A Família Cristã no Século XXI - 2º trimestre de 2013

Embed or link this publication

Description

Neste 2º trimestre de 2013, estudaremos A Família Cristã no Século XXI: Protegendo seu Lar dos ataques do Inimigo. A Família Cristã é um campo de batalha onde o Espírito de Deus luta contra Satanás, e nós precisamos ter consciência de que podemos glorif

Popular Pages


p. 1

am ília cristã n o século xxi protegendo seu lar dos ataques do inimigo

[close]

p. 2

l iç õ e s mÊ b í blicas mestre comentá rio eliimaldo rtnovato lições do 2 a trimestre de 2 0 13 lição 1 familia criação de deus lição 2 o casamento bíblico lição 3 as bases da casa menta cristão lição 4 a família sob ataque lição 5 conflitos na família lição a infidelidade conjugal lição 7 0 divórcio lição 8 educação cristã responsabilidade dos pais lição 9 a família e a sexualidade lição io a necessidade e a urgência do culto doméstico lição 11 a família e a escola dominical lição 1 2 a família e a igreja lição 1 3 eu e minha casa serviremos ao senhor 11 1 24 31 39 46 54 61 6s 75 33 90 l]ooi biblio -s s i

[close]

p. 3

l iv r a r ia scpad í jÇÕes bíb l ic a s mestre publicação trim estral rilc a s a publif jtíttrbi da afftmb lc ia í h m tú nce de c a rva lho 0 3 3 mcotc ú de í jivahe zizi &ono rfc d e ja rw fra pj td q 12441 z 101 2 4 s i -z 3 5 0 fa x 0 1 2 4 8 i-5»l 3 e r u i v u n itc a ro a lu xzcpadcum jt tierenije sevc riiic -j caqu lm d a s ilva fihoh lic r o h ruaaudliie lea l 4 7 l o asal e -r c -n u -d 2 4 0 2 9-1 i Í1 m c r ú l rj t e l tfijzez m 3 ibyfax iz i zgzie rull r|i|i ii jl jpjj jijiii .l 1 movaigua ç u a v guwrnackrama ra lpdx ík c i 4 2 7 · k i.a 101 c 0 3 ta trla vbtd a n -c a im k 2 gziihko pj t d y |i2 6 g 7 -4 3 6 ltdclu 1211 2g g 7 r i g 3 e m ill:rk jla uacu i p d j:c 4 i.b t -te re n cc trandscuajcxar É tcrrdrac í nira r u a ptiiiil-ito de u a r ç o s · c íiic m -r j ii d e jaiil-lro-r j t tfc 2 5 0 9 1 2 5 4 z s 0 7 5 5 Í r c p e fítt s im o -a m í shdi p lim jardimcuadjliiotaw .b ra sli.2 z e -ip a c c -c c tiw fc ltf i i s-r» i · ijja d a íu p l ríu du ja nuíru-p j -c ír -t f h t ju c llú ld egch iw x d a ik a sawtacatar .iin a ruafd lp c s c lu n ld c 7 2 lu ja 1 ,2 t 3 -e d lllc lc e o u »3 ln llú a -t ú iiua fl o 0 -n n z ftanardpu lh ttfwaa i4fl s z z 5 -3 9 2 1 3 2 2 1 -1 1 2 6 e -m a ll toiipa -c p a d .c o n .b r tcrei iu ctil ú l v le li adamasccnu aopaulop ua cunsu lh d r -a c a io g lp e 2 1 0 e u lc -n z ln hcnsns fl rin n · sp 1 uhboi l i izlhb -z 7 d z e -m d l uepu jl u cpad c u m .b r rcreiice j ú lfe is o n d ú frdtas minasgera is rua stopaulu 1371 l u ja i ctni í u 301 7 0 -1 3 