Revista Comércio & Indústria - Dezembro/2009

 

Embed or link this publication

Description

Revista Comércio & Indústria - Dezembro/2009 - Ano 4 - Nº 53

Popular Pages


p. 1

Dezembro/2009 • Ano 4 - N° 53 CARTA 991.223.042-4DR/SPI PIPOCOPOS VILA XAVIER A PIPOCOPOS OCUPA O LUGAR QUE A VILA MERECE Ao comemorar 30 anos de atividades no comércio local, a Família Deliza inaugura uma unidade da Pipocopos na Vila Xavier, bairro em que Genesio Deliza viveu e construiu sua vida. A filial ocupa o antigo prédio da Cooperativa Nestlé, uma área de 600 m², disponibilizando mais de nove mil itens entre artigos de festa, limpeza, descartáveis e alimentação.

[close]

p. 2



[close]

p. 3



[close]

p. 4

O Grupo Stuchi instalou sua nova sede em um moderno prédio na Rua Carvalho Filho (Zero), 632, esquina com a Avenida Prudente de Moraes SERVIÇOS GRUPO STUCHI, SINÔNIMO DE TRANQUILIDADE E SATISFAÇÃO Nome consolidado no ramo imobiliário desde 1995, o GrupoStuchi cresceu e acaba de inaugurar sua nova sede, agregando diversos serviços de qualidade a serem oferecidos para Araraquara e região, em arrojado projeto. Sob o comando dos quatro sócios: Domingos Stuchi Júnior, Nedilson Luiz Britto, Nelson Luiz Bergamim e Wilmar Alves Lima, o GrupoStuchi idealizou um novo projeto de trabalho, com o objetivo principal de garantir para Araraquara, uma prestação de serviços de qualidade e eficiência em cinco áreas específicas. STUCHI CONDOMÍNIOS Desde 2006 o GrupoStuchi trabalha com administração de condomínios; nessa nova fase o leque de opções no setor foi diWilmar Lima, sócio do GrupoStuchi versificado. Pensando em fatores como tempo, organização e facilidades, o GrupoStuchi oferece uma assessoria completa ao síndico, com padronização de balancetes e relatórios, redução de despesas operacionais, transparência na prestação de contas, redução de riscos trabalhistas e legais, entre outros. De acordo com Wilmar, a Stuchi Condomínio é a melhor opção para auxiliar o síndico, que na maioria das vezes por ser também um profissional em outra área, acumula e se desgata muito com as questões condominiais. Outra grande vantagem desse serviço é a Consulta Online disponível para todos os condôminos, com senhas personalizadas. Através desse recurso, é possível estar atualizado em relação a todas as decisões que envolvem o condomínio e também tirar dúvidas ou fazer sugestões. Atualmente, Araraquara conta com cerca de 120 condomínios entre verticais e horizontais; o GrupoStuchi já é responsável pela assessoria de 40% desse total. “Atendemos a todos os tipos de estrutura de moradia condominial, sem diferenciação entre os pequenos, médios ou grandes empreendimentos”, comenta Wilmar. STUCHI CONTABILIDADE Outro setor da empresa é a Stuchi Contabilidade que organiza a vida empresarial do seu negócio, permitindo a movimentação do patrimônio das empresas de acordo

[close]

