ensaios de luna

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

ensaios de luna

[close]

p. 2



[close]

p. 3

kauê vargas ensaios de luna prefácio de regina da costa da silveira 2º edição

[close]

p. 4

© rowling edições 2013 todos os direitos reservados à editora editores andré polga carolina xavier denys schmitt maura da costa raquel scremin suelen ribeiro thayze fagundes capa carolina xavier denys schmitt ilustração da capa luana nascimento projeto gráfico carolina xavier maura da costa e silva raquel scremin diagramação carolina xavier raquel scremin preparação de originais denys schmitt maura da costa e silva revisão rosa helena martinez a865 ensaios de luna kauê vargas sitó 1 ed santa maria [ufsm ccsh curso de comunicação social produção editorial 2013 40 p 13 cm ×18 cm isbn 797-65-63827-10-9 1.literatura 2.literatura geral 3.poesia i kauê vargas sitó cdu 52-84 catalogação bibliotecária ana froest crb-1o/139

[close]

p. 5

dedicado para jorge e silvia

[close]

p. 6



[close]

p. 7

o poeta é um fingidor finge tão completamente que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente fernando pessoa

[close]

p. 8



[close]

p. 9

sumário carta ao leitor 11 prefácio 13 los colores 16 nova esperança 17 delilah 18 das estradas 19 indução 20 destituição notória do gosto 21 poemeto frouxo 22 descaminhando 23 lígia 24 amanhecendo 25 primícias 26 simetria 27 o bêbado e a bailarina 28 impertencente 29 dos aborrecimentos 30 palavra 31 transfigurante 32 ja ne sais quoi 33 chuvinha 34 egocentro 35 substitutivo 36 duas caras 37 biografia 38 9

[close]

p. 10



[close]

p. 11

carta ao leitor não foram poucas as vezes em que escutamos a frase o que é um produtor editorial para uma breve resposta citamos chartier quando diz que o autor cria o texto e o editor cria o livro ao longo da disciplina de edição e produção de livros ofertada no curso de comunicação social produção editorial da universidade federal de santa maria ufsm nos foi concedida a oportunidade de imergir no real significado da palavra edição ao longo destas páginas estão impressos os trabalhos do escritor kauê vargas mas não somente estes ­ o conhecimento que adquirimos no meio acadêmico também está intrínseco aqui nosso amplo ciclo de trabalho sempre mediado por orientadores e colaboradores desde a preparação do original até a impressão final é o que mostra ao mundo que o editor é o elo fundamental entre autor e leitor despertar o interesse do público por um gênero tão singular quanto a poesia especialmente quando escrita um autor estreante não é um desafio simples asseguramos ao leitor no entanto que cada verso da poesia de kauê lhe fornecerá novas formas de encarar nossa onipresente realidade boa leitura 11

[close]

p. 12

12

[close]

p. 13

prefácio quando estudantes mais jovens somam-se ao contingente de leitores de poesia os leitores mais velhos se regozijam quando o poeta confere sentidos novos às palavras de seu cotidiano com a ampliação e aprofundamento de suas vivências por meio das suas ideias o olhar dos leitores levanta-se para um mundo mais alto e muito mais pujante somos todos testemunhas de uma época em que as tecnologias reduzem a distância e o tempo a rapidez das informações desestabiliza certezas a cada instante pois é nesta mesma época que a publicação de um livro de poesia do autor kauê vargas surge por iniciativa de um grupo de alunos da ufsm na disciplina de edição e produção de livros da professora marília barcellos um exemplar pleno de construções metafóricas de personificação de objetos exemplo do animismo que rege o fazer poético isso prova que a internet não minimizou o gosto pela literatura mas o ampliou e assim vão se constituindo as redes para valorizar e divulgar ainda mais a arte de criar versos e de conferir sentidos novos às palavras seja pelo livro editorado e publicado em papel seja em e-book de modos diferentes é que o livro de kauê abre-se para melhor compreendermos a vida com a sensibilidade própria dos grandes poetas kauê constrói a sua poesia mediante a animação de imagens e de acontecimentos habilmente representados e de modo sinestésico inebriante assim a vida resplandece entre as cortinas da sala num perfume que bem fala ou na 13

[close]

p. 14

magia de um mundo de cristal em que o disfarce é fundamental nesse meu tempo pequeno o ponto de partida da criação poética é sempre a experiência da vida o livro começa com los colores com a evocação aos senhores anunciando abro e assopro a poeira das folhas em finitude vã o que dá mostras de uma poesia que nasce madura com o trato de vivências cotidianas e de imagens antes inanimadas agora vivas e plenas de mistérios impossível resistir ao encanto lúdico e às metáforas do sublime canto de amor do poema amanhecendo em que se lê como são bestas os passarinhos que não me deixam dormir de manhã deveriam ficar nos seus ninhos ficar de preguiça boa até a hora do almoço mas veja como são oportunos esses mesmos quando beijando o teu rosto quando nos pores-de-sol drummond um dos maiores poetas brasileiros do século passado escreveu sobre o fazer poético escrevendo poemas um exercício de metalinguagem mas o que importa é que ele endereça ao leitor ironicamente a pergunta trouxeste a chave também não escapou aos versos do poeta alegretense a fina ironia no caso dirigida aos senhores assim mesmo como vocativo que nos convoca a observar mais adiante que o que é genial não conta ponto os mitos de morfeu e a presença da rainha egípcia nefertiti animam os poemas dão mostras de erotismo revelam o nada que é tudo como disse fernando pessoa pois a literatura é assim um nada por ela ser uma invenção e por isso mesmo por não ter valor quantitativo mensurável será sempre a arte capaz de abarcar os mistérios insondáveis da alma 14

[close]

p. 15

desde o homem-menino não têm autoria os mitos tampouco os provérbios que vêm resistindo ao tempo vale lembrar uma dessas conhecidas sentenças quem vai na chuva está sujeito a se molhar mas subverter provérbios é também atribuir novos sentidos às palavras disse guimarães rosa para quem felicidade se acha em horinhas de descuido então felicidade é também a gente se deixar molhar pela chuvinha título do poema exemplo de animismo no livro de kauê em que o poeta personifica e confere anima às coisas inanimadas no final da trilha a calçada molhada nos seduz e convida o eu poético ao regozijo de um carpe diem vem deitar aqui fora logo logo vamos embora já passa da hora de ser feliz pelo caminho na leitura deste livro passamos pelo tema da indução além do amor da esperança da passagem efêmera do amanhecer das estradas dos pores-de-sol da chuvinha e do próprio tempo que afinal não nos poupa logo logo da hora de irmos embora aqui deste umbral eu imagino a felicidade também de vocês leitores e leitoras com quem desde já me regozijo no prazer de desvendar ou deschavear outros sentidos nos textos de ensaios de luna do poeta kauê vargas regina haesbaert da costa professora titular do ppg letras uniritter ­ porto alegre rs editora de nonada letras em revista 15

[close]

Comments

no comments yet