Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3

04 05 07 08 10 12 14 15 18 20 24 25 26 28 29 30 31 32 34 37 38 40 41 42 43 44 45 46 EDITORIAL CONvIvA PAIS NA ESCOLA CONvIvA SAÚDE CONvIvA COLÉGIO CATARINENSE CONvIvA PINHEIRAL CLICK FESTA JUNINA DOS PEQUENOS CONvIvA Em NOvOS ESPAÇOS CONvIvA FILOSOFIA CONvIvA ImPORTÂNCIA DA LEITURA CAPA CONvIvA TECH CONvIvA NO mUNDO CONvIvA SOLIDáRIO CLICK FóRUm DE SãO LUIz GONzAGA CLICK DIA DE INTEGRAÇãO SOCIAL mUNDO CC I mUNDO CC II CONvIvA ESPORTE CONvIvA PRA TODA vIDA CONvIvA & LEARN ENGLISH CONvIvA SUSTENTAbILIDADE CONvIvA JESUíTAS CONvIvA DESCObRINDO CONvIvA CRIATIvO CONvIvA COm HISTóRIA O TEmPO PASSA CONvIvA COm DESAFIOS CONvIvA COm LITERATURA EXPEDIENTE DIRETOR-GERAL Pe. Mário Sündermann, SJ DIRETORA ACADÊMICA Cléia Bernardete Fritzke Abdalla DIRETOR ADMINISTRATIVO Fábio Luiz Marian Pedro CONSELHO EDITORIAL Afonso Luiz Silva Farah Diba Albuquerque Flavio Augusto Graziano Louisa Carla Farina Schröter Márcio Alexandre Pereira Maria Luiza Bolzan Patrícia Grumiche Silva Valmir Luiz Delfes PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO D WAY Marketing FOTOGRAFIAS Acervo Colégio Catarinense Jocel K. Rita José Renato Duarte Márcio Alexandre Pereira REVISÃO E CORREÇÃO DE TEXTOS Danieli Galvani Ivelã Pereira GRÁFICA Coan TIRAGEM 3.500 exemplares Distribuição gratuita EDITORES Farah Diba Albuquerque Louisa Carla Farina Schröter CONTATO Setor de comunicação (48) 3251-1593 R. Esteves Júnior, 711 – Centro Florianópolis/SC – CEP 88015-130 (48) 3251-1500 www.colegiocatarinense.g12.br ESPAÇO DO LEITOR Se você quiser fazer comentários, sugestões, críticas ou tirar dúvidas, entre em contato conosco pelo telefone (48) 3251-1500 ou pelo e-mail comunicacao@colegiocatarinense.g12.br Papel produzido a partir de fontes responsáveis

[close]