p. 5

Recepção do GrupoStuchi Os sócios que hoje administram uma das mais conceituadas empresas do setor: Nedilson Britto, Wilmar Lima, Domingos Stuchi e Nelson Bergamim com os acontecimentos diários. “Oferecemos ao empresário uma assessoria contábil completa. Temos dois contadores de 25 e 30 anos de experiência na área. Hoje, com a “Super Receita” o empresário precisa tomar a decisão correta sobre os rumos de seus negócios, a fim de evitar qualquer problema futuro”, reforça o sócio do GrupoStuchi. STUCHI IMOBILIÁRIA Com 14 anos de profundo conhecimento do mercado imobiliário, a Stuchi Imobiliária passa a essa nova fase com a mesma credibilidade e respeito de sempre. “Nossa especialidade é a carteira de clientes fidedigna, orientação para o proprietário sobre seu imóvel, a melhor escolha de seu inquilino. Queremos que nosso cliente tenha a tranquilidade em saber que nossa empresa zela pelo seu patrimônio”, explica Wilmar. A Stuchi Imobiliária é responsável pela compra, venda e aluguel de imóveis tanto na área urbana quanto rural. O objetivo é negociar com tranquilidade e satisfação. STUCHI SERVIÇOS de contratos e orientações legais, sempre com a supervisão do departamento jurídico do GrupoStuchi nas áreas de Direito Imobiliário, Civil e Trabalhista. Neste segmento, o GrupoStuchi também disponibiliza uma prestação de serviços diferenciada. Ela oferece mão de obra terceirizada com pessoal capacitado nas funções de porteiros, faxineiras, zelador, além de reformas, pintura e manutenção. Todos esses profissionais passam por treinamento antes de serem inseridos no mercado de trabalho. STUCHI TRIBUTÁRIO Com equipe altamente especializada e consultores na área tributária, esse setor do GrupoStuchi tem como objetivo trazer resultados através de planejamento tributário, visando reduzir o passivo de tributos. Atenção especial a soluções para problemas gerados pelos órgãos públicos em desfavor das empresas. “Entramos na área tributária porque esse nosso conjunto de serviços requer esse conhecimento. Fazer um planejamento tributário correto credibiliza as empresas e os negócios”, diz Wilmar. NOVA ESTRUTURA pliou seu espaço físico e inaugurou em novembro sua nova sede na Rua Carvalho Filho, 632. A recepção é voltada para o atendimento ao público. Em um espaço amplo, moderno e confortável, os clientes são atendidos com rapidez, profissionalismo e competência. No segundo andar foi instalada a parte organizacional da empresa. Com equipamentos modernos em ambiente planejado, os profissionais realizam todos os processos administrativos. Por fim, conta ainda com um ambiente reservado para o treinamento da equipe. Atualmente 22 funcionários integram o GrupoStuchi; somados a eles, estão mais 35 profissionais terceirizados. Toda a equipe tem conhecimento e formação nas áreas de administração de empresas, contabilidade e direito. Além disso, um corpo jurídico formado por quatro advogados orienta decisões e soluções de problemas enfrentados pelos clientes. Todos os colaboradores seguem quatro princípios fundamentais do GrupoStuchi: qualidade, eficiência, comprometimento e competência. “Trabalhamos pautados nos nossos ideais e respeitando acima de tudo nossos clientes”, finaliza Wilmar. Esse braço da empresa abrange serviços como cobranças, assessoria na elaboração ATENDIMENTO GRUPO STUCHI Rua Major Carvalho Filho, 632 Fone: (16) 3114-8000 Site: www.grupostuchi.com.br Ao somar serviços, o GrupoStuchi am- Moderna estação de trabalho para os funcionários do Grupo Espaço amplo utilizado para treinamentos

[close]

