Revista Construir Mais Agosto de 2013

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

5,026 cub junho revista mensal do sindicato da indÚstria da construÇÃo no estado de goiÁs sinduscon-go ano iv nº 37 agosto/2013 entrevista com o secretário das cidades do estado de goiás secidades joão balestra pág 6

[close]

p. 2

brisas do ipê atrium construtora décio marques engenheiro atrium construtora a qualidade dos produtos e o bom atendimento da aluminium alumínios goiás é refletida positivamente no mercado goiano aliados com ótimas condições de negociação levaram a atrium construtora a formar esta parceria de sucesso e usar em suas obras perfis de alumínio que oferecem garantia e excelente acabamento +55 62 3283.4243

[close]

p. 3

e ditorial parceria será a palavra de ordem na nova gestão do sinduscon-go É com enorme satisfação que assino o primeiro editorial da revista construir mais como presidente do sinduscon-go especialmente por ser uma publicação da qual participei do processo de criação ocorrido na gestão do companheiro roberto elias quando ocupei a função de diretor social e de comunicação da entidade neste número nossa reportagem apresenta na matéria de capa o potencial que goiânia oferece para aqueles que desejam investir na construção de hotéis um segmento que está aquecido e que deve continuar em ascensão nos próximos anos principalmente na categoria luxo conforme dados do censo hoteleiro de goiânia 2012 publicado em março de 2013 como fazemos em todas as edições mensais da revista buscamos exemplificar o tema da matéria principal ilustrando com os exemplos empreendedores das construtoras queiroz silveira e das parceiras ebm e cyrela que estão investindo na construção de hotéis situados no setor marista em goiânia com uma localização estratégica caracterizada como uma capital propícia à realização de eventos goiânia deve continuar se beneficiando com a construção de empreendimentos hoteleiros o que resultará na geração de inúmeros empregos diretos e indiretos o sinduscon-go aplaude tais iniciativas que obviamente devem sempre observar as condições de mobilidade comodidade segurança e meio ambiente pois se a indústria da construção cresce sustentavelmente toda a população da nossa cidade ganha em qualidade de vida mudando de assunto não poderíamos deixar de comentar neste nosso primeiro editorial sobre as manifestações populares e apartidárias recentemente ocorridas em todo o país entendemos que o sinduscon-go também deve tirar algumas lições destes episódios temos que trabalhar com parcerias proativas buscando sempre apresentar projetos voltados à solução dos graves problemas que afetam o brasil em todas as esferas de governo nossa intenção é atuar como agente para uma transformação positiva especialmente sugerindo aos órgãos de governo com os quais nos relacionamos diretamente que atuem incessantemente na desburocratização dos processos trazendo para a gestão pública mais foco a agilidade assim como pretendemos atuar no sinduscon-go ou seja continuar colocando em prática uma gestão altamente voltada para o crescimento das empresas para isso procuraremos informar atualizar e posicionar a entidade a favor dos interesses coletivos da indústria da construção atuando firmemente junto à nossa área jurídica na promoção de ações práticas voltadas às empresas levando atividades para as construtoras do setor instaladas no interior do estado de goiás buscando ouvir suas demandas sobre este item enaltecemos a recente pesquisa que encomendamos à grupom cujos resultados certamente nortearão as nossas ações outro foco do nosso trabalho será o de manter estreita parceria com as entidades que apoiam o fortalecimento das nossas empresas como a cbic sistema fieg seconci-go federação dos trabalhadores na indústria da construção entre tantos outros organismos cujo histórico de trabalhos conjuntos com o sinduscon-go nos enchem de orgulho mas não poderia encerrar este texto sem antes manifestar o nosso imenso respeito ao presidente justo oliveira d abreu cordeiro e sua diretoria cuja gestão no sinduscon-go no período 2010/2013 foi marcada por inúmeras ações exitosas transparentes éticas e extremamente voltadas ao bem estar de todos aqueles que militam em um dos setores que mais empregam neste país a indústria da construção o nosso muito obrigado pelo seu trabalho e dedicação no mais desejo uma excelente leitura enaltecendo ao público leitor da construir mais que continuamos abertos à sua participação por meio do envio de sugestões de pauta carlos alberto de paula moura jÚnior presidente do sinduscon-go diretoria executiva do sinduscon-go 2013/2016 presidente carlos alberto de paula moura júnior 1º vice-presidente eduardo bilemjian filho 2º vice-presidente guilherme pinheiro de lima diretor administrativo manoel garcia filho diretor administrativo adjunto luís alberto pereira diretor financeiro e patrimonial josé rodrigues peixoto neto diretor financeiro e patrimonial adjunto ricardo silva reis diretor da comissão de economia e estatística ibsen rosa diretor da comissão de economia e estatística adjunto maurício figueiredo menezes diretor da comissão da indústria imobiliária mário andrade valois diretor da comissão da indústria imobiliária adjunto eduardo bilemjian neto diretor da subcomissão de habitação roberto elias de lima fernandes diretor da subcomissão de legislação municipal renato de sousa correia diretor de materiais e tecnologias sarkis nabi curi diretor de materiais e tecnologias adjunto pedro henrique borela diretor da comissão de concessão privatização e obras públicas joão geraldo souza maia diretor da comissão de concessão privatização e obras públicas adjunto humberto vasconcellos frança diretora de qualidade e produtividade patrícia garrote carvalho diretora de qualidade e produtividade adjunta aloma cristina schmaltz rocha diretor de construção pesada sérgio murilo leandro costa diretor de construção pesada adjunto jadir matsui diretor de construção metálica cezar valmor mortari diretor da construção metálica adjunto joaquim amazay gomes júnior diretor de assuntos jurídicos ricardo josé roriz pontes diretora de assuntos jurídicos adjunta selma regina palmeira nassar de miranda diretor da subcomissão de política e relações trabalhistas e sindicais yuri vaz de paula diretor de saúde e meio ambiente jorge tadeu abrão diretor de saúde e meio ambiente adjunto gustavo veras pinto cordeiro diretor do setor elétrico e telefônico ricardo daniel lopes diretor do setor elétrico e telefônico adjunto carlos vicente mendez rodriguez diretor social e de comunicação paulo henrique rodrigues ribeiro diretor social e de comunicação adjunto ulisses alcoforado maranhão sá conselho consultivo justo oliveira d abreu cordeiro paulo afonso ferreira mário andrade valois joviano teixeira jardim sarkis nabi curi josé rodrigues peixoto neto roberto elias de lima fernandes alan de alvarenga menezes josé augusto florenzano josé carlos gilberti suplentes bruno de alvarenga menezes marco antônio de castro miranda andré luiz baptista lins rocha conselho fiscal célio eustáquio de moura guilherme pinheiro de lima carlos henrique rosa gilberti suplentes paulo silas ferreira ricardo de sousa correia paulo henrique rodrigues ribeiro representantes junto à fieg carlos alberto de paula moura júnior roberto elias de lima fernandes suplentes eduardo bilemjian filho justo oliveira d abreu cordeiro representante junto à cbic carlos alberto de paula moura júnior suplentes eduardo bilemjian filho guilherme pinheiro de lima agosto 2013 · construir mais · sinduscon-go 3

