Revista NA MOCHILA - ED. 29 - OUTUBRO/2013

 

Embed or link this publication

Description

Edição traz reportagem com a família de Heitor Cordeiro, o bebê de 4 meses que ganhou o concurso para a capa da revista. Ele nasceu com má-formação dos ossos. Não tem os braços e há um encurtamento dos membros inferiores. A família dá uma lição de fé.

Popular Pages


p. 1

R$ 7,00 Tiragem auditada: 15 mil exemplares INTOLERÂNCIA À LACTOSE | OBEDIENTE OU RESPONSÁVEL | ALERGIAS ANO 5 – 2013 – Nº 29 Que coceira é essa? Saiba diferenciar alergia de irritação Meu filho não me obedece Será que ele está sendo preparado para assumir responsabilidades? festas Guia de Espe cia l O que há de melhor para o seu evento ser um sucesso! infantis

[close]

p. 2

Editorial o jardim onde fotografamos o heitor, junto com os pais do bebê, Marcos e Talitalinda, a fotógrafa claudia Silva e eu. E você, reclama do quê? conhecer o heitor e sua família nesta edição da revista foi um presente pra toda a nossa equipe. Mais do que nos sensibilizarmos por todos os desafios que ele irá enfrentar daqui pra frente, o que mais nos chamou a atenção foi a força e garra da família. confesso que ao programar o primeiro contato com a família, me preparei psicologicamente para dar a eles muita força, para levar motivação, uma palavra de carinho... E quando cheguei lá, quem recebeu um balde de motivação, força e carinho fui eu mesma! a alegria que a vovó Vilma nos recebeu no portão já mostrava o que encontraríamos: uma família feliz, em paz com a missão de criar um bebê com tantas necessidades especiais. a mãe, Talitalinda (uma menina linda de 22 anos!) transmitia total serenidade e amor pelo bebê. o carinho do pai e do tio palmeirense com o heitor é de fazer sorrir o coração. os dois únicos contatos pessoais que tive com o heitor e sua família me deram uma deliciosa sensação de paz. E o sonho da Talitalinda é receber o primeiro abraço do filho quando ele colocar a prótese! E você, reclama do quê? aproveite muito o abraço do seu filho, porque tem mãe que sonha com isso! Lucy De Miguel Editora lu@namochila.com Conecte-se com Participe da nossa comunidade no Facebook: Na Mochila Vetor comunicação acompanhe nossas notícias: www.namochila.com 4 | Na Mochila Foto: Juliany Freitas

[close]

p. 3



[close]

p. 4

Índice 16 Que coceira é essa? Saiba identificar se é alergia ou irritação de pele 20 26 Será que ele está sendo preparado para ser responsável? 26 Leite? Não, obrigado! Meu filho não me obedece a intolerância à lactose é muito mais comum do que se imagina 30 Guia de Festas Infantis os melhores profissionais e empresas para a sua festa ser um inesquecível! 40 As vitórias de Heitor conheça a história do bebê que é destaque em nossa capa 6 | Na Mochila 52 Batata-doceéno prato e rende o alimento nutritivo receitas que as crianças adoram

[close]

p. 5

Sempre aqui A revista NA MOCHILA é uma publicação bimestral, com distribuição dirigida, em parceria com escolas particulares da cidade de Sorocaba, Itu e região. Tiragem de 15 mil exemplares auditada pela athros| aSPR auditores independentes. certificado à disposição dos interessados Curtinhas ............................ 8 informações atualizadas sobre o universo infantil ano 5 – n⁰ 29 – outubro 2013 Diretoria Executiva: lucy De Miguel, cassiano Ricardo cantero Blogueiras ......................... 24 Dicas de blogs para as mamães que andam pela web Dicas de livros para as crianças Heitor Cordeiro, 4 meses Fotos: claudia Silva Estúdio Na Mochila Produção: lucy De Miguel e Juliany Freitas Agradecimento: loja ano Zero Nossa Capa Redação: amanda Sampaio Queiros, Marisa Sei e Rose araujo Editora de Arte: Josemara Nascimento Fotos: claudia Silva Fotografia Assistente de Produção: Juliany Freitas Tratamento de imagens: Josemara Nascimento e Wilson luiz Monaco Jr. Bibliotekids ...................... 38 Mãe da Lulu .................... 39 Todas as emoções deste blog que é um sucesso! Moda infantil ................. 44 os looks que vão arrasar neste verão Álbum de família .......... 60 Fotos das crianças para guardar de recordação Departamento Comercial: Rosana campos Relacionamento com as escolas: escola@namochila.com Minimercado ................. 55 Novidades para o mundo dos baixinhos Escolas .............................. 64 Relação dos parceiros do Projeto Na Mochila Jornalista responsável: lucy De Miguel (MTB 24.662) Impressão: Gráfica RR Donnelley Vetor Comunicação e Editora Rua Braz laino, 305 - Jd. Emília Sorocaba - SP Fone: (15) 3211-0999 Para anunciar: comercial@editoravetor.com.br Cecília 66 Planeta melhor .............. 56 Você também vai se apaixonar por ela aprenda a fazer uma catapulta

