Revista o Farmacêutico em revista - ed 101 - 6º| 2012

 

Embed or link this publication

Description

O Papel do Farmacêutico em Organizações de Ajuda Humanitária.

Popular Pages


p. 1

® crf-pr revista do conselho regional de farmácia do estado do paraná edição nº 101 6º 2012 novembro/dezembro o papel do farmacêutico em organizações de ajuda humanitária primeira farmacêutica paranaense a participar da organização médicos sem fronteiras dra francelise bridi cavassin após sua primeira experiência na Índia traz consigo a certeza de capa farmacêutica local treinada pela farmacêutica dra francelise bridi cavassin dispensando medicamento e explicando para a enfermeira alguns procedimentos crédito claudio tommasini que todos são capazes de fazer alguma coisa para melhorar a vida das pessoas basta querer anÁlises clÍnicas evento realizado pelos três conselhos do sul discutiram o setor jayme torres farmacêutica paranaense é a vencedora do prêmio oferecido pelo cff fiscalizaÇÃo crf-pr chega a inspeção de nº 500 mil um marco do trabalho realizado ao longo de mais de 20 anos p.12 p.15 p 18

[close]

p. 2



[close]

p. 3

sumário edição nº 101 6º/2012 expediente o farmacÊutico em revista edição nº 101 6º/2012 conselho regional de farmácia do estado do paraná rua itupava 1.235 juvevê 2 editorial ano novo repleto de novos projetos curitiba-pr cep 80.040-134 tel 41 3363-0234 www.crf-pr.org.br diretoria crf-pr diretoria dra marisol dominguez muro vice-presidente dr dennis armando bertolini diretor tesoureiro dr arnaldo zubioli diretora secretÁria geral dra mirian ramos fiorentin fórum e simpósio de análises clínicas crÉdito crf-pr 4 matéria de capa farmacêutica sem fronteiras o sonho de conseguir conciliar a profissão e a convicção 12 fórum e simpósio de análises clínicas conselhos do sul discutiram as análises clínicas conselheiros regionais dr arnaldo zubioli dr cynthia frança wolanski bordin dr dennis armando bertolini dr emyr robeto carobene franceschi dra ines catarina rocha cantarela dr josé antônio zarate elias dra líbia emich batista de almeida dr márcio augusto antoniassi dra maria do carmo baraldoo wagner dra marilene provasi dra marina gimenes dra marina sayuri mizutani hashimoto dra marisol dominguez muro dr maurício portella dra mirian ramos fiorentin conselheiros federais dr valmir de santi 15 prêmio jayme torres de farmácia farmacêutica paranaense é a vencedora na categoria farmacêutico 18 fiscalização nº 500 mil fiscalização do crf-pr garante bom atendimento à saúde em farmácias do paraná fiscalização nº 500 mil fiscal dr marcelo polak e dra marfa vargas valdívia crÉdito crf-pr serviços online crf-pr disponibiliza opções de serviços online para os farmacêuticos 22 dra célia fagundes da cruz suplente jornalista responsÁvel ana c bruno mtb 2973 drt/pr cim equipe do hospital em mon staffs nacionais e os expatriados crÉdito msf 24 36 38 reportagem redaÇÃo e ediÇÃo ana c bruno gabriel leon scussel relato farmacêutico que coisa é essa diagramaÇÃo michelly m t lemes trevisan designer ctp e impressÃo grupo corgraf gráfica editora fone 41 3012.5000 www.grupocorgraf.com.br tiragem 14.000 mil en sin o artigo comissão indústria cosmética crf-pr vigilância sanitária e a indústria cosmética seminário de atualização em indústria farmacêutica publicações cim ® crf-pr informação ass ess ori a formando 40 42 comissão de manipulação homeopatia e alopatia crf-pr atualidades evolução e inovação na farmácia magistral exemplares artigos não manifestam necessariamente a opinião da revista o farmacêutico em revista e são de inteira responsabilidade dos seus autores capa foto acupuntura banco de imagens adquirida por trade comunicação

