Exemplo de Artigo Científico

velis ads
advertise here

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

o piano seresteiro de mignone uma abordagem interpretativa da valsa de esquina nº 2 rafael calesso urbanovicz usc resumo francisco mignone 1897-1986 pianista regente e compositor brasileiro foi uma importante personalidade paulistana com grande representatividade na história da música brasileira dentre as inúmeras obras que escreveu destacaram-se principalmente as suas composições para piano sobretudo o álbum das 12 valsas de esquina ­ valsas românticas nostálgicas que retratam experiências do compositor quando jovem ­ consideradas por diversos críticos como a mais importante contribuição de mignone para a literatura pianística nacional o objetivo deste artigo é ressaltar a relevância de mignone no cenário musical brasileiro em especial nas valsas de esquina das quais realizou-se uma abordagem interpretativa da valsa de esquina nº 2 palavras-chave mignone música brasileira piano valsa de esquina n° 2 interpretação abstract francisco mignone 1897-1986 was a brazilian pianist conductor and composer he is one of the most important figures in brazilian music history among innumerous pieces he has written the most important ones are his piano works specially the 12 valsas de esquina album romantic waltzes according to his own experiences from youth this is considered by critical as the most important contribution for pianistic national literature in this research it will be focused mignone s notoriety in the field of brazilian music specially in his piano pieces it will be also made a short interpretative approach of three of the most performed valsa de esquina n° 2 key-words brazilian music valsa de esquina n° 2 piano performance introdução francisco mignone 1897-1986 foi um importante compositor brasileiro em todas as vertentes musicais que explorou revelou a capacidade de produzir a arte de uma das maneiras mais rica e refinada sem dúvidas a genialidade composicional de mignone é fruto de um talento excepcional devido à influência dos grandes mestres que lhe ensinaram desde cedo sobre o universo musical e ao meio social em que viveu na cidade de são paulo sua juventude foi marcada pela convivência com músicos seresteiros época em que percorriam determinadas ruas e bairros de são paulo tocando e cantando posteriormente tal convivência torna-se inspiração para a elaboração de inúmeras obras-primas sobretudo as valsas de esquina para piano em meio as 12 valsas de esquina elegeu-se as valsas de esquina nº 2 nº 5 e n° 8 para uma pontual abordagem interpretativa e por se tratar das obras de mignone mais executadas entre os estudantes de piano este artigo é decorrente do trabalho de conclusão de curso intitulado o músico mignone e sua obra para piano uma abordagem interpretativa das valsas de esquina nº 2 nº 5 e nº 8 apresentado para a obtenção do grau de bacharel em instrumento piano da universidade do sagrado coração bauru sp para tanto foi necessário realizar uma pesquisa bibliográfica para melhor embasamento teórico e científico da vida e obra do

[close]

p. 2

compositor francisco mignone documental para referência de sua produção musical e intelectual e experimental que permitiu executar as valsas supracitadas segundo as indicações do compositor a pesquisa foi desenvolvida utilizando o método hipotéticodedutivo cuja hipótese foi a busca de uma possível aproximação tímbrica de instrumentos seresteiros na performance destas valsas francisco mignone um dos compositores brasileiros de maior expressão o casal alfério e virgínia mignone eram naturais da região de salerno na itália alfério era músico e iniciou muito cedo sua carreira musical pois aos doze anos já tocava em orquestras da ópera italiana tinha a flauta e a pedagogia musical como profissão e além disso tocava também com boa técnica violino violoncelo trompa trompete oboé clarineta e um pouco de piano instrumentos estes que aprendeu em uma instituição onde passou a viver e estudar quando perdeu o pai já com família constituída em 1896 veio para o brasil e fixou-se em são paulo onde mais tarde passou a integrar como flautista a orquestra do teatro municipal de são paulo nascimento 2007 francisco mignone nasceu em são paulo no dia 3 de setembro de 1897 filho do jovem músico italiano alferio mignone flautista que havia emigrado para o brasil no ano anterior desde muito cedo francisco mignone recebeu uma esmerada formação musical estudando flauta e piano aos 15 anos ingressou no conservatório dramático e musical de são paulo onde passou a ser orientado pelos melhores professores que havia na cidade seu próprio pai flauta e o célebre mestre italiano agostino cantú piano harmonia contraponto e composição quando terminou o conservatório o jovem mignone já era conhecido no ambiente musical paulista tocava piano em pequenas orquestras para ajudar nas despesas com seus próprios estudos e eventualmente atuava também como flautista não só em orquestras mas também em conjuntos de chorinhos pelas ruas de são paulo começava também a revelar seu talento para a composição criando peças de cunho popular com o pseudônimo de chico bororó rodrigues 2006 p 98 impressionante era a capacidade do jovem mignone com apenas 13 anos atuar profissionalmente no cinema mudo como pianista executando composições ao vivo em salas de cinema de são paulo e também do rio de janeiro onofre 2005 seu pai foi um grande exemplo de dedicação à arte de ensinar e de trabalhar na área musical para azevedo 1997 a lição de trabalho que recebia do exemplo do passado do pai ­ músico integrante da orquestra do teatro municipal de são paulo ­ levava mignone no auge de sua adolescência à conquista de seus próprios recursos pecuniários e havia de acompanhá-lo toda a vida tornando-o um dos músicos mais trabalhadores do nosso panorama artístico contemporâneo a primeira experiência profissional do jovem compositor e intérprete foram seus trabalhos feitos naquele período em que ele usava o pseudônimo de chico bororó experiência essa que o acompanhou a vida toda influenciado que foi pela vivência com

