ORAÇÃO -CAMINHO PARA A PERFEIÇÃO - FREI ALZINIR, OCD

 

Embed or link this publication

Description

Paletra proferida no XXVVII Congresso Provincial OCDS, realizado em São Roque - SP, de 08 a 11/10/2010

Popular Pages


p. 1

1 a oração caminho para a perfeição introdução ao caminho de perfeição de santa teresa de jesus assim intitula teresa este livro contém avisos e conselhos que teresa de jesus dá às irmãs religiosas e filhas suas dos mosteiros que com o favor de nosso senhor e da gloriosa virgem mãe de deus fundou dirige-se em especial às irmãs do mosteiro de são josé de Ávila e do qual ela era priora quando o escreveu i na periferia do livro o contexto histórico o ambiente oracional espanhol do século xvi e a tensão polêmica no caminho o século xvi espanhol se pode definir como um século de fé toda as dimensões da sociedade são marcadas pelo religioso a espanha havia conseguido a unidade depois de conseguir expulsar o islã com a tomada de granada por isabel a católica desde 1517 com o protestantismo na alemanha há um novo risco para o império espanhol criando perturbação na convivência pacífica dos espanhóis nesta época e um clima de temor de insegurança e de tragédia havia o perigo dos conversos procedentes do islã ou do judaismo muitos deles batizados por conveniências sociais mais que religiosas lembramos que na espanha religião raça e sangue se identificavam por isto ao buscar a «limpeza de sangue» esbarra-se na limpeza da religião neste caso a religião cristã o racismo por motivos religiosos alcança na espanha uma especial virulência o grande fantasma do protestantismo junto com o protestantismo vieram os contemporâneos em duas grandes correntes que fazem uma referência concreta à oração o erasmismo e os alumbrados ou abandonados o erasmismo é uma atitude existencial uma práxis religiosa e espiritual crítica diante de uma tradição religiosa de então ritualista e exterior e a busca da verdadeira religiosidade nas fontes ao «cristianismo interior» contraposto às cerimonias aos ritos vazios ao mero cumprimento de preceitos os alumbrados por sua vez tem um agrande gama de expressões e que são muitas vezes confundidos cumprem algumas práticas de oração mental o alumbradismo pode ser definido como uma seita de cristãos que fundados no direito à sua consciência individual que desejando encontrar-se com deus iniciaram uma série de práticas religiosas e morais sustentadas em princípios afirmados no protestantismo no erasmismo e no gnosticismo misturavam as idéias do cristianismo interior do desprezo da oração vocal praticavam a oração mental sob a forma do «recolhimento» dando muita importância aos fenômenos extraordinários da mística nos últimos graus da perfeição acreditavam-se libertados por deus e transcendiam toda lei e toda norma de modo que quando a alma estava unida a deus tudo quanto o corpo realizava não tinha nenhum conteúdo pecaminoso estas correntes de pensamento colocavam em perigo a ortodoxia oficial e a unidade da fé e surgem pouco a pouco os diferentes mecanismos de defesa a inquisição com seus instrumentos de condenação e morte a censura prévia das publicações o processo reprovatório culmina em 1559 quando felipe ii ordena a volta dos espanhóis que estudavam no exterior proíbe a saída da espanha para ir estudar fora quando publica o índice de livros

[close]

