O padre e o acougueiro

 

Embed or link this publication

Description

Romance de Victor Aquino.

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

1a orelha em uma pequena cidade perdida no meio do nada e quase esquecida no extremo sul do país durante a primeira metade do século passado dominada por padrões culturais exacerbados não parava padre algum a mulher de um fazendeiro local encarregada pelo bispo diocesano de guardar as chaves da igreja e da casa paroquial mantinha a responsabilidade de conservação desses espaços físicos da igreja como do suprimento alimentar do religioso que eventualmente estivesse ali não que ela própria esfregasse o chão e lavasse os utensílios do templo ou da residência paroquial como também não era ela quem preparava quando necessário essas refeições afinal tinha uma multidão de empregados para isso contudo essa incumbência fazia dela uma espécie de autoridade eclesiástica no lugar pelo menos era isso que ela imaginava de si mesma por esta razão não fazia a menor questão como também não tinha o

[close]

p. 3



[close]

p. 4



[close]

p. 5



[close]

p. 6

© victor aquino gomes correa o padre e o açougueiro inmod instituto da moda são paulo sp brasil 2013 presidente do inmod capa revisão editoração eletrônica taís gomes corrêa emerson c nascimento camila silvestre tarlei e oliveira isbn 978-85-87963-44-4 www.inmod.org.br

[close]

p. 7

tout n est pas faux tout n est pas vrai mais tout ce qui est faux peut être vrai aussi jean devèze

[close]

p. 8



[close]

p. 9

padre começava a acender as luzes do interior o da igreja naquela madrugada de segunda-feira seria efetivamente o primeiro dia como pároco do lugar já fazia uma semana que ele tinha chegado ali agora uma segunda-feira 12 de março de 1945 estreava a madrugada com um aguaceiro que caía sem parar desde antes das quatro horas horário em que invariavelmente aquele homem acordava tendo ou não algo de útil para fazer em determinado momento pareceu-lhe ouvir alguém bater à porta de entrada do templo ainda faltavam dez minutos para cinco da manhã ele estava inaugurando uma rotina que repetiria invariavelmente pelas próximas décadas até entregar a paróquia já combalido e doente pouco antes de morrer no fim dos anos de 1990 a partir daquele dia com chuva ou frio em dias de semana feriados ou domingos ele sempre entraria por uma porta existente no fundo da igreja que dava direto na sacristia para dispor os paramentos na ordem de vesti-los separar os utensílios do ofício religioso acender as luzes abrir de par em par a porta de entrada e por último subir até onde ficava o coro para puxar cinco vezes a corda do sino no campanário a vida toda seriam cinco puxões breves durante a semana incluindo os sábados oito puxões mais longos aos domingos vivia a compulsão de um estratage9

[close]

p. 10

victor aquino ma pessoal para fazer as coisas sempre do mesmo jeito a tal ponto de dar um nó na corda do sino na altura de sua cabeça de sorte a garantir que os movimentos fossem repetidos com precisão absoluta era nervosamente metódico e se tornaria insuportavelmente ainda mais metódico pelos anos pela frente não gostava antes e não gostaria pelo tempo que ficasse ali que alguém interrompesse suas rotinas quaisquer que fossem elas por essa razão quando ouviu pela primeira vez as batidas na porta pensou que fosse apenas sua imaginação no entanto ouviu-as de novo eram batidas reais ouviu-as mais uma vez nem muito fortes nem muito fracas começou a ficar irritado era o segundo dia naquela porcaria de lugar o bispo diocesano acompanhado de numerosa comitiva passara toda a manhã do sábado dia 10 de março presidindo a solenidade de sua entronização como pároco tudo bem que depois não tenha ficado para o almoço oferecido por um endinheirado local esnobando solenemente o vilarejo e toda aquela gente do lugar contudo quase dez anos depois da ordenação sacerdotal sem uma paróquia de referência vivendo a dizer missas pelos arredores da diocese estar ali na condição de chefe da paróquia representava o assentamento definitivo com pompa e circunstância em uma comunidade cuja igreja estava construída 10

[close]

p. 11

o padre e o açougueiro há mais de vinte anos e ainda não tinha um padre precisamente há exatos vinte e três anos desde que fora desmembrada da paróquia de antonio nunes desse modo guambu-guaçu fora finalmente transformada em sede a principal característica do lugarejo era não conseguir segurar um vigário em caráter permanente bem verdade que os assentamentos e registros da diocese décadas depois contariam uma história bem diferente daquela que marcou a realidade do povoado mas o fato é que foi difícil importar o religioso que obedecesse a regra de ficar durante seis anos a igreja não tivera nenhum padre titular o padre auxiliar o padre visitante o padre que fosse não importando em que condição que se sujeitasse e ficasse ali depois transcorreram dezessete anos tempo em que passou praticamente com um padre por ano os padres danilo fortunato e celestino silva foram os que permaneceram mais tempo o primeiro depois de onze meses amigo de um bispo que fora trabalhar em roma convidado a acompanha-lo também deixou para trás aquilo que ele considerava a experiência real de um verdadeiro martírio na terra certa vez confidenciou a alguém da família que muito pior que a ignorância é a ignorância acompanhada da arrogância característica que ele percebia ser muito comum na maio11