[close]

p. 3

chorões e seresteiros e pelas músicas produzidas por eles essa fase marca profundamente sua adolescência e juventude e traça seu perfil musical estabelecendo sua personalidade e o estilo de suas composições duarte 1997 mignone demonstrava desde a infância uma certa preferência pelo piano instrumento que sempre esteve ligado a um talento nato tanto em sua execução quanto composição talvez tal preferência tenha sido influenciada pela importância que a sociedade demonstrava pelo piano em são paulo e no rio de janeiro desde meados do séc xix martins 1990 segundo rodrigues 1996 naquela época o governo de são paulo tinha um sistema que concedia bolsas de estudos no exterior para jovens artistas desde que seus nomes fossem aprovados por uma comissão presidida pelo então deputado freitas valle um admirador do talento de mignone bem jovem em dezembro de 1918 francisco mignone interpretou ao piano o primeiro movimento do concerto em lá menor de grieg e apresentou também caramuru e a suíte campestre duas de suas composições sinfônicas de acordo com martins 1990 era nítido para os ouvintes o domínio técnico e principalmente interpretativo apresentado por mignone ao executar o piano seu convívio com o repertório romântico mostra a sua aptidão natural para o instrumento sob os aspectos físico e perceptivo dos quais mignone vê claramente a importância do piano em seu destino após o seu brilhante concerto de dezembro de 1918 o governo do estado prometeu-lhe uma bolsa de estudos finalmente em 1920 é concedida a bolsa de estudos cujo destino foi a itália tendo aulas no conservatório giuseppe verdi rodrigues 1996 p 98 certamente na itália mignone teve facilidade com o idioma e com a cultura conseqüência natural de sua própria origem seu pai quanto a seus estudos no conservatório giuseppe verdi conheceu personalidades de relevância no cenário musical no tocante ao ensino para a formação de um bom músico segundo kiefer 1989 p 35 na itália mignone estudou harmonia contraponto fuga e composição com o célebre mestre vincenzo ferroni 1858-1934 que tivera formação francesa como discípulo de massenet seu nome estava ligado à história da música brasileira pois havia sido colega de francisco braga e alexandre levy mignone solidificou e ampliou seus conhecimentos inclusive em orquestração arte pela qual já demonstrava especial aptidão aos 24 anos de idade ainda sob a orientação de vincenzo ferroni mignone escreveu sua primeira ópera o contratador de diamantes com libreto em três atos de giralomo bottoni essa ópera teve estréia mundial em 20 de setembro de 1924 no teatro municipal do rio de janeiro sob a direção de emil cooper na itália mignone escreveu também os poemas sinfônicos momus festa dionisíaca e no sertão azevedo 1997