p. 2

2 proibidos do inquisidor fernando de valdés e é encarcerado o arcebispo de toledo bartolomeu de carranza como suspeito de heresia e são queimados vivos alguns hereges depois dos solenes e públicos «autos de fé» diante destes fatos o espanhol sobretudo o povo orante se atemoriza oficialmente ensina-se ao povo o caminho reto da vida ascética e da oração vocal e a evitar os caminhos extraordinários da mística com seus elementos acessórios de visões revelações locuções estigmas etc multiplicam-se os casos de monjas e «beatas» enganadas por satanás a mesma santa teresa se debateu durante muitos anos na angústia de não saber se os fenômenos extraordinários que sentia em sua alma procediam de deus ou eram do «demônio» como ela mesma nos confia em sua autobiografia cc 23ss no caminho afirma «andar com medo nesse caminho pode prejudicar» c 22,3 santa teresa é uma testemunha excepcional de seu tempo e refere-se com freqüência no caminho de perfeição à dramática situação na qual se debate a espanha neste período algumas de suas descrições são verdadeiras definições do ambiente dos comentários do vulgo frases petrificadas nos volumes de suas obras por exemplo a seguinte «voltando agora aos que desejam seguir pelo caminho da oração e não parar até o fim digo que muito importa sobretudo ter uma grande e muito decidida determinação de não parar enquanto não alcançar a meta venha o que vier aconteça o que acontecer sofra-se o que se sofrer murmure quem murmurar mesmo que não se tenham forças para prosseguir mesmo que se morra no caminho ou não se suportem os padecimentos que nele há,ainda que o mundo venha abaixo e quantas vezes não acontece de ouvirmos dizer há perigos fulana por aqui se perdeu a outra se enganou aquele que rezava muito caiu prejudicam a virutde não é para mulheres pois poderiam ter ilusões melhor será que fiem não têm necessidade dessas delicadezas » c 22,1 em alguns textos do caminho explicita mais seu pensamento e refere-se expressamente aos perigos que aparecem no exercício da oração mental «há muitas pessoas na verdade a quem o simples termo oração mental ou contemplação parece atemorizar» c 24,1 e tira de sua própria experiência conclusões que não se identificam com as opiniões dos «letrados» e até mesmo dos inquisidores «que é isto cristãos entendeis isso que queira dar voz e disputar sendo quem sou com os que dizem que não é preciso oração mental» ce 37,2 teresa é um vulcão de experiências sobre a oração mental e sabe explorá-las com efusão e com um grafismo admirável «mas que coisas se oferecem em começando a tratar deste caminho oxalá pudesse eu escrever com muitas mãos para que umas e outras não se esquecessem!» ce 34 6 em teresa se impõe a intuição sobre a ciência e descobre em uma argumentação linear que também em outros caminhos há perigos e chega a afirmar que incitar ao medo pode ser uma armadilha do demônio «que coisa estranha o mundo se espanta mais com um dos que estão mais perto da perfeição que se engane do que com cem mil que de fato estão mergulhados em enganos e pecados públicos ­ como se o demônio não tentasse os que seguem o caminho da oração» c 39,7 «o demônio parece ter inventado esses temores tendo com suas manhas ao que parece derrubado algumas pessoas de oração» c 21,7 em conclusão aconselha aos orantes a não fazer caso de nada nem sequer dos teológos «tornando ao que dizia nenhum caso façais dos medos que eles puserem nem dos perigos que eles pintarem» ce 36,1 «tende aquele que vos disser que isso é um perigo pelo próprio perigo e fugi dele e não vos esqueçais deste meu conselho» c 21,7 «desse modo irmãs concluia o capítulo não considereis esses medos nunca façais caso em coisas semelhantes da opinião comum vede que estes não são tempos de se acreditar em todos mas naqueles que virdes seguir a vida de cristo c 21,10 assim superou com coragem o medo do ambiente e voltou amável e animada ao exercício da oração mental ela com o carisma profético que lhe era próprio resolveu as dificuldades

[close]