[close]

p. 4

editorial ano novo repleto de novos projetos este será o desígnio da diretoria alcançadas em 2012 foi extremamente positivo tanto para a sociedade quanto para a classe farmacêutica É notório que tudo o que foi alcançado a exemplo da inauguração da seccional do sudoeste as estratégias de educação continuada em toda a extensão do estado os serviços do crf-pr que agora podem ser realizados através do site e encaminhados via correios entre outros foi benéfico para assegurar primordialmente um serviço valoroso que é prestado à sociedade por profissionais extremamente capacitados e sobretudo humanizados são cerca de 14 mil farmacêuticos inscritos no crf-pr e já ultrapassamos o índice de 95 de presença do profissional nas atividades de atuação que lhe são exclusivas no paraná isso c hegamos ao fim de mais um ano de intensas atividades no cenário farmacêutico paranaense e o saldo das conquistas mostra a efetividade e a força da fiscalização desta entidade que nesta edição traz uma matéria que mostra a inspeção de número 500 mil sim chegamos à 500 mil inspeções um marco do trabalho realizado ao longo de mais de 20 anos faz parte do nosso trabalho preparar e contribuir com os profissionais no desenvolvimento de novas posturas frente os atuais e futuros desafios da profissão muito mais do que um órgão fiscalizador o crf-pr tem sido um canal competente de interação com a sociedade e os farmacêuticos assumindo a responsabilidade de fazer cumprir os princípios fundamentais da profissão respeitar a dignidade do paciente contribuindo para a construção de uma sociedade saudável para o ano que inicia temos nossas energias renovadas e estamos prontos para os novos desafios com a certeza de que estamos trilhando o melhor caminho para a profissão boa leitura dra marisol dominguez muro presidente crf-pr farmacêutica na área de análises clínicas dr dennis armando bertolini vice presidente crf-pr farmacêutico na área de ensino e pesquisa dr arnaldo zubioli diretor tesoureiro crf-pr farmacêutico na área de ensino e pesquisa dra mirian ramos fiorentin diretora secretária geral crf-pr farmacêutica na área de serviço público farmacêuticos que desenvolvam algum tipo de trabalho junto à população como palestras campanhas grupo de estudos trabalhos acadêmicos entre outras atividades de linguagem simples e didática os folders por exemplo abordam temas que levam informações aos idosos crianças sobre o uso correto dos medicamentos antibióticos entre os profissionais interessados devem entrar em contato com o crf-pr através do site outros www.crf-pr.org.br ou pelo telefone 41 3363 0234 os materiais também estão disponíveis para download no endereço eletrônico do conselho vamos repassar estas informações com o farmacêutico a frente destes trabalhos junto à população o reconhecimento e a valorização profissional são garantidos 2 o farmacÊutico em revista|edição nº 101 6º|2012 farmacÊutico em 2013 divulgue essa ideia o crf-pr possui diversos materiais orientativos especialmente desenvolvidos pelo centro de informações sobre medicamentos cim i crf-pr que estão disponíveis aos profissionais

[close]

p. 5

assim como um girassol escolhe sempre estar voltado para o sol escolha focalizar o lado melhor mais bonito mais luminoso e vibrante das coisas que lhe acontecem em 2013 escolha ser feliz são os votos do conselho ® regional de farmácia do estado do paraná crf-pr

[close]

p. 6

farmacêutica sem fronteiras o sonho de conseguir conciliar a profissão e a convicção primeira farmacêutica paranaense a participar da organização médicos sem fronteiras dra francelise bridi cavassin após sua primeira experiência na Índia traz consigo a certeza de que todos são capazes de fazer alguma coisa para melhorar a vida das pessoas basta querer foto ancião da tribo konyak também conhecido como caçador de cabeças prática tribal realizada pelos homens de gerações passadas crédito da foto dra francelise bridi cavassin 4 o farmacÊutico em revista|edição nº 101 6º|2012

