Jornal Domus Nostra 2009/10

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

domus nostra 16 de maio de 2010 2 minutos há sempre tempo hÁ sempre tempo 1

[close]

p. 2

Índice para tudo há um momento e um tempo mj hoje eu quero ser feliz ais há gente que fica na histÓria alc acima de tudo fui feliz arc foi há trÊs anos atrÁs cr vai correr tudo bem cp tenho um tesouro mf a nossa experiência no 312 a j p a nossa experiência no 501 ab,jb pc entrar na domus nostra a meio do percurso ra a princesa da bata branca velhinho júlio a festa da famÍlia miac a arte de nadar mg primeiro dia de sérgio godinho proposta da ca terÇo comunitÁrio lsr encontro ibérico de taizé porto pc o terreiro do paço encheu-se para ver o papa reportagem de paulo moura oraÇÃo da famÍlia papa bento xvi willian james reflexão proposta pela sl pág 3 5 6 7 9 11 13 14 16 18 19 20 22 23 25 26 27 30 31 há sempre tempo 2

[close]

p. 3

para tudo há um momento e um tempo para cada coisa que se deseja debaixo do céu eclesiastes 3 1 mais um ano mais uma festa da família mais um editorial escrito de madrugada mais um jornal mais uma missa mais um almoço mais um convívio mais um mais uma porque tem que ser ou mais uma para ser sim mais um dia mais uma festa para sermos mais felizes porque crescemos na amizade na comunhão que fomos construindo e acolhendo ao longo destes anos juntos o tempo traz-nos aquilo que não conseguimos ver perceber compreender de imediato porque a pressa encobre a nossa visão o tempo vivido com a paciência conduz-nos à esperanÇa esperar aqui no sentido de ter esperança é sempre uma forma de aprender É na expectativa da espera que encontramos tempo para um mergulho na nossa interioridade para ajustarmos ou mudarmos a nossa percepção das coisas dos acontecimentos das pessoas para reflectirmos sobre os nossos valores sentimentos e prioridades a cultura do imediato das respostas prontas da comida rápida das mensagens instantâneas e as demais prontidões e pressas que a sociedade moderna nos impõe acabam por nos tirar a paciência virtude indispensável para quem quer viver uma vida verdadeira há sempre tempo 3

[close]

p. 4

ter tempo para tudo é diferente de para tudo há um momento e um tempo a administração do tempo não é uma técnica mas sim um comportamento não existe nenhuma técnica milagrosa ou mágica nem um programa de computador ou agenda electrónica que resolva o problema da má administração do tempo administrar tempo é uma atitude ao dizer «tenho tempo para isto ou para aquilo» quero dizer posso efectuar tal ou tal acção ou deixar que tal coisa actue sobre mim o tamanho de uma hora ou de um minuto é sempre o mesmo um dia tem sempre vinte e quatro horas mas aqui no domus às vezes não queremos que os dias terminem o tempo é pouco para estarmos no quarto umas das outras nas conversas noite dentro porque o dia mais importante não é o dia em que conhecemos uma pessoa o dia mais importante é quando ela passa a existir dentro de nós o dia em que conhecemos uma pessoa passa mas quem passa a existir dentro de nós ensina-nos a ser mais uns para os outros a abrirmo-nos ao diálogo que lança pontes e cria laços e todo o tempo é pouco porque a vida é uma contínua construção sempre inacabada que exige repensar valores experimentar sentimentos aprender novas lições conquistar novos espaços e vislumbrar novos horizontes obrigada a todas e a todos a cada uma e a cada um pelo tempo dado vivido amado mj no masculino para dar a domus casa o significado de lar há sempre tempo 4