1 bdohcf lr ofwmgtm 131 3 2 2 i -s flnoe -m a ll belalmituniep jp a j .c iz in .l g i í l t i il a llllar rub^rcci r irdraflor id a 93&murihfl-deial h w a v p íim panc eeach fl 33d64 usatel j9 s 4 i h41 3 4 f a a i9s4 s 4 i -4 0 3 4 e -m a l crudusa c s .c c m s i i í hicpo w » .u dhpa .in u s .c u m tcrcinx jc nasmar la rwdlítr ib uwor ceararuastfudci fijin p l-u 43-j® lu ja 2 7 c e n ira 6 í » 7 s n n o iforideiacet d í b 5 j 3 z 3 l-3 n n 4 e rull cblbla t q .c c r b i tereiice j e t í m a ria h c u e lr alka gerente comercial c ií-ero dasi lv;i para ejlg o iiv e ia av c o v josim alcher is 7 9 c 4 mroggi:e z 3 d -e d d a íl.3 b ii3 z 2 2 -7 ihjs-emall síercrtlaicpadbdtp ium.br g cierne bcinúd:u dú maiacs jaraogunma -l enou shsh lm ahamada -íh u 3 0 4 -4 t j 7 j 0 bzit ú l 2 7 1 s -4 s 0 4 bfaií 141 ]f 2 7 b -4 4 -s i 3 1 cdular jb i h « eÉhf-sgbfl e rull cpadjp k it m a ll.c c im i e ie r r.e jy lin a a a a b t barbo&a lisboa capu a v a lm lra n u gagoguud iilic i 5 4 · i 7 0 0 -0 1 0 lisluj p in ugal i t f 1-2 i -4 4 2 9 19 0 r a x 1 e l í 1 -3 4 0 -9 1 6 1 e -f í i i s capuacapu .p c s llv lu í capu p i s li rtwa capu .p lmatocrosso l lv r a ila assemblè la de deu aa r u l -n sdemendo rn ia 3 .s 0 0 g i a jcttmpla 7 s o « 4 » ctamre -r ulabi h t tÉ le la a 6 5 1 g 4 4 2 j 6 e rull h f c le ia e -tt z a i.c o f .b r -nc-ruiioi h il -lo jc r tí damvaminasgera is kfcwa s lk » -f i ia j a ib a i l d e^rfeis i 6 s i u-l oz s i » « ungsjmiacruz 3 b 0 1j-i s n -ju t2 d e f « a ·m gtel i3 2 i Í2 i2 -7 2 4 b te re n ce d a n ie lpamusdui lh lr asaopaulo 5i rep · puancilanop tta c c u 1 01 ccnc ro sta e u rb a ra dqesi íi s p 13 9 0 -9 7 0 i m l 1 9 3 4 5 9 2 0 0 0 l f u l l veiidasiisucip .t c m .b f getwiu a m ô n lo r lb e lru s e rre s gerente da rede de lajas joáo bati 5ta guilherme íla silva js -cerenig dc comunicação rodrigo sobral fprnandej -chefe do setor de educação ctlttã césar moisés carvalho reda to re s lucuna gaby mancdu du qlluslrae telma bueno d c s ig m r gráfiio alexandnp boarp capa telemarketing i ± à fr1 du jh-i j i kti i 9 11 v ib ^id iih dnn j t i c.hi riu di j nuirn l i ilj 11 71 2 7 2 j cuncráil dic alundimuniu Ú Ú 0 Ú 2 i 3 3 i í q k ã ugiiluilil iq ih ja s gorau aiulfuuxirâe iam aj 2 c s j ix r i-iu ir thluqihu ram d 3 p p jí liiu í udunu ls i.lh iit u ii ijtr t a l 4 s a c h l íÇ -u d « a lu lid liy iu it u a a u i ii u r -id u i i raffuj s l iv r a r ia virtual vnwi p a d jc ú m .b rouvidula u l h id cj -is»ai!púd .lj^t i i flamir Àmbrõ&io av brasil 34.401 i-tiigu cep2iíi 2no2 rio de janeiro rj t il 2 1 2 4 0 g 7373 fax 21 240 t-7 :i2 f i 2 l.r<7^i lí1i rjca.s