p. 3

3 que pareciam insuperáveis hoje melhor que nunca julgamos o acerto de sua intuição repete que para fazer oração é necessário «ter uma grande e muito decidida determinação» c 21,2 cfr 19,2 e 20,2 em síntese teresa no caminho polemiza muito contra letrados opositores da oração mental especialmente contra os que querem proibi-la para as mulheres pois o ambiente é antifeminista opões-se à tese dos que tacham de perigo o caminho da oração c 21 assegura as suas leitoras que embora lhes tirem os livros de oração ninguém poderá arrebatar-lhe o livro por excelência o pai nosso e terminava a redação do caminho censurando como falsos profetas os opositores rezar vocalmente ninguém vos poderá tirar a oração vocal nem tampouco obrigar-vos a rezar o pai nosso correndo sem entender se alguma pessoa o tirar ou vos aconselhar a isso não creiais tende certeza de que é falso profeta e vede que nestes tempos não se deve crer em qualquer um pois até nos que vos podem aconselhar não deveis temer não sabemos o que está por vir ce 73,1 por demasiado atrevida omitirá essa sentença na 2ª redação porém todo o livro fica impregnado de tensão ii composição da obra teresa redigiu o caminho duas vezes conservam-se as duas cópias autografadas a primeira sem divisão de capítulos na biblioteca do escorial ce a segunda já em forma de livro dividido em capítulos nas carmelitas descalças de valladolid cv local e data de composição ambas foram escritas no nascente carmelo de são josé de Ávila provavelmente em 1566 depois de terminar a segunda redação do livro da vida final de 1565 motivos por tê-los escrito duas vezes 1 dar-lhe forma de livro de mais fácil leitura em sua comunidade 2 ater-se às indicações do teólogo amigo que revisou o manuscrito e apagou numerosas passagens entre elas a famosa apologia das mulheres no capítulo 3º 3 reduzir o tom coloquial e confidencial da primeira redação reduzindo o texto no que diz respeito às comparações alusões polêmicas e de referências à própria experiência religiosa novas correções depois da segunda redação teresa submeteu à revisão de teólogos censores estes apagaram numerosas passagens arrancaram numerosas folhas por exemplo a comparação do jogo de xadrez com a humildade no atual capítulo 16 arrancou-se cinco páginas substituída por apenas uma

[close]

p. 4

4 difusão do livro após fundar novos conventos 1567 em diante teresa faz com que o copiem porém saíam com muitos erros pede a ajuda do amigo bispo de lisboa d teutônio de bragança que vai bancar financeiramente a impressão a edição será feita em Évora portugal custeada pelo amigo escreve-lhe a santa 22 de julho de 1579 na semana passada escrevi longa carta a vossa senhoria remetendo-lhe o livrinho só escrevo por me ter esquecido de suplicar a vossa senhoria que a vida de nosso pai santo alberto que vai num caderninho a mande vossa senhoria imprimir juntamente com o mesmo livro carta 305,1 a censura em lisboa foi minuciosa e demorada 3 anos teve que tirar o capítulo 31 onde fala da oração de quietude foi aprovado para impressão em 1580 mas o livro só será impresso em fevereiro de 1583 4 meses após a morte de teresa as 3 primeiras edições tinham o seguinte título tratado que escreveu a madre teresa Às irmãs religiosas da ordem de nossa senhora do carmo do mosteiro do senhor são josé de Ávila era um pequeno livro de 143 folhas 286 p cujas três primeiras edições foram as de fr jerônimo gracián salamanca 1585 o patriarca de valência são joão de ribera valência 1587 e frei luis de león salamanca 1588 as edições fac símile foram as do códice do escorial publicado em edição fotolitográfica por dom francisco herrero e bayona valladolid 1883 a do códice de valladolid por tomás alvarez e simeão da sagrada família na tipografia poliglotta vaticana roma 1965 e a do códice do escorial em 2010 ed monte carmelo burgos existem cópias ou transcrições do original apógrafos pois já no tempo da autora o caminho teve normal difusão nos carmelos fundados por ela era o livro de formação segundo o espírito e o estilo da fundadora ela mesma interessava-se freqüentemente na revisão dessas cópias feitas às vezes precipitadamente lamentando-se dos lapsus e erros apresentados pelos amanuenses improvisados possuímos três cópias retocadas pela própria santa são as de madri salamanca e toledo 1 cópia de madri a primeira das três é conservada no carmelo madrilense `de santa teresa É um códice precioso encadernado com capas de prata letra nítida bem apta para a leitura comunitária com numerosas correções do texto feitas pela santa que na página final autentica assim a cópia este livro tem cento e oitenta e três folhas na realidade somente 83 É translado de um escrito por mim em são josé de Ávila e por ser verdade assino com meu nome teresa de jesus carmelita.

