Jornal Sinpol - Outubro 2013

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Sinpol - Outubro 2013

Popular Pages


p. 1

Informativo Oficial do Sindicato dos Policiais Civis - Ano XIX - Outubro de 2.013 - nº 204 Depois de uma longa negociação, que contou com manifestações, passeatas e muito protesto por parte dos policiais civis, o governador de São Paulo finalmente anunciou o reajuste salarial. Integrantes da Polícia Civil, Técnico Científico, Polícia Militar e agentes penitenciários receberão reajuste linear de 7%, atendendo ativos, inativos e pensionistas. Veja na página 8. ALCKMIN ANUNCIA REAJUSTE DE 7% GOVERNADOR GARANTE VALORIZAÇÃO DE TRÊS CARREIRAS Após anunciar reajuste linear de 7%, Alckmin também anunciou a valorização para três carreiras da Polícia Civil. Delegados terão C.J., enquanto investigadores e escrivães terão N.U. O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, quer valorização também para as demais carreiras e busca encontro com DGP, que foi quem teria comentado sobre essa possibilidade de valorização. Saiba mais na página 9. E MAIS: 4 Policiais civis de Luiz Antonio esclarecem assaltos violentos; 4 Delegada Rose visita obras da futura sede do Sinpol; 4 Justiça aumenta pena de assassinos do dr. Taroco; 4 Identificada digital de assaltante em Taquaritinga; 4 2º DP de Ribeirão Preto prende receptador de imagens de cemitério; 4 Jurídico obtém várias vitórias; 4 Eumauri vai a solenidade do Dia da Polícia Civil; 4 DISE de São Carlos flagra tráfico entre estudantes de colégios particulares. INPOL COM POLÍTICOS SINPOL REÚNE-SE COM POLÍTICOS Eumauri reuniu-se em setembro com o vereador de Ribeirão Preto, Ricardo Silva (PDT), com o deputado estadual Rafael Silva (PDT) e com o deputado federal e líder do PSDB no Congresso, Antonio Duarte Nogueira Júnior. Nos encontros o assunto foi o mesmo: a busca de apoio para a aprovação do PLC do reajuste salarial com a máxima urgência e valorização de todas as carreiras da Instituição. Leia na página 3. Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br Outubro/2013

[close]

p. 2

VISITA DELEGADA ROSE CONHECE NOVA SEDE construída de 1.600 m². Está sendo erguido em um terreno com área total de 2.247,95 m². Logo que chegou ao local, a delegada Rose ficou maravilhada com o que viu. “Sabia que, pelo fato do Eumauri ser um grande empreendedor, um grande administrador e um excelente sindicalista, iria encontrar uma obra de vulto. Mas fiquei sinceramente muito feliz com a grandiosidade deste empreendimento”, elogiou a delegada. Eumauri fez questão de agradecer os elogios e explicou em detalhes como vai funcionar a nova sede. Ele também contou que aquilo que está sendo construído sempre foi um sonho que ele pode realizar graças ao apoio da categoria e de pessoas ligadas ao poder público que não pouparam esforços para obter a cessão da área pela Prefeitura de Ribeirão Preto. Durante a visita às obras da futura sede social do Sinpol, a dra. Rosmary Corrêa fez questão de destacar a atuação de Eumauri e do Sinpol. “É, sem dúvida alguma, o sindicato mais forte do interior do Estado e isso se deve ao trabalho que o Eumauri tem feito ao longo dos anos”. A subsecretária de Assuntos Parlamentares da Casa Civil também fez questão de destacar que conhece Eumauri há muitos anos e que, como deputada estadual, sempre esteve de portas abertas para receber o sindicalista. “Foram incontáveis as vezes em que nos reunimos em meu gabinete. Sei que o Eumauri é um sindicalista determinado, que busca sempre benefícios para a categoria. E me incluo entre os beneficiados pelas lutas do Sinpol, pois também sou policial civil. Além de manter as portas abertas, sempre busquei atender às solicitações do Eumauri”, acrescentou a delegada. Enquanto estavam no patamar superior da futura sede social do Sinpol, a visitante ficou maravilhada com a qualidade com a obra, com sua localização, com a vista maravilhosa e garantiu que os policiais civis e a população em geral serão beneficiados com uma edificação daquele porte. Ao deixar o local, a delegada Rose fez um pedido a Eumauri. “Assim que estiver pronto, gostaria de ser convidada para ver como tudo vai ficar já funcionando. Só posso parabenizar ao Eumauri, ao Sinpol e a todos os associados pelo crescimento e valorização de seu patrimônio, construído com muito suor e trabalho”, concluiu a delegada. Deputada estadual e integrante da equipe da Casa Civil elogiou a grandeza do empreendimento e parabenizou presidente do Sinpol A deputada estadual Rosmary Corrêa, também conhecida por Delegada Rose, veio a Ribeirão Preto no dia 27 de setembro, para proferir palestra na ACIRP (Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto). O convite partiu da responsável pela Coordenadoria da Mulher de Ribeirão Preto, Jussara Teixeira Marcelino e foi destinada a profissionais que lidam com a violência contra a mulher, como assistentes sociais e psicólogos, profissionais na área de educação, estudantes universitários e integrantes do Judiciário, além de ser aberto para toda a sociedade. A dra. Rosmary Correa é delegada de Polícia e ganhou notoriedade por seu trabalho de implantação da primeira DDM (Delegacia de Defesa da Mulher), na cidade de São Paulo, na década de 1980. Ela tem militado na política há alguns anos e atualmente é deputada estadual licenciada, pois foi nomeada Subsecretária de Assuntos Parlamentares da Casa Civil do Governo do Estado de São Paulo. Durante sua palestra, ela falou sobre a implantação da Rede de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher, incrementando as ações para coibir uma prática que, infelizmente, tem crescido apesar dos rigores da Lei Maria da Penha, que pune os autores de agressões. Durante a pausa para o almoço, a deputada fez questão de encontrar-se com quem disse ser seu grande amigo: o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Atendendo a convite de Eumauri, a delegada Rose foi conhecer as obras da construção da futura sede social do Sinpol. O prédio está sendo construído na Avenida Francisco Massaro Farinha, esquina com a rua Pedro Pegoraro, que é uma travessa da Av. Leão XIII, na Ribeirânia, atrás do Campus da Unaerp (Universidade de Ribeirão Preto)e terá área total Subsecretária de Assuntos Parlamentares da Casa Civil do Governo de São Paulo, dra. Rosmary Correa conheceu as instalações da futura sede social ao lado de Eumauri 02 Outubro/2013

[close]

