Educomunicação no Parna do Descobrimento e Resex Corumbau

 

Embed or link this publication

Description

Caderno metodológico das oficinas de educomunicação

Popular Pages


p. 1

Educomunicação no Parna do Descobrimento e Resex Corumbau Produto 2 Material didático da capacitação Projeto para a Conservação e Manejo dos Ecossistemas Brasileiros (PROECOS) Projeto PNUD BRA/00/009 Edital 02/09 – cód. 327 Débora Menezes Jornalista e educomunicadora (11) 7347-2208 – (73) 9992-4691 debieco@uol.com.br

[close]

p. 2

Caderno das Oficinas de Educomunicação Parque Nacional do Descobrimento e Reserva Extrativista Marinha Corumbau Texto e fotos: Débora Menezes – educomverde@yahoo.com.br Agosto/2009 Este trabalho está sob licença Creative Commons Atribuição de Uso Não-Comercial e Compartilhamento. Isso significa que este caderno pode ser copiado e distribuído, desde que seja dado crédito ao autor original, esta obra não seja utilizada com finalidades comerciais e nem seja alterada ou transformada. A Creative Commons é uma associação sem fins lucrativos, presente em mais de 40 países, que protege os direitos autorais de qualquer obra de criação (textos, sites, entre outros), ao mesmo tempo em que permite a reprodução e distribuição das obras por meio da internet. No Brasil, a CC é mantida pelo Centro de Tecnologia e Sociedade da Escola de Direito do Rio de Janeiro da Fundação Getúlio Vargas. Leia mais sobre o procedimento de licença de obras em http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.5/br/ Agradecimentos ao Instituto Mamirauá (Tefé, AM), jornal O Timoneiro (Caravelas, BA) e Núcleo Piratininga de Comunicação/Jornal o Cabistão (Arrial do Cabo, RJ)

[close]

p. 3

Apresentação Quem não se comunica, se estrumbica! Bem vindo às Oficinas de Educomunicação do Parque Nacional do Descobrimento e a Reserva Extrativista Marinha Corumbau. O termo “educomunicação” se refere ao uso das ferramentas de comunicação para fins educativos e de mobilização das pessoas – por exemplo, fazer Jaqueline, da comunidade de Corumbau, entrevista morador de Cumuruxatiba jornal comunitário, que é nosso objetivo. Para produzir jornal, vamos primeiro conversar sobre as comunidades onde vivemos, nossos sonhos, nossos problemas e desafios, nossas relações com o ambiente e com a sociedade local e as instituições que existem em nossa região. Vamos pensar também sobre cidadania, o papel de cada um e de todos nós, juntos, para melhorar nossa qualidade de vida e garantir tanto a preservação de nossos recursos naturais, quanto a nossa cultura. E a comunicação tem tudo a ver com isso. A partir de tudo isso é que vamos fazer os nossos jornais comunitários, onde todos os participantes irão escrever, desenhar, fotografar, distribuir. E o mais importante: planejando juntos, para que o jornal continue pelas mãos das próprias comunidades, de maneira independente. Vamos “aprender fazendo”, para não “se estumbicar”, como diria o saudoso Chacrinha! Abraço a todos, Débora Menezes Jornalista e consultora de educomunicação

[close]

