Revista Construir Mais Maio de 2013

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

-0,039 cub marÇo revista mensal do sindicato da indÚstria da construÇÃo no estado de goiÁs sinduscon-go ano iii nº 34 maio/2013 entrevista com o presidente do sindicato dos trabalhadores na indÚstria da construÇÃo de estradas e pavimentaÇÃo petronilho alves de moura pág 6

[close]

p. 2



[close]

p. 3

e ditorial É urgente modernizar a legislaÇÃo trabalhista atualizar e simplificar a legislação trabalhista brasileira é uma questão central para a nossa economia basta lembrar que o principal marco regulatório do país nessa área vai completar 70 anos em 2013 a clt não consegue mais dar conta das novas modalidades de trabalho e das novas relações surgidas no mundo atual a cbic destaca entre os maiores obstáculos que precisam ser repensados na legislação trabalhista · textos legais em excesso defasados e muitas vezes confusos · ausência ou insuficiência de regulamentação de temas-chave nas relações de trabalho como a terceirização que no nosso setor é denominada de subcontratação · estabelecimento de obrigações sem previsão legal · modificação posterior pelos tribunais de entendimentos já consolidados · interpretações divergentes entre tribunais · desconsideração das negociações coletivas pelo poder judiciário e pelo ministério público do trabalho · falta de homogeneidade na atuação dos órgãos da fiscalização e do ministério público o que resulta na aplicação de multas sem qualquer comprovação de irregularidade além da necessidade de modernizar a legislação trabalhista é preciso cuidar também de simplificá-la as leis são extremamente complexas são infindáveis normas em vigência o que gera uma profusão de interpretações e um ambiente de insegurança jurídica em maio mês em que se comemora o dia do trabalhador o conselho editorial da revista construir mais foi feliz em escolher o tema legislação trabalhista para a matéria de capa desta edição para tanto nossa reportagem ouviu opiniões sobre o tema nas melhores fontes nélson aníbal lesme orué e silvio inácio da silva ambos do conselho temático de relações do trabalho da fieg paulo afonso ferreira presidente do conselho de assuntos legislativos da cni honrosamente e com exclusividade entrevistamos o presidente da cni robson braga de andrade além da nossa assessora jurídica amanda miotto interessante foi notar que se a nossa legislação trabalhista possui inúmeros equívocos e que há tempos não mais apresenta bases sólidas para uma relação negocial saudável e atual entre trabalhadores e empregadores em alguns itens ela consegue ser unânime pelo menos entre os nossos entrevistados é confusa complexa e excessivamente retrógrada por tudo isso é que chamamos a atenção do empresariado para participar dos eventos que temos realizado na nossa entidade assim como dos seminários que a cbic cni e a própria fieg promovem a fim de que possamos unir esforços e sensibilizar os gestores públicos para a urgente e necessária atualização da legislação trabalhista brasileira É preciso encontrar o consenso na melhor forma de desburocratizar as relações trabalhistas de desonerar os custos de contratação e de aumentar a produtividade das nossas empresas afinal esta é sem dúvida uma preocupação estratégica para o futuro da indústria da construção brasileira por último convidamos você leitor a ler mais esta edição da construir mais assim como se inteirar das 101 propostas para modernização trabalhista brilhante trabalho que a cni desenvolveu acesse o documento em www.cni.org.br ou www.portaldaindustria.com.br boa leitura justo oliveira d abreu cordeiro presidente do sinduscon-go diretoria executiva do sinduscon-go 2010/2013 presidente justo oliveira d abreu cordeiro 1º vice-presidente carlos alberto de paula moura júnior 2º vice-presidente eduardo bilemjian filho diretor administrativo manoel garcia filho diretor adjunto administrativo daniel jean laperche diretor financeiro e patrimonial josé rodrigues peixoto neto diretor adjunto financeiro e patrimonial rodrigo campos ferreira diretor da comissão de economia e estatística ibsen rosa diretor adjunto da comissão de economia e estatística dinésio pereira rocha diretor da comissão da indústria imobiliária roberto elias de lima fernandes diretor adjunto da comissão da indústria imobiliária mário andrade valois diretora da subcomissão de habitação maria amélia alves e silva diretor da subcomissão de legislação municipal ilézio inácio ferreira diretor de materiais e tecnologia sarkis nabi curi diretor adjunto de materiais e tecnologia renato de sousa correia diretor da comissão de concessão privatização e obras públicas valdivino dias de oliveira diretor adjunto da comissão de concessão privatização e obras públicas josé carlos gilberti diretor de qualidade e produtividade humberto vasconcellos frança diretor adjunto de qualidade e produtividade marcelo alves ferreira diretor de construção pesada carmerindo rodrigues rabelo diretor adjunto de construção pesada jadir matsui diretor da construção metálica cezar valmor mortari diretor adjunto da construção metálica joaquim amazay gomes júnior diretor de assuntos jurídicos ricardo josé roriz pontes diretora adjunta de assuntos jurídicos patrícia garrote carvalho diretor da subcomissão de política e relações trabalhistas e sindicais jorge tadeu abrão diretor de saúde e meio ambiente moacyr soares moreira diretor adjunto de saúde e meio ambiente josé augusto florenzano diretor de setor elétrico e telefonia carlos vicente mendez rodriguez diretor adjunto de setor elétrico e telefonia osney valadão marques júnior diretor social e de comunicação darci moreira de lima diretora adjunta social e de comunicação eliane carvalho lima conselho consultivo josé alves fernandes filho paulo afonso ferreira mário andrade valois joviano teixeira jardim sarkis nabi curi josé rodrigues peixoto neto roberto elias de lima fernandes alan alvarenga menezes marcos alberto luiz de campos e Álvaro castro morais suplentes Élbio braz moreira marco antônio de castro miranda e joão arthur rassi conselho fiscal amós vieira wilson luiz da costa e andré luiz baptista lins rocha suplentes doriel natalício da fonseca célio eustáquio de moura e naldo alves mundim representantes junto À fieg roberto elias de lima fernandes e justo oliveira d abreu cordeiro suplentes marcos alberto luiz de campos e guilherme pinheiro de lima representante junto À cbic justo oliveira d abreu cordeiro suplentes carlos alberto de paula moura júnior e mário andrade valois maio 2013 · construir mais · sinduscon-go 3

