Figuras&Negócios #136

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3

figuras&negócios nº 136 abril 2013 3

[close]

p. 4

ssunto de destaque nesta edição são os contornos dos paraísos fiscais na recepção de dinheiro grande parte deles proveniente de negócios pouco claros num mundo que se pretende globalizado e por isso mesmo puro fruto do escândalo que já se convencionou chamar de offshore leaks um grupo de jornalistas de várias partes do mundo empenhou-se num aturado trabalho de investigação que permitiu desvendar o mistério de contas depositadas nesses paraísos fiscais que somadas representam um bolo significante que poderia ajudar no melhoramento das condições sociais das populações o fio de teia da aranha foi rompido quando se descobriu a existência num paraíso fiscal de uma conta choruda do até então ministro das finanças da fran a carta do editor ça jérôme cahuzac ele mesmo que não se coibia de afinal cinicamente apelar a sacrifícios e apertos de bolsos aos seus conterrâneos uma situação enfim que veio destapar o hipocricia da pureza democratrica da europa quando se constata que afinal a sua casa não está bem arrumada e os ladrões dribladores dos dinheiros públicos não existem só e apenas em africa ou nas américas fazem morada em todo mundo e é o que se mostra no dossier desta edição onde recorremos a noticias da net-um eficiente meio de comunicação global e aos nossos correspondentes no exterior mormente em portugal e brasil pela verticalidade dos servidores públicos aqui entendido no sentido mais amplo no termo não ficando confinado apenas àqueles que funcionam em empresas do estado falamos dos bancos os guardadores do nosso dinheiro no reino da banca em angola nem tudo vai bem ou melhor muita coisa está mal sobretudo quando se constata os atropelos à ética dados não revelados por enquanto públicamente dizem-nos que por essas violações à ética existem hoje nas prisões do país centenas de jovens presos bancários que encontraram o seu primeiro emprego nos diferentes bancos comerciais hoje existentes e que falhos de preparação fácilmente mexeram no dinheiro dos seus clientes É um assunto sério tratando-se de jovens que tão logo começam a sua vida profissional enlameam o seu percurso fruto de uma apetência rápida pela realização material esses e outros temas estão nesta edição de uma revista que queremos cada vez mais interventiva nos assuntos que falam de negócios e figuras de angola e do mundo boa leitura · melhor empresa do ano do sector financeiro 2012 a sua confiança faz-nos brilhar o banco de todos os momentos o banco angolano de investimentos foi distinguido com o prestigiado prémio de melhor empresa do ano do sector financeiro na edição 2012 dos prémios sirius uma iniciativa da deloitte que visa promover a excelência e o talento dos principais agentes económicos angolanos esta é uma conquista que devemos a quem sempre nos tem inspirado os nossos clientes são eles que nos motivam diariamente a superar objectivos e a melhorar o nosso desempenho e é por isso que partilhamos esta honra com eles 4 figuras&negócios nº 693 800/abril fax 244 222 335 749 tel 244 222 136 693 899 · 2013 www.bancobai.ao rua major kanhangulo 34 po box 6022 luanda

[close]

p. 5

figuras&negócios nº 136 abril 2013 5

[close]

p. 6

5 editorial os paraisos fiscais 10 pÁgina aberta quero ser presidente do mpla 16 leitores 19 ponto de ordem um pacto de naÇÃo 28 figuras de cÁ 32 cultura centro cultural kilamba na vanguarda da mÚsica popular angolana 37 mundo real para quando a justiÇa para o caso dos jovens assassinados no sambizanga 40 economia&negÓcios brics o primeiro passo É o banco de desenvolvimento 47 em directo ventos da mudanÇa 62 reportagem quem toma conta do nosso dinheiro 68 polÍtica casa-c.e afirma-se de centro-esquerda 72 África guinÉ-bissau em debate no conselho de seguranÇa da onu capa bruno senna 20 paÍs antigos militares continuam sem dinheiro figura do mÊs 26 um profissional reconhecido pelo empenho e competÊncia 76 mundo maio serÁ crucial para a situaÇÃo em portugal 88 tecnologia mundo tecnolÓgico 94 vida social mÓnica e jorge varela legalizam casamento 6 figuras&negócios nº 136 abril 2013