[close]

p. 5

5 2 cópia de salamanca um pouco posterior é a cópia de salamanca este traslado foi feito em 1571 está anotado no colofão revisado e corrigido totalmente por ela que escreve abaixo do colofão revisei este livro parece-me estar conforme ao que escrevi e foi examinado pelos letrados neste mosteiro de nossa senhora da assunção do carmo nesta vila de alba de tormes aos 8 dias de fevereiro de 1573 teresa de jesus carmelita 3 cópia de toledo a cópia mais interessante entre as corrigidas por teresa está a conservada pelas carmelitas de toledo realizada no início de 1579 por um amanuense letrado que toma liberdades na manipulação literária do texto nesse mesmo ano é corrigida pela santa que introduz nele centenas de retoques e anotações para preparar a primeira edição do livro iii caminho de perfeição esquema da obra concluindo o livro escreve vede agora irmãs como o senhor me poupou trabalho ensinando-vos e a mim o caminho sobre o qual comecei a falar-vos ele me deu a entender o muito que pedimos quando dizemos essa oração evangélica seja bendito para sempre pois é certo que jamais me tinha vindo ao pensamento a existência nela de tão grandes segredos como vistes essa oração encerra em si todo o caminho espiritual desde o princípio até o ponto em que deus engolfa a alma e dálhe de beber abundamentemente da fonte de água viva que como eu disse se encontra no fim do caminho 42,5 a esquema por partes i gran empresa o carisma 1-3 significa ser bons amigos de jesus formar comunidade olhar para a realidade eclesial/social em chamas comunidades contemplativo-apostólicas ao serviço do reino ii pressupostos para a vida de oração ou virtudes grandes 4 25 cosas tan necesarias a humildade-verdade faz livre desapego para amar isto exige a reestruturação da pessoa a qual deve empenhar-se perseverantemente com determinada determinación iii oração natureza desenvolvimento exigências 26-35 a oração em suas diversas formas e o modo teresiano de oração que é a oração de recolhimento a comunhão eucarística é o momento privilegiado para esta oração iv efeitos da oração-contemplação 36-42 amor que se faz perdão vigilância humildade verdadeira e falsa amor e temor afabilidade;

[close]

p. 6

6 b esquema tendo como base os capítulos i 1 2 3 4 o ideal do carmelo de teresa seguir e servir a cristo pelo caminho da pobreza evangélica oração como serviço à igreja um programa de vida exigente cap ponte ii caminho de ascese e comunhão 5 o amor aos confessores 6 sobre o amor perfeito 7 educar ao amor comunitário 8 o desapego 9 dos parentes 10 de si próprio 11 nas doenças 12 a humildade e a honra 13 os pontos de honra 14 exigências vocacionais para o carmelo de teresa 15 humildade e obediência iii as grandes virtudes dos contemplativos 16 oração contemplação e virtudes 17 unidade entre oração e serviço por amor 18 grandes virtudes iv os preâmbulos ao caminho da oração 19 a oração ­ comparada à água 20 chamado universal à oração 21 a determinada determinação 22 a oração mental 23 perseverança 24 oração vocal unida à mental 25 acompanhar a jesus 26 o modo teresiano de oração alguns conselhos práticos v o caminho da oração no pai nosso 27 dimensão trinitária da oração ­ pai 28 rumo ao recolhimento nos céus 29 recolhimento 30 santificado seja vosso nome venha a nós o vosso reino 31 o reino dentro de si oração de quietude 32 o valor da oração faça-se vossa vontade 33 o pão quotidiano a eucaristia 34 comunhão e recolhimento 35 oração eucarística 36 o amor ao perdão ­ perdoa nossas dívidas 37 efeitos na vida 38 tentações ­ não nos deixeis cair em tentação

[close]