[close]

p. 6

Curtinhas Reconhecida como especialidade médica pelo conselho Federal de Medicina (cFM) desde a década de 1980, a terapia tem como principal objetivo equilibrar o organismo, tratando a doença de uma forma global, e não exclusivamente seus sintomas. a homeopatia vem sendo cada vez mais procurada, mas as dúvidas sobre o assunto ainda são muitas. Por isso, a farmacêutica e homeopata adriana Márcia Gonçalves esclarece o que é mito e verdade sobre essa terapia: o tratamento homeopático é mais longo do que o convencional. Mito. a duração do tratamento homeopático depende do tempo de doença, dos tratamentos realizados anteriormente e da idade do indivíduo, o que não significa que a duração seja mais longa do que o tratamento alopático. homeopatia pode ser considerada medicina preventiva. Mitos e verdades sobre o tratamento homeopático Verdade. as crises de algumas doenças, como rinite, asma e gripes recorrentes se tornam mais raras com a homeopatia, chegando a praticamente cessar em alguns casos. Existem doenças que não respondem à homeopatia. Mito. o que existe são doenças que evoluem rápido e podem causar lesões irreversíveis a órgãos. Nesses casos, o tratamento convencional é complementado com a homeopatia. os medicamentos homeopáticos são menos agressivos para o organismo do que os alopáticos. Verdade. os homeopáticos são isentos de efeitos colaterais. São manipulados a partir de substâncias naturais e diluídos e dinamizados para extrair o máximo de efeito com o mínimo de substância. os medicamentos não são tóxicos, mas se usados acima da quantidade recomendada, podem provocar reação e o médico deve ser procurado imediatamente. inicialmente, o tratamento homeopático pode piorar os sintomas da doença. Verdade. a maioria dos pacientes relata um agravamento dos sintomas no início do tratamento. Segundo a agência Nacional de Vigilância Sanitária (anvisa), esse efeito é um bom sinal e significa que o corpo está respondendo ao tratamento. Embora os sintomas piorem por um período curto, eles são substituídos rapidamente pela melhora dos pacientes. os medicamentos homeopáticos podem ser usados em conjunto com os alopáticos. Verdade. Porém, é importante lembrar que qualquer medicamento só deve ser usado com orientação médica. os remédios homeopáticos podem ajudar, por exemplo, a amenizar os efeitos colaterais do tratamento contra o câncer. 8 | Na Mochila www.namochila.com  © Can Stock Photo Inc. / DoraZett

[close]