[close]

p. 7



[close]

p. 8

dra francelise na farmácia do projeto da msf em mon com sua assistente crédito da foto claudio tommasini n experiência www.msf.org.br o lugar de uma capa e de poderes especiais muita força de vontade idealismo disposição em enfrentar riscos e paixão em ajudar quem mais precisa os integrantes da médicos sem fronteiras msf não têm poderes sobrenaturais mas por que não podem ser chamados de heróis a organização médico-humanitária na qual trabalham se esforça há mais de 40 anos para oferecer cuidados de saúde a vítimas de guerras civis catástrofes naturais e demais situações de risco a instituição é composta por mais de 26 mil membros ao redor do mundo toda essa legião atua em 65 países como malásia nigéria afeganistão Índia china e bolívia muitas dessas regiões são conflagradas por conflitos armados entre facções dependendo do caso a msf pode fornecer escolta armada para evitar qualquer perigo aos membros da instituição no entanto o objetivo não é mudar a conjuntura política de qualquer área a médicos sem fronteiras é independente e neutra e se declara como organização de emergência crônica isto é não quer assumir a função do estado quer apenas oferecer cuidados de saúde em situações de crise os heróis trabalham em várias frentes como assistência de saúde primária em clínicas móveis atendimentos a feridos de guerra e vítimas de violência sexual cuidados de saúde mental materna e infantil distribuição de alimentos e kits de higiene denúncia das condições em que vive uma comunidade treinamentos com profissionais locais entre outras ações nenhum desses trabalhos é feito de forma voluntária todos ganham um salário mensal as despesas de trabalho como transporte alimentação estadia e demais gastos são custeados pela organização devido a alta responsabilidade não é qualquer um que pode entrar na msf interessados precisam ser formados em curso superior ter de mercado e disponibilidade de ficar um ano fora além de falar várias línguas ­ inglês ou francês fluente é essencial podem se candidatar egressos da medicina psicologia fisioterapia nutrição direito comunicação sociologia administração finanças logística entre outros cursos mais informações acesse dr raul salvador médico filipino que ficou 9 meses no projeto crédito da foto dra francelise bridi cavassin 6 o farmacÊutico em revista|edição nº 101 6º|2012

[close]

p. 9

médico sem fronteiras mas afinal o que é esta organização médicos sem fronteiras é uma organização médico-humanitária internacional independente e comprometida em levar ajuda às pessoas que mais precisam também é missão de msf tornar públicas as situações enfrentadas pelas populações atendidas são cerca de 30 mil profissionais de diferentes áreas espalhados por mais de 60 países atuando diariamente em situações de desastres naturais fome conflitos epidemias e combate a doenças negligenciadas a organização foi criada em 1971 na frança por jovens médicos e jornalistas que atuaram como voluntários no fim dos anos 60 em biafra na nigéria enquanto a equipe médica socorria vítimas em uma brutal guerra civil o grupo percebeu as limitações da ajuda humanitária internacional a dificuldade de acesso ao local e os entraves burocráticos e políticos faziam com que muitos se calassem frente aos fatos testemunhados msf surge então como uma organização médico-humanitária que associa socorro médico e testemunho em favor das populações em risco a organização é uma iniciativa independente de governos e sustentada em grande parte por contribuições privadas o que lhe confere agilidade e liberdade para oferecer ajuda humanitária onde for necessário fonte www.msf.org.br/quemsomos farmacêutica paranaense conta sua experiência na organização f crédito claudio tommasini oi na época de faculdade que a farmacêutica dra francelise bridi cavassin despertou seu interesse pela ajuda humanitária com o objetivo de salvar vidas aliviar o sofrimento e manter a dignidade humana a partir do contato com a comunidade carente através de estágios prestação de serviços e atendimento farmacêutico que realizava enquanto acadêmica ela se sensibilizou ao perceber o descaso com a população mais desassistida nos grandes centros urbanos que sofrem as consequências pela falta de acesso ao atendimento básico e de qualidade no sistema Único de saúde ficando sem a assistência e orientação adequada para o tratamento de eventuais doenças e patologias dra francelise cursou farmácia na universidade estadual de ponta grossa e se formou no ano de 2004 recém-formada já se dedicou a serviços sociais atuando numa área remota com a população ribeirinha de porto velho ro atendendo a comunidade carente vítima de doenças como malária doença de chagas entre outras doenças tropicais sempre pensando em prestar serviços e ajudar os menos favorecidos a farmacêutica ministrou palestras e fez orientações gerais sobre saúde o que segundo ela foi uma experiência engrandecedora e gratificante sendo uma realização pessoal