p. 4

Calendário de Atividades Parna do Descobrimento DATA 12 de agosto (quarta) 8h/17h 19 de agosto (quarta) 8h/17h 26 de agosto (quarta) 8h/17h 31 de agosto a 4 de setembro 9 de setembro (quarta) 8h/17h 15 de setembro (terça) 8h/17h 16 de setembro (quarta) Setembro/ Outubro Setembro/outubo ATIVIDADE Oficina – 1º encontro Biomapa: conhecendo e reconhecendo as comunidades, sonhos, desafios Oficina – 2º encontro Leitura crítica de mídias. Diagnóstico das relações da comunidade com atores locais. Oficina – 3º encontro Acesso a informação e liberdade de expressão. Exercício de gêneros textuais e pesquisa. Curso da brigada anti-incêndio provavelmente com a participação de alguns representantes das oficinas. Oficina – 4º encontro Vivência fotográfica e prática de spots de rádio. Planejamento inicial do jornal. Oficina – 5º encontro Prática de entrevista e planejamento do primeiro jornal e de atividades out./nov. Reunião do Conselho do Parque Prática de entrevistas. Produção do jornal pela comunidade: pesquisa, entrevistas, acertos. Diagramação do jornal e planejamento: diagramação, local para a produção, lançamento. Parceria para curso básico de diagramação. Encontro de avaliação do jornal pelas comunidades participantes (da Resex e Parna): - que objetivos quisemos atingir, o que foi bom, o que precisa ser melhorado na linguagem, produção, distribuição, busca de parcerias e planejamento em geral. - Planejamento para as próximas edições: cronograma, produção de pauta, necessidades para viabilizar as publicações. Encontro entre os participantes, comunicadores locais e público em geral: apresentação oficial dos produtos elaborados pelas comunidades e propostas de continuidade. LOCAL 1º de Abril Responsável local: Priscila Pontinha 2 Responsável local: Pontinha 1 Responsável local: Erinelza Prado Riacho das Ostras 1º de Abril Responsável local:Priscila FASB/Teixeira e comunidades Outubro Novembro Prado Responsáveis: participantes das oficinas

[close]

p. 5

Calendário de Atividades Resex Corumbau DATA 15 de agosto (sábado) 8h/17h 16 de agosto (domingo) 8h/17h 22 de agosto (sábado) 8h/17h 23 de agosto (domingo) 8h/17h 28 de agosto (sexta) 8h/17h 29 de agosto (sábado) Setembro/ outubro ATIVIDADE Oficina – 1º encontro Biomapa: conhecendo e reconhecendo as Comunidades, sonhos, desafios Oficina – 2º encontro Leitura crítica de mídias. Diagnóstico das relações da comunidade com atores locais. Oficina – 3º encontro Acesso a informação e liberdade de expressão. Pesquisa . Oficina – 4º encontro Planejamento inicial do jornal. LOCAL Cumuruxatiba Responsáveis locais: Alcione, Bete, Teta Cumuruxatiba Responsáveis locais: Alcione, Bete, Teta 20 de outubro Setembro/outu bro Outubro Novembro Corumbau Responsável local: Iracema Imbassuaba Responsável local: Carol Oficina – 5º encontro Imbassuaba Planejamento do primeiro jornal. Responsável local: Vivência fotográfica. Gêneros textuais. Carol Reunião do Conselho da Resex Imbassuaba Prática de entrevistas. Produção do jornal pela comunidade: pesquisa, entrevistas, acertos. Diagramação e parcerias para curso. Festa da Resex: data possível para o Corumbau lançamento do jornal Diagramação do jornal e FASB/Teixeira e planejamento: diagramação, local comunidades para a produção, lançamento Encontro de avaliação do jornal pelas comunidades participantes (da Resex e Parna): - que objetivos quisemos atingir, o que foi bom, o que precisa ser melhorado na linguagem, produção, distribuição, busca de parcerias e planejamento em geral. - Planejamento para as próximas edições: cronograma, produção de pauta, necessidades para viabilizar as publicações. Encontro entre os participantes, Prado comunicadores locais e público Responsáveis: em geral: apresentação oficial dos participantes das produtos elaborados pelas oficinas comunidades e propostas de continuidade.

[close]

p. 6

Primeira atividade Quem sou eu? Nome do participante: _____________________________________________________ Data de nascimento: _____________ Idade: _____________ Profissão ou atividade atual: ________________________________________________ Onda mora: ______________________________ Há quanto tempo: ______________ Endereço: ______________________________________________________________ Telefone: _____________________ e-mail: ____________________________________ Em que série está ou parou na escola: ________________________________________ Porque está participando das oficinas de educomunicação? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ Conte um pouco sobre você. O que lhe motiva, como é o seu dia a dia, quais as suas preocupações, as suas relações com a comunidade: _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________