p. 4

EDITORIAL A MISSÃO INACIANA DE EDUCAR PARA A VIDA O Papa Francisco, em sua recente e memorável visita ao Brasil, contagiou a todos com sua simplicidade, serenidade, ousadia, objetividade e perspicácia, de modo que se abriram horizontes para um mundo melhor para os nossos alunos e filhos. Em suas reflexões, Sua Santidade alertou para a importância de cuidar da vida desde seu início e de aprender com a sabedoria dos idosos. Dessa forma, cuidar das crianças e zelar para que possam se desenvolver integralmente é o grande desafio de toda Comunidade Educativa. Educar a infância em uma sociedade imersa no consumo e na descartabilidade, em um mundo que, muitas vezes, dá mais valor ao ter do que ao ser, é um belo desafio. Por outro lado, essa missão se revela a nós, educadores inacianos, como uma oportunidade de construção de uma educação pautada em valores que ajudem a internalizar e responder ativamente aos processos de desumanização, os quais têm transformado pessoas em mercadorias, fomentando o secularismo e a alienação mediante ao consumismo e à lógica do mercado. Por isso, no intuito de nortear as práticas educativas, a 31ª Congregação Geral dos jesuítas (1965) orientou os colégios e comunidades educativas jesuítas espalhadas pelo mundo a também contribuírem na educação da infância, considerando que as crianças são um universo de possibilidades em construção. Na escola infantil, é imprescindível aprender a ouvir a criança, considerando o contexto e a forma como ela aprende, para, a partir disso, desenhar o processo do ensino e aprendizagem mais adequado ao seu desenvolvimento. Educar é um ato amoroso que aproxima as reflexões teóricas com as vivências cotidianas e que gera aprendizagens para toda vida. Os Jesuítas pensam uma educação capaz de encontrar, entre as coisas que passam, aquelas que permanecem, ou seja, num mundo do descartável, provisório e efêmero, encontrar e construir o duradouro, definitivo e consolador. As celebrações, os recolhimentos, as partilhas e a solidariedade atenuam as consequências de uma sociedade agitada e barulhenta, trazendo diferenciais importantes para o processo de crescimento integral. Outros detalhes expressam o bonito e desafiador processo de desenvolvimento humano. Estruturas físicas adequadas (com quadras esportivas, bosques e jardins, por onde a criança possa se movimentar e circular com segurança) e espaços alegres, bem cuidados e ecologicamente corretos – que promovam o cuidado com o meio ambiente, eduquem para a cidadania e provoquem a transformação social – são indispensáveis às atuais práticas pedagógicas. Além disso, é importante possibilitar a criança crescer em ambientes em que se faça o correto encaminhamento dos resíduos, a captação da água da chuva, onde se utilize a energia fotovoltaica e exista a possibilidade de mexer na terra, ou seja, plantar, regar, cuidar e colher. Acompanhar o crescimento de plantas, por exemplo, cria uma sensibilidade ecológica importante e gera serenidade, facilitando a aprendizagem. Enfim, educar crianças requer grande sensibilidade para o mundo infanto-juvenil. Trata-se de criar um entorno educativo que conjugue virtudes e letras, mescle conteúdos teóricos e experiências práticas, utilize recursos tecnológicos diversificados e interações humanizantes. Para tanto, é preciso educadores encantados com a arte de ensinar e aprender, dispostos a uma contínua atualização. A partir dessas reflexões, desejo a todos uma ótima leitura e que ela traga cada vez maior encantamento com os processos de ensino e aprendizagem de nossas crianças e nossos jovens. Pe. Mário Sündermann, SJ Diretor-geral do Colégio Catarinense 04

[close]

p. 5

CONvIvA PAIS NA ESCOLA ESCOLA E FAMÍLIA: UMA PARCERIA QUE DÁ CERTO OS TEMPO DE ESCOLA OCUPAM UMA BOA PARTE DA MEMÓRIA AFETIVA DE UMA CRIANÇA, E OS PAIS PODEM CONTRIBUIR PARA TORNAR ESSA FASE DA VIDA GRATIFICANTE E INESQUECÍVEL Por magali Schmitz Knoll – Coordenadora-adjunta da Unidade de Ensino I do Colégio Catarinense Escola e família são instituições significativas, distintas, que possuem um objetivo em comum: a educação das crianças. Ambas passam por transformações contínuas, modificam suas estruturas, porém, mantêm-se firmes no propósito de educar e formar, elevando os conhecimentos e tornando as crianças cada vez mais autônomas e capazes. A família, mesmo com suas formas variadas de constituição, ainda é considerada um lugar de confiança, de laços sólidos, de apoio e proteção. Nela, a criança inicia seus primeiros passos para a interação social e desenvolve habilidades para se desenvolver em um mundo em constante ebulição. A escola, por sua vez, leva as crianças à abertura de um mundo de conhecimentos, crescimento e desenvolvimento nas diversas áreas, principalmente as cognitivas, afetivas e sociais. A união dessas duas instituições, portanto, beneficia – e muito – o desenvolvimento integral do indivíduo, Magda Eliene de Oliveira e Alyson - 2º ano E principalmente no que tange a seu progresso escolar. Contudo, é preciso ficar atento, pois não existe fórmula mágica que se aplique a essa convivência. Ambas são parceiras, mas não são iguais. Naércio Menezes, coordenador do Insper, diz que nenhum outro elemento tem tanto impacto para o processo de um aluno quanto a interfe- rência adequada da família, uma vez que isso vai se refletindo até sua vida adulta. Ele esclarece sobre a necessidade de uma interferência adequada da família, sendo preciso cuidar com os exageros, os quais podem ter o efeito inverso e refletir de forma negativa por muito tempo. Alguns pais se tornam verdadeiros professores em casa e cobram, sem 05