[close]

p. 4

s umÁrio 5 artigo laboratório de inovação tecnológica em construção civil da ufg é o tema do artigo do professor doutor da escola de engenharia civil da universidade federal de goiás daniel de lima araújo 6 entrevista o presidente do sindicato dos trabalhadores na indústria da construção de estradas e pavimentação no estado de goiás sticep petronilho alves de moura fala sobre os avanços ocorridos na relação entre empresários e trabalhadores 20 matéria de capa empresariado quer construir novas relações de trabalho no brasil a reportagem da construir mais ouviu a opinião de várias pessoas a respeito do tema entre elas a do presidente da confederação nacional da indústria cni robson braga de andrade 12 construção sustentável indicadores de sustentabilidade úteis instrumentos de gestão de empreendimentos confira matéria sobre o assunto nesta editoria 14 espaço jurídico aviso prévio ­ consequências da realização de horas extras no período e o novo entendimento do tst quanto ao prazo de vigência das convenções coletivas de trabalho súmula 277 são os temas abordados nesta seção 26 registro de eventos acompanhe os últimos eventos realizados pelo sinduscon-go 34 38 viva com saúde tabagismo passivo entenda esse risco 19 segurança do trabalho cultura e gestão de segurança é o assunto tratado neste número indicadores econômicos confira o valor do custo unitário básico cub referente ao mês de março/2013 sindicato da indústria da construção no estado de goiás sinduscon-go sinduscon-go filiado à cbic e fieg rua joão de abreu n° 427 setor oeste goiânia-goiás cep 74120110 telefone 62 3095-5155 fax 62 3095-5177 portal www.sinduscongoias com.br presidente justo oliveira d abreu cordeiro diretor social e de comunicação darci moreira de lima gerente executiva sebastiana santos edição joelma pinheiro reportagem aymés beatriz b gonçalves beatriz sinduscongoias.com.br joelma pinheiro joelma@sinduscongoias.com.br e valdevane rosa valdevane@sinduscongoias.com.br fotografia assessoria de comunicação social do sinduscon-go sílvio simões e alex malheiros projeto gráfico e diagramação duart studio publicidade sinduscon-go telefone 62 3095-5155 impressão gráfica art3 tiragem 6.000 exemplares publicação dirigida e distribuição gratuita as opiniões contidas em artigos assinados são de responsabilidade de seus autores consciente das questões ambientais e sociais o sinduscon-go trabalha em parceria com a gráfica art3 que utiliza papéis com certificação fsc forest stewardship council na impressão dos seus materiais revista construir mais revista mensal do espaÇo empresarial anuncie na revista para informações entre em contato com o departamento comercial do sinduscon-go telefone 62 3095-5168 e-mail comercial@sinduscongoias.com.br 4 sinduscon-go · construir mais · maio 2013

[close]