p. 6

do editor ponto de vista Valter Merlos - Presidente Ivan Roberto Peroni PRÊMIOS OU DIPLOMAS raraquara tem sido A porsob a chancela deeleita nos últimos anos empresas, principalmente de fora, que agindo pesquisadoras do mais alto nível, acabam iludindo empreendedores, transformando-os em líderes de mercado e notáveis, ou então, os consagram pelo que dizem em - vontade popular. Uns compram a homenagem por absoluta questão de vaidade, gostam da exposição pública; outros, compram mesmo sabendo em seu íntimo, que o concorrente é melhor. Em sendo de outras cidades de São Paulo ou até mesmo de outros Estados, o vendedor de diploma de consagração pública faz o seu papel: subestima empresas com certificação de qualidade e torna pequenos empreendedores em top de linha internacional. Frear a vaidade numa circunstância dessas é muito difícil pois isso está no próprio ser humano: para quem vende e para quem compra. Contudo, seria importante que empresas da cidade coordenassem essa ação, através de uma política promocional séria e responsável, sem a ilusão de que, um simples diploma pendurado na parede vai mudar o rumo do seu trabalho. Espertalhões existem: agem e partem, sem imaginar os rastros que foram deixados pelo caminho. Capa Foto: C. A. Tucci ACESSO DOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIAS ÀS LOJAS DEVE SER FACILITADO Dentre inúmeros fatores alarmantes ensibilizar os comerciantes da encontrados, destaca-se o problema da Rua Nove de Julho, principalacessibilidade, que apresenta um amplo mente no trecho que compreencampo para melhorias, considerando-se de o Boulevard, para facilitar o acesso esta área como pré-requisito para a intede deficientes físicos às lojas, é uma ração de pessoas com deficiências na das ações de caráter social, que vem sociedade. mobilizando a ACIA e a nossa SecretaBaseada na Lei Federal 10.098, de ria de Desenvolvimento Econômico. O dezembro de 2000, que prevê a adequaacesso da rua até a calçada já existe em ção dos espaços à pessoa portadora de pontos estratégicos, porém, a entrada à deficiência nas Normas 9050 e 13094 da loja, é que tem sido muito difícil. Associação Brasileira de Normas TécniDentro do universo das deficiências, cas e, principalmente na vivência diária o portador de deficiência física motora é das pessoas portadoras um dos indivíduos mais forde deficiência, este movitemente penalizados pela mento de conscientização falta de acessibilidade do Quase a totalidade das da ACIA e da Secretaria espaço urbano e edifica- nossas casas comerciais de Desenvolvimento, verdo, pois sua mobilidade de- ainda não se adaptou, sa sobre o conceito de um pende do uso de cadeira apresentando vários desenho universal em de rodas e o ambiente probremas de que todo espaço deve ser construído ainda está mui- acessibilidade dentro e projetado, levando-se em to pouco adaptado para ga- fora dos prédios. consideração a diversidarantir o seu direito de ir e de que o ser humano aprevir. senta, desde as crianças, os idosos, os Quase a totalidade das nossas camais altos ou mais baixos, os obesos, sas comerciais ainda não se adaptou, até os portadores das mais diversas defiapresentando vários problemas dentro ciências. e fora dos prédios. O acesso proporcioA plena acessibilidade é conseguida naria uma melhora significativa na qualiatravés de adaptações e detalhes, itens dade de vida dos deficientes motores, considerando suas limitações físicas, in- que pouco encarecem uma construção, mas que representam um salto enorme formativas e sociais, a partir do momenpara a humanidade: o respeito indivito que esteja projetada adequadamente dual. de modo a contemplar sua segurança e Temos certeza que a classe emconforto. preendedora da cidade, principalmente Nos últimos 30 anos várias iniciatidaqueles que atuam no boulevard, sabevas, programas e planos de ação foram rão compreender a importância do pedidesenvolvidos com o objetivo de melhodo, pois além do benefício aos portadorar a vida de pessoas com algum tipo de deficiência. Em 2006, já foi possível des- res de deficiência, é preciso compreender que eles também são consumidores, crever um cenário geral da situação de pessoas com deficiência em todo o mun- porém precisam encontrar facilidades do. Embora tenham sido identificados al- no seu acesso a um estabelecimento comercial. Temos que olhar, sem dúvida, o guns progressos nesta área, em muitos desenvolvimento do município, mas vacasos, a intenção de gerar melhorias é lorizar o consumidor em seu todo. muito maior que a ação em si. S É SÓ ENTRAR E FAZER A FESTA Crescimento com qualidade e pautado pela modernidade, são estratégias utilizadas por Genesio Deliza e seus filhos Antônio, Marcelo e Cláudia, à frente da Pipocopos e Casa Deliza. Uma linda história de trabalho que chega aos 30 anos. EDIÇÃO N° 53 - DEZEMBRO/2009 Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni Supervisora Editorial: Sônia Marques Assistente Editorial: Michele Rampani Depto. Comercial: Gian Roberto - Sebastião Barbosa Designer: Bete Campos, Mário Francisco e Carolina Bacardi Impressão: Gráfica Bolsoni - (16) 3336 9008 A Revista Comércio & Indústria é distribuida gratuitamente em Araraquara e região INFORMAÇÕES ACIA: (16) 3322 3633 COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE Fone/Fax: (16) 3336 4433 Rua Tupi, 245 - Centro Araraquara/SP - CEP: 14801-307 marzo@marzo.com.br