p. 3

POLÍTICA EUMAURI REÚNE-SE COM POLÍTICOS Presidente do Sinpol encontrou-se com vereador Ricardo Silva e com os deputados Rafael Silva e Antonio Duarte Nogueira O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, iniciou em setembro uma peregrinação para buscar apoio político que favoreçam as votações do PLC (Projeto de Lei Complementar) 36/2013, que prevê aumento de 7% aos policiais civis da ativa, inativos e pensionistas; além de buscar agilizar o projeto de valorização para as carreiras de delegado, investigador e escrivão, que será enviado para votação da ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo). Eumauri também busca apoio político para a luta pela valorização das demais carreiras. “Todas são fundamentais para a Polícia Civil e, portanto, todas devem ter o merecido reconhecimento”, disse. O primeiro encontro foi com o vereador de Ribeirão Preto Ricardo Silva (PDT). Ele foi convidado pelo edil para tomar conhecimento da Moção de Apoio à Polícia Civil proposta junto à Câmara Municipal. O encontro ocorreu no dia 18 de setembro e, no dia seguinte, Ricardo Silva apresentou a Moção na Sala das Sessões da Câmara. Durante o encontro, Ricardo articulou uma reunião entre Eumauri e seu pai, o deputado estadual Rafael Silva (PDT). O encontro ocorreu no dia 20 de setembro, no escritório político do deputado na cidade e, além dos três, compareceram também o vice-presidente Célio Antonio Santiago e o diretor financeiro do Sinpol, Júlio César Machado. “Além de pedir o apoio do deputado Rafael Silva para agilizar os processos de votação dos projetos que envolvem policiais civis, pedimos também sua ajuda na luta pelo reconhecimento das demais carreiras da Instituição. Queremos ver aprovado o projeto de Reestruturação das Carreiras, que sequer foi apresentado à ALESP”, ressaltou Eumauri. “Apoio a luta dos policiais civis e pretendo tornar essa luta pública. Nosso encontro será alvo de reportagem no Diário Oficial e me comprometo a conversar com os demais deputados e propor um trabalho amplo para agilizar os projetos e cobrar a valorização de todas as carreiras”, ponderou o deputado. No ninho do tucano Eumauri continuou sua peregrinação buscando um encontro com o líder do PSDB na Câmara Federal, o deputado Antonio Duarte Nogueira Júnior. O tucano, aliás, recebeu o aval de seu companheiro de partido, o governador Geraldo Alckmin, para assumir o cargo em Brasília. A reunião com Nogueira Júnior foi realizada em seu escritório político, em Ribeirão Preto e também contou com as presenças de Eumauri, Célio e Júlio, além do delegado sindical do Sinpol Darcy Gonzalez e do investigador aposentado Antonio Pereira Alvim. Novamente Eumauri ressaltou a importância do apoio do deputado federal junto ao governador, para buscar fazer justiça para todos os policiais civis. Eumauri destacou que o reajuste de fato saiu, embora pudesse ser maior. Também elogiou a postura de Alckmin em cumprir com sua palavra ao divulgar que apresentará o projeto de C.J. (Carreira Jurídica) para delegados e N.U. (Nível Universitário) para investigadores e escrivães (veja matérias nesta edição). Mas o presidente do Sinpol pediu também que Nogueira Júnior interceda junto ao governador para que a valorização atenda todas as demais carreiras da Instituição, além de pedir também o apoio para o preenchimento do enorme déficit que existe na Polícia Civil. “Conhecemos o deputado há muito tempo. É pessoa determinada e creio que chegou a hora de contar com seu apoio em nossa luta, afinal sendo ele do mesmo partido do governador, tem um trânsito melhor para levar nossas reivindicações. O deputado se mostrou disposto a isso e fomos à reunião para expor a situação de penúria pela qual atravessa a Polícia Civil do Estado de São Paulo”, revelou Eumauri. “Conheço o presidente Eumauri de longa data. Já visitei as obras da Chácara do Sinpol e, posteriormente, visitei a obra pronta. Sei das lutas do Eumauri em prol da categoria. Em todas as viagens em que acompanho o governador na região, sempre encontro com o Eumauri. Ele está sempre presente, reivindicando o que é justo e de direito para a categoria. Respeito seu trabalho sindical e, desta forma, farei tudo o que estiver ao meu alcance para obter novas conquistas para os policiais civis”, disse o deputado do partido tucano. “Foram encontros muito produtivos. A esperança é que se abram portas importantes para levar as lutas e reivindicações do Sinpol a quem tem o poder de nos atender”, finalizou Eumauri. Acima com vereador Ricardo Silva; ao lado com deputado estadual Rafael Silva e abaixo com deputado federal Nogueira Júnior: diretoria do Sinpol buscando apoio político para os policiais civis Outubro/2013 03

[close]

p. 4

EDITORIAL É EXPEDIENTE CEDO PARA ELOGIAR para desmobilizar. Até agora não estamos vendo ações concretas para zerar o déficit existente no quadro de funcionários da Polícia Civil. Os concursos anunciados não suprem a real lacuna existente. Temos uma necessidade muito grande de novas contratações para todas as carreiras da Polícia Civil. E que isso seja feito de uma forma clara, transparente. A nossa grande dúvida é: quantos policiais civis e de quais carreiras, serão efetivamente destinados para nossa região. Essa é a dúvida em todos os Deinters do Estado. Mais do que a Capital e Grande São Paulo, o interior tem um déficit altíssimo de pessoal e nada é claro nesse sentido. Alckmin, de fato, atendeu aos apelos do próprio delegado geral de Polícia, dr. Luiz Maurício Souza Blazeck e anunciou N.U. (Nível Universitário) para escrivães e investigadores e C.J. (Carreira Jurídica) para delegados. Mas isso ainda é pouco. Queremos a valorização em todas as carreiras da Polícia Civil. Há que se destacar a importante atuação do dr. Blazeck, que se empenhou pessoalmente até ver anunciados o N.U. e a C.J. Justamente por isso estamos aguardando o agendamento de uma reunião com o dr. Blazeck para tratar da valorização das demais carreiras da Instituição. A ideia é reunir representantes de cada carreira e seguir em comitiva para, reunidos com o diretor da DGP (Delegacia Geral de Polícia), expormos as necessidades de cada carreira. O melhor caminho seria a reestruturação das carreiras da Polícia Civil. Mas enquanto isso não ocorre, lutamos por medidas imediatas. Sabemos que já existem conversas a respeito da valorização de algumas carreiras hoje de nível básico. Para o agente, auxiliar de papiloscopista, atendente de necrotério, carcereiro (embora em extinção), seria exigido o ensino médio. Atualmente exige-se somente o ensino fundamental. Isso representaria uma valorização e um ganho real para esses servidores. Mas nossa luta também é pelas carreiras de fotógrafo, desenhista, papiloscopista, operador de telecomunicações e auxiliares de necrópsia. Todas são funções vitais para o funcionamento da Polícia Civil. É preciso buscar uma fórmula urgente para contemplar todos os servidores da Instituição. Com a reestruturação, muita coisa seria facilitada, pois o servidor poderia chegar mais rapidamente à classe especial e as diferenças entre as classes aumentaria, o que representaria sempre um bom ganho no salário a cada avanço na carreira. Vamos aproveitar que o dr. Blazeck demonstrou ser um DGP classista, que defende os policiais civis e, através dele, sensibilizar o governador. Em se concretizando esta luta, esta nossa bandeira, aí sim poderemos elogiar Geraldo Alckmin. Antes disso não. Continuamos na luta. EUMAURI LÚCIO DA MATA Presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) Muitos policiais civis ficaram eufóricos com o anúncio do governador Geraldo Alckmin do reajuste de 7% para policiais civis e militares. Mas ainda é cedo para elogiar o governador. Principalmente pela forma como esse reajuste foi anunciado. Ele poderia ter cumprido nossa data base, que é no mês de março. Não o fez e, àquela altura, continuava com sua política de postergar o diálogo. Poderia ter determinado à sua equipe que algo fosse feito assim que começaram os primeiros protestos. Também quis pagar para ver. Ele só anunciou em setembro por dois motivos: primeiro porque já começa a pensar na campanha eleitoral do próximo ano, na qual ele sairia muito chamuscado caso não atendesse aos servidores da SSP (Secretaria da Segurança Pública). Segundo e, mais importante, porque o movimento estava se afunilando em direção à greve. Houve muitas manifestações, passeatas, protestos e diversas ações das Operações Blecaute, onde os policiais civis mostravam seu descontentamento à população. Só então Alckmin resolveu agir. E agiu como de costume, tentando minar os movimentos reivindicatórios. Mas de concreto, apenas o projeto do aumento de 7%, que foi enviado ainda em setembro para a ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), em caráter de urgência, o que garante, assim que aprovado pelos deputados estaduais, retroação ao mês em que foi apresentado. Além de ser muito cedo para elogiar, é cedo O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: sinpolrp@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Paulo Sérgio Ribeiro Chagas, Ricardo Contin, Luiz Henrique Maringoli de Lima, José Gonçalves Neto; Suplentes: Arnaldo Vaz Ferreira, Luiz Henrique Batista, Gino Augusto Franco Sant’anna, Sérgio Ribeiro dos Santos, Robert Schmengler Guilhaume, Kátia Patrícia Pagliari de Souza e Edmar Alberto Félix; Secretários: Kalinka Cintra Prado e Doracy Alves da Silva; Suplentes: Érica Arrisse Esteves Dias e Armando Pisani Júnior. Tesoureiros: Júlio Cesar Machado e Sami Haddad; Suplentes: Wagner Cândido da Silva e Jin Ciosaki. Patrimônio: Olavo Elias dos Santos; Suplente: Cláudia Braga. Conselho Fiscal: João Carlos Barbosa Lima, Maurício Kusumota e Prisclia Yishi S. Hashimoto; Suplentes: Neide Amábile Pastori e Silva, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Darcy Gonçalez e Licanor de Souza Campos; Suplentes: Ariovaldo Torrieri Júnior e Reinaldo José Sanches. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR CHEFE: Júlio Castro REPORTAGENS: Mariana Araújo Parras Luque Hugo Luque O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Sub Ten Res PM Oswaldo Bonfim DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça Antonio Pereira Alvin Vanderlei Garcia da Costa Marcos Antonio Fernandes EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. Novos Associados Associaram-se ao Sinpol, no mês de setembro de 2013, os seguintes policiais civis: - Vera Lúcia Fermiano dos Santos Silva, auxiliar de serviço; - Ademir Francisco Anselmo, escrivão de Polícia; - Wilson Gonzaga Júnior, investigador de Polícia; - Sônia Aparecida de O. Martins Carmo, carcereira; - Marcos Antonio Ferreira, carcereiro; - Rodrigo da Silva, carcereiro; - Leandro Cesar Giora, carcereiro; - Cloves Alves, carcereiro; - Sílvio Luís Marra, escrivão de Polícia. A diretoria do Sinpol dá boas vindas aos novos associados e está à disposição de todos os policiais civis que quiserem integrar o quadro associativo do sindicato. Notas Convênio Indicativo * Colégio Metodista: Maternal, infantil, fundamental e ensino médio. Oferecemos opção de período integral deste o maternal até o 6º ano. Descontos especiais para filhos de policiais civis. Matrículas abertas, garanta já a sua vaga. Rua Florêncio de Abreu, 714 - Centro - Ribeirão Preto - SP - Fone: (16) 4009-0271. Acidente O investigador Rogério José Mello, da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Ribeirão Preto, foi atingido por um disparo de sua próFalecimentos pria arma. Ele portava uma Taurus ponto 40 modelo A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, os seguintes falecimentos: + Luzia Pardim da Rocha, mãe do investigador de Polícia Jesuíno Ferreira da Rocha, MPT 640 Mocha quando a arma caiu e disparou conocorrido em 28 de setembro de 2013; tra ele. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lú+ Áurea Baltazar de Oliveira, mãe do delegado de Polícia dr. Paulo Sérgio de Oliveira, cio da Mata, esse modelo de arma já teve vários proocorrido em 29 de setembro de 2013; blemas de disparos acidentais entre policiais milita+ Maria Angelica B. Lahoz, esposa do delegado de Polícia dr. Segismondo Lahoz res e um dos lotes estaria sendo trocado. Mello foi Júnior, ocorrido em 06 de outubro de 2013. submetido a uma cirurgia. O presidente e toda a direO Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. toria do Sinpol desejam ao investigador saúde e pronAposentados to restabelecimento. Associados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em setembro de 2013: Erramos - Carlos Cesar Costa, investigador de Polícia de 2ª Classe; Em nossa última edição, na matéria publicada à - Eduardo Bittencourt de Lima, carcereiro de Classe Especial; página 15: “Vereador manifesta apoio ao Sinpol”, - José Mauro Chiaretti, carcereiro de 2ª Classe; onde mostramos o trabalho do policial civil e verea- Evandro Estadeu Rezende, investigador de Polícia de Classe Especial; dor Rogério Antonio, por um erro da redação do Jor- Dorival Camargo Leite, auxiliar de papiloscopista de Classe Especial; nal do Sinpol, citamos como sua cidade Monte Alto. - Valter Lopes da Silva, escrivão de Polícia de 2ª Classe; Na verdade o policial civil Rogério é vereador em - Paulo Sérgio de Oliveira, delegado de Polícia de 2ª Classe; Morro Agudo. Pedimos perdão ao vereador, que rea- Antonio Lula de Figueiredo Júnior, delegado de Polícia de 1ª Classe; - Roberto Borges de Oliveira, delegado de Polícia de 1ª Classe; liza um brilhante trabalho, assim como nos descul- Antonio Benedito Canato, agente policial de 1ª Classe; pamos a todos os leitores do Jornal do Sinpol pelo - Valdir Stevan, escrivão de Polícia de Classe Especial. erro cometido. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhantes carreiras, desejanAdalberto Luque - Diretor do Jornal do Sinpol do-lhes poder usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. 04 Outubro/2013