[close]

p. 4



[close]

p. 5

l e it urab Íb l ic a em c la sse c é nesis 2 1 s -3 4 in te r a Ç Ã o p re zadop ro fe ssor inicie a p r im e ir a a u la d e ste tr im estreapresentandoo te mageraldasiições bíblicas eexp liq uequeas tre z e liçõ esana lis amama is im p o rta n te in s titu iç ã o c r ia dapord eus n a fa ceda terra a c é lu la m a te rdaso cie dade a fa m ília fa le ta m b é m a re s p e ito docomentar is ta pastore lin a ld orenova to d e l im a líd erdaassemb le ia de deus em parn a m irim rn p r o fe ssorun iv e rs itá rio bacharel em c iê n c ia secon ó m ic aseautor de d iv e rs asobrased ita daspe ia cpad o e n riq u e cim e n to e s p iritu alque lhe a d v irá d o e stu d o de cada iiç ã o se rá s e n tid o em seu p r ó p r io larenasfam í lia s de se us alunos qued eus a b en ço e n o ssa sfami fias 18 f d isse osenhord eus n ã o é bom que o h om em estejal i í f a r lh e -e i umes a d ju toral que esteja co m o d ia n te dele 1í h a ve n d o pois o sen hordeus fo rmadodaterra to doan im aldocampoe to d a ave dos céus os tro uxeaa ddo para este v er co m o lh es chamar ia etudooquead ã o ch amoua to daaa lm a v/vente isso fo i o se u nome2 0 e a d ã o p ô s os nom es a to doogado e á savesdos céus e a to doan im aidocam po masparaohomemn ã o se achavaad ju to ra q u e estivesse corno d ia n te dele o b je tiv o s após es:a aula aluno deverá estar aplu a compreendera ramília n o plano divino conscientizar s e das consequên cias da queda para a i famílias analisara constituição familiar ao longo dos anos o r ie n t a Ç Ã o p ed a g Ó g ic a 21 então osenhord eu s fe z c a ir u m son opesado sobre a d ã o e este a d o rm e ce u e to m ou umadas su as coste la sece rro uaca rn e em seu lugar 22 £ dacoste la queosenhordeus to moudohom em fo rmouumamu lh e r e tro u x e -a a a d ã o professoi para introduzii o lição suge 2 3 e d isse ad ão esta é agora rimos que reproduza

[close]

p. 6

humano abrigo e relacionamento atuaimente temos visto e vivido um tempo de escassez na área dos rela in tr o d u Ç Ã o cionamentos estamos ficando cada a familia é a maii£ importante ve z mais superficiais frios e distan tes uns dos outros por se multiplicar instituição criada por deus para a sociedade i este trimestre teremos a iniquidade o amor está esfriando mt 2 4 12 por isso preci a oportu n idad c iri par d e tratar de alguns te n a s samos investirem nosso palavra -c have relacioname n lu famí iiar que são extremamente fa m ília relevantes para que te podemos dizer que o se g ru p o de p e sso a s gundo propósito divino nhamos uma vida fami lig adaspor para a criação da familia liar bem-sucedida kesta prim eira lição estuda casamen to filia ç ã o foi fazer dela uin núcleo ouado çã o pelu qual as bênçãos do remos a instituição da família no plano divino senhor seriam espalha das sobre toda a terra gn 1.23 bem como a sua constituição ao 2 u m lu g a r de protc ç io lonqo dos anos veremos também esustento l m deus perfeito i a &consequências da queda na vida familiar pneparou um lugar excelente para receber a primeira família ojardir-i i afam Ília n o du Éden era uri local especial de planod iv in o acolhimento proteção e provisão í 1 oprop ó sitodedeus adão e eva tinham tudo de que precisavam para usufruir de uma deu-i criou a família com desígnios sublimes o criador r ã o fez o ser vida saudável e feliz {gn l .29 ries desfrutavam da companhia de deus humano para viver na solidão quando acabou de formar o homem e nada lhes faltava o propósito do o senhor di&is não é bom que o senhor era que « d a ramília tivesse os recursos suficientes para sua ho m e m esteja só far-lhe ei uma adjutora que esteja comq diante subsistência pois a escassez e as privações trazem conflitos para as dele gn 2.1s este texto bíblico ramílias porém com a ajuda do pai nos mostra o primeiro objetivo de celeste estes lonflitui podem ser deus ao criar a famflia fica evidente sanados pois o senhor é o nosso que a célula materda sociedade foi bom pastor bj deus deseja que criadaa partir da necessidade huma cada amília tenha a sua provisão na de ter companhia o propósito diária mt 6 1 i e da mesma forma divino era estabelecer uma institui que adão tinha a responsabilidade ção quo pudesse propiciar ao ser romfntariom a famÍlia na atja lid a de como po o em osvenct-l o s pftimcipais d esafios í iÇÔes riíl tcas õ