p. 5

a rt i g o laboratório de inovação tecnológica em construção civil da ufg no mês de dezembro de 2012 foi inaugurado na escola de engenharia civil da universidade federal de goiás o laboratório de inovação tecnológica em construção civil labitecc este pretende ser um laboratório de referência na região centro-oeste para atuação em pesquisa e inovação tecnológica nas áreas de materiais a base de cimento componentes e processos construtivos destinados à construção civil em especial dos sistemas construtivos em concreto pré-fabricado o objetivo portanto é criar um centro de pesquisa e desenvolvimento na região incrementando com isso a interação com empresas da cadeia produtiva da construção civil a interação com o setor produtivo surgiu mesmo antes da inauguração do labitecc o qual foi construído com recursos da ufg e da finep financiadora de estudos e projetos principalmente entretanto algumas empresas do setor da construção civil de goiás tiveram participação importante na construção desse laboratório das quais se destacam a mold estruturas pré-moldadas goiarte realmix e a sete que contribuíram doando materiais e serviços para a conclusão do laboratório hoje a infraestrutura do labitecc compreende vários laboratórios coordenados pelos professores daniel araújo frederico silva helena carasek e oswaldo cascudo dos quais se destacam laboratório de durabilidade do concreto laboratório de argamassas e revestimentos laboratório para ensaios em componentes construtivos com laje de reação e prensas e laboratório para modelagem computacional de estruturas e materiais algumas pesquisas estão em andamento nesses laboratórios das quais podem ser destacadas · estudos sobre estruturas mistas aço-concreto com lajes alveolares de concreto protendido essa é uma associação promissora uma vez que alia a rapidez da construção metálica com a qualidade e rapidez de montagem dos pisos confeccionados com lajes alveolares de concreto dessa forma busca-se aumentar a qualidade das obras em estruturas mistas por meio do uso de pisos de concreto industrializados dispensando assim a necessidade de escoramentos e fôrmas além disso permite um maior vão para a estrutura quando comparado por exemplo às estruturas mistas com uso de lajes de concreto moldado no local e com fôrma de aço incorporada steel deck · estudos sobre durabilidade do concreto visando prever o desempenho de estruturas de concreto quando submetidas a diferentes atmosferas agressivas como os ambientes urbanos urbano-industriais e marinhos nesse contexto diversas adições minerais de natureza pozolânica têm sido estudadas por incorporação ao concreto sendo a maioria delas algum tipo de subproduto industrial atualmente ênfase vem sendo dada ao estudo o labitecc encontra-se aberto para as empresas da construÇÃo civil interessadas na pesquisa e no desenvolvimento de novos produtos bastando para isso entrar em contato com os coordenadores dos laboratórios do metacaulim que em alguns casos representa um resíduo da etapa de branqueamento nas fábricas de papel sendo um material pozolânico de natureza sílico-aluminosa o concreto produzido com adições minerais ultrafinas e pozolânicas tem obtido ótima durabilidade com significativos acréscimos de vida útil · estudos sobre sustentabilidade na produção de argamassas com foco na reutilização de sacos de cimento e de cal na produção e melhoria de rebocos e de alvenarias a pesquisa visa dar uma reutilização aos sacos de papel kraft introduzindo-os nas argamassas de assentamento de alvenarias e de revestimento de paredes na forma de fibras celulósicas garantindo assim uma destinação nobre para este resíduo de construção atualmente de difícil reciclagem essas pesquisas normalmente têm parcerias com empresas da cadeia produtiva da construção civil o que além de gerar conhecimento científico permite uma rápida transferência desse conhecimento para as empresas e tal conhecimento pode se revelar um fator competitivo para as empresas gerando novos produtos e serviços fecha-se assim o ciclo da inovação tecnológica que deve de preferência ser realizado pelas empresas o labitecc encontra-se aberto para as empresas da construção civil interessadas na pesquisa e no desenvolvimento de novos produtos bastando para isso entrar em contato com os coordenadores dos laboratórios projetos de extensão envolvendo a ufg e empresas podem ser montados sob demanda permitindo assim uma forma fácil e rápida de interação entre a universidade e as empresas daniel de lima araÚjo é professor doutor da escola de engenharia civil da universidade federal de goiás dlaraujo@eec.ufg.br maio 2013 · construir mais · sinduscon-go 5

[close]