[close]

p. 7



[close]

p. 8

ECONOMIA O QUE FAZER COM O 13° SALÁRIO O 13º salário já está no bolso dos brasileiros. Em Araraquara, de acordo com cálculos do Núcleo de Conjuntura Econômica, da Universidade Estadual de São Paulo (UNESP), mais de 66 mil trabalhadores formais, com média salarial de R$ 1.300,00, devem injetar cerca de R$ 90 milhões no comércio local. Para o professor do Departamento de Economia da Unesp e coordenador do Núcleo, Elton Eustáquio Casagrande, o 13º salário é um beneficio social importante para a organização, especialmente, dos assalariados e das famílias brasileiras. Ele aponta dois aspectos que podem pesar na hora de definir como essa renda extra deverá ser gasta. “Em geral esse salário extra é direcionado para aquisição de bens que ao longo do ano, as pessoas não tiveram condições de comprar; ou é utilizado, justamente, para quitar o empréstimo ou financiamento feito para adquirir o bem de interesse”, explica. Entretanto, pondera Elton, o destino dessa renda vai depender, Professor Elton sobretudo, das exreforça que pectativas futuras planejamento é importante para de cada indivíduo utilizar bem o 13º ou família. “O que se espera do pró- ximo ano deve ser levado em consideração. Por isso, é recomendável analisar todas essas possibilidades antes de usar o 13º em qualquer outro gasto. O planejamento é muito importante”. Contudo, a época do ano é convidativa aos gastos e esse salário extra foi fixado nesse período para garantir ao trabalhador as despesas extras do final do ano. “Com uma renda a mais, o indivíduo reage ao estímulo do comércio para as compras e aproveita as oportunidades de bons negócios”, reforça o economista. Para o comércio em geral, fica a expectativa de que boa parte desses recursos seja direcionada às compras de Natal e gastos do início do ano. Uma pesquisa realizada pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac) apontou que 64% dos trabalhadores gratificados com o 13º salário planejam utilizar o dinheiro para o pagamento de dívidas. “O pagamento de dívidas é sempre uma preocupação para aquele que está negativado, que tem histórico de débito e quer saldar a sua condição. Esse é o foco para quem quer retornar às linhas de crédito tradicionais” explica Elton. Em contrapartida, apenas 1% dos entrevistados disseram que pretendem poupar o 13º salário. O dinheiro já está nas mãos dos trabalhadores, o importante é prudência e pensar muito bem antes de decidir por qual caminho seguir.

[close]