[close]

p. 4

a congada faz parte do segundo ato da ópera o contratador de diamantes foi interpretada em janeiro de 1923 na cidade do rio de janeiro pela filarmônica de viena sob a regência de richard strauss esse movimento da ópera mostra os negros dançando no adro da igreja de santo antônio no tejuco a congada influenciou o caminho no qual mignone seguiu um pouco mais tarde sob a inspiração dessa composição francisco mignone compôs uma série de músicas com a temática da música afro-brasileira duarte 1997 em 1928 sob a direção musical de túlio serafin estreou-se a segunda ópera de francisco mignone l innocent essa ópera e todo o repertório escrito por mignone durante sua estada na itália mostram grande influência italiana razão pela qual mignone foi duramente criticado pelo escritor e mentor do nacionalismo brasileiro mário de andrade que tinha a intenção de estimular e influenciar os compositores brasileiros para uma produção musical usando características genuinamente nacionais azevedo 1997 francisco mignone permaneceu nove anos na europa em 1929 retornou definitivamente para o brasil passando a residir em são paulo e as críticas de mário de andrade sobre o nacionalismo surtiram efeito pois nesse ano estreava a primeira fantasia brasileira obra para piano e orquestra que traz de volta os traços característicos da música produzida em sua adolescência de acordo com ikeda 1986 os contatos com músicas e músicos populares foram a grande inspiração de mignone para a elaboração de peças de cunho nacionalista tendo sido influenciado pelo mentor do movimento nacionalista o escritor mário de andrade as músicas de mignone atenderam ao espírito nacionalista que são paulo viveu no século passado compôs quatro fantasias brasileiras caracterizando elementos folclóricos nacionais como é observado em seus depoimentos em 1929 nada de prático tendo conseguido na europa voltei de vez ao brasil aderi aos postulados da semana moderna de 1922 e amparado na cordial e espontânea amizade de mário de andrade embrei-me no cipoal da missa nacionalista compus compelido quatro fantasias brasileiras maracatu chico rei festa das igrejas e sinfonia do trabalho mignone 1997 p 45 apud onofre 2005 p 04 quanto ao nacionalismo musical brasileiro vale ressaltar que foi um movimento que referiu à utilização de técnicas e temas do folclore para a composição de música erudita instrumental vocal camerística e sinfônica martins 2006 villa-lobos outro grande mestre da música brasileira foi a grande referência para a aceitação plena de mignone à dedicação na composição de obras nacionalistas em depoimento relata a obra de villa-lobos também muito contribuiu para que eu me entregasse completamente à música nacionalista inspiradas nos nossos costumes e tradições saída de nossas raízes mignone 1997 p 48 apud onofre 2005 p 04

[close]

p. 5

na produção pianística do compositor observa-se uma grande extensa e significativa dedicação ao piano escrevera prelúdios estudos concerto para piano e orquestra sonatas 12 valsas de esquina 12 valsas-choro 24 valsas brasileiras lendas sertanejas choros inúmeras peças infantis etc sem sombra de dúvidas é um grande merecedor de críticas valorosas como a que segue francisco mignone foi um dos compositores que melhor escreveram para piano a transcendência pianística que para muitos compositores se antepõe ­ como obstáculo ou necessidade forçada de demonstração virtuosística ­ à clareza é para mignone o discurso natural poder-se-ia acrescentar que raros são os compositores que escreveram para piano na transcendência de maneira tão adequada e fácil martins 1990 p 89 graças à amizade entre francisco mignone e mário de andrade ainda em são paulo mignone iniciava a composição de maracatu de chico rei obra para coro e orquestra onde o compositor utiliza em sua instrumentação grandes efeitos rítmicos e sonoros maracatu de chico rei é a primeira obra cujo tema literário é fornecido por mário de andrade trata-se de um bailado afro-brasileiro baseado na construção da igreja de nossa senhora do rosário dos pretos em vila rica nessa linha de composição seguem batucajé e babaloxá 1935 leilão cânticos de obaluayê 1934 dona janaína 1938 esse período da vida de francisco mignone ficou marcado pela influência da música afrobrasileira em suas composições azevedo 1997 em 1932 francisco mignone mudou-se para o rio de janeiro onde foi professor de regência no instituto nacional de música atual e m ufrj escola de música da universidade federal do rio de janeiro aposentando-se em 1967 kiefer 1983 tivera a oportunidade de reger grandes orquestras da europa como a filarmônica de berlim que seu talento musical o permitia realizar com perfeição nesse período agora mais voltado para a regência fica bem claro que mignone tinha crises eventuais de autoquestionamento suas crises reflexivas foram responsáveis por várias mudanças de rumo em sua vida musical da qual escreveu um livro praticamente auto-biográfico medeiros 1995 diz que aos 50 anos de idade francisco mignone escreveu um livro com a colaboração do musicólogo luis correa de azevedo do escritor e crítico musical mário de andrade e de sua primeira esposa liddy chiafarelli este livro trata de um momento de autocrítica e reflexão sobre a vida e a personalidade do compositor de acordo com rodrigues 1996 p 100 em outro destes momentos de reflexão exatamente quando completava seus 50 anos deixou-nos um importante depoimento através do livro intitulado a parte do anjo externando os conflitos consigo mesmo gerados por sua facilidade natural em relação à música.