[close]

p. 7

dossier 50 as revelaÇÕes secretas dos paraisos fiscais desporto 100 figuras de lÁ 82 selecÇÃo prepara-se em espanha e franÇa 104 recado social luanda o drama e a fuga dos esgotos publicação mensal de economia negócios e sociedade ano 13 n º 136 abril ­ 2013 n º de registo 13/b/97 director geral victor aleixo redacção carlos miranda sebastião félix venceslau mateus e suzana mendes fotografia nsimba george e adão tenda colaboradores juliana evangelista crisa santos rita simões joão barbosa portugal wallace nunes brasil design e paginação humberto zage e sebastião miguel publicidade paulo medina chefe nádia coelho teresa brito portugal secretariado e assinaturas katila garcia revisão baptista neto distribuição e assinaturas portugal logista portugal distribuição de publicações s a Área industrial do passil lote 1 a palhavã 2894-002 alcochete londres diogo júnior e16-1ld tel 00447944096312 tlm 07752619551 email todiogojr@hotmail.com brasil wallace nunes móvel 55 11 9522-1373 e-mail nunewallace@gmail.com produção gráfica cor acabada lda tiragem 10.000 exemplares direcção e redacção edifício mutamba-luanda 2º andar porta s tel 222 397 185 222 335 866 fax 222 393 020 caixa postal 6375 e-mails figurasnegocios@hotmail.com artimagem@snet.co.ao site www figurasenegocios.com figuras&negócios nº 136 abril 2013 7

[close]

p. 8

8 figuras&negócios nº 136 abril 2013

[close]

p. 9

os paraÍsos fiscais mundo global atarefado com outras questões de impacto imediato que vão acontecendo como a crise económico-financeira na europa que deixa cair governos os atentados bombistas aquí e acolá as guerras fratricidas em África e no médio oriente enfim não deve ter dado a atenção devida à divulgação em função de um aturado trabalho de investigação jornalística das malabarices financeiras que enformavam os paraísos fiscais locais onde se pensava seguros para se depositar dinheiro sem ter de se explicar pormenorizadamente a sua origem por causa disso era nesses paraísos fiscais onde milhares de personalidades do mundo inteiro desde traficantes de drogas a chefes de estado passando por artistas e outros que se reclamam com o estatuto de vip mais pelo dinheiro e luxo que ostentam do que pelo trabalho honesto que não realizam onde faziam repousar o dinheiro sujo o assunto ganhou notoriedade quando se apanhou com a boca na botija o então ministro das finanças de frança que apelando a uma contenção de gastos aos seus compatriotas franceses tinha depositado em paraíso fiscal soma avultada de dinheiro que apertado soube justificar que não era de proveniência legal afinal de contas são milhares de pessoas que na sua maioria se aboletam de dinheiros públicos enquanto servidores governamentais e constroem riquezas financeiras que decidem guardar nesses ninhos fiscais da américa a África a rede é grande e não surpreende ninguém que levada ao pormenor com o rigor jornalístico que está a ser dado à investigação iremos constatar a existência de alguns nomes de angolanos que fruto da impunidade das estruturas de policia e de fiscalização construiram riquezas são habitués desses paraísos fiscais e aqui no país,onde tarda a se apurar o rigor da justi editorial o ça eles passeiam-se e continuam a delapidar o erario público a europa que se reclama a paladina da democracia pura fingiu-se surpresa com a notícia de envolvimento de altas figuras suas nesse esconder dinheiro de proveniência ilegal em paraísos fiscais e prometeu acções de combate duras para se cortar o mal pela raíz como se ainda existisse tempo para isso a África como sempre com muitos implicados na sua maioria chefes de estado uns inclusivamente já depostos ou mortos fechou-se em copas para não variar e em angola onde de certeza absoluta não existem santos nessa matéria a notícia foi ignorada ou passada despercebida não se reclamando como se fez que em África não existem paraísos fiscais de relevância numa atitude de lavar às mãos e entregar os guardanapos de papel utilizados aos europeus como contributo à reciclagem dos seus problemas não coloca os africanos numa posição de virgem se pode ser verdade que não existem paraísos fiscais relevantes em África não é mentira que é na europa e noutra parte do mundo onde os paraísos fiscais fazem morada que os lavadores de dinheiro africanos vão depositar as suas fortunas.por isso a ideia mais sensata é apelar-se ao envolvimento de todos integrantes desse mundo globalizado para com ideias concertadas se acabar com a blindagem dos paraísos fiscais concomitantemente incentivar-se a divulgação a nível mundial de todas as contas alí repousadas se é elementar o ditado de que quem não deve não teme eis que é chegado o momento para se defender a generalização da transparência nos actos de todos se calhar caminho aberto para reduzir espaços de manobra dos corruptos dos traficantes de droga e de todos que mais não sabem do que dançarem com e no negócio de lavagem de dinheiro no mundo figuras&negócios nº 136 abril 2013 9

