MundoCoop 53

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

a revista de gestÃo finanÇas pessoas e marketing do cooperativismo 53 ano 12 manuel dos santos gomes presidente da confagri discorre sobre o cooperativismo agrícola português que fatura mais de 2,5 bi de euros entrevista marketing spam a praga da internet cooparaíso 53 anos de gestão focada no produtor cooperativismo receita para recuperar empresas falidas pessoas princípios cooperativistas Ética sim ou nÃo 1 mundocoop

[close]

p. 2

2 mundocoop

[close]

p. 3

3 mundocoop

[close]

p. 4

a revista de gestÃo finanÇas pessoas e marketing do cooperativismo diretoria douglas alves ferreira luis cláudio g.f silva redação editora katia penteado mtb 11.682/sp redacao@mundocoop.com.br arte diretor de arte douglas alves ferreira assistente de arte fábio aguilar da silva revista@mundocoop.com.br publicidade diretor comercial luis cláudio g.f silva assistente comercial henrique p gouveia comercial@mundocoop.com.br controle e operações wilma zacharias impressão referência gráfica tiragem 15 mil exemplares fotos istock photo a revista mundocoop é uma publicação da hl/mais editorial ltda rua atílio piffer 271 conj 62 casa verde 02516-000 são paulo/sp telefone 11 4323-2881 www.mundocoop.com.br os anúncios e artigos assinados são de responsabilidade dos autores as opiniões emitidas pelos entrevistados não refletem o pensamento da coordenação dessa publicação 8 cooperativismo agrícola português fatura mais de 2,5 bi de euros seu crescimento futuro vincula-se também à continuidade do esforço desenvolvido em 2012 4 mundocoop entrevista manuel dos santos gomes expediente

[close]

p. 5

cooperativismo receita para recuperar empresas falidas no brasil e em todo o mundo são muitos os casos ­ nem todos de sucesso ­ de tentativa de recuperação de uma empresa pela criação de uma cooperativa formada pelos funcionários que passam a administrar a massa falida recuperando a empresa e a marca marketing 26 30 38 sustentabilidade spam a praga da internet finanÇas 18 34 5 mundocoop por dentro da lei fundos perenizam atividade pessoas para pensar princípios cooperativistas Ética sim ou não 12 brasilcoop 14 coop no mundo 41 estante 42 ponto de vista

[close]

p. 6

ultrapassando a ao leitor fronteiras primeira década da revista mundocoop foi comemora no ano passado em meio ao ano internacional das cooperativas de lá para cá a revista vem fortalecendo sua presença no mercado e conquistado novos espaços nesta edição em especial duas matérias tratam do cooperativismo em outros países em entrevista manuel dos santos gomes presidente da confederação nacional das cooperativas agrícolas e do crédito agrícola de portugal confagri discorre sobre o cooperativismo agrícola português que fatura mais de 2,5 bi de euros outro destaque é artigo do argentino eduardo h fontenla é natural de sancti spíritu província de santa fé em coop no mundo bacharel em cooperativismo e mutualismo e em ciências políticas e governo fontenla enfoca a importância do cooperativismo agropecuário no fortalecimento dos pequenos e médios produtores favorecendo inclusive o trabalho e a permanência de jovens como mão de obra especializada assim como os produtores da região independentemente de serem cooperados o cooperativismo mais do que promover a justiça social e a divisão de renda também auxilia na recuperação de empresas falidas via implantação de empreendimentos autogestionários esse tema tendo como base o trabalho de dois acadêmicos brasileiros ­ maria cecília camargo pereira professora do curso de direito da uninove e joão amato neto da poli usp ­ é tratado como matéria de capa e apresenta três casos de sucesso copromem metalcoop e uniforja estudo de caso de uma cooperativa cafeeira recheia a seção gestão trata-se da cooparaíso cujo sucesso se materializa no desenvolvimento de máquinas e equipamentos em parcerias com governo instituições de ensino e pesquisa assim como com indústrias de grande porte e conduz a cooperativa ao mercado francês em uma prática de intercooperação em finanças o foco é a criação de fundos pelas cooperativas com base na legislação que os regula mostrando que mais do que uma forma de obter recursos financeiros os fundos são instrumentos para o cumprimento dos princípios cooperativistas a relação entre cooperativismo e ética os conceitos e o desenvolvimento do comportamento ético são assuntos enfocados em pessoas elaborada com a contribuição de evaristo camara machado netto membro do conselho de Ética da ocb a matéria traz ainda opiniões de maria cecília coutinho de arruda professora de Ética e marketing da escola de administração de empresas de são paulo da fundação getúlio vargas conhecido como a praga da internet o spam é um dos principais inimigos da imagem brasileira no exterior marketing fala sobre os prejuízos gerados por e-mails maliciosos e dá dicas de como evitar que os e-mails marketing sejam carimbados e ingressem nas estatísticas mundiais sustentabilidade e a criação de valor às cooperativas é o tema do artigo de marco antonio f milani filho em ponto de vista a pauta dessa edição busca ultrapassar fronteiras não apenas físicas mas de conhecimento e informação capazes de favorecer a gestão das instituições cooperativas conte conosco e ótima leitura katia penteado editora redacao@mundocoop.com.br 6 mundocoop izilda frança