p. 7

7 39 na tentação a verdadeira e a falsa humildade 40 amor e temor 41 vencer o temor com o amor ser acolhedor e afável 42 livrai-nos do mal amem iv a oraÇÃo caminho para a perfeiÇÃo o tema central do caminho de perfeição é a oração para teresa é clara a intenção da reforma e fundação dos mosteiros a partir da vida orante pessoal e comunitária ajudar a igreja e sua missão apostólica a pedagogia teresiana da oração é a tradução na prática da sua experiência oracional por isso sua experiência se transforma em mistagogia por isso nas páginas que escreve eleva muitas vezes orações e convida o leitor a fazê-lo como por exemplo no capítulo i nos capítulos 1 e 3 teresa apresenta o objetivo da oração serviço à igreja e que seja a meta de vida do orante a seguir na primeira linha do cap 4 apresenta o que é necessário fazer já vistes filhas o grande empreendimento a que desejamos nos dedicar como havemos de ser por isso no processo de ser tais recriação do eu perfeição são necessárias poucas coisas só me alongarei em falar de três que são parte da mesma constituição porque é muito importante percebermos o grande proveito de guardar essas coisas para ter a paz interior e exterior que o senhor tanto nos encomendou a primeira é o amor de umas para com as outras a segunda o desapego de todo o criado a terceira a verdadeira humildade que embora tratada por último é a principal abarcando todas 4,4 1 amor cc 4.6-7 características do amor puro espiritual virtuoso c 6-7 a libertador das servidões do egoísmo ou de uma liberdade frágil não é possessivo fechado é um amor que liberta e dinamiza a pessoa para a união com deus escreve pois estas grandes amizades raras vezes se ordenam para amar mais a deus logo se conhece a amizade que quer servir sua majestade pois não é levada pela paixão mas procura ajuda para vencer outras paixões eu gostaria que houvesse muitas destas amizades nos grandes conventos 4 6 b desinteressado gratuito sem buscar o próprio interesse 7 1 só olha o bem do próximo ou para servir a cristo crucificado 4m 2 10 amor que imita o capitão do amor jesus 6,9 gratuito pois deseja até livrar dos trabalhos do amigo e o mérito e os ganhos do padecer pudesse dar todos a ele 7 3 c crítico pois a correção fraterna ocupa um lugar de destaque seu coração não consegue tratar o amigo com fingimento porque quando o vê seguir caminho errado ou cometer alguma falta logo lhe diz sendo lhe impossível agir de outro modo se não vê o amigo corrigir-se quem ama assim não usa de lisonjas nem dissimula nada ou ele se corrige ou a amizade acabará porque sem isso a situação fica insuportável e não deve ser suportada para um e outro é guerra contínua já que essas almas alheias ao mundo sem se preocupar em saber se nele se serve ou não a deus e que cuidem só de si não podem se descuidar nem deixar passar coisa alguma na vida dos seus amigos vendo até as

[close]

p. 8

8 falhazinhas afirmo que quem assim ama traz pesada cruz 7 4 um amor que ajuda a crescer d teologal pois está diante da verdade de deus e da pessoa como princípio e meta diz teresa estas pessoas não se contentam a amar os corpos por belos que sejam ou pelos muito dotes que possuem aprazíveis à vista para deter-se neles digo deter-se de maneira que por estas coisas lhes tenham amor quando amam vão além dos corpos e põem os olhos nas almas vendo se há o que amar 2 desapego cc 8-14 temos que entender este termo à luz do seu antônimo apego é abraçar-se ao criador somente 8 1 determinantemente abrace-se a alma com o bom jesus 9 5 esta negação tem seu valor quando se abre a três círculos concêntricos de fora para dentro o relacionamento com as pessoas com o próprio corpo da imagem própria a miserável honra que seria a negação amistosa do reconhecimento e aceitação do outro ladrão de si mesmo e dos outros 10 1 3 humildade cc 15-17 teresa não vê claramente os limites entre o desapego-liberdade e a humildade entra aqui a verdadeira humildade pois esta e aquela [desapego virtude andam ao meu ver sempre juntas são duas irmãs inseparáveis desses parentes eu não vos aconselho a fugir mas a abraçá-los e a amá-los nunca estando sem eles 10 3 concretiza no título do c.17 o verdadeiro humilde deve ir contente pelo caminho que deus o levar tendo em vista o fim do caminho que é servir ao hóspede 17 6 no livro das moradas apresentará maiores razões pelo encarecimento desta virtude deus é tão amigo desta virtude da humildade porque deus é a suma verdade e a humildade é andar na verdade dando a deus o que é seu e a nós o que é nosso procuremos tirar de tudo a verdade assim andemos na verdade diante de deus e das pessoas 6m 10 7-8 4 o fim da oração todo lo que he avisado en este libro va dirigido a este punto de darnos del todo al criador 32 9 para que [dios pueda poner y quitar como en cosa propia 28 12 o exercício das virtudes tem como objetivo adquirir as características do homem-mulher novos à luz de cristo o homem novo poder-se-ia exprimir assim humildade-verdade faz livre para amar para conseguir isto é necessário ter uma determinada determinação 23,2 c 21 e 23 que significa atitude vital orientação da vida a um fim último a adesão à pessoa de cristo que ensina teresa a rezar no recolhimento interior 29,7 o orante deve acostumar-se a esta presença interior de cristo e ir fechando atrás de si a porta a todas as coisas do mundo 29,4 a oração que teresa ensina no caminho é uma realidade dinâmica aberta ao crescimento e à conquista de novas metas e uma contínua aventura 28,5 29,8 teresa não ensina um método fechado de oração o que importa para ela é a pessoa de