[close]

p. 6

francisco mignone foi um dos compositores brasileiros mais significativos por sua produção musical ele é autor de grandes trabalhos orquestrais além de diversas obras de câmara para azevedo referência 1997 as grandes obras sinfônicas como a sinfonia do trabalho o espantalho festa das igrejas quadros amazônicos escritas de 1939 à 1942 revelam as interpelações de mignone sobre si mesmo nesse período de sua vida a influência do amigo mário de andrade foi importante e ajudou o compositor a superar a crise em que vivia durante o período em que francisco mignone foi professor do instituto nacional de música vale ressaltar que foi um professor de regência muito requisitado todos os alunos tinham um enorme respeito e admiração por ele mignone contribuiu significativamente para a formação de outros grandes músicos no brasil como por exemplo o maestro roberto duarte que teve a oportunidade de ser assistente de mignone durante sua formação no instituto nacional de música em entrevista com a revista concerto abril de 2009 p 14 pergunta-se a roberto duarte o que pra ele foi mignone um mito era assim que nós estudantes o considerávamos olhava-se para ele com certa veneração era um homem de cultura sólida e vasta aprendi com ele não só regência mas música de uma maneira geral uma das grandes lições dele foi a liberdade de interpretação isto é cada intérprete lê uma mesma obra de forma diferente e corretamente lições de vida também não faltaram costumo dizer que devo a mignone minha carreira e a eleazar de carvalho o conhecimento técnico para realizá-la duarte 2009 também é necessário comentar que mignone teve uma importante produção musical para o cinema brasileiro na década de 50 de acordo com barcelos 1997 compôs trilhas para filmes como caiçara garota mineira o amanhã será melhor sinhá moça respectivamente nos anos de 1950 51 52 e 53 entre muitos outros filmes embora sua produção para piano seja mais difundida sua obra para violão não é menos importante segundo apro 2004 o primeiro interesse de mignone pelo violão em 1953 resultou na composição de quatro pequenas peças modinha repinicando minueto fantasia e choro ainda para apro após um longo período de entressafra violonística mignone retorna ao instrumento violão aos 73 anos de idade e compõe o ciclo de estudos publicado em 1973 pela editora norte americana columbia music company a música sacra também faz parte do repertório de mignone na década de 60 a partir de um profundo estudo de uma missa de palestrina francisco mignone compôs várias missas para vozes mistas mignone escreveu essas obras com textos em latim a primeira delas foi a 1ª missa em si b maior composta em 1962 em 1963 compôs a 2ª missa em ré menor a composição de missas não pararam por aí em 1965 66 67 e 68 compôs

[close]