p. 7

Curtinhas Durante a gravidez, a circulação sanguínea na região pélvica aumenta a umidade vaginal, facilitando a entrada de bactérias e, consequentemente, a infecção urinária. ardor ao urinar e sensação de bexiga cheia estão entre os sintomas mais comuns da doença. Para prevenir o problema, o ginecologista e obstetra luís henrique da Silva, do hospital e Maternidade assunção, indica uma higiene íntima adequada e aconselha que a bexiga seja esvaziada frequentemente, principalmente após a relação sexual. Medidas rotineiras como beber bastante água durante o dia, manter uma alimentação balanceada e dormir bem também ajudam a afastar infecções. É necessário que as gestantes fiquem atentas para não sofrer com as infecções urinárias de repetição, que podem provocar trabalho de parto prematuro, diminuição do líquido amniótico e transmissão da infeção para o bebê. Gestantes estão mais propensas à infecção urinária Excesso de vitaminas pode causar problemas o aporte adequado de nutrientes na infância é essencial para um desenvolvimento saudável. Porém, assim como a falta dessas substâncias pode causar problemas de saúde, o excesso de algumas vitaminas também pode provocar fadiga, doenças de pele, deficiência em dentes e ossos, entre outros malefícios. a hipervitaminose acontece quando se ingere altos níveis de vitamina, levando a um quadro de intoxicação. assim, o ideal é não oferecer suplementos vitamínicos 10 | Na Mochila às crianças, a menos que haja indicação médica. “Nenhum medicamento deve ser tomado sem orientação médica, nem mesmo as vitaminas”, alerta o dermatologista amilton Macedo. o excesso de vitamina a pode causar rachaduras labiais, pele seca e áspera e dores articulares. as do complexo B podem levar a reações alérgicas e até convulsões, e o exagero de vitamina D pode provocar danos a ossos e tecidos, mas só aparecem meses após a administração de altas doses. www.namochila.com  Dreamstime

[close]

p. 8

Curtinhas Crianças expõem vida pessoal nas redes sociais, diz pesquisa cerca de 70% das crianças e adolescentes entrevistados pela pesquisa Tic Kids online Brasil 2012 têm perfil próprio nas redes sociais. apesar da idade mínima exigida para ter uma conta nessas redes ser de 13 anos, a maioria tem 11 ou 12. a pesquisa, divulgada pelo comitê Gestor da internet, mostra que a maioria dessas crianças coloca, no perfil, uma foto que mostra claramente o rosto (86%), expõe o sobrenome (69%) e pode navegar livremente, sem acompanhamento dos pais (63%). Para os especialistas, a atenção dos pais quando os pequenos estão navegando na internet é fundamental, já que 6% das crianças entre 9 e 10 anos já tiveram contato, virtualmente, com alguém que não conheciam pessoalmente. além de ficarem vulneráveis a pessoas estranhas e até criminosos, também podem ter acesso a conteúdo violento. Efeitos do bullying na infância podem persistir até a vida adulta crianças que sofrem bullying podem, quando adultas, ter dificuldade de manter um emprego fixo e de desenvolver relacionamentos sociais, segundo uma pesquisa das universidades de Warwick, no Reino Unido, e Duke, nos Estados Unidos. o risco de ter problemas relacionados à saúde também são multiplicados: tanto as crianças que sofriam bullying quanto as que praticavam apresentaram, no estudo, seis vezes 12 | Na Mochila mais chances de serem diagnosticadas com uma grave doença, de fumar com frequência ou de desenvolver algum tipo de transtorno psiquiátrico do que aquelas que não passaram por esse tipo de intimidação. Para os especialistas, é necessário tratar o bullying como um problema sério, considerando seus efeitos duradouros e significativos, e não como parte do amadurecimento ou algo inofensivo. www.namochila.com  © Can Stock Photo Inc. / mandygodbehear

[close]

p. 9

Curtinhas Para agregar confiança à segurança de produtos para o público infantil, o inmetro decidiu pela certificação compulsória de andadores comercializados no Brasil, após debate com indústria, associações representativas da classe médica, órgãos de 14 | Na Mochila Inmetro decide pela certificação de andadores infantis defesa do consumidor e associações relacionadas à segurança infantil. o objetivo principal é reduzir acidentes, identificados por meio das ações de monitoramento conduzidas pelo instituto. Em agosto de 2013, o Programa de análise de Produtos divulgou resultados da análise de dez marcas de andadores e todas elas apresentaram algum tipo de problema, por isso a necessidade de regulamentação desses produtos. as normas estabelecidas deverão estar prontas em até seis meses. www.namochila.com  Dreamstime o Senado aprovou, em agosto deste ano, o projeto que proíbe a venda de alimentos gordurosos e ricos em açúcar e bebidas sem valor nutricional pelas cantinas de escolas de educação básica. o projeto ainda precisa do aval da câmara dos Deputados e da Presidente da República, porém já representa uma iniciativa de estímulo à alimentação saudável desde a infância. a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense), de 2009, mostrou que apenas um terço dos alunos matriculados no ensino fundamental da rede privada consome frutas e hortaliças em cinco ou mais dias na semana, e 40% ingere refrigerantes e frituras rotineiramente. Para os especialistas, é fundamental que o hábito da alimentação saudável faça parte da vida das crianças desde cedo, já que, segundo dados do instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (iBGE), o sobrepeso atinge 34,8% das crianças entre 5 e 9 anos. Projeto estimula oferta de alimentos saudáveis em cantinas escolares