[close]

p. 7

as ferrovias transportam o brasil para o futuro antf.org.br twitter.com/antf_ferrovia facebook.com/antf.ferrovia 7 mundocoop

[close]

p. 8

8 ent revista manuel do santos gomes mundocoop

[close]

p. 9

e ntrevis ta português fatura mais de integravam-se cerca de 55 mil unidades distribuídas por várias atividades entre as quais se destacavam os serviços de ação e solidariedade social com peso relativo no vab da economia social ligeiramente superior a 40 no cooperativismo agrícola são mais de 730 cooperativas que somam volume de negócios próximo a 2,5 bilhões de euros como analisa a evolução da confederação no panorama agrícola nacional e internacional a confagri tem tido um crescimento progressivo gradual e sustentado temos consolidado nossa presença como parceiros agrícolas e da economia social tanto em âmbito nacional como junto da união europeia paralelamente vimos desenvolvendo um conjunto de serviços de apoio às cooperativas e aos agricultores portugueses neste âmbito saliento as áreas de informação apoio técnico apoio à elaboração de candidaturas aos diversos incentivos e formação profissional como caracteriza a situação atual da agricultura portuguesa cooperativismo agrícola c c de euros a agricultura portuguesa é condicionada por um conjunto de fatores de natureza estrutural como a reduzida dimensão econômica da maioria das explorações agrícolas e das empresas agroalimentares o envelhecimento da população agrícola e as limitações de solo e clima de algumas regiões a estes fatores acresce-se uma conjuntura econômica particularmente difícil caracterizada pela dificuldade de acesso ao crédito e pelo contínuo agravamento dos preços dos fatores de produção um outro ponto condicionante da viabilidade de muitas explorações e empresas do nosso setor prende-se ao enorme desequilíbrio nas relações entre o setor produtivo e a grande distribuição agroalimentar a par da ausência de regulamentação e fiscalização eficazes que evitem as práticas abusivas das grandes cadeias de distribuição com consequente esmagamento dos preços aos seus fornecedores apresentando todos os setores necessidades específicas como a confagri consegue dar voz a todas as cooperativas do ramo qual a relação entre as cooperativas e o desenvolvimento do setor primário É fundamental termos sensibilidade prática e política para que consigamos dar visibilidade política e institucional a 2,5 bi onstituída em outubro de 1985 com a finalidade essencial de contribuir para o crescimento e desenvolvimento equilibrado e eficaz do setor cooperativo e em especial da agricultura portuguesa a confederação nacional das cooperativas agrícolas e do crédito agrícola de portugal confagri é a estrutura de cúpula representativa do universo cooperativo agrícola de portugal associando via filiadas cerca de 500 cooperativas do setor agrícola e do crédito agrícola representando volume anual de negócios superior a 7,5 bilhões de euros em entrevista exclusiva à revista mundocoop manuel do santos gomes presidente da confagri desde março de 2011 fala sobre o cooperativismo português e a relação com as cooperativas brasileiras fazendo ainda um balanço de 2012 como ano internacional das cooperativas em termos absolutos segundo dados do instituto nacional de estatística ine a economia social portuguesa em 2010 foi responsável por 2,8 do valor acrescentado bruto vab nacional no setor cooperativista 9 mundocoop