[close]

p. 10

matéria de capa farmacêutica sem fronteiras por meio de um site de internet no ano de 2008 dra francelise soube da existência da organização médicos sem fronteiras e decidiu se inscrever para participar por acreditar ser uma instituição que aplicava os princípios que vinham ao encontro com seus ideais mesmo não sendo selecionada de imediato ela não desistiu e depois de mais duas tentativas e muita persistência em 2011 finalmente a profissional ingressou na organização realizando o sonho de trabalhar em pról do ser humano e ajudar a comunidade necessitada mas principalmente podendo ter o apoio e os subsídios necessários para concretizar seu objetivo concedidos pela organização o de conciliar a profissão de farmacêutica com seu engajamento durante estes anos de espera e sempre insistindo no seu sonho a farmacêutica tomou uma importante decisão lançar mão de seu emprego e dedicar-se integralmente a um mestrado senti que faltava algo em meu currículo e precisava me preparar melhor constatou em 2010 iniciou então o curso de mestrado na universidade federal do paraná ufpr direcionando sua pesquisa para doenças tropicais segundo a farmacêutica existe uma seleção criteriosa para o ingresso na dra francelise sentada olhando o por do sol do telhado da casa onde morava em mon crédito ron napier organização médico sem fronteiras msf e sua dedicação foi integral para poder se preparar para conquistar uma vaga nunca desisti e hoje vejo que eles precisam ter critérios porque quando está no projeto você vê que não é qualquer um que consegue permanecer e a seleção tem que ser rigorosa a farmacêutica ainda relatou que para conquistar seu espaço dentro da organização teve que dedicar 100 de seu tempo ao projeto decidi largar o meu trabalho largar tudo para me dedicar a um mestrado sobre doenças tropicais foi uma mudança realmente grande mas trocar o meu emprego pelo mestrado foi a melhor coisa que fiz na minha vida relata na expectativa de participar da organização dra francelise não mediu esforços e empenho para provar que estava realmente apta e decidida a enfrentar novos e difíceis desafios que pudessem surgir foi então em novembro de 2011 que a farmacêutica defendeu sua dissertação de mestrado sabendo que no mês seguinte em dezembro abriria uma seleção para farmacêuticos sem ter dúvidas ela se inscreveu e aguardou a resposta era 20 de janeiro ­ dia do farmacêutico ­ quando a farmacêutica de 31 anos recebeu a grande notícia havia sido selecionada para fazer parte de um projeto da organização na cidade de mon no nordeste da Índia decidi largar o meu trabalho largar tudo para me dedicar a um mestrado sobre doenças tropicais foi uma mudança realmente grande mas trocar o meu emprego pelo mestrado foi a melhor coisa que fiz na minha vida dra francelise valorização profissional o reconhecimento esperado n 8 a volta ao brasil de sua primeira missão em entrevista concedida à assessoria de comunicação do conselho regional de farmácia do paraná a farmacêutica dra francelise bridi cavassin descreveu o processo pelo qual passou destacando que a oportunidade não caiu do céu pois vinha lutando por essa chance há quatro anos o que considerava o seu grande objetivo de vida para dra francelise a valorização profissional foi um fator motivador determinante para sua luta e o novo desafio foi encarado de forma corajosa pois se sentia muito bem preparada para enfrentar o que viria pela frente a cidade de mon localiza-se no estado de nagaland no nordeste da Índia uma região pobre entre montanhas próxima das divisas com mianmar país do sul da Ásia continental limitado ao norte e a china a cidade tem 250 mil habitantes e um único hospital segundo dra francelise as condições eram precárias mas a força de vontade de trabalhar superava qualquer problema vivíamos da maneira como o povo vivia sem chuveiro por exemplo foram meses da minha vida tomando banho de caneca comíamos a mesma comida que eles as mulheres da vila cozinhavam para a gente e enfrentamos até terremotos comentou ela a profissional ainda defendeu a importância da atuação da organização msf em países muito pobres a população é muito doente e o acesso à saúde é zero no hospital as pessoas compartilhavam a mesma seringa porque tinha uma seringa apenas para usar em todos os pacientes a chegada da msf no local foi o único contato com um serviço de saúde totalmente gratuito que eles passaram a receber eles nunca tiveram isso antes as pessoas morriam porque não tinha como cuidar como tratar eles são muito afetados pela malária há muitos problemas com grávidas e crianças diz o farmacÊutico em revista|edição nº 101 6º|2012