[close]

p. 5

hoje eu quero ser feliz não gosto de despedidas não gosto daquele abraço aquele que sabemos que provavelmente será dos últimos não gosto e ponto por isso não queria que este momento chegasse porque hoje é um dia de abraços de despedida é um dia onde há tristeza e choros de saudades antecipadas mas este ano vai ser diferente ou pelo menos eu quero que assim seja hoje eu quero ser feliz quero estar com as minhas meninas nesta casa que é a nossa quero com elas viver este dia tão importante para mim o dia em que sou quase sra engenheira portanto hoje se houver lágrimas que sejam de felicidade e de gargalhadas ais há sempre tempo 5

[close]

p. 6

há gente que fica na histÓria da história da gente há dias que marcam a alma e a vida da gente poderei aproveitar estes versos para iniciar o meu texto sobre o significado que a domus nostra tem para mim aqui encontrei um ambiente muito especial que me fez sentir verdadeiramente em casa para além do espaço tenho a referir as pessoas com as quais me cruzei de entre as que ainda aqui se encontram das que já saíram por todas elas a minha vida ficou mais rica e mais preenchida aqui partilhei muitos momentos posso lembrar-me dos dias iniciais em que aqui estive e que em cada um deles encontrei alguém com quem pude desabafar e esquecer as saudades que tinha de casa aos poucos fui encarando com mais naturalidade o facto de estar em lisboa longe dos meus nos anos subsequentes senti-me útil quando pude ajudar e dar alguma palavra de acolhimento àquelas que chegavam assim como haviam feito comigo domus nostra é isto entreajuda partilha apoio sorrisos e confiança para dar ao próximo agora nesta recta final sinto que as coisas não vão mudar sei que continuarei a ter alguém pronto a ajudar-me assim como permanecerei disponível para quem mais precisar guardarei sempre comigo a minha passagem pela domus nostra assim como as amizades que aqui fiz independentemente do sítio onde esteja pois o tempo não afasta as verdadeiras amizades contribui sim para o seu fortalecimento obrigada por me deixarem fazer parte deste mundo tão especial que é a domus nostra alc há sempre tempo 6

[close]

p. 7

acima de tudo fui feliz cheguei à domus nostra dia 10 de outubro de 2007 o 312 era o quarto que me esperava escolhi a cama do meio estava sozinha num quarto enorme vazio repleto de silêncio e cheio de coisas vazias decididamente não era o meu quarto sentei-me na cama desfeita e deixei-me ficar não me apetecia arrumar as minhas coisas num quarto que não era o meu ainda mais tinha de o partilhar o silêncio do quarto contrastava com a agitação da nova cidade de repente batem à porta quem será fui abrir de pé com cara de poucos amigos estavam duas raparigas que prontamente disseram em uníssono caloira apresente-se assim foi sou a ana rita venho de faro tenho 20 anos e estou no curso de osteopatia pediramme também que fizesse um babete para levar para o jantar eu fiz o que pude assim começava o dia oficial de praxes na residência domus nostra aqui tinha mais regras mas com algum esforço e compreensão foram sendo respeitadas horários para tudo que seca não tenho fome agora porque é que tenho de jantar quero dormir mais um pouco e já está na hora do pequeno-almoço novas rotinas nunca pensei que desse tanto trabalho mas a cada dia que passava sabiame melhor cumpri-las um facto impressionante é que tinha sempre companhia isso não falhava quando não estavam as raparigas do meu quarto estavam as do quarto da frente ou do andar de cima ou de baixo há sempre tempo 7

[close]