[close]

p. 7

deu a você a responsabilidade de 3.4,5 e adão seguiu pelo tfleimo caminho o casal poderia ter necu^elar par sua família sado a sugestão d o diabo mas não 3 a p r im eira família deus fizeram e depois de pecarem u ro rmoj adão do pó da cerra gn caíram na condenação divina 2.7 vendo que o ho memnão isso nos mostra que a familia poderia viver sozinho retirou lim a desde a sua instituição foi alvo dos costela de adão e criou eva sua ataques do llnimigo satanás fez de companheira gn 2.22 isto mostudo para que o propósito de deus lra que diante do todo -podero-so para as famílias fosse destruído homem e mulher são iguais na sua porém deus é soberano e senhor essência ambos vieram do pó da e seus propósitos jamais serão terra e u m dia au pó tornarão após frustrados ÍiÓ 42.2 da semente da criar a mulher o senhor ordenou o mulher nasceria messias aquelle casamento estabelecendo então que esmagaria satanás gn 3.15 a inais importante instituição de o propósito do inimigo é matar urna sociedade afamilia gn 2.24 roubar e destruir mas jesus veio ao mundo para destruir os intentos do s in opsedot Ó pico maligno lo 10-10 2 o s re s u lta d o s da queda deus criou a família com de n o re la c io namen to fa m ilia r sígnios sublimes o criador não fez qual é a origem dos males que o ser humano para viver na solidão atacam a família o pecado a vida familiar de adão e eva era perfeita responda porêm o pecado troux eadiifunção 1 quaiop ro p ó s ito de d eu s a o para u seiu da família depois da c r ia r a fa m ília queda podemos ver sentimentos 2 o que ojard im d o Éden e r a comu u medo a culpa e a vergonha paraapr im e ir a fa m ilia perturbando a convivência do casal {gn 3.8-12 o pecado sempre faz ii aquedae as o relacionamento familiar adoecer suasconsequ Ê n c ia s há muitos lares doentes onde a fa paraafam Ília milia deixou há muito tempo de ser l o a ta que d o in im ig o um local de acolhimento proteçlo satanás levou a mulher a desobe e cuidado devido aos pecados não decer à voz de deus talvez de confessados e não abandonados essas transgressões causam culpa modo suave e envolvente ele tenha falado h assim que disse deus É s separam as familia5 da comunhão mão comereis de toda a árvore do com deus jardim gn 3.1 eva confirmou 3 a v id a familiar depois d a a ordem d o senhor gn 3 .2 ,3 queda o pecado de um único ho mas cedeu á tenlaçso do maligno mem trouxe consequências terríveis este a iludiu seduziu e a fez cair para toda a humanidade depois da no pecado da desobediência gn queda a vida familiar já não seria de cuidar dojardim {gn 2.3 deus i i-ik í jcas

