No reino do arco-íris / Vanda Ferreira

 

Embed or link this publication

Description

Vanda Ferreira / no reino do arco-íris campo grande/ms/br prosa e poesia

Popular Pages


p. 1

no reino do arco-íris vanda ferreira

[close]

p. 2

vanda ferreira no reino do arco-íris 2ª edição editora flor do coração campo grande ­ ms br 2

[close]

p. 3

todos os direitos reservados à autora l0000 ferreira/vanda no reino do arco-íris/vanda ferreira.1993 campo grande/ms/br isbn 000-00-00000-00-0 1 poesia/prosa cdd b000.0 editora flor do coração campo grande mato grosso do sul brasil 3

[close]

p. 4

seremos sal espumando todo céu tem estrelas toda vida vê no sol luz calorosa qualquer caminho leva ao mar a autora 4

[close]

p. 5

e eu aqui no escuro negro do casulo no tempo da espera curtida no desejo da luz 5

[close]

p. 6

e eu aqui no tamanho deste interior no roçar de pele e parede texturas de carne e fibra cinza 6

[close]

p. 7

e eu aqui crescida de extensão rachar-se-á minha casca desabrocharei colorida minhas asas espreguiçar-se-ão sentirei o vento e flutuarei no ar do espaço 7

[close]

p. 8

o casulo ficará preso morto enroscado no tronco estático rasgado vazio solitário fase ultrapassada descaso da liberdade 8

[close]

p. 9

e eu borboleta rebuscada primaveril beijarei a doçura dos aromas dançarei no espaço infiltrado de sol e sem limite viverei minha eternidade 9

[close]

p. 10

aí num laço sou nó concentrado divisório tira de braços ao vento filamentos despojados ao norte ao sul estirados na vertical exalando perfume rosa 10

[close]

p. 11

a h alimento meu físico como carne de bicho fantasiado de temperos ­ sirvo-me civilizada pareço superior herói de guerra ganhador de luta insana e não sei que é selvagem e não tenho sentimentos 11

[close]

p. 12

a í sou cor azul formando laço depois do nó enlaçado cordão de carne e a vida é cor 12

[close]

p. 13

a í sou simplesmente asas alada vagante lambedora de amplidão sorvendo brisa e assim sou tudo desprendida sagrada na liberdade 13

[close]

p. 14

aí no amanhecer há sol romântico luz de amor que desperta que unta e desfaz nós e não sou mais gravata sou a nudez do coração despido 14

[close]

p. 15

o horizonte é mata amazônica verde vegetal é ar sentimento purificante da poluição não almejada 15

[close]

Comments

no comments yet