[close]

p. 6

CONvIvA PAIS NA ESCOLA Carlos Luiz Eberhard Filho l, Gracielle Martins Cherobin Eberhard e Bruna Cherobin Eberhard - 1º ano E medida, por resultados positivos, acima da média de preferência. Isso, em escala exagerada, pode tornar a criança ansiosa e temerosa por não atingir as expectativas que os pais colocam. Muitas vezes, o resultado disso são alunos que não se lançam aos novos desafios, por medo de errar e frustrar os pais, além de, ao longo do tempo, ficarem desgostosos com os estudos e sentirem-se sempre sobrecarregados. E o que fazer, então? A simplicidade pode esconder o segredo. Incentivar o filho a fazer a lição de casa, arrumar um cantinho adequado para ele estudar e comparecer às reuniões pode ser um bom começo. Outras atitudes podem ajudar, como apreciar e demonstrar, de forma concreta, o quanto a educação é valorizada pela família, demonstrar interesse verdadeiro por aquilo que acontece na escola, participar dos eventos promovidos pela escola, bem como conhecer a professora, seus amigos e a proposta pedagógica. Vale lembrar, também, que os pais não devem se intimidar em ajudar os filhos quando eles não dominam os conteúdos trabalhados na sala de aula. Mantenha uma pequena biblio- teca, incentive a leitura, leia atentamente os enunciados, indique fontes de pesquisa, estimule a reflexão sobre problemas, a fim de possibilitar o exercício do acerto e erro. O mais importante nessa relação é o respeito que ambas (escola e família) devem ter em relação ao processo de desenvolvimento da criança, ouvindo seus anseios, dissabores, suas angústias e alegrias nesse período da vida. Os tempos de escola ocupam uma boa parte da memória afetiva de quem passa por ela. Os pais podem contribuir para tornar essa fase da vida gratificante e inesquecível. 06

[close]

p. 7

CONvIvA SAÚDE SORRISO bONITO VEM DE FAMÍLIA, MAS, àS VEzES, NÃO VEM PRONTO. Para alcançar um sorriso ideal, conte com a ortodontia: a esPecialidade da odontologia que busca melhorar o equilíbrio da face. Por Dr. Claudinei dos Santos - CRO 3384 - Empresário Hoje em dia, graças aos tratamentos ortodônticos, é possível ter dentes bem alinhados, esteticamente agradáveis e com aspecto saudável. Além disso, a ortodontia pode, também, corrigir vários outros problemas relacionados à face, como problemas na fala, respiratórios (respiração bucal), estalos e dores maxilares, mastigação inadequada, entre outros. O ortodontista é o especialista no assunto. Ele faz o exame clínico, solicita fotos, radiografias, modelos de estudo e elabora um plano de tratamento para buscar a melhor posição possível para os dentes, seja por estética ou correções sintomáticas. Através dos tratamentos ortodônticos – os chamados aparelhos -, é possível buscar o equilíbrio da face em harmonia com os dentes e lábios, melhorando, assim, não só a estética do sorriso, mas também a qualidade de vida do paciente. Sinais de alerta na primeira infância É fundamental os pais acompanharem sinais que podem denunciar o crescimento inadequado dos dentes em seus filhos. Esse acompanhamento, quando feito junto a um ortodontista, pode evitar problemas futuros na estética da face e nas funções relacionadas à fala, mastigação e respiração. Por isso, fique atento aos sinais abaixo. • Olheiras acentuadas. • Face em desarmonia. • Lábio superior mais curto. • Boca aberta na maior parte do tempo. • Sonolência e cansaço intenso com pouco exercício físico. • Hábito de roncar e babar durante o sono. • Apinhamentos dentários. • Impossibilidade de fechar a boca passivamente. • Sorriso gengival (mostrar muita gengiva ao sorrir). • Respiração bucal (cabeça projetada para frente, esticando o pescoço e mudando a postura da coluna). Aparelhos Invisíveis Uma grande inovação tem sido o tipo de aparelho utilizado para essas correções, principalmente a aparência deles. Felizmente, a evolução dos fabricantes foi grande. Atualmente, os bráquetes são extremamente transparentes e discretos, como os aparelhos de Safira. Recentemente, chegou ao Brasil a grande novidade para aqueles que buscam um tratamento mais rápido, prático e imperceptível. Trata-se do revolucionário Sistema Invisalign. Preferido pelos artistas, Invisalign é feito por um material médico transparente e dispensa os fios e metais. É um aparelho que oferece muito conforto, pois o paciente tira quando quiser, seja pra comer ou fazer higiene. Tudo sem que ninguém perceba. A maioria das pessoas que necessita de tratamentos ortodônticos desconhece essa necessidade. E você, já consultou um ortodontista? 07