[close]

p. 5

LUIZ ANTONIO POLICIAIS Graças ao trabalho dos policiais civis, a população de Luiz Antonio segue tranquila e confiante, pelos reduzidos índices de criminalidade registrados no município. A cidade, com aproximadamente 12 mil habitantes, não registrava um roubo sequer há mais de um ano. Segundo o delegado titular de Luiz Antonio - que também acumula a titularidade na Delegacia de Polícia Civil de Guatapará -, dr. Jorge Miguel Koury Neto, que está há quatro anos no comando da Polícia Civil em Luiz Antonio, apesar do efetivo reduzido, que conta somente com um investigador, um escrivão e um delegado, a filosofia de buscar vestígios e investigar imediatamente os casos relatados tem dado resultados positivos. “Desde que cheguei, em 2010, adotei o procedimento de operações anuais no combate à criminalidade. Já houve ano em que fizemos 18 operações. Neste ano já realizamos seis operações e isso tem inibido os criminosos”, pondera o dr. Koury Neto. Mas a cidade ficou preocupada com duas ações registradas no dia 04 de setembro. No primeiro caso, por volta de 16h30, dois homens e uma mulher chegaram até uma loja no centro da cidade. A mulher ficou do lado de fora do estabelecimento dando cobertura, enquanto seus comparsas entraram na loja armados de faca e, de forma bastante agressiva, renderam a proprietária e funcionárias para assaltar o local. A ação foi rápida e os dois homens que praticaram o assalto demonstraram ser violentos. Eles roubaram cerca de R$ 2 mil em dinheiro, além de cinco aparelhos celulares. Em seguida os homens empurraram as vítimas para o banheiro da loja e as trancaram lá. Logo que soube do assalto, dr. Koury Neto solicitou aos policiais civis que imediatamente iniciassem as investigações. A equipe foi até o local onde o roubo havia ocorrido. “Colhemos as características dos suspeitos e tomamos os depoimentos das vítimas. Determinei que as investigações fossem iniciadas imediatamente”, explicou o delegado titular de Luiz Antonio. Mais tarde a cidade registrou outro assalto. Desta feita, dois elementos, também agindo com CIVIS PRENDEM ASSALTANTES Como houve o esclarecimento do caso, o delegado representou pela prisão preventiva dos maiores de idade e pela apreensão do menor envolvido. O Ministério Público e a Magistratura acolheram a solicitação e determinaram a prisão dos envolvidos. O adolescente foi apreendido e encaminhado para a Fundação Casa de Ribeirão Preto. Já os dois homens foram recolhidos a um CDP (Centro de Detenção Provisória) e a mulher para uma unidade prisional feminina, onde vão aguardar atrás das grades pela Justiça. De acordo com o dr. Koury, o trabalho de sua equipe foi fundamental para manter os autores dos crimes atrás das grades. “Eles admitiram que estavam ‘dando um tempo’ para fugir. Dos presos, dois moravam em Ribeirão Preto e, não fosse o esclarecimento, teriam escapado do flagrante”, ponderou o delegado. Participaram da ação o investigador Bruno Ivan Longo e o escrivão Lucas Pereira Leite. “Foi um trabalho exclusivo da Polícia Civil que também serviu, além de prender os autores e devolver o que foi furtado a seus donos, para dar uma resposta à população de Luiz Antonio, que confia nos policiais civis. Temos um número reduzido de policiais civis, porém uma equipe eficiente. Os policiais civis foram reconhecidos por sua postura e teço eloquente agradecimento pelos esclarecimentos dos crimes e prisões feitas pela Polícia Civil de Luiz Antonio”, finaliza o dr. Koury Neto. Foto: Matheus Urenha Jornal A Cidade Apesar de efetivo reduzido, equipe intensificou investigações durante a madrugada e, além de esclarecer roubos, conseguiu deter quatro envolvidos violência, assaltaram um homem que andava pelas ruas da cidade. “Convoquei a equipe e eles iniciaram um trabalho minucioso para apurar o caso”, disse o dr. Koury Neto. Os policiais civis passaram a madrugada colhendo dados e evidência que os levassem até os criminosos e, logo no início da manhã do dia 05 de setembro, chegaram até uma residência um pouco distante do centro de Luiz Antonio, onde encontraram os quatro envolvidos. “Houve uma doação intensa dos policiais civis, que não descansaram enquanto não chegaram aos elementos. Perdurou a insistência de minha equipe. Graças a esse empenho, conseguimos realizar uma ação de certa forma rara na Polícia Civil, o ‘flagrante impróprio’ ou ‘quase flagrante’, uma ação totalmente plausível na esfera processual penal, onde a equipe fica durante tempo indeterminado colhendo provas. No nosso caso, obtivemos sucesso com a prisão dos envolvidos apenas 10 horas após o calor dos fatos”, relatou o dr. Koury Neto. De acordo com o delegado, um dos envolvidos mostrou-se surpreso com a ação dos policiais civis. “Ele disse que nunca havia visto a Polícia persistir tanto para encontrá-lo”. Após as prisões, os elementos foram levados até a Delegacia de Luiz Antonio, onde confessaram a prática dos delitos e foram reconhecidos pelas vítimas. Na residência onde eles foram encontrados, os policiais civis recuperaram tudo o que havia sido roubado nos dois casos. No primeiro roubo participaram A.D., I.P.A. e o adolescente E.M. Já no roubo praticado à noite participaram o menor e R.M., que era Dr. Koury conhecido em Luiz Antonio por seu envolvimento com drogas. Neto (2º a partir da esquerda) e sua equipe esclareceram e prenderam assaltantes que praticaram assaltos após hiato de mais de um ano na cidade Outubro/2013 05