[close]

p. 10

entrevista manuel do santos gomes um setor que tem uma identidade própria claramente diferenciada do setor público e do setor privado a nossa missão além de desenvolver o setor cooperativo agrícola e através dele é também a de promover a melhoria da competitividade da agricultura portuguesa o papel do setor cooperativo agrícola é extremamente importante a relação entre o desenvolvimento das cooperativas agrícolas e o desenvol um peso correspondente ao nível das nossas principais produções agroalimentares nomeadamente no vinho 41 da produção comercializada no leite 62 no azeite 36 e nas frutas e hortícolas cerca de 25 por seu turno o crédito agrícola também associado à confagri dispõe atualmente de uma rede de cerca de 700 balcões e mais de 400.000 associados que em sua grande maioria desenvolve atividades no setor agrícola estes números refletem a importância do setor cooperativo podemos afirmar que é raro o agricultor que não é sócio de uma cooperativa ou de uma caixa de crédito agrícola tendo em conta a contração do mercado português e europeu a exportação é cada vez mais uma alternativa viável por conseguinte prevê que o setor cooperativo deva intensificar a sua exportação para outros mercados nomeadamente o brasileiro as exportações do setor agroalimentar têm-se desenvolvido de forma consistente nos últimos anos e as projeções de que dispomos apontam para a continuidade desse crescimento prevendo-se uma taxa de crescimento anual de 7,4 até 2018 verifica-se contudo excessiva concentração das nossas exportações para os mercados europeus o que em situações de crise como a que atravessamos é problemático uma vez que o importante é a diversificação de nossos destinos de exportação intensificando entre outros as relações comerciais com o mercado brasileiro no universo das associadas da confagri temos já muitas cooperativas que apostam na exportação especialmente as do setor vinícola neste âmbito gostaria de salientar o trabalho de promoção dos vinhos das adegas cooperativas e de prospecção de novos mercados que têm vindo a ser desenvolvido pela nossa associada fenadegas como é a relação entre as cooperativas portuguesas e as brasileiras as cooperativas portuguesas e brasileiras para além de todos os negócios que existem ou possam vir a existir entre elas estão também muito ligadas através da ocplp organização cooperativista dos povos de língua portuguesa formalmente constituída em 11 de julho de 1997 em lisboa e que se constitui associação internacional que objetiva à difusão do cooperativismo e à intercooperação entre as cooperativas lusófonas a ocplp é constituída por várias organizações incluindo as mais representativas confederações e federações cooperativas dos países de língua portuguesa e dela fazem parte diversas organizações cooperativas brasileiras e portuguesas entre as quais está a confagri entre suas ações a ocplp pode promover projetos econômicos e sociais bem como fomentar a criação de joint ventures para o desenvolvimento cooperativo atuar junto a organismos internacionais e outros dando assim voz coletiva aos interesses dos seus membros e desenvolver quaisquer outras iniciativas que visem ao cumprimento de seus objetivos e consentâneos com a lei 2012 foi o ano internacional das cooperativas neste sentido a onu pretendia incentivar os governos a implementar políticas adequadas ao crescimento que balanço faz da comemoração com a declaração do ano internacional das cooperativas a onu visou a dois grandes objetivos aumentar a consciência da opinião pública sobre a importância das cooperativas e de sua contribuição para o desenvolvimento econômico e social e encorajar os governos a desenvolverem políticas que pro vimento do setor primário é muito estreita como nos demonstram os países com agriculturas mais desenvolvidas onde as cooperativas desempenham de uma forma muito eficaz a função de recolha concentração transformação valorização e comercialização das produções dos agricultores que isoladamente nunca poderiam assegurar estas tarefas ou o fariam de uma forma economicamente muito menos eficiente se atendermos ao elevado grau de concentração e ao consequente poder negocial das atuais cadeias de distribuição agroalimentar melhor compreendemos a necessidade dos produtores agrícolas se associarem em estruturas de natureza socioeconômica como as cooperativas qual é o universo do setor cooperativo agrícola português e que parcela representa no setor agrícola nacional segundo os dados disponíveis relativos a 2010 existem 735 cooperativas agrícolas as cooperativas têm É raro o agricultor que não é sócio de uma cooperativa ou de uma caixa de crédito agrícola 10 mundocoop