[close]

p. 9

9 jesus por isso a essência da oração cristã é o diálogo interpessoal um dialogar com deus c 22,1-3 onde os sujeitos envolvidos tem a primazia e são a base de compreensão e de realização da oração em ato a oração de recolhimento à qual teresa dedica os cc 26-29 possui uma riqueza muito grande assim podemos dizer que nela há como que dois movimentos ou momentos 1 introduzir fazer cristo presente em nossa oração 26,1 a verdade teológica assume consistência e se faz presente à consciência do orante com simplicidade e o convite feito é olhai-o 26,4-6 2 recolher-se significa entrar dentro de si 28,4 cc 28-29 deixando as amarras do mundo exterior para viver em comunhão com a riqueza imensa que traz dentro de si é morada de deus 5 os frutos da oração 1 atenta vigilância vendo [jesus que era preciso que andasse atentos pois tem inimigos 37 10 2 capítulos 38-39 sobre as tentações dos orantes não desejam ser libertos dos trabalhos nem das tentações perseguições lutas é outro efeito de ser espírito do senhor e não ilusão 38 1 outros inimigos muy traidores que vienen disfrazados e que nos andan bebiendo la sangre y acabando las virtudes y que nos esconden la luz y la verdad 2 por exemplo crer que temos virtudes não as tendo 4 3 no capítulo 38 afirma que o verdadeiro humilde sempre anda duvidoso das próprias virtudes e ordinariamente lhe parecem mais certas as que vê nos outros 4 dedica uns números do capítulo seguinte às humildades falsas diante dos próprios pecados a verdadeira humildade não inquieta nem desassossega não perturba a alma mas vem com a paz e sossego deixa a pessoa hábil para mais servir a deus 39 3 5 40-41 sobre o amor e o temor como frutos da contemplação amor e temor pois o amor nos faz apressar os passos o temor nos fará ir olhando onde colocamos os pés para não cair 40 1 6 para discernir o amor verdadeiro existem sinais que até os cegos enxergam eles não são secretos e mesmo que não os desejeis entender fazem muito ruído destacando-se por não serem muitos os que os têm com perfeição aqueles que de fato amam a deus amam tudo o que é bom desejam tudo o que é bom estimulam tudo o que é bom louvam tudo o que é bom aos bons se unem sempre favorecendo-os e defendendo-os não amam senão a verdade e as coisas verdadeiramente dignas de amor 7 conclui quanto mais santas tanto mais afáveis nas conversas com as irmãs e mesmo que vos sintais contristadas quando os assuntos de suas conversas não forem o que mais desejaríeis nunca vos esquiveis se quereis ser úteis e amadas com efeito isto é o que devemos procurar com ardor ser afáveis agradar e contentar às pessoas com quem lidamos em especial nossas irmãs 7 8 o desejo do encontro definitivo com o amigo Ó senhor e deus meu livrai-me já de todo mal e dignai-vos levar-me ao lugar onde se encontram todos os bens que esperam ainda aqui aqueles a quem destes algum conhecimento do que é o mundo e os que têm viva fé do que o pai eterno lhes tem reservado pedir isso com veemente desejo e grande determinação é para os contemplativos um poderoso sinal de que são de deus as graças que recebem na oração assim os que o forem tenham-no em grande conta 42 3 6 jesus mestre e amigo modelo de perfeição