[close]

p. 8

mais a mesma a mulher teria filhos com muita dor gn 3-16 e o seu desejo ou seja sua vontade estaria submetida à vontade de seu marido adâo deveria comer agora seu pão diário com dores pois u trabalho de arar a terra para ter sua subsistência garantida seria bem difícil gn 3 l 7 a terra também foi afetada pelo pe cado produlindo espinhos e tardos gn 3-13 a morte nsica também é uma consequência da transgressão do homem gn 3 19 deus ama o pecador mas nãu tolera o pecado como punição pela desobediência adão e eva foram e xpu lso do jardim do Éden gn 3 0-2 4 a vida no jardim antes da queda pode scr comparada à vida eterna que um dia desfrutaremos no céu tudo era bom pois foi tudo pensado planejado e criado por um deus que preza pela excelência se tivessem permanecido na obediência adãoe eva teriam sido felizes para todo o sempre todavia jesus cristo veio ao mundo para resgatar as famílias da maldição do pecado cristo se fez pecado por nós e na cruz levou as nossas iniquidadts sobre si ls 53.4 isso nos mostra o quanto deus dese ja abençoar nossas familiar sinopsedot Ó pico 2 a famísia desde a sua ins tituição foi alvo dos ataques do inimigo s a ta n á s fez de tudo para que o propósito de deus para as famílias fosse destruído responda 3 qual é a o rig e m dos m ates quea ta camasfam ília s 4 c ite as consequ ê n c ia sdopecadaparaamu lh ereparaa terra iii aconstitui Ç Ã ofam ilia raolongo dos sÉculos 1 f am ilia p a tria rc alomo delo f a n ilia r com o passar dos tempos está sujeito a mudanças já tivemos a familia patriarcal monogâmica consanguínea etc todavia isso não altera o valor a importância da família a família patriarcal é u n exemplo faniliar andii è permitido ao homem ter diversas esposas esle modelo é visto em todo antigo testamento mas não era o molde determ in a d o pelo senhor deus o tolerou p o ré m esta nunca foi a sua vontade no modelo de família patriarcal d pai pater e ra visto como o senhor da casa e da fam ilia as esposas e os filhos não tinham liberdade de escolha pois a palavra final era sempre do patriarca 2 afam íli anuc le a r mr» n o g ã mical este foi o modelo idealizado pelo senhor um ho mem e uma mulher unidos pelo matrimonio a poligamia vai c on tra o principio divino do marido e da esposa ser umasó cat ne gn 2.24 mt i 9.5 3 afam ilia naatua li dadea família está inserida dentro de 4 a l i ç ò e ^b i dldca .s 7

[close]

p. 9

um contexto social e portanto sujeira a m udanças porém os princípios divinos para as fam filiais ã oeternoseimut á veis mt 2 4 ,3 5 os inimigos e desafios e n frentado s p e la s fa n ilia s na atualldade são m u ito s todavia queremosdes ta carapenai os e s p lr Í t u tiis vejamos os principais inimigos da familia na atualidade a a carne aqui referimo-nos à carne como a natureza carnal que ie opõe ao espírito santo e volta-se para tudo o que é contrário à vontade de deus sabemos que há uma luta constante entre essas duas naturezas a carnal e a espiri tual o apóstolo paulo experir 1 entou tal luta {rm 7 1b -24 ela é tão intenda que pode nos fa^er pensar que não há como sair vencedor Írm 7.24 mas deus em cristo jesus nos dá a solução ele nas livra do pecado e da morte rm 8.1,2 o apóstolo paulo nos adverte andai em tspírico e não cum prireis a concupiscência da carne cl 5 16 a família cristã precisa na direção do tspirito combater a natureza carnal assiinr evitará o adultério os vícios e todas as mareias que visam des:ruí-lab omundo diz-nos após tolo d o am or n i o jm e is omun do nem o que no m undo há s.e al g u é m ama o mundo o amor d o pai n ã o está nele i i jo 2 1 i quanto i a este portonão há meio-termo i ou am am os a deus ou am am os o i mundo mão há a miniima posslbilii dade de servimos a dois senhores i ml 6.24 saiba pois que existe i vitória para quem escolher amar l a deus e ele dará vi l ú ria á nossa familia a partir da fé que deposi tarmos nele l jo 5.4 c o d iab o a palavra de deus nos ensina uma ú ric a forma de vencermos o mallqno sujeitai-vos pois a deusi resisti ao diabo e ele fugiráde vós tg 4.7 se a família suje itar-se a de u s e res isti r o dia bo este fugirá pois o segredo da nossa vitória contra satanás começa com a nossa submissão a deus para que depois sim possamos reiistir ao diabo e quando resisri rmos ao adversáriu não nos esqueçamos de usar a armadura de deus ef 6.10-17 em especial o escudo da féh to m o q uai pode rcm os a pag ar todos os dardos inflamados do malicjno {ef i6 a familia cristã pre cisa verdadeiramente crer naqueie que a criou e usar a sua palavra para dinecionar suas tomadas de decisões e sua vida espiritual sinopsedot Ó pico <3 os trés maiores desafios es pirituais da familia são omundo a carne e o diabo responda 5 deacordocomah ç à orqua is s ã o os p r in c ip a is in im ig osespir it u a is dafam ilia naatuaiíd a d e 7 conclusÃo nunca a familia foi táo desa fiada pelas forças do mal como hoje porém é na presença do senhor quea familia garantirá a v itó ria ío b r e os desafios da sociedade atual busquem os ao senhor ju n ta m e n te com toda a nossa casa i