p. 9

Consumidores em Araraquara se encantam com os novos enfeites de Natal Personagens natalinos decoram os lares e enfatizam o espírito de paz COMÉRCIO CIDADE JÁ VIVE O CLIMA DE NATAL Papai Noel descendo pelos telhados, luzes coloridas nos jardins, guirlandas nas portas, árvores de Natal, enfeites e mais enfeites já traduzem o nosso espírito natalino. Os preparativos para a celebração natalina começaram há dois meses. Papai Noel, gnomos, presépios, guirlandas e árvores estão nas vitrines e prateleiras de lojas desde outubro. “Em 2009 os clientes começaram a procurar os artigos de Natal mais cedo; em outubro a loja já recebia bom movimento em busca dos produtos”, comenta a proprietária da Art Minha, Schirlei Amaral Santos. As novidades para a decoração desse ano são muitas e foram apresentadas na fei- ra do setor em maio, na capital. De acordo com Schirlei, a grande sensação é a neve artificial. “Os clientes adoraram; é um pó que deve ser hidratado com água, fica branquinho, gelado e lindo”, explica a empresária. Além disso, outros destaques são a árvore de Natal de teto e os enfeites de porta com luzes led. A variedade é muito grande e reforça a expectativa de um bom Natal. “Estamos esperando ótimas vendas pra esse ano; eu sinto um aumento na procura, a expectativa é de crescimento”, reforça Schirlei. As lojas de R$ 1,99 também se abastecem para essa época do ano e oferecem novidades a preços bem acessíveis. A gerente da Quase Dois, Marta Lessa Martins conta que espera-se um crescimento de 15% em relação as vendas do Natal passado. As apostas das lojas populares são pequenos enfeites para as árvores, bolas, luzes e presépios. “Diz o ditado que todo ano é preciso colocar um enfeite novo na árvore, então a variedade é sempre muito grande e para todos os gostos”, diz Marta. Quem não tem condições de gastar muito com uma nova decoração, a dica é repaginar os enfeites que já têm em casa. “As pessoas podem utilizar o que já possuem e agregar um novo detalhe, pois são muitas opções”, reforça Schirlei, da loja Art Minha. Papai Noel como sempre é atração nas lojas, com vários tamanhos e preços Árvore de teto, uma novidade neste Natal, está à venda em nosso comércio

[close]

p. 10



[close]

p. 11

Parceiros do Projeto Novos Centros: Antônio Deliza (SINCOMÉRCIO), Fábio Bonassi (Sebrae), Valter Merlos (ACIA), Fernanda Musto (Senac) e Fernando Ribeiro de Faria (CDL) com o palestrante Mauro Rinaldi NOVOS CENTROS VAREJISTAS INVESTEM MAIS DE 500 MIL EM PROJETOS O encontro em novembro, de comerciantes da Rua Nove de Julho e Avenida Sete, serviu para apresentação de casos de sucesso após a implantação do Projeto Novos Centros. O Sebrae e o Senac, em parceria com o SINCOMÉRCIO, a ACIA, CDL, SinHoRes e a Prefeitura Municipal, comemoram no SESC com mais de uma centena de empreendedores, o sucesso do Projeto Novos Centros, iniciativa das mais arrojadas que visa a revitalização dos principais corredores comerciais da cidade. O programa já atendeu a 330 micro e pequenas empresas de Araraquara. O Projeto Novos Centros, disse Fernanda Musto, gerente do Senac Araraquara, começou na Vila Xavier atendendo cerca de 150 empresas nos corredores comerciais da Alameda Paulista e Francisco Vaz Filho, atingindo depois empresas das ruas Nove de Julho e São Bento, e das avenidas Sete de Setembro e Padre Francisco Sales Colturato. De acordo com Fábio Bonassi, gerente do Sebrae, após a implantação do programa, as empresas na Avenida Sete e na Rua Nove de Julho sentiram-se beneficiadas com aumento de 8,5% no faturamento. Houve também aumento de 5% na geração de empregos. O projeto busca orientar os empreendedores a respeito da importância da organização visual das lojas, atendimento aos consumidores e controles gerenciais da empresa. O foco, disse Fernanda Musto, está no aspecto visual, item importante e que funciona como um dos principais cartões de visita do lojista. O empreendedor recebe orientações de como organizar eficientemente a vitrine, as prateleiras, fachadas e tudo aquilo que possa atrair o consumidor à loja. Durante o encontro, os empreendedores assistiram a palestra “Motivacional”, proferida pelo professor Mauro Rinaldi.