[close]

p. 7

Comunidade Quem somos nós? Para nós indígenas, a palavra é de grande valor. É através das histórias contadas pelos mais velhos que mantemos viva a nossa identidade e firme a memória da nossa história, o uso e o cuidado com a nossa terra sagrada. (Carta do Ororubá; IV Assembléia Geral do povo Xukuru do Ororubá) Na página anterior você escreveu um pouco sobre você. Pois a sua vida faz parte da história da comunidade onde vive, formando a identidade de seu povo. Podemos ser parecidos no modo de se organizar, de se vestir, de se relacionar com o mundo. Mas cada comunidade é única. Tão importante é a identidade de um povo, que danças, comidas e outros são reconhecidos como “patrimônio imaterial” da humanidade. A roda de capoeira e o ofício dos mestres de capoeira, o ofício das baianas de acarajé, o ofício das paneleiras de Goiabeiras (que produzem panelas de barro em Vitória, ES), são exemplos de patrimônios imateriais brasileiros. A Constituição também reconhece os “modos tradicionais de criar, fazer e viver das diversas comunidades e grupos étnicos que compõem a população brasileira”. Você sente que pertence ao lugar que vive? Tem orgulho da comida que sua mãe prepara, que sua avó provavelmente ensinou? Quais são as músicas, os causos que lhes contavam quando era criança? O jeito de trabalhar na roça ou de pescar, que seu pai trouxe de seu avô? Conhece os costumes, as palavras dos antigos, os costumes de seus ancestrais, a origem do local onde mora? O que você conhece das comunidades e das pessoas que vivem a sua volta? Qual a sua relação com a terra? A memória do lugar. A cultura que não está nos livros da escola. Escutar as vozes da comunidade e passar para o papel é uma forma de garantir a nossa história e valorizar. E compreender também o que existe de negativo, os conflitos, as dificuldades para preservar sua cultura, seu modo de ser. Bijuzeira na Pontinha: faz parte da cultura de Prado (BA)!

[close]

p. 8

Para ler e pensar Você é mesmo cidadão? Ei, você... Lembra em quem votou para vereador nas últimas eleições? Foi Câmara elegeu? Tem idéia de qual é o orçamento de seu município e como ele está sendo utilizado? Sabe quais são as instituições, Nas oficinas da Resex Corumbau, participantes pensam como se relacionam com as instituições locais – associações, governo, ongs assistir dos alguma sessão na Vereadores, para conhecer o desempenho de quem governamentais ou não, que atuam em nossa região e no que atuam? Conheceu as leis que definem nossos direitos, nossos deveres em relação ao nosso lugar e ao nosso povo? Sabe com quem falar e de quem cobrar para que essas leis sejam cumpridas? Você participa das reuniões de associações em sua comunidade? Sabe o que os líderes dessas associações estão levando a outras reuniões, à prefeitura? Você organiza e incentiva as pessoas da sua comunidade a participarem também? São tantas perguntas... e uma certeza: “mudar é difícil, mas é possível”. A frase do educador Paulo Freire se encaixa, e muito, no que buscamos como ideal de cidadania. Então, reflita e responda: Você se considera um cidadão? Por que? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________

[close]

p. 9

_______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ Quais são seus direitos e deveres? Perceba: eles são parecidos? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ Dê um bom exemplo sobre como a prática da cidadania já fez a diferença. _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ Assinale o significado das palavras mais difíceis: _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________

[close]

p. 10

Para pensar Direitos e deveres na comunicação “Todo homem tem direito a liberdade de opinião e de expressão. Esse direito inclui a liberdade de, sem interferências, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios, independentemente de fronteiras” (artigo 19 – DUDH) IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença. XIV – é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional. (Constituição Brasileira, artigo 5º) Os órgãos e entidades da Administração Pública, direta, indireta e fundacional, integrantes do Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama) ficam obrigados a permitir o acesso público aos documentos, expedientes e processos administrativos que tratem de matéria ambiental e a fornecer todas as informações ambientais que estejam sob sua guarda, em meio escrito, visual, sonoro ou eletrônico (...)” (Artigo 2º da Lei 10.650/2003) O direito se se expressar é garantido pelo Artigo 19 da Declaração Universal de Direitos Humanos (DUDH), um documento que orienta diversos países do mundo e inspira a criação de leis para garantir os direitos básicos do ser humano. A Constituição Federal do Brasil também garante o direito de expressão de de acesso a informação. Como garantir o acesso a saúde, educação e preservação ambiental se não sabemos dos nossos direitos e deveres e os papéis de cada componente da sociedade? Como saber de nossos direitos e deveres, e nos mobilizarmos, sem ter acesso a informações? Exerça o seu direito ao acesso à informação:vá atrás, conheça, entenda – e compartilhe com a sua comunidade por meio do jornal. Informar é garantir a participação das pessoas e influenciar o meio em que vivemos.