[close]

p. 4

s umÁrio 5 artigo cbic e tcu diálogo e parceria é o tema do artigo do secretário-executivo da comissão de obras públicas da câmara brasileira da indústria da construção cop/cbic engenheiro civil carlos eduardo lima jorge 6 entrevista o secretário das cidades do estado de goiás secidades joão balestra,fala sobre as inúmeras atribuições da pasta especialmente no que se refere à elaboração do plano estadual de saneamento básico 12 construção sustentável consumo consciente na produção de edifícios confira matéria sobre o assunto nesta editoria 20 matéria de capa turismo de negócios goiânia atrai empreendimentos hoteleiros de alto padrão com foco em serviços 13 artigo transporte coletivo e as soluções para as grandes cidades é o tema do artigo do presidente da companhia metropolitana de transportes coletivos cmtc ubirajara alves abbud 26 registro de eventos acompanhe os últimos eventos realizados pelo sinduscon-go 18 segurança do trabalho cipa ­ comissão interna de prevenção de acidentes como esta comissão pode contribuir para o sucesso das obras é o assunto tratado neste número 38 indicadores econômicos confira o valor do custo unitário básico cub referente ao mês de junho/2013 revista construir mais revista mensal do sindicato da indústria da construção no estado de goiás sinduscon-go sinduscon-go filiado à cbic e fieg rua joão de abreu n° 427 setor oeste goiânia-goiás cep 74120-110 telefone 62 3095-5155 fax 62 3095-5177 portal www.sinduscongoias.com.br presidente carlos alberto de paula moura júnior diretor social e de comunicação paulo henrique rodrigues ribeiro gerente executiva sebastiana santos edição joelma pinheiro reportagem aymés beatriz b gonçalves beatriz sinduscongoias.com.br joelma pinheiro joelma@sinduscongoias.com.br e valdevane rosa valdevane@sinduscongoias.com.br fotografia assessoria de comunicação social do sinduscon-go e sílvio simões projeto gráfico e diagramação duart studio publicidade sinduscon-go telefone 62 3095-5155 impressão gráfica art3 tiragem 6.000 exemplares publicação dirigida e distribuição gratuita as opiniões contidas em artigos assinados são de responsabilidade de seus autores consciente das questões ambientais e sociais o sinduscon-go trabalha em parceria com a gráfica art3 que utiliza papéis com certificação fsc forest stewardship council na impressão dos seus materiais espaÇo empresarial anuncie na revista para informações entre em contato com o departamento comercial do sinduscon-go telefone 62 3095-5168 e-mail comercial@sinduscongoias.com.br 4 sinduscon-go · construir mais · agosto 2013

[close]

