Informativo endocrinologia

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

informativo endocrinologia hiperadrenocorticismo hac teste de supressão pela dexametasona baixa dose a sensibilidade do teste varia entre 90 a 95 em cães com hiperadrenocorticismo pituitário dependente pdh e pode chegar a 100 em cães com tumor de adrenal adh limitações o hiperadrenocorticismo iatrogênico não pode ser diagnosticado nesse teste procedimento coletar amostra pela manhã administrar 0,01 mg/kg de dexametasona intravenosa coletar amostras 4 e 8 horas após administração enviar as amostras refrigeradas ao vetlab em até 3 dias um erro comum cometido por muitos veterinários é no cálculo da dose de dexametasona quando se utiliza o fostato dissodico de dexametasona deve-se lembrar de que a etiqueta afirma uma concentração de 4 mg ml mas apenas 3,3 mg ml são de dexametasona ativa quando o animal for muito pequeno a dexametasona pode ser diluída em solução salina estéril soro fisiológico na proporção de 1,0 ml de fosfato de dexametasona

[close]

p. 2

para 5,0 ml de salina formando uma concentração de 0,5 mg de dexametasona por ml esta solução pode ser conservada em geladeira por até 1 mês embora as dosagens de cortisol basal e 8 horas pós-dexametasona sejam as mais importantes para o diagnóstico do hiperadrenocorticismo uma amostra coletada em 4 horas durante o período de teste pode também ser muito útil aproximadamente 30 dos cães com hiperadrenocorticismo pituitário dependente apresentam supressão do cortisol 4 horas 1,4 e um aumento da concentração de cortisol 8 horas após a administração da dexametasona esta curva é de diagnóstico de hiperadrenocorticismo pituitário dependente e os testes adicionais para determinar a causa do hiperadrenocorticismo não são necessários 7 5,6 4,2 2,8 1,4 0 0 4 8 normal pdh pdh ou adh interferentes estresse anestésicos fenitoína barbitúricos e outros indutores de enzimas microssomais hepáticas que acelerem o metabolismo da dexametasona hiperadrenocorticismo atípico muitas vezes as manifestações clínicas e os achados bioquímicos e hematológicos apoiam o diagnóstico de hac porém os testes endócrinos permanecem normais ou inconclusivos a produção excessiva de acth pode nas adrenais estimular o aumento não só de glicocorticóides mas também de hormônios sexuais recentes estudos mostram que altas concentrações séricas de 17 hidroxiprogesterona e de outros hormônios sexuais esteroidais seria a causa do denominado hiperadrenocorticismo atípico como diagnosticar o atípico perfil hiperadrenocorticismo atípico androstenediona aldosterona cortisol estradiol progesterona testosterona e 17 hidroxiprogesterona todos pré e pós acth diferenciação pdh adh teste de supressão pela dexametasona alta dose procedimento coletar amostra pela manhã administrar 0,1 mg/kg dexametasona intravenosa coletar amostras 4 e 8 horas após administração enviar as amostras refrigeradas ao vetlab em até 3 dias.

[close]

p. 3

interpretação se o valor de cortisol declinar em mais que 50 indica-se pituitário dependente e em menos que 50 suspeita-se de tumor de adrenal acompanhamento hac teste de estimulação com acth ­ cortisol pré e pós acth procedimento cães coletar amostra pela manhã administrar 0,25 mg/cão de synacthen intramuscular independente do peso corporal coletar amostra após 1hora ou coletar amostra pela manhã administrar 2,2 ui kg de cortigel 40 por cão intramuscular coletar amostra após 2 horas controle trilostano 1 animal em tratamento deve ter cortisol pós acth entre 5,0 a 11,0 2 o trilostano não deve ser usado em animais com doença hepática primária ou doença renal crônica 3 os exames clínicos hemograma bioquímica sempre incluir sódio e potássio eas +pu/cu e cortisol pós acth devem ser realizados em 10 dias 4 semanas 12 semanas e posteriormente a cada 3 meses 4 o teste de acth deve ser realizado 4 a 6 horas após a administração do trilostano hipertensão e proteinuria são complicações comuns o vetlab realiza exame de pu/cu com o método considerado padrão ouro azul brilhante de coomassie/enzimático trinder metade dos cães com cushing apresentam infecção urinária e devido ao cortisol circulante não apresentam sinais nem clínicos e nem no eas uma urocultura deve ser realizada a cada 6 meses o vetlab realiza cultura e antibiograma de urina com resultados em 2 dias úteis hipotireoidismo diagnóstico anemia normocítica normocrômica arregenerativa 30 dos casos aumento de colesterol e/ou trigicerídeos 60 a 80 dos casos aumento de frutosamina sem diabetes 60 dos casos leve aumento de alt e ck 35 dos casos t4 total tt4 e tsh a maioria dos cães com hipotireoidismo apresenta valores de tt4 baixo 90 deles tornando este um teste com elevada

