Revista Digital ACLAC - 13ª Edição

 

Embed or link this publication

Description

Revista Digital ACLAC - 13ª Edição

Popular Pages


p. 1

edição xiii ano ii janeiro de 2013 revista digital da academia cabista de letras artes e ciências literatura arte educação simpatia e muito mais luciana netto 1

[close]

p. 2

acadÊm adquira você pelerine d 65 reais 35 reais d total r 2 contatos pelo e-mail:

[close]

p. 3

micoa ê também a da aclac do sedex um livro r 120,00 poesiarte@hotmail.com 3

[close]

p. 4

visÃo acadÊmica por rodrigo octávio pereira de andrade rodrigo poeta poeta professor pesquisador e presidente da aclac a Árvore da vida ou manoel de barros visto com lente de aumento a poesia de manoel de barros é feita de sementes raízes caules troncos galhos folhas flores e frutos simples como andar de bicicleta em plena avenida paulista numa manhã de trabalho em plena segunda-feira o maior neologismo de sua poesia é ele mesmo o criador o escrevinhador de palavras que se resplandece em vida veja um poema dele do livro o livro das ignorÃÇas xi adoecer de nós a natureza botar aflição nas pedras como fez rodin manoel de barros para saber mais sobre a obra e biografia de manoel de barros acesse http www.releituras.com/manoeldebarros_bio.asp 4

[close]

p. 5

muitas realidades É o que se deseja a todos desde agora um novo ano se inicia e a rotina acadêmica tende a se normalizar outra vez repleta de entusiasmo e esperança no entanto é chegado o momento de colocarmos em prática tudo o que há um ano atrás era sonho e que em dezembro virou promessa para 2013 não apenas com os projetos da academia cabista mas principalmente com os nossos trabalhos nada se concretiza sem esforço persistência e dedicação por si só o trabalho não acontece É preciso acreditar na própria capacidade e então investir amor tempo trabalho e disciplina em seu ideal nada referente a perdas de peso compras de carros novos viagens e outros itens materiais mas sim a trabalhos que envolvam uma nova perspectiva de vida como projetos profissionais empregos livros ou e-books lançados exposições de arte criações e que cada concretização se some a outras vitÓrias que colecionaremos daqui até o final de ano ideais pelos quais vivemos lutamos e que não podemos fazer deles sonhos e depois promessas em dezembro façamos deles todos desta vez realidade Índice art academia de letras pÁg 8 minutos e segundos origem arte egípcia poesias diversas galeria aclac são paulo a capital do mundo entrevista luciana netto art triste perda pÁg 11 pÁg 12 pÁg 14 pÁg 20 pÁg 32 pÁg 64 pÁg 78 pÁg 80 caricaturando academia cabista de letras artes e ciênciasaclac fundada em 12 de dezembro de 2005 no município de arraial do cabo/rj patrono cecílio barros pessoa símbolo o farol cores azul e amarelo end rua campos salles nº 11 centro cep 28930-000 arraial do cabo rj e-mail aclac.academiadearraialdocabo@gmail.com site http aclacademiacabista.blogspot.com endereço postal para presidente acadêmico rodrigo o pereira de andrade rua jorge lóssio nº 1.478 bairro vila nova cidade cabo frio/rj cep 28907-015 diretoria para o biênio 2012/2013 presidente rodrigo octavio pereira de andrade vice-presidente wenceslau da cunha secretário executivo fernando luiz de lima secretário mateus azevedo gago diretor de biblioteca e patrimônio josé henrique tesoureiro nélio aguiar diretor de comunicação fernando aires diretora do centro de estudos e pesquisa luciana netto conselho fiscal toninho vidal normando cardoso de andrade e adari lacerda colaboradores roldão aires fernando aires antonio francisco cândido josé luiz zel humor alex feitosa editado por fernando aires mtb 45.161-sp portal r.a.j www.portalraj.com.br 5