p. 6

e ntrevis ta petronilho alves de moura para sticep evoluiu muito o diálogo entre empresários e trabalhadores petronilho alves de moura é natural de aurilândia go graduado em ciências contábeis pela universidade católica de goiás 1988 tendo também iniciado o curso de direito na mesma instituição começou sua carreira no crisa consórcio rodoviário intermunicipal em 1967 como lubrificador/abastecedor na área de construção de estradas chegando ao cargo de diretor administrativo no ano 1985 onde permaneceu até 1986 em 1989 foi convidado pelo então governador henrique santillo para assumir a diretoria de operações do detran ainda é servidor do crisa onde atuou por muitos anos em diversas funções contudo o órgão foi liquidado e teve seus colaboradores direcionados para a agetop onde hoje está lotado atualmente está à disposição da atividade representativa dos trabalhadores do segmento da construção pesada na presidência do sindicato dos trabalhadores na indústria da construção de estradas e pavimentação no estado de goiás sticep sindicato fundado em janeiro de 1991 seu início na área sindical começou com a eleição para a cooperativa de consumo dos servidores do crisa na década de 1970 em 1994 petronilho moura assumiu a presidência do sticep cargo que ocupa ininterruptamente até os dias atuais acompanhe a entrevista que ele concedeu a construir mais quais são os desafios de presidir um dos principais sindicatos de trabalhadores de goiás É muito atípico o setor da construção pesada a rotatividade da mão de obra é muito grande pois as obras duram cerca de quatro meses são poucas as que duram um ano em atividade o período chuvoso também influencia muito neste momento geralmente os funcionários são dispensados a distância dos centros urbanos é outro fator que dificulta a prestação de assistência sindical o estado de goiás tem território muito extenso o que torna até a administração mais difícil deslocarmos máquinas e equipamentos para algumas localidades quando necessário algum conserto ou manutenção exige grande empenho tendo em vista que a viagem apenas de ida pode durar de 20 a 24 horas contamos muito com a parceria das próprias empresas são elas que se encarregam com a assistência ao trabalhador e sua família principalmente na área da saúde mas o nosso grande problema é a qualificação da mão de obra pois no nosso setor ela é migratória nós ajudamos as empresas na seleção de trabalhadores até para obras internacionais como foi o caso das obras para a copa da África do sul selecionamos mais de 600 trabalhadores em variadas funções como operadores de máquinas mecânicos etc e eles em sua maioria não retornaram por causa dos melhores salários e de outras obras que surgiram em função da copa esse pessoal faz falta aqui porque até temos trabalhadores mas falta qualificação específica a qualificação na construção pesada é trabalhosa e demorada pois exige um nível de responsabilidade maior por se trabalhar com equipamentos caríssimos nós também estamos incentivando os trabalhadores a se atualizarem pois a tecnologia evoluiu muito e 6 sinduscon-go · construir mais · maio 2013 alguns companheiros ficaram no caminho sem se aprimorar Às vezes o profissional tem experiência mas perdeu a condição de acompanhar a automatização do trabalho quais são os principais focos de atuação de atividades do sticep nós em virtude da dificuldade buscamos nos relacionar não só com o trabalhador mas também com as empresas por isso estamos sempre juntos com o sinduscon-go pelo qual temos o maior respeito somos abertos ao diálogo temos que crescer na hora certa mas também temos que recuar na hora certa é preciso esta sensibilidade de negociação nós não fomos eleitos para brigar mas sim para resolver as situações que porventura venham a surgir então hoje nós procuramos investir muito na área de segurança do trabalho que é a mais importante quantos trabalhadores do segmento que o seu sindicato representa atualmente estão atuando formalmente no estado de goiás hoje representamos mais de 25 mil trabalhadores só no trecho goiano da ferrovia norte-sul por exemplo deverão chegar a uma média de 14 mil trabalhadores nos quatro lotes goianira indiara santa helena e são simão mas não temos a real dimensão da formalidade acreditamos que seja a maioria nos últimos anos houve um avanço na relação capital x trabalho que análise o senhor faz desta evolução nós temos um acesso muito salutar com o sinduscon-go mas o fundamental para nós é o trabalhador nossa função é cuidar da saúde deles e buscar uma remuneração razoável temos que enquadrá-los dentro da lei da proteção de sua segurança e aí é que nós chamamos as empresas temos conversado muito com os empresários sobre isso Às vezes percebemos que os itens de segurança obrigatórios estão no projeto mas não dentro da planilha de custos do patrão quando nós chegamos à empresa conversamos e expomos a situação dos trabalhadores tentando despertar essa realidade na visão do patrão ressaltando que a falta de qualquer equipamento de proteção pode sair muito mais caro para ele em caso de qualquer acidente as consequências são desastrosas sempre somos ouvidos e atendidos pois os empresários entendem as necessidades o diálogo evoluiu muito neste relacionamento o que o senhor acha que ainda precisa ser aprimorado a burocracia precisa reduzir na relação com o governo não conseguimos parceria para qualificação por exemplo pois o setor é dinâmico quando estamos conseguindo a sinalização para algo a obra já acabou é notório que a indústria da construção está em franca expansão e por isso é grande geradora de emprego o que o

[close]