[close]

p. 10

Saúde Que coceira é essa? Saiba diferenciar uma alergia de uma simples irritação na pele e confira dicas para prevenir e amenizar os dois casos texto MarISa SeI T odo mundo quer ter pele de bebê porque ela é macia e lisinha. Mas, na infância, o risco de alergias é mais intenso, já que o sistema de defesas está em formação e o organismo apresenta reação maior aos agentes externos. Como a pele é mais sensível, produtos como cremes e xampus também podem causar irritações. A alergia se manifesta de forma diferente da irritação na pele e cada uma exige um tipo de tratamento e prevenção. Entenda como cada problema age e confira as dicas dos especialistas: idEntifiQuE o problEma “Uma alergia causa uma lesão que coça e fica inchada (chamamos de lesão ponfosa) e, em geral, aparece mais de uma lesão. A irritação é uma lesão única, que coça, mas não fica inchada”, explica a dermatologista Daniela Lemes. Ou seja, se a criança tocou www.namochila.com  16 | Na Mochila

[close]

p. 11

em um produto de limpeza, por exemplo, e só os dedos ficaram vermelhos ou coçando, é uma irritação – mas se os sintomas se estendem pela mão inteira ou até por outras partes do corpo, pode ser uma alergia ao produto. O ideal é observar o corpo todo da criança e a evolução do problema. de que a criança é alérgica”, diz Fernando. Quando os pais já apresentam algum tipo de alergia, os riscos da criança também apresentar são maiores. difErEntES SintomaS Na irritação, ocorre uma inflamação vermelha e bolhas de água que podem ser acompanhadas de coceira e, geralmente, é pontual e rápida. Já as reações alérgicas dão sinais como coceira na pele, bolhas, inchaço, diarreia ou vômito e, em casos mais graves, falta de ar, queda de pressão, rouquidão e desmaios. “A reação alérgica pode durar dias. Independentemente do diagnóstico, a criança precisa ser levada ao médico para avaliação e tratamento adequados”, recomenda o dermatologista Fernando Passos de Freitas. CauSaS divErSaS “A alergia pode ser alimentar, mais frequente a camarão e condimentos amarelos, mas pode ser também por contato com perfume, por exemplo. A irritação pode ser por uma picada de inseto, roupa de lã, contato com alguma planta etc.”, lista Daniela. Existem tratamentos para combater uma alergia em longo prazo, mas, a princípio, o ideal é evitar os agentes alérgenos. Por exemplo, se os pais desconfiarem de que a criança é alérgica à poeira (que pode se manifestar tanto com sintomas respiratórios quanto na pele), o indicado é remover objetos que acumulem pó, como tapetes e bichinhos de pelúcia, e manter o ambiente limpo. “Se os sintomas melhorarem, é um bom sinal tEnha CErtEza “Cerca de 80% das reações de pele são listadas como alergias, mas podem ser apenas irritações específicas caracterizadas pelo aparecimento de lesões epidérmicas (camada superficial da pele) e reações inflamatórias na derme (camada profunda). A alergia costuma ser comum em crianças que apresentam problemas respiratórios, como bronquite e asma”, revela Fernando. Só o médico é capaz de dar o diagnóstico definitivo. O exame mais comum para detectar uma alergia é o de contato com a pele, em que algumas substâncias são inseridas com uma agulha para verificar a reação. aliviando o dESConforto Muitas dermatites podem ser tratadas em casa mesmo. Para uma simples irritação ou para uma alergia na pele, pomadas com ação anti-inflamatória podem aliviar a coceira e a vermelhidão local. Se a alergia se manifestar por grandes áreas ou pelo corpo todo, ou ainda apresentar sintomas respiratórios, o tratamento pode exigir mais cuidados, como observação do médico e indicação de medicamentos orais. Contudo, qualquer remédio deve ser usado apenas com orientação de um profissional, já que existem diferentes fórmulas de pomadas e cremes e algumas podem ser indicadas para alergias específicas. Com a automedicação a criança pode, inclusive, desenvolver uma irritação devido a alguma substância presente no medicamento. Portanto: orientação médica sempre! Na Mochila | 17