[close]

p. 10

tá no limão beba com moderação 10 figuras&negócios nº 136 abril 2013

[close]

p. 11

figuras&negócios nº 136 abril 2013 11

[close]

p. 12

pÁgina aberta considera-se como uma peça-chave na mudança do perfil ideológico do mpla e deseja ocupar o cargo de presidente do partido apresentando a sua candidatura no próximo congresso diz contar com o empurrão de figuras emblemáticas que o apoiam de forma velada por enquanto silva mateus general na reserva antigo militante que começou na clandestinidade e que esteve preso na ressaca do 27 de maio é hoje um contestatário autêntico à liderança do mpla critica de forma veemente por vezes até inflamada josé eduardo dos santos e enobrece a figura de nito alves que segundo ele se estivesse vivo não se registaria o desvio que se fez no seio do mpla para hoje vivermos o neo-colonialismo silva mateus remexe as cinzas do passado,e como militante ataca por todos os flancos o que para si é uma espécie de pecado mortal a bajulação reinante no seio do partido o mês de maio político foi sempre quente o nosso interlocutor atirou achas a uma fogueira que teima em manter-se viva por carlos miranda texto fotos george nsimba iguras negócios como e quando se regista o seu envolvimento na designada tentativa de golpe de estado uma vez que na altura já eram conhecidos os seus feitos como militante activo do mpla e um dos seus comandantes apesar de não ter tanta visibilidade a nível da hierarquia militar silva mateus s.m eu fui um dos artífices na expulsão da unita e da fnla em luanda e consequentemente a proclamação da independência do nosso país formado o governo da república popular de angola dá-se dois anos mais tarde o 27 de maio nesta data eu era comandante e embora estivesse colocado na polícia judiciária fui também afectado fui preso em 1978 depois de quase todas as hostilidades terem cessado uma vez que o presidente agostinho neto na altura já tinha determinado o fim da perseguição e execução dos fraccionistas ou nitistas fiquei na cadeia da segurança do estado à estrada de catete f&n houve motivos sólidos para que fosse preso em 1978 porquê que esteve na cadeia durante cerca de dois anos s.m eu na altura funcionava no dom-nacional departamento de organização de massas e era membro da comissão executiva provincial de luanda do mpla e como era membro da organização das massas e essas estiveram nas ruas então fui afectado neste movimento do 27 de maio f f&n em que circunstâncias foi libertado e que explicações lhe deram.houve alguma ordem de soltura específica que argumentasse a sua libertação s.m todos os elementos que estiveram presos no 27 de maio e que não foram fuzilados como é evidente foram soltos sem qualquer mandato de soltura eu já com o processo dos fraccionistas quase no termo fui apanhado porque o meu processo já existia simplesmente não sabiam se eu já tinha morrido ou não facto que fez que quando me encontrassem fosse mesmo para a cadeia não houve pena nenhuma porque não houve julgamento f&n não foi julgado porquê s.m não fui julgado mas interrogado fui quer dizer qual era a minha percepção do movimento o que é que fiz o que é que deixei de fazer enfim f&n negou redondamente que não participou no 27 de maio s.m sim eu participei porque era membro da comissão da mobilização de massas e se luanda levantou-se em peso foi devido à minha influência na manifestação que eles depois apelidaram por tentativa de golpe de estado não houve julgamento de ninguém quer os que morreram como os que sobreviveram depois houve aquilo que eles chamavam de indulto ou então a libertação sem quaisquer formalidades de todo modo não fui castigado fisicamente mas torturado psicologicamente porque o capitão catambi um indivíduo considerado como sanguinário nas estruturas da disa disse-me silva mateus da fundação 27 de maio quero ser pres 12 figuras&negócios nº 136 abril 2013

[close]

p. 13

de caras que se a minha detenção se tivesse efectivada seis meses antes ele própria me daria um tiro na cabeça fui detido a partir do gabinete do general alexandre rodrigues kito quando se extingue a disa cria-se o ministério da segurança do estado depois cria-se a secretaria de estado da ordem interna que por sua vez tinha duas vertentes uma para a polícia e outra para a segurança na referida secretaria estava alexandre rodrigues kito e pela segurança o diandengue eu fiquei na polícia judiciária portanto fui preso a partir do gabinete de kito na presença de nandó kifofo e mussolo porquê claro porque tinha sido acusado de pertencer ao grupo de nito alves o que nito defendia no mpla é o que hoje defendo e que deu origem à união de tendências no seio do mpla f&n essa organização política ainda existe por que razão não criou mesmo um partido à margem do mpla para que as coisas estivessem mais esclarecidas s.m em 2007 na sétima reunião do comité central do mpla o presidente josé eduardo dos santos disse que circulavam cartas documentos de tendências de indivíduos que diziam ser do mpla e não são aquilo surgiu no quadro de dois anos consecutivos de envio de cartas que entregamos à direcção do mpla e na pessoa do seu presidente nestas cartas nós expusemos questões que se prendiam e ainda se prendem com o desvio ideológico inclusive dos objectivos pelos quais o mpla existe nós sugerimos alguns métodos de trabalho que o presidente não aceitou dizendo que nós não existíamos então fizemos um manifesto onde provávamos por a+b de que a união tendência existia as tendências existiam no seio do mpla prova de que desde a sua fundação em 1956 sidente do mpla figuras&negócios nº 136 abril 2013 13