p. 7

petronilho alves de moura presidente do sticep sticep tem feito no sentido de aprimorar a qualificação profissional dos trabalhadores existe alguma parceria com outras entidades neste sentido essa é outra dificuldade treinamos os trabalhadores por conta própria nós que tomamos esta iniciativa fomos atrás do governo na superintendência regional do trabalho e emprego e nos encaminharam para brasília ao chegarmos nos disseram que seria necessário mexer no orçamento da união que teria que votar no congresso mas não tivemos essa força nisso até o diretor do sinduscon-go jorge tadeu abrão nos ajudou fomos lá discutimos mas não obtivemos êxito e acontece que hoje nós não temos condição de oferecer cursos gratuitamente mas fazemos pelo valor que equivale a 1/3 do que outras entidades cobram pelos mesmos serviços precisamos alugar máquinas fazemos qualificação e atualização para operadores de diversas máquinas e introduzimos os conceitos e normas de segurança do trabalho temos alguns treinamentos apesar de termos uma estrutura muito simples mas oferecemos aprimoramento para operação de pá mecânica por exemplo os cursos de operadores de máquina atualmente são realizados inicialmente no simulador que está operando na sede do sindicato e somente depois há o treinamento na própria obra trabalhamos também com os fornecedores de máquinas e equipamentos estamos realizando um curso em alto horizonte na sotrec eles vendem as máquinas e nós fazemos o treinamento e modéstia à parte não existe um treinamento no brasil como o nosso não em função do próprio sindicato mas por termos uma pessoa em nossa diretoria com vivência em mecânica muito grande que realiza estes treinamentos a vivência faz muita diferença por exemplo na convivência nas obras imagine só centenas de homens longe de suas famílias almoçando e jantando todos os dias juntos requer um trato específico que só quem já viveu entende da mesma forma é com as máquinas um grande instrutor quando a máquina trabalha ele sabe a marca dela e qual o defeito ela tem tendência a apresentar pelo funcionamento temos um banco de empregos que está saturado por causa da grande demanda hoje treinamos pessoas até de outros estados em nossos cursos recebemos profissionais do pará mato grosso do rio grande do sul e até de outros países como da guiana francesa no nosso segmento também há muitas mulheres ainda que em tímida quantidade na construção civil o número é maior pois as obras são dentro da cidade o que facilita a convivência dela com a família diferentemente da construção pesada nem todos os trabalhadores que se formam em geral conseguem ficar um longo período longe da família esse é outro desafio do segmento e na área de segurança do trabalho o que o sticep tem promovido para conscientizar os trabalhadores da construção quanto À importância da utilização dos epi s e epc s trabalhamos as questões relativas à segurança no trabalho por meio de palestras seminários diálogos e principalmente nas cipas cada empresa tem uma dificuldade específica então procuramos contribuir para a satisfação daquela necessidade como exemplo já levamos um professor da universidade estadual de goiás ueg para realizar palestra sobre doenças sexualmente transmissível dst s para os trabalhadores nas obras mas é uma palestra que todos deviam ouvir na época do projeto rio formoso instalamos seis mil trabalhadores foi necessária toda uma organização para receber esse pessoal pois a cidade só tinha dois mil habitantes conversamos com o prefeito com o padre com os comerciantes promovemos conscientização precisamos romper os tabus levamos até médicos ginecologistas para promover a educação para a prevenção de dst s etc trabalhamos também com prevenção ao uso de drogas e criminalidade nos canteiros em parceria com a polícia militar de cada localidade e os recursos humanos de cada empresa recentemente o seconci-go ampliou suas instalações para melhor atender os trabalhadores o sticep também possui sua estrutura na sua avaliação o trabalhador da construção está bem assistido na área de saúde o sticep não tem nenhuma estrutura física pela peculiaridade de nossas obras que são realizadas em locais distantes da capital e dispersas umas das outras neste ponto como já dito contamos com a parceria das empresas temos acordos coletivos complementares nas convenções coletivas do trabalho para atender a saúde dos trabalhadores em alguns casos negociamos até a disponibilização de ambulâncias no canteiro de obras o trabalho do seconci-go é muito importante pois ajuda muito o trabalhador que atua na região metropolitana e sua família ao longo da sua gestão À frente do sticep que avaliação o senhor faz da relação com o sinduscon-go nós começamos nossa relação com o sinduscon-go na época em que o sr paulo afonso ferreira era presidente e esse relacionamento sempre foi muito bom sempre fomos muito bem atendidos no sindicato e também nas obras pelos patrões até nos pedidos que fazemos de melhoria para os trabalhadores nós procuramos ser justos não reivindicamos nada que não seja legal ou que não esteja negociado na convenção coletiva e isso gera uma relação de confiança antigamente o meio sindicalista usava muita truculência muitas reuniões mais com interesses políticos partidários nós não vemos por este lado acreditamos no diálogo e na legalidade buscando o bem do grupo e não de um indivíduo agindo assim nunca encontramos porta fechada em empresa nenhuma no mês do trabalho qual a mensagem que o senhor deixa para os trabalhadores da indústria da construção empregados e empregadores a oportunidade está muito boa para o brasil na área da construção o governo foi muito feliz em direcionar o orçamento da união para a infraestrutura pois ela promove o desenvolvimento do país e para nós trabalhadores e empresários do segmento cabe uma responsabilidade muito grande de executar estas obras quero agradecer a todos os trabalhadores pois ajudam no crescimento de nosso estado maio 2013 · construir mais · sinduscon-go 7

[close]

p. 8



[close]

p. 9

n ot Í ciasdos pa rcei ro s instituto de engenharia publica artigo histórico sobre o sistema de esgoto de goiânia o instituto de engenharia publicou em sua revista de número 72 referente ao trimestre outubro/novembro dezembro de 2012 artigo do engenheiro civil manoel henrique campos botelho intitulado o inacreditável caso da concessão do sistema de esgoto da cidade de goiânia no texto botelho afirma que a história lhe foi contada pelo engenheiro archimedes de barros pimentel empresário de sucesso e construtor de inúmeros prédios de são paulo conforme botelho após a fundação de goiânia seus criadores perceberam que não tinham experiência em execução de sistemas de esgoto então realizaram uma concorrência pública para verificar qual construtora poderia construir e operar o sistema de esgoto das cidades sem recursos públicos arrecadando somente a tarifas dos usuários a firma ganhadora foi a melhoramentos de goiânia filial da construtora de archimedes pimentel diante do planejamento do trecho que seria urbanizado já ia se construindo a rede de esgoto e imediatamente iniciava-se a cobrança da tarifa segundo manoel botelho no seu apogeu anos 40-50 goiânia tinha um sistema de esgotos que atendia a quase 100 das ruas e portanto quase 100 das edificações todo o esgoto via um emissário era enviado para estações de tratamento de esgoto em nível secundário com tanque imhoff e filtro biológico e o então famoso sistema oms mas o tempo passou e se findou o prazo da melhoramentos de goiânia como concessionária do sistema de esgotos da cidade tudo foi devolvido à prefeitura e a empresa se retirou da cidade neste período se iniciou o fenômeno da explosão demográfica e o aumento gigantesco da urbanização o desfecho do artigo é o seguinte o sistema público não tinha e em geral não tem recursos flexibilidade e implacável visão empresarial para atender a esse crescimento da cidade leila navarro realiza palestra em evento da consciente construtora o 1º encontro consciente contou com a presença da palestrante leila navarro foto com nome forte no brasil e no exterior ela é autora de 14 livros e realiza palestras no brasil e no mundo há quase 15 anos ela esteve em goiânia no dia 05 de abril para apresentar ao público interno e convidados da consciente construtora e incorporadora a palestra a sua verdade é o que te torna único ocasião em que foi divulgado o novo posicionamento da marca com muita irreverência ela focou na importância de cada um saber quem é e onde quer chegar a gente é que promove nossa energia nosso humor nós criamos a nossa realidade pontuou diversas vezes mencionou que uma pessoa que assume as rédeas da própria história tem a autoridade para decidir ser feliz alcançar seus sonhos ser consciente é uma ação acertar é humano temos que aprender a repetir isso para acertar mais disparou eu acredito que é um evento muito positivo porque é uma forma de reunir e integrar os funcionários pessoas de todos os departamentos e até do canteiro de obras estavam lá a palestra foi direcionada e muito motivadora achei a iniciativa muito legal afirmou a analista financeiro leya matias congresso brasileiro de gerenciamento de projetos vem aí o vii congresso brasileiro de gerenciamento de projetos agendado para o período de 05 a 07 de junho no centro de convenções de goiânia o evento será promovido pelo project management institute sob a coordenação do pmi goiás o alvo dos organizadores é de que este seja o maior congresso realizado no brasil sobre o tema o diferencial da edição goiana será a transmissão on line para mais informações consulte o site www.cbgp.com.br maio 2013 · construir mais · sinduscon-go 9