[close]

p. 12

Saúde Os cuidados para afastar uma alergia ou uma irritação são semelhantes e simples. Basta ter um pouco de atenção com a criançada para manter a pele sempre lisinha. • “Quando for viajar, leve sempre repelente, filtro solar e proteja as pernas ao fazer uma trilha ou andar pelo campo. Picadas de insetos, inclusive formigas, podem causar irritação e muita coceira”, indica Daniela. o filtro solar só pode ser usado em bebês após os 6 meses de vida. • Na hora do banho, verifique a temperatura da água, que deve ficar em torno de 37 graus. Banho muito quente, além das queimaduras, também pode provocar irritações que resultam em coceira e vermelhidão. • Dê preferência às toalhas bem macias, com tecido semelhante aos usados em fraldas de pano. Evite friccionar a toalha na pele do bebê. Faça movimentos bem suaves, para retirar a umidade apenas com o toque da toalha. • caso o bebê apresente pele seca e com rachaduras, use uma pequena quantidade de óleo de amêndoas após o banho. Evite 18 | Na Mochila para Evitar usar cremes hidratantes, que podem ter substâncias irritantes. • Para combater as brotoejas que aparecem no corpo do bebê, vista-o com roupas fresquinhas e evite lugares abafados. as brotoejas são bolinhas rosadas causadas pelo entupimento dos poros quando o suor acumula, por isso, excesso de roupas em dias quentes é prejudicial. • Tente adiar o máximo que puder o uso de esmaltes e maquiagens pelas crianças. Esses produtos, feitos para adultos, contêm substâncias alergênicas. • opte por fórmulas infantis de xampus e, quando necessários, cremes, que são elaborados para peles mais sensíveis. • Se já se sabe que a criança é alérgica a alguma substância, mantenha-a longe dela. Por exemplo, se houver alergia a perfume, evite usar o produto perto dos pequenos. Nossas fontes: Fernando Passos de Freitas, dermatologista Daniela Lemes, dermatologista www.namochila.com  © Can Stock Photo Inc. / zurijeta

[close]

p. 13

Informe Publicitário na dançaS urbanaS Spaço alfa certamente você já ouviu falar em Street Dance, hip hop e Breaking. hip hop é o movimento que une quatro elementos: DJs, Mcs, grafiteiros e os brakers (dançarinos). o Street Dance é a dança do hip hop, que reúne o Popping, locking, Breaking e hip hop Dance, todas danças que nasceram em meados dos anos 70, nas ruas dos Estados Unidos. agora, você conhece o house Dance-Waacking e o lyrical hip hop? Esses e outros estilos são denominados “Danças Urbanas”, que tiveram outras danças como inspiração e por isso não são consideradas Street Dances. São esses conceitos, alinhados com o que há de mais atual em danças urbanas, que acabam de chegar na Spaço alfa, com o professor e coreógrafo Binho Ray, 29 anos. Bagagem de palco e em competições ele tem de sobra. com seu grupo Red Star, ficou entre os finalistas no Got Talent Brasil 2013, programa exibido pela Record. Foi também vencedor do programa astros 2013, no SBT, misturando Street Dance com luz negra, em um trabalho inovador. além disso, atua como jurado e “oficineiro” em várias competições de danças urbanas no Brasil. De acordo com Paula Tomazella, proprietária da Spaço alfa, “nossa intenção é trazer os melhores professores em cada modalidade, para que transmitam não só as coreografias, mas também sejam capazes de oferecer um conhecimento mais profundo sobre cada dança”, explica. E é isso que Binho Ray faz com excelência. Suas aulas trazem as origens das Street Dances e Urban Dances. Vale a pena conhecer melhor este trabalho! Rua caracas, 492 | campolim | Sorocaba – SP Fone: (15) 3346-1266 | www.spacoalfa.com.br fotos Arquivo Spaço Alfa imagem do fundo © Can Stock Photo Inc. / Icefront