[close]

p. 10

r b ibliograf ia sugerida ad fi stephen seja o l íd erquesuafam í lia p re cisa i .ed rio de^aneiro cpad 2009 souza esírvam angelo efez deus afam ilia o p ad rão divino para um lar fesi7 i_ed rio de janeiro cpad 1999 a u x Íl io b ib l io g r Á f ic oisubs id io bibliológico c riado para rclacionamentos a bíblia começa nos d ize n do que deus em afinidade pai filho e espirito santo criou o homem e a mulher para uma vida de relacionamentos mútuos e com ele gn 1.1 6 17 ambos refletem a glória de deus o homem foi cria do primeiro gn 2.7 seguido pela mulher que foi tirada do homem gn 2 .21-23 a mulher foi criada porque deus declarou jnão é bom que o homem esteja só far-lhe-ei uma adjutora que esteja como dian te dele [ou seja uma auxiliadora para satisfazer-lhe as necessidades gn 2 18 mas que necessidade tinha adâo econa qual não podia lidar no utópico Éden com seu ecossiso p e tâ d u lema perfeitamente equilibrado e a at,mqs;era livre de substàntia-s tóxlcas solidão solidão foi a primeira emoção que adáo teve com a qual não podia lidar a inda que no frescor do dia deus viesse conversar com adão este precisava de alguém como ele mesmo outro ser humano com quem pudesse se comunicar durante o dia a mulher não foi criada para ser objeto sexual antes foi criada para ser ouvinte incem lvadora ecomun ic a d ora din â m ica era tão fundamental esse relacionamento que o casal recentemente formado foi instruido a ensinar seus filhos a deixar pai e mãe e apegar-se aos seus respectivos cônjuges gn 2.24 {carl50n ravmond et al pastorpentecostal t e o lo g ia e p r á t ic aspastora is 3.ed rio de janeiro cpad 2005 pp.35-6 s a ib a m a is revista fnsinador cristão cpad n 54 p,36 respostasdosexerc Íc io s 1 o p ro p ò s i ln d i v ir m era e-sla.beu:cer .ima ístitl ição q u e pu desse p ro p ic ia r an ser humano atliriga e re lacionam ento 2 u m lcr.il especial deacolhimer tu prot ç j o e pra vissd 3 a a rn.ilher leníi flh-os i.ljrn mulia d or c r 3 16 e o seu desejo ou sej sl-í-j vontade estaria su jm e tid a á vo n tace de seu mandei a l^rra tamb é n foi afetada pelo pecado pro du zin do espim i 5 prardn g n 3 18 s a carne u rr a rido e u diabo 1 ]c di^eilui rcws