p. 8

a certa altura as minhas colegas de quarto foram-se embora ficou a saudade fiquei com o meu quarto só para mim outra vez mas não fiquei sozinha esta casa passou a ser a minha casa o 312 passou a ser o meu quarto e as pessoas que cá habitavam passaram a ser a minha família fiz algumas amizades e o tempo lá passava chegou ao fim o primeiro ano queria sair mas também queria ficar a última opção foi levada avante e acabei mesmo por ficar mudei de quarto fui para um quarto individual mais pequeno porque durante algum tempo do primeiro ano tive um num quarto triplo que se tornou individual a meio do ano mudei para o quarto da minha amiga filipa que tinha acabado de sair ainda tinha o seu cheiro e as paredes ainda sabiam de cor as nossas conversas as músicas lá cantadas as gargalhadas em noites de não se fazer nada 518 nunca me vou esquecer passaram 3 anos passaram 6 semestres de curso e de vida académica há 3 anos mudei-me para esta casa e conheci uma nova família foi com as pessoas que aqui moram que tomei o pequeno-almoço almocei jantei ri brinquei são as primeiras pessoas a verem-me logo de manhã e as últimas antes de me deitar são as primeiras pessoas que reparam no meu mau ou bom humor logo de manhã É com elas que partilho as novidades bem fresquinhas que acabei de receber cresci amadureci tornei-me mais responsável empenhei-me a estudar partilhei ri brinquei chorei tive alegrias e tristezas mas acima de tudo fui feliz se valeu a pena claro que sim voltava a repetir a experiência vezes sem conta arc há sempre tempo 8

[close]

p. 9

foi há trÊs anos atrÁs foi há três anos atrás que eu pela primeira vez entrei nesta casa que é a domus nostra vinha como se costuma dizer às escuras não sabia o que esperar desta cidade das pessoas dos locais se tinha medo claro que sim nunca antes me tinha afastado do conforto do lar da família e dos amigos e pela primeira vez inevitavelmente isso estava a acontecer lembro-me do dia em que os meus pais se foram embora e eu sozinha no 612 chorei que nem uma madalena no fundo porque sabia que tinha deixado de ter a sua protecção durante a primeira semana tive vontade de marcar passagem e voltar para casa mas sabia que não o podia fazer não podia deixar que ninguém percebesse que eu estava triste tinha de me levantar sair do quarto e aproveitar a oportunidade que estava a ter e assim fiz lentamente comecei a aproximar-me das pessoas a conhecê-las melhor e a deixar-me conhecer participei nas praxes nas serenatas nos bailes e passado um tempo a saudade e tristeza deram de certa forma lugar a uma sensação de satisfação e felicidade tive a sorte de partilhar o quarto com óptimas pessoas e ser muito bem acolhida agora sei que todo este percurso não podia ter sido feito de outra forma e que estes anos foram sem dúvida inesquecíveis há sempre tempo 9

[close]

p. 10

a cozinha lotada a partilha de tachos e frigideiras os frigoríficos sem espaço as esperas à porta as entradas à meia-noite as noitadas na sala verde e na cave as conversas até às tantas nos quartos ao lado todas aquelas coisas que só nós residentes na domus percebemos e que vão para sempre arrancar de mim gargalhadas de saudade como diz coelho neto a casa da saudade chama-se memória é uma cabana pequenina a um canto do coração e é lá que eu vou guardar todos os bons momentos passados nesta casa cr há sempre tempo 10

[close]

p. 11

vai correr tudo bem boa sorte nesta nova etapa 25 de setembro de 2005 16h00 encontrava-me na domus nostra há poucos minutos já vira sair os meus pais pela porta esboçando um sorriso de alegria mas ao mesmo tempo de tristeza pela separação ouvi palavras como vai correr tudo bem boa sorte nesta nova etapa ou até ao próximo fim-de-semana chegada ao quarto o grande 601 deparei-me com paredes e camas vazias foi estranho o que senti ao olhar pela janela e ver lisboa como cidade de fundo cidade essa que iria percorrer logo no dia seguinte a caminho da faculdade foi um misto de alegria e de insegurança sentia-me feliz por ter ingressado no curso que sempre quis mas ao mesmo tempo senti alguma tristeza por deixar a minha cidade o conforto de casa tinha saído da minha zona de segurança era definitivamente hora de seguir um sonho antigo e enfrentar o que de bom e de mau a vida me iria trazer momentos depois conheci novas residentes acabavam de chegar e tal como eu só queriam conhecer outras pessoas de cinco em cinco minutos iam aparecendo veteranas prontas a dar-nos o seu apoio como manda a praxe académica enquanto as horas passavam cada vez mais fazia sentido para mim a vida na residência toda a agitação que se fazia com a chegada de uma nova residente todas as brincadeiras todos os momentos que se passavam nos quartos de outrem imediatamente pensei vim parar ao sítio certo há sempre tempo 11