[close]

p. 6

SÃO CARLOS DISE Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Gerais) de São Carlos, comandados pelo dr. Edmundo Ferreira Gomes, realizaram um flagrante de tráfico de entorpecentes que chocou a cidade de São Carlos. Em pleno centro da cidade, na Praça da Catedral, próximo a dois colégios particulares e tradicionais, um estudante de 19 anos estaria vendendo maconha para outros estudantes. Há cerca de 10 dias, os policiais civis receberam a denúncia da mãe de um estudante que, no local, haveria tráfico de drogas. “Aquela região tem muitos estabelecimentos escolares. E o local já era frequentado por outros usuários de drogas, não apenas estudantes. Ao recebermos a denúncia, passamos a apurar o caso e descobrimos que um dos estudantes era quem traficava a droga e os alunos do cursinho e do ensino médio das escolas, com idades entre 18 e 20 anos, mas também com muitos adolescentes, eram os principais consumidores”, explica o dr. Edmundo. Após receber a denúncia e constatar o ponto de venda de drogas, os policiais civis passaram a monitorar a área e realizaram diversas filmagens, que comprovaram o tráfico. Os vídeos, divulgados pela imprensa, chocaram a população de São Carlos, pois os dois estabelecimentos de ensino são tradicionais e geralmente frequentados por filhos de famílias de classe média e média alta. As imagens são precisas e mostram o estudante de 19 anos vendendo maconha para os jovens. As primeiras imagens foram registradas no dia 17 de setembro, logo nas primeiras horas da manhã. Um rapaz dá o dinheiro a um estudante de cursinho e recebe a “mercadoria”, um cigarro de maconha. Pouco depois, uma jovem entrega o dinheiro para o mesmo estudante e recebe uma pequena porção da droga. FLAGRA TRÁFICO PRÓXIMO A ESCOLA aos pais que observem seus filhos sempre. Ao notar algum comportamento estranho, fiquem atentos. O tráfico de drogas não é um problema exclusivo das periferias das cidades. Aqui em São Carlos mesmo temos casos no Centro e em bairros onde seus moradores têm maior poder aquisitivo. Além disso, a droga é um problema amplo, que atinge indistintamente todas as camadas sociais”, alerta o delegado. O rapaz de 19 anos foi autuado em flagrante. Durante o depoimento ele afirmou que dividia a droga com os amigos e, somente de vez em quanto, vendia a maconha para outras pessoas. Ele foi preso e, se condenado, pode pegar uma pena entre cinco e 15 anos de reclusão. Outros três adolescentes que foram flagrados com drogas foram apreendidos, ouvidos e liberados mediante presença dos pais. O crime chocou São Carlos pela consistência das imagens. Mas, em contrapartida, também mostrou que a DISE está atenta à situação e não vai permitir que traficantes continuem agindo impunemente. De acordo com o dr. Edmundo, a especializada tem atuado de forma dinâmica e reprimido a ação dos criminosos em São Carlos. Um grupo é flagrado fumando cigarros de maconha, despreocupadamente, sem se importarem com o movimento de pessoas no local. A região, onde está a Catedral Metropolitana de São Carlos, também é cortada pelas duas principais avenidas da cidade. As filmagens continuaram ocorrendo. No dia 19 de setembro o mesmo estudante que vendia a droga recebeu dinheiro e entregou uma porção de maconha a um homem que, segundo o dr. Edmundo, não aparenta ser estudante. Pouco depois um outro rapaz chega com dinheiro e sai com a droga. Durante entrevista coletiva, dr. Edmundo explicou que, após receber a denúncia da mãe de uma aluna, os policiais civis passaram a monitorar o local por cerca de uma semana, documentando a venda e o consumo de entorpecentes naquele local. Segundo o dr. Edmundo, com o trabalho de monitoramento, onde foram obtidas provas contundentes do tráfico e consumo de drogas naquela região, os policiais civis foram autorizados a efetuar a prisão dos envolvidos em flagrante. O acusado do tráfico, estudante de 19 anos, foi preso em flagrante pela equipe da DISE de São Carlos. Com ele foi encontrada uma porção de maconha e uma pequena quantia em dinheiro. Durante a ação, os policiais também flagraram outros três estudantes, um dos quais portando uma porção de maconha. Em depoimento, ele confessou que havia acabado de comprar a droga do colega preso em flagrante. “É uma situação preocupante, pois muitos dos pais acreditavam que seus filhos estivessem na escola, em segurança. Mas alguns deles estavam em praça pública consumindo droga. E o outro estava traficando. É sempre bom lembrar Dr. Edmundo Ferreira Gomes e sua equipe flagraram o tráfico de drogas em área próximo a dois colégios particulares, no centro de São Carlos 06 Outubro/2013

[close]

p. 7

S OLENIDADE ALESP COMEMORA DIA DA POLÍCIA CIVIL Em sessão solene, com plenário lotado, DGP dr. Maurício Blazeck foi muito aplaudido pelos presentes, entre os quais policiais civis de todo o Estado O projeto da deputada estadual Rosmary Corrêa, a delegada Rose, transformado na Lei 12.259 de 15 de fevereiro de 2006, instituiu em 30 de setembro o Dia da Polícia Civil do Estado de São Paulo. E por iniciativa do deputado estadual Itamar Borges, a ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) realizou uma sessão solene no Plenário Juscelino Kubtscheck de Oliveira para comemorar a data. O plenário da ALESP estava completamente lotado e, entre deputados e convidados, houve grande presença de policiais civis de todo o Estado. O deputado Itamar Borges presidiu a solenidade, que contou com a presença, na mesa diretora, do delegado Geral de Polícia Civil, dr. Luiz Maurício Souza Blazeck; do delegado geral adjunto, dr. Valmir Eduardo Granucci - que até o final de 2012 comandava o Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto; do diretor do Decade, dr. Marco Antonio Descgualdo; do secretário da Administração Penitenciária, Lourival Gomes; do deputado federal Arnaldo Faria de Sá (PTB/SP) e dos deputados Maria Lúcia Amary Fernandes, Fernando Capez e Major Olímpio, além do chefe do Estado-Maior do Comando Militar do Sudeste, general de brigada Carlos dos Santos Sardinha. O responsável pela DGP (Delegacia Geral de Polícia), dr. Maurício Blazeck, fez questão de agradecer a homenagem. Visivelmente emocionado, ele destacou sua luta para a valorização dos policiais civis e aproveitou para agradecer o apoio que vem recebendo de todos os segmentos, especialmente da ALESP, do governo do Estado e da SSP (Secretaria da Segurança Pública). O dr. Blazeck alogiou a presença e a participação ativa dos policiais civis e lembrou do momento histórico que atravessa a Polícia Civil. “Senhores e senhoras, policiais civis aqui presentes, presenciamos um marco histórico na Polícia. Tenhamos consciência da relevância do momento e da importância desta união. Não se trata apenas de uma luta de regras, mas de uma conquista moral”, destacou. Nesta altura, todos ficaram de pé e aplaudiram o DGP por vários minutos. Prestigiando Para o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, que esteve presente à solenidade na ALESP, o transcurso do Dia da Polícia Civil é muito importante para a Instituição. “Mas ainda falta muito para podermos comemorar. Durante mais de duas décadas temos sofrido com os desmandos dos governos, que reduziram drasticamente nosso poder aquisitivo e minaram nossa autoestima. Qualquer um vê a situação difícil pela qual atravessa a nossa Polícia Civil. O efetivo está baixíssimo. Temos hoje trabalhando muito menos policiais civis do que tínhamos há 30 anos, quando a população era muito menor do que a atual. Tem policial civil desenvolvendo o trabalho de três, até quatro companheiros, diante da falta de efetivo. E isso é indistintamente em todas as carreiras. Não obstante, o governador travou uma longa queda de braço na campanha salarial e só agora é que tudo se esclareceu. Precisamos fazer manifestos, passeatas, movimentos, operação blecaute, até que ele percebesse que, se não houvesse acordo, o caminho seria a realização de uma nova greve. Espero que, dentro de alguns anos, em outros 30 de setembro, possamos comemorar com muita alegria o Dia da Polícia Civil, instituição pela qual nos orgulhamos de ter servido e que lutamos para que ela finalmente possa crescer e ser forte como era anteriormente”, disse Eumauri. O presidente do Sinpol também fez questão de cumprimentar o dr. Blazeck. A exemplo da grande maioria dos presentes, ele destacou o importante trabalho do DGP em prol dos policiais civis. “Ele mereceu ser aplaudido. Trabalhou muito pelo aumento e pela valorização. Certamente continuará trabalhando pelas demais carreiras. Sentimos a falta de representantes da PM à solenidade, mas diante do que vem ocorrendo recentemente, isso já era esperado”, alfinetou Eumauri. Fotos: SSP/SP e Sinpol Policiais civis, políticos, autoridades e convidados participaram da solenidade do Dia da Polícia Civil na ALESP; entre os presentes, o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, que fez questão de agradecer o DGP, dr. Blazeck Outubro/2013 07