[close]

p. 6

atenÇÃo acadÊmicos artigo do regimento interno que deve ser cumprido pelos correspondentes e honorários art 6º os correspondentes e honorários deverão respeitar os seguintes parágrafos deste artigo i divulgar a entidade em sua cidade e em todo território nacional e possivelmente no exterior ii usar a logo marca da entidade mas somente para cunho cultural iii a divulgação pode ser em meio de comunicação como jornal impresso eventos a serem realizados tv internet e outro meio que possa levar o nome da entidade iv nunca usar o nome da entidade em vão v sempre que possível enviar ao endereço da academia livros cds fotos obras de arte cartazes que divulgam a sua arte com a logo da entidade podendo ser aceito via e-mail caso não possa enviar a postagem vi aos que receberem o diploma via e-mail deverão imprimir e tirar uma foto para ser enviada a entidade vii como nossa entidade não cobra ônus ao membro correspondente ao membro honorário ambos acadêmicos dependentes de título deverão fazer um relatório todo ano para mostrar sua atuação em favor da entidade viii o membro correspondente e honorário será divulgado no blog da entidade e por outros meios de comunicação ix poderá participar de antologias de encontros culturais fazer palestras e terá toda à logística caso venha à sede da entidade em arraial do cabo para ser divulgado tanto o seu nome como o seu trabalho x ao fazer o juramento passará ser um imortal correspondente ou honorário da academia tendo sua cadeira perpétua só perderá sua honraria caso não se comunicar-se durante um ano com a entidade usar o nome da entidade se não for para fins culturais morte ou por falta de decoro xi só serão aceitas inscrições para o quadro de membro correspondentes artistas que não residam na região dos lagos xii os escolhidos para serem membros honorários poderão ser de qualquer cidade brasileira e estrangeira serão escolhidos pelos seus trabalhos desenvolvidos nas letras artes e ciências rodrigo octavio pereira de andrade presidente da academia cabista de letras artes e ciências de arraial do cabo-rj visite o blog da entidade sua foto e dados agora constam lá segue o link aclacademiacabista.blogspot.com 6

[close]

p. 7

sabe o que estas pessoas têm em comum todas conheceram e fizeram parte do portal r.a.j conheça e faça parte você também the platters notícias filmes publicidade entrevistas beleza moda carros psicologia poesia contos esportes cultura vídeos e muito mais portal r.a.j acesse www.portalraj.com.br 7

[close]

p. 8

academia de let honrarias um com esta é a função social de uma academia des conhecimentos e fomentar ideias e debates tanto em mais humildes para que todos possam se ap por ferna uando aceitei o convite para ingressar como membro correspondente da academia cabista de letras artes e ciências de arraial do cabo-rj me senti muito honrado e ao mesmo tempo ansioso e preocupado ansioso para conhecer ainda mais o trabalho de tão nobre instituição e poder aprender ampliar meus conhecimentos ao lado de grandes pensadores preocupado em atender as expectativas de todos e colaborar ao máximo com a entidade através do meu trabalho e conhecimento cumprindo com o meu papel social nesta mas qual seria este meu papel social em uma academia de letras com o tempo fiz importantes amizades mesmo a distância pois sou de são paulo e conheci artistas escritores professores pensadores enfim pessoas de várias partes do brasil que acima de tudo com grande competência inteligência e paixão pelo que fazem mostraram-me cada qual visões de mundo diferentes assim aprendi muito e tal experiência me fez refletir um pouco mais sobre este meu papel social ­ que na verdade é o de todo acadêmico que represente a academia aclac ou outra instituição cultural a de compartilhar com o povo o seu conhecimento e erudição com amor humildade e boa vontade difundindo a cultura em prol do seu progresso e aprimoramento esta é a função social de uma academia desde os tempos q 8