[close]

p. 8

CONvIvA COLÉGIO CATARINENSE ColégIo CAtArInenSe AColhe jovenS dA jMj – 2013 Jovens do mundo inteiro estiveram reunidos durante 23 a 28 de julho no Rio de Janeiro para participar da Jornada Mundial da Juventude – JMJ. O Colégio Catarinense, na pré-jornada Magis Floripa, recebeu vinte jovens peregrinos, que vieram da França, do Chile e da região nordeste do Brasil. Durante a estada no CC, os jovens tiveram a oportunidade de fazer um trabalho voluntário na Orionópolis Catarinense, entidade que abriga deficientes físicos, mentais e vítimas de maus-tratos. SIPAt – 2013 no ColégIo CAtArInenSe Colaboradores do Colégio Catarinense se reuniram na Semana Interna de Prevenção a Acidentes (SIPAT). O encontro orienta e conscientiza quanto à prevenção de acidentes e doenças no ambiente de trabalho. A novidade de 2013 foi a oficina ministrada pelo GT do Lixo Zero, que ensinou os colaboradores do CC a fabricarem sacos de lixo a partir de jornais. Outro projeto que se destacou foi o da enfermeira do CC, Fernanda Rocha, que enfoca a obesidade e a qualidade de vida no CC. AdC ConQuIStA tÍtuloS nA XIv CoPA Sul de PAtInAção ArtÍStICA O técnico de patinação artística da Associação Desportiva Colegial do Colégio Catarinense, professor Alisson Gassen, participou, em Santa Cruz do Sul – RS, junto à atleta e aluna do Colégio Catarinense Isabela Fornari de Faria, da XIV edição da Copa Sul de Patinação Artística. Ele conquistou a primeira colocação da categoria Torneio Nacional Adulto – nível 3, e Isabela trouxe para casa o bronze na categoria Iniciante Dente de Leite. AneC Uma equipe de oito educadores do Colégio Catarinense participou, em Goiânia, no período de 03 a 06 de julho, do II Congresso Nacional de Educação Católica, evento promovido pela Associação Nacional de Educação Católica – ANEC. Ao todo, foram apresentados seis trabalhos, e o tema central do encontro foi Uma outra escola é possível. Participaram, do evento, os professsores Tina, Louisa, Valmir, Nelito, Rodrigo Passos, além dos jesuítas Irmão Tranquilo Fiametti, SJ e Padre Luiz Chang, SJ. AlunoS do CC CoMeMorAM o dIA MundIAl do MeIo AMbIente Professores e alunos líderes do “Projeto Lixo Zero” participaram de um momento ambiental no Parque da Luz, no centro da capital. As crianças participaram de atividades de amorização, danças circulares, respiração iogue e trilha no parque, atividades promovidas pela FLORAM (Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis). Lá, reviram as árvores plantadas pelas crianças do Colégio Catarinense, em 2005, por ocasião do centenário da escola. orIentAção ProfISSIonAl no enSIno fundAMentAl e MédIo No CC, alunos dos 9os anos do Ensino Fundamental até as 3as séries do Ensino Médio, recebem orientação do SOE (Serviço de Orientação Educacional), juntamente com psicólogos, ex-alunos, pais e profissionais de áreas específicas. Sob esse aspecto, integram-se as cinco dimensões da Pedagogia Inaciana: CONTEXTO – EXPERIÊNCIA – REFLEXÃO – AÇÃO E AVALIAÇÃO. 08

[close]

