O grito do Poeta / Vanda Ferreira

 

Embed or link this publication

Description

Vanda Ferreira / O grito do Poeta Campo Grande/MS/BR Literatura Poesia

Popular Pages


p. 1

vanda ferreira

[close]

p. 2

o grito do poeta vanda ferreira o grito do poeta poesia 2ª edição 2010 editora flor do coração campo grande ms /br 2

[close]

p. 3

o grito do poeta todos os direitos reservados à autora ferreira vanda o grito do poeta vanda ferreira campo grande mato grosso do sul brasil 1ª edição um mil exemplares ­ 1999 2ª edição e-book ­ 2010 editora flor do coração 3

[close]

p. 4

o grito do poeta campo grande ­ ms br para as as rês faz dos las jus sas es mas lus lis todas minhas irmãs de alma em especial para a pregadora do amor fátima minha irmã de alma e de sangue a autora 4

[close]

p. 5

o grito do poeta desperta tu que dormes levanta-te dentre os mortos e cristo te iluminará vigiai pois com cuidado vossa conduta que não seja uma conduta de tolos mas de sábios aproveitando bem o tempo porque os dias são maus não sejais imprudentes mas procurai compreender qual seja a vontade de deus efÉsios 5,14-17 5

[close]

p. 6

o grito do poeta caríssimo leitor o amor é a luz que brilha intensamente Às vezes por dor contorcemo-nos em breves ou longos momentos no entanto regozijemo-nos por amor o amor que cristo eternizou em nossos corações a autora 6

[close]

p. 7

o grito do poeta negrume de nuvens tenebrosas profana desgraça e maldição um corpo envolto em sinistro véu tomba cego em esquecimento de volúpia 7

[close]

p. 8

o grito do poeta desmaia o corpo o cérebro jardins floridos estrelas vivas e beijos púrpuros 8

[close]

p. 9

o grito do poeta corpo tombado em desterro revestido resto que se resume num vulto traje para o culto da crucificação em pedra de exílio 9

[close]

p. 10

o grito do poeta sepultada silhueta em gritos lamuriantes suplica flutuantes íris aos rodopios em místicos abismos 10

[close]

p. 11

o grito do poeta soprado por áureos ventos ecoa o grito do poeta oh corpo tombado luta oferece brecha à lucidez não desfalece nas trevas de negras nuvens 11

[close]

p. 12

o grito do poeta luz germinou vida naquele corpo se insinuou seu coração palpitou impetuosa sede eloqüente ânsia de transcender no além 12

[close]

p. 13

o grito do poeta na vastidão da eternidade entoou versos amorosos celebrantes hinos rimas belas emanadas da fonte interna 13

[close]

p. 14

o grito do poeta o coração é um antro de quereres 14

[close]

p. 15

o grito do poeta deseja assoprar hálito fresco renovado em graças de êxtases deseja sensualidade labial oferecendo ardentes beijos ressuscitadores de frieza carnal 15

[close]

Comments

no comments yet