Cordel OnLine - CHICO PEDROSA

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

chico pedrosa o poeta magistral

[close]

p. 2

2

[close]

p. 3

sumário introduÇÃo 1 ­ briga na procissÃo 2 o erro da vendedora 3 guerreiro do pajeÚ 4 ­ moeda pedro$a 5 glosa para chico pedrosa conclusÃo 3

[close]

p. 4

4

[close]

p. 5

introduÇÃo nascido em nascido em guarabira na paraíba e radicado em arcoverde sertão de pernambuco no ano de 1936 poeta popular e declamador chico pedrosa tem três livros publicados pilão de pedra i e ii e raízes da terra além de vários cordéis escritos tem poemas e músicas gravadas por cantores e cantadores como téo azevedo moacir 5

[close]

p. 6

laurentino sebastião da silva geraldo do norte lirinha dentre outros lançou três cds intitulados sertão caboclo paisagem sertaneja e no meu sertão é assim registrando assim a sua poesia oral atualmente ele é cultuado pela geração nova que em seus shows declamam poemas desse poeta matuto 6

[close]

p. 7

1 ­ briga na procissÃo imagine se em uma encenação da paixão de cristo o centurião metesse o cacete de verdade no cabra que estivesse fazendo o papel de cristo imaginou pois é cristo mesmo só tem um leia a seguir e divirta-se com o desenrolar deste causo a briga na procissão escrito pelo poeta popular chico pedrosa 1 quando palmeira das antas pertencia ao capitão bento justino da cruz nunca faltou diversão vaquejada cantoria procissão e romaria sexta-feira da paixão 2 na quinta-feira maior dona maria das dores no salão paroquial reunia os moradores e ao lado do capitão fazia a seleção de atrizes e atores 7

[close]

p. 8

3 o papel de cada um o capitão que escolhia a roupa e a maquilagem eram com dona maria o resto era discutido aprovado e resolvido na sala da sacristia 4 todo ano era um jesus um caifaz e um pilatos só não faltava a cruz o verdugo e os maus-tratos o cristo daquele ano foi o quincas beija-flor caifaz foi cipriano pilatos foi nicanor 5 duas cordas paralelas separavam a multidão pra que pudesse entre elas caminhar a procissão cristo conduzindo a cruz foi não foi advertia pro centurião perverso que com força lhe batia 8

[close]

p. 9

6 era pra bater maneiro mas ele não entendia devido a um grande pifão que bebeu naquele dia do vinho que o capelão guardava na sacristia 7 cristo dizia ôh rapaz vê se bate devagar já estou todo encalombado assim não vou agüentar ta com a gota pra doer ou tu pára de bater ou a gente vai brigar 8 o pior é que o malvado fingia que não ouvia e além de bater com força ainda se divertia espiava pra jesus fazia pouco e dizia que cristo frouxo é você que chora na procissão jesus pelo que eu saiba não era mole assim não 9

[close]

p. 10

9 eu tô batendo com pena tu vai ver o que é bom na subida da ladeira da venda de fenelon o couro vai ser dobrado daqui até o mercado a cuíca muda o som 10 naquele momento ouviu-se um grito na multidão era quincas que com raiva sacudia a cruz no chão e partia feito um maluco pra cima de bastião se travaram no tabefe ponta-pé e cabeçada 11 madalena levou queda pilatos levou pancada deram um bofete em caifaz que até hoje não faz nem sente gosto de nada desmancharam a procissão o cacete foi pesado são tomé levou um tranco que ficou desacordado 10

[close]

p. 11

12 deram um cocorote na careca de timóti que até hoje é aluado até mesmo são josé que não é de confusão na ânsia de defender o filho de criação aproveitou a garapa pra dar um monte de tapa na cara do bom ladrão 13 a briga só terminou quando o doutor delegado interviu e separou cada santo pro seu lado e desde que o mundo se fez foi essa a primeira vez que cristo foi pro xadrez mas não foi crucificado {chico pedrosa 11

[close]

p. 12

2 o erro da vendedora chico pedrosa não se limita e nem se contenta em transmitir para o público apenas uma visão romântica dos motivos escolhido por ele para se firmar como um dos poetas mais importantes e respeitados quando o assunto gira em torno da poesia popular nordestina já no campo do humor não poderia faltar algo intitulado engraçado e escrito por esse magistral poeta veja na poesia o erro da vendedora o dom desse grande poeta 1 o engano é uma falta difícil de reverter por ele tem muita gente sofrendo sem merecer quantos pobres inocentes tidos como delinqüentes estão a se lamentar se o errar fosse humano como dizem o engano não faria alguém penar 12

[close]

p. 13

2 um estudante entrou numa loja especializada para comprar um presente para sua namorada que estava n outra cidade depois de olhar a vontade os artigos da vitrine despertou-lhe o interesse por algo que aquecesse os dedos das mãos de aline 3 um belíssimo par de luvas comprou para namorada e pediu a vendedora moça fina e educada que embalasse o presente inadvertidamente no lugar da encomenda a moça se atrapalhou invés das luvas botou uma calcinha de renda 13

[close]

p. 14

4 e logo entregou ao moço que acabara de escrever um bilhete à namorada dizendo como fazer com aquele presentaço minha querida um abraço e beijos apaixonados meu amor este presente vistas pensando na gente no dia dos namorados 5 lhe mando porém sabendo que você não vai usar porque quem nunca vestiu é difícil acostumar por isso eu queria ir pra lhe ensinar vestir como fez a vendedora se nela eu gostei de vê imagine em você minha deusa encantadora 14

[close]

p. 15

6 ela também garantiu que não mancha nem desbota a mão entrando e saindo não rasga nem amarrota eu comprei larga na frente pra mão chegar livremente nas bainhas dos torpedos e sem precisar forçar lá dentro facilitar o movimento dos dedos 7 torço para que te sintas feliz com este presente que irá vestir aquilo que pedirei brevemente cobrir aquilo que um dia quando eu não te conhecia não podia nem tocar hoje eu pego aperto amasso coço massageio e faço você gemer e sonhar 15

[close]

Comments

no comments yet