[close]

p. 12

victor aquino ria das pessoas daquele lugar o segundo muito velho e doente pedira substituição dez meses depois de chegar para ir morrer em um asilo próximo à capital do estado o terceiro que chegara em um mês de julho muitíssimo frio também doente sofrendo de crônica constipação rezou uma única missa no lugar na qual fungou o tempo inteiro depois passou mais de vinte dias de cama vindo a falecer da pneumonia que o acompanhara desde a chegada e assim continuou chegava um padre conversava com os mais próximos da paróquia ficava um pouco e ia embora na média foram dezessete dezessete religiosos que ficando por maior ou menor tempo em algum momento davam lugar a quem vinha depois a gota d água no entanto acabou sendo o padre max lamborghini este seria o último dos dezessete que estiveram temporariamente por ali naquela época era alegre e brincalhão interagia com todos a qualquer hora e em qualquer lugar os jovens da cidadezinha principalmente estes adoravam a companhia do sacerdote ele era o mais jovem que até então tinha vindo dar com os costados naquela pequena cidade talvez por esta razão as moças demonstrassem tanto entusiasmo quando falavam do padre max uma localidade pequena marcada por diferenças econômicas acentuadas de costumes extremamente conservadores não terá sido o destino 12

[close]

p. 13

o padre e o açougueiro mais adequado para um religioso com as características daquele padre jovem bem falante bonito interessado em tudo ao redor nada tinha em comum com o conceito de religioso desejado pela oligarquia local uma oligarquia arrogante estúpida extremamente ignorante constituída na totalidade por pecuaristas gente para a qual sobrava o que havia de material e faltava de lustro em solidariedade e generosidade pois o que sobrava nessa gente era justamente dinheiro viviam como parasitas do sistema político e social vigente naquela época dispondo de tudo ou de qualquer bem público como das leis e tudo o mais que se destinasse ao estado ou à municipalidade em benefício próprio o estancieiro mais endinheirado talvez por isso mesmo o mais influente na política local com grande penetração na política do estado ostentava um título de coronel da antiga guarda nacional era o cabeça de dois ramos de uma família numerosa dessa maneira coronel maciel bezerra casara-se e enviuvara da primeira mulher rica na sequência alguns anos depois do nascimento da quinta filha com ela quando esta morreu de câncer no reto mandara construir um hospital com o nome dela e casarase outra vez com mulher ainda muito mais nova muito mais bonita e também muito mais rica era um emérito analfabetão pois mal sabia assinar o próprio nome con13

[close]

p. 14

victor aquino dição que em nada o desabonava ou pesava contra ele face ao dinheiro que tinha e ao tanto que gastava frequentemente era avistado em companhia de outros endinheirados circulando pela capital do estado assim mesmo era o personagem que menos ingeria diga-se assim nos modos e costumes da localidade apesar de sede de duas de suas cinco imensas fazendas passava grande parte do tempo em conchavos políticos na capital além dele uma porção de outros chefes de famílias abastadas no entanto nem tão ricos nem tão influentes como ele mas igualmente broncos e poderosos mandava e desmandava no lugarejo claro nenhum deles estaria muito preocupado com as chamadas evoluções de sacristia não fosse a eventual intervenção de alguma das esposas dos mandões locais pois foi exatamente a mulher de um desses outros fazendeirões que começaria a criar problema para o padre max lamborghini dona vivi knaupp como diziam era casada com o que era chamado na cidade de disco voador pois todo mundo sabia que ele existia contudo como um disco voador pouquíssima gente já o tinha visto circulando por lá em carne e osso seu aurélio knaupp era descendente de alemães mesmo que não falasse uma só palavra em alemão usava esse idioma e em particular a origem que tinha para justificar os erros grosseiros de 14

[close]

p. 15

o padre e o açougueiro português era neto ou bisneto de alguém que emigrara da prússia para o brasil ainda no tempo do império não se encaixava exatamente no perfil dos imigrantes que chegaram do mesmo lugar do mundo no fim do séc xix ou no começo do séc xx mas quando convinha fazia o gênero como também fazia muito bem o gênero da gente do campo local tudo em sua vida era uma questão de conveniência e aparência um irmão mais atirado que ele saul knaupp segundo se contava ganhara um cargo público federal no itamaraty por nomeação direta do marechal hermes da fonseca no entanto aurélio knaupp não arredava pé do patrimônio deixado pelo genitor quando estava na cidade vivia socado dentro de casa a cada quinze dias desaparecia no interior de uma imensa estância de engorda de bois residindo quase ao lado da igreja sua mulher dona vivi era quem mantinha as chaves do templo e da casa paroquial enquanto durava a vacância do titular da paróquia essa senhora por sinal sem abdicar da condição de mulher do fazendeiro em cujos negócios não se intrometia deixava bem claro para todo mundo que era ela quem mandava e desmandava nas coisas da igreja ao que parece segundo qualquer um podia entender ela mandava e desmandava com um padre ou sem um padre presente na paróquia era como se fosse ela mesma a repre15

[close]

Comments

no comments yet