p. 7

respectivamente a 3ª missa a 4ª missa em sol maior a 5ª a 6ª e a 7ª missa a última da série azevedo 1997 em seus últimos anos de vida mignone criou novas obras inspirando-se em suas experiências vividas como chico bororó segundo medeiros 1998 na década de 80 nos últimos anos de vida mignone confessa a sua busca pelos elementos musicais que o motivaram no passado de sua juventude em são paulo quando se deleitava em tocar flauta nas serestas vividas nas esquinas da grande paulicéia sob a luz dos lampiões de gás foi com essa atmosfera musical que o compositor impregnou as 16 valsas para fagote solo e as valsas para piano durante todo esse período mignone esteve atento e acompanhou a música brasileira emitindo opiniões elogios e participando do cenário contemporâneo da música brasileira como ele mesmo disse todo compositor deve acompanhar a produção contemporânea não podemos ignorar os anseios dos jovens e sim partir do princípio de que é necessário mudar tudo e fazer o que ninguém ouviu até hoje biondo 1977 p 31 francisco mignone experienciou dois casamentos o primeiro foi com liddy chiaffarelli paulistana que teve um papel importantíssimo na educação musical no brasil ao lado de sá pereira e era filha do grande professor de piano luigi chiaffarelli o segundo com 83 anos de idade com maria josephina com quem já formava um duo pianístico bem sucedido maria josephina paraense pianista consagrada é grande divulgadora das obras de mignone até os dias de hoje além de ser importante colaboradora em muitos concertos e gravações nascimento 2007 o grande compositor mignone faleceu no rio de janeiro no dia 19 de fevereiro de 1986 deixando uma significante produção musical que na maior parte representam as fascinantes histórias da cultura brasileira as valsas de esquina valorosa literatura pianística nacional muito diversificadas foram as composições para piano de francisco mignone porém a valsa gênero que encanta desde o brasil imperial é para mignone o resultado de experiência adquirida na cidade e voltada à improvisação à serenata a descontração ou nostalgia em sua mocidade o jovem francisco mignone e seus amigos seresteiros percorriam à noite por determinadas ruas e bairros de são paulo improvisando melodias na flauta e violão lembrando-se deste contexto o compositor cria um conjunto de obras finamente elaboradas consideradas como a maior contribuição de mignone para a literatura pianística nacional as 12 valsas de esquina mas para compreender melhor o gênero valsa e sua concepção por compositores nacionais é importante conhecer a história do seu

[close]

p. 8

surgimento até sua chegada ao brasil e posteriormente a contextualização de mignone para a criação das valsas de esquina a valsa da europa para o brasil a valsa é uma dança de pares independentes e enlaçados originária da alemanha e que teve grande difusão nas capitais européias no início do século xix segundo severiano 2008 p 23 originária da alemanha e conhecida desde o século xv a valsa só seria aceita nas cortes da europa a partir do início do século xix quando se expandiu como uma das danças de salão mais apreciadas do mundo ocidental nascimento 2007 comenta que a valsa é escrita em compasso ternário e executada em andamento rápido vienense ou moderato francesa e de acordo com o dicionário grove de música a valsa cresceu em popularidade no início do século xix apesar das objeções levantadas pela sociedade européia com relação à velocidade com que os dançarinos rodopiavam pelo salão e também por questões morais os casais se prendiam num abraço muito estreito e isso não era bem visto na europa surgiram grandes mestres da composição musical que se dedicaram na criação de algumas valsas como hummel beethoven schubert weber e principalmente a família strauss entre outros de acordo com nascimento 2007 a valsa possui melodia fluente e nítida acentuação no primeiro tempo mozart beethoven schubert brahms e chopin também escreveram valsas no entanto nem sempre elas se destinavam aos salões de baile as 14 valsas para piano de chopin são um exemplo característico disto segundo o dicionário grove de música 1994 p 433 hummel foi um dos primeiros virtuoses do piano a compor valsas e as variações de diabelli de beethoven foram compostas sobre uma simples melodia de valsa mas foi schubert o primeiro grande compositor a produzir música especificamente qualificada como valsa um rondó para piano de weber convite à dança 1819 antecipa a forma mais tarde adotada pelos principais compositores dessas danças uma seqüência de valsas como uma introdução formal e uma coda remetendo a temas ouvidos antes essa forma consolidou-se nos anos de 1930 com joseph lanner e johann strauss pai e a partir de então a valsa passou a estar indissoluvelmente ligada a viena não obstante sua popularidade em toda a europa severiano 2008 fala que a valsa composição ternária primeira a ser dançada por pares enlaçados ganhou estilos distintos ao adaptar-se ao gosto dos países que a importaram É o que aconteceu no brasil onde marca presença em todos os níveis musicais do folclore ao erudito destacando-se principalmente no popular no brasil a valsa chegou especificamente no rio de janeiro com a vinda da família real portuguesa e aos poucos foi invadindo o ritmo da modinha que era tão comum nos tempos do brasil colonial,