[close]

p. 11

e ntrevis ta movam a criação o crescimento e a estabilidade das cooperativas neste sentido ao longo do ano de 2012 a confagri desenvolveu inúmeras iniciativas pois consideramos que os objetivos traçados pela onu são pertinentes à nossa realidade concretamente junto do governo português defendemos algumas prioridades de atuação como a revisão do enquadramento legal das cooperativas portuguesas nomeadamente do código cooperativo visando à possibilidade de as cooperativas adoptarem modelos de governança mais ágeis a facilitar o acesso a diferentes formas de financiamento e a promover uma maior participação e responsabilização dos sócios outro ponto que mereceu gestões junto ao governo foi a necessidade da criação de programa específico de apoio ao redimensionamento e à melhoria da competitividade das cooperativas agrícolas notadamente no âmbito do próximo quadro comunitário de apoio 2014-2020 o nosso balanço sendo positivo evidencia no entanto a necessidade de continuidade do esforço desenvolvido em 2012 pois estamos ainda longe de atingir plenamente os nossos objetivos aliás o movimento cooperativo internacional sentiu também essa necessidade assim a aliança cooperativa internacional ­ a organização representativa das cooperativas em nível mundial aprovou na sua última assembleia geral o projeto década cooperativa no qual se propõe a consolidação até o ano 2020 do modelo empresarial cooperativo como um líder reconhecido da sustentabilidade econômica social e ambiental e como o tipo de organização com mais rápido crescimento qual é a estratégia de futuro da confagri o futuro da confagri passa pela crescente afirmação do setor cooperativo agrícola e de crédito agrícola na economia e na sociedade portuguesa as mais-valias econômicas e sociais dos setores que representamos são muito significativas e devem ser reconhecidas e estimuladas pelas políticas públicas as cooperativas agrícolas estão indissociavelmente ligadas à produção nacional e às comunidades locais valorizam o potencial endógeno de muitas regiões criam emprego e animam as economias locais contribuindo para a coesão social além disso dão apoio indispensável a centenas de milhares de produtores no âmbito da venda de fatores de produção do apoio técnico da concentração e transformação da produção com relação ao crédito agrícola destaco sua ampla presença no território seu papel no apoio ao desenvolvimento regional e a solidez dos seus índices financeiros que o colocam em posição ímpar no sistema bancário português particularmente relevante no atual contexto de crise alguns números do cooperativismo português o instituto nacional de estatística como sequência da publicação da conta nacional anual elabora um relatório denominado conta satélite da economia os gráficos abaixo são relativos ao ano de 2010 agricultura silvicultura e pescas atividades de produção e transformação comércio consumo e serviços desenvolvimento habitação e ambiente atividades financeiras ensino e investigação saúde e bem-estar serviços de ação e solidariedade social cultura desporto e recreio/lazer cultos e congregações organizações profissionais sindicais e políticas não especificadas total da economia social total da economia economia social economia nacional 285 385 669 2 719 98 2.325 805 7.740 26.779 8.728 2.581 2.269 55.383 962 6 445 7.239 6.775 7.280 21.811 9.461 77.472 53.386 21.851 9.776 4.799 227.257 4.792.750 4,7 925 6.377 7.154 6.535 7.280 21.693 9.460 77.438 53.124 21.851 9.427 4.783 226.047 4.138.163 5,5 10.617 217.354 129.280 63.598 528.826 502.053 149.866 1.763.284 287.977 586.241 17.792 3.443 4.260.331 151.413.479 2,8 valor acrescentado bruto vab da economia social 11 mundocoop

[close]

