi feita por nós, desde a roupa de cama do berço e da cama da babá, até as almofadas, quadros e demais ambientação”, explica. Márcia conta com as colaboradoras Luiza do Carmo Lourenço Zelante e Eliane Milhomen Dias do Amaral, especializadas no melhor atendimento às clientes. Para este ano, a empresária tem novidades. “Vamos ampliar a loja e começar a trabalhar com uma linha de móveis”, finaliza. Agradecemos a homenagem que o SINCOMÉRCIO nos faz, abrindo espaço para que possamos divulgar parte da nossa história (Márcia Maria Perez) Sempre preocupada com o conforto das crianças, a ARTE E SONHO representa marcas conceituadas na produção de calçados infantis, primando também pela preservação do nome da loja. E se o mundo fosse cor de rosa? É só você sonhar que a Arte e Sonho realiza... ATENDIMENTO ARTE E SONHO AVENIDA FEIJÓ, 84 ESQUINA COM VIA EXPRESSA FONE: (16) 3331 5700

[close]

p. 14

EM 2012 O VALOR DA CESTA BÁSICA NA CIDADE CRESCEU QUASE 8% EM 2012 Não poderia ser diferente: o valor médio da cesta básica em dezembro acaba atingindo maior patamar e aumentando R$ 30,35 no fechamento de 2012. Jaime Vasconcellos O valor médio da cesta basica araraquarense cresceu 7,83% em 2012. A pesquisa de dezembro mostrou, ao mesmo tempo, que o valor médio da cesta atingiu seu maior patamar desde sua retomada em dezembro de 2011 e fechou em R$ 417,70. Tal cifra é 3,55% maior que o observado na quarta semana de novembro, quando o valor médio dos 10 supermercados pesquisados chegou a R$ 403,40. Em relação Na pesquisa coordenada por Jaime à pesquisa de dezembro de 2011, quando o Vasconcellos, dentre os 31 produtos valor total médio da cesta era de pesquisados, 17 apresentaram alta nos R$ 387,35, a diferença em valores monepreços e os restantes 14 uma queda tários chega a R$ 30,35. Segundo o economista Jaime Vasconcellos, que é coordenador do Núcleo de Economia do Sincomécio e pesquisador do Núcleo de Conjuntura e Estudos Econômicos da UNESP local, na comparação dezembro/novembro, por grupos, observa-se que a Alimentação e Limpeza Doméstica cresceram, respectivamente, 4,48% e 2,18%. Por outro lado, o grupo de Higiene Pessoal sofreu queda de 0,29% na comparação dezembro/novembro. Ele lembra que a Alimen- O arroz e o feijão ficaram mais caros na mesa tação representou 75,10% do do consumidor araraquarense em 2012 valor total médio da cesta básica, em dezembro. Dentre os 31 produtos pesquisados, 17 apresentaram alta nos preços e os restantes 14, uma queda. Em valores percentuais, as mercadorias que obtiVariação do veram maior variação positiva foram: batafrango inteiro ta (+70,77%), cebola (+29,46%) e o franfoi de 14,29% go inteiro (14,29%). Antagonicamente, o biscoito de Maisena (10,71%), a carne de segunda (9,38%), o alho (5,46%) e a linguiça (5,24%) tiveram as maiores quedas percentuais nos valores médios pesquisados. Em valores monetários, a batata sofreu o maior aumento (+R$ 4,14) e a carne de segunda, a maior queda (R$ 3,77).

[close]

p. 15

Renato Haddad, presidente da ACIA empreender NÚCLEO ESPECIAL PARA O COMÉRCIO VAREJISTA O Programa Empreender da ACIA entra no quarto segmento, envolve 35 empresas e cerca de 50 empreendedores. A ACIA retoma no dia 19 de fevereiro, terça-feira, às 19h30, o Programa Empreender em Araraquara. Com empresários de um mesmo segmento, buscam-se alternativas para o fortalecimento da classe em que atuam. Desta feita, o encontro será com empreendedores do varejo. Segundo Renato Haddad, presidente da ACIA, este é um programa que visa fortalecer as MPEs através de ações que contribuirão para o desenvolvimento socioeconômico, principalmente na geração de empregos. “A cada dia vivenciamos um mercado mais competitivo, dinâmico e globalizado, e muitas empresas de pequeno, médio e até grande porte, correm o risco de fecharem suas portas por não se adequarem às novas exigências do mercado. Cada vez mais a necessidade de renovação e a procura por soluções eficazes são realidades O objetivo da ACIA é formar um núcleo destinado aos lojistas diárias para o empreendedor”, comenta o presidente da ACIA. O empreendedor que adere ao Empreender, obtém resultados significativos, como o crescimento dos negócios, desenvolvimento dos trabalhos de capacitação e geração de vendas, agilidade na administração e benefícios junto a fornecedores, como descontos e concessões. Neste ano o Empreender traz uma proposta inovadora, pois estimula os empresários a se autoorganizarem e a definirem as suas demandas. O funcionamento de um Núcleo Setorial é realizado identificando-se os problemas e as necessidades dos participantes; troca de informações, priorização de ações, decisão sobre atividades de treinamento e consultoria, negociação com fornecedores e clientes sobre bens e serviços; busca de soluções em conjunto, marca única; logística de distribuição conjunta, missões técnicas e comerciais, além de participação coletiva em feiras. A palestra do dia 19 no auditório da ACIA deve focar também a importância das mídias sociais nas pequenas empresas do comércio varejista. Para o presidente da ACIA, Renato Haddad, as mídias sociais devem ser vistas como uma moderna ferramenta de marketing, garantindo o sucesso de vendas das empresas. São ações que na opinião do dirigente, contribuem para que a empresa dentro do seu ramo de atuação, se organize e ganhe força no mercado. No ano passado a ACIA formou 3 núcleos: Reparadores Automotivos, Beleza e Estética e Marcenaria, todos em plena atividade e vivendo uma nova realidade organizacional. Dos Reparadores Automotivos fazem parte as oficinas mecânicas, autocenters e outras empresas agregadas ao segmento; Beleza e Estética é um núcleo que reúne profissionais, esteticistas e cabeleireiros; as Marcenarias, segundo Felipe Boldrin, formam um dos setores mais fortes com cerca de 10 empresas participantes no movimento. Além do comércio varejista, núcleo que começa a ser implantado a partir de agora, outros setores já se manifestaram para participar do Empreender. ATRI FIAT

[close]

Comments

no comments yet