[close]

p. 12

REPORTAGEM DE CAPA PIPOCOPOS DA VILA: HORÁRIO DIFERENCIADO AOS DOMINGOS E FERIADOS DAS 9H ÀS 13H Pipocopos da Vila na Av. João Baptista de Oliveira, 220 - Fone 3322 8001 Genesio Deliza e o seu novo desafio PIPOCOPOS NA VILA XAVIER TAMBÉM NA VILA, VOCÊ ENTRA E FAZ A FESTA! Visão comercial e ousadia expressam a importante ação da Família Deliza que premia a Vila Xavier, seu bairro de origem, com uma unidade da Pipocopos, que está completando 30 anos de atividades. “É a realização do sonho de toda a família Deliza”. É assim que Genesio Deliza define a nova unidade da Pipocopos na Vila Xavier, inaugurada em 28 de outubro. Instalada em um prédio de 600m² (antiga Cooperativa Nestlé), a nova loja oferece à população da Vila Xavier e também de toda a cidade, mais de nove mil itens entre artigos de festa, limpeza, descartáveis e alimentação. Muito conceituada, a família Deliza se estabeleceu no comércio de Araraquara há A tradicional Pipocopos da Rua Nove Julho, 1330 (Fone 3303 8775) Laura e Marcela, netas de Genesio Deliza, com a vela dos trinta anos da loja A saudação de Genesio Deliza durante o evento de inauguração da Pipocopos 30 anos, quando em 1979 inaugurou a Comercial Pipocopos, na Rua Nove de Julho. Desde então, o envolvimento da família com o comércio contribuiu muito para o crescimento da cidade. Segundo Genesio, há alguns anos já existia o projeto de montar um negócio na Vila Xavier. “Nossas origens são todas da Vila Xavier, meus filhos nasceram aqui e sempre existiu a vontade de nos instalarmos no bairro”, reforça Deliza. Mas a oportunidade surgiu em 2009 com a aquisição do imóvel que por muitos anos abrigou a Cooperativa Nestlé. “O prédio nos foi oferecido e pareceu designo de Deus, porque como funcionário da Nestlé, fui o primeiro diretor gerente da Cooperativa”, relembra Genesio, que trabalhou na companhia por 25 anos. O estabelecimento passou por reforma e foi transformado em um espaço moderno, com corredores largos, sinalizadores internos e uma grande variedade de produtos. Além disso, um software foi adquirido para integrar as lojas ao centro de distribuição próprio, que também funciona na Vila Xavier. “Montamos uma loja arejada, bem distribuída, atraente, pois queremos oferecer o melhor para nossos clientes-amigos”, conta Genesio. O objetivo da Pipocopos é ocupar o lugar que a Vila merece, como dizia o slogan de inauguração. A Pipocopos da Vila oferece os mesmos produtos da loja matriz, entretanto, acrescidos de alguns itens de supermercado, além de um mix de “comida pronta”, com a intenção de levar praticidade aos clientes. A ideia de agregar novos produtos partiu da análise de pesquisa feita através do Projeto Novos Centros na região, que Visão parcial de um ponto mais alto mostra o interior da nova Pipocopos

[close]