[close]

p. 11

Entendendo o jornal Ficha de análise crítica Mídia significa meio por onde informações são difundidas, por onde a comunicação é realizada. O rádio, o cinema, a televisão, o jornal, o computador e até o telefone são exemplos de mídias, por onde a palavra escrita, o som e a imagem são difundidos. Refletir sobre os veículos de comunicação ajuda a pensar e planejar a maneira de fazer o seu próprio jornal comunitário. Então, mãos a obra! Nome do veículo analisado: ______________________________________ Tipo de veículo analisado: ________________________________________ Quem (ou que grupo) é responsável pelo jornal? _______________________________________________________________________ Data de publicação do veículo: ____________________________________ Regiões por onde o veículo circula: ________________________________ Análise do visual 1. Como é a apresentação visual do veículo ( ) clara ( ) confusa ( ) feia ( ) bonita Justifique a sua resposta: _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ Análise do conteúdo 2. Quais os temas que mais aparecem no veículo? ( ) meio ambiente

[close]

p. 12

( ) política ( ) esporte ( ) policial ( ) cultura ( ) outros. Quais? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ Análise de gênero e elementos do jornal 3. O que você encontrou na leitura: ( ) Seção de cartas ( ) Editorial ( ) Expediente ( ) Opinião ( ) Notícias ( ) Entrevista ( ) Charge ou ilustrações ( ) Outros. Quais? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ 4. Escolha um artigo, uma reportagem, e faça um breve resumo: Como essa matéria foi apresentada visualmente? Tem foto? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ O texto informa bem sobre o assunto?

[close]

p. 13

Alguma informação não ficou clara, ou parece ter sido omitida? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ Várias fontes foram ouvidas sobre o assunto abordado? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ Está em destaque no jornal? Na primeira página? Ou nas páginas internas? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ Qual a impressão que a matéria te causou? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ É fácil de entender o que a matéria quer dizer? O que a matéria te acrescentou? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ No geral, quais são os pontos positivos dessa publicação? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ No geral, quais os pontos negativos dessa publicação? _______________________________________________________________________

[close]

p. 14

Entendendo o jornal Os elementos comuns de um jornal Um impresso é feito de vários elementos que unem textos, fotos e desenhos para informar e envolver o leitor. A notícia é o gênero-base do jornalismo é o relato de fatos importantes, ou de acontecimentos. Deve ser bem objetiva e responder basicamente às perguntas: o que é o fato, quem está envolvido, como é ou foi, onde é ou foi, quando foi ou será, e por que. Comunicar eventos e reuniões, por exemplo, pode ser feito por meio de notícias no jornal. A evolução da notícia é o gênero reportagem, que aprofunda a notícia com entrevistas junto a especialistas nos assuntos abordados, dados e estatísticas (números), para que o leitor reflita sobre aquele assunto. Já a entrevista, base para reportagens, pode ser publicada na forma de pergunta e resposta. Expressar opiniões também é comum em vários gêneros de um jornal: o artigo é um texto onde o autor fala de um tema sob seu ponto de vista, por exemplo. Na resenha, o autor apresenta um filme, um livro, e faz uma análise para o leitor. Confira no jornal O Comunicador alguns desses elementos. Esse jornal é produzido por comunicadores populares do Rio Solimões, no Amazonas:

[close]

p. 15

Entendendo o jornal Linguagem visual: enriquecendo o jornal Linguagem é o uso da língua como forma de expressão e de comunicação entre as pessoas, mas não é só a palavra escrita e falada que vale como recurso de linguagem. Gestos como um sorriso ou um olhar, sinais, cores, desenhos, e sons também expressam, às vezes, até mais que as palavras. No caso de um jornal, não são apenas textos que comunicam algo. Vale a pena utilizar fotografias, ilustrações, histórias em quadrinhos, charges – a charge, por exemplo, é um desenho que faz uma brincadeira com alguém, ou sobre alguma coisa que aconteceu e é uma maneira divertida de fazer uma crítica social, por exemplo. Fonte: www.chargeonline.com.br e www.educomverde.blogspot.com

[close]

Comments

no comments yet