[close]

p. 9

fazendo com que ela passasse a ter também um ritmo ternário além disso severiano ainda comenta que a família real trouxe uma série de outras danças européias o minueto a gavota o solo inglês a valsa e a contradança com seus derivados cotillon quadrilha e lanceiro delas todas vingaram no brasil apenas a quadrilha e a valsa de caráter mais popular severiano 2008 p 23 um dos registros mais remotos encontrados sobre as valsas brasileiras foi encontrado pelo incansável pesquisador mozart de araújo no acervo da biblioteca do conservatório de música de paris no diário de sigismund neukomm um importante músico austríaco que viveu no rio de janeiro de 1816 até 1821 está registrado 6 de novembro de 1816 ­ fantasia e grande orquestra sobre uma pequena valsa o príncipe real d pedro 16 de novembro de 1816 ­ 6 valsas compostas por s a r o príncipe d pedro e arranjadas para orquestra com trios pertenceria assim a sua alteza real o então príncipe depois imperador pedro i a primazia na autoria de valsas no brasil neukomm 1816 apud severiano 2008 p 23 severiano 2008 afirma que em sucesso cada vez mais crescente a trajetória da valsa foi difundida como música instrumental até a virada do século quando tornou-se também música com letra nas décadas seguintes a valsa reinava pelo brasil consagrada como canção romântica juntamente com o samba canção valsas de esquina as valsas seresteiras francisco mignone foi um grande admirador de músicos como chopin ravel stravinsky debussy entre outros mas foi chopin quem mais lhe chamava a atenção apesar das influências mignone sempre impõe a sua marca pessoal em todas as obras que escreve É possível observar com clareza todo o sentimento nostálgico de mignone em cada uma das valsas de esquina sentimentos que se dispersam em belíssimas frases melódicas kiefer 1983 afirma que nestas obras existe o predomínio de um clima emocional amoroso-saudoso derivado da velha modinha romântica sua valorosa contribuição para o piano são as 12 valsas de esquina 1938-42 as quais retratam muito bem o clima dos chorões das primeiras décadas do século além de outros tipos de valsas notadamente brasileiras fucci amato 2006 p 86 segundo rodrigues 1996 em 1938 mignone iniciou a composição das 12 valsas de esquina gravadas por arthur moreira lima entre janeiro de 1980 e julho de 1982 na sala cecília meireles rio de janeiro escreveu diversas obras do gênero valsa e foi consagrado

[close]

p. 10

como o rei da valsa título conferido por manuel bandeira as valsas mais relevantes são as 12 valsas de esquina as 12 valsas choros e as 24 valsas brasileiras as valsas de esquina compõem a primeira coleção de valsas escritas por mignone todas elas são distintas e compostas em tonalidades menores essas valsas foram compostas a partir de profundo estudo sobre os 24 prelúdios de chopin escritos nas 24 tonalidades maiores e menores medeiros 1995 p 2 de acordo com martins 1990 p 94 as valsas de esquina representam possivelmente o que de mais sonoro-naturalimprovisado ­ mas finamente elaborado ­ se fez na produção pianística brasileira a existência da graça do discurso em que o banal ­ que poderia ser fronteira trágica ­ não tem a menor guarida favorece para a coletânea como um todo a assertiva de verdadeiras obrasprimas de padrão da melhor qualidade universal melodismo efusiante acompanhamento tantas vezes pontuado lembrando o violão toda essa música que se ouve como a mais agradável das improvisações é fruto de técnica segura contrastantes mas paradoxalmente homogêneas em majoritária forma ternária-simples evidenciam estilo definido detectável e claro o que as torna insofismáveis criações do autor a juventude de francisco mignone foi marcada pela convivência com os chorões e os seresteiros essa convivência foi a grande inspiração para a elaboração de inúmeras obras-primas sobretudo as 12 valsas de esquina isto justifica referir-se às valsas de esquina como valsas seresteiras e resumi-las em piano seresteiro o choro e a seresta caminham paralelamente juntos pois de acordo com o dicionário musical brasileiro 1999 a seresta é o mesmo que serenata É o choro com a mesma formação instrumental ou diversa ­ acompanhando um cantor solista popular as serestas realizavam-se nas ruas nas praias especialmente em noites de luar a primeira referência a uma seresta no brasil vem do séc xviii quando músicos românticos criaram o hábito de cantar à noite pelas ruas acompanhados do violão geralmente com o propósito de fazer-se ouvir por amadas inacessíveis zelosamente resguardadas atrás das janelas por toda uma tradição de vigilância patriarcal tinhorão 1976 visto a influência romântica seresteira de mignone na elaboração das valsas de esquina é necessário comentar os instrumentos característicos e o surgimento da seresta pois o compositor apresenta em suas valsas muitas sonoridades que remetem aos sons desses instrumentos principalmente o violão e a flauta muito antes do surgimento do choro e da forma chorada de tocar o violão já era um instrumento popular que tinha participação fundamental em todo tipo de música feita fora das elites esteve sempre presente no acompanhamento das serenatas serestas dos lundus das cançonetas na música dos barbeiros enfim em tudo o que se referia às atividades de música popular anteriores ao choro cazes 1998 p 45