[close]

p. 8

NOVELA CHEGA AO SEU FINAL E ALCKMIN ANUNCIA 7% O governador de São Paulo Geraldo Alckmin anunciou, no dia 13 de setembro, um reajuste linear para os servidores da Polícia Civil, Polícia Técnico Científica, Polícia Militar e extensivo também aos agentes penitenciários, aposentados e pensionistas da categoria. O anúncio foi feito após serem intensificados os protestos contra Geraldo Alckmin, que não dava respostas às reivindicações da categoria. Semanas antes de o reajuste ser anunciado, o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, adotou uma tática ostensiva. Ele acompanhava a agenda de Alckmin pela região de Ribeirão Preto e, quando tinha alguma atividade política com a presença do governador, lá estava Eumauri para cobrar, publicamente, respostas sobre as reivindicações da categoria. “Alckmin era sempre simpático e sorridente, mas via que, por trás do sorriso, ele ficava meio enraivecido e meio constrangido. Agradecia, dizia que falaria a respeito do reajuste em outra hora e seguia para os compromissos. Mas sempre com um sorriso amarelo”, avalia Eumauri. “Quero valorizar primeiro toda a Polícia, a atividade policial. Ao final de meu mandato, quero que todos vejam que tiveram ganhos acima da inflação, ganho real. Procuramos estabelecer a carreira, um futuro melhor, estimulando a atividade policial, que é de alto interesse público”, justificou o governador, lembrando que este é o terceiro aumento em seu governo. Alckmin adiantou que, no período, os policiais tiveram reajustes que totalizam 36,59%, enquanto a inflação ficou em 17,92%. “O que o governador não revela em seu discurso eleitoreiro é que nossas perdas são enormes desde que o seu partido, o PSDB, assumiu o governo no Estado de São Paulo. Ficamos muitos anos sem ter reajuste ou tendo aumentos minguados. Nosso poder aquisitivo caiu sensivelmente”, dispara Eumauri. Protestos De acordo com a assessoria de imprensa da SSP, a medida que determinou os reajustes para as categorias citadas representará um custo de R$ 980 milhões por ano ao erário do Estado. O reajuste foi anunciado após aumentarem os protestos contra a falta de diálogo de Alckmin, que ignorava as reivindicações feitas pelos policiais civis e entregues no início de 2013 ao governador e sua equipe. Nos meses de julho e agosto, vários atos públicos foram realizados, com o objetivo de sensibilizar o governador, já que a opinião pública mostrou-se favorável a um reajuste digno para a classe policial. Em Ribeirão Preto um grande ato foi promovido pelo Sinpol. Reunidos na Esplanada do Theatro Pedro II, policiais civis fizeram uma grande manifestação. Em seguida saíram em passeata pelas ruas do Centro e foram recebidos pelos vereadores na Câmara Municipal de Ribeirão Preto. Além disso, várias ações de Operação Blecaute ocorreram. Durante a Operação Blecaute, os policiais civis paralisavam suas atividades por algumas horas e explicavam à população a razão daquele movimento. Ainda no mês de setembro, Geraldo Alckmin encaminhou o PLC (Projeto de Lei Complementar) 36/2013 à ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) com pedido de urgência. Isso significa que, assim que for votado e aprovado pelos deputados e, após sancionado por Geraldo Alckmin, o projeto será retroativo a setembro. Policiais civis ativos e inativos e pensionistas terão direito ao reajuste, o mesmo ocorre com os servidores da Polícia Militar e da SAP. “Ainda há muito para ser feito pelo governador para melhorar a Polícia Civil. Vamos buscar a valorização para todas as carreiras, a exemplo do que ocorreu com os delegados, investigadores e escrivães [leia matéria nesta edição]. E também continuamos na luta para aumentar o quadro de funcionários. O policial civil está sobrecarregado. Precisa trabalhar com as mínimas condições”, disparou Eumauri. Em todos os atos políticos do governador na região, Eumauri estava presente para interpelá-lo e cobrar o tão esperado reajuste salarial da categoria 08 Outubro/2013

[close]

p. 9

GOVERNO Demorou quase dois anos, mas finalmente a tão falada valorização de algumas das carreiras da Polícia Civil foi anunciada pelo governador Geraldo Alckmin. No dia 25 de setembro ele anunciou a C.J. (Carreira Jurídica) para delegados e o N.U. (Nível Universitário) para escrivães e investigadores. Tudo foi estabelecido pela LC (Lei Complementar) 1151/2011, onde, em seu artigo 26, ficou determinada a criação de um GT (Grupo de Trabalho) integrado por representantes dos poderes executivo e legislativo para avaliar tal possibilidade. O GT foi criado graças à insistência do Sinpol e outros sindicatos, em seu prazo limite e, na ocasião, foi estabelecido que a finalização dos estudos ocorreria em 30 de junho de 2012, o que não ocorreu por parte dos integrantes do executivo. A situação se estendeu até o anúncio de Geraldo Alckmin. “Nós estamos mandando o projeto de Lei estabelecendo um reajuste de 10,5% neste ano e 15% no ano que vem. De tal forma que o delegado de terceira classe, cujo salário inicial hoje é de R$ 7.547, passará a ser de R$ 8.776 e, a partir do ano que vem R$ 10.073. Isto beneficia 3.246 delegados da ativa e é uma gratificação. E o impacto é de R$ 127 milhões por ano, a partir de 2015, quando tivermos os dois reajustes”, explicou Alckmin, durante coletiva em que anunciou as medidas. Ainda de acordo com o governador, a bonificação para investigadores e escrivães atende à Lei do Nível Universitário, aprovada em 2008. “Serão reajustes que variam de 8,5% a 18,5% neste ano e de 15% a 25,75 em 2014, beneficiando 27.280 profissionais, entre ativos e inativos”, adiantou Alckmin. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, o N.U. vai contemplar todos os escrivães e investigadores, ativos e inativos, e pensionistas. Já no caso da C.J. para delegados, num DIVULGA VALORIZAÇÃO havendo a realização de novos concursos. Eumauri também quer que as demais sejam incluídas e que se discuta uma valorização para todos. “São carreiras fundamental no dia-a-dia da Polícia Civil. Também queremos ver valorizados o fotógrafo, o desenhista, o auxiliar de necrópsia, o operador de telecomunicações e o papiloscopista. Cada um destes profissionais é altamente necessário para o desempenho das atividades de Polícia Judiciária. Sem eles, a Polícia Civil e a Polícia Técnico Científico não funcionam. Vamos lutar pela valorização de todos”, dispara Eumauri. primeiro momento apenas os da ativa serão contemplados e, a partir de 2014 todos os delegados, da ativa e inativos e pensionistas, serão beneficiados. Fortalecido O anúncio foi feito cerca de duas semanas após o governador Alckmin determinar um reajuste linear de 7% para servidores das Polícias Civil, Técnico Científica, Militar e agentes penitenciários da SAP (Secretaria de Assuntos Penitenciários). Antes dos anúncios e após estabelecer publicamente o índice de 7%, o delegado Geral de Polícia, dr. Luiz Maurício Souza Blazeck, trabalhou intensamente para ver a medida aprovada. “O dr. Blazeck demonstrou ser um delegado classista e altamente preocupado com a valorização dos policiais civis. Ele saiu bastante fortalecido nesta negociação”, admite Eumauri. Mas para o presidente do Sinpol, a valorização não deve se restringir somente às três carreiras. “Somos 14 carreiras dentro da Instituição. Todas elas têm enorme importância. Sem uma delas a Polícia Civil não funciona. Desta forma, não é justo contemplar três e deixar as demais apenas com o pequeno índice de 7%”, completa Eumauri. O presidente do Sinpol pretende formar uma comissão com representantes de todas as demais carreiras para uma reunião que ele está aguardando ser agendada com o dr. Blazeck. De acordo com Eumauri, o próprio delegado geral já comentou sobre a necessidade de se estabelecer ensino médio para carreiras que ainda exigem ensino fundamental para ingresso na Polícia Civil. “Vamos falar com o dr. Blazeck para agilizar esse processo, para que essas carreiras passem a ser consideradas de ensino médio”, adianta. As carreiras que podem ser beneficiadas com a valorização são as de agente, auxiliar de papiloscopista, atendente de necrotério e carcereiro - embora esteja em processo de extinção, não O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, elogiou a valorização para delegados, investigadores e escrivães, mas manda seu recado: “é preciso valorizar todos os policiais civis, de todas as carreiras, e vamos lutar por isso” Outubro/2013 09