p. 5

a rt i g o cbic e tcu diálogo e parceria há questão de dois anos atrás o título deste artigo representaria mais um estado de vontade do setor da construção do que uma realidade de convivência institucional foi a partir de importante reunião entre a direção da câmara brasileira da indústria da construção cbic e o então presidente do tribunal de contas da união tcu em 2011 ministro benjamim zymler na qual a cbic foi convidada a participar formalmente do grupo técnico de análise do acórdão tcu 2.369/2011 que estabeleceu valores e parâmetros para fixação do bdi em diversos tipos de obras que prosperou uma relação de respeito e de parceria entre as duas instituições de lá para cá através da cop ­ comissão de obras públicas da cbic participamos ao lado do tcu da comissão especial da abnt que estuda uma norma brasileira para elaboração de orçamentos públicos apresentamos ao tcu um modelo simplificado e transparente para o cálculo dos chamados encargos sociais complementares e estruturamos um ciclo de encontros/debates em capitais de estados denominado diálogos regionais cbic/tcu para esclarecimento de várias questões que envolvem o processo de fiscalização e controle das obras públicas com recursos federais o primeiro diálogo desse ciclo ocorreu em 19 de abril na cidade de belo horizonte/mg envolvendo empresários do setor dirigentes de entidades representantes da administração pública e profissionais da área considerado como excelente oportunidade para apresentar aos representantes do tcu aspectos da realidade dos contratos e dos canteiros de obras e ouvir deles a correta interpretação do tribunal a respeito das questões colocadas o diálogo em bh foi elogiado por todos os participantes destaco três pontos dentre os vários que foram discutidos naquela ocasião que considerei de grande relevância · o compromisso de o tcu atualizar com base no material levantado nos diálogos com a cbic uma cartilha de orientação de procedimentos nas licitações públicas · a firme convicção expressa pelo tcu de que os custos dos sistemas sinapi e sicro devem servir de referência nos orçamentos sendo necessária apenas uma justificativa técnica bem elaborada quando seus preços não forem seguidos · e a opinião já formada pelo tcu de que o orçamento não deve ser oculto nas licitações promovidas o primeiro diálogo desse ciclo ocorreu em 19 de abril na cidade de belo horizonte mg envolvendo empresários do setor dirigentes de entidades representantes da administraÇão pÚblica e profissionais da área através do regime diferenciado de contratação rdc seguiremos em frente com os diálogos cbic/tcu pois há muitas questões ainda a serem tratadas mas com a certeza de que estamos construindo uma relação de respeito e de parceria que seguramente terá reflexos positivos para todos carlos eduardo lima jorge é engenheiro civil secretário-executivo da comissão de obras públicas da câmara brasileira da indústria da construção cop/cbic agosto 2013 · construir mais · sinduscon-go 5

[close]

p. 6

e ntrevis ta joÃo balestra do carmo filho secretaria das cidades vai elaborar o plano estadual de saneamento básico natural de brasília df o secretário das cidades do estado de goiás secidades joão balestra do carmo filho é bacharel em direito e foi chefe de gabinete do deputado roberto balestra durante 25 anos sua atuação política em brasília o levou a ter trânsito facilitado no governo federal e assim ser cotado para assumir a secretaria das cidades desde o último mês de fevereiro quando tomou posse na secretaria joão balestra dedica boa parte do seu tempo e esforços para resolver o problema dos lixões em goiás a questão que em sua visão é crônica vem sendo noticiada em diversas tvs rádios e jornais assim como a atuação da secidades para dar celeridade na construção de dois galpões de triagem de material reciclável em goiânia confira a seguir a entrevista eu ele concedeu a construir mais qual a abrangência do setor de saneamento básico de quem é a responsabilidade de sua gestão o setor de saneamento básico engloba os serviços prestados aos cidadãos nas áreas de abastecimento de água esgotamento sanitário drenagem urbana e manejo de águas pluviais coleta e manejo de resíduos sólidos a responsabilidade pela gestão dos serviços de saneamento básico é dos municípios como está o atendimento aos serviços de saneamento básico no estado de goiás avançando a passos largos graças a investimentos dos governos estadual e federal segundo informações da saneago e da secretaria municipal de meio ambiente 94,0 dos goianos têm abastecimento de água 44,6 têm coleta de esgoto sanitário 39,5 têm coleta e tratamento de esgoto sanitário 72,7 dos municípios têm coleta diária de resíduos sólidos urbanos 236 municípios 96 operam lixões em condições inadequadas 10 municípios 4 possuem aterros sanitários e aproximadamente 67 dos municípios têm drenagem urbana quais são os prestadores de serviços de saneamento que atuam em solo goiano com relação aos serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário 225 municípios têm contratos com a saneago o que representa 91 de todo o estado os demais municípios são autônomos ou seja eles próprios prestam esses serviços à população os serviços de drenagem urbana e resíduos sólidos são via de regra assumidos pelas prefeituras sendo que em 29 municípios os serviços de manejo de resíduos sólidos são terceirizados para empresas privadas 6 sinduscon-go · construir mais · agosto 2013 o brasil sempre teve uma política de saneamento e recursos financeiros para aplicação nesse setor na década de 1970 o governo federal definiu metas para o setor de saneamento instituindo o plano nacional de saneamento planasa o planasa previa a aplicação de recursos oriundos do fgts a fundo perdido nesse período foram criadas as companhias de saneamento dentre elas a saneago em 1967 e o saneamento experimentou grande evolução principalmente no que se refere aos serviços de abastecimento de água porém em 1986 ocorreu a extinção do banco nacional de habitação bnh e a interrupção do repasse dos recursos de fgts a partir de então observa-se a tendência à privatização do setor o que mudou a partir da lei federal nº 11.445/2007 que instituiu a política de saneamento básico no país essa lei estabeleceu as diretrizes nacionais para o saneamento básico o texto reafirmou o papel de titular do município nesses serviços ficando definidas mais claramente as competências municipais quanto ao planejamento à prestação à regulação à fiscalização dos serviços e à promoção da participação e controle social goiás já possui uma política estadual de saneamento básico ainda não a minuta da política está em fase final de elaboração após a aprovação de um grupo interinstitucional instituído pelo decreto 7.319/2011 deverá ser encaminhada neste mês de agosto à assembleia legislativa para se tornar lei o que está incluído nessa política ­ serviços infraestruturas e instalações operacionais o objetivo principal da política é planejar as ações de saneamento básico no estado de goiás o que inclui planos projetos obras e a prestação dos serviços de abastecimento de água esgotamento sanitário limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos e drenagem e manejo de águas pluviais urbanas as metas são a universalização equidade integralidade e a participação e o controle social entre os pontos importantes dessa política esgoto água tratada resíduos drenagem há algum de maior relevância e que será priorizado como diretriz no planejamento de curto prazo?