[close]

p. 11

com o surgimento da chamada música dos chorões o violão juntamente com o cavaquinho formou a base rítmico-harmônico que recebia os solistas flauta clarinete e outros e os contrapontistas inicialmente bombardino trombone e um outro instrumento hoje em desuso o oficleide posteriormente os grupos de choro buscavam um melhor equilíbrio acústico entre os instrumentos e foi batizado por batista siqueira de quarteto ideal sempre a instrumentação com dois violões um cavaquinho e a flauta todos eles constituíam uma textura polifônica caracterizada também pela variedade de seus timbres essas valsas para piano têm traços musicais importantes no que se refere ao estilo composicional de mignone de acordo com medeiros 1995 devem ser notados nas valsas de esquina a textura harmônica ternária e o movimento melódico da mão esquerda que lembram os movimentos improvisados do baixo do violão quando executado choros e melodias seresteiras as seções em tons maiores e menores a execução articulada das apogiaturas que devem ser valorizadas de acordo com o andamento da peça e os movimentos agógicos rubato affretando mignone iniciou a composição das valsas de esquina em 1938 tendo concluído apenas em 1943 as primeiras cinco dessas valsas datam de 1938 três de 1940 e as outras quatro 1943 de acordo com nascimento 2007 francisco mignone dedicou cada uma das 12 valsas de esquina à ilustres personalidades de seu afeto quadro 1 dedicatÓrias título valsa de esquina nº.1 valsa de esquina nº.2 valsa de esquina nº.3 valsa de esquina nº.4 valsa de esquina nº.5 valsa de esquina nº.6 valsa de esquina nº.7 valsa de esquina nº.8 valsa de esquina nº.9 valsa de esquina nº.10 valsa de esquina nº.11 valsa de esquina nº.12 dedicatória arnaldo estrella andrade muricy nayde alencar jaguaribe arnaldo rebello wilma graça mário de andrade sá pereira mário de azevedo violeta do luiz heitor liddy chiaffarelli mignone joão de souza lima mário neves ano 1938 1938 1938 1938 1938 1940 1940 1940 1943 1943 1943 1943 fonte nascimento 2007 adaptação do autor quadro 1 ­ dedicatórias e ano de composição das valsas de esquina a série das 12 valsas de esquina é considerada por vasco mariz 2000 a melhor contribuição de francisco mignone para a literatura do piano não há dúvidas que o ambiente dos chorões e seresteiros das primeiras décadas do século xx estão presentes

[close]

p. 12

nas valsas de esquina e que as mesmas retratam um vasto conhecimento cultural do compositor abordagem interpretativa das valsas de esquina após um breve estudo da vida musical de francisco mignone e da relevância de suas valsas seresteiras apresenta-se no próximo item uma explanação da valsa de esquina n 2 visando sua interpretação através dos seguintes elementos forma andamento agógica dinâmica textura polifônica e riqueza tímbrica para tanto fora selecionada uma das valsas mais executadas de mignone valsa de esquina nº 2 por se tratar de obra polifônica abordou-se os seguintes termos durante os comentários melodia principal ou linha melódica principal acompanhamento ou preenchimento harmônico melodia secundária ou linha melódica secundária valsa de esquina nº 2 a valsa de esquina nº 2 em mi bemol menor foi composta em 1938 e dedicada por francisco mignone à andrade muricy a estruturação formal desta obra é ternária aba1 seção a compassos 1-32 seção b compassos 33-65 e reexposição a1 ­ compassos 6697 a reexposição não será comentada pois é idêntica a seção a com uma pequena alteração nos dois últimos compassos observa-se nesta valsa de esquina a harmoniosa união sonora de notas graves médias e agudas revelando a capacidade do compositor em explorar a extensão do instrumento e suas sonoridades tímbricas por meio de técnicas de articulações no enunciado da obra há a indicação lento e mavioso o termo mavioso significa agradável suave doce terno portanto é necessário o executante compreender tais indicações para caracterizar a obra durante sua execução a valsa começa em piano com um certo ar de suspense nos três primeiros compassos conduzidos pelo cromatismo ascendente da mão esquerda figura 1 a melodia principal persiste na nota si bemol por três vezes aumentando ainda mais o suspense que é quebrado pela melodia declamada que surge no quarto compasso esse compasso é um dos mais importantes pois é nele que encontramos a grande expressividade romântica e nostálgica de mignone da qual caracteriza essa valsa nota-se ainda um movimento melódico descendente tudo bem legato em tempo rubato característico de peças românticas que torna o trecho ainda mais expressivo buscando elementos seresteiros a linha melódica secundária na mão esquerda representa os toques do baixo do violão pois ouve-se o baixo caminhando em movimentos