[close]

p. 10

10 sinduscon-go · construir mais · maio 2013

[close]

p. 11

a rt i g o demanda por crédito imobiliário cresce no país banco intermedium atua em toda a cadeia de crédito imobiliário o sonho de ter o imóvel próprio está se tornando realidade para muitos brasileiros segundo pesquisa nacional do instituto data popular cerca de 7,9 milhões de famílias desejam comprar sua casa própria nos próximos dois anos com as novas possibilidades de crédito todas estas pessoas que almejam comprar um imóvel novo ou mesmo adquirir um segundo podem realizá-lo com mais facilidade além disso as construtoras e incorporadoras que crescem devido às demandas dos clientes precisam ampliar seus recursos para atender ao mercado o crédito imobiliário setor que apresenta forte crescimento no país é uma área voltada para promover com eficiência e controle da gestão os negócios imobiliários o banco intermedium uma das mais tradicionais instituições financeiras de minas gerais atende toda a cadeia de crédito imobiliário desde construtoras/incorporadoras até a pessoa física fomentando a atividade de construção civil em todo território nacional como um especialista em crédito imobiliário o banco oferta segundo pesquisa nacional do instituto data popular cerca de 7,9 milhões de famílias desejam comprar sua casa própria nos próximos dois anos com as novas possibilidades de crédito todas estas pessoas que almejam comprar um imóvel novo ou mesmo adquirir um segundo podem realizá-lo com mais facilidade créditos específicos como o giro de estoque compra de recebíveis e o plano empresário para incorporadoras e construtoras e o credflex crédito com garantia de imóvel e credcasa linha de compra e venda para pessoas físicas e também jurídicas o giro de estoque é uma forma de obtenção de capital de giro utilizando como garantia os imóveis de construtoras/incorporadoras que estejam em estoque já a compra dos recebíveis é uma forma das construtoras captarem a vista o valor total dos financiamentos em aberto das carteiras de clientes livrando-se dos riscos de inadimplência e custos operacionais existentes por último o plano empresário consiste em financiar empreendimentos sejam estes comerciais ou residenciais de incorporadoras ou construtoras que necessitem de recurso imediato para suas obras no intuito de intensificar sua atuação no mercado o banco intermedium está investindo na abertura de lojas próprias para o crédito imobiliário o projeto de expansão conta com 15 lojas em diversas cidades brasileiras dentre elas a unidade de goiânia av t-9 com av t-15 galeria comercial quadra a lote 22 no setor bueno cada loja conta com uma equipe de atendimento preparada para dar todo o suporte necessário ao cliente prezando pela agilidade nas avaliações e liberação do crédito.o intermedium visa inaugurar 25 novas lojas de crédito imobiliário até o final do ano ampliando assim sua atuação em todo território nacional marco tÚlio guimarÃes é diretor comercial de crédito imobiliário do banco intermedium maio 2013 · construir mais · sinduscon-go 11

[close]