[close]

p. 7

foto marco monteiro o prazo concedido pelo governo federal encerra-se em agosto de 2014 sendo que a partir dessa data não será mais permitida a manutenção de lixões mas os resíduos sólidos deverão ser dispostos adequadamente e apenas rejeitos que são resíduos sem condição de serem reaproveitados e/ou comercializados está prevista a formação de consórcios por meio de parcerias público-privadas para tratar especificamente dos resíduos sólidos em consonância com a lei nº 12.305/2010 ­ política nacional de resíduos sólidos com base na lei nº 11.107/2005 ­ lei dos consórcios e alinhada com o governo federal que tem privilegiado a aplicação de recursos na área de resíduos sólidos por meio de consórcios públicos interfederativos a secretaria das cidades está trabalhando firmemente nessa direção tendo contratado um estudo de regionalização com a finalidade de se definir mediante critérios técnicos a melhor forma de associações entre municípios além de orientá-los e apoiá-los na formação de consórcios tal modelo permitirá economia de escala e sustentação técnica e econômica viabilizando a implantação de soluções adequadas para o manejo de resíduos sólidos quais são as principais metas e os principais desafios da sua gestão à frente da secretaria das cidades do estado de goiás minhas principais metas na secretaria são oferecer apoio aos municípios para se criar cidades sustentáveis com ações de proteção ao meio ambiente e à saúde humana nesse sentido estamos lançando o programa goiás sem lixão o qual inclui várias ações de iniciativa da secretaria das cidades e principalmente de apoio e orientação aos municípios na implantação da coleta seletiva formação de consórcios entrega de obras de estruturação do manejo de resíduos sólidos dentre outras há obras a serem entregues como galpões de triagem de resíduos sólidos em aparecida de goiânia anápolis e goiânia aterro sanitário e galpão em hidrolândia e obras a serem executadas como 1.300 módulos sanitários domiciliares banheiros completos com fossa séptica e sumidouro em 16 municípios goianos na área de mobilidade urbana captamos recursos federais para a implantação de obras de pavimentação e recapeamento de vias com drenagem urbana em 214 municípios além de implantação do observatório da mobilidade e saúde humanas com foco nas 21 cidades do estado com maiores índices de acidentalidade e implantação do zoneamento ecológico e econômico de goiás orientando os investimentos vejo como principais desafios a falta de recursos financeiros e de estrutura técnica para elaboração de projetos de engenharia para que o estado se faça mais presente na solução de problemas de nossas cidades agosto 2013 · construir mais · sinduscon-go joÃo balestra secretÁrio das cidades do estado de goiÁs secidades a política trará diretrizes para a prestação de serviços de saneamento básico visando a universalização dos seus quatro componentes no entanto a secretaria das cidades vai elaborar o plano estadual de saneamento básico o qual mais especificamente trará metas físicas e financeiras para o setor em goiás em um prazo de 30 anos priorizando certamente a aplicação de recursos em esgotamento sanitário e no manejo de resíduos sólidos que representam as áreas que demandam mais investimentos no estado de goiás qual a data prevista para o lançamento da política estadual de saneamento básico está previsto seu lançamento por ocasião da abertura do 27º congresso de engenharia sanitária e ambiental que goiânia sediará em setembro de 2013 o que poderá melhorar no estado de goiás com o estabelecimento dessa política de saneamento a política trará diretrizes aos municípios relativas à implantação e prestação dos serviços de saneamento definindo os princípios que devem nortear o setor a integração dos diversos órgãos estaduais e o apoio que o estado pode oferecer aos municípios titulares dos serviços a política será norteada no sentido proporcionar a proteção do meio ambiente a melhoria da qualidade de vida e saúde da população com avanço dos índices de salubridade sabendo-se que no estado de goiás 96 dos municípios dispõem seus resíduos sólidos em lixões qual o prazo que os prefeitos têm para o encerramento desses e execução de aterros sanitários 7

[close]

p. 8



[close]