[close]

p. 11

matéria de capa farmacêutica sem fronteiras em seu trabalho na Índia dra francelise pôde atuar de maneira eficaz como profissional farmacêutica contando com uma equipe multiprofissional que realizava o controle de qualidade dos medicamentos que eram distribuídos à população seguindo o padrão europeu definido pela msf mon é uma remota cidade na encosta de uma colina no estado de nagaland no nordeste da Índia situada na tríplice junção da Índia china e mianmar ­ não é um lugar de acesso fácil para os habitantes da Índia continental mon é um lugar tão distante e estranho quanto o tibete a maneira mais rápida de chegar lá é voar para calcutá ou délhi pegar outro voo que faça a conexão com jorhat ou dimapure a partir daí enfrentar estradas esburacadas e numerosos postos de controle ao longo de oito a dez horas para dra francelise o profissional farmacêutico tem papel fundamental num país pobre como a Índia onde não é possível importar medicamentos dessa forma são necessários testes de qualidade que somente o farmacêutico pode se encarregar ao finalizar sua primeira missão na Índia a farmacêutica afirmou que o trabalho não parou e que já está preparada para a próxima missão em 2013 dra francelise está escalada para atuar em serra leoa juntamente com o seu noivo também farmacêutico dr eduardo da silva barbosa carioca profissional da msf desde 2008 e que já participou de missões em serra leoa somalia sudão ucrânia e no brasil ­ um projeto no complexo do alemão foi tudo muito gratificante porque busquei tudo isso que era exercer o meu trabalho em prol da saúde da população eu consegui cumprir assistia uma população que nem sabia quem eu era mas quando via eles indo para casa com o medicamento valia por tudo não quero mais parar porque o resultado vale a pena finaliza dra francelise e a equipe de national staffs que trabalhou com ela no hospital em mon para contato com a farmacêutica francavassin@yahoo.com.br acompanhe seus projetos pelo blog fransemfronteiras.blogspot.com.br

[close]

p. 12

matéria de capa farmacêutica sem fronteiras antes e depois desse maravilhoso trabalho crédito das fotos msf cama hospital depois cama h ospital a ntes pediatria depois implan labora tação do tório pediatria antes doação de sangue organização da farmácia hospitalar organização da farmácia hospitalar o profissional farmacêutico tem papel fundamental num país pobre como a Índia onde não é possível importar medicamentos dessa forma são necessários testes de qualidade que somente o farmacêutico pode se encarregar dra francelise 10 o farmacÊutico em revista|edição nº 101 6º|2012

[close]

p. 13



[close]