p. 12

c onstruÇÃo sustentÁvel indicadores de sustentabilidade úteis instrumentos de gestão de empreendimentos o novo regimento do sistema de avaliação da conformidade de empresas de serviços e obras da construção civil siac de 05 de dezembro de 2012 tornou obrigatório indicadores da qualidade voltados à sustentabilidade dos canteiros de obras de edificações nos quesitos geração de resíduos consumo de Água e consumo de energia o prof dr francisco ferreira cardoso engenheiro civil coordenador do comitê temático avaliação de sustentabilidade do conselho brasileiro de construção sustentável cbcs e diretor de relações interinstitucionais da associação nacional de tecnologia do ambiente construído falou sobre a importância da instituição dos indicadores para ele as construções em todas as fases do ciclo de vida envolvem atividades de grande impacto ambiental da extração das matérias primas que são consumidas na construção como em nenhum outro setor econômico à sua destinação após o fim da vida útil passando pela execução da obra e pelo seu uso e manutenção sem um acompanhamento ao longo de todas elas pelo uso de indicadores dificilmente pode se saber se as decisões tomadas caminham no bom sentido e na velocidade almejada frente aos esforços empreendidos o professor esclareceu que indicadores são instrumentos imprescindíveis para que um gestor avalie se suas ações são eficazes e eficientes para atingir objetivos pré-definidos indicadores de sustentabilidade são os voltados para as ações de geração de resíduos volume total de resíduos descartados excluído solo por trabalhador por mês ­ medido mensalmente e de modo acumulado em m³/trabalhador volume total de resíduos descartados excluído solo por área construída ­ medido de modo acumulado em m³/m² ao longo da obra natureza socioambiental contudo ele pontua que indicador é somente uma ferramenta que apoia a decisão de gestores caso de fato as ações das empresas sejam tomadas para que os indicadores mostrem resultados mais favoráveis aí sim teremos melhoria da sustentabilidade das construções nesse caso no que se refere à fase de execução das obras destacou o cbcs considera que as preocupações relacionadas aos resíduos gerados e aos consumos de água e de energia nos canteiros de obras propostas em pacto setorial em acordo entre a câmara brasileira da indústria da construção cbic e o ministério do meio ambiente ­ iniciativas de sustentabilidade na cadeia produtiva da indústria da construção ­ são altamente relevantes como igualmente é o grau de conformidade quanto aos critérios de compra responsável que também consta do pacto quando da revisão do siac o cbcs foi consultado e os indicadores adotados para expressar tais preocupações partiram de sugestões suas estão alinhados com o trabalho do seu comitê temático avaliação de sustentabilidade o novo regimento do siac tornou obrigatório os seguintes indicadores da qualidade voltados à sustentabilidade dos canteiros de obras de edificações consumo de energia consumo de energia elétrica por trabalhador por mês ­ medido mensalmente e de modo acumulado em kwh/trabalhador consumo de energia por área construída ­ medido de modo acumulado em kwh/m² pbqp-h consumo de água consumo de água potável por trabalhador por mês ­ medido mensalmente e de modo acumulado em m³/trabalhador consumo de água potável por área construída ­ medido de modo acumulado em m³/m² ao final da obra segundo o coordenador do comitê temático avaliação de sustentabilidade do cbcs os indicadores são simples e as empresas saberão implantá-los uma característica importante é que foram pensados para serem instrumentos úteis de gestão por isso são calculados em dois momentos diferentes mensalmente e ao final da 12 sinduscon-go · construir mais · maio 2013 obra o resultado do primeiro serve ao gestor da obra para avaliar por exemplo se as ações tomadas no mês levaram a uma economia de água considerando o volume de produção expresso pelo número de trabalhadores e eventualmente tomar medidas corretivas ou ampliar as já tomadas para obter melhores resultados ainda já o se-

[close]

p. 13

gundo calculado ao final da obra e expresso pelo seu porte serve aos gestores de maior nível hierárquico que enxergam o conjunto de obras da empresa e os objetivos e metas de sua política da qualidade e da mesma forma podem redirecionar esforços ou confirmá-los ainda em agosto de 2011 o cbcs divulgou um documento com sugestões de um conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos ­ uma proposta para o brasil nele constam nove temas sob os quais foram estruturadas as propostas de indicadores estabelecidos em quatro escalas escala usuário escala bairro cidade escala sociedade e escala empreendedor dis cbcs uma proposta para o brasil ponível para consulta em www.cbcs.org br/comitestematicos/avaliacaosustentab o prof dr francisco ferreira cardoso explicou que as decisões dos diferentes agentes envolvidos na construção têm alcances diferentes assim sendo foi natural pensar em um conjunto de indicadores voltados a cada um os temas definidos abarcaram as diferentes preocupações com o meio ambiente relacionadas com a construção considerando também as dimensões sociais e econômicas esse conjunto de indicadores não é um fim em si mas um meio que permita às partes interessadas avaliarem como a construção está avançando no sentido de maior sustentabilidade o comitê temático do cbcs começa a discutir a criação de uma base de dados a partir dos indicadores que será alimentada pelos resultados dos empreendimentos com diferenciais de sustentabilidade para funcionar deve haver motivação do empreendedor para que ele alimente a base e essa motivação virá da possibilidade de situar o desempenho de seu empreendimento frente aos demais mas com a base o setor e a sociedade ganharão muito mais pois as informações sobre os empreendimentos alimentarão projetos de pesquisa e desenvolvimento criando um círculo virtuoso de inovação afirmou cardoso maio 2013 · construir mais · sinduscon-go 13

[close]