p. 9

n ot Í ciasdos pa rcei ro s em circulação mais uma edição da revista da ebm a mais recente edição da ebm style da ebm desenvolvimento imobiliário circula com informações sobre a empresa produtos serviços e orientações sobre morar bem a publicação tem matérias versando sobre arquitetura sustentabilidade e decoração que neste número especificamente trata sobre antiquários e a tendência de mistura do antigo com o novo com periodicidade trimestral alto padrão editorial e distribuição gratuita a revista é dirigida a clientes e ao mercado sindicer discute ações e perspectivas para o setor cerâmico em goiás o sindicato das indústrias cerâmicas sindicer realizou o seminário ações e perspectivas para o setor cerâmico em goiás no dia 25 de junho no auditório joão bennio fieg evento que contou com a participação de 35 empresários do setor cerâmico a superintendente do icq brasil tatiana jucá proferiu palestra sobre os efeitos da aplicabilidade da norma 15.270 norma de tijolos em relação à norma 15.575 norma de desempenho de edificações nas construções civis na oportunidade apresentou o termo de cooperação assinado para formação do arranjo produtivo local da construção civil e também uma avaliação de mercado realizada em 14 construtoras quando foi aplicado um questionário de avaliação e coletadas amostras de cerâmicas in loco para a realização de análise laboratorial desta análise foram observados os seguintes requisitos características geométricas medidas de faces espessura de septo e paredes externas desvio em relação ao esquadro planeza das faces área bruta e a área líquida características físicas índice de absorção características mecânicas resistência a compressão tatiana jucá informou que foi analisada a prova no laboratório da metago e a contraprova no laboratório de furnas e que houve o cuidado no manuseio para não comprometer a qualidade das peças coletadas atestando a confiabilidade dos resultados apresentados no entanto salientou a superintendente do icq brasil a maioria das amostras foi reprovada os participantes ficaram muito interessados na análise dessa avaliação de mercado eles informaram que as cerâmicas do interior do estado de goiás nunca foram analisadas daí a dificuldade em discorrer sobre a qualidade de suas peças além dessa palestra o evento teve a exposição dos seguintes temas nr12 segurança no trabalho em máquinas e equipamentos responsabilidade civil e prevenção no Âmbito das relações do trabalho psq ­ programa setorial da qualidade e a importância da certificação licenciamento ambiental e mudanças no processo de reserva legal senai oferece sete mil vagas gratuitas em cursos na área da construção no 2º semestre diante da grande demanda por mão de obra qualificada no segmento de construção civil o senai goiás reforça a oferta de vagas com atividades de formação profissional por meio do programa nacional de acesso ao ensino técnico e emprego pronatec do governo federal realizadas gratuitamente fornecendo-se lanche e vale-transporte aos participantes para o segundo semestre de 2013 o senai prevê a realização de 7.715 matrículas em cursos ligados direta ou indiretamente ao setor da indústria da construção até meados de junho a instituição registrou 3.467 matrículas em atividades destinadas à área de construção realizadas via pronatec os cursos são oferecidos a alunos da rede pública que estejam cursando o 2º ou 3º ano do ensino médio beneficiários do programa bolsa família trabalhadores de diferentes perfis e pessoas em situação de vulnerabilidade social a iniciativa é destinada a expandir e democratizar o acesso a cursos técnicos e profissionais de nível médio e a programas de formação continuada para trabalhadores os interessados nos cursos podem procurar a escola senai vila canaã telefone 62 3235-8100 rua prof lázaro costa nº 348 vila canaã ou para mais informações ligar para o núcleo de atendimento ao cliente do sistema fieg telefone 62 4002-6213 em goiânia ou 0800-642-1313 para interior e demais localidades oferta de cursos diretamente ligados ao setor ­ ajudante de obras aplicador de revestimento cerâmico armador de ferragem cadista para construção civil carpinteiro de obras carpinteiro de telhados desenhista da construção civil eletricista industrial eletricista instalador predial de baixa tensão encanador instalador predial mecânico de máquinas industriais mestre de obras operador de escavadeira hidráulica operador de pá carregadeira operador de retroescavadeira pedreiro de alvenaria pedreiro de alvenaria estrutural pedreiro de revestimentos em argamassa pintor de imóveis pintor industrial técnico em edificações e técnico em segurança do trabalho cursos indiretamente ligados ao setor ­ agente de inspeção da qualidade almoxarife auxiliar administrativo auxiliar de pessoal auxiliar de recursos humanos instalador e reparador de redes cabos e equipamentos telefônicos lubrificador industrial mecânico de bombas hidráulicas montador de móveis operador de empilhadeira porteiro e vigia e recepcionista agosto 2013 · construir mais · sinduscon-go 9

[close]