[close]

p. 13

cromáticos e constantes semelhantes a um violão seresteiro que acompanha uma melodia principal de certa forma essa melodia secundária conduz a música o tempo todo tanto na seção a como na seção b pois apresenta elementos rítmicos importantes e distintos com relação à melodia principal o cromatismo da melodia do baixo imprime muita expressividade com o desenho das semicolcheias vide notas graves da figura 1 o acompanhamento geralmente está no meio entre a voz principal e a melodia secundária e são esses elementos que caracterizam o movimento típico da valsa indicados pelos círculos nos três primeiros compassos da figura 1 figura 1 ­ valsa de esquina nº 2 ­ compassos 1-6 vale salientar também que a partir do compasso 8 as vozes superiores se cruzam formando um trecho polifônico à três vozes com a melodia secundária dos baixos além de conter o acompanhamento ou preenchimento harmônico figura 2

[close]

p. 14

figura 2 ­ valsa de esquina nº 2 ­ compassos 8-15 neste caso a melodia principal está expressa na voz inferior do compasso 8 na mão direita e segue na inferior até o compasso 10 no compasso seguinte a voz superior volta a ser a melodia principal como é exemplificado a seguir figura 3 comparando as figuras 2 e 3 é possível observar a melodia principal que se sucede em meio às vozes não esquecendo da melodia do baixo que o tempo todo conduz as outras vozes figura 3 ­ valsa de esquina nº 2 ­ compassos 8 a 15 voz principal neste contexto é importantíssimo executar todos os sinais de indicação como as ligaduras notas presas articulação ligada acentuações pausas e indicações textuais como por exemplo rubato a tempo affretando crescendo pouco a pouco etc É importante reproduzir toda a progressão crescente da dinâmica que inicia-se em piano e atinge o seu ponto máximo no compasso 15 em fortíssimo sff nota-se que a

[close]

p. 15

indicação affretando acelerando à partir do compasso 10 reflete positivamente para o intérprete realizar um nítido crescendo pois se tem mais liberdade em realizar tal progressão até o compasso 15 observa-se que conforme a extensão do instrumento vai se ampliando na música ­ graves e agudos simultaneamente ­ a dinâmica pede o crescer da sonoridade um som cada vez mais presente vide figuras 1 e 2 a seção b um pouco mais viva do que a seção a apresenta uma polifonia à três vozes que nos remete aos toques de violão solando ou acompanhando o tempo todo pois a distribuição das notas num registro mais agudo da mão direita e os graves soltos da mão esquerda dão essa sensação de imitarem os violões seresteiros além disso esse trecho trás a indicação de um toque pouco ligado figura 4 a partir do compasso 33 as vozes da mão direita notas duplas escondem uma pequena melodia cromática em movimento ascendente estas notas estão indicadas por círculos na figura 4 figura 4 ­ valsa de esquina nº 2 ­ compassos 33 a 40 posteriormente a partir do compasso 42 nota-se a forte presença da melodia dos baixos da mão esquerda que remetem ao violão solando em parceira com as notas duplas da direita onde as vozes interagem contrapontisticamente esses solos na mão esquerda persistem até o fim da seção b figura 5 essa seção b oferece uma dinâmica variável porém predominantemente em p piano fraco leve e mf meio forte é a maior intensidade encontrada além disso a obra revela a clarividente construção polifônica rodeada de sinais de articulação provocando simultaneamente uma diversidade sonora entre as vozes vide figura 5

[close]

Comments

no comments yet