p. 14

fórum e simpósio de análises clínicas simpÓsio análises clínicas c r f p r ® crf-pr 1º fórum sul brasileiro de análises clínicas 1° fórum sul brasileiro de análises clínicas e i simpósio de análises clínicas conselhos do sul discutiram as análises clínicas diretores e conselheiros dos crfs pr,sc e rs dra marina gimenes dra mirian ramos dr diogo miron dra hortência tierling dra marisol muro dr roberto canquerini dra maria do carma baraldo e dr paulo jaconi saraiva professor ufrs os dilemas das análises clínicas ­ área na qual os farmacêuticos detêm a propriedade de 90 dos laboratórios no sul do país ­ são complexas e exigem ações articuladas os conselhos de farmácia do paraná santa catarina e rio grande do sul realizaram um fórum que procurou discutir como resistir às ameaças científicas sociais e econômicas que desabam sobre o setor brasileiro de análises clínicas e o i simpósio de análises clínicas que aconteceram de 23 a 24 de novembro na pontifícia universidade católica do paraná ­ puc-pr discutiram questões políticas ações estratégicas da categoria farmacêutica para o setor além de uma série de outras demandas que exigem reflexão análise e posicionamento dos farmacêuticos para a área das análises clínicas a ocasião contou com a presença de profissionais renomados sendo uma excelente oportunidade para a atualização profissional troca de experiências e conhecimentos na área de análises clínicas esta iniciativa foi resultado dos esforços dos conselhos de farmácia do paraná santa catarina e rio grande do sul além da sociedade brasileira de análises clínicas ­ regional paraná sbac-pr que visou discutir questões inerentes aos laboratórios sejam elas técnicas legais políticas ou econômicas sendo um espaço aberto não só para o debate sobre a sustentabilidade do segmento mas principalmente para prover o fortalecimento e a união dos profissionais atuantes nas análises clínicas farmacêuticos e autoridades na abertura do 1º fórum sul brasileiro de análises clínicas c uritiba sediou dois importantes eventos na área de análises clínicas que reuniram farmacêuticos dos três estados do sul ­ paraná santa catarina e rio grande do sul o 1° fórum sul 12 o farmacÊutico em revista|edição nº 101 6º|2012

[close]

p. 15

fórum e simpósio de análises clínicas simpÓsio análises clínicas c r f p r ® crf-pr 1º fórum sul brasileiro de análises clínicas o 1° fórum sul brasileiro de análises clínicas realizado nos dias 23 e 24 de novembro foi composto por 04 mesas redondas com formato mais político foram debatidos os seguintes temas panorama mercadológico e legal dos farmacêuticos nas análises clínicas mesa presidida pela presidente do crf-sc dra hortência salet tierling gestão e mercado desafios presidida pela presidente do crf-pr dra marisol dominguez muro cenário acadêmico com o presidente do crf-rs dr diogo miron a frente da mesa e por último Áreas de atuação onde o vice-presidente do cff dr valmir de santi coordenou os trabalhos o fórum contou ao todo com a presença de 50 participantes já o i simpósio de análises clínicas que teve início em 23 de novembro à noite contou com a presença de 90 participantes entre profissionais farmacêuticos e acadêmicos que puderam conferir a solenidade de abertura com a palestra magna sobre o mercado de trabalho unificar as análises clínicas e citologia ministrada pelo farmacêutico dr jerolino lopes aquino vice presidente da sbac nacional e membro da comissão de análises clínicas do cff dando sequência ao evento no dia 24 de novembro o simpósio promoveu quatro mesas redondas para discussão de assuntos como microbiologia biologia molecular de aaze hematologia imunohematologia para dra marisol dominguez muro a ocasião cumpriu com seu objetivo assim permitindo que entidades e profissionais pudessem debater a atividade de análises clínicas no sul do país a fim de levantar questões importantes que possam contribuir para o segmento a evolução do setor está diretamente ligada à união dos profissionais que atuam na área durante o evento foi perceptível a representatividade de todas as entidades que estavam ali presentes para que o debate sobre a sustentabilidade do segmento possa continuar e assim fortalecer a união para a valorização das análises clínicas disse segundo dra hortência sallet müller tierling a ação conjunta dos conselhos do paraná santa catarina e rio grande do sul e entidades prova que a união pode contribuir para o crescimento do setor como um todo sendo essencial para a valorização da atividade dra hortência ainda parabenizou as comissões de análises clínicas dos três estados pela iniciativa i simpósio de análise s clínicas contou com a presença de 90 par e acadêmicos ticipantes entre pro fissionais mesa de abertura do i simpósio de análises clínicas.

[close]

Comments

no comments yet