p. 10

c omunidade da construÇÃo retraÇão por secagem no concreto a retração hidráulica do concreto também chamado de retração por secagem ocorre com o concreto no estado endurecido normalmente dentro de um período entre 3 meses e um ano após o término da execução do elemento estrutural após o adensamento e acabamento do concreto essa retração se dá pela saída de água do concreto endurecido em períodos secos e quentes prolongados ocasionando uma contração volumétrica do concreto ou seja ocorre a secagem da pasta de cimento em decorrência de movimentações higroscópicas podendo levar à incidência de trincas e fissuras importantes no concreto o concreto endurecido em ar não saturado propicia essas movimentações higroscópicas já que a umidade do concreto tenderá a um equilíbrio com a umidade relativa do ambiente por que se preocupar com este fenômeno em nossa região por que a retração por secagem é particularmente preocupante na região centro-oeste do brasil o fenômeno a retração do concreto na realidade se dá em função da retração da pasta de cimento endurecida que compõe o concreto a pasta de cimento é a parte retrátil do concreto com os agregados funcionando como um esqueleto sólido que entre outras funções combate a retração da pasta no caso da retração por secagem a pasta retrai em função da saída da água adsorvida de constituintes da estrutura interna do concreto de acordo com mehta e monteiro 2008 a água adsorvida responsável pelo fenômeno de retração hidráulica está presente principalmente entre as lamelas camadas de c-s-h silicato de cálcio hidratado mas ocorre também nas paredes dos poros constituintes de parte da porosidade capilar da pasta a saber nos poros de pequenas dimensões menores que 50 nm como ilustra a figura 1 a região centro-oeste do brasil possui como característica climática o fato de se ter basicamente duas estações uma predominantemente chuvosa e outra em que há um período muito seco prolongado na qual há um ciclo curto de baixas temperaturas mas que na maior parte prevalecem as temperaturas mais altas ao se associarem esses agentes climáticos que favorecem à secagem do concreto com alguns aspectos do concreto tais como alto consumo de cimento e alta relação a/c o que na prática significa elevado volume de pasta de cimento no concreto e também com alguns aspectos de projeto como as elevadas dimensões a geometria de superfície e o forte grau de restrição aos deslocamentos estruturais tem-se a manifestação patológica na forma de fissuras de tração nos elementos estruturais em concreto o problema é particularmente relevante em elementos de grandes dimensões e com forte vinculação do conjunto estrutural e podem ocorrer em vigas mas as lajes elementos de superfície por terem significativa relação de área exposta por unidade de volume de concreto são muito mais susceptíveis à secagem a contração restringida do elemento estrutural produzirá tensões de tração no concreto que superando os valores limites de resistência à tração do material produzirão fissuração a retração do concreto é um fenômeno importante na região de goiânia que pode se tornar patológico para as estruturas de concreto aspectos de projeto como a restrição dimensional dos elementos com as devidas considerações sobre lajes e vigas de grandes dimensões o dimensionamento de armaduras adicionais de combate à retração hidráulica como prevê a nbr 6118/2007 e a previsão de juntas de movimentação são algumas medidas importantes para se evitar o problema do ponto de vista do concreto reduzir a área específica dos agregados é uma ação importante pois se reduz o volume de pasta de cimento para a mesma trabalhabilidade portanto aumentar a dimensão máxima característica do agregado tanto do miúdo quanto do graúdo contribui para reduzir a necessidade de pasta de cimento É também uma ação preventiva a redução da relação água/cimento pois se diminui o teor de água evaporável do concreto um bom aditivo plastificante sempre é uma ação positiva já que ajuda na definição de concretos com menor relação a/c e menor volume de pasta garantindo-se trabalhabilidade oswaldo cascudo é professor doutor da escola de engenharia civil da universidade federal de goiás ufg bibliografia básica mehta p.k monteiro p.j.m concreto microestrutura propriedades e materiais são paulo ibracon 2008 mindess s young j f reversibility of drying shrinkage and creep in concrete concrete 1981 p 486-501 neville a.m propriedades do concreto 2a ed rev e atual são paulo pini 1997 leia a matéria na íntegra no portal www.sinduscongoias.com.br/index.php/comunicacao-social/artigos considerações finais figura 1 ­ ilustração da água interlamelar do c-s-h e da água capilar em uma pasta de cimento de um concreto adaptado de mehta monteiro 2008 Água interlamelar Água capilar Água fisicamente absorvida silicato de cálcio hidratado c-s-h é o principal constituinte sólido da pasta hidratada oriundo da hidratação dos silicatos de cálcio anidros presentes no clínquer de cimento portland o c-s-h é o produto de hidratação que ocorre em maior quantidade na pasta de cimento endurecida dentre os outros produtos hidratados sendo também o que mais contribui com a resistência mecânica e com a densidade da pasta ele é considerado o produto mais nobre da hidratação do cimento a saída dessa água não é fácil ela demanda uma ação efetiva de secagem com períodos secos e quentes prolongados a ação do vento contribui para esta secagem o que significa que somente em climas que apresentam estações secas bem pronunciadas como na região centro-oeste brasileira tal fenômeno se mostra relevante com efeitos significativos no concreto 10 sinduscon-go · construir mais · agosto 2013

[close]

p. 11

agosto 2013 · construir mais · sinduscon-go 11

[close]

p. 12

c onstruÇÃo sustentÁvel o consumo consciente na produção de edifícios a seleção de materiais produtos e componentes para a construção civil que usa como critério as características de respeito ao meio ambiente desses insumos torna-se uma ferramenta de fundamental importância na minimização dos impactos ambientais inerentes ao setor principalmente ao levar-se em consideração que esses impactos são um grave problema para a sociedade e podem continuar sendo se algumas medidas não forem tomadas não é novidade que os resíduos provenientes da construção civil representam até 70 da massa total de resíduos sólidos urbanos de uma cidade brasileira de médio e grande porte o setor também é um grande consumidor de matéria prima incluindo recursos não-renováveis como o cobre e o zinco ­ cujas reservas têm estimativa de durarem apenas mais cerca de 60 anos em contrapartida a cada dia aumenta a oferta de insumos ecofriendly disponíveis para a construção civil cuja produção leva em conta basicamente a reciclagem de resíduos e o menor impacto ambiental possível em um conceito mais amplo produtos e processos relacionados com a construção denominados ecofriendly são aqueles fabricados de modo inovador ecoeficientes produzidos com baixo consumo de recursos hídricos com redução de carbono lançado na atmosfera com menor gasto de energia de resíduos e de materiais por produto em uma breve pesquisa sobre produtos ecofriendly disponíveis no mercado nacional o engenheiro wellington guimarães coordenador da comissão da qualidade e produtividade do sinduscon-go mencio1 na exemplos como tintas à base de pigmentos naturais e isentas de compostos voláteis que agridem o meio ambiente também na área de revestimentos de parede aparecem materiais elaborados a partir de madeira 100 reflorestada e pastilhas feitas com resíduos de louças sanitárias para pisos os fabricantes oferecem opção de revestimentos feitos à base de pvc 100 reciclado indicados para áreas internas secas residenciais e comerciais outra opção são os revestimentos drenantes à base de cimento conforme o fabricante são produtos com 80 de permeabilidade indicados para áreas externas utilizando um grande percentual de sobras de construção em sua composição voltados à reciclagem e preservação do meio ambiente matéria prima com menor impacto ambiental a preocupação com a preservação do meio ambiente também está presente na produção regional de insumos para a construção com 27 anos de atuação no mercado da mineração a tarcal ­ transportes e material de construção por exemplo atualmente extrai e comercializa areia em solo e subsolo a chamada mineração de cava sem provocar o dano causado pelo método tradicional ou seja a dragagem de rios recentemente a empresa buscou o apoio do senai para implantação do projeto de automação industrial em sua mineradora localizada no município de piracanjuba go uma novidade que possibilita agilizar e aprimorar a qualidade da extração de areia gerando menos impactos ambientais atesta rodrigo diniz sócio-proprietário da tarcal 3 4 2 1 pastilhas com resÍduos de louÇas sanitÁrias 2 revestimentos drenantes à base de cimento 3 revestimentos de parede com madeira 100 reflorestada 4 piso à base de pvc 100 reciclado imagens site da exporevestir 2013 e arquivo mineração tarcal 12 sinduscon-go · construir mais · agosto 2013