[close]

p. 10

10 o caminho de perfeição verdadeiro tratado de vida espiritual encerra todo o caminho espiritual desde o início até o ponto de engolfar em deus a alma dando-lhe de beber abundantemente na fonte de água viva 42 5 É um chamado a centrar a vida em cristo que nunca se defendeu 35 3 que tudo cumpriu 3 8 e que agora tão apertado o trazem 1 2 os olhos em vosso esposo 2 1 bons amigos 1 2 podem ser algumas recomendações para vida para pessoas escolhidas defensoras da obra de jesus sua vida foi uma contínua morte 42 1 ele é o capitão do amor 6 9 mostrou-nos o amor com tantas obras 42 7 jesus em troca para fazer vossa vontade [do pai e de fazê-la por nós deixar-se-á fazer-se em pedaços a cada dia 33 4 teresa abre-nos a compreensão e alcance significativo da eucaristia jesus pede ao pai que este hoje da história o deixe passar na servidão sinal supremo de amizade estar aqui conosco para maior glória de seus amigos 34 2 desposados todos com ele no batismo ce 38 1 ou somos esposas de tão grande rei ou não 13 2 vivemos para morrer por cristo 10 5 não desvirtuemos a cruz de cristo exigindo que esteja conforme a razão quando nenhuma razão havia para que ele sofresse 13 1 mesmo quando de longe nos aproximemos do que ele sofreu por nós 15 7 qual seria melhor amizade querer para si o que ele quis por nós 17 7 dado que todo dano nos vem de não ter os olhos em vós 16 7 abracemo-nos determinantemente a ele 9 5 na comunidade cada membro deve olhar com atenção que tudo seja servir ao hóspede 17 6 quando se formam grupinhos bandillos ou se fomenta o desejo de ser mais ou pontinhos de honra temam que expulsaram o esposo de casa 7 10 louvado bendito e louvado seja o senhor de quem nos vem todo o bem que falamos pensamos e fazemos amém c 42,7 bibliografia t alvarez caminho de perfeição em dicionário de santa teresa s paulo ed.carmelitanas/ltr 100 fichas sobre santa teresa fichas 71 a 75 ­ trad fr antonio perim cites camino de perfección de santa teresa de jesús apuntes para uso de los alumnos Ávila 2006 daniel de pablo maroto introdução histórica ao caminho de perfeição ede madrid maximilano herraíz guías de lectura de santa teresa de jesús y san juan de la cruz méxico ed santa teresa 2005 fr alzinir francisco debastiani ocd 2010

[close]

p. 11

11 santa teresa de jesús caminho de perfeição,tomo i reprodução fac símile do autógrafo de valladolid tipografía poliglota vaticana 1965 folha clxxxxii ed tomás Álvarez abaixo quien de veras amã a a dios todo lo bueno amã todo lo bueno quieren todo lo bueno fa favorecen todo lo bueno loa cõ los buenos se juntan siempre y los favoreçen y defienden /no amã sino verdades y cosa q sea dina de amar pensays q es po sible quien muy de veras ama a dios amar vanidades ni pu/e de ni rriqças ni cosas del mundo de deleytes ni onrras ni tiene contiendas ni envidias todo por q no pretende otra cosa cosa sino contentar a el amado andan muriendo porq los ame y ansi ponen la vida en entender co mo le agradará mas asconder se v q el amor de dios si de veras es amor es ynposible si no mi ra vn san pablo vna madalena aqueles que de fato amam a deus amam tudo o que é bom desejam tudo o que é bom estimulam tudo o que é bom louvam tudo o que é bom aos bons se unem sempre favorecendo-os e defendendo-os não amam senão a verdade e as coisas verdadeiramente dignas de amor pensais que quem ama genuinamente a deus possa amar vaidades não tampouco podendo amar riquezas coisas do mundo deleites honras ou ter contendas ou invejas tudo porque não pretende senão contentar o amado desejando ardentemente ser amado por ele empenha a vida em entender como agradá-lo mais acaso pode esse amor esconder-se nunca o amor a deus se de fato é amor não pode ocultar-se senão olhai um são paulo uma santa madalena caminho 40,3

[close]

Comments

no comments yet