p. 14

e s pa Ç ojur Í dico aviso prévio consequências da realização de horas extras no período nesse aspecto vale ressaltar que a possibilidade de o empregado realizar horas extras durante o cumprimento do aviso prévio constitui assunto polêmico existindo correntes divergentes de entendimentos na doutrina e jurisprudência trabalhistas a primeira linha de pensamento sustenta o posicionamento de que se o empregado por força da existência de um acordo de prorrogação de horas regularmente mantido com a empresa já estava obrigado a realizar horas extras manterá a mesma obrigação durante o cumprimento do aviso prévio assim se a jornada de trabalho desse empregado for por exemplo de 10 horas diárias ou seja 8 horas normais e 2 horas extras no decorrer do cumprimento do aviso prévio em decorrência da redução da jornada de trabalho prevista no art 488 da clt trabalhará o equivalente a 8 horas diárias compreendendo 6 horas normais de trabalho e 2 horas extraordinárias anteriormente pactuadas com a empresa por outro lado grande parte dos doutrinadores e da jurisprudência dos tribunais trabalhistas posiciona-se no sentido de que a realização de horas extras durante o período de cumprimento do aviso prévio ainda que haja um acordo de prorrogação de horas precedente descaracteriza a finalidade desse instituto desvirtuando a intenção do legislador ao instituir a obrigatoriedade de redução da jornada de trabalho o nosso entendimento acerca do tema coaduna-se com a segunda corrente visto que o aviso prévio concedido pelo empregador tem dois objetivos básicos 1 comunicação de que o contrato de trabalho irá terminar 2 concessão de tempo para que o empregado procure novo emprego dessa forma fica evidente que a execução de horas extras as quais em geral só podem ser realizadas mediante acordo de prorrogação de horas previamente firmado com o empregador durante o cumprimento do aviso prévio pode comprometer sobremaneira uma das principais funções do aviso prévio trabalhado na medida em que retira do trabalhador a possibilidade de durante o horário comercial ter tempo hábil para procurar uma nova colocação no mercado de trabalho assim frustrado o objetivo de possibilitar ao empregado pré-avisado a procura de novo emprego fica no nosso entender descaracterizado o aviso prévio concedido fonte boletim iob manual de procedimentos legislação trabalhista e previdenciária fascículo nº 09/2013 o aviso prévio é concedido nos contratos a prazo indeterminado e a prazo determinado desde que neste último haja expressa cláusula assecuratória de direito recíproco de rescisão antecipada e tal direito seja exercido por qualquer das partes.concedido pelo empregador possibilita ao empregado tempo para procurar um novo emprego por outro lado se o empregado pede demissão a finalidade é dar ao empregador a oportunidade de contratar outro empregado para o cargo determina a consolidação das leis do trabalho clt que a duração normal da jornada de trabalho do empregado durante o aviso prévio quando a rescisão tiver sido promovida pelo empregador é reduzida em duas horas diariamente sem prejuízo do salário integral o objetivo principal desta redução é propiciar ao empregado tempo para que possa encontrar uma nova colocação no mercado de trabalho o empregado poderá optar por trabalhar sem a redução das duas horas diárias caso em que ficará legalmente autorizado a faltar ao serviço sem prejuízo do salário integral por dias corridos o artigo 9º da clt dispõe que os atos praticados com o objetivo de desvirtuar impedir ou fraudar a aplicação de seus preceitos são nulos de pleno direito assim é ilegal substituir o período de redução do aviso prévio por horas extras compensações ou mesmo pelo pagamento do respectivo período em dinheiro 14 sinduscon-go · construir mais · maio 2013

[close]

p. 15

o novo entendimento do tst quanto ao prazo de vigência das convenÇões coletivas de trabalho súmula 277 maio é o mês do trabalhador e é também o mês da data base da convenção coletiva de trabalho cct da indústria da construção no estado de goiás nesse sentido cabe a reflexão acerca do novo entendimento do tribunal superior do trabalho tst sobre o prazo de vigência das cct s até meados de setembro de 2012 o entendimento do tst era de que as condições de trabalho alcançadas em decorrência de convenção coletiva vigoravam tão somente durante o período de vigência do instrumento máximo dois anos não integrando de forma definitiva os contratos individuais de trabalho a novidade é que segundo o tst as cláusulas normativas das convenções coletivas integram os contratos individuais de trabalho e somente poderão ser modificadas ou suprimidas mediante negociação coletiva de trabalho isto quer dizer que eventuais cláusulas previstas em convenção ou acordo coletivo de trabalho terão data de vigência indeterminada e integrarão o contrato de trabalho do empregado até que se realize nova negociação nesse sentido particularmente entendo que se por um lado a nova redação da súmula tenha objetivado assegurar aos empregados as conquistas já alcançadas por outro lado trará riscos imensuráveis à negociação coletiva vez que a petrificação das disposições contidas em um ajuste coletivo poderá provocar o fim de sua utilidade social em um primeiro momento será uma tendência natural a resistência de os empregadores concederem novos benefícios aos empregados pois se forem concedidos através de norma coletiva poderão se incorporar ao contrato de trabalho dos empregados empresas que pretendem estipular benefício aos empregados em decorrência de períodos de crescimento econômico deverão atentar-se para a possibilidade de em uma reviravolta da economia não mais conseguirem arcar com tais benefícios e se verem impedidas de modificá-los por terem se tornado direito adquirido a consequência disso é grave também para a economia do país vez que em razão da impossibilidade de os empregadores manterem os benefícios anteriormente concedidos poderá haver demissões aumentando significativamente a taxa de desemprego ainda que haja a previsão de que a modificação ou supressão de benefício possa ser realizada através de norma coletiva durante os processos de negociação da nova norma é natural e óbvio que os representantes dos empregados rejeitem a redução de benefícios anteriormente concedidos travando assim a negociação a nova redação da súmula 277 traz prejuízos também para os empregados que correm o risco de engessamento das cláusulas normativas com a manutenção de valores previstos nas normas coletivas por longo período o que implicaria sua defasagem pelo aqui exposto a assessoria jurídica do sinduscon-go aconselha os empregadores que por ora redobrem a sua cautela quanto à alteração de benefícios já concedidos aos seus empregados através de normas coletivas bem como quanto à estipulação de eventuais novos benefícios ­ até que a nova redação da súmula nº 277 seja revista pelo tst amanda graziella miotto nunes é advogada e assessora jurídica do sinduscon-go maio 2013 · construir mais · sinduscon-go 15

[close]

Comments

no comments yet