[close]

p. 13

a rt i g o transporte coletivo e as soluções para as grandes cidades cidades com mais de um milhão de habitantes atualmente estão no centro de debates sobre mobilidade urbana e suas diretrizes goiânia faz parte de uma lista de 18 municípios com este perfil e que tiveram suas propostas tecnicamente viáveis contempladas pelo programa pró-transportes do pac-2 ­ mobilidade grandes cidades do ministério das cidades todos esses vão receber apoio e recursos para a implantação de projetos voltados para o transporte coletivo que contempla ainda projetos de ciclovia e acessibilidade com a inserção de goiânia no programa do governo federal será possível construir para a região metropolitana da capital um panorama propício para investimentos em infraestrutura estamos falando do corredor goiás ­ eixo norte/sul via exclusiva central para o transporte de massa com 22 quilômetros de extensão o corredor goiás ­ eixo norte/sul fará a conexão por meio de vias dos terminais recanto do bosque na região noroeste e cruzeiro do sul na sudoeste para o projeto está previsto um investimento de r 284 milhões composto por recursos federais e municipais a via exclusiva terá seis terminais de integração e 36 estações de parada todos vão reunir critérios de acessibilidade universal com projetos de requalificação de calçada e áreas de convivência embora o corredor goiás ­ eixo norte/sul seja importante por oferecer deslocamento rápido e de qualidade ligando duas regiões da grande goiânia a noroeste e a sudoeste vias preferenciais para o ônibus também se fazem necessárias dentro da proposta de implantar conceitos de mobilidade urbana diante disso a prefeitura de goiânia decidiu por colocar em prática o que está previsto no plano diretor e construir corredores preferenciais em 2012 foi colocado em operação o corredor universitário o primeiro de uma série de 14 o segundo corredor está em construção na avenida t-63 e o próximo será o corredor t-7 ao todo goiânia terá 102 quilômetros de vias preferenciais para o transporte coletivo ofertando ciclovias nova sinalização pontos de ônibus fiscalização eletrônica calçadas acessíveis e um novo compartilhamento de vias estruturantes como o leitor pode constatar em breve a nossa capital oferecerá ao serviço de transporte coletivo mais 124 quilômetros de vias exclusivas ou preferenciais cuja área de atenção beneficiará quase a totalidade dos desejos de viagens dos usuários que utilizam a rede de transportes É importante ressaltar que os corredores preferenciais priorizam a circulação dos ônibus em faixa localizada à direita sendo permitido ao veículo individual usar a via para acesso local e conversões à direita o custo quilométrico varia de r 2 a r 3 milhões e é um investimento do próprio município de goiânia anteriores a esses investimentos estão as reformas e a construção de novos terminais catorze terminais da região metropolitana já estão operando com uma nova infraestrutura sendo que dois deles foram reconstruídos bandeiras e garavelo o cruzeiro do sul foi totalmente reformulado e o veiga jardim ampliado nesta lista estão também os terminais de senador canedo e de trindade os recursos para as obras na ordem de r 45 milhões constam do contrato de concessão a companhia metropolitana de transportes coletivos como órgão gestor do sistema da região metropolitana de goiânia é a responsável pela condução e fiscalização desses projetos que priorizam o transporte coletivo e requalificam estações e terminais que recebem em média 18 milhões de passageiros por mês diante desses números que reúnem investimentos e aplicação em obras de infraestrutura é possível dimensionar a extrema importância que os mesmos têm para a sustentabilidade das cidades e para a qualidade de vida dos cidadãos estamos sim no caminho da busca contínua da melhoria da mobilidade urbana e acessibilidade e certos de que um futuro próspero já se desenha para a região metropolitana de goiânia não vamos parar de pensar a cidade que queremos uma cidade que aposte em propostas que compartilhem modelo de gestão sustentável e que priorize o coletivo oferecendo no conjunto da obra calçadas acessíveis respeito ao pedestre ao ciclista ao usuário do transporte coletivo e um trânsito de melhor qualidade ubirajara alves abbud é presidente da companhia metropolitana de transportes coletivos cmtc agosto 2013 · construir mais · sinduscon-go com a inserÇão de goiânia no programa do governo federal será possível construir para a região metropolitana da capital um panorama propício para investimentos em infraestrutura estamos falando do corredor goiás ­ eixo norte/sul via exclusiva central para o transporte de massa com 22 quilômetros de extensão 13