[close]

p. 14

Comportamento meu filho não me como você está educando esta criança? Será que ela está se tornando uma pessoa preparada para assumir responsabilidades? texto aManDa SaMPaIo QueIróS obedece! F ilho obediente ou responsável? Afinal, qual é o um dos maiores anseios dos pais? Muitos diriam que a tão falada obediência ganharia disparada em relação aos outros “competidores”, já que é perseguida incessantemente, na esperança de dominar os rebentos. Talvez uma das recomendações mais feitas pelos pais quando vão se ausentar e precisam deixar seus pequenos com alguém seja “Obedeça!”. Essa tentativa de manter tudo sob controle e saber que as crianças estão submetidas a alguém responsável transmite uma sensação ímpar de segurança. Às vezes, tomar conhecimento de que o filho comportou-se mal e não acatou as regras estabelecidas e combinadas pode trazer uma impressão de fracasso e frustração. Como se essa situação representasse deficiência nas estratégias adotadas pelos pais para desenvolver uma boa educação nas crianças. www.namochila.com  20 | Na Mochila

[close]

p. 15

vontadE própria Muitas vezes, desobedecer faz parte do desenvolvimento de uma criança. À medida que os bebês crescem, entram em conflito de ideias com os pais naturalmente. As opiniões contrárias são recorrentes e acontecem das situações mais simples às mais complexas. Por outro lado, se a natureza não fosse assim, e os filhos seguissem tudo o que os pais propõem, como aprenderiam a pensar? Essa capacidade de raciocínio, quando bem orientada, conduz ao caminho da responsabilidade. Palavra que pode significar o que realmente os pais esperam que os filhos construam bem cedo na vida. autoridadE x autoritariSmo “Para termos um adulto responsável, antes é necessário termos uma criança obediente”, afirma a psicóloga Lucimeire Tomé, especialista em Psicologia Escolar e Educacional. Então, tudo começa com a obediência. Mas esse conceito nem esbarra na ideia de opressão ou autoritarismo. “A obediência é trabalhada com autoridade, é exercida com firmeza e afetividade; ao contrário do autoritarismo, imposto através de agressividade e repressão”, diferencia. “O erro mais comum cometido pelos pais é exercer a educação com autoritarismo. Pais e educadores autoritários inibem a expressão livre da criança, favorecendo o surgimento de alguém inseguro e reprimido”, complementa Lucimeire. Contudo, respeitar a criança como um ser autônomo que carrega raciocínio e vontade próprios não significa deixar de oferecer limites a ele. “No início da vida infantil, é importante que as crianças se submetam às regras dos pais, até mesmo como um fator de proteção à vida delas”, quem garante é a psicóloga Vivian Cancellara, especializada em Psicoterapia Infantil. Não se pode esquecer que, por vezes, obedecemos a convenções sem concordar com elas. Isso ensina a lidar com frustrações e entender que não somos onipotentes. Caminho para SEr rESponSávEl De acordo com Vivian, os limites devem ser mostrados desde bem cedo aos pequenos, independentemente da idade deles. “Quando mais novos, eles precisam de regras mais claras e simples, sem grandes discursos ou explicações dos pais, assim fica mais fácil entender para obedecer”. A responsabilidade vem depois, segundo ela. Na idade escolar, quando as crianças já conseguem entender os conceitos de forma mais abstrata, há a internalização das regras. Assim, vão construindo o senso de responsabilidade, refletindo sobre o que é correto ou não. Esse aprendizado ético vai além do cumprimento das regras já estabelecidas e é o que consolida a sociabilidade da criança. obEdiênCia E dEpEndênCia Nessa busca pelo comportamento que traga tranquilidade aos pais, a autonomia conquistada envolve diretamente a capacidade de se tomar decisões e a postura diante da vida, já a noção de independência estaria mais ligada aos procedimentos e menos a princípios. Por outro lado, vale enfatizar que obediência não é anular a vontade da criança. Ela faz parte da ação responsável dos pais em conduzir os filhos, enquanto são seres dependentes. “Filhos são naturalmente Na Mochila | 21

[close]

Comments

no comments yet