p. 9

CAfé CoM o dIretor O Diretor-geral do Colégio Catarinense, Pe. Mário Sündermann, SJ, recebeu líderes de sala das turmas de Ensino Fundamental II e Ensino Médio para um encontro de ideias. O intuito é manter um canal de comunicação direto com os alunos, que já acontece desde 2012. Temas como vestibular, Olimpíada, relação com os professores, provas e simulados foram discutidos. Os alunos demonstraram expectativa pela realização de novos encontros, que, segundo eles, revelam a disposição da Direção e da escola em conhecer os anseios dos alunos. MISSÕeS jeSuÍtICAS: uMA ContrIbuIção hIStórICA PArA A PrátICA InACIAnA Educadores do Colégio Catarinense conheceram as Missões Jesuíticas de São Miguel no Brasil e de San Ignacio Miní na Argentina. As vivências proporcionaram momentos de contemplação e conhecimento histórico sobre os aldeamentos onde jesuítas e índios guaranis realizaram os ideais do Cristianismo. A experiência fortaleceu o vínculo institucional e possibilitou a compreensão dos aspectos da organização e do cotidiano dos habitantes da missão jesuítica. AlunoS do CC PArtICIPAM do CurSo tAller InternACIonAl ArruPe II Mariana, João Otávio, Brenda e Ricardo, acompanhados pelo professor Pedro Lucino da Silva, participaram do segundo curso Taller Internacional Arrupe II, em Bogotá, na Colômbia. O objetivo da experiência é formar jovens capazes de desenvolver e descobrir o seu potencial como líderes, segundo os princípios da Espiritualidade Inaciana. Estavam presentes representantes de dez colégios jesuítas de cinco países da América do Sul. SoPA SolIdárIA: uM enContro de AMIgoS e voluntárIoS No segundo e último ano de campanha, os membros do Grupo de Trabalho “Inacianos pelo Haiti” promoveram a segunda edição da “Sopa Solidária”. O evento contou com a participação de inúmeras pessoas, que, ao som de música ao vivo, puderam saborear oito tipos de sopas: Sopa Chinesa, Caldo Verde, Sopa de Camarão com Aipim, Batata com Cebola, Canja, Sopa de Minestra, Batata Aipo com Alho Poró e a já famosa Sopa Francesa. III feStA de São luIZ gonZAgA e II fóruM de jovenS InACIAnoS no CC eM “AjudAr A fAZer uM Mundo Melhor” Alunos e ex-alunos do Colégio Catarinense se reuniram com a equipe da Pastoral da Igreja Santa Catarina de Alexandria para celebrar a III Festa de São Luiz Gonzaga e o II Fórum de Jovens Inacianos. O encontro, além de animar a comunidade educativa do Colégio com a apresentação de uma banda formada por alunos, também teve como momento marcante o encontro no Auditório João Paulo II, onde foram partilhadas experiências realizadas por jovens voluntários dentro e fora do CC. CC CoMeMorA AnIverSárIo de SAnto InáCIo As crianças da Unidade I do CC homenagearam Santo Inácio, fundador da Companhia de Jesus, no dia do seu aniversário. Declamação de poesias, música e teatro de sombras fizeram parte da missa comemorativa na Igreja Santa Catarina de Alexandria. Na plateia, centenas de crianças assistiram à missa usando um chapéu, confeccionado pelos professores, muito parecido com o que Santo Inácio de Loyola costumava usar. 09

[close]

p. 10

CONvIvA PINHEIRAL PINHEIRAL – UM LUGAR QUE PREPARA JOVENS PARA A VIDA A convivênciA em grupo fortAlece os vínculos de AmizAde e respeito, Além de potenciAlizAr o desenvolvimento emocionAl. Por Ir. Tranquilo Fiametti, SJ – Representante do Serviço Social Farah Diba Albuquerque – Equipe de Comunicação A casa foi inaugurada, com a presença da primeira turma de alunos, em janeiro de 1959 e se transformou em um local repleto de histórias que marcaram profundamente a vida de diferentes gerações de estudantes. A estrutura oferece opções de lazer, tais como ginásio de esportes, banhos na lagoa, barcos, trilhas para caminhadas, atividades recreativas ao ar livre e outras orientadas, com acompanhamento de monitores e professores. Sensibilizar os alunos para a importância das pessoas e do contato com a natureza Situado a 550 metros acima do nível do mar e a 127 km de distância de Florianópolis, no Município de Major Gercino, em Santa Catarina, a Casa de Juventude Pinheiral foi dimensionada para ser um espaço de convivência, lazer e aprendizado para os alunos do Colégio Catarinense. “É um espaço localizado junto à natureza, perfeito para aprofundar habilidades relacionadas ao convívio, à contemplação, à integração dos alunos e ao respeito pela natureza e, por meio dela, pela vida. O lugar é próprio para a construção de laços de amizade e para o aprendizado da vida em comunidade, através da cooperação e partilha.”, atesta o Diretor-geral do Colégio Catarinense, Padre Mário Sündermann, SJ. De acordo com os pressupostos da Pedagogia Inaciana, a convivência em grupo fortalece os vínculos de amizade e respeito, além de potencializar o fortalecimento emocional. No Pinheiral, os estudantes vivenciam diferentes possibilidades de trilhas, experimentam o encanto da lagoa quando passeiam de canoa, sentem 10