[close]

p. 9

tras mais do que mpromisso social sde os tempos de platão na grécia ampliar m comunidades mais esclarecidas quanto noutras primorar e lutar juntos por uma vida melhor ando aires de platão na grécia ampliar conhecimentos e fomentar ideias e debates tanto em comunidades mais esclarecidas quanto noutras mais humildes para que todos possam se aprimorar e lutar juntos por uma vida melhor ocorre que a maioria das pessoas nos dias de hoje assim como eu também enxergava vêem uma academia de letras artes e ciências como sendo um templo fechado à sociedade um local elitista distante e sinceramente não as vejo equivocadas a maioria dos acadêmicos que não os desta instituição no auge de suas alturas olímpicas prefere mais as honrarias do que a troca de ideias as medalhas diplomas e festas em lugar de debates aprendizado e campanhas que possam não apenas cobrar os poderes de seus deveres com a comunidade como também e principalmente ajudar esta sociedade a se preparar melhor para enfrentar e combater as dificuldades que a ganância e a vaidade do poder lançam no mundo assim para destacar a aclac na sociedade seja em são paulo no rio e no resto do brasil creio não haja melhor alternativa do que destacar seu papel social ­ aproximando-a da população abrindo nossos espaços físico e virtuais e principalmente nossas mentes a todos aqueles que queiram junto a nós colaborar e principalmente incentivar a população à leitura e a informação para atrair futuros novos pensadores no futuro ou 9

[close]

p. 10

tras academias seguirão nossos passos tomando mais consciência desta importantíssima função social alguns podem até não concordar comigo mas todos nós membros desta conceituada entidade temos este dever e a obrigação de atuar e compartilhar nossas ideias promover debates e incentivar hábitos de leitura informação e por quê não alfabetização dentro de nossas comunidades uma pessoa que não lê seja por falta de hábito ou porque não sabe não consegue articular-se com perfeição expressar suas ideias pensamentos e portanto estará sempre fadada às vontades de seus mandatários e superiores à margem do que se passa ao seu redor será sempre refém dos poderes constituídos sem o senso crítico necessário para reivindicar debater e questionar o que julgar pertinente de minha vontade nossa aclac será exemplo para todas as outras academias do brasil nosso farol iluminará uma nova jornada uma nova razão pela qual todas as academias seguindo o nosso exemplo se pautarão vamos estender braços por várias cidades e estados e a internet será ultra importante para nós neste sentido faremos parcerias com escolas faculdades e deixaremos nossos trabalhos acadêmicos à disposição de estudantes e professores para pesquisas e por quê não nossos academicos os mais desenvoltos e que se sentirem mais a vontade para tal à disposição também para ministrarem palestras em nome da academia cabista palestras sobre os mais diversos assuntos dentro é claro das competências e conhecimentos de cada um traremos também professores mestres doutores pessoas de boa vontade e capacidade que se juntarão a nós em uma só causa a de lutar por uma população mais esclarecida mas politizada e mais consciente de suas necessidades somos pessoas cultas preparadas pensadores mas não para debatermos nossas ideias apenas entre nós e sim para levá-las e compartilhá-las junto a nossa comunidade trocando conhecimento e cultura com o povo nossas recompensas uma gratidão eterna de quem junto a nós aprendeu e se preparou melhor para enfrentar a vida e o prazer de ver que fomos capazes de mudar não o mundo como um todo mas o mundo de alguém para melhor 10 10 fernando aires é jornalista publicitário membro correspondente em sp e diretor de comunicação da aclac

[close]

p. 11

de onde vieram os minutos e os segundos os relógios derretidos de salvador dalí os inventores dos minutos e segundos foram os sumérios por volta de 2000 a c muitas civilizações neste período tinham alguns números-base para medição do tempo e outras utilidades esses números eram 5 10 ou 20 os sumérios por sua vez tinham o 60 eles acreditavam que o 60 era um número divino por ser divizível por 1 2 3 4 5 6 e 12 naquela época não haviam recursos como hoje para cálculos diversos e então tal vantagem sexagesimal era muito bem vinda não demorou muito até que tentassem dividir as parte claras e escuras do dia manhã e noite também com um submúltiplo de 60 o 12 segundo o dr roberto boczko do instituto de astronomia da usp só não dividiram as outras partes do dia em 60 porque ainda não havia instrumentos que pudessem chegar a essa fração tão pequena de tempo contudo uma vez que os sumérios haviam dado os primeiros passos coube à humanidade aperfeiçoar a medição de tempo em 1670 na holanda surge o minutum que em latim significa pequeno seu inventor foi o holandês christian huygens que acreditava assim como boa parte do mundo na eficiência da tradição suméria com o passar dos anos as necessidades de se aferir quantidades ainda menores de tempo tornouse uma incansável busca do homem por volta de 1880 a necessidade de se medir intervalos ainda menores levou ao aparecimento de vários mecanismos dentre eles um que ficou conhecido mas não tornou famoso seu criador o pequeno de segunda ordem e que hoje chamamos apenas de segundo 11