p. 13

DEPARTAMENTOS DA NOVA PIPOCOPOS DA VILA Área destinada às bebidas Família reunida para comemorar o sucesso de mais um empreendimento em Araraquara: Toninho Deliza e a esposa Maribel, Cristina e o marido Marcelo Deliza, Genesio e Dirce, e Cláudia com o marido Eduardo Jakubowski apontou a demanda por essa variedade de serviços. Genesio ressalta ainda que a empresa está sempre atenta às necessidades dos clientes, agregando os produtos mais procurados pelos consumidores. Aproveitando essa oportunidade, o logotipo da Pipocopos foi modernizado e a loja ganhou linda campanha comemorativa de aniversário. COMO TUDO COMEÇOU A Pipocopos hoje é uma loja referência no comércio local. Norteada pela frase “Você entra e faz a festa”, a empresa é procurada pela diversidade de produtos que oferece. Mas, sua trajetória começou em 1979 quando Genesio Deliza adquiriu o armazém de secos e molhados Santa Cruz. Em algumas ocasiões, o empresário contou a origem do nome da empresa. Segundo ele, quando constituiu o comércio, lembrou-se de Tuffi Haddad que na época vendia produtos para pipoqueiros e como ele, Genesio vendia copos, criou o nome Pipocopos. Quatro caixas para o rápido atendimento A loja cresceu e se estabeleceu no comércio; Genesio, que mesmo com a inauguração da empresa continuou trabalhando fora, trouxe seu filho Antônio para ajudar na loja. Anos mais tarde, o outro filho, Marcelo, também se envolveu com a empresa e em 1990, Genesio passou a se dedicar integralmente à Pipocopos. O crescimento e aceitação do trabalho pela comunidade foi muito bom, e em 1995, a família inaugurou a Casa Deliza. O empreendimento também se consagrou como um grande sucesso e hoje, as empresas empregam cerca de 100 colaboradores, proporcionando emprego, renda e oferecendo sempre produtos e atendimento de qualidade. FAMÍLIA DELIZA Neto de italianos e filho do comerciante Antonio Deliza e de dona Rosa Célere, Genesio está casado há 50 anos com Dirce. Da união nasceram três filhos: Antônio; Marcelo e Cláudia e mais cinco netos. Antonio, Marcelo e a esposa Cristina estão administrando com competência e responsabilidade as três lojas da família. Por fim, a nova unidade da Vila Xavier vem, certamente, coroar uma história de três décadas de muito trabalho da família Deliza que aproveitando anuncia: aguardem, pois uma outra novidade vai surgir em 2010. Setor de especiarias da loja Parte reservada aos laticínios Os frios se completam com a salsicharia Motivos para decoração de festas

[close]

p. 14

Jefferson Catelani orienta a melhor forma de garantir uma aposentadoria segura PREVIDÊNCIA UM FUTURO PLANEJADO O brasileiro já percebeu que a melhor saída para garantir um futuro mais tranquilo é pensar já, na aposentadoria. Tem sido cada vez mais comum a realização de um plano de previdência complementar. Dados apontam que cerca de 14 milhões de pessoas já adquiriram o seu. Existem pelo menos três bons motivos para começar a pensar em uma aposentadoria particular e garantir tranquilidade financeira. Quem explica as razões é o corretor Jefferson Catelani. O primeiro grande motivo, segundo Catelani, é que a Previdência Social, do Governo Federal, apresenta um rombo de R$ 39 bilhões. Esse valor representa a diferença entre as contribuições feitas por quem está trabalhando e os pagamentos feitos aos segurados já aposentados. “A aposentadoria paga pelo Governo faliu, esse sistema já não atende mais a necessidade da população”, diz o corretor. Ele aponta também o momento de estabilidade econômica pelo qual o Brasil pas- sa. “Planejar a aposentadoria se faz cada vez mais necessário. Como a previdência é produto de longo prazo, o investidor deve pensar como chegar ao futuro com maior volume de recursos”. O terceiro fator é determinante para se pensar urgentemente em uma aposentadoria particular. O fato é que o brasileiro está vivendo mais. Para 2010 a expectativa de vida será de 73,4 anos e passará para 81,3 anos em 2050, segundo estimativa do IBGE. “Analisando esses fatores, vem a dúvida: será que o que acumulamos nos anos de trabalho será suficiente para vivermos bem por mais 10 ou 20 anos?”, questiona Jefferson, que dá a dica, “enquanto a reforma da Previdência Social não acontece, a melhor forma de garantir renda no futuro é investir na previdência privada”. Para definir qual o melhor plano de previdencia privada, é importante a orientação de um profissional da área. “A orientação é fundamental nessa escolha, porque é preciso traçar o perfil desse investidor, levantar qual é o seu interesse e necessidade”, comenta. Jefferson aponta duas opções de previdência. O primeiro é o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL), indicado para abatimento no Imposto de Renda (IR) para quem declara pela tabela completa. O segundo é o Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), indicado para pessoas que declaram o IR no formulário simplificado ou é isento. Ao optar pelo VGBL, o beneficiário passa a usufruir de uma vantagem especial. Segundo Jefferson, uma característica fundamental do programa é a questão sucessória, pois facilita a transferência de recursos aos dependentes. “Se acontece alguma eventualidade com a pessoa, os recursos socorrem a família, sem inventário e burocracia. Nesse dinheiro da Previdência, o Governo não pode mexer”, explica Jefferson Catelani. ATENDIMENTO: (16) 9788 0433 jeffersoncatelani@terra.com.br