[close]

p. 10

DIGITAL O cartaz estampado nesta página poderia ser uma mera alusão aos filmes de Hollywood que retratavam a colonização do oeste norte-americano, os faroestes. Mas não é. A DP (Delegacia de Polícia) de Taquaritinga esteve, de fato, à procura da pessoa que produziu esta impressão digital. Ela pertence a um criminoso que entrou na residência de uma vítima para praticar um roubo e aguardava por sua identificação, afirma o papiloscopista José Eduardo Márcico. Natural de Taquaritinga, formado em Processamento de Dados com ênfase em Análise de Sistemas pela FATEC de Taquaritinga, Márcico está há 18 anos da Polícia Civil e é apaixonado pela área em que sua carreira atua, a papiloscopia. A ciência que estuda as impressões digitais há mais de um século. Foi seu interesse pela área que o motivou a começar o trabalho com banco de dados que possibilitasse identificar autores de digitais encontrados em locais onde ocorreram crimes, para auxiliar o trabalho de investigação e elucidação dos casos. Com a popularização da informática, Márcico passou a pesquisar uma forma de criar um banco de dados digital com impressões digitais, algo até então inédito em todo o estado de São Paulo. “Em 1998, encontrei na internet um software para microcomputadores, coisa que até então, só existia para computadores de grande porte. O software estava em uma de suas primeiras versões e era bastante limitado.”, lembra Márcico. Independente de dificuldades, Márcico passou a trabalhar no projeto simplesmente por gostar do que faz. Aos poucos, o Banco de Impressões Digitais começou a se tornar uma realidade. “Para IDENTIFICADA parte, é menor que R$ 700,00, um valor irrisório, principalmente se comparado o custo-benefício. Márcico explica que, por determinação do dr. Giaretta, o sistema está sendo ampliado e, com o investimento previsto, a capacidade do sistema passará das atuais 5 mil fichas dacadactilares para mais de 50 mil - reunindo no banco de dados mais de 500 mil impressões digitais de criminosos. “Mas nossa pretensão, é chegar a 10 mil fichas até o final deste ano, duplicando nossa capacidade. Acredito que, com essa ampliação, muitos outros crimes, ainda sem solução, possam ser esclarecidos”, comemora. Voltando ao caso da impressão digital, o caso vinha sendo investigado há vários anos e a única pista que os policiais civis tinham era a impressão digital. “Como era previsto, a ficha do meliante, finalmente, foi cadastrada no sistema, juntamente com milhares de outras fichas e este, por sua vez, identificou a digital coincidente com a impressão colhida no local - aquela procurada no cartaz, confirmando a presença do acusado no local dos fatos”, comemora Márcico. O trabalho coroou o esforço de toda a equipe de Taquaritinga, que jamais desistiu do caso. Se houvesse mais investimentos para a criação de um grande banco de dados com impressões digitais de criminosos, muitos outros crimes aparentemente sem solução seriam esclarecidos. E a identificação da digital que participou do roubo em agosto de 2012, teve desdobramentos. Graças a ela foi esclarecido outro roubo, praticado pela quadrilha integrada pelo dono da digital e que teve o reconhecimento das digitais de outro elemento do grupo. se ter uma ideia, as técnicas e equipamentos que utilizávamos na época, permitiam que fossem arquivadas apenas 10 ou 12 fichas por dia, o que retardou bastante a obtenção dos primeiros resultados. Com a melhora nos equipamentos e aplicação de novas técnicas desenvolvidas, atualmente, conseguimos arquivar até 300 fichas por dia”, revela. Esse trabalho fez com que Márcico passasse a buscar impressões digitais dos criminosos que têm ficha na Seccional de Polícia Civil de Araraquara. Com o apoio do delegado Seccional, dr. Fernando Luiz Giaretta - que já foi seu chefe direto em Taquaritinga e já conhecia seu trabalho-, o papiloscopista passou a aumentar seu acervo de digitais, chegando hoje a mais de 5 mil fichas dacadactilar - 50 mil digitais arquivadas. Todo esse trabalho vem sendo desenvolvido desde que Márcico passou a contar com uma poderosa ferramenta no combate ao crime, o AFIS (Automated Fingerprint Identification System, no português Sistema Automático de Identificação de Impressões Digitais). O que vem sendo desenvolvido por Márcico na seccional de Araraquara é feito espontaneamente, até porque a Instituição ainda não desenvolveu um banco de dados específico, que possa ser utilizado interligando todos os Deinters (Departamento de Polícia Judiciária do Interior) e os órgãos da Capital. De acordo com o papiloscopista, o custo para se implantar um AFIS igual ao utilizado pela Seccional de Araraquara, da qual Taquaritinga faz Arte: José Eduardo Márcico Graças ao trabalho do papiloscopista de Taquaritinga José Eduardo Márcico, foi possível identificar o autor da digital encontrada em local onde ocorreu um roubo 10 Outubro/2013

[close]

p. 11

JUSTIÇA TJ AMPLIA PENA POR ASSASSINATO DE DELEGADO tigador, entrar na área das celas onde estavam os presos amotinados para negociar uma rendição. Logo que entrou, o delegado foi imobilizado. O investigador foi impedido de entrar pelos outros presos. Dr. Taroco foi jogado em uma cela, enrolado em um colchão no qual os presos atearam fogo. Durante a rebelião, o preso que imobilizou o delegado acabou morto em confronto com a Polícia. O delegado foi retirado do local com ferimentos gravíssimos. Ele teve 80% do corpo atingido por queimaduras e ainda lutou bravamente por 19 dias na UTI de um hospital em Ribeirão Preto, para onde foi transferido após ser resgatado. Mas diante da gravidade dos ferimentos, dr. Taroco acabou morrendo no dia 02 de junho, vítima de insuficiência renal e choque séptico. O velório do delegado reuniu milhares de pessoas e parou a cidade de Jaboticabal. Uma enorme carreata acabou se formando para receber o corpo, que veio de Ribeirão Preto para ser velado na sede da Prefeitura de Jaboticabal. Na ocasião, dr. Taroco tinha 39 anos. Ele foi sepultado em sua cidade natal, Ariranha. “Ninguém se conforma. O que eu sei é que ele gostava muito de sua profissão e cumpriu o seu dever”, afirmou à época a viúva do delegado, Magnólia Taroco. Ele deixou a esposa e dois filhos, na época com 16 e 11 anos. Em 2011, nove presos que participaram da rebelião em 2006 foram a julgamento. Na rebelião, um dos líderes morreu em confronto. Dos nove, dois foram absolvidos do crime de homicídio, mas foram condenados por incêndio e danos ao patrimônio público. Os outros sete foram condenados por homicídio, promover incêndio e danos qualificados, com penas entre 16 anos e 22 anos. Um dos condenados já estava em liberdade e saiu algemado após a divulgação da sentença. O resultado do julgamento, à época, revoltou muitos policiais civis e a população de Jaboticabal, que acharam as penas muito brandas pelo crime praticado. Também em 2011, o TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo) condenou o Estado a indenizar a família do delegado por danos morais e materiais, além do pagamento de uma pensão mensal à partir da data de sua morte. De qualquer forma, com indenização do Estado ou com a condenação dos envolvidos, ambos os eventos passíveis de recurso, Jaboticabal jamais irá esquecer o competente delegado Adelson Taroco e a forma brutal e covarde como ele foi assassinado. Agora, por determinação do TJSP, as penas para dois dos condenados foram elevadas de 12 para 16 anos de reclusão. Outros quatro detentos tiveram suas penas majoradas de 16 anos e quatro meses para 18 anos e oito meses de reclusão. Outros seis, que foram condenados apenas pelo incêndio qualificado tiveram suas penas inalteradas. Desses condenados, dois receberam penas de quatro anos de reclusão e os demais foram apenados em seis anos e dois meses, todos em regime inicialmente fechado. Outros dois detentos, que foram condenados pela morte do delegado e tiveram suas penas de homicídio aumentadas, mantiveram as penas pelo incêndio qualificado inalteradas. Um dos presos cumpre quatro anos e o outro três anos de reclusão, ambos em regime fechado. A decisão dos desembargadores em aumentar as penas do homicídio do dr. Taroco se deu de forma unânime. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, todavia, ainda são penas brandas. “Isso é muito pouco diante da atrocidade que eles cometeram”, concluiu Eumauri. Foto: Reprodução EPTV Dos 12 condenados pela morte do dr. Adelson Taroco em 2006, na cidade de Jaboticabal, seis tiveram o tempo de reclusão aumentado O TJ (Tribunal de Justiça) do Estado de São Paulo acolheu no dia 23 de setembro o recurso impetrado pelo Ministério Público contra a sentença condenatória dos homens acusados pelo assassinato do delegado Adelson Taroco, durante rebelião ocorrida na Cadeia Pública de Jaboticabal, em 2006. Diante do acolhimento do recurso, seis dos 12 condenados tiveram suas penas aumentadas. O dia 02 de junho de 2013 marcou o sétimo ano do falecimento do delegado Adelson Taroco. Ele morreu depois de ficar 19 dias internado em um hospital de Ribeirão Preto em estado gravíssimo, após ter sido queimado vivo durante uma rebelião na Cadeia Pública de Jaboticabal, ocorrida em 14 de maio de 2006. Dr. Taroco ingressou na Polícia Civil em 1988, atuando como delegado na cidade de Cândido Rodrigues. No início de 1991, foi transferido para a então Delegacia Seccional de Jaboticabal - que pouco tempo depois foi extinta. Depois de quatro anos na cidade, foi indicado para a titularidade do 1º DP (Distrito Policial) de Jaboticabal, além de tornar-se diretor da Cadeia Pública. No dia 14 de maio de 2006, um domingo, dia das Mães, uma facção criminosa que atua dentro e fora de presídios paulistas, iniciou uma onda de ataques nas ruas do Estado a ônibus e vans, além de atacar policiais civis e militares. Também coordenou uma série de rebeliões em cadeias e presídios no Estado. Em Jaboticabal, os presos da Cadeia Pública se rebelaram. No local havia 48 presos, dos quais 15 participaram do motim. O delegado, que era respeitado pelos presos, ao saber da rebelião, seguiu imediatamente para a Cadeia e iniciou um diálogo para tentar acalmar os ânimos acirrados. Durante a negociação, o delegado decidiu, acompanhado de um inves- Dr. Taroco era diretor da Cadeia Pública de Jaboticabal quando, durante rebelião comandada por facção criminosa, foi rendido por presos e enrolado em colchão no qual os assassinos atearam fogo, em crime que chocou o País Outubro/2013 11