p. 12

brasilcoop cooperativa integrada consolida trajetória de crescimento a cooperativa integrada com matriz em londrina pr encerrou 2012 com faturamento de r 1,5 bilhão consolidando uma trajetória de 17 anos de crescimento sólido os destaques foram os investimentos em agroindustrialização e a movimentação de grãos somadas as culturas de soja milho e trigo foram mais de 1,4 milhão de toneladas recebidas atuando em 43 municípios nas regiões norte e oeste do paraná a integrada agrega mais de 7 mil cooperados e em 2012 construiu nova planta da unidade industrial de milho em andirá que é toda automatizada e ecologicamente correta constituindo-se uma das mais modernas do país no segmento de derivados de milho investiu também na construção da unidade industrial de sucos em uraí que responderá pelo processamento de toda a produção dos associados participantes assim como pela comercialização da produção o ano de 2012 será lembrado como um momento ímpar para o agronegócio paranaense e para a integrada a última safra de verão foi marcada pela instabilidade das chuvas que acabou prejudicando a produtividade da maioria das lavouras de soja do estado essa variável climática poderia ter causado um grande impacto aos associados com uma forte queda na renda final não fosse uma conjuntura internacional altamente favorável e que puxou os preços para cima isso acabou compensando as perdas físicas e o balanço final foi positivo explicou o presidente da integrada carlos murate intercooperação leva coamo ao mercado japonês a coamo com sede em campo mourão no centro-oeste do paraná no final de fevereiro assinou convênio com a cooperativa zen-noh federaÇão de cooperativas agrícolas do japão para fornecimento de produtos agrícolas o primeiro navio com mais de 50 mil toneladas de milho zarpou do porto de paranaguá no início de marÇo de 2013 agregando mais de 25.400 cooperados nos estados do paraná santa catarina e mato grosso do sul e considerada a maior cooperativa agrícola da américa latina a coamo com a parceria com a cooperativa japonesa pretende aumentar sua participaÇão no mercado externo e ampliar os destinos de suas exportaÇões e por consequência aumentar o faturamento com suas operaÇões no mercado internacional para o presidente da coamo engenheiro agrônomo josé aroldo gallassini a china continua sendo nosso principal destino de exportaÇão mas em 2012 recebemos visita de dirigentes de empresas asiáticas que em janeiro deste ano tivemos a oportunidade não só de retribuir mas também de mostrar o potencial e a qualidade dos produtos exportados pela coamo grãos farelo e óleo de soja desta maneira iremos diversificar os nossos negócios no continente asiático em 2012 as exportaÇões de produtos agrícolas industrializados e in natura pela coamo somaram 2,81 milhões de toneladas representando crescimento de 8,7 em relaÇão ao ano anterior atingindo o montante de us 1,12 bilhão entre os países que compram da coamo estão alemanha franÇa dinamarca e suécia a zen-noh é uma das maiores organizaÇões cooperativas do mundo representa os interesses de mais de 4,8 milhões de agricultores associados a mais de 700 cooperativas japonesas e também para mais de 4 milhões de associados não agricultores com atuaÇão na importaÇão de insumos para raÇão e carne demandados pelos produtores além da distribuiÇão e comercializaÇão de produtos agrícolas 12 mundocoop

[close]

p. 13

brasilcoop unimed fortaleza investe em monitoramento de redes sociais nós sabíamos que precisávamos de uma solução robusta para monitoramento de redes sociais bem como um bom suporte que pudesse nos ajudar é assim que augusto coelho analista de mar keting da unimed fortaleza descreve como era a situação da empresa por volta de junho de 2011 nessa época a maior cooperativa médica unimed das regiões norte e nordeste não fazia nenhum monitoramento e sua única presença no universo social era uma conta no youtube entre a antiga presença online representada por uma única conta no youtube e a situação atual da unimed fortaleza nas mídias sociais com o uso da plataforma scup existe um abismo com o scup conseguimos uma interação rápida com as pessoas que se relacionam com nossa marca e mais velocidade para agir no caso de crise con ta coelho alinhando como resultados ganhos de eficiência nível de automatização de processos que quase dobrou e em decorrência a equipe passou a economizar entre 51 e 70 do tempo até então utilizado para classificar itens por exemplo lista ainda entre os benefícios a geração de relatórios de performance confeccionados de forma muito mais fácil e rápida do que antes line mara lins analista de mídias sociais da empresa destaca também a possibilidade de criação de filtros de busca para evitar lixo e a centralização das interações e publicações diretamente na plataforma além da redução de 31 a 50 na coleta de lixo na medida certa a cherry lanÇou no brasil o comercial leve rely pic-up que tem preÇo competitivo e vocaÇão para ser uma eficiente ferramenta para as cooperativas por cícero lima fotos divulgação transporte de carga no trânsito urbano não é uma das tarefas mais fáceis É preciso cuidado em meio aos carros e achar um local para estacionar pois qualquer infração é prejuízo certo ­ e grandes dores de cabeça em muitos casos as picapes pequenas não dão conta do recado por falta de espaço para a carga enquanto os caminhões têm custo elevado e ocupam muito espaço para auxiliar nessa a tarefa a rely ­ que pertence à divisão de comerciais leves da cherry automobile ­ lançou no brasil a rely pic-up que tem no preço conforto e versatilidade seus principais atrativos a pequena picape tem carroceira com medidas generosas 2,5 metros de comprimento pouco mais de 1,5 metro de largura e 30 cm de altura nas laterais uma série de seis ganchos externos permitem perfeita amarração e fixação da carga ­ algo complicado nas picapes de passeio seu motor de 999 cc 16 válvulas é movido a gasolina motor 1.0 4 cilindros 16 válvulas e oferece a potência máxima potência 64 cv a 6.000 giros de 64 cv e quase 9 kgf.m de torque 8,97 kgf.m a 6.000 rpm torque não são números peso 1.030 kg empolgantes mas conseguem capacidade de carga 800 kg transportar 800 kg de carga preço r 29.900 sem contar motorista e passageiro sem problemas nas cidades na estrada exige paciência e cuidado nas manobras de ultrapassagem uma vez que demora bastante para embalar e superar os 90 km/h no velocímetro onde encontrar o veículo realmente nasceu www.relybrasil.com.br para o trabalho e preza pelo ficha técnica baixo custo de manutenção no test-drive feito em salto interior de são paulo cidade sede da empresa percorremos generosos trechos de estrada e cidade sua cabine é pequena e quase não oferece espaço para malas e mochilas mas a direção hidráulica e o ar-condicionado considerados supérfluos que na maioria dos veículos de carga são itens de série na rely pick-up assim oferecem conforto para o motorista e seu ajudante no dia a dia da cooperativa 13 mundocoop