[close]

p. 14

e s pa Ç ojur Í dico condenaÇão criminal do empregado e a ruptura do contrato de trabalho a condenação criminal do empregado passada em julgado caso não tenha havido suspensão da execução da pena constitui um dos justos motivos para a rescisão do contrato de trabalho previsto na consolidação das leis do trabalho clt art 482 letra d trata-se de justa causa de natureza especial porquanto não é a condenação em si que caracteriza a falta mas seu efeito no contrato de trabalho vale dizer a condenação não pode constituir em si um ato faltoso do empregado o seu efeito contudo pode resultar em perda de liberdade e consequente impossibilidade da manutenção do vínculo empregatício por falta da prestação pessoal de serviço um dos elementos primordiais desse vínculo resumindo a condenação criminal quando não priva o empregado da liberdade pessoal em princípio não autoriza a rescisão contratual pois que ainda é possível a continuidade da prestação de trabalho são requisitos essenciais para a caracterização da justa causa por condenação criminal a a sentença condenatória com trânsito em julgado b a não suspensão da execução da pena a prova de decisão do juízo criminal a ser apresentada pe rante a justiça do trabalho constitui-se de simples certidão ou qualquer outro meio hábil indispensável portanto a comprovação do trânsito em julgamento da decisão ou seja que da decisão não caiba qualquer recurso o segundo requisito ­ suspensão da execução da pena ­ refere-se à suspensão condicional da pena também conhecida por sursis logo havendo sursis o empregado poderá trabalhar normalmente e não estará caracterizada a justa causa caso contrário ou seja inexistindo o sursis torna-se impossível a continuidade da prestação de serviço pois o contrato individual de trabalho exige a presença do empregado no local de serviço facultando-se assim a resolução do respectivo contrato ressalte-se que dependendo da conduta do empregado ensejadora de sua condenação mesmo que a pena seja suspensa na forma da legislação criminal o empregador se julgar conveniente pode enquadrá-lo nas justas causas de caráter geral como improbidade ou mau procedimento fonte manual de procedimentos legislação trabalhista e previdenciária fascículo nº 17/2013 14 sinduscon-go · construir mais · agosto 2013

[close]

p. 15

mais segurança nas locações sob encomenda as locações sob encomenda batizadas pelo mercado brasileiro de built to suit são cada dia mais utilizadas no mundo corporativo nacional alteração legislativa ocorrida na virada do presente ano incentivará ainda mais tal tipo de negócio por gerar maior segurança jurídica ao mesmo o built to suit constitui-se em operação onde um imóvel é comprado reformado ou construído pelo empreendedor ou terceiro de acordo com as orientações e interesses específicos daquele que irá utilizá-lo geralmente esta utilização é estipulada via locação de período longo garantindo o retorno do investimento e a remuneração pelo uso do imóvel inúmeros atrativos podem ser apontados em tais contratos os mesmos possibilitam que o usuário utilize de imóvel no local de seu interesse e com as características específicas pretendidas sem necessidade de imobilização de capital já o empreendedor no ato da operação terá um crédito representativo do retorno dos investimentos alocados no projeto e da remuneração pelo uso do imóvel poderá ainda nos termos da lei 9.514/97 ceder tal crédito para uma securitizadora antecipando assim a receita que viria no longo prazo a lei 12.744/2012 que alterou a lei do inquilinato dá plena liberdade contratual às partes nas locações sob encomenda além disso os pontos de maior insegurança jurídica que rondavam o tema ­ multa contratual e revisão do aluguel ­ foram solucionados de forma expressa genericamente a lei do inquilinato prevê que a multa contratual em caso de rescisão antecipada da locação deve ser paga pelo locatário desistente na proporção do período de cumprimento do contrato o empreendedor corria assim o risco de não ser indenizado de maneira integral pelo investimento realizado a nova lei excepcionou tal regra para as locações sob encomenda para estas fixou tão somente um limite para a multa igual à soma dos aluguéis a receber até o final do contrato o direito de revisão do aluguel por sua vez é assegurado pela lei do inquilinato para os casos onde este se descase para mais ou menos do valor de mercado desde que ultrapassados três anos da última combinação como no built to suit o valor do aluguel não é composto somente pela parcela de remuneração pelo uso da coisa mas também de remuneração do capital investido a possibilidade de revisão do mesmo poderia extirpar tal segunda parte do aluguel e gerar grande prejuízo ao empreendedor na nova sistemática as partes podem renunciar ao direito de revisão a técnica legislativa pátria é sempre alvo de inúmeras críticas o que não está sendo diferente no caso comentafoto cristina cabral tais operaÇões configuram agora uma ótima oportunidade para o mercado da construÇão do no entanto inegável é o avanço no sentido da segurança o simples fato de a matéria ter sido regulada dentro da lei de locações por si só já soluciona por exemplo a divergência antes existente sobre a aplicação ou não das ações previstas na referida lei ao built to suit sempre defendemos a realização de tais operações por entender que a insegurança jurídica poderia ser afastada agora estamos convictos de que as mesmas se tornaram ainda mais interessantes uma ótima oportunidade para o mercado da construção arthur rios jÚnior é advogado do segmento imobiliário sócio da advocacia arthur rios pós-graduando em direito tributário pelo ibet pós-graduado ll.m em direito corporativo pelo ibmec e em direito civil e processual civil pela universidade cândido mendes arthurjr@advrios.com.br agosto 2013 · construir mais · sinduscon-go 15

[close]

Comments

no comments yet