[close]

p. 11

o aroma da mata nativa e do espaço de reflorestamento, além de conhecerem a cachoeira. Esse espaço de convivência junto à natureza garante que os alunos aprendam a admirar e a respeitar mais a si, aos outros e ao meio ambiente. “É preciso despertar, no aluno, o lado crítico e criativo no que se refere aos problemas ambientais. Estar no Pinheiral leva os alunos a refletirem sobre temas urgentes para o planeta, o equilíbrio ambiental e a defesa dos ecossistemas. Lá, eles discutem sobre a degradação, a recuperação e a conservação das florestas, justamente para perceberem a interferência da ação do homem sobre esses biomas. Isso é possível graças à flora e à fauna do entorno da casa do Pinheiral”, disse a professora de biologia Karen Schmidt Espíndola. Sensibilizar os alunos para a reflexão sobre as questões humanas Valorizar as atitudes de fé, de amor e respeito à vida, estimular a capacidade de observação e motivar o desenvolvimento de atitudes que valorizem o exercício da cidadania são algumas das possibilidades de aprendizado que a Casa de Juventude Pinheiral oferece. Por isso, a programação do Projeto Pinheiral é variada e pode compreender oficinas de relações interpessoais, formação humana, autoconhecimento, entre outras. Os alunos vivenciam o Pinheiral, sentindo, observando e mapeando seus sentimentos e dos demais. Nesse espaço, vivenciam-se momentos de reflexão, confrontos e debates. As diferentes dinâmicas, os diferentes espaços de disputas e jogos, e a multiplicidade de vivências tendem a ser um marco referencial em que a amizade prevalece e no qual a criatividade e o respeito vigoram. As regras de convivência, aprendizado e jogos no Pinheiral No período de estadia dos grupos em Pinheiral, o Manual de Convivência Escolar é cumprido à risca. As turmas são divididas em grupos, o que possibilita novos arranjos e, consequentemente, novas amizades. Alunos que se conheciam apenas pelos corredores do Colégio passam a fazer parte do mesmo time. O primeiro desafio é sempre montar o grito de guerra para, depois, encararem brincadeiras como escudo, futsaco, escalpe, rodobaca, caça ao tesouro, bastão na guerra, corrida de saco e outras inúmeras modalidades. Os jogos e as competições exigem, dos participantes, agilidade, reflexo, rapidez de raciocínio, organização, estratégia e espírito de equipe. Eles interagem coletivamente, à medida que desenvolvem o espírito de união, criatividade, motivação e respeito às regras. Com isso, enfrentam seus medos, superam seus limites, crescem como pessoas. Pinheiral: aprendizagens para a vida O projeto “Pinheiral: aprendizagens para a vida”, elaborado pelos Assistentes Sociais Irmão Tranquilo Fiametti, SJ, e Carlos Magno Nunes, pela professora de Biologia Karen Schmidt Espíndola e o professor de Geografia Rodrigo dos Passos, propõe diversas oficinas em que os temas abordados estão relacionados à ecologia, à natureza, à economia local e sustentável, bem como à formação humana e ao lazer. “Esses temas potencializam uma formação voltada para a vida, em que as excelências acadêmica e humana andam juntas. Junto à natureza de Pinheiral, o espaço é favorável para o reencontro consigo mesmo, com os colegas, com os professores, e, principalmente, com a própria vida, pois as habilidades e os valores inerentes ao desenvolvimento humano serão dinamizados e potencializados”, compartilhou Irmão Tranquilo, idealizador do projeto. 11

[close]

p. 12

CLICK FESTA JUNINA DOS PEQUENOS Não faltou animação no Arraiá dos Pequenos. As apresentações das quadrilhas abrilhantaram nossa escola e encheram de alegria o coração de todos os presentes. Nosso agradecimento especial vai aos cavalheiros e às damas que, com sorrisos e abraços generosos, tornaram a nossa festa “mais doce que doce de batata doce!” Valentina (Infantil IIIC) e Enzo (2º ano C) Mariana (2º ano D) Sofia (3º ano E)

[close]

p. 13

Gabriela, Bianca e Isabela (2º ano B) Isadora (2º ano D) Bruna e Paris (2º ano D) Beatriz, Bianca e Valentina (2º ano F) Carolina (4º ano D) Giulia (4º ano D) Manuela (4º ano F) Amábile (4º ano F) Julia (4º ano F) Rafael (4º ano F)