[close]

p. 4

sensibilidade no diagnóstico por outro lado cães com outras doenças muitas vezes têm baixa de tt4 como parte de sua resposta fisiológica o teste de tsh tem 90 de especificidade no diagnóstico de hipotireoidismo quando utilizado com t4 total ou t4 livre por diálise ou bifásico quimioluminescência é o teste mais preciso para dosagem de tsh marca et al 2001 a presença de anticorpos anti-tireoglobulina no soro é fortemente sugestiva de tireoidite linfocítica imuno mediada que é responsável por mais da metade dos casos de hipotireoidismo canino doenças que diminuem os níveis de t4 séricos hipotireoidismo deficiência de calorias e/ou proteína diabetes mellitus hiperadrenocorticismo hepatopatias hipoadrenocorticismo insuficiência renal afecções neuro musculares e pioderma medicamentos que diminuem os níveis de t4 séricos fenitoína salicilato flunixin meglumine glicocorticóides mitotano anabolizantes halotano tiopental metoxiflurano furosemida Ácidos graxos fenobarbital e fenilbutazona quase todo t4 circulante está ligado a proteínas transportadoras deixando apenas uma pequena fração disponível para interagir com os tecidos esta fração livre pode ser mensurada por radioimunoensaio após diálise de equilíbrio o efeito de outras doenças não representa tanta variação para o t4 livre por diálise a análise do t4 livre por diálise de equilíbrio é a maneira mais precisa de avaliar a tireóide de um animal as amostras são dialisadas separando o t4 livre das proteínas séricas acompanhamento testar 2 a 4 semanas após o início do tratamento coletar amostra antes pre-pill e 4 a 6 horas após o medicamento pos-pill pre-pill normal normal baixo pos-pill normal aumentado normal a aumentado normal a aumentado baixo 1 x ao dia administração mantenha a dose mantenha a dose a menos que esteja em mais do que 70,0 passar para 2 x ao dia recomendações baixo baixo 2 x ao dia aumente a dose ou passe para 2 x ao dia aumente a dose considere malabsorção intestinal ou anticorpos anti t4

[close]

p. 5

hipertireoidismo felino deve-se investigar a ocorrência de hipertireoidismo em todos os felinos de meia idade ou idosos que apresentem histórico de perda de peso principalmente quando evidenciar polifagia diagnóstico hemograma ­ leucocitose policitemia bioquÍmica ­ aumento de alt gama gt ast uréia creatinina e fósforo dosagem de t3 e t4 quando o seu valor está aumentado o resultado é extremamente específico para o diagnóstico de hipertireoidismo no entanto um resultado dentro da normalidade não permitirá que se descarte o hipertireoidismo uma vez que podem ocorrer flutuações circadianas dos valores séricos de t3 e t4 ou diminuição nas concentrações de t4 total no soro decorrentes de enfermidades concomitantes não tireoidianas tais como nefropatia diabete neoplasia hepatopatia e outras afecções crônicas dosagem de t4 livre por diÁlise a determinação de t4 livre por diálise é um teste diagnóstico bastante útil em gatos com grande suspeita de hipertireoidismo e concentração de t4 total dentro dos valores de referência hiperaldosteronismo um dos problemas mais comuns em gatos mais velhos é a doença renal crônica e hipertensão um diagnóstico emergentes em vários deles é o hiperaldosteronismo e é um diagnóstico que pode ser facilmente perdido ao aumentar os níveis de aldosterona o potássio é perdido através dos rins e o sódio é retido isso provoca a conservação da água o que aumenta o volume sanguíneo e aumenta a pressão arterial a doença ocorre mais comumente em gatos e é rara em cães tem sido relatado nos gatos entre seis e 20 anos de idade os principais sinais clínicos estão relacionados com a hipocalemia e hipertensão arterial o vetlab realiza com exclusividade no brasil a relação renina aldosterona plasmática que é o teste ouro para o diagnóstico.

[close]

Comments

no comments yet