[close]

p. 12

ANIVERSARIANTES A vida é um milhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar. Feliz Aniversário aos nascidos em novembro! 1 Adriano Roberto Marqui Luciana Carmargo Renesto Rosivaldo Fernandes Cunha Matilde Nori Tosta de Oliveira 2 Priscilla Yoshi Serapião Hashimoto Luiz Celso Hypólito João Fernando Baptista Francisco Lopes Neto 3 Célio Antonio Santiago Sílvia Helena da Silva Milani Guidalberto Marques de Mello José Carlos de Oliveira José Carlos da Silva Paulo Luiz Morato de Aquino João Batista Sérgio Neto Kennedy Santos Bittencourt Sílvia Helena A. de Souza Carlos César Bueno Antonio Carlos Sampaio 4 Roberto Lazinho Danilo Ávila Luiz Henrique Rossi Jorge Ferreira Seridonio 5 Valmério Francisco da Silva 6 Sebastião Vicente Picinato Geraldo Augusto Mazaron Amir Pessoa Vicente Paulo Gonçalves Nilson Lopes da Silva 7 Benedito Grillo Chiyoko Matsui Minamisava Wander César Galante Orlando Posca João Santino Silvério Ana Paula Rodrigues Nucci Carmo Puliezi José Luiz de Lima Daniela Cristina das Taboas 8 José Carlos Marcucci Lucimara Rocha Gomes Daura Rita Aparecida Macedo Candido Armando Nelcidio Gonçalves Ricardo Ruzzene Neto Isaura Lemos Cora Walter Moraes Braga Júnior Cândida Ribeiro da Silva 9 Moysés José Cocito Tania Maria Leite Ribeiro Lima Marcos Aparecido Ferreira do Carmo Maria Aparecida Donizete D. Oliveira Aparecido Donizeti Alexandre 10 Baltazar Padilha Iracema Aparecida da Silva Antonio Flávio Martins Mariangela Paiva de Araújo Orrico José Eduardo Marcico Andrea Alessandra Moretti Claudemir Aparecido Pereira da Silva 11 Evandro Estadeu Rezende João Paulino Veima Chelli Raimundo de Oliveira Sílvio Carlos de Menezes 12 Celso Garcia Oliveira Altair Lopes dos Santos Saladino Daer El Khatib 13 Maria Amália Viana Spinelli Roberto de Souza P. Filho Alexandro Gomes Angulo Raquel Maria Ferreira Motta 14 Sandro Luís Ruivo 15 Antonio Fernando Garcia Antonio Jaime Zanini Nilva Sueli Lucindo Pistori Osvair José da Silva Roney Antonio Gentil Abílio Valdir Fioravanti João Francisco Alves Filho 16 Tereza Garcia Franco Ricardo Contin Cláudio José Ottoboni Fernando Luiz Rohrig 17 Joel Dias da Mota Luís Augusto da Silva Júlio César Falconi Ferreira Eduardo de Oliveira Crestani 18 Telma Cristina do Carmo Débora Caldo Pinheiro Adilson Roberto de Souza 19 Geraldo Souza Filho Luís Henrique Zanoello Alexandre do Carmo Lopes Ferraz 20 José Mário Zanoello Afonso Bibanco 21 Francisco Renato Tortorelli Costa Jorge Carlos Tacão Marcelo R. Alves Caleiro 22 Assis José Aparecido Tasca Marcos Cesar Borges Regina Neves Guerra Glaucon Bonette José Luiz de Almeida 23 Maria de Fátima de Luca Reginaldo Guicardi Maria Aparecida Benta 24 Carlos Osvaldo Russo Érico F. de O. Seixas Santos 25 Valdir Delfino Paulo Fernando do Nascimento Bittar Ana Cláudia Augusto Ferreira 26 José Orlando Theodoro Costa Sueli Aparecida Francisco Marco Antonio Maciel Ana Beatriz de Almeida Matos Dias 27 Sílvia Helena Polaqui Adalberto de O. Gonçalves Paulo Rogério Marcussi 28 Marco Antonio G. da Silva 29 Antonio Carlos Sampaio Joel Brondi Sirtes da Silva José Roberto Albarelo Maldonado Casemiro de Castro Júnior José Luis de Meirelles Júnior Renata Cassiano 30 Adilson Massei Ademir Gomes MEMÓRIA Policiais civis e militares, eventualmente, se reuniam em conjunto para confraternizações. Na foto de 1979, alguns delegados que estavam na ativa foram convidados para um churrasco na ADPM (Associação Desportiva da Polícia Militar), no Alto do Ipiranga, zona norte de Ribeirão Preto. Na foto, identificados à partir da esquerda, Triestino, Luís Renato, Palma Rocha, Batal, Carlos Mauro, dois não identificados e o dr. Araújo. Deste grupo, somente o dr. Araújo está vivo. DO FUNDO DO BAÚ O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. O Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto está mantendo um acervo de imagens relacionadas à Polícia Civil. Para tanto, a Diretoria está incentivando a participação de associados que tenham em seus arquivos fotografias que possam ilustrar diferentes aspectos da história da Instituição. “Temos certeza que muitos colegas guardam várias fotos com lembranças de reuniões, eventos e de situações cotidianas dentro da Instituição, com um valor inestimável pelas lembranças que representam”, ressalta o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Os interessados em colaborar com esse resgate da memória da Polícia Civil da região podem entrar em contato com a Secretaria do Sinpol, através dos telefones (16) 3612-9008, 3625-3890 e 3979-2627, ou do email sinpolrp@sinpolrp.com.br. “As fotografias serão digitalizadas e prontamente devolvidas aos seus proprietários”, garante Eumauri. O material reunido pelo Sinpol será publicado no Jornal do Sinpol e no site da entidade (www.sinpolrp.com.br). 12 Outubro/2013

[close]