[close]

p. 11



[close]

p. 12



[close]

p. 13

l e it urab Íb l ic a em c la sseg é n e s is 1 -2 7 ,3 1 2 i s 2 0 -2 4 c è n c s is 1 2 7 e c r io udeusoftíw e m ã s u a im agem ã im agemdeld eus o crio u mochoefê m e a os c r io u in te r a Ç a o professor n e sta tiçã o você e n s in a rá a re s p e ito docasamen to nodecorrerda se m a na le ia o tex to b íb lic o com a te n ç ã o e m ed ite n a b ê n çã oque é o m a trim ó n io auniã o e n tre um h om em eumamu lh e r n ã o é so m e n te paraaperpe tu a ç ã odara ç ahumana m as paraa fo rm a ç ã o d a fa m ília a in s t i tu iç ã o m a is im p o rta n te deuma so cie da de ocasamen to tem sid o a ta cado violen tam e n te p e lo d iabo o n ú m e ro d e d iv ó rcio s a té m esm o e n tre o s crentes vemaumentando omatr im o n io é umaa lia n ç a d iv in a umsac ra m e n to in d issolú v el a ig re ja dosenhor jesus co m o c o lu n a e fir mezadave rd a d e deve traba lh a r em favorda fa m ília de fe ndendoo ca sa m e n to monog ã m ico h e te ro sse xuale indissolú v el 31 e viu deus zudo cju an tol tin h a feito e eis queeram utto bom e fo i a ta rd eeamanh ã o d ia sexto i g é n e s is 2 18 £ d is seosenhord eu s n ão é bom que o hom em j a só f a r-lh e -ei umaad ju toral que e s te ja comod ia n te dele 2 0 e a d ã o p ó s os nomesa to doogado e á savesdascéus e a to doan im aidocam po masparaohomemn ã o jé achavaad ju to ra q ue estivesse co m o d ia n te dele o b je tiv osap ó s esta aula o aluno deve rã esta r apto a analisar os p rin cip ias da m s n í gam ia explicar os princípios da heterossexualldade conscientizar seda indissolubili dade do casam ento o r ie n t a Ç Ã opedag Ó g ic aproftuor pardaau la deho je sugerimui 21 e n tã o osenhordeus fe z c a ir u m sa nopesado so b re a d ã o e este a d o rm eceu e to m au umadassuascos te ia sece rro uacarne em s e ii lugar » 22 edacoste ia queo 5 enhordeus to mpudohomem fo rmouumamu lh e r etrouxe -a a a d ã o o sso dosm eus ossosecarnedam in hacarne estaser á chamadava ro a porquan to dovar ã ofoi to mada 2 3 r d is sead ã o í~staé agora 2 4 p o r ta n to d e ix a r á ovarã o o se upaieasuam ã eeapegar-s e -ã à suamu lh e r eserã oambosumacarne que re p ro duzaográfico da página se gui nm em -l^rtullna le e-o para a classe p fixe-n e»m um lugar quf podfrá ser v is u a liz a d o por to d o s du rante o pe ríod o dps^e trlmestre dfaco rd ocomngrã fico e x p liq u e aos te u s alunos o que palavra de deus e n sin a a respe ito d o casam ento diga que o s prin cíp io s e prop ó sito s d o to d u -po d e ru so pa ti o m atrim ónio n io m udaram e jam a is m udarão 12 l.pr e5 l;iiir:ca.s

[close]

p. 14



[close]

p. 15

original o diácono também deve ser marido de uma rrulher 1 t m 3 12 a liderança deve ser o exemplo d-oi fiéis em tudo e esse exemplo inclui 3 emnovotestamentoo casamento i m 4.1 2 a 1 poligamia é condenada por jesu sepe lo a p ó stolopau lo certa feita sinopsedot Ó pico <1 0 5 fari seu s aproxi niaram se de je su s a m onogam ia é o modelo de e interrogaram-no se era lícito ao união arquitetado pof deus para ahomem repudiar a sua mulher humanidade porqua lq uermot iv o

[close]

Comments

no comments yet