[close]

p. 12

com o passar dos anos olho para trás para todos os momentos que vivi e sinto já algumas saudades saudades do que passou das pessoas que conheci e que por algum motivo saíram da residência saudades de todas as praxes serenatas semanas académicas certo é que qualquer estudante passa por isto mas viver estes momentos no seio da domus nostra tem de facto outro encanto só quem vive na domus sabe apreciar o verdadeiro significado da meia-noite dos momentos de espera à porta da entrada enquanto se comentam noitadas e se ouvem bocejos de sono todos os momentos servem para partilhar experiências e com isto dou por mim a pensar se eu podia ter um bom percurso académico sem a domus podia mas não era a mesma coisa agora que estou a chegar ao fim desta etapa continuo a ouvir vai correr tudo bem e boa sorte para o futuro apesar de neste momento estas palavras terem outro gosto têm um gosto de vitória por estes 5 anos e de esperança no futuro cp há sempre tempo 12

[close]

p. 13

tenho um tesouro como finalista pediram-me que escrevesse um texto para o jornal da domus depois de várias tentativas resolvi procurar inspiração por entre os textos que havia guardado nestes anos encontrei um poema que escrevi no meu primeiro ano de faculdade pensando na minha família passo a transcrever das tuas mãos o teu valor e o teu suor por serem calejadas tamanha beleza vincadas rugas caminhos uma vida com muitas vidas que não esqueces e no pôr-do-sol adormeces para depois acordar mais forte e mais livre para o novo dia que começa 2/12/2004 a minha família é o meu maior tesouro e o meu maior orgulho obrigada a todas as que na domus fazem também agora parte dela mf há sempre tempo 13

[close]

p. 14

a nossa experiência no 312 quarto das caloiras quarto triplo qual quê não temos direito a privacidade e se não nos dermos bem com as colegas de quarto nem as conhecemos de lado nenhum e em relação aos horários se não forem compatíveis vou ter que me deitar às horas que elas querem era o que faltava além disso eu só consigo estudar com silêncio elas que se lembrem de vir fazer barulho que logo lhes conto uma história foi assim que pensaram sabem que mais nós também chegámos em alturas diferentes instalámo-nos no nosso canto previamente escolhido e esperámos ansiosas a chegada umas das outras a patrícia primeiro depois a joana e finalmente a andreia ­ pessoas completamente diferentes com gostos diferentes cursos diferentes cada uma de uma ponta do país diferente À partida ia ser a algazarra total desde quando é que pessoas que nada têm a ver umas com as outras se conseguem dar bem ao ponto de viverem juntas durante um ano inteiro conhecemo-nos as questões iniciais de quem não tem mais assunto por onde pegar olá tudo bem de onde és mesmo estás a gostar da universidade e as aulas a minha tem um ambiente óptimo que evoluíram para convívios e partilhas de novas experiências ­ a primeira ida às compras o primeiro lanche a primeira vez que cozinhámos juntas a primeira conversa até às tantas da madrugada experiências partilhas convívios aos poucos fomo-nos integrando e conhecendo os hábitos umas das outras adaptámo-nos e hoje podemos dizer que somos quase como uma grande família a experiência não se revelou tão assustadora como estávamos à espera afinal todas estávamos a passar pelo mesmo todas tínhamos os mesmos medos e inseguranças há sempre tempo 14

[close]

p. 15

pela primeira vez sozinhas numa nova cidade escola casa ­ quase numa nova vida fomos umas para as outras mesmo sem querer tudo aquilo que precisávamos apesar de tão simples uma companhia ajphá sempre tempo 15

[close]

Comments

no comments yet