p. 13

SUCATEIRO Os policiais civis do 2º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto, localizado nos Campos Elíseos e que atende à maior área demográfica da cidade maior inclusive do que a maioria das cidades da região -, localizaram e prenderam um homem sob a acusação de receptação de produtos furtados. D.W.D., de 21 anos, foi encontrado com uma estátua de bronze de 50 quilos de Jesus Cristo, que havia sido furtada no mês de agosto, do Cemitério da Saudade. Além disso, cerca de 70 metros de cabos de cobre furtados de empresas de telefonia fixa foram encontrados no depósito de sucatas que pertence ao pai do acusado de receptação, localizado próximo à Favela do Brejo, na região da Vila Elisa, zona norte de Ribeirão Preto. Segundo Selvito, investigador chefe do 2º DP, nos últimos meses criminosos praticaram sucessivos furtos de peças ornamentais de bronze no Cemitério da Saudade. “Isso gerou um grande número de boletins de ocorrências que, despachados à investigação, foram alvos de diversas diligências. Nosso foco eram pessoas viciadas em entorpecentes, sobretudo moradores de rua. Operações visando fiscalização foram intensificadas nos chamados ‘ferro-velhos’ e empresas de sucatas e recicláveis. Consideramos estes os locais mais prováveis para o destino das peças de bronze”, explica Selvito. Dando sequência às investigações, uma equipe de investigadores do 2º DP se dirigiu a uma sucata localizada próximo à Favela do Brejo e, logo nas primeiras buscas, encontraram material que havia sido furtado do cemitério. “Encontramos a imagem de Jesus Cristo que pertence ao jazigo da família do ex-presidente da Câmara Municipal de Ribeirão Preto, vereador Fuad Hana”, revela. A recuperação da estátua rendeu à equipe do 2º DP um agradecimento pessoal feito pelo vice-pre- É PRESO POR RECEPTAÇÃO do justamente o que conseguimos: encontrar as peças intactas”, destacou Selvito. De acordo com os policiais civis que atuaram no caso, D. não tinha passagens policiais, mas como foi preso em flagrante, será indiciado por receptação qualificada de objeto furtado e, após o lavramento do flagrante, continuaria detido, embora seu pai estivesse tentando obter sua liberdade provisória. Em entrevista à imprensa, o indiciado procurou justificar seu ato. “Foi a primeira vez que fiz isso. Eu comprei de um homem que não conheço, ele é ‘craqueiro’ [viciado em crack]. Paguei barato e ía vender para fazer dinheiro. O quilo do bronze custa R$ 7 e com o dinheiro eu ía comprar comida para meu filho de 11 meses. Se não fizesse isso, ele passaria fome”, disse. De acordo com a investigação, os fios de cobre teriam sido roubados de uma área na esquia na Avenida Brasil com a Rua Peru, também na zona norte da cidade. A equipe que atuou no caso foi formada pelos investigadores Selvito, Ricco, Júnior, Francisco e Cacildo. O titular do 2º DP é o dr. Fernando Gonçalves de Oliveira. Equipe do 2º DP de Ribeirão Preto investigava furtos em cemitério e encontrou suspeito com estátua de Jesus Cristo em bronze feito de Ribeirão Preto, Marinho Sampaio. Além da estátua de bronze, os policiais civis localizaram e apreenderam os fios de cabos de cobre utilizados na transmissão de dados por companhias de telefonia fixa. “Acreditamos que essa ação que resultou com a prisão do receptador, vá inibir tanto a prática de novos furtos, quanto a receptação dos produtos eventualmente roubados, porque os responsáveis vão acabar respondendo por seus crimes”, acrescentou o chefe dos investigadores do 2º DP. Furtos Nas últimas semanas, o Cemitério da Saudade foi alvo de diversos furtos de imagens em bronze. De acordo com levantamento do 2º DP, que atende à área onde está localizado o cemitério, cerca de 20 boletins de ocorrência relatando furtos de imagens foram registrados recentemente. Durante a vistoria, os policiais civis encontraram ainda um cálice de metal e um simulacro de arma de fogo. Os policiais civis ainda não sabem se o cálice também é objeto de furto do cemitério. Ao inquirir sobre o responsável pelos produtos encontrados, o filho do dono do depósito de sucatas, D., assumiu que ele havia comprado de outras pessoas os objetos para depois vendê-los e ganhar um dinheiro extra. Ele alegou que precisava do dinheiro para comprar comida para o filho. “Ele alegou que havia comprado os materiais de um viciado que seria o responsável pelo furto. A grande dificuldade nesse tipo de prisão é que o material costuma ser imediatamente derretido ou pelos autores, que são normalmente viciados em drogas, ou pelos receptadores. E após a peça ter sido derretida, dificulta o flagrante. Justamente por esse motivo, intensificamos as visitas aos locais onde pudesse haver ocorrido a receptação, buscan- Os investigadores Júnior, Selvito e Ricco, do 2º DP de Ribeirão, que participaram da ação que resultou na prisão de acusado de receptação de peça de cemitério Outubro/2013 13

[close]

p. 14

JURÍDICO SINPOL OBTÉM NOVAS VITÓRIAS assegura paridade e integralidade”, dispara Eumauri. Defesas O departamento jurídico do Sinpol também vem atuando em outras frentes. Principalmente com o objetivo de defender os associados contra possíveis arbitrariedades que possam ser cometidas pela Corregedoria através de sindicâncias administrativas. “O Sinpol não compactua com o mal policial. Esse tem que pagar pelos seus erros, pelos seus crimes. Mas estava se tornando comum a Corregedoria instaurar sindicâncias administrativas para punir policiais civis injustamente. Isso jamais iremos concordar. Perseguição aos policiais civis é algo que o Sinpol jamais vai compactuar”, defende Eumauri. Diante dessa linha de conduta, o departamento jurídico obteve recentemente mais duas vitórias na defesa de associados. Numa delas foi garantida a absolvição do escrivão Valter Lopes da Silva, que atua na Delegacia Seccional de Polícia Civil de Ribeirão Preto. Em outra ação, o jurídico do Sinpol conseguiu absolver o agente de telecomunicações policial Carlos Henrique Carneiro Scarparo, também lotado na Delegacia Seccional de Ribeirão Preto. Nos dois casos, as sindicâncias administrativas foram arquivadas e ambos foram totalmente absolvidos. “Estamos sempre ao lado dos policiais civis. Esse é o objetivo do Sinpol”, garante Eumauri. A briga de Eumauri para obter aposentadoria pela Lei 51/85 e contra possíveis desmandos da Corregedoria continua com novos capítulos Mês após mês o departamento jurídico do Sinpol vem conquistando novas vitórias em favor dos associados. E a luta é uma bandeira diretamente empunhada pelo presidente do sindicato, Eumauri Lúcio da Mata, que não esconde sua satisfação diante das sucessivas vitórias obtidas pelo departamento jurídico. Segundo o presidente do Sindicato, desde o primeiro mandado de segurança obtido em favor de um associado, determinando que o Estado cumpra aposentá-lo com base na LCF (Lei Complementar Federal) 51/85 - que garante paridade e integralidade - muitas outras vieram, sacramentando a tese que Eumauri defende há tempos. “A Lei 51/85 é adotada por todos os estados brasileiros, à exceção de São Paulo. O governo paulista alega que tal Lei não teria sido recepcionada pela CF [Constituição Federal] de 1988 e insiste em nos aposentar pela famigerada Lei 1062/2008, que ocasiona grandes perdas no salário do policial civil que quer se aposentar”, adverte Eumauri. Ele explica que, como a 51/85 já é adotada por quase todos os estados brasileiros, o STJ (Supremo Tribunal de Justiça), entende que ela foi recepcionada. Diante disso, o Sinpol tem ingressado com diversos mandados de segurança buscando garantir o direito de seus associados em se aposentarem pela lei federal. Independente de resultados em primeira ou segunda instância, quando chega ao TJ (Tribunal de Justiça), os mandados costumam ser aprovados e cessa aí o direito do governo de recorrer, uma vez que em âmbito federal a Lei é considerada válida. “Apenas o governo paulista insiste em impingir grandes perdas aos policiais civis. Isso é um absurdo. Diante das várias conquistas, ingressamos com dois mandados de segurança coletivo que já estão tramitando. Num deles, garantiremos o direito a todos os associados do Sinpol de se aposentarem pela Lei 51/85, uma vez conquistado o mandado de segurança. No outro, buscamos a reversão da Lei 1062/62 para a Lei 51/85. Diante disso, uma vez obtido o mandado de segurança coletivo, todos os associados do Sinpol que já se aposentaram pela Lei 1062/08 terão os cálculos de aposentadoria e seus direitos revertidos para o que normatiza a Lei 51/85” lembra Eumauri. Vitórias Nos últimos dias, quatro novos associados conquistaram seus mandados de segurança, garantindo-lhes o direito de se aposentarem pela Lei 51/85. “Foram decisões favoráveis com relação ao processo de aposentadoria pela LC 51/85, garantindolhes o direito de paridade e integralidade”, ressalta o dr. Ibelli. Um destes favorecidos é o agente policial, que atua em Mococa, Abílio Valdir Fioravanti. Ele obteve o mandado de segurança junto à 4ª vara da Fazenda Pública. Quem também se beneficiou e obteve mandado de segurança foi o escrivão José Geraldo Triques, que atua na cidade de São Carlos. NO dia 16 de setembro ele obteve sentença favorável junto à 2ª Câmara de Direito Público. Na 6ª Vara da Fazenda Pública, o carcereiro de Ribeirão Preto, Adolfo Bezerra Almeida de Souza também obteve sua sentença favorável ao mandado de segurança e poderá se aposentar pela Lei 51/85. Outro apelante que obteve vitória foi o investigador que atua em Batatais, Roberto Tomasella Monteiro. “Continuamos atentos, orientando todos os nossos associados não aceitarem aposentarem-se pela Lei 1062/08. Que procurem o Sinpol para ingressarmos com o mandado de segurança, garantindo o direito de se aposentar pela lei que Dr. Ibelli e Eumauri: vitórias nas aposentadorias e nas defesas de associados 14 Outubro/2013

[close]

Comments

no comments yet