[close]

p. 15

Paulo Rodrigues otimista com os novos projetos da CTA BALANÇO Companhia Tróleibus Araraquara comemorou 50 anos em 2009 A CTA ANUNCIA MELHORIAS PARA O TRANSPORTE EM 2010 O presidente da CTA, Paulo Rodrigues, em novembro fez uma breve retrospectiva do seu primeiro ano à frente da empresa e ressaltou as mudanças mais importantes até aqui. A expectativa é de um excelente 2010 para a CTA e seus usuários. A CTA completou em 2009, 50 anos de serviços na área de transporte público. Ao longo deste período, a empresa construiu uma história sólida e conquistou o reconhecimento da população. Em 2009, a empresa foi administrada por Paulo Rodrigues. “Um desafio muito grande, pois não conhecia os seus mecanismos; são mais de 600 funcionários trabalhando pela CTA”, comenta Paulinho, sempre elogiado por sua visão e forma ética em dirigir a empresa. Com o tempo, o conhecimento sobre a CTA foi sendo adquirido e assim, conseguiu identificar os pontos de ajuste melhorando a vida tanto dos funcionários como dos usuários do transporte público. Em um breve balanço sobre as ações da CTA em 2009, Paulinho destacou alguns pontos que considera importantes, entre eles: a reestruturação de algumas linhas; reforma no Terminal Central de Integração (TCI) e a implantação do Telecentro no Terminal Rodoviário. Os funcionários receberam atenção especial nas reformulações da empresa. A preocupação era melhorar a condição de trabalho. As alterações foram realizadas desde novas acomodações no TCI com a criação de uma sala para dar mais conforto e comodidade durante as trocas de turno até a reformulação das escalas e jornada de trabalho. Além disso, a CTA também iniciou um trabalho de prevenção contra acidentes de trabalho junto aos seus colaboradores. Mas o destaque de 2009 foi na área de segurança. A Companhia Tróleibus Araraquara instalou um moderno sistema de vigilância no Terminal Central de Integração para aumentar a segurança dos milhares de passageiros que circulam por dia no local. O sistema é composto por doze câmeras distribuídas pelo terminal que permitem o alcance de 100% da área. O objetivo do sistema, segundo Paulo Rodrigues, é aumentar a segurança do TCI. “Com o monitoramento 24 horas, poderemos identificar os infratores e acionar a polícia. Com isso, inibindo os casos de transgressões, os passageiros poderão circular com mais tranquilidade pelo Terminal”, explica. A Central de Monitoramento foi montada em outubro na sede da CTA, na Fonte Luminosa Para 2010, Paulinho ressalta que ainda há muito por fazer e está disposto a buscar recursos para viabilizar outras melhorias para os usuários do transporte público. “Pretendemos fazer alguns investimentos em compra de novos ônibus, cobertura de alguns pontos e readequar ainda mais as nossas linhas e para isso, vamos buscar apoio junto ao Governo Federal. A nossa meta para 2010, é que a CTA esteja presente na vida não só dos usuários mas de toda a cidade, proporcionando conforto, segurança e comodidade, finaliza Paulo Rodrigues. Central de Monitoramento na sede da CTA Visita ao Museu da CTA resgatou memória da empresa em 2009

[close]

Comments

no comments yet