[close]

p. 14

pÁgina aberta até a altura em que nos encontramos elas existiram estamos a falar da revolta activa da revolta do leste a revolta da giboia enfim até ao 27 de maio quer dizer as tendências são correntes de opiniões contrárias às vigentes mas que não são tidas nem achadas e porque o presidente do mpla disse que nós incluindo eu não existíamos fizemos cartas pessoais que entreguei a ele e com perguntas tais como como é que o camarada presidente outorgou a patente a um general que não conhece ora para se dar a patente de general a um indivíduo tem que se reunir a comissão de defesa e segurança além do perfil do militante que o partido propõe f&n acha que o seu perfil condiz com a patente de general que lhe foi outorgada s.m evidentemente só que como sou contrário ao pensamento e as acções do presidente do mpla então tentaram dizer à opinião pública que não existíamos dizia um comunicado que não conheciam os nomes nem as caras eu desmenti isso com toda a veracidade mostrando documentos e argumentando os factos desde aquela altura até hoje quase que não se ouve falar da união tendências mas mostramos vários trabalhos e continuamos a fazê-los levei essa questão ao tribunal constitucional a união tendência foi colocada numa posição de confronto com o comité central do mpla f&n uma ala da unita formou a tendência de reflexão democrática e foi reconhecida a vossa organização em que pé se encontra quanto a esse reconhecimento quer pela sociedade civil como pelos órgãos competentes trata-se de uma facção que mais tarde se transformará num partido político s.m não no nosso caso no mpla isso é diferente a união tendência não é uma facção É uma corrente ideológica contrária à corrente presidencialista vamos aos factos quando a corrente presidencialista diz que josé eduardo dos santos é candidato único e natural nós não aceitamos isso dizemos não porque estão a agir contra os estatutos do partido e contra a constituição o estatuto do mpla diz que todo o militante desde que queira pode candidatar-se a presidente eu tendo em conta o meu perfil político ­ militar e a minha militância no seio do mpla sinto-me capacitado de puder candidatar-me ao cargo de nós união tendência ao vir a público surpreenderíamos muita gente trata-se de uma corrente muito grande e não é só a nível das massas há elementos do bureau político e do comité central que são da união tendência f&n quem são essas figuras s.m são figuras de destaque e históricas do mpla só que não vêm a público porque o momento para eles não é propício por um lado por outro o momento apropriado será em 2014 quando haverá o congresso do partido aí vai aparecer o nosso candidato que em princípio posso ser eu ou outra pessoa mas estou na linha da frente se houver um congresso e se formos aceites serei o próximo presidente do mpla vão aceitar porque nós vamos reunir todos os requisitos necessários para nos candidatarmos há dois requisitos o primeiro tem de ser proposto pela direcção do partido ou por um cap comité de acção do partido e o segundo é a apresentação de duas mil assinaturas de militantes comprovados com os respectivos cartões f&n porquê que não criam um partido para atingirem os objectivos a que se propõem s.m aí perderíamos o nosso perfil de militantes do mpla o que temos de fazer é lutar internamente no mpla para mudarmos a correlação de forças o mpla perdeu-se no tempo e no espaço devido a meia dúzia de indivíduos hoje assistimos a uma bajulação vergonhosa de militantes do mpla para com o presidente f&n porquê que existe essa mentalidade s.m são vários factores mas nós registamos um que é fundamental o factor económico e social hoje as pessoas querem estar bem na vida querem ter tudo à sua volta e não se interessam pelo povo nós temos de inverter isto a a união tendência não é uma facção É uma corrente ideológica contrária à corrente presidencialista vamos aos factos quando a corrente presidencialista diz que josé eduardo dos santos é candidato único e natural nós não aceitamos isso dizemos não porque estão a agir contra os estatutos do partido e contra a constituição presidente do mpla f&n depois de tudo isso sente-se militante do mpla cuja corrente ideológica é contrária à sua foi expulso do partido s.m eu nunca fui expulso de todos os elementos que foram afastados ou auto-afastaram-se do mpla os únicos expulsos foram josé van-dúnem e nito alves como fomos tidos como fraccionistas ou agido numa tentativa de golpe de estado simplesmente passamos a ser relegados para segundo plano.não éramos aceites mas isso não quer dizer que não fossemos do mpla continuamos a ser do mpla e é por isso que 14 figuras&negócios nº 136 abril 2013

[close]

p. 15

pÁgina aberta figuras&negócios nº 136 abril 2013 15

[close]

Comments

no comments yet