[close]

p. 14

no mundo coop impacto da ação cooperativa em nível local n os locais com trabalho gerado na forma de cooperativa a distribuição da riqueza é mais equitativa há mais desenvolvimento sócio-territorial mais emprego digno e os jovens conseguem melhores oportunidades produtivas e trabalhistas para permanecerem nos lugares de origem onde geralmente desejam viver as ações das cooperativas beneficiam principalmente os seus associados mas também elevam o nível de vida das comunidades e da região em que estão inseridas as cooperativas agropecuárias por exemplo definem normas para o mercado e o deixam mais transparente impactando não somente sobre o produtor associado mas sobre todos os produtores da região beneficiando-os e servindo-lhes de referência as cooperativas se constituem instrumento de organização capaz de resolver necessidades que individualmente não podem ser solucionadas ou que implicam maiores custos empregam uma lógica empresarial que permite aos pequenos se defenderem e funcionarem no mercado como grandes a preferência do cooperativismo pelos produtores de pequeno e médio portes não significa uma antinomia com as empresas de grande porte e sim uma oportunidade de igualdade de tratamento para consolidação e desenvolvimento da agricultura familiar desse modo diferentes realidades e necessidades coexistem em um ambiente organizacional em que a diversidade promove soluções originais solidárias equitativas e inclusivas a unidade é conseguida pela aceitação dos valores e princípios o que não significa uniformi eduardo h fontenla É natural de sancti spíritu província de santa fÉ argentina É bacharel em cooperativismo e mutualismo e em ciências políticas e governo dade para isso é imprescindível manter a integridade entendida como a coerência entre os postulados e as atitudes a falta de integridade é detectada rapidamente e dá lugar ao ceticismo componente destrutivo das empresas cooperativas portanto não é necessário pensar igual para poder trabalhar junto e associativamente as cooperativas possuem forte ancoragem e identidade local porque respondem às necessidades concretas das pessoas participantes à cultura e às especificidades próprias do sistema produtivo da região ao mesmo tempo em que detém a proximidade cotidiana aos seus associados também localizam-se e prestam serviços em localidades ou regiões que não são rentáveis nem interessantes para os grandes grupos econômicos hoje em todo o mundo as cooperativas agropecuárias são opção de futuro para o valor agregado na origem o mais próximo possível da produção primária ou do lote frente ao valor agregado no destino devemos alertar sobre a situação dos produtores de pequeno e médio portes frente a uma indústria concentrada em poucas mãos que tira a previsibilidade do produtor e o transforma em mão de obra barata sem capacidade de decisão um processo usual destas práticas pode ser encontrado na produção e na indústria avícola no interior da argentina há inúmeros casos de sucesso de integração de cooperativas agroindustriais e/ou agroalimentares que proporcionam importante desenvolvimento local incluem o produtor e permitem-lhe participar tanto nos 14 mundocoop