[close]

p. 12

arte egípcia por roldão aires e pirâmides de gizé xistem por todo o mundo todas as formas de arte mas seus aprimoramentos não começaram nas cavernas e nem com as tribos primitivas sua evolução não possui uma relação direta com tais povos nada deles nos foi passado nem de professores para alunos e de alunos para admiradores toda a arte está vinculada há séculos de estudo e trabalho árduo que tiveram início no vale do nilo no egito há uns cinco mil anos veremos nos capítulos a seguir que os mestres gregos e egípcios estudaram juntos e que hoje todos nós que aqui estamos somos discípulos deles sendo assim a arte egípcia é sumamente importante para todos egito terra das pirâmides montanhas de pedra cujas construções se perdem na história hoje suas pedras já se encontram desgastadas pelas intempéries mas nos revelam muito de sua história falam-nos de reis ricos e poderosos que forçaram milhares e milhares de escravos a erguê-las ano após ano cortando pedras e arrastando-as sabe-se como até o local da construção com recursos bem primitivos para que o túmulo do faraó ficasse pronto naquela época os faraós eram considerados deuses e desta maneira as pirâmides eram consideradas templos sagrados que os levaria até o além por este motivo tinham a forma triangular com a ponta voltada para o alto para que o faraó pudesse ascender 12 busto egípcio

[close]

p. 13

aos céus e juntar-se aos seus ancestrais além de auxiliá-los as pirâmides protegeriam também o seu corpo da decomposição para que o faraó chegasse intacto na outra vida por esta razão ocorria também a mumificação processo no qual os egípcios eram exímios conhecedores então erigia-se por encomenda do próprio faraó uma pirâmide para guardar a múmia real seu corpo ficava dentro dela bem no centro e à volta do esquife eram escritos os encantamentos para ajudá-lo na caminhada que o levaria para o outro mundo os egípcios acreditavam que não bastava conservar o corpo era preciso também fazer uma imagem fiel do rei para que assim ele vivesse para sempre neste momento surgiram os primeiros bustos da história os artistas de então esculpiam em granito o busto do rei e o colocavam na tumba a fim de que sua magia mantivesse viva a alma do faraó naquele tempo o escultor egípcio era conhecido como aquele que mantém vivo a princípio eram os reis que possuíam esses ritos mas logo depois foram seguidos pelos nobres que teriam seus túmulos agrupados à volta de onde estava o do rei com a mesma intenção alguns desses retratos da era das pirâmides ainda estão entre as belas obras de arte egípcia sai desses retratos uma simplicidade difícil de esquecer visto que o escultor da época mesmo sem recursos já procurava ser fiel aos detalhes talvez por isso permaneçam tão impressionantes até hoje 13

[close]

p. 14

no corpo membro honorário da aclac rj por ferreira gullar de que vale tentar reconstruir com palavras o que o verão levou entre nuvens e risos junto com o jornal velho pelos ares o sonho na boca o incêndio na cama o apelo da noite agora são apenas esta contração este clarão do maxilar dentro do rosto a poesia é o presente 14

[close]

p. 15

algo diferente membro honorário da aclac em são paulo/sp por roldão aires se existe algo diferente quase que anormal é o sentimento que por ti tenho um gostar calmo profundo que de mim toma conta diáriamente busco te sentir com o pensamento trazendo-te prá perto fecho os olhos e vejo-te em todos os lugares por onde passo e vivo costumeiramente chega a ser comum de tão forte o meu querer sinto que respiras ao meu lado que ris e que conversas com prazer e gosto não será espanto se em um determinado momento eu querer beijar-te e ver bem junto a mim teu rosto 15

[close]

Comments

no comments yet