[close]

p. 14

CONvIvA Em NOvOS ESPAÇOS UM NOVO OLHAR PARA O ACOLHER Centro de atendimento da Unidade ii investe em infraestrUtUra Com os serviços do setor edUCaCional e de gestão interligados Por Rodrigo Passos - Coordenador-adjunto da Unidade II do Colégio Catarinense 6º ano do Ensino Fundamental até a 3ª série do Ensino Médio, marca registrada dos jesuítas. Santo Inácio de Loyola pregava que todo educador deve dispensar, a seus alunos, os princípios da Cura Personalis, ou seja, cada educando deve ser acolhido segundo suas necessidades e atendido de forma personalizada. Em virtude disso, a coordenação da Unidade busca, em suas ações, estar o mais aberta possível ao diálogo e à cooperação para realizar uma gestão educacional de qualidade, transformando nossos alunos em futuros cidadãos, cujas competências não são somente as acadêmicas, mas, sobretudo, as ações de solidariedade e de consciência sobre sua função social. Finalmente, o centro de atendimento conta com uma completa infraestrutura para garantir um atendimento pessoal e de qualidade aos alunos e aos pais, na busca constante do Magis inaciano e do ensino integral para os homens e as mulheres do futuro. O ano de 2013 inaugurou uma nova configuração na gestão escolar do Colégio Catarinense: as várias coordenações foram condensadas em duas. Uma se dedica aos alunos e professores da Educação Infantil e Ensino Fundamental I (Unidade I), e a outra tem a responsabilidade de gerir processos e pessoas no Ensino Fundamental II e Ensino Médio (Unidade II). Assim, a Unidade II, desde o início do ano letivo, passou a funcionar em um centro de atendimento com todos os serviços ligados ao setor educacional e os de gestão. Desse modo, o atendimento aos pais também ficou mais ágil. Além disso, os mais de 2000 alunos podem encontrar, de forma simples, tudo aquilo que é pertinente à Unidade. O modo de proceder dessa nova coordenação se baseia no cuidado especial com cada aluno, desde o 14

[close]

p. 15

CONvIvA FILOSOFIA FILOSOFIA NO COLéGIO CATARINENSE Queremos Que nossos alunos conheçam os grandes pensadores da humanidade, mas, em especial, Que saibam discernir e refletir filosoficamente Por Pe. Luiz Harding Chang, SJ - Orientador Religioso e Pedagógico no Colégio Catarinense Neste ano, o Colégio Catarinense implementou o estudo da Filosofia em todo o Ensino Fundamental II, o que, junto com o Ensino Médio, proporcionará, aos alunos, sete anos de estudos filosóficos. Outrora renegada pelo currículo escolar dos tempos da Ditadura, a Filosofia visa a oferecer, ao aluno, um olhar profundo da realidade, através do qual ele pode perceber as estruturas filosóficas que fundamentam nossa sociedade ocidental, sua história, suas escolhas e suas ações. Com isso, não somente queremos que os nossos alunos do Ensino Fundamental II também conheçam os grandes pensadores da humanidade, mas, em especial, que saibam olhar, pensar e refletir filosoficamente. Dessa forma, em parceria com o Centro de Filosofia – Educação para o Pensar – e o Sistema de Ensino Reflexivo (SER) da Editora Sophos de Florianópolis, nossos parceiros didáticos, o Colégio Catarinense organizou uma exposição de corujas desde o dia 19/08 até o dia 22/08: centenas de “corujinhas” de diversas procedên- cias, com vários estilos e confeccionadas com materiais variados, trouxeram às nossas vistas, a presença “nova” da Filosofia no Colégio. Assim, vale relembrar que a coruja, como sabemos, simboliza a Filosofia, por sua grande capacidade de visão, de alcançar grandes alturas e, ao mesmo tempo, fazer ninho na terra. Desde a antiguidade grega, encontramos a coruja nas representações artísticas da deusa Atena (Minerva, para os etruscos e romanos). A exposição, no Colégio Catarinense, contou com os painéis dos “corujões” do pensar filosófico e com as produções que nossos alunos fizeram nas aulas de Artes e Língua Portuguesa sobre o tema relacionado à coruja e à Filosofia. Mais do que uma exposição de corujas artesanais, queremos marcar a consolidação da Filosofia na grade curricular do Colégio Catarinense também no Ensino Fundamental II. 15

[close]

Comments

no comments yet