[close]

p. 15

benefícios da cadeia quanto nos excedentes por meio dos retornos cooperativos conforme a operação realizada exemplo é a fábrica azeiteira agricultores federados argentinos coop ltda afa uma cooperativa de primeiro nível e longa trajetória com sede central na cidade de rosário que tem sua planta processadora de azeites na localidade de los cardos na província de santa fé esta planta além de beneficiar o produtor é uma oportunidade de emprego permanente e boa remuneração para 51 pessoas que vivem em pequenos povoados além disso favorece o trabalho e a permanência de jovens como mão de obra especializada pois na atualidade em sua maioria os técnicos da planta extratora de azeites e farinhas da cooperativa são formados pelas escolas e institutos técnicos da região comprovando que uma boa escola é a chave para o enraizamento com mobilidade ascendente e inclusão social estes são os modelos de desenvolvimento que devemos pensar construir e multiplicar pois caso contrário esses jovens formados nas escolas técnicas precisam migrar para outras cidades porque não terão a possibilidade de emprego local/regional e assim serão perdidos os melhores talentos da região por sua vez as formas de associação cooperativa e de trabalho são uma espécie de guarda-chuva para os jovens em desvantagem socioeconômica que desejam empreender e aumentar as possibilidades empresariais na nova realidade rural uma vez que favorecem a permanência por falta de oportunidades ou pela pequena escala produtiva e assim contribuem com a melhor ocupação do território essa prática associativa não acontece só no setor agropecuário mas está presente em todas as áreas da economia hoje muitos povoados e pequenas cidades argentinas possuem serviços eficazes eficientes e inclusivos pelo acionamento das empresas cooperativas a prestação do serviço elétrico ­ que tem estreito vínculo com a área rural ­ está majoritariamente em mãos de cooperativas de eletricidade entre elas a cooperativa de electricidad ltda de tornquist mantém rede de 900 km de linhas rurais oferecendo serviço elétrico a 300 associados da área rural também dispõe de 20 km de linhas para oferecer vida melhor a um único associado e sua família que vivem em um local no campo com um consumo aproximado de 100 kw essa ação sem dúvida constitui-se aporte para melhorar a qualidade de vida das pessoas no setor rural por outro lado os programas de capacitação formação e assistência técnica ­ parte dos princípios que orientam a ação de todas as cooperativas ­ favorecem a promoção dos seus associa dos das cooperativas e seu grupo familiar com forte comprometimento com suas comunidades outro importante componente a destacar é a sua contribuição com os programas de desenvolvimento local interinstitucionais e intersetoriais que combinam competitividade com sustentabilidade social e ambiental aqui a participação das cooperativas como atores e agentes ou organizações-chave de tais processos é efetivamente dinamizadora por exemplo em justiniano posse ­ província de córdoba­ e em villa elisa ­ província de entre rios ­ existem experiências de trabalho articulado público-privado respeitando autonomias que permitiram impulsionar projetos de desenvolvimento local partindo de uma visão compartilhada em favor do bem comum em todos estes processos os prefeitos ou líderes das comunidades do interior têm a responsabilidade de promover a eco nomia solidária para favorecer o desenvolvimento da base local com equidade inclusão e divisão equitativa da riqueza o desenvolvimento local e a economia solidária não precisam de um estado protetor ou empresarial mas sim de um estado que garanta a igualdade de oportunidades e de tratamento definitivamente nos locais onde funcionam bem as cooperativas vive-se melhor e também se resolvem melhor as crises via projetos e ações em favor do desenvolvimento local a assembleia geral das nações unidas proclamou 2012 como o ano internacional das cooperativas ressaltando a contribuição das cooperativas para o desenvolvimento econômico social e o cuidado com o meio ambiente assim como a redução da pobreza a criação de empregos e a integração social a aci aliança cooperativa internacional lançou um ambicioso projeto para sustentar aprofundar e reforçar o sucesso alcançado pelo movimento cooperativo em 2012 denominado década cooperativa o desafio é que o modelo empresarial cooperativo como um dos eixos da economia solidária consolide-se como modelo para melhorar o estilo de vida da maioria das pessoas e aumentar sua contribuição para o desenvolvimento local e regional 15 mundocoop

[close]

Comments

no comments yet